sábado, 22 de maio de 2010

Uma pausa para uma análise política



Nos últimos 44 dias este blog viveu e respirou a greve dos educadores 24 horas por dia. E continuará assim, enquanto a greve durar. E até depois, repercutindo e acompanhando os passos deste vigoroso movimento que nós, educadores mineiros, estamos construindo.

Mas, como hoje é quase domingo, e para mudar um pouco o foco, quero analisar o quadro político do Brasil e de Minas.

O noticiário dos jornais mineiros, aqueles que recebem generosa doação do governo A_A, tem analisado que, com a queda do candidato Serra nas pesquisas, existe uma forte pressão para que o sr. Aécio Neves assuma a vaga de vice-presidente.

Pessoalmente, estou pedindo para Papai do Céu atender a este reclamo do ninho dos tucanos. Seria talvez a melhor forma de Minas e o Brasil derrotarem, de uma só vez, Serra, Aécio e Anastasia.

Pena que em Minas o quadro político seja tão pobre. Nas hostes do PT,infelizmente, venceu o candidato Pimentel, em quem eu não confio depois que ele entregou de bandeja a prefeitura de BH para Aécio Neves. É graças a isso que hoje nós somos obrigados a escutar o prefeito de BH criticar a greve dos educadores de Minas, que estaria incomodando o trânsito da cidade.

Deveria ele se preocupar em construir habitação para os milhares de sem-teto que vivem em BH ao invés de querer dar palpite errado no movimento mais justo do mundo, que é a greve dos educadores de Minas.

Mas, voltando ao tema. No cenário nacional, a candidata Dilma tem crescido, graças sobretudo ao apoio que recebe do presidente Lula. Por diversas vezes manifestei minhas discordâncias com o governo federal, por exemplo, quando mantém a política do superávit primário, que transfere bilhões de reais todo ano para poucas e ricas famílias, enquanto deixa de investir maiores recursos na Saúde pública, na Educação, no saneamento e na habitação popular.

Contudo, comparado com os governos dos tucanos, o governo do presidente Lula tem seus méritos. Entre eles, maiores investimentos sociais, em programas como o Bolsa Família; aumentos reais do salário mínimo; maior repasse para o FUNDEB, ainda que muito aquém do necessário; pró-uni, entre outros investimentos importantes. Pecou por ter mantido a política monetária de FHC, que beneficia bancos, apenas, mas pelo menos não privatizou a Petrobras, não criminalizou os movimentos sociais e nem sucateou o serviço público como fazem os tucanos quando estão no poder, seja em que instância for.

A candidata Marina, embora seja uma ambientalista de respeito, tem poucas possibilidades de confrontar com as duas candidaturas que polarizam a disputa: Serra (e tomara que Aécio seja o vice) e Dilma (e que pena que o vice dela deve ser Michel Temer do PMDB).

No âmbito estadual, a disputa pode ficar polarizada entre o candidato do governador Aécio, Antonio Anastasia, e o candidato do PMDB, Hélio Costa. O PT teria grandes chances se o candidato fosse o Patrus Ananias, mas Pimentel mostrou que controla a maioria dos votos e com isso deve negociar a cabeça de chapa com Hélio Costa. Ou até com Aécio, não duvidem. Como disse, não confio em Pimentel. Pode ser que o pessoal do PT da banda de Pimentel algum dia me explique essa atitude dele em relação à prefeitura de BH.

Aliás, enquanto Hélio Costa tenta atrair os setores mais à esquerda do PT criticando o choque de gestão e até ensaiando um apoio a uma melhor remuneraçaão para os educadores de Minas, o sr. Pimentel dá entrevista elogiando Aécio Neves. Ninguém merece, né?

Mas, se Aécio resolve manter a candidatura ao senado, ele tem grandes chances de levar pelo menos uma das duas vagas. Infelizmente, uma parcela dos mineiros não enxerga o que representou este governo em matéria de destruição da educação pública, desvalorização das carrerias dos educadores, uma saúde pública caindo aos pedaços e muita obra faraônica.

Contudo, se Aécio ficar em segundo lugar para o senado e perder para um outro candidato, mesmo que seja para um Pimentel, já seria desmoralizante para ele. É praticamente o enterro do sonho de se tornar presidente. Já pensaram Aécio presidente, levando com ele Anastasia, Filocre, Renata Vilhena e Vanessa Guimarães? Batam na madeira, mil vezes, por favor. Eu mudaria de país, embora seja um apaixonado por Minas e pela cidade onde nasci e onde sempre morei, pelo menos fisicamente.

Mas, meus santos protetores não hão de permitir que tal aconteça, e o vôo do tucano mineiro será bem rasante, jamais atravessando as montanhas das Minas Gerais.

Não sei se a Dilma, como presidente, fará uma boa administração. Mas, gostei quando ela assumiu o compromisso de não criminalizar os movimentos sociais e dialogar com os trabalhadores. Vou cobrar. Espero também que ela faça mais do que Lula em prol da Educação pública, pois nacionalmente não se construiu um movimento como o dos educadores mineiros. Essa CNTE é devagar quase parando. O que nos torna dependentes de governantes sensíveis à causa da Educação pública.

Mas, aqui ou acolá, seja quem for o governo, deverá saber que da parte dos educadores de Minas, só esperem auto-organização e luta. Nosso movimento renasceu para salvar a carreira dos educadores e a Educação pública de qualidade para todos. E também para enfrentar máquinas poderosas em nome das melhores tradições libertárias.

Hoje à tarde ouvi alguém dizer, numa análise, que os grevistas estariam cansados. Só se for ele. Eu não estou. E nem os colegas com os quais tenho encontrado diariamente. Estamos dispostos a resistir quanto tempo for necessário. Pois essa luta é mais do que em prol da nossa carreira. É a nossa vida, é o nosso compromisso ético com a educação e com a comunidade.

O quadro político ainda vai esquentar. E desta parte de Minas eu torço para que Aécio aceite compor a chapa de Serra como vice. Será uma ótima oportunidade para o Brasil conhecer aquilo que não foi bom para Minas. E não será para o país.

3 comentários:

  1. Ótimo texto, você ainda esqueceu do luz para todos, farmacia popular, merenda escolar para o Ensino médio, reajuste todos os anos para os servidores federais, etc.

    ResponderExcluir
  2. É "cumpanheiro" até o site do Sindutemg foi retirado e outros de "sindicatos" estão com dificuldade para abrir é REPRESSÃO mesmo! Os Professores agora tem que se unir ainda mais usar o telefone celular(Santo quem os criou)até *sinal de fumaça* porque a comunicação agora esta ficando cada vez mais dificil o Anastazizta está sem arguento e esta apelando, só falta a Tortura...(quer dizer a psicologica já esta acontecendo) "É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas a Graça das Graças é não desistir nunca." Dom Helder Camara. Maria Helena

    ResponderExcluir
  3. João Paulo Ferreira de Assis23 de maio de 2010 10:58

    Ótimo texto, digo, parafraseando o excelente sr.Wender Moura. Concordo contigo principalmente em relação à CNTE que ainda não acordou para o fato de que o PSPN só irá valer, se a Educação Básica for assumida pelo Governo Federal. Deixar para os Estados e Municípios pagarem, é uma burla. Se ela já fosse federal, não teríamos a ADIN 4167 a nos atrasar a vida. A ideia tem de ser martelada até se consolidar. Eu estou, por enquanto, praticamente sozinho, só eu que falo na federalização da Educação Básica. Se pelo menos os blogueiros como você, o Anderson, a Cristina Costa, o Paulo Miquéias e outros começassem a falar, o caso seria outro. Mais pessoas iriam aderir. E a CNTE finalmente assumiria esta luta.

    ResponderExcluir