sexta-feira, 21 de maio de 2010

A mesma ladainha de sempre...


Entra ano e sai ano e o Governo de Minas repete que "ano que vem" ou "em algum momento" os educadores terão seus salários reajustados. Parece um disco arranhado de tanto repetir a mesma idéia de um aumento salarial jogado para o futuro.

Em 2008 a SEE-MG chegou a divulgar um comunicado em seu site eletrônico afirmando que a partir de janeiro de 2010 o piso profissional (na época, em 2008, era de R$ 950,00) seria pago integralmente, sem os penduricalhos e sobre ele incidiriam as gratificações. O governo não cumpriu o que prometeu.

Posteriormente, num programa da TV Minas, realizado em 2009, a secretária Vanessa Guimarães disse que estava tudo preparado pelo governo para pagar o piso profissional aos professores, mas aí veio a crise e atrapalhou tudo. E ainda disse que: em algum momento ainda este ano (2009) os salários dos professores serão corrigidos. Mais uma promessa não cumprida.

Agora em 2010, após 42 dias de greve, vejam o que diz a mesma secretária neste trecho da notícia divulgada pela Agência Minas (clique aqui para ler matéria completa):

"A necessidade de levar as informações com transparência para a categoria foi reforçada pela secretária de Estado de Educação, Vanessa Guimarães. “O que está nos preocupando agora é dar o máximo de informação e esclarecimento à comunidade escolar, porque os professores precisam saber e entender que não há nenhuma possibilidade de aumentos maiores que os 10% dados para este ano. A nossa perspectiva é de construir alternativas boas a partir do ano que vem. Mas para isto é preciso fazer um esforço e contávamos com a representação da categoria para discutir isto”, afirmou.

Ou seja, depois que o governo prometeu e não cumpriu em 2008 e em 2009, a sra. Vanessa diz em 2010 que a "perspectiva [do governo] é de construir alternativas boas a partir do ano que vem".

Ela e todo o governo Aécio-Anastasia tiveram oito anos para construir alternativas boas para os educadores, mas deixaram o tempo escoar e agora querem fazer propostas para o próximo governo?

Se tivessem o mínimo de bom senso fariam agora, já, uma proposta de aumento no piso para as tabelas salariais dos educadores. Mas, o governo prefere investir na propaganda enganosa a respeito da nossa realidade. Não percebe que isso não vai adiantar? Se levarem essa conduta por um tempo maior acabarão criando um impasse de difícil solução.

E é bom que o governo saiba que, se eles destruirem mais ainda a educação pública ou inviabilizarem o cumprimento do ano letivo quem terá que se explicar para milhares de alunos e pais de alunos não são os professores. É o governo de Minas, que desprezou, humilhou e não investiu adequadamente na educação e nos educadores do estado.

O tempo da ladainha e da promessa futura acabou. E só eles, do governo, não perceberam isso.

8 comentários:

  1. Querido Euler,
    será que o sindicato não pode recorrer ao supremo? Sabemos que a greve não é ilegal, que a constituição está sendo desrespeitada, que os argumentos são falsos, que educação não está na lista dos serviços essenciais... Enfim, vc sabe de tudo isso.
    Obrigada

    ResponderExcluir
  2. Luciano José Rodrigues21 de maio de 2010 11:57

    AFONSO ROMANO DE SANTANNA, TEM ALGO A DIZER A ESSES DESTRUIDORES DE SONHOS: AÉCIO/ANASTASIA/RENATA VILLENA/VANESSA GUIMARÃES/DANILO DE CASTRO E SEU FILHO(PROJETO DE BELZEBÚ.
    "A IMPLOSÃO DA MENTIRA"
    (...)Mentem sobretudo impunimente
    Busquem essa poesia, e a divulguem!

    ResponderExcluir
  3. Vou repetir palavras de uma companheira em um dos encontros por ocasião da greve da cidade de Pará de Minas , que , por analogia , retratam bem o quadro atual : " O governo enjaulou durante 8 anos um leão e foi cutucando com uma vara . O leão feroz quebrou a jaula e agora o governo não tem como detê-lo."
    Anderson - Pará de Minas

    ResponderExcluir
  4. Ei eles ainda usam disco de vinil para gravar suas responsabilidades, a memória é curta e de tanto ouvir para se lembrar o dico arranhou.........KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Eles precisam utilizar MEMORIOL vendido nos programas da Itatiaia ou pela net. Será que conhecem a net?
    Cuidado pessoal, eles estão tentando fazer uma guerra entre nós e o Sindicato. Fiquem atentos.Esta é a nova formula para nos confundir!

    ResponderExcluir
  5. PARABÉNS!!!

    SEUS COMENTÁRIOS SÃO MUITO PERTINENTES E INTELIGENTES.
    SÓ O GOVERNO É QUE NOS TRATA COMO SERES DESPREZÍVEIS E SEM INFORMAÇÃO.

    PARABÉNS MAIS UMA VEZ!
    SEU BLOG É MUITO BOM.

    ResponderExcluir
  6. Leiam a matéria:
    O possível da democracia
    Nada é impossível em ano eleitoral. A Câmara de Deputados e o Senado ajudaram a comprovar a máxima. O projeto que impede a candidatura de políticos que foram condenados em alguma instância colegiada foi aprovado nas duas casas legislativas - o que parecia impossível há dois meses. Também impossível parecia ser a aprovação do reajuste dos aposentados e pensionistas que recebem mais de um salário mínimo por mês. Mas o reajuste passou.
    Naturalmente, os senhores parlamentares não agiram assim em função de uma preocupação profunda com a população brasileira. A pressão popular em relação aos dois projetos foi muito grande e elogiável. O esforço e a mobilização da sociedade no sentido de recolher assinaturas para garantir a tramitação do Ficha Limpa é algo que aponta para uma mudança de postura que precisa ser reconhecida e evidenciada. E claro, tudo isso aconteceu em um ano eleitoral. A parte dessa história que não merece mérito algum é exatamente a necessidade de haver uma urna perto dos deputados e senadores para que eles ouçam o clamor popular. Mas é assim mesmo que o sistema funciona.
    O brasileiro começa a entender que, em última instância, ele é o dono do mandato de seu representante. Portanto, se o representado avaliar que o seu eleito não está cumprindo aquilo que foi acertado durante a campanha eleitoral, na próxima vez que for às urnas, ele mudará seu voto. E assim o fará quantas vezes julgar necessário.
    O voto nada mais é do que um combinado que precisa ser respeitado sob pena de ser cancelado na próxima eleição. E mais forte será o voto quanto maior for a vigilância do representado sobre seu representante. O acompanhamento e a cobrança precisam acontecer durante os quatro anos de mandato. Não são apenas os fatos mais próximos da eleição que devem direcionar o voto do eleitor.
    A democracia não convive bem com a falta de memória. E então é preciso dizer que os mesmos senhores que aprovaram o aumento para os aposentados com benefício previdenciário superior a um salário mínimo e o Ficha Limpa são os mesmo que evitaram e evitam aprovar uma reforma tributária de verdade e uma reforma política ética e séria (para que projetos isolados, como o Ficha Limpa, não sejam necessários).
    Ainda é preciso também estender a pressão popular ao Poder Executivo. É fundamental lembrar que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem poder de veto sobre as duas matérias. Aí é a vez de o povo dizer: nunca antes na história deste país houve tanta preocupação com um eventual veto de um presidente da República. Afinal, quem quer continuar, ainda que seja na pele de outra pessoa, não pode errar em pontos fundamentais.”

    Matéria publicada no setor colunas do jornal O Tempo online
    “O possível da democracia”
    Carla Kreefft
    Publicado em: 21/05/2010

    ResponderExcluir
  7. Euler, aqui de novo buscando, por seu intermédio, ponte com o sindicato para tentar ajudar um pouco!
    O Governador Anastasia e a secretaria Vilhena inistem em afirmar que um dos Principais motivos para não darem o aumento é que estamos em ano eleitoral e que o prazo para conceder o aumento ja passou. Mas li uma reportagem datada do dia 20 de maio em que nesse dia o senado aprovou um aumento para os servidores da câmara federal. Gostaria de entender se a lei eleitoral é diferente para os serivores do Estado e os Federais.

    ResponderExcluir
  8. Preocupação de muitos é a tal da demissão, uma vez que decretaram a greve ilegal, os servidores mesmo que sejam efetivos (concursado) estão suscetíveis a demissão.

    Se houver demissões, quantos serão? Os 60% do quadro de professores que formam a massa grevista?

    É fato, que no Estado de Minas Gerais faltam professores. Assim como o governo demitirá professores se não há pessoas graduadas e preparadas para lecionar? Eu acredito que seja difícil encontrar pessoas preparadas e graduadas dispostas a se "prostituir" pelo salarinho mixuruca oferecido pelo governo mineiro.

    E o Sr. Euler, o que acha?

    ResponderExcluir