sábado, 12 de junho de 2010

Por que o governo não divulgou uma tabela salarial? E o silêncio do sindicato?


Há razões óbvias que explicam o gesto de omissão do governo ao não querer apresentar a tabela salarial aos educadores de Minas. E infelizmente o sindicato está caindo neste jogo ao não denunciar a jogada e lançar tudo para uma assembléia que corre o risco de ser esvaziada ou ficar lotada com uma ajudazinha do governo.

A primeira razão é o fato de que o governo não tem a intenção de oferecer aquilo que reivindicamos: o piso de R$1.312,00 para a jornada de 24 horas. Por isso tergiversa. Fala que pagará o piso de acordo com a lei, mas durante a greve nós vimos qual foi a interpretação legal que o governo deu ao piso. De acordo com o governo, ele já paga até mais do que o piso.

Portanto, incluir a frase solta de que pagará o piso do magistério sem definir o valor, a jornada de trabalho e o conceito de piso (aquela história de piso-teto), o que temos é um jogo de palavras, uma carta de intenções oca.

A simples mudança de nomenclatura, de níveis, com o anúncio fanfarrão de que acarbar-se-á em Minas o professor com curso médio - o que aliás é ilegal, do ponto de vista da legislação federal vigente, enquanto Minas mantiver escolas com os cinco primeiros anos do ensino fundamental - não muda a essência da miserabilidade dos salários pagos.

Por aqui, os profissionais com curso superior recebem salários vergonhosos, piso de um salário mínimo e teto salarial menor que dois salários. Na Minas onde se constroem castelos, viadutos, rodovias e que ostenta crescimentos do PIB maiores do que em outros estados, não há recursos para pagar um salário decente aos educadores.

Por isso o governo mostra gráficos que só comprovam o quanto ganhamos mal. E mostra mais um dado importante: no governo Aécio-Anastasia procurou-se reduzir as diferenças salariais existentes na Educação através do empobrecimento generalizado. Não houve um esforço para elevar os de baixo até as faixas salariais um pouco mais altas, mas de estabelecer um teto único, abaixo de dois salários mínimos para toda a categoria. Mais uma gestão e o governo Aécio-Anastasia teria conseguido criar um salário único para todos: o salário mínimo!

Agora, passados 18 dias desde a suspensão da greve, que ocorreu no dia 25, com o compromisso de que em 20 dias uma comissão paritária governo e sindicato apresentaria uma proposta de alteração salarial para todos os educadores, o que temos em mãos? Um conjunto de gráficos denominados "perfil remuneratório dos educadores de Minas" e uma proposta de mudança de carreira que prevê aumento da jornada de trabalho e a extinção dos níveis um e dois do plano de carreira dos professores. Só. Nada mais. E a tabela de salários? Nada.

Como disse uma colega de trabalho e de luta que visita o nosso blog: não estamos preocupados com a nomenclatura de carreiras, mas com SALÁRIO!

Se o governo apresentar um salário base de R$ 1.020,00, por exemplo, dizendo que dobrou o piso básico dos professores com ensino superior e cumpriu a lei do piso, mas excluir todas as gratificações, incluindo o pó-de-giz, na prática vai trocar seis por meia dúzia. Continuaremos ganhando salário de fome. E o pior será se, além deste presente de grego, nós tivermos que cumprir 30 horas de jornada semanal para recebê-lo.

Por isso o governo enrola, tenta mostrar que a folha salarial dos educadores é muita alta, tenta impressionar com tabelas, sem apresentar o quadro completo comparativo entre a educação e as demais carreiras do estado, incluindo as do judiciário, do TCE, do Ministério Público, da PM e do Legislativo.

E o sindicato parece estar embarcando nesta jogada, pois até agora não convocou a categoria para a luta. Não deu nenhum sinal de alerta, apenas chamou para uma assembléia homologatória daquilo que for decidido entre os representantes do governo e do sindicato.

Nós, da base, assistimos a tudo nos sentindo marionetes deste jogo de cartas marcadas. O governo possui os meios de comunicação para iludir e manipular à vontade. O sindicato sequer consegue atualizar o seu site. De certa forma todos nós somos culpados, quando aprovamos, numa assembléia com 20 mil trabalhadores em greve, a transferência das negociações do palco dos embates de rua com a participação de todos, para o palco de uma comissão paritária, guardando as nossas bandeiras e transferindo nosso poder de decisão para um pequeno grupo distante do calor e da pressão dos de baixo. É preciso que se diga: quase a metade dos presentes foi contra o fim da greve. E uma boa parte se arrependeu um dia depois, quando a secretária do Seplag declarou que para este ano não haveria qualquer reajuste salarial.

Mas, enfim, talvez isso sirva de aprendizado para todos nós. E apesar de termos votado na assembléia contra o fim da greve, passamos a trabalhar a mesma expectativa da maioria de que a comissão do sindicato negociaria melhorias salariais para toda a categoria, e a manteria informada e mobilizada de cada passo dado. A três dias do final dos trabalhos com o governo, a comissão de negociação do sindicato não soltou uma única nota avaliando o processo de discussão com o governo. Por que será?

E quanto ao governo... bom, não é preciso dizer nada, né gente? Até agora apresentou gráficos e tratado de intenções sem mostrar uma única proposta de tabela salarial. Se o fizer, por exemplo, na segunda-feira, dia 14, para votar o relatório no dia 15 demonstra falta de respeito, que aliás ele nunca teve com a categoria. E por que o sindicato não denunciou este fato?

Agora, se o governo já apresentou a tabela salarial e a direção do sindute mantém silêncio sobre os dados da mesma, ao invés de divulgá-la amplamente para a categoria, de duas uma: ou a proposta é muito boa - o que eu duvido - e a direção quer fazer um showzinho no dia da assembléia; ou a proposta é muito fraca, e a direção sindical quer empurrá-la ou rejeitá-la sem grande estardalhaço, apenas tirando proveito político da situação. Qualquer destas possibilidades enfraquece esta direção junto à categoria, que lutou bravamente durante 47 dias, colocou o pescoço na forca, arriscou-se a tudo, para não ser tratada com o devido respeito, nem pelo governo (o que não é novidade) e nem pela direção sindical.

Que toda a categoria reflita sobre isso, não com o intuito de abandonar a luta, desanimar-se ou coisa do gênero. Isso é coisa de covardes, coisa que não somos e já provamos isso. Pelo contrário, com o intuito de aprendizado: nós precisamos aprender com as derrotas, a nos organizar melhor, a saber em quem confiar, a saber com quem contamos e como construir um movimento de base blindado dos golpismos e das manipulações a que temos sido vítimas ao longo dos últimos 10 anos, pelo menos.

E para concluir: eu não sei se vou à assembléia do dia 17, porque não sou massa de manobra da direção sindical. Estou pronto para lutar, para reiniciar a greve hoje mesmo, se necessário for, mas ao lado de gente em quem eu confio. A direção sindical tem poucas horas para tentar nos convencer de que ainda merece o nosso respeito. Quanto ao governo do faraó, quero que ele vá para o inferno, para dizer o mínimo.

13 comentários:

  1. Você esta de parabéns...
    mto bom o texto ...
    pode ter certesa que o será decedido será o melhor para todos ...

    ResponderExcluir
  2. Olá Euler:

    Sou de Uberlândia, estou divulgando o seu site na escola, eles adoraram, é a única fonte de informações que estamos tendo nessa fase da negociação, estamos esquecidos pelo sindicato, mas já estamos sofrendo com as reposições e o corte no salário, nem me lembre!
    Estive aí em BH na última assembleia e te procurei para lhe agradecer, seu blog é ótimoooo! Mas não tive a oportunidade.
    Um abraço! Iris pf Física.
    Acesso todos os dias, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Euler, realmente você está de parabéns com o seu blog.Continuo com a firme ideia que precisamos de um representante como você na Assembléia legislativa, pois, os Deputados de minha região, dois deles defensores da bandeira d educação, votaram a favor do governo, causando revolta entre meus colegas. Continue com seus ideais e quando pensar na sugestão pode contar com 10 votos em minha casa e muitos outros que consiguirei como seu cabo eleitoral, força irmão, um dia mudaremos este quadro. Abraços Beto.

    ResponderExcluir
  4. Euler, enviei hoje de manhã ao SINDUTE um email no qual externava a minha indignação com a falta de informação sobre um assunto que é NOSSO. A comunicação hoje é em tempo real e o site do NOSSO sincato parece estar no tempo do pombo correio.

    ResponderExcluir
  5. João Paulo Ferreira de Assis12 de junho de 2010 20:12

    É, este silêncio do SIND-UTE está se tornando incômodo.

    ResponderExcluir
  6. Companheiros e Companheiras,

    Cabe a nós, trabalhadores da base, cobrar sempre um postura combativa, coerente e transparente de nossa direção sindical.
    Não podemos deixar que fique uma coisa "cupulista". O que está em jogo é a nossa luta e a nossa vida. Aceitamos o argumento de que existe uma comissão de negociação eleita ( formada por 04 companheiras). Mas esse argumento, ao meu ver, perde força quando não existe uma interlocução da comissão com o conjunto da categoria durante as negociações. Essa é uma das premissas da democracia operária. A base decide. A base tem um canal de negociação e esse canal deve ser retornado para a base decidir.
    Todos os passos da comissão deveriam ser elucidados diariamente durante os 20 dias de trégua (estudos). Agora, nos resta na reunião do comando de greve do próximo dia 17 pela manhã, estarmos alertas, não deixar a direção vacilar e coletivamente encaminharmos as táticas e estratégia necessárias a nossa vitória.
    Saudações Revolucionárias,
    Moclate-MG - Movimento Classita dos Trabalhadores em Educação - Núcleo Minas Gerais

    Obs: Camarada Euler, estamos seguindo seu BLOG. Visite o nosso. Resistência e Luta, sempre!

    ResponderExcluir
  7. Olá Euler, tenho um grande respeito por você e pelo trabalho que faz através do blog. Por isso tomei a liberdade de postar este comentário.Acho importante te dizer que não pretendemos fazer nenhum "showzinho" no dia da assembleia, mas encaminhá-la como fizemos em todos os momentos de 2010: com respeito, informando todas as questões e não nos furtando em fazer as avaliações necessárias.
    Quanto a suspensão da greve, respeito a sua avaliação. Não atuamos para "tirar proveito político da situação" de nenhuma assembleia. Ninguem manobrou ninguém no dia 25, cada trabalhador em educação votou de acordo com o que pensava. Gostaria de lhe dizer também que a direção estadual não fará nenhuma votação para "tirar proveito político" e da mesma forma ninguém que participa da nossa assembleia estadual é "massa de manobra". É uma pena quem ainda não tenha percebido isso da nossa atuação.
    Quanto as questões da comissão, concordo com você: sem tabela salarial não há discussão!E é isso que queremos do governo para apresentá-la à categoria. Não é o Governo que vai estabelecer de onde começar. Para ele é preciso "estruturar a carreira", para a categoria é preciso salário. Começar a manifestar sobre o que o governo colocou no site dele, antes de termos as tabelas, é na minnha opinião mudar o foco do salário para a carreira. Estamos cobrando uma tabela de todos os cargos da educação. Será a partir dela que avaliaremos as questões relacionadas a carreira. Temos controle em relação a nossa estratégia, e o governo faz a dele. A divulgação da apresentação da proposta de mudança de carreira sem tabela fez parte de uma reunião que o governo fez com a APPMG, Sind-Publicos, etc.
    Por fim, discordo da sua avaliação do dia 17/06. Convocamos a assembleia como instrumento de luta, da mesma maneira que convocamos as demais assembleias deste ano. É fundamental uma grande participação. Em se tratando do atual governo, o risco permanente é o de perder direitos e uma assembleia esvasiada é a oportunidade do governo para isso.
    O governo já ouviu em reunião a posição do Sind-UTE - a mesma de todo o período da greve - : sem salário não tem discussão. Não vamos aceitar qualquer discussão de modificação de carreira, sem que haja primeiro a discussão de salário. Agora se o Governo quer tentar convencer a categoria divulgando propostas de carreira, reafirmo o que disse anteriormente: a categoria tem capacidade de avaliar se quer ou não embarcar na estratégia do Governo. O sindicato não cairá nesta.
    Fraternalmente.
    Um grande abraço,
    Beatriz Cerqueira

    ResponderExcluir
  8. Olá Euler,
    As criticas são sempre bem vindas e como faço parte desta comissão me sinto na obrigação de fazer comentário sobre o assunto apesar da compnheira Bia já ter respondido à altura.Pode ter certeza de que informaremos a categoria de tudo que se passar nestas negociações e pode ter certeza que nenhuma da nós fa zemos manobra com a categoria pois a respeitamos e fazemos parte dela .Espero tê-lo conosco no dia 17.Informações só poderemos passá-las quando estiverem amarradas e claras para não trazer transtornos como foi a divulgada pela See.
    Marilda

    ResponderExcluir
  9. Tenho um grande respeito HOJE pelo sind ut pela sua representante mor BEATRIZ, é a primeira vez em muitos anos que confio em meu sindicato, é a primeira vez que estou mobilizando a minha escola (passo e-mail para os professores sobre todas as postagens que acho válidas informá-los, instruo alunos, pais e a comunidade escolar tanto sobre política como sobre o dia 17/06) procuro me manter informada sobre os acontecimentos). Acho que precisamos dar um voto de credibilidade a este sindicato que aos poucos conseguiu ganhar nossa confiança e mobilizar Minas Gerais, dia 17/06 vamos lá somar e fazer a diferença, afinal estará sendo votada a nossa profissão..................

    ResponderExcluir
  10. Anônimo, se vc confia tanto assim neste sindicato e já deu seu voto de credibilidade a ele, por que não se identificou????

    Acho que devemos estar sim, na Assembleia dia 17 porque não podemos perder TANTOS DIAS DE LUTA,mas para mim, VAI MAIS ALEM DISTO. Espero sinceramente e honestamente validar e tirar a mal impressão que tive da direção do sindute na última Assembelia.

    Pois até então, eu estava de corpo e alma na luta e confiante pela primeira vez no nossso sindicato e infelizmente, não senti este respeito por parte deles.

    Espero que as palavras da Beatriz Cerqueira,no seu comentário acima, se concretizem em ação nestes últimos dias e principalmente no dia 17.

    Se Deus quiser estarei lá para avaliar a proposta, mas não me deixarei ser manipulada, mesmo que eu seja a única a não concordar com ela.

    Maria Cristina Costa- professora de matemática da E.E.Padre José Senabre em Vespasiano.

    ResponderExcluir
  11. O SILÊNCIO INCOMODA MUITO,MAS NÃO PODEMOS DEIXAR QUE A CATEGORIA ESFRIE A VONTADE DE LUTA.
    DURANTE AS ASSENBLEIAS TIVE A PERCEPÇÃO DE QUE TODOS ESTAVAM DANDO CREDIBILIDADE AO SINDICATO E SUA NOVA DIREÇÃO,COISA QUE,A MUITO NÃO SE VIA,
    PORÉM PERCEBEMOS QUE MUITOS,INDEPENDENTEMENTE DE QUALQUER DIREÇÃO,PROJETO OU LESGILAÇÃO DESEJAVAM COMO QUE MORDENDO O FREIO ,E DISPONDO DOS ARREIOS CONTINUAR A LUTAR MESMO SEM O SINDICATO OU PROJETOS DO GOVERNO.
    A ALTA ESTIMA DE TODOS FOI RESGATADA E ISSO O SINDICATO NÃO PODE PEDER DE VISTA,POIS DEMOS AULAS,TALVEZ A MAIS IMPORTANTE PARA O POVO BRASILEIRO, EXPRESSA EM NOSSO PROPRIO HINO NACIONAL "VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À LUTA".
    ESTAMOS ESPERANDO AS NEGOCIAÇÕES E ACREDITANDO QUE O SINDUTE REPRESENTADO PELA ATUAL DIRETORIA REALMENTE DEFENDA NOSSOS INTERESSES DA MELHOR MANEIRA POSSÍVEL.
    GRANDE ABRAÇO: FLAVIO E FAUSTA
    E.E. MESSIAS PEDREIRO.UBERLÃNDIA.

    ResponderExcluir
  12. Marilda, desculpe-me pela discordância, mas se o fato (que gerou todas estas discussões) é que o SindUTE não está divulgando um boletim diário sobre as atividades do grupo de trabalho. Mesmo que seja pra coordenação do sindicato informar-nos que não aconteceu coisa alguma, que está tudo parado, que está os representantes da SEE e SEPLAG estão morosos, em português, enrolando, eu e meus colegas da E.E. Elza Mendonça Fouly queremos ler e ouvir, o diário deste grupo. Afinal, vocês são minhas representantes. Na última assembléia, eu assinei uma procuração, nomeando minhas bastante procuradoras vocês quatro. Você sabe o que é o representante do SindUTE na escola pedir o horário do intervalo dos professores para dar informes e ao final todos olharem uns para os outros e dizerem calados "desse nada eu já sabia tudo!"? Isso é porque o representante faz parte da nova diretoria da Subsede, que teoricamente teria mais informações da sede Estadual, por conta da comissão e comando de greve. Mas não foi isso que vi. Nós já temos gente demais pra "filtrar" a verdade, a informação do fato. Será que já foi esquecida a (falta de)cobertura da greve por parte da mídia. E aí, há quem diga "mas eu ouvia falar da greve todos os dias na TV e no rádio". Mas o problema não é esse. Eu prefiro não saber, do que saber aquilo não é a verdade, o fato. Eu não quero saber o que o Estado de Minas, O Tempo, Hoje em Dia, Portal Uai, TV Band Minas, TV Alterosa, TV Globo Minas, Itatiaia disseram sobre a greve ou a nossa reivindicação, a razão de tudo isto. Eu quero saber o que o meu Sindicato, meu representante profissional, a qual sou filiado, o que representa a maior número de profissionais no Estado de Minas Gerais, diz sobre o assunto. É só isso? É difícil? Marilda, você ou outra pessoa que junto à você no grupo de trabalho, me responda.

    ResponderExcluir
  13. É uma vergonha isso tudo. Nós queremos respostas palpavéis, de enrolação estamos cheios. Os dedos e melinderes como desculpas de nada resolvem. Essa proposta do governo é meramente vergonhosa. Só ignorante e burros podem aceitá-la. Que me desculpem os melindrados, nós não vivemos de melindres e desculpas para sustentarmos nossas vidas e famílias. Se não querem aceitar críticas trabalhem corretamente com a classe de educadores. Sabe de uma coisa...
    SEMPRE TUDO ACABA EM SAMBA, FUTEBOL E PIZZA. CHEGA DE ENROLA,ENROLA, DESCULPAS PRA LÁ E PRA CÁ. ESTAMOS SENDO ARREBENTADOS PELO NOVO PLANO SIM. NÃO ACEITEM COMPANHEIROS ESSE NOVO ENGODO DO GOVERNO. NA VERDADE A NEGOCIAÇÃO NÃO DIZ RESPEITO AO QUE QUEREMOS, NECESSITAMOS E PELO QUAL LUTAMOS. ESTÃO TENTANDO NOS ILUDIR E CONFUNDIR DAS REAIS NECESSIDADES E REINVICAÇÕES. FIQUEM COM OS OLHOS E OUVIDOS ARREGALADOS E NÃO SOMENTE COM OS CABELOS.PROPOSTA RIDÍCULA, RIDÍCULA E RIDÍCULA. FIQUE COM ELA QUEM FOR CAPACHO E INCOMPETENTE. ESTÃO ACHANDO QUE SOMOS BURROS E INCOMPETENTES NA AVALIAÇÃO DE TAL NEGOCIATA? ALERTA VERMELHO, PERIGO,ATENÇÃO REDOBRADA. isso é uma bomba de efeito retardado cuidado!

    ResponderExcluir