quinta-feira, 29 de julho de 2010

Devemos nos preparar para colocar o bloco na rua...


Pinduca, aquele que votou contra as emendas dos educadores de Minas - um deles - foi barrado pela lei da Ficha Limpa. Leia matéria completa clicando aqui. É um a menos na nossa lista de Ficha Suja da Educação!

Achei por bem deixar a roupa suja para amanhã e me concentrar pelo menos durante um pedaço de hora neste texto. Estou preocupado. Com os rumos da nossa luta, com o que virá no próximo governo estadual, cujos primeiros sinais não são os melhores. O afilhado do faraó já deu mostras da insensibilidade para com os problemas sociais e com a Educação em especial. O outro, mesmo em campanha, mostra-se incapaz de assumir compromissos bem definidos - imagine-se depois de eleito. Por isso eu não vou assumir compromisso com estes candidatos.

Não podem estar descartadas pelo menos duas possibilidades em relação às eleições para o governo do Estado: o voto em um(a) candidato(a) com perfil ideológico de esquerda, mesmo sabendo de sua derrota eleitoral, ou mesmo o voto nulo para o governo de Minas.

Dirão: isso vai favorecer o afilhado do faraó. Bom, se temos essa força - e eu acho que temos - então merecemos mais respeito por parte dos candidatos, especialmente do candidato do PMDB-PT. Se ele pretende receber o voto de 400 mil educadores e mais familiares e influência na comunidade ele deve assumir compromissos públicos e formais com a Educação e especialmente com os educadores. Nada menos do que isso: a) pagar as novas tabelas já em janeiro de 2011, b) posicionar os educadores nas tabelas de acordo com o tempo de serviço no estado, no máximo em até 03 meses de governo, c) pagar o quinquênio para todos os servidores da Educação (inclusive os novatos, que já tenham cinco anos de casa e aos demais quando completarem este tempo), d) não mexer na jornada de trabalho e comprometer-se a aplicar o terço de tempo extraclasse como manda a lei do piso aprovada em 2008 e até agora não aplicada. As demais reivindicações podem ser discutidas durante o governo, mas estas, são básicas. Sem compromisso formal e público, não há apoio.

Então devemos nos preparar, inclusive convocando os trabalhadores da Educação para que, na última semana que antecede as eleições, utilizarmos as duas últimas aulas para discutir com pais e alunos sobre as realidades eleitorais e conjunturais no Brasil e em Minas. Não se trata de campanha eleitoral para este ou aquele candidato, mas de um projeto de cidadania, que temos autonomia para realizá-lo.

Temos obrigação moral de conversar com os alunos e pais de alunos sobre a realidade política do nosso país, do mundo e do estado de Minas Gerais. Discutir com eles, por exemplo, como são aplicadas as verbas públicas, que deixam de fora a Saúde, a Educação e o saneamento básico, enquanto se constroem obras faraônicas e privilegiam interesses de grupos que detém o poder. Mostrar o papel da mídia que entorpece as mentes das pessoas todos os dias, em troca de muitos milhões que caem nos bolsos de alguns poucos proprietários desta mídia, de editores e jornalistas de aluguel. Mostrar como a Justiça só prende pobres e negros, enquanto livra a cara de bandidos de colarinho branco.

Nada impede que fora da escola os educadores apoiem os seus candidatos. Deveríamos até formar uma lista de candidatos a deputado estadual e federal e ao senado absolutamente comprometidos com a luta dos educadores e com os movimentos sociais, como os sem-terra e os sem-teto, entre outros. Não precisamos de mais representantes bundões, mauricinhos, pois isso todos os partidos têm de sobra. Precisamos de lutadores sociais a nos representar com dignidade, testados na luta, que não se vendam e que não se deixem embriagar e lambuzar com os banquetes palacianos da burguesia, negociando a alma com o demônio.

Nós, educadores, precisamos mostrar a nossa força, inclusive eleitoral, mas não somente. Nossa principal força reside na nossa capacidade de mobilizar a comunidade, de paralisar as escolas e convocar a comunidade contra as injustiças cometidas pelos governos, a começar pelos baixos salários praticados na própria Educação.

Não podemos de maneira alguma assistir passivamente à utilização eleitoreira da causa da Educação pelos candidatos em véspera de eleição. Nenhum dos candidatos preferenciais nas pesquisas têm até o momento moral para falar em nome dos educadores. Ou mesmo para os educadores. E isso a comunidade precisa ter consciência. Só nós, educadores, falamos em nosso nome. E estamos cobrando compromissos, que é a única coisa que alguns candidatos ainda podem assumir.

E a par disso, como tenho dito aqui, devemos nos preparar para enfrentar o próximo governo, seja ele quem for. Manter os tambores lustrados, os apitos por perto, as bandeiras ao alcance das mãos, os uniformes de batalha limpos e a disposição de combate acesa, pronta para enfrentar e vencer o inimigo.

É com essas palavras que faço o meu cumprimento matinal aos lutadores da Educação: força na luta, camaradas, até a nossa vitória! Não vamos esperar em silêncio e acomodados que pisem novamente na nossa garganta. Temos a nos inspirar a nossa maravilhosa revolta dos 47 dias. Precisamos manter a nossa unidade, fortalecer a nossa organização e nos preparar para as próximas lutas.

* * *

Links com temas associados ou não:

- Site oficial do Sind-UTE - que cobra do governo a promessa da publicação, até o final de julho deste ano, do edital do concurso público para as diversas carreiras da Educação.

- Blog do Miro - falando sobre a necessidade de uma auditoria no Datafolha - ou "Datafraude".

- S.O.S. Educação Pública - bom artigo sobre o "bicho papão MST" no inconsciente de eleitores desavisados.

- Blog do COREU - com sua equipe de primeira linha de articulistas, sob a coordenação do colega Wladmir Coelho.

- As nossas combativas colegas Cristina (Blog da Cris) e Vanda Sandim (Blog Proeti no Polivalente) estão curtindo o que resta das nossas férias. Vale a pena revisitar o blog dessas guerreiras.

- Não deixem de acompanhar também a grande lista de blogs que indicamos ao lado. A rede de comunicação virtual virou a mais confiável fonte de informação das pessoas que não se guiam pelas desinformações da mídia burguesa.

8 comentários:

  1. Euler, fiquei procurando propostas do candidato do PMDB-PT e também não consegui encontrar nada de concreto , mesmo assim acho que é melhor tentar negociar com ele do que votar nulo ou em outro e permitir o crescimento do A.A.Quanto as exigências da categoria para o ano que vem concordo com elas só fazendo a seguinte correção; se não mexer na carga horária não tem como implantar o 1/3 da lei do piso, o que poderia se fazer de primeiro momento era reduzir as aulas do cargo de 18 para 16 já em janeiro, além disso,para se ter um novo concurso até meio do ano que vem , que é o desejo de muitos colegas , a carga horária tem que está bem definida já no inicio do ano.
    Luciano

    ResponderExcluir
  2. Você tem razão,nossa luta deve se estender nas ruas,trabalhando contra esses que sempre foram contra nossa luta,é preciso dar nomes aos bois e lutarmos.

    ResponderExcluir
  3. Euler, você prometeu que divulgaria a lista dos deputados inimigos da educação e ainda não divulgou. Precisamos dar a nossa resposta a esses políticos nas urnas, por isso temos que conhecê-los. Por favor, divulgue essa maravilhosa lista.
    Acioni-
    Campos Gerais

    ResponderExcluir
  4. João Paulo Ferreira de Assis29 de julho de 2010 18:23

    Prezado amigo Professor Euler

    Precisamos tomar cuidado é com um tal de Leonardo Barros, candidato a deputado pelo PPS. Ele é inimigo declarado da nossa classe. Foi ele que publicou com todo destaque a nota mentirosa da juventude do PSDB. É um apelo que faço aos colegas professores de Sete Lagoas e região: não votem em Leonardo Barros.

    ResponderExcluir
  5. João Paulo Ferreira de Assis29 de julho de 2010 18:34

    Prezado amigo Professor Euler:

    Não sei se esse silêncio do candidato Hélio Costa pode ser atribuído a uma comunhão de opiniões entre ele e o Anastasia a respeito do professorado. Talvez ele tema se comprometer e Anastasia faça com ele o que Martim, irmão do Lafaiete Andrada fez em Barbacena na véspera de sair. Apostilou centenas de funcionários da prefeitura ligados a sua casta política e elevou o gasto da Prefeitura de Barbacena para a estrastosfera. Deixou, portanto, uma bomba de efeito retardado para a Danuza Bias Fortes. E ela agora não pode nem mexer com a folha de pagamento pois já cai na lei de responsabilidade fiscal. O máximo que ela conseguiu foi propor uma nova lei cancelando futuros apostilamentos, mas aqueles que foram concedidos, são ''direito adquirido''. Resultado, o funcionalismo está insatisfeito, os professores municipais também, e não há solução possível. Hélio Costa conhece com detalhes esta situação, pois ele é do PMDB assim como Danuza. Talvez ele esteja mais calado por causa disso. Medo de nos prometer e Anastasia mexer os pauzinhos para impedi-lo de cumprir a promessa.
    Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis

    ResponderExcluir
  6. Olá colegas da luta: Luciano, Marlene, Acioni e João Paulo. Um abraço inicial e obrigado pela visita.

    Luciano: Se não trabalharmos com as possibilidades eleitorais que mencionei, e nos fixarmos no voto em um dos candidatos, mesmo sem compromissos, seguramente ele vai nos enrolar. Concordo que no candidato do faraó não há o que negociar. Mas, o outro candidato, para merecer o nosso apoio, precisa se comprometer com nossas reivindicações. O que vc propôs sobre a jornada de 16 horas em sala de aula coincide com a nossa proposta. E quanto ao concurso, o compromisso do governo é que ele fosse realizado ainda este ano. Mas, se não ocorrer devemos sim brigar para que se realize no próximo ano, o mais breve possível.

    Marlene: sábias palavras, de alguém que pensa e que escreve bem - visitei o seu blog e já o coloquei na nossa lista de blogs que recomendamos: "Mulher com multifacetas". Parabéns.

    Acioni: assim que esta lista chegar às minhas mãos faço questão de publicá-la. Temos que elaborar também a lista dos candidatos comprometidos com a Educação e com as lutas sociais. Pelo menos um nome da lista suja da Educação já foi barrado: o deputado Pinduca. Veja matéria no link que indiquei no início do texto.

    João Paulo: suas observações são sempre muito pertinentes. Não duvido que haja acordos entre os principais candidatos. Isso acontece por toda parte, como o exemplo que vc citou de Barbacena. Aqui em Vespasiano é a mesma coisa: o prefeito que entra nunca fiscaliza as contas do prefeito anterior numa cumplicidade velada de troca de favores. Por isso temos que estar atentos, denunciar e cobrar qualquer tentativa de manipulação contra os servidores da Educação. E que o povo de Sete Lagoas e adjacência fique atento com este tal de Leonardo Barros que o colega e amigo João Paulo nos alerta. O nome dele passa a constar imediatamente da lista suja da Educação.

    Um forte abraço a todos!

    ResponderExcluir
  7. Olá Euler, não vi o faraó nas ruas de São João, graças a Deus! Ele aparece muito é na Sexta-feira Santa, tipo aquele demo do filme do Mel Gibson, Paixão de Cristo, dando risinhos para enganar o povo. Realmente temos que alertar nossos alunos sobre quem ele é, pois, o I-GOLPE e o DATA-ROLHA diz que ele tá com 60% das intenções de voto. Obs. o recesso só não tá tão ruim por causa do Inverno Cultural, os Shows são todos 0800, se tivesse que pagar eu não poderia participar, pois com nosso salario, já estou no vermelho. Abraços, Vander.

    ResponderExcluir
  8. companheiro (que compartilha do mão amargo da educação que o diabo amassou e anastazista aessou.) Aqui em Mutum-MG, você conheceu minhas colegas daqui. tenho tentado um discurso de manter as esperanças. Nesses dias de chororô de colegas que acham que a greve não valeu a pena tenho escrito algo, claro que retratando nossa situação. Leia o que escrevi em claudiopolitico.blogspot.com.
    Fraternalmente, um abraço
    Cláudio

    ResponderExcluir