sábado, 16 de julho de 2011

Os dilemas dos governos de Minas e do Brasil, que em conluio, aplicam calote nos educadores



Os dilemas dos governos de Minas e do Brasil, que em conluio, aplicam calote nos educadores



Estimados colegas de luta. Vou iniciar a minha análise deste final de semana abordando alguns elementos específicos da realidade da nossa luta em Minas Gerais. E ao final, quero estabelecer uma relação desta luta com um cenário mais amplo, nacional, pois entendo que o drama dos educadores mineiros não é apenas de Minas, mas de todo o Brasil. Naquilo a que chamamos aqui em várias oportunidades de cumplicidade - ou conluio - de quadrilha entre as diversas esferas de poder da União para nos dar o calote. Mas, vamos a nossa análise.

A nossa greve atingiu, durante estes 37 dias de paralisação, um patamar de razoável estabilidade no percentual de adesão. Em torno de 50% de bravos, valentes educadores demonstraram que entenderam, na prática, o sentido mais profundo dos direitos de cidadania, e até o de rebelar-se ante a uma agressão a direitos moralmente legítimos e/ou consagrados em lei. Nossa luta é justa, é legítima e é legal.

Nestes dias de paralisação realizamos as mais diferentes formas de manifestação: ocupamos rodovias, realizamos enormes passeatas pelo Centro de BH e de outras cidades; perseguimos o governador nas suas poucas andanças pelo Interior de Minas; enfrentamos a polícia na sede da Cidade Administrativa, quando fomos agredidos pela tropa de choque do governo; ocupamos as galerias da ALMG, realizamos manifestação de protesto em frente ao Ministério Público e em uma das sedes do TJMG. Dezenas de artigos de protesto foram escritos aqui no blog e em outros tantos, com destaque para os blogs dos conceituados jornalistas Luis Carlos Azenha e Luis Nassif, que se sensibilizaram com a nossa causa, abrindo espaço nos seus visitadíssimos blogs, quando a mídia mineira fechava suas portas, como já era esperado.

Apesar de toda essa mobilização o governo se manteve insensível à negociação com o sindicato. Muito inicialmente, antes da nossa greve, quando o governo julgava que haveria uma pequena adesão ao antigo sistema remuneratório, ele chegou a considerar e divulgar que, após a publicação do acórdão, aplicaria o piso e pagaria o valor proporcional do MEC de R$ 712,20. Mesmo com esse discurso, que se limitava apenas ao valor inicial da nossa carreira, julgava que o valor do subsídio seria o suficiente para manter a enorme maioria no subsídio.

Contudo, com os sistemáticos e detalhados esclarecimentos que fizemos aqui - e que posteriormente também a direção sindical passou a fazer -, além de outros colegas e blogs, percebeu-se uma movimentação em favor do retorno para o antigo sistema remuneratório. A secretária Renata Vilhena chegou a falar em um número bem expressivo num artigo que publicou no jornal O Tempo: cerca de 70 mil educadores já teriam feito tal opção. Mas, se considerarmos que o governo prorrogou o prazo de opção, era possível supor que um número maior de pessoas faria tal opção até a data limite de 10 de agosto de 2011.

Este movimento fez o governo mudar o discurso. Já não mais admitia implantar o piso no antigo sistema remuneatório e passou a dizer que já paga até mais do que o piso através do subsídio. Em inúmeros estudos que fizemos aqui, demonstramos que o subsídio - ou outra forma congênere de remuneração - só teria sentido se o STF tivesse considerado o piso enquanto somatória total de remuneração. Porém, ao considerar que piso é igual a vencimento básico, colocou uma pedra no subsídio, cuja natureza contraria a essência do piso-vencimento, exatamente por ser somatória de salário inicial com gratificações e vantagens.

Como demonstramos aqui, pelos dados que extraímos do próprio site da SEE-MG, o subsídio representava um confisco de duas cidades administrativas do bolso dos educadores. Contudo, meus cálculos foram generosos, a julgar pela fala da secretária do SEPLAG, de acordo com o deputado Rogério Correia, que disse que a secretária confessou que a implantação do piso proporcional do MEC representaria um gasto adicional de R$ 4 bilhões nas contas do governo. Se o subsídio representa um gasto de R$ 1,2 bilhão, significa que há um confisco confesso de R$ 2,8 bilhões dos nossos bolsos. Seria até interessante recolher as notas taquigráficas da fala do deputado Rogério Correia em plenário da ALMG. Eu ouvi e vi aqui do meu bunker, mas o testemunho deste humilde blogueiro pode não ser considerado enquanto documento válido nos autos judiciais.

A fala do governo em reunião fechada com a presença da comissão do sindicato e de alguns deputados, revela aquilo que denunciávamos ontem, aqui no blog: o governo pode não ter caixa para pagar o piso. E este seria um sério dilema que teríamos que enfrentar caso a Lei do Piso não estabelecesse, no seu artigo 4º, a possibilidade de que qualquer ente da federação, em comprovando que não tenha recurso, solicite a devida complementação por parte do governo federal.

Lembremos que o nosso piso é uma lei nacional, que institui mecanismos de cooperação, pelo menos na lei, entre os diversos entes federados. Mas, reparem que, uma coisa é a lei, outra coisa é a prática. Para que o governo de Minas (ou qualquer outro) solicite tal ajuda da esfera federal, terá antes que provar que os recursos da Educação são insuficientes, e que aplica corretamente os 25% da receita na Educação, como manda a Carta Magna do país.

Como quase nenhum governo parece ter condição de comprovar que está dentro da lei nesta matéria, o governo federal assiste a tudo de camarote, dizendo com cinismo que já dispôs a soma de R$ 1 bilhão apenas, para ajudar aos 5 mil municípios e 27 estados (incluindo o Distrito Federal). Ou seja, o governo federal sabe que praticamente não receberá pedido de complementação, apesar de saber também que praticamente nenhum governo aplicou a lei do piso de forma plena: enquanto vencimento básico, e com um terço de tempo extraclasse. Dêem a este conluio entre as esferas de poder o nome que quiserem. Para mim, esse calote aos educadores arquitetado entre os governos assemelha-se a uma cumplicidade típica de quadrilha.

O que nos ofereceu o governo de Minas, em troca do piso que ele se recusa a falar? A julgar pelo teor da nota no site do Sind-UTE ele se dispôs a: 1) não realizar os cortes dos dias em greve - desde que voltemos para as escolas no dia 20/07; 2) atualizar as progressões (mudança de letra, que no subsídio equivalem a 2,5% a cada dois anos) e escolaridade na carreira; 3) aperfeiçoamento do subsídio; 4) regularização da situação funcional dos diretores, vices, secretárias de escola, coordenadores; e 5) mudanças no edital do concurso.

Em suma, caso não haja o detalhamento dessas propostas, o que se verifica é uma carta de intenções que seria analisada após o nosso retorno ao trabalho, e assim mesmo com o foco voltado exclusivamente para o subsídio, através de uma comissão de negociação que envolveria, além do governo e do sindicato, representantes do Legislativo mineiro. Pelo discurso do deputado Rogério Correia hoje à tarde, percebe-se que a questão do piso começou a passar por um processo de desconstrução. O deputado criticou o governo por não ter procurado realizar uma negociação anterior mais vantajosa para os educadores, mas pareceu se curvar aos argumentos do governo, de que uma solução alternativa, no âmbito do subsídio poderia ser encontrada. Ele não disse isso claramente. Mas, para quem lê nas entrelinhas, estava lá, bem claro. Do contrário, ele teria dito: os educadores não podem abrir mão de lutar pelo piso, que é lei federal e precisa ser pago.

Mas, o problema é aquele pacto que eu mencionei lá em cima, que envolve interesses de todas as partes, entre os de cima, claro. E nós, aqui de baixo, vamos recolhendo os fardos, ou melhor, vamos carregando os fardos nossos de cada dia. Mas, prossigamos.

O governo poderia ter feito uma proposta concreta, como algumas vezes cheguei a sugerir aqui. Sei lá, digamos: vamos manter o valor do subsídio com um reajuste imediato, e em janeiro de 2012 aplicamos o piso de forma plena, corrigido pelo valor atualizado do piso. E as pendências a que temos direito, seriam pagas de forma parcelada durante um período x de tempo. Seria até a oportunidade para que o governo colocasse a casa em ordem, arrumasse as contas da Educação, aplicasse de fato os 25%, e buscasse ajuda do governo federal. Esta deveria ser a conduta de um governante sério, que respeita os direitos dos trabalhadores, especialmente os da Educação, que foram (fomos e continuamos), tão penalizados nas últimas décadas, pelo menos.

Mas, não. Ao contrário disso, o governo oferece uma carta de intenções, sem a pressão dos educadores em greve - imposição feita para aplicar as suas "propostas" - e se recusa a discutir o piso. Ora, e os 70 mil que optaram pelo antigo sistema remuneratório? Vão ficar fora da discussão?

Então, colegas de luta, a nossa disposição imediata é que a greve se mantenha por tempo indeterminado. Essa é a primeira atitude dos colegas mais aguerridos, do núcleo duro dos trabalhadores da Educação, a que me referi aqui.

Mas, quero analisar também as consequências dessa nossa atitude. Sabemos que o governo dispõe de mecanismos de pressão e de intimidação. Já ameaçou cortar o ponto dos dias parados, e isso certamente assusta a todos, e em especial àqueles colegas que não conseguem enxergar um horizonte além do hoje, do agora. Quando iniciamos a greve, todos nós sabíamos dos riscos inerentes à nossa atitude - nisso o juiz parente do faraó que rejeitou a liminar do sindicato pedindo para não cortar os dias de greve estava correto, apesar da vergonhosa confissão de ignorância sobre a Lei do Piso junto ao STF.

Se queremos continuar a greve devemos discutir com os colegas sobre este problema concreto: o corte no salário e como nos ajudarmos mutuamente, inclusive com campanhas públicas de arrecadação para casos mais urgentes de sobrevivência.

Um outro risco, que considero maior, é a greve ser considerada ilegal, por mais absurda que possa parecer essa hipótese. Não esqueçamos que estamos em Minas Gerais, terra do faraó e do afilhado. Em Santa Catarina, mesmo com mais de 50 dias de greve, esta não foi considerada ilegal. No Rio de Janeiro, ao que se sabe, até agora também não. Mas, aqui em Minas, quando o faraó e seu afilhado mandarem, não faltarão vozes no independente judiciário a acatarem a ordem dos chefes.

No ano passado resistimos durante um bom tempo à declaração de ilegalidade da greve. Este ano temos um componente adicional a nosso favor: a lei do piso, que não é cumprida em Minas, e cujo acórdão não demora a ser publicado, tornando a situação do governo ainda mais delicada.

Mas, considero, já finalizando a minha análise, que duas frentes de luta precisam ser priorizadas, caso a gente decida manter a greve por tempo indeterminado:

1) reforçar e ampliar a adesão à greve nas escolas. Muitos educadores que não aderiram podem se sentir estimulados a aderir a partir de agosto, já que perderão pouca coisa. E se conseguirmos uma boa adesão suplementar, o governo não terá como garantir os 200 dias letivos sem negociar conosco. A cobrança da comunidade será maior. E os próprios meios de comunicação podem ser pressionados a cobrarem uma solução por parte do governo. É uma queda de braço, uma disputa de força, que depende agora muito mais da nossa capacidade de envolver nossos próprios colegas, cujos interesses também estão ameaçados;

2) envolver a esfera federal nessa luta. Não dá para deixar de fora o governo federal, o MEC, a CNTE (que arrecada nosso dinheiro e até agora praticamente nada fez para nos ajudar), o Congresso Nacional, e o STF. Devemos inclusive chamar os colegas de outros estados, mesmo que neste tempo voltem ao trabalho, para reforçar a nossa luta em Brasília, numa grande campanha pelo pagamento do piso e pela valorização dos educadores. Mas, muito cuidado com a tentativa da CNTE de desviar o foco para a discussão do PNE no Congresso Nacional, que joga a nossa luta imediata para daqui a 10 anos. O PNE é importante, mas primeiro queremos que nos paguem o piso, inclusive com o envolvimento financeiro e de fiscalização e cobrança por parte do governo federal. Depois, discutiremos o céu.

Ah, mais um ponto importantíssimo: fortalecer a campanha pela opção ao antigo sistema remuneratório. Quanto maior o número de colegas que mudarem para este sistema, menor a margem de pressão do governo.

Era essa a análise que gostaria de apresentar aos estimados combativos colegas educadores.

Um forte abraço a todos, e força na luta! Até a nossa vitória!

***

"André Augusto:

caro colega Euler, devemos manter nossos objetivos até o fim, sem o piso não voltamos para a escola, será um "subsídio" se voltarmos para a escola agora sem o piso, entramos nessa greve sabendo de todas as perseguições que este desgoverno faria e ainda poderá fazer, más sejamos combatentes pois os nossos dias de vitórias estão por vir e não está longe será o mais breve pois somos educadores de muita fé e muita esperança e de muita garra. A greve continua até que nos pague o piso."

"Rafael -GV:

Estamos chegando ao ápice dos embates com o Governo, temos que engrossar o Coro a favor da GREVE, fortalecer o combinado na última Assembléia Regional. Se recuarmos agora, repetiremos o erro de Avaliação ao final da greve de 2010. Esses Canalhas assinaram um acordo, não o cumpriram com a Categoria e ainda saíram plantando boatos e notícias mentirosas, enfraquecendo nosso Movimento... É só observarmos quantos "líderes" do Movimento que estavam garantindo a GREVE do ano passado em GV e que agora se omitem por discordância dos rumos que as coisas se deram no ano passado. Naquela época não tínhamos um julgamento do STF e o Governo anunciou unilateralmente a decisão de lançar o subsídio como nova forma de pagamento.
Eu não estive em Belo Horizonte presenciando: “dia 25 de maio de 2010, diante de 15 mil pessoas, foi assinado o primeiro acordo da história entre o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais e o governo do Estado.” Tenho muitos colegas que estavam lá e afirmam que além de não haver unanimidade, a votação teve que ser repetida várias vezes porque o índice de discordância com do movimento era grande... Eu mesmo vi na E. E. “Professor Darcy Ribeiro”, alguns colegas do Ensino Fundamental I convocando seus alunos para retornar à sala de aula e das séries finais já fazendo plantão na Escola naquela semana... Infelizmente, a falta de consciência política e de noção do PODER DE UMA CATEGORIA UNIDA de muitos, a herança maldita da ditadura (essa pecha que marca a trajetória de muitos dos nossos colegas), a politicagem chantagista feita pelo Governo aos colegas da Lei 100 e a alienação absurda de um número enorme número de contratados (claro que há exceções), mais um amontoado de pessoas que desconhecem os próprios direitos, como é realizado nosso pagamento, não têm opinião a dar, pois fazem bico da Educação... Infelizmente, é com esse quadro negativo que nós que nos dispusemos a participar desta reivindicação justa e legal, e não é um togado que vai me dizer o contrário...
Tivemos uma VITÓRIA no ano passado. Fomos traídos por estes descarados que estão no Governo a tantos anos e que sempre demonstraram desprezo por nossa Categoria. Em 2011, tivemos duas vitórias importantes e que garantem o nosso PISO SALARIAL no STF. Não há mais o que discutir sobre o ano passado.
O momento agora é de apelar para que os nossos colegas que estão em GREVE: PERMANEÇAM FIRMES EM SUAS POSIÇÕES, que procurem as subsedes, informem-se, visitem os colegas, mandem e-mails, sejam insistentes. A conscientização é fundamental. Digam não ao subsí(suicí)dio, levem calculadoras, provem aos mais incautos o quanto já estamos sendo lesados... Ainda bem que já temos uma GREVE MUITO FORTE e pela manifestação que tenho observado nos diferentes blogs, a tendência é de CRESCIMENTO, o mesmo tem ocorrido nas visitas que temos realizado às Escolas.
Aos Colegas que requereram o retorno ao pagamento por Vencimento Básico, solicitem que sua Escola protocole sua decisão, vamos parar com esse jogo de empurra, não podemos mais aceitar essa chantagem barata,temos que demonstrar cabalmente que sabemos que o Governo tem nos afanado dinheiro e ainda temos que cumprir várias obrigações com os eleitores desses usurpadores do poder e, portanto, chega de embromação, que ele diga logo como vai garantir a permanência dos nossos direitos adquiridos,estabelecendo uma carreira decente e que atenda aos anseios dos educadores, baseados na lei 11.738/08 e nada mais."


"Anônimo:

EULER, ESTOU EM GREVE DESDE O DIA 08 DE JUNHO E, NÃO AUTORIZO NENHUM COMANDO DE GREVE DECIDIR POR MIM EM RELAÇÃO A ESTA ABERRAÇÃO QUE FOI A PROPOSTA DO GOVERNO ,QUE CORTE MEUS DIAS DE GREVE ! POIS QUEM TEM QUE DECIDIR SOMOS NÓS E, NÃO MEIA DUZIA DE SINDICALISTAS."

"Anônimo:

Euler, seu danadinho! Fui mostrar a uma amiga o meu post e não o encontrei. Pesquisei de todas as maneiras e nada! Você o postou e depois o retirou. Por que, fofo? Ser gay não é defeito. É ser alegre e divertido! Sou um professor altamente gabaritado, mas sou gay. Fazer o quê?! Olhando assim pra mim sou um homenzarrão, mas gay, gay...
É claro que eu também vou continuar em greve. Quero ver o fim desse filme e tomara que não seja como das outras vezes. Voltar sem conquistar o piso, jamais mon amour! Ainda que eu fique sem teto (arrasei!!!).
Purpurina para todos. Força na peruca e vamos que vamos!!!"


Comentário do Blog: olá, combativo colega, procure direito, pois o seu purpurinado e criativo comentário foi aprovado e continua lá, não foi retirado não, só não sei lhe dizer em qual post. Aliás, ele fez o maior sucesso, rsrs. Estamos todos esperando você sair do armário, com a implantação do piso, rsrs. Se encontrar em qual post ele foi aprovado depois cito aqui, ok? Um forte abraço e força na luta!

"Anônimo:

Euler, refletindo sobre a sua análise acima, concluí que um Educador muito sábio, Sebastião de Oliveira (não o conheço pessoalmente), que sempre posta comentários aqui, está corretíssimo ao dizer que somente depois do dia 10 de agosto (se não prorrogar o prazo de retorno) o governo se pronunciará sobre o piso. Eles não se importam se estamos há um, dois... 37 dias em greve, não se preocupam que milhares de alunos fiquem sem aulas e sejam prejudicados por isso. Eles só querem saber o número de pessoas que ficarão no subsídio, e se tiver uma alma viva neste suicídio, continuarão afirmando que ja pagam o piso e que pagam muito bem, aliás. Nosso inimigo, obviamente, é o governo com sua tirania e prepotência, mas sobretudo a ignorância ou doideira (estou radicalizando mesmo)de alguns educadores em não retornar ao antigo sistema, pois se tivésemos a massa, 100% de retorno, esse subsídio viraria poeira e não se falava mais nisso e o governo não encontraria nenhuma outra justificativa para não pagar o piso."

"PROFESSOR ODAIR JOSÉ- MONTES CLAROS:

NÃO QUEREMOS ESMOLA NÃO! QUEREMOS O NOSSO PISO, RESPEITO E DIGNIDADE...!
A LUTA CONTINUA...
PROFESSOR ODAIR JOSÉ- MONTES CLAROS"


"Sebastião de Oliveira:

Caros professores,
Os professores entraram em greve foi para cobrar do governo cumprimento da Lei Federal e pagar o Piso, não foi para pedir melhorias no subsídio, ou melhores salários para diretores, secretários, vice-diretores etc. A proposta feita pelos representantes do governo, foi sem sentido, chamando os professores de otários, ignorantes que não sabem o que querem. Portanto se os professores aceitarem esta proposta indecente estarão rejeitando o PISO.

Sebastião de Oliveira"


Comentário do Blog: até agora, parece consenso entre os comentários dos bravos guerreiros desta greve, que o que queremos é o piso, e não o aprimoramento do subsídio. Aliás, nem estamos mais neste sistema, não é mesmo? Um forte abraço e força na luta!

"Anônimo:

Grande Euler, minha posição continua a mesma, sem o piso não piso na escola, chega de sofrimento, de trabalhar sem condições, com alunos fazendo o que querem dentro das escolas, com a droga solta entre os mesmos, com agressões verbais e físicas a colegas. Chega, basta, não podemos nos esquecer destes detalhes, temos que receber um salário digno. Força na luta, vou até o fim."

"Anônimo:

O Sindicato não pode cair nessa, aumentar salário de diretor, secretária, para depois ficarem de cordeiros do ditador mor? Mais uma vez o estrategista está tentando das suas, naaaaaaaão, quero meu piso.".


"Ernani Prado:

Prezado Euler.
Não é possível aceitar esta proposta. Como pode um governante que não cumpre uma lei, exigir alguma coisa? Tenho 54 anos e estou começando a dar razão ao velho dito: não dá para levar a sério este país.
Abraços.

Ernani Prado."


"Flávio/Bhte:

Olá Euler e pessoal!

Não podemos cair nos mesmos erros de 2010! Vou ao CREA acompanhar a reunião do Comando de Greve e, desde já, não autorizo ninguém decidir por mim. Entrei nesse movimento para exigir do Governo o piso e não uma carta de intenções que, a rigor, servirá apenas para nos ludibriar.

Estou bastante decepcionado com o bloco MSC, com a inércia da CNTE e o pior, com a inocência do SINDUTE. Esse é o momento para desmascararmos o Governo e permanecer na luta. Se o Governo prorrogar novamente o longevo subsídio, acusará o golpe e todos esses bons resultados (maquiados) apresentados com a implantação do Choque de Gestão. Bancos e financeiras pressionam também nos bastidores. Afinal, como receberão parcelas de financiamento se os servidores não tem como pagar? Até Prefeitos engrossam o caldo porque em muitos municípios o salário do servidor tem participação importante na economia. Portanto, não podemos deixar que o governo inverta a situação porque o cronômetro foi disparado. Quem corre contra o tempo é o Governo. Vamos desconstruir essas certezas que essa corja psdebista regurgita na imprensa do país. Choque de Gestão em detrimento dos servidores público não! A hora é essa!

Avante combativos professores, de pé!"


"Rita:

Euler, vou postar exatamente o que postei no blog da Beatriz. Afinal, meu pensamento é o mesmo.
Abraços e força para nós nesta luta até a implantação do piso.

O governo não negocia com grevistas, não fala no piso, não corta o salário apenas se voltarmos à aula. E a chicotada nas costas vem quando? O "tronco" já está esperando! Pelo menos é assim que me sinto ao ver o quanto o governo nos desrespeita.

Espero do Sindicato uma postura de não concordar com esses absurdos.

Afinal, eu e tantos mil colegas estamos em greve por causa do piso. Não podemos fraquejar agora. Mas gostaria que você fosse mais clara em relação ao Ministério Público: eles vão fazer jus ao nome ou vão dar apoio ao governo de Minas? O que de efetivo podemos esperar deles?
Obrigada pela atenção.
E a greve continua!"
.

"Anônimo:

Amigos,

no Jornal Estado de Minas, de hoje, há uma matéria com o seguinte título:

"SERVIÇO PÚBLICO: PROFESSORES FORA DO REAJUSTE DE 10%."

Além de quererem roubar o nosso piso mentem até mesmo sobre o reajuste em cima do subsídio. É UMA ABERRAÇÃO O QUE ESTÃO FAZENDO.

QUERO O PISO!
SEM MEU PISO NÃO PISO NA ESCOLA!

FORÇA NA LUTA!!!"
.

Comentário do Blog: de fato, comativo(a) colega, o subsídio está fora deste reajuste oferecido pelo governo a todas as categorias do estado, excluindo-se a segurança pública e a Educação. A segurança pública terá 100% de reajuste até 2015. E nós, da Educação, bom, nós, para o governo, somos apenas um detalhe... que incomoda. Não há proposta para a Educação. Para o governo o subsídio é o nosso limite. É o paraíso. No máximo, só aceitam falar em atualizar as progressões e alguns casos de escolaridade, do tipo: colegas que têm mestrado e ainda recebem como professores com formação em ensino médio. Mas, goste ou não o governo dos educadores, o fato é que temos uma lei federal, a do piso, que nos ampara. Que ele peça empréstimo ao FMI ou ao BID, mas que nos pague o piso. É nosso direito. Força na luta!

"Anônimo:

Euler ti respeito muito acho suas idéias maravilhosas, só não gostei da parte que você fala em que o governo deveria pagar o subsídio e, em 2012 pagar o piso. Nada disso nossa luta é piso agora, não podemos fracassar, não confiamos nesse governo, ele não tem palavras, queremos o piso agora.".

Comentário do Blog: olá, combativo(a) colega, não disse que o governo DEVERIA pagar o subsídio. Disse que se (veja, se... em tese) o governo tivesse apresentado uma PROPOSTA do tipo: manter o valor do subsídio COM UM REAJUSTE para este ano e em janeiro de 2012 APLICAR o piso de forma atualizada (claro que isso com projeto de lei aprovado na ALMG e sancionado pelo governo) + o pagamento do retroativo num período x de tempo, nós até poderíamos discutir a PROPOSTA. Mas, como eu disse, nem isso - ou algo próximo disso - o governo propôs. Logo, você tem razão: é o piso mesmo, ou a greve continua!

"Alfredo Fortunato - Pará de Minas:

Caro Euler e sofredores de profissão,
Nossa luta não é pelo piso nacional? Por que temos que aceitar aumentinho no subsídio?
Não podemos recuar agora... Que o Estado sofra a pior greve de sua história, que o ano de 2011 não termine, mas não podemos voltar enquanto não tivermos uma proposta acertada na mão e não negociaçãozinha fajuta que só serve para nos enrolar mais um tempo e ficar fazendo greves que não vão dar em nada depois. Precisamos lutar é agora por aquilo que acreditamos. Ou lutamos agora, ou nunca mais precisaremos de lutar, daí não precisaremos de sindicatos, não precisaremos de mais nada, pois só teremos aumentozinhos a cada 15 anos de 10%. Acorda sindicato.... Acorda professores...... Acorda povo mineiro..... pois esse governo veio para acabar com o funcionalismo público. Fora Anastasia!!!!!"


"Anônimo:

Mais uma do Gonzaguinha prá reflexão:

Deixa essa criança chorar, deixa essas criança chorar
Não adianta cara feia, nem adianta se zangar
Que ela só vai parar quando essa fome passar
... e doutor, uma esmola (proposta do governo) a um pobre que é são
Ou lhe mata a vergonha, ou vicia o cidadão

É sacode a poeira
Imbalança, imbalança, imbalança, imbalança"


"Anônimo:

Há 3 tipos de professores: os que estão de greve participando das atividades da greve, os que estão de greve em casa e os furadores de greve. Pertenço à segunda categoria e já estou ficando com vergonha da minha covardia, principalmente depois de ver a malvadeza de anastAZIA mandando os policiais judiarem dos professores nas manifestações. Decidi, vou participar mais ativamente."

"Anônimo:

Olá, maravilhoso(!!!) Euler querido (se me permite),
Não é que encontrei o meu post? Já localizei a "manchete" para mostrar à minha amiga. Desculpe-me a cobrança, viu? Fui pesquisar em "postagens anteriores" e lá estava ele. É claro que você não me deletaria (rindo gostoso), pois esse Blog é altamente democrático e sem preconceitos.
Beijos coloridos para todos os combatentes! Ai, que oportunidade boa para eu me esbaldar!!!
Aguardem notícias minhas, assim que esse (des)governo resolver pagar esse bendito piso...
Boa sorte a todos e tenham fé. Nem tudo está perdido. As dificuldades serão passageiras. Aprendi nesses anos a não me desesperar. Nada nesse mundo é pra já! Precisamos ter paciência. Tudo dará certo.
Mais purpurina para vocês, os grevistas. Para os outros, se não me contivesse a boa educação que a mamãe me deu, eu mandaria outra coisa... Bem, por hoje chega. Estou com a corda toda! Aff!!!"


"Anônimo:

Euler. O fato de terem deixado de fora do "aumento" o setor da educação, pode ser pelo fato de ele saber que terá que nos pagar, em algum momento, o piso....?".

"Anônimo:

Conforme afirmou nosso amigo Sebastião de Oliveira, não foi para pedir melhorias no subsídio, ou melhores salários para diretores, secretários, vice-diretores que nós entramos nesta greve. Aliás, muitos deles estão na escola, com seus salários em dia e sem enfrentar os embates até com a polícia. Aqui na Zona da Mata Leste está um escândalo, temos suado a camisa literalmente indo às escolas, pedindo, implorando e, raramente, convencendo os professores a aderirem ao nosso movimento. Muitos Diretores e vices estão "preocupados" com os 200 dias letivos e têm pressionado os aguerridos professores que estão em greve para voltar. Dissemos a esses que estão na direção da escola que tal problema é do governo e não nosso. Voltar, agora com uma proposta que parece beneficiar justamente e somente a essas pessoas? Jamais! É o nosso piso. Piso dos professores! Senão, não pisamos na escola."

"Professor Odair José – Montes Claros:

EU VI...

Nessa última semana acompanhei (junto com combativos colegas) de perto, atividades na Assembléia Legislativa de Minas Gerais.

Eu vi, muita garra, muita força e muito ânimo daquelas dezenas, centenas de educadores que acompanhavam o “trabalho” daqueles deputados, “nossos representantes”...

Eu vi, uma Assembléia de “faz de contas”, uma vergonha... . Deputados que enquanto um fala, outros ficam de conversa no celular, navegando na internet, batendo papo, passeando...

Eu vi, uma “carneirada”, com o único objetivo de atender o patrão (eles não questionam, não falam, não pensam) está pronto pra votar o que o (dês) governo mandar... Será por quê?

Eu vi, o “Minas sem censura” tentando obstruir em vão à votação!

Eu vi, um deputado falar palavrões aos educadores, tais como: "vai tomar no ..., vai a p... que p...” e no outro dia com a cara de pinóquio dizer que não falou nada disso...

Eu vi, uma Assembléia “podre”, longe de ser aquela que deveria cumprir o seu verdadeiro papel (representar os cidadãos)... Deputados friamente tentando nos ignorar. Entre outros abusos, eu vi...

Eu vi, a polícia da Assembléia tentando nos intimidar, ocasionando a quebra do óculos de um companheiro de Montes Claros.

Retornando pra Montes Claros fomos agraciados pela visita do “nosso (dês) governador”...

Eu vi, próximo ao Colégio Tiradentes, quarteirões totalmente fechados pela polícia militar, impedindo até a passagem de pedestres! Questionei. E a resposta:"Estamos cumprindo ordem...”

Eu vi, pela televisão um (dês) governo mentindo pra população...

Eu vi, combativos colegas “caçando” o (dês) governador...
Eu vi, o pelotão de choque da polícia militar pronto para reprimir a nossa manifestação na AMANS...

Eu vi, o corajoso colega que furou o bloqueio montado e no meio do discurso do (dês) governo na AMANS bradar: “SOU PROFESSOR EM GREVE E MEREÇO RESPEITO!

Eu vi, o apresentador da Inter Tv despedir do (dês) governo desejando: “bom poder pro senhor.”

O poder do (dês) governo em Minas Gerais lembra o PODER DITATORIAL de anos e anos de REPRESSÃO, CENSURA, COVARDIA, CERCEAMENTO DE TODA LIBERDADE...
Minas Gerais está vivendo uma DITADURA...?

O (dês) governador escolhe a lei que quer cumprir? Como disse o nosso colega Euler Conrado : “Seria Minas um território separado do Brasil?”

Eu vi , o principal meio de comunicação da nossa região disponibilizar um espaço de quase vinte minutos ou mais para o (dês) governador “mentir”, enquanto uma das nossas corajosas representantes do sindicato teve menos de um minuto pra falar porque estávamos manifestando, porque estamos em greve...

E pra fechar o teatro de horrores em Minas, o circo montado pelo (dês) governo, tivemos a notícia que o Judiciário mineiro acha correto cortar o ponto dos professores em greve... diferente do Judiciário do Rio Grande do Norte , do Rio de Janeiro e outros!

Caros companheiros, em Minas foi montado um verdadeiro circo onde existe um (dês) governo ditador, um poder legislativo e Judiciário subserviente e uma imprensa...

Nesse circo montado, adivinhem qual é o papel da população? Lembrando que a platéia são os outros estados... O restante do Brasil que “acreditam” que Minas Gerais é um paraíso e que até teve “déficit zero”, lembram do governo do faraó que quer ser presidente...?

Enfim Sociedade Mineira, estamos vivendo em um estado de “faz de contas”, onde os poderes se corromperam, e a imprensa só divulga o que é de interesse (adivinha de quem)?...

E nós (população) estamos “pagando o pato”. Desemprego, doenças, desrespeito, falta de educação, violência...

TEMOS QUE MUDAR A REALIDADE EM MINAS... . E O COMEÇO DESSA MUDANÇA SEM DÚVIDAS PASSA PELA VITÓRIA DA NOSSA CLASSE NESSA GREVE!
NÃO PODEMOS RETORNAR PRA SALA DE AULA SEM TERMOS ALCANÇADO O NOSSO OBJETIVO IMEDIATO - O PISO NACIONAL, QUE É LEI!

COM FÉ EM DEUS, COM FORÇA, COM GARRA, PERSEVERANÇA, COM DIGNIDADE CONTINUAREMOS A NOSSA LUTA, ATÉ A VITÓRIA!

*1,2,3,4,5 MIL, NÓS É QUE FAZEMOS A HISTÓRIA DO BRASIL...!

Professor Odair José – Montes Claros"


"Anônimo:

Para reflexão da direção e daqueles que diziam que só voltariam as escolas com o piso.

Comportamento Geral
Gonzaguinha

Você deve notar que não tem mais tutu
e dizer que não está preocupado
Você deve lutar pela xepa da feira
e dizer que está recompensado
Você deve estampar sempre um ar de alegria
e dizer: tudo tem melhorado
Você deve rezar pelo bem do Anastasia
e esquecer que está sem carreira e sem o piso

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você deve aprender a baixar a cabeça
E dizer sempre: "Muito obrigado"
São palavras que ainda te deixam dizer
Por ser homem bem disciplinado
Deve pois só fazer pelo bem da Nação
Tudo aquilo que for ordenado
Pra ganhar um Fuscão no juízo final
E diploma de bem comportado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal

E um Fuscão no juízo final
Você merece, você merece

E diploma de bem comportado
Você merece, você merece

Esqueça que está desempregado
Você merece, você merece

Tudo vai bem, tudo legal"





"Anônimo:

Olá Euler, como você mesmo disse, já esperávamos a pressão do governo, inclusive corte do salário. Não vamos nos amedrontar, sem o Piso não voltaremos. Vamos aguardar a próxima Assembléia do dia 03/08 e enquanto isso nos mantermos engajados, participando de movimentos junto à comunidade. Sem o Piso não voltamos."


"Anônimo:

Caríssimos colegas,

Assisti ao vídeo e fiquei emocionada. Já estou fora da escola (afastamento preliminar à aposentadoria, mas nem por isso deixo de ler esse Blog maravilho, que nos informa com muita propriedade dos acontecimentos).

Quero cumprimentar a todos os PROFESSORES que participam dessa luta histórica nas Minas Gerais. A Escola em que trabalhei funciona normalmente, como se nada estivesse acontecendo. Não há comando de greve. Um dia, não muito tarde, perceberão que perderam a oportunidade de embarcar no bonde da História e não deixarão para as futuras gerações uma linha sequer no seu livro de vida. Admiro vocês todos. Parabéns pela coragem, meus destemidos companheiros de caminhada. Trago uma tristeza na alma por ver tanta covardia num governador tão jovem, que está escrevendo a sua história do modo mais torto e torpe que se pode escrever. Se usasse o mínimo da inteligência que dizem possuir, já teria resolvido muita coisa!

Governador, deixe para o futuro a sua marca de hombridade e de honestidade. Sirva de exemplo a milhões de jovens e crianças desse país. Não permita, Senhor Anastasia, que a educação mineira se transforme num trem desgovernado, destinado ao fracasso sem precedentes e sem volta!!! Pelo amor de Deus, o senhor não aprendeu nada com os seus pais? Não aproveitou as lições que recebeu de seus professores? Não acredita em Deus? Não gosta de nossa profissão, por quê? Que mal lhe fizemos, Anastasia? Antes de ser um chefe político, o senhor é um ser humano. Sim, um ser humano com todas as necessidades fisiológicas de um simples professor. Então, por favor, ao tomar banho ou fazer a número dois (que demora mais), aproveite para meditar sobre o que está fazendo com os educadores mineiros. O senhor dorme? Claro, não é? Seu travesseiro não é um bom conselheiro ou sua consciência se entorpece de remédios para indução do sono?

Tenha piedade, senhor governador! Chegamos ao ponto de implorar o que nos cabe por direito constituído. Acabe de vez com essa greve, acertando o ponto com os educadores e todos estarão satisfeitos, ainda que com pouco (fazer o quê?!?) e voltarão para seus alunos com a alma lavada pelo sucesso da greve. O senhor ganhará muito com isso, sabia? É muito jovem ainda. Sua caminhada na política deverá ser longa. Ajude-se!!!
Um imenso abraço a todos e me perdoem o desabafo.

Euler, parabéns pelo seu Blog. Estou sempre por aqui. Deus o proteja nessa luta e continue colocando na ponta de seus dedos as palavras precisas para o fácil entendimento de sua mensagem, como vem acontecendo. Você é um iluminado, acredite. Deus está usando você como instrumento nesse momento histórico que ora vivemos.

É a primeira vez que escrevo para o Blog. Não me contive.
Beijos.
Eu.

Eis o link:

http://www.youtube.com/watch?v=SGYUsgLK-28"


Comentário do Blog: Obrigado pelas generosas referências, combativa colega, e escreva sempre que quiser, pois suas palavras nos trazem, a todos nós, que estamos nessa luta, muita força e energia positiva. Um abraço e força na luta!

"Petrônio/Contagem:

Acho que chegou a hora de deixar a legalidade e o politicamente correto nesta greve , pois esse "governador" não nos respeita e pior ainda faz pouco caso da categoria se acha superior a nossa classe que aceita trabalhar por misero salário e meio.Como já dizia Zé Rodrix em um jigle de jeans : o mundo trata melhor quem se veste bem...Vejam a matéria abaixo.

Anastasia ironiza protesto de professores na cerimônia do Dia de Minas

Professores protestaram durante envento em Mariana (Beto Magalhães/EM DA Press)

Rafael Passos / Amanda Almeida

O governador Antônio Anastasia (PSDB) ironizou o protesto de cerca de 50 professores estaduais durante a cerimônia da entrega da Medalha do Dia de Minas, neste sábado, em Mariana, Região Central do estado.

Os servidores vaiaram o governador na solenidade e usaram capuzes roxos em referência, segundo eles, à luta dos inconfidentes mineiros contra a dependência do Brasil à Cora Portuguesa. Perguntado sobre o traje dos profissionais da educação, Anastasia ironizou. "Achei que foi uma homenagem ao Harry potter. O governo desde o início demonstrou o que pode fazer. Estamos fazendo de acordo com aquilo que é possível", disse à imprensa.

Saiba mais...
Professores fora do reajuste de 10%
Os professores estão em greve desde 8 de junho e, em assembleia na última quinta-feira, decidiram manter a paralisação.

Apesar do protesto, o governador discursou, falou sobre a história de Minas e prestou homenagem ao ex-presidente da República Itamar Franco. O político morreu em 2 de julho vítima de um acidente vascular cerebral (AVC).

Cinquenta pessoas receberam condecoração do governo de Minas, como o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD) e o cirurgião plástico Ivo Pitanguy.

Impasse

Os professores reivindicam o pagamento do Salarial Profissional Nacional (PSPN) de R$ 1597,87 para 24 horas semanais em nível médio escolaridade. Por outro lado, o governo considera que paga mais do que o piso salarial previsto por lei federal.

De acordo com a secretária de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, o piso para professor com licenciatura plena é de R$ 1.187 para 40 horas por semana, correspondendo R$ 712 para a jornada do estado, que é de 24 horas semanais. “O estado paga R$ 1.320 para professores com licenciatura plena e R$ 1.122 para os que não têm, sendo 55% a mais do que o previsto”, afirmou a secretaria nessa sexta-feira, durante o anúncio do reajuste para o funcionalismo.

Renata Vilhena afirmou ainda que o ponto dos grevistas pode ser cortado, conforme autorizado Justiça, caso eles não voltem a trabalhar até dia 20.

Petrônio/Contagem"


"Anônimo:

Caro Euler, aqui, na nossa região, Zona da Mata Leste, tem sido veiculada pela Globo uma propaganda em que uma senhora muito distinta,vestida à chefe de cozinha, explica-nos que 'Tutu' é um prato da culinária tipicamente mineira e que significa, também 'Dinheiro'. Segundo ela, há tutu no prato e mais 'tutu' no bolso do mineiros. E Governo anuncia que Minas cresce mais que a China. Com essa propaganda toda, é impossível acreditar que não haja 'tutu' para o piso dos professores! Alguém está levando o nosso 'tutu'. Quem será? Sem piso/'tutu'. Sem aula."

"Anônimo:

Euler! Parabéns e obrigado pelo espaço.
quero tecer aqui algumas intrigantes contradições.
Não consigo entender, por que pessoas ainda continuam trabalhando. Mesmo que não parem por questões pessoais, mas será que não tem um pingo de compaixão? Têm filhos e querem educar e alimentar seus filhos através do sofrimento e da dor de outras pessoas? Será que é por falta de informação? Como pode ser um professor se é desinformado? Confesso que me é difícil compreender todas essas coisas... Principal mente se consideramos:

Que o governo se utiliza dessas fraquezas humanas, para nos dividir.
Que o poder do governo vem do povo e não o contrário.
Que antes de sermos trabalhadores em educação, somos gente que tem filhos e parentes na educação pública, e esta não está nada bem.
Que a imprensa e o estado, não estão preocupados em resolver nada sem pressão. Até porque esse caos, não os afetam e contribue para o propósito de tercerização dos setores públicos.

Euler, sou vice diretor e penso que esse governo tem realmente um propósito nazifascista. Observe bem suas ações: Rios de dinheiro são disponibilizados para cargos de alto escalões, "mimos" de toda ordem para os setores de direção, comissionados,popudas contribuições e atrativas concessões a imprensa, revisão periódica dos salários dos militares. Por outro lado um enxugamento das folhas de pagamento da educação e saúde, exigências de metas com ameaças de avaliações de desempenho com requintes de assédio moral. Auxência total de isonomia... Enfim, um pararelho totalitário que se sustenta em falsos discursos e transgressões das leis mais fundamentais do país. Um desrrespeito impune que provoca conflitos com vários prejuízos morais materiais e humanos. Uma escalada de horrores ignorada pela justiça e estimulada pela então combalida classe média alta. Vem se desenhado em nosso estado ações para estabelecer aqui no brasil aquela malfadada social democracia... Os seus tentáculos estão a postos... Temos portanto neste momento o dever histórico de no mínimo arranhar a carapaça desse blindado que avança sobre nossas carnes. Não é o momento de sermos benevolentes, trata-se de uma batalha que requer sacrifícios de todos para que possamos um dia e quem sabe ainda este ano comemorarmos no fim da guerra, a vitória. SE É QUE ME ENTENDE... Precisamos multiplicar os soldados com sua patente. Abraços históricos e força na luta!!!"


"Isabel Assumpção-Manhuaçu:

Euler e demais companheiros de luta,
A cada dia é mais aterrorizante termos a certeza da miséria destas Minas Gerais e não podemos mais enxergar um belo horizonte, devido aos disparates daqueles que deveriam nos governar, mas que preferem nos avacalhar, nos humilhar. Parece até que passam os dias e as noites tentando achar uma maneira de acabar com nossa classe e assim poderem reinar bestialmente, pois um povo deseducado é um povo inerte. Graças a Deus que nem todos dormem e estamos firmes e convictos de que a hora de ficarmos unidos e fortes é agora.
Força a todos nós e vamos assim até a vitória!!!!"


"Anônimo:

Guerreiro de Vespá! Congratulações grevistas a você e a todos esses bravos colegas...
Sempre que acesso seu blog, tenho a mesma sensação que experimento quando vou em uma assembléia: muita energia boa, muito orgulho de ser professor... Percebo que sou um sonhador, mas não sou único.

As vezes quando acompanho os desabafos de nossos colegas, sinto um aperto, um abafamento enfim, uma vontade de chorar... Mas, levanto a cabeça e avanço, pois o único sentimento que esse governo e seus asseclas merecem de nós trabalhadores em educação é a nossa total indignação e nossa disposição pra lutar, por nós e pelos de baixo aos quais é negado direitos básicos constitucionais.

Participando de um encontro sobre esse nosso momento, uma professora aposentada injuriada com as atitudes desse desgoverno, resumiu assim o que precisamos fazer: "fiquem firmes, não vacilem poderão não dispor de um momento mais, oportuno" e continuou "que se perca o ano, será apenas mais um ano, porém poderão ganhar uma vida inteira, aliás vidas inteiras".

Fiquei muito animado (mais). Em todas as aparições desse governo, nota-se o desdém. Querem debitar em nossa conta o caos em que se encontra a educação no estado e no país. Não podemos permitir que esse arremedo de monarquia e sua corte imponham suas vontades, não podemos nos intimidar com as ameaças e voltar ao trabalho (como melhorarei as cabeças das crianças se a minha cabeça está sendo pisada e o meu bolso não tem piso?)... O negócio é o seguinte companheiros, irmãos de fé e de luta: continuemos firmes no nosso propósito... A greve é o nosso mais forte argumento e poderá continuar silencioso como está, pois os pais e a sociedade em um dado momento virá a público e exigirá que esses podres poderes admitam seus erros e comecem repensar suas atitudes... É isso mesmo, Camarada Euler! Parece utópico, mas somente um núcleo duro da educação mineira poderá abalar as estruturas desse estado e desse país num movimento silencioso porém revolucionário. Vamos ministrar para a imprensa, para o "rei", para o legislativo e judiciário, para a sociedade uma aula de cidadania e o erro crasso que cometem ignorando toda uma categoria de trabalhadores em educação.

CRUZEMOS OS BRAÇOS, NÃO QUEREMOS SUBSÍDIO, EXIGIMOS O PISO, NÃO QUEREMOS NEGOCIAR, EXIGIMOS O CUMPRIMENTO DA LEI, NÃO QUEREMOS HOLOFOTES, EXIGIMOS RESPEITO!!!

Saravá Anastasia/ Vá de retro satanás/ Eu trabalho o ano inteiro/ tira a mão do meu dinheiro.
"


"Anônimo:

Que proposta indecente.Que governo covarde. Não queremos subsídio, isto já está mais do que claro, mas os governos e sua corja se fazem de desentendidos.Sem o piso não voltaremos para a escola."

"Anônimo:

EULER , VEJA SE ISTO É POSTURA DE UM GOVERNADOR, VAMOS FORTALECER ESTA GREVE PELO AMOR DE DEUS.

http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2011/07/16/interna_politica,240099/anastasia-ironiza-protesto-de-professores-na-cerimonia-do-dia-de-minas.shtml".

"
Laurinha:

Euler,

Eu de greve, sem muito a fazer, ligada no seu Blog, lendo tudo com muita atenção, me deparo com o texto da caríssima colega anônima, que me fez imaginar o Ex.mo. Sr. Governador de Minas Gerais, com as calças arriadas, sentado no seu trono, fazendo a número 2 e pensando em resolver a nossa situação! Boa ideia. A gente nem se importaria se ele estivesse k..., contanto que nos pague o piso.
Por essas e outras é que seu blog é demais da conta. A gente se informa, ri, chora, se emociona.
Também acho que você é um maravilhoso instrumento nesse momento em que vivemos.
Com o carinho de sempre,

Laurinha.
"

"
Anônimo:

Depois que um juiz afirma que a lei do piso ainda está em discussão, não nos causa nenhuma surpresa o governador dizer que os professores com capuzes roxos faziam uma alusão a Harry Potter. Afinal, ele e seus aliados parecem viver num mundo de ficção. Aliás, é bom que ele tome cuidado, pois até na ficção o Bem vence o mal! E, nesta luta, os professores representamos o bem, o Piso salarial já é um direito dos professores há muito tempo e ele é quem não cumpre a lei."

"
Gilson - História:

Euler, será que esta secretária não tem visto suas aulas sobre o piso ao longo destes mais de 30 dias de greve? Continua falando abrobinha em relação ao piso quando afirma que Minas paga acima do piso. Por que ela fala, mas em nenhum momento apresentou os cálculos? Por que não apresenta pedagogicamente como você faz e sem enrolação? Para a secretária que talvez não sab, apesar de sermos tratados como uma segunda categoria ou mais somos classe pensante deste estado.
Não somos tão inocentes a aceitar um acordo deste proposto pelo governo.
Voltar para depois discutir salário é sinal de mais um calote. Cuidado.
Estarei em BH na próxima Assembléia.

Gilson - História.
"

"
Vânia - BH:

A greve tá tão pesada para nós que num comentário atrás o nosso querido Rômulo trocou o nome do Euler, chamando-o de Euclides...rsssss

Ê Rômulo, começou certo nas duas primeiras letras Eu... e escreveu Euclides!

Sô o Rômulo mesmo para fazer a gente rir nesse momento de tensão...rssss

E olha, não podemos deixar barato essa do Hary Potter!!!!

Vânia - BH
"

"
Luiz Fernando:

Prezados colegas,

Achei estranho, vendo o meu historico funcional no portal do servidor, a maneira como foi lançado o retorno a antiga carreira. Normalmente se lança o número da resolução ou decreto quando se trata de movimentação.
Consta na página apenas VB para legislação (deveria ser decreto, lei, resolução número tal...) e para a data de publicação o dia 30-06-11. Como eu leio, todos os dias, o Diário Oficial do Estado pela internet e não encontrei, até hoje, nenhum ato de publicação referente ao retorno à antiga carreira, resolvi consultar a versão impressa do dia 30 de Junho onde, segundo o portal do servidor, o retorno foi publicado. Sem me assustar, constatei que não havia publicação alguma, somente acertos de posicionamento no subsídio.

Portanto, colegas, ainda estamos todos, oficialmente, no famigerado subsídio.
E mais, como a taxação da folha, pelo menos na SRE de Lafaiete, se encerra no dia 15 de cada mês, o próximo pagamento virá como os anteriores, no subsídio.

Abraços,

Luiz Fernando"

"
Clayton Coelho:

Caros Colegas,

Eis também um lindo vídeo produzido por um estudante de escola pública, que denuncia a omissão das instituições judiciais em Minas.

http://www.youtube.com/watch?v=gFgEmA6jLfc&feature=email
".

"
Ivone:

Boa noite colegas.
Parece que esse texto resumiu toda a "novela" do PISO SAlARIAL.Os governadores e prefeitos não pagam...o governo federal finge que não vê e o judiciário "prende" o acordão. Os governantes dão desculpa que esperam a publicação do mesmo, e a roda da indiferença, descaso, embromação continua...

No momento o jornal otempo traz a manchete

.:: O TEMPO online :: Anastasia participa do Dia de Minas e ironiza manifestantes ::.

www.otempo.com.br

Proponho encher de comentários a matéria!!! Ofendeu um, ofendeu a todos!!!

Minha admiração aos Bravos Colegas e ao Colega PROFESSOR EULER! (estou esquecendo de usar maiúsculas em comentários... tão poucos merecem no momento!!
".

"
Paula:

Oi Euler, hoje a caça ao governador de Minas em Mariana atingiu o seu objetivo. Ele teve tempo até de fazer críticas. Mas uma coisa ficou clara, ele nos viu e ouviu. Mas ele continua comandando a imprensa, pois antigamente o Dia de Minas passava ao vivo na Globo Minas. Mas tudo bem... Vou contar em detalhes o dia de hoje. Chegamos ao evento às 9h da manhã, horário da missa e nos deparamos com um policiamento pesado. Tivemos até que passar por um detector de metais e ganhamos um bótão com a letra P que alguns diziam P de pobre, P de povo, P de preto e P de professor. Foram poucos que conseguiram entrar, mas estes poucos fizeram um barulho danado. Foi interessante ver tanta gente que não se conhecia, mas que tinha o mesmo ideal de luta. O restante do pessoal foi impedido de subir para a Histórica Praça Minas Gerais. Mas eles não deixaram de fazer barulho. Foi emocionante. Com o fim do evento, juntamos aos bons e fomos acompanhar o governador ao heliporto e dar um tchau e dizer até breve. A manifestação parou o trânsito no centro de Mariana. Estou aguardando as fotos e vídeos para a divulgação. Um grande abraço, Paula."

Comentário do Blog: Parabéns aos bravos colegas que fizeram a manifestação em Mariana. É bom que o governador saiba que estamos no seu encalço e que a qualquer momento ele será apanhado - já que está fora da lei. De Norte a Sul de Minas, por onde quer que ele ande, os educadores continuarão manifestando, protestando, mostrando sua criatividade e combatividade. Isso não vai parar, até que nos pague o piso. Um forte abraço, combativa colega Paula e até a vitória!

"
Anônimo:

É só o governo começar a perceber que o ano letivo está correndo risco de não encerrar até 31/12 para começar acenar com migalhas para colocar os professores na sala de aula. Se essa greve acabar por conta de não ter os dias cortados, aumento para diretor,vice e secretários será a piada do ano. A greve não é para receber o piso? porque o sindicato está convocando o conselho. A meu ver era para ignorar a proposta como somos ignorados.O governo precisa de ter um ano letivo sem encerramento para aprender a respeitar a categoria. Do jeito que a coisa funciona é só adiar o dia de dar aula. Espero que o sindute não leve a categoria a mais uma derrota."

"
tereza:

É... (Gonzaguinha )
É ...
a gente quer valer o nosso amor
a gente quer valer nosso suor
a gente quer valer o nosso humor
a gente quer do bom e do melhor
a gente quer carinho e atenção
a gente quer calor no coraçao
a gente quer suar mas de prazer
a gente quer é ter muita saúde
a gente quer viver a liberdade
a gente quer viver felicidade

É ...
a gente não tem cara de panaca
a gente não tem jeito de babaca
a gente não esta com a bunda exposta na janela
pra passar a mão nela

É ...
a gente quer viver pleno direito
a gente quer viver todo defeito
a gente quer viver uma nação
a gente quer e ser um cidadão
a gente quer viver uma nação

É, é, é, é, é, é, é, é

(Sem piso, não piso na escola)
"

"
Kelly - Ouro Preto:

Olá Combativos companheiros!
O importante do dia de hoje, na manifestação em Mariana, foi que conseguimos chamar a atenção do governador, fiquei extasiada com o protesto dos poucos companheiros que conseguiram entrar no evento. Gritamos palavras de ordem e não nos calamos. Quanto a ironia do governador, esperamos pela última saga da série: "Professor Potter contra Político fora da Lei"
Abraços a todos e A LUTA CONTINUA!
"

Comentário do Blog: Muito bem, colega, e a todos os bravos companheiros/as de Ouro Preto, Mariana e região.Venceremos!

"
Anônimo:

Euler... Se o governador criticou é porque viu e ouviu. Acho tão interessante ele dizer que está aberto ao diálogo! Precisa saber com quem e até se ele sabe dialogar. Diálogo e reconhecimento é o que não acontece com a educação. Se o governador fosse bem assessorado, a greve já teria acabado há muito tempo. Ele já teria anunciado a tabela com o piso salarial estabelecido em lei, e teria visto como isto é vantajoso para a educação e para Minas Gerais. Salários melhores atraem melhores profissionais, entusiasmam o trabalhador, evitam greves longas, só neste governo foram duas. Eu estou lutando pelo PISO SALARIAL, sem subsídio, sem calote, sem confisco. Minha mão já está levantada pela continuidade da greve. Que corte o salário! Vamos fazer movimentos para arrecadar alimentos, materiais de limpeza,de higiene, vamos recorrer à Cruz Vermelha, à ONU, às ONG's. Seja o governador responsabilizado pelo caos. E o mundo saberá a verdade."

"
Anônimo:

Oi colega Euler
Além de canalhas esses malditos são mentirosos. Disseram para minha diretora, que apóia a greve, que só há seis mil professores parados. O palhaço do anestesia tem muitos capachos nas superintendencias.
"

"
Anônimo:

É Anastasia
O povo deve está achando onde CUMê, nUM TÁ QUERENDO VOLTÁ NAO! PREPARE BOAS EXPLICAÇÕES PARA OS ALUNOS QUE VÃO PERDER O ANO LETIVO, ENEM...
EDUCAÇÃO PUBLICA É IGUAL DOENÇA DE CHAGAS, SÓ NÃO ACHOU CURA ATÉ HOJE PORQUE NÃO ATINGIU RICOS.
".

"
Anônimo:

PROFESSORA MINEIRA;
QUANTA DESTREZA NAS SUAS PALAVRAS, SERIA A PROFESSORA QUE DESEJARIA PARA AS MINHAS FILHAS. RECEBER UM ELOGIO SEU FOI O MÁXIMO.
AUTOR DO TEXTO:
"MUITO PRUDENTE GOVERNADOR"
".

"
Anônimo:

Euler, essa ameaça do governador não vai nos amedrontar. Que se perca esse ano letivo, que preparemos amigos e familiares para nos ajudar caso passemos necessidades básicas, enfim, estamos dispostos a ir até o fim para conseguirmos o piso. Que história é essa do governador não negociar com a categoria em greve e ainda ter a cara de pau de falar que não dará o piso? Esse homem só pode está louco. E nós, professores, estamos nessa greve (guerra) pro que der e vier, dane-se os covardes que estão em sala. Estou em greve desde o dia 8 de junho e só quero voltar com o piso. Se recuarmos, serviremos mais uma vez de chacota. O governador não é burro, a coisa pode ficar ruim para nosso lado com o corte do salário (deixa cortar), mas ficará pior para ele também, ele vai ter que se virar para cumprir os 200 dias letivos. Ele está nos pressionando mas também temos nossas "armas" de pressão, e uma delas é não repor os dias parados. Quanto mais tempo essa greve durar, pior para ele, pois os pais e alunos começaram a se desesperar, e temos que arrumar estratégias de colocá-los do nosso lado, para fazer pressão junto ao governo. Convidar pais e alunos para a assembléia é uma boa. Conto com os profissionais de fibra, que não voltarão feito cachorrinhos com medo do corte salarial. Sabíamos que isso poderia acontecer. Entramos na greve não para não ter corte salarial, mas para garantir nosso direito ao piso. E só sairemos dela com esse piso garantido. O governo vai ter que negociar. Na assembléia do dia 03/08 mostraremos novamente nossa força. O povo unido jamais será vencido. Gostaria de ouvir a sua opinião e dos demais colegas. Esse comando de greve NÃO PODE DECIDIR NADA POR NÓS. QUALQUER DECISÃO DEVE SER TOMADA PELA CATEGORIA NA ASSEMBLÉIA DO DIA 03/08."

Comentário do Blog: claro, colega, qualquer decisão em relação à nossa greve só poderá ser tomada em assembleia. O comando de greve pode - e deve - discutir as propostas e apresentar análises, mas caberá à categoria, em assembleia geral, dar a última palavra.

"
Educadora Mineira:

AUTOR DO TEXTO:
"MUITO PRUDENTE GOVERNADOR"

Eu sou da área da Linguagem, gosto de gente que escreve bem com clareza, com conhecimento, com objetividade, por isso me delicio com os textos publicados aqui, são maravilhosos. E o seu, achei de uma sagacidade, além disso havia me deparado com a reprodução do texto de um deputado, aí não tinha como não estabelecer um paralelo entre a beleza de seu texto e o rebuscamento do outro que cheirava a mofo, tanto que disse no texto que os leitores leram-no espirrando, além de muito esvaziado de sentido.

Parabéns mais uma vez. Seus textos, eu posso compará-los ao do Euler que também é de uma sagacidade enorme. Muito obrigada por dizer que gostaria de que eu fosse professora de suas filhas, sinto-me bastante honrada. Pedindo licença a Fernando Pessoa, diria Que minha PÁTRIA é a Língua Portuguesa com a cara deste POVO, portanto abrasileiradíssima.
Abraços!

Educadora Mineira
"

"
Anônimo:

Os policiais "guarda pretoriana da nossa alteza" só conseguiram sair do salário mínimo e meio após romper com a legalidade, nossa greve só será reconhecida quando nossa categoria também partir para essas medidas fora da legalidade. Claro que não temos armas de fogo. Mas quem sabe expor esse senhor ao ridículo. (...) Afinal ele não cansa de ridicularizar nossa categoria. Segue abaixo uma poesia para essa figura (...) que nos desgoverna.

Homo infimus

Homem, carne sem luz, criatura cega,
Realidade geográfica infeliz,
O Universo calado te renega
E a tua própria boca te maldiz!

O nôumeno e o fenômeno, o alfa e o omega
Amarguram-te. Hebdômadas hostis
Passam... Teu coração se desagrega,
Sangram-te os olhos, e, entretanto, ris!

Fruto injustificável dentre os frutos,
Montão de estercorária argila preta,
Excrescência de terra singular.

Deixa a tua alegria aos seres brutos,
Porque, na superfície do planeta,
Tu só tens um direito: — o de chorar!
"

Comentário do Blog: caro combativo colega, apesar da nossa justificada indignação, devemos pautar a nossa luta pelo bom combate, sem apelarmos para práticas que seguramente voltariam contra a própria categoria. Podemos enfrentar a polícia, a chuva, o sol, o cinismo dos governantes, mas não devemos perder a nossa elegância. Sim, porque, ao contrário deles, que não têm pudor nem respeito em relação aos de baixo, somos elegantes no destemido combate que travamos contra os governos. Com força, unidade e garra, mantenhamos a nossa luta, sem precisar apelar para recursos espetaculosos. Um forte abraço e força na luta!

"
Luciano História:

Quem dera eu ser Harry Potter e aprisionar o Anastasia, a Renata e a Gazolla em Azkaban, eles com certeza beberiam no cálice de fogo."

"
João Paulo Ferreira de Assis:

Prezado amigo Professor Euler

Tenho para mim que os dias decisivos serão no início de agosto. Espero que esteja certa a publicação do Acórdão do STF no dia 1º de agosto. Penso que mais do que nunca os professores em greve devem economizar, fazer uso de pequenos expedientes para a economia. Por exemplo, aquela água que a máquina de lavar roupa expele deve ser aparada em baldes para o fim de despejar no vaso sanitário. Não lavar carros e nem calçadas. Economizaria descarga, e por conseguinte, nas taxas da COPASA. Usar lâmpadas econômicas para economizar energia elétrica. Quando saírem de um cômodo da casa, apagar a luz. Quanto ao uso do telefone, só ligar nas horas em que a cobrança é pequena ou nenhuma. Se tiver dívidas cuidar de renegociá-las. Não contrair novos gastos. Se tiverem cheque especial ou cartão, usem com parcimônia ou não usem. Professor que tiver carro, deve fazer um rodízio com outros que também tenham. Num dia vai o professor com os outros colegas no seu carro. Noutro, ele irá no carro de outro colega. E quanto ao uso de máquinas fotográficas digitais, evitar o máximo o uso, pois se o cartão de memória se esgotar, um outro custa 60 reais.
Digo tudo isso pois não confio nessa ''justiça'' de Minas, que certamente dará razão ao Anastasia, indo contra a disposição da própria lei 11738.
Quem tiver outras sugestões para economizar a fim de podermos sustentar a greve sem sobressaltos, que o diga.

Cordialmente, João Paulo Ferreira de Assis.
"

Comentário do Blog: caro amigo João Paulo, se algum dia eu for o presidente da República seguramente o seu nome estará entre os primeiros da lista de candidatos a ministro da Economia, rsrs. Agora, falando seriamente, concordo in totum com suas sábias sugestões. Um forte abraço e força na luta!

"
Boa tarde pessoal da luta! A greve continua! A greve continua! A greve continua! Colegas de luta, como eu já havia antecipado, fui até a reunião do Comando Geral de Greve, que realizou-se hoje, dia 18, na sede do CREA-MG. Vou passar um rápido relato, pois ainda tenho que publicar os comentários e a noite faço um novo post, ok?

Primeiramente, foi dado o informe da reunião entre sindicato e o governo na ALMG, sem qualquer novidade em relação ao informe escrito que o sindicato havia apresentado em seu site oficial. Ou seja: o governo não oferece nada além de uma carta de intenções, assim mesmo focada no subsídio. Diz que paga os dias parados somente se retornarmos no próximo dia 20; e se propõe a discutir o "aperfeiçoamento" do subsídio, assim mesmo somente se nós voltarmos ao trabalho. Ou seja: NADA!

A resposta do Comando Geral de Greve não poderia ser outro: respeitar a decisão tomada na última assembleia, de que, sem o piso, a greve continua por tempo indeterminado. A próxima assembleia está mantida para o dia 03 de agosto.

O Comando de Greve aprovou também que o sindicato deve elaborar uma resposta formal ao governo e à comunidade rejeitando esta indecência que foi a proposta do governo e explicando para a sociedade mineira que o governo não cumpre a lei, não paga o piso e é o único responsável pela greve dos educadores de Minas.

Foi discutida também a necessidade de cobrar do governo federal, via MEC, uma atuação mais incisiva na fiscalização e cobrança dos governos na aplicação do piso.

Por último, foi aprovado também que o processo de "caça ao governador" deve continuar, além das atividades regionais visando o fortalecimento da greve. É muito importante que no início de agosto haja uma maior adesão ao nosso movimento, pois isso deixará o governo cada vez mais pressionado a negociar e a pagar o piso. O que será reforçado com a publicação do acórdão, que não deve demorar a sair.

Em linhas gerais é isso. Nem precisei falar, pois houve um consenso em favor da manutenção da greve, até a conquista do nosso bendito piso. Mas, é sempre bom rever os amigos de combate. E por este reencontro, valeu acordar de madrugada, por volta das 7h30m. Um forte abraço a todos e força na luta. Mais à noite, lá pelas primeiras horas da manhã, trago novo post.(Euler)
"

"
Anônimo:

Grande Euler, que boa notícia, vamos continuar firmes, parabéns ao sindicato, parabéns a Beatriz, parabéns a você companheiro e a todos bravos guerreiros, a luta continua e sem o piso não volto para a escola. O chão de Minas vai treeeeeeemerrrrr kkkk. Força na luta.".

"
Anônimo:

Olá, companheiros,

Não está escrito em lugar algum que viver é fácil. Devemos enfrentar esses momentos que ora vivemos com toda a dignidade de que somos capazes. Não vamos perder as esperanças. Não podemos recuar a essa altura do campeonato: ou vai ou racha! Que rache, então!
Gostei da ideia de que os não grevistas poderiam (deveriam) colaborar com alguma quantia para ajudar os Professores que estão travando essa verdadeira batalha contra o poder do insensível e insensato Anastasia, caso venha lhes faltar recursos por conta do corte no pagamento. Eu mesma, apesar de estar de greve, estou numa situação mais ou menos confortável e estou disposta a ajudar a quem precisar. Os caríssimos colegas, caso resolvam fazer essa campanha, podem contar com essa anônima aqui. É preciso ser muito insensível para não se condoer com a situação em que poderão ficar muitos dos nossos guerreiros. As pessoas gastam horrores com "Criança ESperança" e "Big Brother". Acredito que colaborarão com os professores grevistas.
Euler, se essa ideia vingar, pingarão alguns reais, ainda que sejam só os meus.
Hoje escrevi à Presidente (que prefere ser chamada de Presidenta e assim o fiz). Confesso que dramatizei um pouco, mas fui absolutamente sincera. Posso até ter escrito bobagens, mas deixei falar o meu coração de educadora, que não perde nunca a esperança e ainda acredita que a educação nesse país ainda tem conserto. Temos feito a nossa parte. Estamos tranquilos em relação aos nossos deveres. Quem deve perder noites de sono, tramando nas encolhas são outros, não nós, verdadeiros esteios da sociedade, pois fazemos o que há de mais divino que é educar para a vida.
Sejamos fortes, companheiros!
A vida é luta renhida,
que aos fracos abate,
e aos fortes,
só faz exaltar.
(José de Alencar - se não me falha a memória).
Um grande abraço a todos. Estejam confiantes. Acreditem firmemente. DEus está conosco!!!
"

53 comentários:

  1. caro colega Euler, devemos manter nossos objetivos até o fim, sem o piso não voltamos para a escola, será um "subsídio" se voltarmos para a escola agora sem o piso, entramos nessa greve sabendo de todas as perseguições que este desgoverno faria e ainda poderá fazer, más sejamos combatentes pois o nossos dias de vitórias estar por vir e não está longe será omais breve pois somos educadores de muita fé emuita esperança e de muita garra.A greve continua ate que nos pague o piso.

    ResponderExcluir
  2. Estamos chegando ao ápice dos embates com o Governo, temos que engrossar o Coro a favor da GREVE, fortalecer o combinado na última Assembléia Regional. Se recuarmos agora, repetiremos o erro de Avaliação ao final da greve de 2010. Esses Canalhas assinaram um acordo, não o cumpriram com a Categoria e ainda saíram plantando boatos e notícias mentirosas, enfraquecendo nosso Movimento... É só observarmos quantos "líderes" do Movimento que estavam garantindo a GREVE do ano passado em GV e que agora se omitem por discordância dos rumos que as coisas se deram no ano passado. Naquela época não tínhamos um julgamento do STF e o Governo anunciou unilateralmente a decisão de lançar o subsídio como nova forma de pagamento.
    Eu não estive em Belo Horizonte presenciando: “dia 25 de maio de 2010, diante de 15 mil pessoas, foi assinado o primeiro acordo da história entre o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais e o governo do Estado.” Tenho muitos colegas que estavam lá e afirmam que além de não haver unanimidade, a votação teve que ser repetida várias vezes porque o índice de discordância com do movimento era grande... Eu mesmo vi na E. E. “Professor Darcy Ribeiro”, alguns colegas do Ensino Fundamental I convocando seus alunos para retornar à sala de aula e das séries finais já fazendo plantão na Escola naquela semana... Infelizmente, a falta de consciência política e de noção do PODER DE UMA CATEGORIA UNIDA de muitos, a herança maldita da ditadura (essa pecha que marca a trajetória de muitos dos nossos colegas), a politicagem chantagista feita pelo Governo aos colegas da Lei 100 e a alienação absurda de um número enorme número de contratados (claro que há exceções), mais um amontoado de pessoas que desconhecem os próprios direitos, como é realizado nosso pagamento, não têm opinião a dar, pois fazem bico da Educação... Infelizmente, é com esse quadro negativo que nós que nos dispusemos a participar desta reivindicação justa e legal, e não é um togado que vai me dizer o contrário...
    Tivemos uma VITÓRIA no ano passado. Fomos traídos por estes descarados que estão no Governo a tantos anos e que sempre demonstraram desprezo por nossa Categoria. Em 2011, tivemos duas vitórias importantes e que garantem o nosso PISO SALARIAL no STF. Não há mais o que discutir sobre o ano passado.
    O momento agora é de apelar para que os nossos colegas que estão em GREVE: PERMANEÇAM FIRMES EM SUAS POSIÇÕES, que procurem as subsedes, informem-se, visitem os colegas, mandem e-mails, sejam insistentes. A conscientização é fundamental. Digam não ao subsí(suicí)dio, levem calculadoras, provem aos mais incautos o quanto já estamos sendo lesados... Ainda bem que já temos uma GREVE MUITO FORTE e pela manifestação que tenho observado nos diferentes blogs, a tendência é de CRESCIMENTO, o mesmo tem ocorrido nas visitas que temos realizado às Escolas.
    Aos Colegas que requereram o retorno ao pagamento por Vencimento Básico, solicitem que sua Escola protocole sua decisão, vamos parar com esse jogo de empurra, não podemos mais aceitar essa chantagem barata,temos que demonstrar cabalmente que sabemos que o Governo tem nos afanado dinheiro e ainda temos que cumprir várias obrigações com os eleitores desses usurpadores do poder e, portanto, chega de embromação, que ele diga logo como vai garantir a permanência dos nossos direitos adquiridos,estabelecendo uma carreira decente e que atenda aos anseios dos educadores, baseados na lei 11.738/08 e nada mais.

    ResponderExcluir
  3. Euler, refletindo sobre a sua análise acima, concluí que um Educador muito sábio, Sebastião de Oliveira (não o conheço pessoalmente), que sempre posta comentários aqui, está corretíssimo ao dizer que somente depois do dia 10 de agosto (se não prorrogar o prazo de retorno) o governo se pronunciará sobre o piso. Eles não se importam se estamos há um, dois... 37 dias em greve, não se preocupam que milhares de alunos fiquem sem aulas e sejam prejudicados por isso. Eles só querem saber o número de pessoas que ficarão no subsídio, e se tiver uma alma viva neste suicídio, continuarão afirmando que ja pagam o piso e que pagam muito bem, aliás. Nosso inimigo, obviamente, é o governo com sua tirania e prepotência, mas sobretudo a ignorância ou doideira (estou radicalizando mesmo)de alguns educadores em não retornar ao antigo sistema, pois se tivésemos a massa, 100% de retorno, esse subsídio viraria poeira e não se falava mais nisso e o governo não encontraria nenhuma outra justificativa para não pagar o piso.

    ResponderExcluir
  4. NÃO QUEREMOS ESMOLA NÃO!
    QUEREMOS O NOSSO PISO, RESPEITO E DIGNIDADE...!
    A LUTA CONTINUA...
    PROFESSOR ODAIR JOSÉ- MONTES CLAROS

    ResponderExcluir
  5. EULER, ESTOU EM GREVE DESDE O DIA 08 DE JUNHO E, NÃO AUTORIZO NENHUM COMANDO DE GREVE DECIDIR POR MIM EM RELAÇÃO A ESTA ABERRAÇÃO QUE FOI A PROPOSTA DO GOVERNO ,QUE CORTE MEUS DIAS DE GREVE ! POIS QUEM TEM QUE DECIDIR SOMOS NÓS E, NÃO MEIA DUZIA DE SINDICALISTAS.

    ResponderExcluir
  6. Euler, seu danadinho! Fui mostrar a uma amiga o meu post e não o encontrei. Pesquisei de todas as maneiras e nada! Você o postou e depois o retirou. Por que, fofo? Ser gay não é defeito. É ser alegre e divertido! Sou um professor altamente gabaritado, mas sou gay. Fazer o quê?! Olhando assim pra mim sou um homenzarrão, mas gay, gay...
    É claro que eu também vou continuar em greve. Quero ver o fim desse filme e tomara que não seja como das outras vezes. Voltar sem conquistar o piso, jamais mon amour! Ainda que eu fique sem teto (arrasei!!!).
    Purpurina para todos. Força na peruca e vamos que vamos!!!

    ResponderExcluir
  7. Caros professores,
    Os professores entraram em greve foi para cobrar do governo cumprimento da Lei Federal e pagar o Piso, não foi para pedir melhorias no subsídio, ou melhores salários para diretores, secretários, vice-diretores etc. A proposta feita pelos representantrs do governo, foi sem sentido, chamando os professores de otários, ignorantes que não sabem o que querem. Portanto se os professores aceitarem esta proposta indecente estarão rejeitando o PISO.
    Sebastião de Oliveira

    ResponderExcluir
  8. Grande Euler, monha posição continua a mesma, sem o piso não piso na escola, chega de sofrimento, de trabalhar sem condições, com alunos fazendo o que querem dentro das escolas, com a droga solta entre os mesmos, com agressões verbais e físicas a colegas. Chega, basta, não podemos nos esquecer destes detalhes, temos que receber um salário digno. Força na luta, vou até o fim.

    ResponderExcluir
  9. O Sindicato não pode cair nessa, aumentar salário de diretor, secretária, para depois ficarem de cordeiros do ditador mor ? Mais uma vez o estrategista está tentando das suas, naaaaaaaão, quero meu piso.

    ResponderExcluir
  10. Olá Euler e pessoal!

    Não podemos cair nos mesmos erros de 2010! Vou ao CREA acompanhar a reunião do Comando de Greve e, desde já, não autorizo ninguém decidir por mim. Entrei nesse movimento para exigir do Governo o piso e não uma carta de intenções que, á rigor, servirá apenas para nos ludibriar.

    Estou bastante decepcionado com o bloco MSC, com a inércia da CNTE e o pior, com a inocência do SINDUTE. Esse é o momento para desmascarmos o Governo e permanecer na luta. Se o Governo prorrogar novamente o longevo subsídio, acusará o golpe e todos esses bons resultados (maquiados) apresentados com a implantação do Choque de Gestão. Bancos e financeiras pressionam também nos bastidores. Afinal, como receberão parcelas de financiamento se os servidores não tem como pagar? Até Prefeitos engrossam o caldo porque em muitos municípios o salário do servidor tem participação importante na economia. Portanto, não podemos deixar que o governo inverta a situação porque o cronômetro foi disparado. Quem corre contra o tempo é o Governo. Vamos desconstruir essas certezas que essa corja psdebista regurgita na imprensa do país. Choque de Gestão em detrimento dos servidores público não! A hora é essa!

    Avante combativos professores, de pé!

    ResponderExcluir
  11. Prezado Euller.
    Não é possível aceitar esta proposta. Como pode um governante que não cumpre uma lei, exigir alguma coisa? Tenho 54 anos e estou começando a dar razão ao velho dito: não dá para levar a sério este país.
    Abraços.
    Ernani Prado.

    ResponderExcluir
  12. Euler, vou postar exatamente o que postei no blog da Beatriz. Afinal, meu pensamento é o mesmo.
    Abraços e força para nós nesta luta até a implantação do pio.


    O governo não negocia com grevistas, não fala no piso, não corta o salário apenas se voltarmos à aula. E a chicotada nas costas vem quando? O "tronco" já está esperando! Pelo menos é assim que me sinto ao ver o quanto o governo nos desrespeita.
    Espero do Sindicato uma postura de não concordar com esses absurdos.
    Afinal, eu e tantos mil colegas estamos em greve por causa do piso. Não podemos fraquejar agora. Mas gostaria que você fosse mais clara em relação ao Ministério Público: eles vão fazer jus ao nome ou vão dar apoio ao governo de Minas? O que de efetivo podemos esperar deles?
    Obrigada pela atenção.
    E a greve continua!

    15 de julho de 2011 14:31

    ResponderExcluir
  13. Amigos,

    no Jornal Estado de Minas, de hoje, há uma matéria com o seguinte título:

    "SERVIÇO PÚBLICO: PROFESSORES FORA DO REAJUSTE DE 10%."

    Além de quererem roubar o nosso piso mentem até mesmo sobre o reajuste em cima do subsídio. É UMA ABERRAÇÃO O QUE ESTÃO FAZENDO.

    QUERO O PISO!
    SEM MEU PISO NÃO PISO NA ESCOLA!

    FORÇA NA LUTA!!!

    ResponderExcluir
  14. Mais uma do Gonzaguinha prá reflexão:

    Deixa essa criança chorar, deixa essas criança chorar
    Não adianta cara feia, nem adianta se zangar
    Que ela só vai para quando essa fome passar
    ... e doutor,uma esmola(proposta do governo) a um pobre que é são
    Ou lhe mata a vergonha, ou vicia o cidadão

    É sacode a poeira
    Imbalança, imbalança, imbalança, imbalança

    ResponderExcluir
  15. Alfredo Fortunato - Pará de Minas16 de julho de 2011 13:05

    Caro Euler e sofredores de profissão,
    Nossa luta não é pelo piso nacional? Por que temos que aceitar aumentinho no subsídio?
    Não podemos recuar agora... Que o Estado sofra a pior greve de sua história, que o ano de 2011 não termine, mas não podemos voltar enquanto não tivermos uma proposta acertada na mão e não negociaçãozinha fajuta que só serve para nos enrolar mais um tempo e ficar fazendo greves que não vão dar em nada depois. Precisamos lutar é agora por aquilo que acreditamos. Ou lutamos agora, ou nunca mais precisaremos de lutar, daí não precisaremos de sindicatos, não precisaremos de mais nada, pois só teremos aumentozinhos a cada 15 anos de 10%. Acorda sindicato.... Acorda professores...... Acorda povo mineiro..... pois esse governo veio para acabar com o funcionalismo público. Fora Anastasia!!!!!

    ResponderExcluir
  16. Olá, maravilhoso(!!!) Euler querido (se me permite),
    Não é que encontrei o meu post? Já localizei a "manchete" para mostrar à minha amiga. Desculpe-me a cobrança, viu? Fui pesquisar em "postagens anteriores" e lá estava ele. É claro que você não me deletaria (rindo gostoso), pois esse Blog é altamente democrático e sem preconceitos.
    Beijos coloridos para todos os combatentes! Ai, que oportunidade boa para eu me esbaldar!!!
    Aguardem notícias minhas, assim que esse (des)governo resolver pagar esse bendito piso...
    Boa sorte a todos e tenham fé. Nem tudo está perdido. As dificuldades serão passageiras. Aprendi nesses anos a não me desesperar. Nada nesse mundo é pra já! Precisamos ter paciência. Tudo dará certo.
    Mais purpurina para vocês, os grevistas. Para os outros, se não me contivesse a boa educação que a mamãe me deu, eu mandaria outra coisa... Bem, por hoje chega. Estou com a corda toda! Aff!!!

    ResponderExcluir
  17. ´Há 3 tipos de professores: os que estão de greve participando das atividades da greve, os que estão de greve em casa e os furadores de greve. Pertenço à segunda categoria e já estou ficando com vergonha da minha covardia, principalmente depois de ver a malvadeza de anastAZIA mandando os policiais judiarem dos professores nas manifestações.Decidi, vou participar mais ativamente.

    ResponderExcluir
  18. Euler. O fato de terem deixado de fora do "aumento" o setor da educação, pode ser pelo fato de ele saber que terá que nos pagar, em algum momento, o piso....?

    ResponderExcluir
  19. Conforme afirmou nosso amigo Sebastião de Oliveira, não foi para pedir melhorias no subsídio, ou melhores salários para diretores, secretários, vice-diretores que nós entramos nesta greve.Aliás, muitos deles estão na escola, com seus salários em dia e sem enfrentar os embates até com a polícia. Aqui na Zona da Mata Leste está um escândalo, temos suado a camisa literalmente indo às escolas, pedindo, implorando e, raramente, convencendo os professores a aderirem ao nosso movimento. Muitos Diretores e vices estão "preocupados" com os 200 dias letivos e têm pressionado os aguerridos professores que estão em greve para voltar. Dissemos a esses que estão na direção da escola que tal problema é do governo e não nosso. Voltar, agora com uma proposta que parece beneficiar justamente e somente a essas pessoas. Jamais! É o nosso piso. Piso dos professores! Senão, não pisamos na escola.

    ResponderExcluir
  20. EU VÍ...

    Nessa última semana acompanhei (junto com combativos colegas) de perto, atividades na Assembléia Legislativa de Minas Gerais.
    Eu vi, muita garra, muita força e muito ânimo daquelas dezenas, centenas de educadores que acompanhavam o “trabalho” daqueles deputados, “nossos representantes”...
    Eu vi, uma Assembléia de “faz de contas”, uma vergonha... . Deputados que enquanto um fala, outros ficam de conversa no celular, navegando na internet, batendo papo, passeando...
    Eu vi, uma “carneirada”, com o único objetivo de atender o patrão (eles não questionam, não falam, não pensam) está pronto pra votar o que o (dês) governo mandar... Será por quê?
    Eu vi, o “Minas sem censura” tentando obstruir em vão à votação!
    Eu vi, um deputado falar palavrões aos educadores, tais como :”vai tomar no ..., vai a p... que p...” e no outro dia com a cara de pinóquio dizer que não falou nada disso...
    Eu vi, uma Assembléia “podre”, longe de ser aquela que deveria cumprir o seu verdadeiro papel, (representar os cidadãos)... Deputados friamente tentando nos ignorar. Entre outros abusos, eu vi...
    Eu vi, a polícia da Assembléia tentando nos intimidar, ocasionando na quebra do óculos de um companheiro de Montes Claros.
    Retornando pra Montes Claros fomos agraciados pela visita do “nosso (dês) governador”...
    Eu vi, próximo ao Colégio Tiradentes, quarteirões totalmente fechados pela polícia militar, impedindo até a passagem de pedestres! Questionei. E a resposta:”Estamos cumprindo ordem...”
    Eu vi, pela televisão um (dês) governo mentindo pra população...
    Eu vi, combativos colegas “caçando” o (dês) governador...
    Eu vi, o pelotão de choque da polícia militar pronto para reprimir a nossa manifestação na AMANS...
    Eu vi, o corajoso colega que furou o bloqueio montado e no meio do discurso do (dês) governo na AMANS bradar: “SOU PROFESSOR EM GREVE E MEREÇO RESPEITO!”
    Eu vi, o apresentador da Inter Tv despedir do (dês) governo desejando: “bom poder pro senhor.”
    O poder do (dês) governo em Minas Gerais lembra o PODER DITATORIAL de anos e anos de REPRESSÃO, CENSURA, COVARDIA, CERCEAMENTO DE TODA LIBERDADE...
    Minas Gerais está vivendo uma DITADURA...?
    O (dês) governador escolhe a lei que quer cumprir? Como disse o nosso colega Euler Conrado : “Seria Minas um território separado do Brasil?”
    Eu vi , o principal meio de comunicação da nossa região disponibilizar um espaço de quase vinte minutos ou mais para o (dês) governador “mentir”, enquanto uma das nossas corajosas representantes do sindicato teve menos de um minuto pra falar porque estávamos manifestando, porque estamos em greve...
    E pra fechar o teatro de horrores em Minas, o circo montado pelo (dês) governo, tivemos a notícia que o Judiciário mineiro acha correto cortar o ponto dos professores em greve...diferente do Judiciário do Rio Grande do Norte , do Rio de Janeiro e outros!
    Caros companheiros, em Minas foi montado um verdadeiro circo onde existe um (dês) governo ditador, um poder legislativo e Judiciário subverniente e uma imprensa...
    Nesse circo montado, adivinhem qual é o papel da população? Lembrando que a platéia são os outros estados... O restante do Brasil que “acreditam” que Minas Gerais é um paraíso e que até teve “déficit zero”, lembram do governo do faraó que quer ser presidente...?
    Enfim Sociedade Mineira, estamos vivendo em um estado de “faz de contas”, onde os poderes se corromperam, e a imprensa só divulga o que é de interesse (adivinha de quem)?...
    E nós (população) estamos “pagando o pato”. Desemprego, doenças, desrespeito, falta de educação, violência...
    TEMOS QUE MUDAR A REALIDADE EM MINAS... . E O COMEÇO DESSA MUDANÇA SEM DÚVIDAS PASSA PELA VITÓRIA DA NOSSA CLASSE NESSA GREVE!
    NÃO PODEMOS RETORNAR PRA SALA DE AULA SEM TERMOS ALCANÇADO O NOSSO OBJETIVO IMEDIATO -O PISO NACIONAL, QUE É LEI!
    COM FÉ EM DEUS, COM FORÇA, COM GARRA, PERSEVERANÇA, COM DIGNIDADE CONTINUAREMOS A NOSSA LUTA, ATÉ A VITÓRIA!
    *1,2,3,4,5 MIL, NÓS É QUE FAZEMOS A HISTÓRIA DO BRASIL...!
    Professor Odair José – Montes Claros

    ResponderExcluir
  21. Caríssimos colegas,

    Assisti ao vídeo e fiquei emocionada. Já estou fora da escola (afastamento preliminar à aposentadoria, mas nem por isso deixo de ler esse Blog maravilho, que nos informa com muita propriedade dos acontecimentos.
    Quero cumpriumentar a todos os PROFESSORES que participam dessa luta histórica nas Minas Gerais. A Escola em que trabalhei funciona normalmente, como se nada estivesse acontecendo. Não há comando de greve. Um dia, não muito tarde, perceberão que perderam a oportunidade de embarcar no bonde da História enão deixarão para as futuras gerações uma linha sequer no seu livro de vida. Admiro vocês todos. Parabéns pela coragem, meus destemidos companheiros de caminhada. Trago uma tristeza na alma por ver tanta covardia num governador tão jovem, que está escrevendo a sua história do modo mais torto e torpe que se pode escrever. Se usasse o mínimo da inteligência que dizem possuir, já teria resolvido muita coisa!
    Governador, deixe para o futuro a sua marca de hombridade e de honestidade. Sirva de exemploa milhões de jovens e crianças desse país. Não permita, SEnhor Anastasia, que a educação mineira se transforme num trem desgovernado, destinado ao fracasso sem precedentes e sem volta!!! Pelo amor de Deus, o senhor não aprendeu nada com os seus pais? Não aproveitou as lições que recebeu de seus professores? Não acredita em Deus? Não gosta de nossa profissão, por quê? Que mal lhe fizemos, Anastasia? Antes de ser um chefe político, o senhor é um ser humano. Sim, um ser humano com todas as necessidades fisiológicas de um simples professor. Então, por favor, ao tomar banho ou fazer a número dois (que demora mais), aproveite para meditar sobre o que está fazendo com os educadores mineiros. O senhor dorme? Claro, não é? Seu travesseiro não é um bom conselheiro ou sua consciência se enmtorpece de remédios para indução do sono?
    Tenha piedade, senhor governador! Chegamos ao ponto de implorar o que nos cabe por direito constituído. Acabe de vez com essa greve, acertando o ponto com os educadores e todos estarão satisfeitos, ainda que com pouco (fazer o quê?!? e voltarão para seus alunos com a alma lavada pelo sucesso da greve. O senhor ganhará muito com isso, sabia? É muito jovem ainda. Sua caminhada na política deverá ser longa. Ajude-se!!!
    Um imenso abraço a todos e me perdoem o desabafo.
    Euler, parabéns pelo seu Blog. Estou sempre por aqui. Deus o proteja nessa luta e continue colocando na ponta de seus dedos as palavras precisas para o fácil entendimento de sua mensagem, como vem acontecendo. Você é um iluminado, acredite. Deus está usando você como instrumento nesse momento histórico que ora vivemos.
    É a primeira vez que escrevo para o Blog. Não me contive.
    Beijos.
    Eu.
    Eis o link:
    http://www.youtube.com/watch?v=SGYUsgLK-28

    ResponderExcluir
  22. Olá Euler, como você mesmo disse, já esperávamos a pressão do governo, inclusive corte do sálário. Não vamos nos amendrontar, sem o Piso não voltaremos. Vamos aguardar a próxima Assembléia do dia 03/08 e enquanto isso nos mantermos engajados, participando de movimentos junto à comunidade. Sem o Piso não voltamos.

    ResponderExcluir
  23. Para reflexão da direção e daqueles que diziam que só voltariam as escolas com o piso.

    Comportamento Geral
    Gonzaguinha

    Você deve notar que não tem mais tutu
    e dizer que não está preocupado
    Você deve lutar pela xepa da feira
    e dizer que está recompensado
    Você deve estampar sempre um ar de alegria
    e dizer: tudo tem melhorado
    Você deve rezar pelo bem do Anastasia
    e esquecer que está sem carreira e sem o piso

    Você merece, você merece
    Tudo vai bem, tudo legal
    Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
    Se acabarem com o teu Carnaval?

    Você merece, você merece
    Tudo vai bem, tudo legal
    Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
    Se acabarem com o teu Carnaval?

    Você deve aprender a baixar a cabeça
    E dizer sempre: "Muito obrigado"
    São palavras que ainda te deixam dizer
    Por ser homem bem disciplinado
    Deve pois só fazer pelo bem da Nação
    Tudo aquilo que for ordenado
    Pra ganhar um Fuscão no juízo final
    E diploma de bem comportado

    Você merece, você merece
    Tudo vai bem, tudo legal
    Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
    Se acabarem com o teu Carnaval?

    Você merece, você merece
    Tudo vai bem, tudo legal
    Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
    Se acabarem com o teu Carnaval?

    Você merece, você merece
    Tudo vai bem, tudo legal

    E um Fuscão no juízo final
    Você merece, você merece

    E diploma de bem comportado
    Você merece, você merece

    Esqueça que está desempregado
    Você merece, você merece

    Tudo vai bem, tudo legal

    ResponderExcluir
  24. Anônimo disse...

    Acho que chegou a hora de deixar a legalidade e o politicamente correto nesta greve , pois esse "governador" não nos respeita e pior ainda faz pouco caso da categoria se acha superior a nossa classe que aceita trabalhar por misero salário e meio.Como já dizia Zé Rodrix em um jigle de jeans : o mundo trata melhor quem se veste bem...Vejam a matéria abaixo.


    Anastasia ironiza protesto de professores na cerimônia do Dia de Minas

    Rafael Passos

    Amanda Almeida

    Publicação: 16/07/2011 13:20 Atualização: 16/07/2011 14:15

    Professores protestaram durante envento em Mariana (Beto Magalhães/EM DA Press)
    Professores protestaram durante envento em Mariana

    O governador Antônio Anastasia (PSDB) ironizou o protesto de cerca de 50 professores estaduais durante a cerimônia da entrega da Medalha do Dia de Minas, neste sábado, em Mariana, Região Central do estado.

    Os servidores vaiaram o governador na solenidade e usaram capuzes roxos em referência, segundo eles, à luta dos inconfidentes mineiros contra a dependência do Brasil à Cora Portuguesa. Perguntado sobre o traje dos profissionais da educação, Anastasia ironizou. "Achei que foi uma homenagem ao Harry potter. O governo desde o início demonstrou o que pode fazer. Estamos fazendo de acordo com aquilo que é possível", disse à imprensa.

    Saiba mais...
    Professores fora do reajuste de 10%
    Os professores estão em greve desde 8 de junho e, em assembleia na última quinta-feira, decidiram manter a paralisação.

    Apesar do protesto, o governador discursou, falou sobre a história de Minas e prestou homenagem ao ex-presidente da República Itamar Franco. O político morreu em 2 de julho vítima de um acidente vascular cerebral (AVC).

    Cinquenta pessoas receberam condecoração do governo de Minas, como o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD) e o cirurgião plástico Ivo Pitanguy.

    Impasse

    Os professores reivindicam o pagamento do Salarial Profissional Nacional (PSPN) de R$ 1597,87 para 24 horas semanais em nível médio escolaridade. Por outro lado, o governo considera que paga mais do que o piso salarial previsto por lei federal.

    De acordo com a secretária de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, o piso para professor com licenciatura plena é de R$ 1.187 para 40 horas por semana, correspondendo R$ 712 para a jornada do estado, que é de 24 horas semanais. “O estado paga R$ 1.320 para professores com licenciatura plena e R$ 1.122 para os que não têm, sendo 55% a mais do que o previsto”, afirmou a secretaria nessa sexta-feira, durante o anúncio do reajuste para o funcionalismo.

    Renata Vilhena afirmou ainda que o ponto dos grevistas pode ser cortado, conforme autorizado Justiça, caso eles não voltem a trabalhar até dia 20.

    Petrônio/Contagem

    ResponderExcluir
  25. Guerreiro de Vespá! Congratulações grevistas a você e a todos esses bravos colegas...
    Sempre que acesso seu blog, tenho a mesma sensação que experimento quando vou em uma assembléia: muita energia boa, muito orgulho de ser professor... Percebo que sou um sonhador, mas não sou único.
    As vezes quando acompanho os desabafos de nossos colegas, sinto um aperto, um abafamento enfim, uma vontade de chorar... Mas, levanto a cabeça e avanço, pois o único sentimento que esse governo e seus aceclas merecem de nós trabalhadores em educação é a nossa total idgnação e nossa disposição pra lutar, por nós e pelos de baixo aos quais é negado direitos básicos contitucionais.
    Participando de um encontro sobre esse nosso momento, uma professora aposentada ijuriada com as atitudes desse desgoverno, resumiu assim o que precisamos fazer: "fiquem firmes, não vacilem poderão não dispor de um momento mais, oportuno" e continuou "que se perca o ano, será apenas mais um ano, porém poderão ganhar uma vida inteira, aliás vidas inteiras".
    Fiquei muito animado (mais). Em todas as aparições desse governo, nota-se o desdém. Querem debitar em nossa conta o caos em que se encontra a educação no estado e no país. Não podemos permitir que esse arremendo de monarquia e sua corte imponham suas vontades, não podemos nos intimidar com as ameaças e voltar ao trabalho (como melhorarei as cabeças das crianças se a minha cabeça está sendo pisada e o meu bolso não tem piso?)... O negócio é o seguinte companheiros, irmãos de fé e de luta: continuemos firmes no nosso propósito... A greve é o nosso mais forte argumento e poderá continuar silencioso como está, pois os pais e a sociedade em um dado momento virá a público e exigirá que esses podres poderes admitam seus erros e comecem repensar suas atitudes... É isso mesmo, Camarada Euler! Parece útopico, mas somente um núcleo duro da educação mineira poderá abalar as estruturas desse estado e desse país num movimento silencioso porém revolucionário. Vamos ministrar para a imprensa, para o "rei", para o legislativo e judiciário, para a sociedade uma aula de cidadania e o erro crasso que cometem ignorarando toda uma categoria de trabalhadores em educação. CRUZEMOS OS BRAÇOS, NÃO QUEREMOS SUBSÍDIO, EXIGIMOS O PISO, NÃO QUEREMOS NEGOCIAR, EXIGIMOS O CUMPRIMENTO DA LEI, NÃO QUEREMOS OLOFORTES, EXIGIMOS RESPEITO!!! Saravá Anastasia/ Vá de retro satanás/ Eu trabalho o ano inteiro/ tira a mão do meu dinheiro.

    ResponderExcluir
  26. Que proposta indecente.Que governo covarde. Não queremos subsídio, isto já está mais do que claro, mas os governos e sua corja se fazem de desentendidos.Sem o piso não voltaremos para a escola.

    ResponderExcluir
  27. EULER , VEJA SE ISTO É POSTURA DE UM GOVERNADOR ,VAMOS FOTALECER ESTA GREVE PELO AMOR DE DEUS.

    http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2011/07/16/interna_politica,240099/anastasia-ironiza-protesto-de-professores-na-cerimonia-do-dia-de-minas.shtml

    ResponderExcluir
  28. Isabel Assumpção-Manhuaçu16 de julho de 2011 16:44

    Euler e demais companheiros de luta,
    A cada dia é mais aterrorizante termos a certeza da miséria destas Minas Gerais e não podemos mais enxergar um belo horizonte, devido aos disparates daqueles que deveriam nos governar, mas que preferem nos avacalhar, nos humilhar. Parece até que passam os dias e as noites tentando achar uma maneira de acabar com nossa classe e assim poderem reinar bestialmente, pois um povo deseducado é um povo inerte. Graças a Deus que nem todos dormem e estamos firmes e convictos de que a hora de ficarmos unidos e fortes é agora.
    Força a todos nós e vamos assim até a vitória!!!!

    ResponderExcluir
  29. Euler! Parabéns e obrigado pelo espaço.
    quero tecer aqui algumas intrigantes contradições.
    Não consigo entender, por que pessoas ainda continuam trabalhando. Mesmo que não parem por questões pessoais, mas será que não tem um pingo de compaixão? Têm filhos e querem educar e alimentar seus filhos através do sofrimento e da dor de outras pessoas? Será que é por falta de informação? Como pode ser um professor se é desinformado? Confesso que me é difícil compreeder todas essas coisas... Principal mente se consideramos:
    Que o governo se utiliza dessas fraquezas humanas, para nos dividir.
    Que o poder do governo vem do povo e não o contrário.
    Que antes de sermos trabalhadores em educação, somos gente que tem filhos e parentes na educação pública, e esta não está nada bem.
    Que a imprensa e o estado, não estão preocupados em resolver nada sem pressão. Até porque esse caos, não os afetam e contribue para o propósito de tercerização dos setores públicos.
    Euler, sou vice diretor e penso que esse governo tem realmente um propósito nazifascista. Observe bem suas ações: Rios de dinheiro são disponibilizados para cargos de alto escalões, "mimos" de toda ordem para os setores de direção, comissionados,popudas contribuições e atrativas concessões a imprensa, revisão periódica dos salários dos militares. Por outro lado um enxugamento das folhas de pagamento da educação e saúde, exigências de metas com ameaças de avaliações de desempenho com requintes de assédio moral. Auxência total de isonomia... Enfim, um pararelho totalitário que se sustenta em falsos discursos e transgressões das leis mais fundamentais do país. Um desrrespeito impune que provoca conflitos com vários prejuízos morais materiais e humanos. Uma escalada de horrores ignorada pela justiça e estimulada pela então combalida classe média alta. Vem se desenhado em nosso estado ações para estabelecer aqui no brasil aquela malfadada social democracia... Os seus tentáculos estão a postos... Temos portanto neste momento o dever histórico de no mínimo arranhar a carapaça desse blindado que avança sobre nossas carnes. Não é o momento de sermos benevolentes, trata-se de uma batalha que requer sacrifícios de todos para que possamos um dia e quem sabe ainda este ano comemorarmos no fim da guerra, a vitória. SE É QUE ME ENTENDE... Precisamos mutiplicar os soldados com sua patente. Abraços históricos e força na luta!!!

    ResponderExcluir
  30. Caro Euler, aqui, na nossa região, Zona da Mata Leste, tem sido veiculada pela Globo uma propaganda em que uma senhora muito distinta,vestida à chefe de cozinha, explica-nos que 'Tutu' é um prato da culinária tipicamente mineira e que significa, também 'Dinheiro'. Segundo ela, há tutu no prato e mais 'tutu' no bolso do mineiros. E Governo anuncia que Minas cresce mais que a China. Com essa propaganda toda, é impossível acreditar que não haja 'tutu' para o piso dos professores! Alguém está levando o nosso 'tutu'. Quem será? Sem piso/'tutu'. Sem aula.

    ResponderExcluir
  31. Euler,

    Eu de greve, sem muito a fazer, ligada no seu Blog, lendo tudo com muita atenção, me deparo com o texto da caríssima colega anônima, que me fez imaginar o Ex.mo. Sr. Governador de Minas Gerais, com as calças arriadas, sentado no seu trono, fazendo a número 2 e pensando em resolver a nossa situação! Boa ideia. A gente nem se importaria se ele estivesse k..., contanto que nos pague o piso.
    Por essas e outras é que seu blog é demais da conta. A gente se informa, ri, chora, se emociona.
    Também acho que você é um maravilhoso instrumento nesse momento em que vivemos.
    Com o carinho de sempre,
    Laurinha.

    ResponderExcluir
  32. Depois que um juiz afirma que a lei do piso ainda está em discussão, não nos causa nenhuma surpresa o governador dizer que os professores com capuzes roxos faziam uma alusão a Harry Potter. Afinal, ele e seus aliados parecem viver num mundo de ficção. Aliás, é bom que ele tome cuidado, pois até na ficção o Bem vence o mal! E, nesta luta, os professores representamos o bem, o Piso salarial já um direito dos professores há muito tempo e ele é quem não cumpre a lei.

    ResponderExcluir
  33. Prezados colegas,

    Achei estranho, vendo o meu historico funcional no portal do servidor, a maneira como foi lançado o retorno a antiga carreira. Normalmente se lança o número da resolução ou decreto quando se trata de movimentação.
    Consta na página apenas VB para legislação (deveria ser decreto, lei, resolução número tal...) e para a data de publicação o dia 30-06-11. Como eu leio, todos os dias, o Diário Oficial do Estado pela internet e não encontrei, até hoje, nenhum ato de publicação referente ao retorno à antiga carreira, resolvi consultar a versão impressa do dia 30 de Junho onde, segundo o portal do servidor, o retorno foi publicado. Sem me assustar, constatei que não havia publicação alguma, somente acertos de posicionamento no subsídio.

    Portanto, colegas, ainda estamos todos, oficialmente, no famigerado subsídio.
    E mais, como a taxação da folha, pelo menos na SRE de lafaiete, se encerra no dia 15 de cada mês, o próximo pagamento virá como os anteriores, no subsídio.

    Abraços,

    Luiz Fernando

    ResponderExcluir
  34. Caros Colegas,

    Eis também um lindo vídeo produzido por um estudante de escola pública, que denuncia a omissão das instituições judiciais em Minas.

    http://www.youtube.com/watch?v=gFgEmA6jLfc&feature=email

    ResponderExcluir
  35. Euler, será que esta secretária não tem visto suas aulas sobre o piso ao longo destes mais de 30 dias de greve? Continua falando abrobinha em relação ao piso quando afirma que Minas paga acima do piso. Por que ela fala, mas em nenhum momento apresentou os cálculos? Por que não apresenta pedagogicamente como você faz e sem enrolação? Para a secretária que talvez não sab, apesar de sermos tratados como uma segunda categoria ou mais somos classe pensante deste estado.
    Não somos tão inocentes a aceitar um acordo deste proposto pelo governo.
    Voltar para depois discutir salário é sinal de mais um calote. Cuidado.
    Estarei em BH na próxima Assembléia.
    Gilson - História.

    ResponderExcluir
  36. A greve tá tão pesada para nós que num comentário atrás o nosso querido Rômulo trocou o nome do Euler, chamando-o de Euclides...rsssss

    Ê Rômulo, começou certo nas duas primeiras letras Eu... e escreveu Euclides!

    Sô o Rômulo mesmo para fazer a gente rir nesse momento de tensão...rssss

    E olha, não podemos deixar barato essa do Hary Potter!!!!

    Vânia - BH

    ResponderExcluir
  37. Oi Euler, hoje a caça ao governador de Minas em Mariana atingiu o seu objetivo. Ele teve tempo até de fazer críticas. Mas uma coisa ficou clara, ele nos viu e ouviu. Mas ele continua comandando a imprensa, pois antigamente o Dia de Minas passava ao vivo na Globo Minas. Mas tudo bem... Vou contar em detalhes o dia de hoje. Chegamos ao evento às 9h da manhã, horário da missa e nos deparamos com um policiamento pesado. Tivemos até que passar por um detector de metais e ganhamos um bótão com a letra P que alguns diziam P de pobre, P de povo, P de preto e P de professor. Foram poucos que conseguiram entrar, mas estes poucos fizeram um barulho dando. Foi interessante ver tanta gente que não se conhecia, mas que tinha o mesmo ideal de luta. O restante do pessoal foi impedido de subir para a Histórica Praça Minas Gerais. Mas eles não deixaram de fazer barulho. Foi emocionante. Com o fim do evento, juntamos aos bons e fomos acompanhar o governador ao heliporto e dar um tchau e dizer até breve. A manifestação parou o trânsito no centro de Mariana. Estou aguardando as fotos e vídeos para a divulgação. Um grande abraço, Paula.

    ResponderExcluir
  38. É... (Gonzaguinha )
    É ...
    a gente quer valer o nosso amor
    a gente quer valer nosso suor
    a gente quer valer o nosso humor
    a gente quer do bom e do melhor

    a gente quer carinho e atenção

    a gente quer calor no coraçao

    a gente quer suar mas de prazer

    a gente quer é ter muita saúde

    a gente quer viver a liberdade

    a gente quer viver felicidade

    É ...
    a gente não tem cara de panaca
    a gente não tem jeito de babaca

    a gente não esta com a bunda exposta na janela
    pra passar a mão nela

    É ...

    a gente quer viver pleno direito

    a gente quer viver todo defeito

    a gente quer viver uma nação

    a gente quer e ser um cidadão

    a gente quer viver uma nação
    É, é, é, é, é, é, é, é

    (Sem piso, não piso na escola)

    ResponderExcluir
  39. Kelly - Ouro Preto16 de julho de 2011 19:37

    Olá Combativos companheiros!
    O importante do dia de hoje, na manifestação em Mariana, foi que conseguimos chamar a atenção do governador, fiquei extasiada com o protesto dos poucos companheiros que conseguiram entrar no evento. Gritamos palavras de ordem e não nos calamos. Quanto a ironia do governador, esperamos pela última saga da série: "Professor Potter contra Político fora da Lei"
    Abraços a todos e A LUTA CONTINUA!

    ResponderExcluir
  40. É só o governo começar a perceber que o ano letivo está correndo risco de não encerrar até 31/12 para começar acenar com migalhas para colocar os professores na sala de aula. Se essa greve acabar por conta de não ter os dias cortados, aumento para diretor,vice e secretários será a piada do ano. A greve não é para receber o piso? porque o sindicato está convocando o conselho. A meu ver era para ignorar a proposta como somos ignorados.O governo precisa de ter um ano letivo sem encerramento para aprender a respeitar a categoria. Do jeito que a coisa funciona é só adiar o dia de dar aula. Espero que o sindute não leve a categoria a mais uma derrota.

    ResponderExcluir
  41. Euler... Se o governador criticou é porque viu e ouviu. Acho tão interessante ele dizer que está aberto ao diálogo! Precisa saber com quem e até se ele sabe dialogar. Díálogo e reconhecimento é o que não acontece com a educação. Se o governador fosse bem assessorado, a greve já teria acabado há muito tempo. Ele já teria anunciado a tabela com o piso salarial estabelecido em lei, e teria visto como isto é vantajoso para a educação e para Minas Gerais. Salários melhores atraem melhores profissionais, entusiasmam o trabalhador, evitam greves longas, só neste governo foram duas. Eu estou lutando pelo PISO SALARIAL, sem subsídio, sem calote, sem confisco. Minha mão já está levantada pela continuidade da greve. Que corte o salário! Vamos fazer movimentos para arrecadar alimentos, materiais de limpeza,de higiene, vamos recorrer à Cruz Vermelha, à ONU, às ONG's. Seja o governador responsabilizado pelo caos. E o mundo saberá a verdade.

    ResponderExcluir
  42. Oi colega Euler
    Além de canalhas esses malditos são mentirosos.Disseram para minha diretora, que apóia a greve,que só há seis mil professores parados.O palhaço do anestesia tem muitos capachos nas superintendencias.

    ResponderExcluir
  43. È Anastasia
    O povo deve está achando onde CUMê, nUM TÁ QUERENDO VOLTÁ NAO! PREPARE BOAS EXPLICAÇÕES PARA OS ALUNOS QUE VÃO PERDER O ANO LETIVO,ENEM...
    EDUCAÇÃO PUBLICA É IGUAL DOENÇA DE CHAGAS, SÓ NÃO ACHOU CURA ATÉ HOJE PORQUE NÃO ATINGIU RICOS.

    ResponderExcluir
  44. PROFESSORA MINEIRA;
    QUANTA DESTRESA NAS SUAS PALAVRAS, SERIA A PROFESSORA QUE DESEJARIA PARA AS MINHAS FILHAS. RECEBER UM ELOGIO SEU FOI O MÁXIMO.
    AUTOR DO TEXTO:
    "MUITO PRUDENTE GOVERNADOR"

    ResponderExcluir
  45. Euler, essa ameaça do governador não vai nos amedontrar. Que se perca esse ano letivo, que preparemos amigos e familiares para nos ajudar caso passemos necessidades básicas, enfim, estamos dispostos a ir até o fim para conseguirmos o piso. Que história é essa do governador não negociar com a categoria em greve e ainda ter a cara de pau de falar que não dará o piso? Esse homem só pode está louco. E nós, professores, estamos nessa greve (guerra) pro que der e vier, dane-se os covardes que estão em sala. Estou em greve desde o dia 8 de junho e só quero voltar com o piso. Se recuarmos, serviremos mais uma vez de chacota. O governador não é burro, a coisa pode ficar preta para nosso lado com o corte do salário (deixa cortar), mas ficará preta para ele também, ele vai ter que se virar para cumprir os 200 dias letivos. Ele está nos pressionando mas também temos nossas "armas" de pressão, e uma delas é não repor os dias parados. Quanto mais tempo essa greve durar, pior para ele, pois os pais e alunos começaram a se desesperar, e temos que arrumar estratégias de colocá-los do nosso lado, para fazer pressão junto ao governo. Convidar pais e alunos para a assembléia é uma boa. Conto com os profissionais de fibra, que não voltarão feito cachorrinhos com medo do corte salarial. Sabíamos que isso poderia acontecer. Entramos na greve não para não ter corte salarial, mas para garantir nosso direito ao piso. E só sairemos dela com esse piso garantido. O governo vai ter que negociar. Na assembléia do dia 03/08 mostraremos novamente nossa força. O povo unido jamais será vencido. Gostaria de ouvir a sua opinião e dos demais colegas. Esse comando de greve NÃO PODE DECIDIR NADA POR NÓS. QUALQUER DECISÃO DEVE SER TOMADA PELA CATEGORIA NA ASSEMBLÉIA DO DIA 03/08.

    ResponderExcluir
  46. AUTOR DO TEXTO:
    "MUITO PRUDENTE GOVERNADOR"
    Eu sou da área da Linguagem, gosto de gente que escreve bem com clareza,com conhecimento, com objetividade, por isso me delicio com os textos publicados aqui, são maravilhosos. E o seu, achei de ums sagacidade, além disso havia me deparado com a reprodução do texto de um deputado, aí não tinha como não estabelecer um paralelo entre a beleza de seu texto e o rebuscamento do outro que cheirava a mofo,tanto que disse no texto que os leitores leram-no espirrando,além de muito esvaziado de sentido.
    Parabéns mais uma vez. Seus textos, eu posso compará-los ao do Euler que também é de uma sagacidade enorme. Muito obrigada por dizer que gostaria de que eu fosse professora de suas filhas, sinto-me bastante honrada. Pedindo licença a Fernando Pessoa, diria Que minha PÁTRIA é a Língua Portuguesa com a cara deste POVO, portanto abrasileiradíssima.
    Abraços!
    Educadora Mineira

    ResponderExcluir
  47. Os policiais "guarda pretoriana da nossa alteza" só conseguiram sair do salário minimo e meio após romper com a legalidade , nossa greve só será reconhecida quando nossa categoria também partir para essas medidas fora da legalidade.Claro que não temos armas de fogo.Mas quem sabe expor esse senhor ao ridiculo.Sei e já vi falar que os recursos de nosso sindicato com sua diretoria tão "combativa " esta curto ,mas porque nao pensar em um outdoor ridicularizando esse senhorito "pois ele ainda não casou" com fotos e montagens.Afinal ele não cansa de ridicularizar nossa categoria.Segue abaixo uma poesia para essa figura excrota que nos desgoverna.

    Homo infimus


    Homem, carne sem luz, criatura cega,
    Realidade geográfica infeliz,
    O Universo calado te renega
    E a tua própria boca te maldiz!


    O nôumeno e o fenômeno, o alfa e o omega
    Amarguram-te. Hebdômadas hostis
    Passam... Teu coração se desagrega,
    Sangram-te os olhos, e, entretanto, ris!


    Fruto injustificável dentre os frutos,
    Montão de estercorária argila preta,
    Excrescência de terra singular.


    Deixa a tua alegria aos seres brutos,
    Porque, na superfície do planeta,
    Tu só tens um direito: — o de chorar!

    ResponderExcluir
  48. Quem dera eu ser Harry Potter e aprisionar o Anastasia, a Renata e a Gazolla em Azkaban, eles com certeza beberiam no cálice de fogo.

    ResponderExcluir
  49. João Paulo Ferreira de Assis17 de julho de 2011 00:48

    Prezado amigo Professor Euler

    Tenho para mim que os dias decisivos serão no início de agosto. Espero que esteja certa a publicação do Acórdão do STF no dia 1º de agosto. Penso que mais do que nunca os professores em greve devem economizar, fazer uso de pequenos expedientes para a economia. Por exemplo, aquela água que a máquina de lavar roupa expele deve ser aparada em baldes para o fim de despejar no vaso sanitário. Não lavar carros e nem calçadas. Economizaria descarga, e por conseguinte, nas taxas da COPASA. Usar lâmpadas econômicas para economizar energia elétrica. Quando sairem de um cômodo da casa, apagar a luz. Quanto ao uso do telefone, só ligar nas horas em que a cobrança é pequena ou nenhuma. Se tiver dívidas cuidar de renegociá-las. Não contrair novos gastos. Se tiverem cheque especial ou cartão, usem com parcimônia ou não usem. Professor que tiver carro, deve fazer um rodízio com outros que também tenham. Num dia vai o professor com os outros colegas no seu carro. Noutro, ele irá no carro de outro colega. E quanto ao uso de máquinas fotográficas digitais, evitar o máximo o uso, pois se o cartão de memória se esgotar, um outro custa 60 reais.
    Digo tudo isso pois não confio nessa ''justiça'' de Minas, que certamente dará razão ao Anastasia, indo contra a disposição da própria lei 11738.
    Quem tiver outras sugestões para economizar a fim de podermos sustentar a greve sem sobressaltos, que o diga.

    Cordialmente, João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir
  50. Faça sua parte, entre no site e fale com a presidenta DILMA.

    Assim como fiz:
    Ola bom dia! Com alegria que dirijo nesta oportunidade a Dilma presidenta, deste Brasil. Durante a campanha, com a eficacia do desejo de crescermos juntos, e estarmos ligado ao governo do PSDB, algo que nao desejo para o BRASIL, lutamos, discutimos, mudamos opinioes e conseguimos chegar no que temos hoje, um governo esperançoso. Mas venho por meio deste pedir que aja de forma firme com os atuais que nao pagam o piso salarial aos profissionais da educação, pois sofremos na pele o que e ganhar um miserio salario por uma classe tao desvalorizada pelo atual governador Anastasia, ao ponto de apoiar os governadores dos estados (CE, RS, MS, SC e PR), entrando junto ao STF com a ADI 4167, dando margem para eles desconfigurarem nossa carreira, as gratificações que acumulamos ao decorrer dos anos trabalhos, atualmente em Minas Gerais, passou-se por cima disto e criou o SUBSIDIO como forma de pagamento, que incorpora todas as vantagens do servidor e se paga o mesmo tanto para quem tem tempo de serviço e o mesmo tanto para quem inicia na carreira agora, acho vergonhoso este termo de incorporação, pois foi subtraído nossos direitos. Com isto criu-se a divisao da classe, nos dando opção de retornar a carreira antiga, fizemos isto, mas o que acontece que o ANASTASIA alega pagar o piso nacional atraves do subsidio, burlando o comprimento da lei do piso, julgada pelo STF, configura a como salario dos educadores o piso, vencimento basico, acrescido das vantagens adquiridas a longo da carreira. Motivo este que venho pedir, para que aja por parte do governo federal a neessidade de criar mecanismos que obrige os governadores a cumprir a Lei Federal, porque temos que cumprir lei a todo momento e eles nao. Uma sugestao que os recursos que vao para a esfera estadual seja atrelada ao comprimento da lei, pois nos professores ja temos o impasse da lei ter sido criada para uma carga horaria de ate 40 horas, dando abertura para que os governos nas suas esferas entenda que este piso tem que ser propocional ao numero de horas de cada estancia. Como e do conhecimento varios estados estao em greve a mais de 30 dias, tais como o RJ, SC, MG. Não pode haver por parte deste governo federal, a nao participação neste processo de crescimento da valorização do profissional da educação, lembro muito bem qdo disse em seu primeiro discurso como presidenta empossada da importante de valorização, pois o futuro da nação estava nas maos dos educadores, contamos com seu imenso apoio, juntamento com as esferas que tem o papel de estar acompanhando a educação bem proxima, como o MEC. Não podemos deixar que milhares de alunos nao fecham seus anos letivos, sem falar no prejuizo que ja estao tendo com ais de mes parados sem aulas, como fica o processo pelo qual necessita do conhecimento adquirido em sala de aula, para passar pelo ENEM que ja tem data marcada, se continuar do jeito que estar, terar o governo federal pensar em adiar a data do mesmo, se adequar aos alunos que estao sendo prejudicados por greve em seus estados, devido a omissao dos atuais governadores em nao cumprir uma lei federal. Afinal nos esducadores precisamos do apoio da nossa presidenta. Força esta que se faz necessario, com sua postura, etica, eficiente, durona as vezes, mas que pensa no bem de todos. A educação, juntamente com os profissionais da educação, professores e professoras clamam por socorro, pois estamos correndo o risco de ficar sem pagamento, porque estamos cobrando o que e de nosso direito.

    ResponderExcluir
  51. O príncipe disse n tv Alterosa que não paga o piso pois esse sindicato esta se achando.Voce viu o Jornal do Eduardo hoje 18/07/2011?O sindicato dos medicos uma vergonha ,só corrupção uma fazenda no valor de UM MILHÃO E MEIO. por isso que a greve não é nunca negociada.CUIDADO COM OS SINDICATOS procure ver as reportagens e esses DEPUTADOS que estam a negociar tem ROLO do GROSSO.

    ResponderExcluir
  52. Grande Euler, que boa notícia, vamos continuar firmes, parabéns ao sindicato, parabéns a Beatriz, parabéns a você companheiro e a todos bravos guerreiros, a luta continua e sem o piso não volto para a escola. O chão de Minas vai treeeeeeemerrrrr kkkk. Força na luta.

    ResponderExcluir
  53. Olá, companheiros,

    Não está escrito em lugar algum que viver é fácil. Devemos enfrentar esses momentos que ora vivemos com toda a dignidade de que somos capazes. Não vamos perder as esperanças. Não podemos recuar a essa altura do campeonato: ou vai ou racha! Que rache, então!
    Gostei da ideia de que os não grevistas poderiam (deveriam)colaborar com alguma quantia para ajudar os Professores que estão travando essa verdadeira batalha contra o poder do insensível e insensato Anastasia, caso venha lhes faltar recursos por conta do corte no pagamento. Eu mesma, apesar de estar de greve, estou numa situação mais ou menos confortável e estou disposta a ajudar a quem precisar. Os caríssimos colegas, caso resolvam fazer essa campanha, podem contar com essa anônima aqui. É preciso ser muito insensível para não se condoer com a situação em que poderão ficar muitos dos nossos guerreiros. As pessoas gastam horrores com "Criança ESperança" e "Big Brother". Acredito que colaborarão com os professores grevistas.
    Euler, se essa ideia vingar, pingarão alguns reais, ainda que sejam só os meus.
    Hoje escrevi à Presidente (que prefere ser chamada de Presidenta e assim o fiz). Confesso que dramatizei um pouco, mas fui absolutamente sincera. Posso até ter escrito bobagens, mas deixei falar o meu coração de educadora, que não perde nunca a esperança e ainda acredita que a educação nesse país ainda tem conserto. Temos feito a nossa parte. Estamos tranquilos em relação aos nossos deveres. Quem deve perder noites de sono, tramando nas encolhas são outros, não nós, verdadeiros esteios da sociedade, pois fazemos o que há de mais divino que é educar para a vida.
    Sejamos fortes, companheiros!
    A vida é luta renhida,
    que aos fracos abate,
    e aos fortes,
    só faz exaltar.
    (José de Alencar - se não me falha a memória).
    Um grande abraço a todos. Estejam confiantes. Acreditem firmemente. DEus está conosco!!!

    ResponderExcluir