quinta-feira, 21 de julho de 2011

O que não se investe em educação vai para o bolso de poucos amigos... do rei, ou do faraó.



O que não se investe em educação vai para o bolso de poucos amigos... do rei, ou do faraó.



Investir em Educação é uma das poucas coisas politicamente corretas que um governo pode fazer. Claro que em saúde pública também, além de saneamento, segurança, etc. Mas, vamos nos ater aqui a demonstrar a importância do investimento em Educação, especialmente no ensino público, voltado para as famílias de trabalhadores de baixa renda.

A Educação gera emprego. Este é um ponto fundamental. Em Minas são cerca de 350 mil educadores, somente na rede estadual. Em todo o Brasil, somos 3 milhões de educadores. O que significa dizer que não menos do que 10 milhões de pessoas, apenas no ensino público básico, sobrevivem diretamente dos investimentos na Educação, apesar dos baixíssimos salários. Centenas de cidades do interior do Brasil dependem do consumo que é feito pelos educadores, na ativa e aposentados. Comércio, prestação de serviço, toda a vida econômica, enfim, recebe um montante mensal de recursos que é gasto diretamente nas ruas do país, nas feiras, com os artesãos, nas pequenas lojas, enfim, somos um batalhão de pequenos consumidores e movimentamos a economia do país.

Muito ao contrário são os gastos com as grandes obras, como as cidades administrativas e os estádios de futebol, que beneficiam majoritariamente às empreiteiras, cujos proprietários têm investimentos fora do Brasil, muitas vezes em cassinos, ou em mansões espalhadas pelo mundo, ou em coleção de carros importados, levando vida de nababo, que repartem com os governantes aos quais patrocinam nas campanhas eleitorais.

Outro dinheiro jogado fora são os juros de banqueiros ou credores da dívida pública brasileira, que não para de crescer, recolhendo mais de R$ 100 bilhões todos os anos, mais do que o dobro do que se gasta com toda a Educação pública no Brasil, incluindo a folha de pagamento de 3 milhões de educadores, a construção e reforma de escolas, e a merenda escolar.

O orçamento público brasileiro tem essa característica de inversão, em favor dos de cima, que disputam as melhores fatias da receita, enquanto nós, os de baixo, disputamos as migalhas. Com o bolsa família, por exemplo, importante programa de combate à miséria e à fome, para atender a 13 milhões de famílias pobres, investe-se apenas cerca de R$ 13 bilhões ao ano. Já com os juros da dívida pública gasta-se dez vezes mais em benefício de poucas dezenas de famílias ricas.

Quando comparamos os salários no serviço público notamos também essa gritante diferença entre, por exemplo, o salário total de um deputado (ou desembargador, ou promotor público, ou governador, ou secretário de estado) e o de um professor. Eles recebem mensalmente entre 30 e 70 salários mínimos de vencimento mais verbas indenizatórias, enquanto nós, professores, sobrevivemos heroicamente com dois ou três salários, apenas.

Toda vez que falamos em pagar melhores salários para os educadores, na prática estamos falando em redistribuir melhor a renda, a receita arrecada pelos cofres públicos. Receita essa que nós, trabalhadores de baixa renda, somos os maiores contribuintes, através dos impostos inseridos nas contas de água, luz, telefone, arroz, carne, feijão, transporte, etc.

Esse chamado imposto indireto é a maior fonte de arrecadação do estado e é a maioria de trabalhadores de baixa renda que contribui para o montante arrecadado. E inversamente, ficamos com a menor parte na distribuição dessa receita. O montante de dinheiro público (no nome) é privatizado por empreiteiras, banqueiros, agronegócio, empresários da mídia, além dos salários exorbitantes dos agentes do alto escalão dos três poderes.

Nós, os educadores, disputamos a menor parte desta receita. No Brasil, o gasto total com a Educação gira em torno de 5% do PIB (Produto Interno Bruto), o que é muito pouco, diga-se de passagem, dada à importância estratégica da Educação para o país.

E aqui tocamos num outro lado do investimento da Educação: o aspecto social, humano, muito maior e mais importante até do que o aspecto econômico. Investir numa Educação de qualidade - que é sinônimo de investir nas pessoas que produzem a Educação - é assegurar a milhões de crianças, jovens e adultos um presente e um futuro dignos.

Proporcionar uma formação universal, crítica, cidadã, contribuindo para que as pessoas possam entender o mundo em que vivemos com uma visão crítica, aprendendo a respeitar a diversidade cultural, é algo que não tem preço. Todo investimento nesse processo - e especialmente nas pessoas que o desenvolvem - será pequeno diante da magnitude dos resultados alcançados.

As consequências do descaso com que a Educação tem sido tratada por todos os governantes desse país, praticamente sem exceção, resultam numa realidade marcada pelo aumento da violência, pela ausência de perspectiva presente e futura para milhões de crianças, jovens e adultos. Gerações inteiras têm os seus sonhos roubados pela ausência de políticas públicas sérias, de valorização do educador e da Educação pública.

E nem estou aqui me referindo apenas à formação profissional, para o trabalho, que é importante sim, mas que não pode ser o eixo central das políticas públicas, como parece ter se tornado o foco dos governos das três esferas. A formação técnica dos jovens e adultos para o trabalho é importantíssima, mas está muito longe de ser a coisa mais importante no âmbito da formação humana, no seu sentido mais amplo e múltiplo.

O chamado "mercado", que nada mais é do que a concorrência cega por mais lucros, nunca conseguirá absorver toda a mão de obra existente, pois isso contraria as leis inerentes ao capitalismo. Os investimentos na técnica, na produtividade, na informatização, na robótica, na química quântica, resulta na substituição crescente da mão de obra - no aspecto quantitativo - pelas máquinas. Por isso mesmo, a luta pela redução das jornadas de trabalho está inserida corretamente nesse contexto, visando uma melhor distribuição de renda e à redução do impacto causado pelo desemprego estrutural. Além, é claro, de proporcionar mais tempo livre para as pessoas poderem usufruir ao lado dos seus entes queridos.

A Educação tem um papel importante inclusive nesse problema estrutural do sistema, porque gera emprego em grande escala. E contribui para formar seres humanos pensantes, capazes de redescobrir outras formas de sociabilidade, e não apenas aquela submetida à escravidão do mercado capitalista. A Educação pode formar pessoas críticas, capazes de atuar politicamente não mais como indivíduos idiotizados, que depositam o voto a cada quatro anos, sem nada questionar. Ao contrário, pode-se contribuir com a formação de pessoas que participem ativamente enquanto sujeitos construtores do seu tempo, do seu momento histórico.

A nossa luta pelo piso e pela carreira, e consequentemente pela Educação pública de qualidade, está totalmente inserida nesse contexto. Se aceitarmos o que os governos querem nos impor goela abaixo, estaremos reforçando este sistema que nos destrói e reproduz uma realidade dramática para a grande maioria da população. Se lutarmos e conquistarmos os nossos direitos, estaremos contribuindo para a construção de uma outra realidade. Seja pela força do nosso exemplo, ou pela perspectiva mesmo que se abre para a Educação pública em Minas e no Brasil com a nossa conquista.

Por isso, não será o corte de salário de um mês, ou a ameaça de perda do ano letivo, que haverá de nos deter. Nossa luta tem que ir até o final, até a nossa vitória, que nesse momento é modesta, até: a conquista de um piso salarial rebaixado, que é lei federal, e que o governo de Minas (e outros) não o paga. Se nem isso a gente conquistar, então a nossa carreira não terá sentido algum.

Além do mais, não devemos nos esquecer que o dinheiro que deixarem de investir conosco, sonegando direitos garantidos em lei, será gasto com outros interesses, alheios, escusos, estranhos, afeitos, quem sabe, aos amigos do rei, ou do faraó. E isso nós não podemos admitir. Queremos o que é nosso. E o piso é um direito garantido por lei federal. Sem ele, a greve continua, até a nossa vitória.

Um forte abraço a todos e força na luta!

***

"Giovane Diniz (Pipoca):

Boa Noite caro amigo Euler. Postei este comentário no blog da Beatriz e gostaria de compartilhá-lo aqui no seu blog também.
Tem horas que acho que estamos muito pacatos...

Oi Beatriz, espero que tenha renovado suas forças nos últimos dias. Confesso que estou ficando cansado desta situação. Lê-se uma coisa daqui, outra dali, mas nada muda. Sei é claro que não é culpa sua ou do sindicato, mas acredito que as pessoas não estão nem aí para nós da educação. Não adianta tentar mobilizar a sociedade em nosso favor.

Por que a greve dos policiais resolve? Porque a população pressiona o governo, não por estar mobilizada em favor destes, mas por temer a própria segurança.

Acho que é hora de usarmos isto em nosso favor. Como?
Divulgar que se o governo continuar protelando as negociações e o pagamento do piso, os alunos irão perder o ano, não farão o ENEM, vestibulares, e o que é pior na visão dos Pais: Irão entrar de férias alguns meses mais cedo. Só assim a sociedade irá se mobilizar em nosso favor, não por empatia, mas em benefício próprio.

Não nos enganemos em pensar que as pessoas se preocupam com uma educação verdadeiramente de qualidade; querem apenas "babás para tomarem conta dos seus filhos, enquanto trabalham.

É claro que nem todos, mas posso afirmar que é a maioria.
Pode parecer que sou um tanto quanto radical, mas se não for assim, a categoria pode se desmobilizar.

Este comentário não é só uma sugestão, é também um desabafo de um professor que acredita na luta, mas tem visto muitos de nós esmorecer.

É preiso colocar o sangue das veias destes colegas para ferver.
Radicalismo quase nunca funciona, mas tem hora que é muito bem vindo.

Continuarei lutando até o fim, junto com vocês, pois acredito no sindicato, mas te peço por favor:

Vamos ter uma postura mais enérgica com este governador de M..."


Comentário do Blog: Olá, combativo colega Giovane. Entendo o seu desabafo e suas sugestões. Contudo, é preciso ter muita tranquilidade neste momento. O governo tenta nos desgastar, joga o tempo todo para nos desmotivar. A própria greve, em si, é sempre desgastante, pois perdemos o contato com os colegas na escola e com a nossa própria atividade profissional de rotina. Mas, nada disso pode nos afastar dos nossos objetivos, o principal deles: a conquista do piso e a salvação da nossa carreira, ameaçada pelo subsídio do governo.

Além disso, temos um compromisso moral com a Educação pública de qualidade. Mesmo que uma parcela da sociedade não tenha consciência da importância de um ensino de qualidade para os seus filhos, temos que ter paciência e compreensão, além de perseverar nos nossos objetivos.

Radicalizar nem sempre significar realizar atos espetaculosos ou de pressão sobre a comunidade ou mesmo sobre o governo. O fortalecimento pacífico da nossa greve em agosto, por exemplo, é um ato de radicalidade. As nossas ações na justiça, no ministério público, nas manifestações de rua, na caça ao governador, nos textos e comentários que publicamos nos blogs, nas nossas participações nos poucos espaços da mídia, tudo isso constitui momentos de radicalização, no melhor sentido da palavra. O fato de nos recusarmos a continuar trabalhando, quando o governo tenta nos impor uma situação como definida, é já um ato de extrema radicalidade, não acha?

Então, colega, continuemos em contato entre os colegas, compreendendo que as coisas mudam dentro de um processo, e nem sempre acontecem no momento em que desejamos ou planejamos. Estejamos prontos para o combate, e com a tranquilidade necessária para vencer os obstáculos contra o governo.

Um forte abraço e força na luta!


"Anônimo:

Bravo Companheiro Euler!

Tenhamos fé em Deus e em nossos próprios esforços!

Ao bom combate valentes educadores de Minas Gerais!

O chão de Minas vai tremer!!!!!"


"Élida - Ubá:

Espero que tenhamos algo novo no dia 3 de agosto, caríssimos companheiros!!! Abraço e coragem a todos. Élida - Ubá."

"Anônimo:

O que aconteceu com os(as) bravos(as) colegas de Divino? Em uma das assembleias em BH (em 2010), fiquei tão maravilhado com a postura daquele povo ao saber que enfrentaram com bravura e sabedoria uma inspetora que ameaçava o corte na folha e contratação de novos servidores para ocupar a vaga dos colegas em greve, ouvi naquela assembléia que a colocaram em seu devido lugar e que permaneceram firme na greve, APLAUDI tanto a postura que tiveram, e agora o que leio e sei a respeito é dessa total desarticulação e desunião entre Eles. Cadê o povo de 2010? Onde estão? Pelo amor de DEUS precisamos de Vocês unam-se. Mexam-se!!!!!"

"Luciana:

Caro euler,

Fiz a minha solicitação à presidenta através de meus contatos e veja a resposta do meu e-mail.
Prezada Senhora,

Em resposta a sua mensagem, endereçada à Presidenta Dilma Rousseff, informamos que o assunto foi encaminhado ao Ministério da Educação para análise e eventuais providências.

Caso julgue necessário obter informações sobre o tratamento do assunto, recomendamos-lhe escrever ao setor pertinente.

Cordialmente,

Claudio Soares Rocha

Diretoria de Documentação Histórica

Gabinete Pessoal da Presidenta da República.

Nóis ne fraco não hein. Mexe com nóis..."


"Anônimo:

OI EULER
BOM DIA
ESTA LEI DO do piso é muito boa mas, sofre de um erro de origem. O senador Esperidião Amim afirmou que não existem, na lei, mecanismos que punam os governadores que não a respeita. Aí eu te pergunto. Para que uma lei sem dispositivos de cobrança. Por um acaso os deputados e senadores criam de fato que os governadores iriam cumprí-lá ou já deixaram uma lacuna para permitir toda esta palhaçada... Em conversa com um deputado da base aliada fiquei sabendo que esta e uma decisão do governador e que a Câmara Federal nada pode fazer. Ou seja ninguém vigia o governador? Só a LEF é observada? Estes malditos representam a si próprios. O BRASIL É UM GRANDE CONLUIO E O GOVERNO CUIDA PARA QUE TUDO CONTINUE ASSIM JOGANDO A EDUCAÇÃO NO ÚLTIMO LUGAR DA FILA!"


Comentário do Blog: A lei do Piso aprovada no Congresso tinha um artigo específico que previa a condenação por prática de improbidade administrativa ao governante que não a cumprisse. Infelizmente o presidente Lula vetou este artigo. Por que será? Mas, independentemente disso, a lei tem que ser cumprida sim, e não existe essa história do infeliz senador de que não há como cobrar a sua aplicação. Claro que há. A lei delimita datas, prazos, critérios de reajuste anual, tudo. Para quê então que existe a Justiça neste país? Se não servir pelo menos para isso, devemos fazer uma campanha para fechar as portas da Justiça, e também do Congresso e demais legislativos, e também do Ministério Público. Enfim, ou essa gente mostra serviço ou temos que fazer uma campanha pública para mostrar o quanto estamos reféns de bandidos, canalhas e quadrilheiros. Por isso, esperamos que os órgãos competentes tomem as devidas providências.

Aliás, devemos aprender uma outra coisa. Quando a greve acabar, seja daqui a um mês ou na Copa de 2014, não podemos simplesmente voltar para a sala de aula. Não. É preciso manter as nossas mobilizações e inclusive nos articular melhor com a comunidade para combater estes instrumentos de poder que são utilizados a vida inteira contra nós, os de baixo. Um forte abraço e força na luta!


"Gilson Vieira Soares:

CNTE ajuiza ação no STF contra o subsídio.

ADI 4631 - AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Eletrônico)
[Ver peças eletrônicas]
Origem: MG - MINAS GERAIS
Relator: MIN. AYRES BRITTO
REQTE.(S) CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO - CNTE
ADV.(A/S) LUCIANO LARA SANTANA E OUTRO(A/S)
INTDO.(A/S) GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS
INTDO.(A/S) ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS"


"Anônimo:

Bom dia Prof. Euler. Lembra da piada antigamente quando um Militar abordava uma pessoa e identificava-se como Polícia, a resposta era: bem feito, quem mandou vc não estudar. Agora para nós Professores é o contrário: bem feito, quem mandou vc estudar. rsrsrs"

"Anônimo:

Li, hoje, no jornal o tempo, um debate entre piso e o subsídio. Seria interessante colorarmos comentários sobre o debate no site do jornal.
Euler parabéns pelas suas sábias palavras. Que Deus o ilumine, pois seus textos nos fortalece cada vez mais e nos traz a convicção que estamos no caminho certo. "A LUTA COMPANHEIROS."
Maria Helena - Ipatinga"


Comentário do Blog: Boa dica, combativa colega Maria Helena. Acabo de visitar e deixar um comentário (às 11h25m). Temos que contra-atacar o governo de todas as formas. Sem deixar qualquer espaço, sem dar qualquer trégua ao governo que não cumpre a lei. Terminei o meu texto sugerindo que alguém desenhasse o que eu havia explicado, já que se percebe que os agentes do governo, da alta cúpula, têm profundo problema de entendimento e de interpretação de textos e da vida. E disse mais: seguramente eles não estudaram na rede pública estadual, pois teriam aprendido com os nossos mestres pelo menos a interpretação de coisas tão elementares, como a diferença entre piso e subsídio. Um forte abraço e força na luta! Ah, o link para quem quiser visitar:

http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=124724


"Rogério Trindade - Curvelo:

Concordo com o colega Giovani, mas também não discordo de você, caro Euler. O seu blog é a melhor fonte de informação nestes momentos angustiantes. É preciso sim, tranquilidade. Mas quem fica tranquilo demais (não o nosso caso), morre em "berço esplêndido" (no nosso caso, fica sem o Piso). Por isso, prego a radicalidade que não deve ser confundida com violência. O governo já é bastante radical contra todos nós a julgar pelo salário aviltante e as medidas de repressão como o corte de ponto. Ficar firme mesmo assim é radical, mas uma radicalidade que só se volta contra nós. É preciso atitudes mais radicais sim, mas contra o governo,mostrando à população a sua covardia e o seu desrespeito à Lei. Isso não será conseguido apenas através de blogs (e olha que o seu não deixa ninguém desinformado) e uma nota e outra nos jornais. O povo infelizmente não procura se informar, então, nós é que deveríamos ir até ele como o grande batalhão que somos. A ocupação da MG 10 que foi reprimida com força pelo choque do Anastasia seria mais tranquila se fosse feita com o número de educadores que participam de uma assembleia tradicional com 5 ou 6 mil pessoas. Acho que demos uma trégua enorme neste recesso, momento em que, pelo menos teoricamente, teríamos mais companheiros para participar, visto que muitos trabalham em mais de uma rede de ensino. Por que o SIND-UTE não libera para que os ônibus das sub-sedes possam também levar pais e estudantes (maiores ou acompanhados) já que muitos veículos vão quase vazios para as assembleias? Seria uma força a mais na nossa luta e uma forma de levar a sociedade a participar. Também concordo com o colega que disse que temos sim de alardear que os alunos podem perder o ano letivo (o que deixará os pais em polvorosa) e que já serão prejudicados com a proximidade do ENEM. Tô aqui em recesso, mas sinto que deveríamos estar sendo mais insistentes.

Rogério Trindade - Curvelo"


"Rita Frugoli:

Bom dia, combativo colega Euler,
Acabei de ler que o CNTE entrou com uma açõ de inconstitucionalidade do subsidio no STF.
É esperar e torcer por ganho de causa em favor dos professores.

A página com a notícia é essa:

http://www.estudodeadministrativo.com.br/noticia-2011jul21-questionada-remuneracao-de-professores-por-subsidio-em-mg.php

Abraços e continuemos firmes que a vitória virá."


"Alexandre Campos:

Parabéns, mais uma vez pelo excelente texto acima. Você começou com um poto crucial e que precisamos trazer para o nosso lado, o comércio.

Fazer comerciantes entender que se passamos a receber pelo piso o benefício não é só nosso, mas da sociedade e do comércio sim, pois o poder de compra será maior e os comerciantes, estes também ganharão. Por isso uma proposta para que nestes dias possamos realizar reuniões com comerciantes de nossas regiões e explicar-lhes nossa situação e com isso poderíamos ter uma ajuda muito grande deles. Infelizmente em nosso mundo capitalismo, precisamos daqueles que tem o dinheiro então está na hora de falarmos com os comerciantes, para que eles entendam nossa greve e possam nos dar apoio. Se estiver errado corrija, por favor.

Abraços e força."


"Clayton Coelho:

Em 03/07/11, fiz uma denúncia pela internet à Ouvidoria do Ministério Público Estadual, questionando o descumprimento da lei 11.738/08 pelo Governo de Minas.

Em 11/07/11, essa denúncia foi finalizada com a seguinte resposta:

“Agradecemos seu contato. Informamos que já houve encaminhamento de representação formal ao Procurador-Geral de Justiça contra o governador Antônio Anastásia por não alterar o vencimento básico dos professores da educação de acordo como o piso salarial profissional nacional. Oficio Of. 283/2011/OMP, ID 1736260.”

Atenciosamente,
Ouvidoria do Ministério Público de Minas Gerais.

Adotadas as providências cabíveis no âmbito desta Ouvidoria, arquiva-se esta manifestação.

Vamos ver se de fato esta instituição tão bem remunerada por nós, o povo, irá aplicar a lei."


"Anônimo:

Grande guerreiro de Vespá!!! Concordo contigo, quando diz que não podemos perder a calma... As vezes algumas atitudes radicais também podem fazer estrago contra nosso movimento. Já postei antes e continuo afirmando. Precisamos estar á frente das iniciativas do governo, mas existem estratégias do próprio governo que também nos são úteis. Como por exemplo fingir que não está acontecendo nada. Podemos repetir o bordão do governo quando o bicho pega pro lado dele: "Estamos muito tranquilos".

Quando disse algo sobre "...o fortalecimento pacífico de nossa greve", me fez lembrar da luta de Gandhi, que através da desobediência civil conquistou a independência da Índia...

Outro exemplo foi a resistência dos negros contra a escravidão, utilizando de várias formas entre elas a fuga para comunidades quilombolas. Nosso arsenal pode não ser o mais caro, porém pode se tornar o mais eficiente... A resistência pacífica, ou seja a recusa em trabalharmos por pelo menos mais um mês, provocará sem dúvida nenhuma aqueles que como o governo fingem está tudo bem.

Trata-se de uma batalha de nervos, onde vencerá o mais preparado (nós os profissionais da educação). Quem pode estar mais preparado do que nós que vivemos sempre no limite?

Em suma, caro soldado do front! Nossas energias devem ser usadas para convencer nossos companheiros a engrossar o movimento, cientes de que não terão holofotes, pelo menos por enquanto. Feito isso e obtendo mais um mês de greve, virão as propostas e devemos recusá-las todas, a não ser que seja de forma definitiva a implementação do piso. A suspensão da greve, somente ocorrerá após publicação nos maiores meios de comunicação do Estado o acordo firmado entre SindUte e governo. Temos que trabalhar de forma veemente com a possibilidade do comprometimento do ano letivo, porém penso que alardearmos isso sem que haja indício de negociação, poderá parecer que nossa greve é sem propósitos... A sociedade desta feita será nossa inimiga.

Muitos pais já se manifestaram aqui, e muitos outros o farão, é só ter paciência e continuar firme na greve. Como diz o poeta: "Eu não tenho culpa de comer quetinho/ no meu cantinho boto pra quebrar/ levo a minha vida bem do meu jeitinho/ sou de fazer não sou de falar".

Em 2010, depois da grande revolta dos 47 dias, o governo acenou com o diálogo e nos passou uma rasteira (subsídio) que nos dói até hoje... Em Natal no Rio Grande do Norte, nossos companheiros podem ter a mesma surpresa desagradável...

Temos que estar atentos, pois essas raposas que estão no poder jogam a toalha para que abaixemos e depois nos ferram por trás com brasa. Quando percebem o estrago que a possibilidade de perda do ano letivo é eminente, sempre conseguem evitar, com humilhantes esmolas e voltamos pra salas com a sensação de otários.

NÃO PODEMOS CEDER, NADA DE BENEVOLÊNCIA, RESISTÊNCIA PACÍFICA, ATÉ NOSSA HISTÓRICA VITÓRIA... COM A PERDA DE UM ANO, MAS UMA CONQUISTA PARA A VIDA INTEIRA!!!
A GREVE ESTÁ APENAS COMEÇANDO...

Proponho a todos que se preparem para todo e qualquer tipo de imposição do governo e seus asseclas (Judiciário, Legislativo, imprensa, etc) com a TOTAL E IRREVERSÍVEL DESOBEDIÊNCIA CIVIL!!!"


"ANA LÚCIA:

CARO EULER
OBRIGADA PELA FORÇA E INCENTIVO QUE VOCÊ TEM DADO A TODOS OS EDUCADORES DE MG.
VOCÊ ACHA QUE A CARREIRA ANTIGA É MELHOR TAMBÉM PARA QUEM ESTÁ EM AJUSTAMENTO FUNCIONAL E NÃO TEM DIREITO AO PÓ DE GIZ E BIÊNIOS?"
.

"Anônimo:

Óh Escola, lugar do ócio e do lazer, o que o capitalismo fez desse espaço? Produtividade, resultados, desempenho, meta, pontuação, rendimento e etc... essas são palavras comuns que escutamos no dia a dia para definir o que se espera do bom professor, mas será que é desse jeito mesmo que nós professores temos que olhar a nossa "atividade"? caros colegas nós sabemos que esse discurso capitalista que já fragmentou a educação em disciplinas, tenta agora tratar a formação do ser humano como a produção de um produto, o que vamos fazer, aceitar o papel de fantoches do governo capetalista e reproduzir o que ele ditar, ou mostrar que não somos marionetes, que somos seres pensantes que conseguem entender o plano maligno dessa elite sangue-suga brasileira, e combater na forma de greve, de protesto, de manifestações públicas de repúdio à situação vigente. por isso continuaremos na luta, com a certeza de que: " a lei não ampara aquele que cala." hasta la victória siempre, não calaremos."

"Anônimo:

Euler,
sei q este não é o momento, mas por favor me responda.
Soube q foi aprovada uma lei aumentando os dias letivos e q ano q vem não teremos mais o recesso de julho, isso é verdade?"


Comentário do Blog: não, colega. Existe um projeto de lei aprovado pelo Senado que aumenta a carga horária anual dos alunos de 800 para 960 horas, a serem distribuídas dentro dos 200 dias letivos. Mas, tal projeto ainda tem que passar pela aprovação da Câmara, e ser sancionado pela presidenta Dilma e só entra em vigor dois anos após sua publicação. Ou seja, antes de 2013 (caso passe pelo processo citado ainda este ano), impossível. Mas, devemos estar atentos mesmo, no Congresso, para que não transformem este projeto num mecanismo para aumentar os dias letivos e cassar o nosso já reduzido recesso de julho.

"Anônimo:

Quem tiver oportunidade veja o caderno opinião de 22/07/11 Jornal O Tempo página 19. Questão de bom senso e Por trás da mascara. (Tema súbsídio).
É bem interessante. Confira."


"Anônimo:

EULER, DE UMA OLHADA É UM DEBATE MUITO BOM.

http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=177382,OTE&IdCanal=2"


"Silvia:

Boa noite Professor Euler e colegas!!!
Parabéns pelos textos, sempre claros, objetivos, direto no ponto.

Caro Anônimo. O debate citado sobre " O que é melhor para o professor :"subsídio ou Piso", realmente poderia ser bom para divulgar nossa causa. Pena que postei um comentário há mais de 1 hora e não foi publicado até o momento.

Mas sempre uma chance de tentar divulgar NOSSA CAUSA. (Na última manchete sobre a greve, foram cerca de 60 comentários... com essa escassez de espaço na imprensa... sempre tento aproveitar o pouco que nos deixam.). Sinto porém, não ter facilidade de expressão e brilhantismo do editor e dos colegas que comentam aqui no blog
FORÇA NA LUTA!!!! QUEREMOS NOSSO PISO."


Comentário do Blog: seu texto é ótimo, combativa colega Silvia, e seus comentários são sempre enriquecedores. Sobre o debate no jornal O Tempo, também deixei lá meu comentário, mas, tal como o seu, ele ainda não foi publicado. Um forte abraço e força na luta!

"Rogério Trindade - Curvelo:

É isso aí. Todo mundo deveria participar do debate que "O tempo" está promovendo sobre o subsídio e o piso. Talvez a melhor oportunidade que estamos tendo até agora. Pede pra todo mundo participar, Euler, pois o seu blog é o melhor ponto de encontro. Rogério Trindade - Curvelo

http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=177382,OTE&IdCanal=2"


Comentário do Blog: Tá feito o pedido, combativo colega Rogério. Aliás, já deixei meu comentário lá também, que ainda não foi publicado. É importante ocuparmos todos os espaços que a mídia abre para a nossa luta. Ainda mais quando se sabe que estes espaços são raros. Um forte abraço e força na luta!

"LEIA: o Jornal do José Elias Issa:

Educação em Minas

Caros companheiros, veja por onde andará o Governador de Minas.

"Arruma a mala aê!!!"

O viajando Anastasia

"O governador Antonio Augusto Anastasia (PSDB) embarca neste sábado para o Japão e a Alemanha, em busca de novos investimentos para o estado, principalmente nas áreas de agronegócio, mineração, indústrias e serviços." E os investimentos em E-D-U-C-A-Ç-Ã-O ???

Anastasia busca investimentos na Alemanha e no Japão
Governador viaja ao Japão e Alemanha e anuncia empreendimento de R$ 31 mi da Caterpillar em Minas
Renato Scapolatempore - Estado de Minas
Publicação: 23/07/2011 06:00 Atualização: 23/07/2011 07:45
O governador Antonio Augusto Anastasia (PSDB) embarca neste sábado para o Japão e a Alemanha, em busca de novos investimentos para o estado, principalmente nas áreas de agronegócio, mineração, indústrias e serviços. Acompanhado de dois secretários de estado e uma comitiva de empresários de Minas Gerais, ele terá uma série de encontros e visitas para viabilizar ou confirmar empreendimentos como o da alemã Mercedes-Benz, que vai transformar sua plataforma em Juiz de Fora, na Zona da Mata, em produtora de caminhões. A mudança, para o governador, deve impulsionar o polo industrial da região.

Antes de viajar, Anastasia anunciou um investimento de R$ 31,5 milhões da multinacional norte-americana Caterpillar em Minas Gerais. A empresa MGE Equipamentos, integrante do grupo, vai instalar uma fábrica de produção de locomotivas em Sete Lagoas para exportação. O investimento, que vai gerar 510 empregos diretos, começa este mês e a unidade deve entrar em funcionamento em janeiro de 2012.

Em entrevista ao Estado de Minas, o governador Antonio Anastasia voltou a criticar o veto da presidente Dilma Rousseff (PT) à ampliação da Medida Provisória 512, que incluiria municípios mineiros da área da Sudene em incentivos tributários para a instalação de empresas. Segundo o tucano, Dilma abriu um “precedente grave”, pois nunca um governo usou de um benefício federal para privilegiar um estado (Pernambuco) em detrimento de outros.

Japão

Fui convidado pelo governo japonês, e o objetivo é exatamente estreitar as relações econômicas, culturais e políticas com Minas Gerais. O Japão atravessou uma fase difícil este ano e ainda atravessa, mas as oportunidades são muitas, porque é um país que tem muitos investimentos em Minas Gerais – Usiminas, Cenibra, Jaíba, Panasonic, Sumitomo –, e o objetivo nosso é mostrar Minas como um campo de alternativas para os investimentos japoneses. Sem prejuízo de outras nações amigas, sabemos que o relacionamento de Minas com o Japão é muito próximo. Novas oportunidades na área de agronegócios, mineração e de investimento em equipamentos são viáveis. Há alguns investimentos previstos na área de mineração e agronegócio, mas vamos confirmar nas tratativas que teremos lá.

Alemanha

Vamos a convite da Mercedes um dia só, na volta, para conhecer a fábrica de caminhões em Stuttgart, porque estão transformando a fábrica deles em Juiz de Fora de automóveis em unidade de caminhões. Vamos ver quais os tipos de equipamentos e veículos vão produzir aqui. Ao mesmo tempo lá existem muitos mineiros que foram treinar e se qualificar.

Polo industrial da Zona da Mata

Agora se consolida, porque caminhão é um segmento do mercado que só cresce. Acho que a Mercedes fez uma boa opção, transformou a plataforma da fábrica em veículos pesados e é uma plataforma muito boa. O caminhão Mercedes tem uma tradição grande, uma qualidade reconhecida, então acho que agora aquela fábrica, que não foi como nós todos queríamos, vai se desenvolver muito e ajudar a desenvolver o polo da Zona da Mata. Serão investimentos de US$ 500 milhões e milhares de empregos."

Fonte: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2011/07/23/interna_politica,241267/anastasia-busca-investimentos-na-alemanha-e-no-japao.shtml

LEIA: o Jornal do José Elias Issa

leiajeissaeemg.blogspot.com"


"Flávio/Bhte:

À
SUBSEDE VENDA NOVA

Entrem em contato com o Misael (Rádio Favela) e peçam a liberação do áudio. Tenho certeza que o Euler permitirá o link aqui no blog para acompanharmos a entrevista."


"Anônimo:

Euler,

Por favor fale alguma coisa sobre ATB e ASB, ficamos no subsidio ou no antigo? PELO AMOR DE DEUS RESPONDA. Para quem tem e quem não tem direito a quinquenios, para onde vamos? Por favor mostre o caminho."


Comentário do Blog: mostrar o caminho é algo muito forte, rsrs. Prefiro dar a minha modesta opinião: acho que todos devem voltar para o antigo sistema remuneratório, pois é nele que recuperamos em parte a nossa carreira. É nele também que o piso se aplica; e por último, como já dissemos aqui muitas vezes, somente no antigo sistema se pode mudar depois. No subsídio, não. Se você fizer uma escolha errada agora, não poderá corrigir mais tarde. A carreira não é só para o mês seguinte, mas para o resto da vida (para quem permanecer na rede estadual da educação, claro, rsrs). Um forte abraço e força na luta!.

"Anônimo:

Euler vc é o cara, feliz daquele que tem voce como colega de trabalho. que DEUS te ABENÇOE sempre. E piso já."

"Clovis - Manhuaçu:

Caro Euler e companheiros,

Sobre a matéria do jornal o tempo - debate entre subsidio e Piso, precisamos esclarecer melhor para a sociedade sobre a polêmica que o governo insiste em armar. Por isso, volto a ideia de publicações sobre a declaração do Ministro Joaquim Barbosa.

Clovis - Manhuaçu".

"Ju Maria:

olá professor Euler, sou efetivada em apenas 06 aulas o restante é extensão, mas tive q me afastar por motivos de saúde então perdi a extensão mas ouvi falar q saiu uma lei onde posso inteirar meu cargo novamente para 18 aulas completando a efetivação, isso é verdade??? desde já sou grata pela atenção e to esperançosa de q td vai se acertar para td nós professores, o q é justo é justo não queremos mais nd além disso! forte abraço Ju Maria!"

"Professor Herbet - Cristália -MG:

Professor Euler,
Parabéns pelo texto sobre a conversa entre o padrinho e o afilhado.
Temos de criar formas de conscientizar todos os educadores e fortalecermos o sindicato da nossa categoria.
Professor Herbet - Cristália -MG."


"Rodrigues Damas Pontes:

Meu caro Euler. Estou realmente estarrecido com o diálogo republicano apresentado por você. Certamente, todos sabemos, graças ao bom Deus, que este tipo de situação não acontece nas Minas Gerais, afinal, por aqui os profissionais da educação são bem remunerados e todos vivem felizes e realizados com a profissão. Também sabemos que nosso "patrão" é um bom homem, honesto, cheio de boas vontades e um exemplo de educador. Meu Deus do céu, espero que este tipo de situação não chegue até nós. Temos um governador e um senador que nos apoiam, nos incentivam e pagam nossos salários acima do piso estabelecido.

Fala sério né amigão! Vamos continuar a luta, mostrar para eles nossa cara, nosso ideal e fazer valer os dizeres de nossa bandeira: LIBERTAS QUAE SERA TAMEN!"


31 comentários:

  1. Boa Noite caro amigo Euller. Postei este comentário no blog da Beatriz e gostaria de compartilhá-lo aqui no seu blog também.
    Tem horas que acho que estamos muito pacatos...

    Oi Beatriz, espero que tenha renovado suas forças nos últimos dias. Confesso que estou ficando cansado desta situação. Lê-se uma coisa daqui, outra dali, mas nada muda. Sei é claro que não é culpa sua ou do sindicato, mas acredito que as pessoas não estão nem aí para nós da educação. Não adianta tentar mobilizar a sociedade em nosso favor.
    Por que a greve dos policiais resolve? Porque a população pressiona o governo, não por estar mobilizada em favor destes, mas por temer a prória segurança.
    Acho que é hora de usarmos isto em nosso favor. Como?
    Divulgar que se o governo continuar protelando as negociações e o pagamento do piso, os alunos irão perder o ano, não farão o ENEM, vestibulares, e o que é pior na visão dos Pais: Irão entrar de férias alguns meses mais cedo. Só assim a sociedade irá se mobilizar em nosso favor, não por empatia, mas em benefício próprio.
    Não nos enganemos em pensar que as pessoas se preocupam com uma educação verdadeiramente de qualidde; querem apenas "babás para tomarem conta dos seus filhos, enqunato trabalham.
    É claro que nem todos, mas posso afirmar que é a maioria.
    Pode paracer que sou um tanto quanto radical, mas se não for assim, a categoria pode se desmobilzar.
    Este comentário não é só uma sugestão, é também um desabafo de um professor que acredita na luta, mas tem visto muitos de nós esmorecer.
    É preiso colocar o sangue das veias destes colegas para ferver.
    Radicalismo quase nunca funciona, mas tem hora que é muito bem vindo.
    Continuarei lutando até o fim, junto com vocês, pois acredito no sindicato, mas te peço por favor:
    Vamos ter uma postura mais enérgica com este governador de M...

    ResponderExcluir
  2. Bravo Companheiro Euler!

    Tenhamos fé em Deus e em nossos próprios esforços!

    Ao bom combate valentes educadores de Minas Gerais!

    O chão de Minas vai tremer!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Espero que tenhamos algo novo no dia 3 de agosto, caríssimos companheiros!!! Abraço e coragem a todos. Élida - Ubá.

    ResponderExcluir
  4. O que aconteceu com os(as) bravos(as) colegas de Divino? Em uma das assembleias em BH (em 2010), fiquei tão maravilhado com a postura daquele povo ao saber que enfrentaram com bravura e sabedoria uma inspetora que ameaçava o corte na folha e contratação de novos servidores para ocupar a vaga dos colegas em greve, ouvi naquela assembléia que a colocaram em seu devido lugar e que permaneceram firme na greve, APLAUDI tanto a postura que tiveram, e agora o que leio e sei a respeito é dessa total desarticulação e desunião entre Eles. Cadê o povo de 2010? Onde estão? Pelo amor de DEUS precisamos de Vocês unam-se. Mexam-se!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Caro euler,

    Fiz a minha solicitação à presidenta através de meus contatos e veja a resposta do meu e-mail.
    Prezada Senhora,

    Em resposta a sua mensagem, endereçada à Presidenta Dilma Rousseff, informamos que o assunto foi encaminhado ao Ministério da Educação para análise e eventuais providências.

    Caso julgue necessário obter informações sobre o tratamento do assunto, recomendamos-lhe escrever ao setor pertinente.

    Cordialmente,

    Claudio Soares Rocha

    Diretoria de Documentação Histórica

    Gabinete Pessoal da Presidenta da República.

    Nóis ne fraco não hein. Mexe com nóis...

    ResponderExcluir
  6. CNTE ajuiza ação no STF contra o subsídio.

    ADI 4631 - AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Eletrônico)
    [Ver peças eletrônicas]
    Origem: MG - MINAS GERAIS
    Relator: MIN. AYRES BRITTO
    REQTE.(S) CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO - CNTE
    ADV.(A/S) LUCIANO LARA SANTANA E OUTRO(A/S)
    INTDO.(A/S) GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS
    INTDO.(A/S) ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

    ResponderExcluir
  7. OI EULER
    BOM DIA
    ESTA LEI DO do piso é muito boa mas, sofre de um erro de origem.O senador Esperidião Amim afirmou que não existem,na lei,mecanismos que punam os governadores que não a respeita.Aí eu te pergunto.Para que uma lei sem disposivos de cobrança.Por um acaso os deputados e senadores criam de fato que os governadores iriam cumprí-lá ou já deixaram uma lacuna para permitir toda esta palhaçada... Em conversa com um deputado da base aliada fiquei sabendo que esta e uma decisão do governador e que a Camara Federal nada pode fazer.Ou seja ninguém vigia o governador?Só a LEF é observada?Estes malditos representam a si próprios.O BRASIL É UM GRANDE CONLUIO E O GOVERNO CUIDA PARA QUE TUDO CONTINUE ASSIM JOGANDO A EDUCAÇÃO NO ÚLTIMO LUGAR DA FILA!

    ResponderExcluir
  8. Bom dia Prof.Euler. Lembra da piada antigamente quando um Militar abordava uma pessoa e identificava-se como Polícia, a resposta era: bem feito, quem mandou vc não estudar. Agora para nós Professores é o contrário: bem feito, quem mandou vc estudar. rsrsrs

    ResponderExcluir
  9. Concordo com o colega Giovani, mas também não discordo de você, caro Euler. O seu blog é a melhor fonte de informação nestes momentos angustiantes. É preciso sim, tranquilidade. Mas quem fica tranquilo demais (não o nosso caso), morre em "berço esplêndido" (no nosso caso, fica sem o Piso). Por isso, prego a radicalidade que não deve ser confundida com violência. O governo já é bastante radical contra todos nós a julgar pelo salário aviltante e as medidas de repressão como o corte de ponto. Ficar firme mesmo assim é radical, mas uma radicalidade que só se volta contra nós. É preciso atitudes mais radicais sim, mas contra o governo,mostrando à população a sua covardia e o seu desrespeito à Lei. Isso não será conseguido apenas através de blogs (e olha que o seu não deixa ninguém desinformado) e uma nota e outra nos jornais. O povo infelizmente não procura se informar, então, nós é que deveríamos ir até ele como o grande batalhão que somos. A ocupação da MG 10 que foi reprimida com força pelo choque do Anastasia seria mais tranquila se fosse feita com o número de educadores que participam de uma assembleia tradicional com 5 ou 6 mil pessoas. Acho que demos uma trégua enorme neste recesso, momento em que, pelo menos teoricamente, teríamos mais companheiros para participar, visto que muitos trabalham em mais de uma rede de ensino. Por que o SIND-UTE não libera para que os ônibus das sub-sedes possam também levar pais e estudantes (maiores ou acompanhados) já que muitos veículos vão quase vazios para as assembleias? Seria uma força a mais na nossa luta e uma forma de levar a sociedade a participar. Também concordo com o colega que disse que temos sim de alardear que os alunos podem perder o ano letivo (o que deixará os pais em polvorsosa) e que já serão prejudicados com a proximidade do ENEM. Tô aqui em recesso, mas sinto que deveríamos estar sendo mais insistentes. Rogério Trindade - Curvelo

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, combativo colega Euler,
    Acabei de ler que o CNTE entrou com uma açõ de inconstitucionalidade do subsidio no STF.
    É esperar e torcer por ganho de causa em favor dos professores.
    a página com a notícia é essa:

    http://www.estudodeadministrativo.com.br/noticia-2011jul21-questionada-remuneracao-de-professores-por-subsidio-em-mg.php
    Abraços e continuemos firmes que a vitória virá.

    ResponderExcluir
  11. Li,hoje, no jornal o tempo, um debate entre piso e o subsídio. Seria interessante colorarmos comentários sobre o debate no site do jornal.
    Euler parabéns pelas suas sábias palavras. Que Deus o ilumine, pois seus textos nos fortalece cada vez mais e nos traz a convicção que estamos no caminho certo. "A LUTA COMPANHEIROS."
    Maria Helena - Ipatinga

    ResponderExcluir
  12. Parabéns, mais uma vez pelo excelente texto acima. Você começou com um poto crucial e que precisamos trazer para o nosso lado, o comércio.
    Fazer comerciantes entender que se passamos a receber pelo piso o benefício não é só nosso,mas da sociedade e do comércio sim, pois o poder de compra será maior e os comerciantes, estes também ganharam. Por isso uma proposta para que nestes dias possamos realizar reuniões com comerciantes de nossas regiões e explicar-lhes nossa situação e com isso poderíamos ter uma ajuda muito grande deles. Infelizmente em nosso mundo capitalismo, precisamos daqueles que tem o dinheiro então está na hora de falarmos com os comerciantes, para que eles entendam nossa greve e possam nos dar apoio. Se estiver errado corrija, por favor.
    Abraços e força.

    ResponderExcluir
  13. João Paulo Ferreira de Assis22 de julho de 2011 12:59

    Prezado amigo Professor Euler

    Alguém publicou um comentário no blog da Beatriz criticando os ataques que fazemos ao desgoverno, e insinuando que seríamos eleitores do Hélio Costa despeitados pela derrota. Coloquei uma resposta lá e peço-lhe a devida vênia para transcrevê-la:

    Prezada companheira Beatriz

    Li uma crítica sobre o desgosto que alguns professores estão tendo com as críticas ao Anastasia e sua quadrilha, feitas no blog do Euler. Se não estão contentes vão no site da APPMG onde Anastasia et caterva são glorificados como heróis. Nós aqui precisamos detonar essa gente. Eles são nossos inimigos. O salário inicial de um agente penitenciário, de um policial e de um juiz ou qualquer serventuário da área de segurança e do Judiciário é bem maior do que o de um professor, mesmo em se condiderando o tal subsídio.
    Tem que detonar, tem que quebrar a espinha dorsal dessa gente. Tem de acabar com eles. E não tem que se deixar levar por nenhum tipo de comiseração ou condescendência. Nem mesmo considerações de família. Olha, meu pai vota nessa gente. Eu não. Farei oposição a eles, porque para mim Anastasia e Andradas e outros tipos dessa gente que se acha no poder em MG, são abomináveis. Não tenho medo nem mesmo de que me acusem de ser mau filho, de cavar a sepultura do meu pai, etc e etc.

    Em resumo, tem que detonar, inclusive na sala de aula, claro, tomando certas precauções.

    Atenciosamente, João Paulo Ferreira de Assis

    ResponderExcluir
  14. Grande guerreiro de Vespá!!! Concordo contigo, quando diz que não podemos perder a calma... As vezes algumas atitudes radicais também podem fazer estrago contra nosso movimento. Já postei antes e continuo afirmando. Precisamos estar á frente das iniciativas do governo, mas existem estratégias do próprio governo que também nos são úteis. Como por exemplo fingir que não está acontecendo nada. Podemos repetir o bordão do governo quando o bicho pega pro lado dele: "Estamos muito tranquilos".
    Quando disse algo sobre "...o fortalecimento pacífico de nossa greve", me fez lembrar da luta de Gandh, a qual radicalizou de forma pacífica e conquistaram a independência da Índia... Outro exemplo foi a resistência dos negros contra a escravidão, utilizando de várias formas entre elas a fuga para comunidades quilombolas. Nosso arcenal pode não ser o mais caro, porém pode se tornar o mais eficiente... A resistência pacífica, ou seja a recusa em trabalharmos por pelo menos mais um mês, provocará sem dúvida nehuma aqueles que como o governo figem está tudo bem.
    Trata-se de uma batalha de nervos, onde vencerá o mais preparado (nós os profissionais da educação). Quem pode estar mais preparado do que nós que vivemos sempre no limite?
    Em suma, caro soldado do front! Nossas energias devem ser usadas para convencer nossos companheiros a engrossar o movimento, cientes de que não terão olofortes, pelo menos por enquanto. Feito isso e obtendo mais um mês de greve, virão as propostas e devemos recusá-las todas, a não ser que seja de forma definitiva a implementação do piso. A suspenção da greve, somente ocorrerá após publicação nos maiores meios de comunicação do Estado o acordo firmado entre SindUte e governo. Temos que trabalharmos de forma veemente com a possibilidade do comprometimento do ano letivo, porém penso que aladearmos isso sem que haja indício de negociação, poderá parecer que nossa greve é sem propósitos... A sociedade desta feita será nossa inimiga.
    Muitos pais já se manifestaram aqui, e muitos outros o farão, é só ter paciência e continuar firme na greve. Como diz o poeta: "Eu não tenho culpa de comer quetinho/ no meu cantinho boto pra quebrar/ levo a minha vida bem do meu jeitinho/ sou de fazer não sou de falar"
    Em 2010, depois da grande revolta dos 47 dias, o governo acenou com o diálogo e nos passou uma rateira (subsídio) que nos doi até hoje... Em Natal no Rio Grande do Norte, nossos companeiros podem ter a mesma surpresa desagradável... Temos que estar atentos, pois essas raposas que estão no poder jogam a toalha para que abaixemos e depois nos ferram por trás com braza. Quando percebem o estrago que a possibilidade de perda do ano letivo é eminente, sempre conseguem evitar, com humilhantes esmolas e voltamos pra salas com a sensação de otários.
    NÃO PODEMOS CEDER, NADA DE BENEVOLÊNCIA, RESITÊNCIA PACÍFICA, ATÉ NOSSA HISTÓRICA VITÓRIA... COM A PERDA DE UM ANO, MAS UMA CONQUISTA PARA A VIDA INTEIRA!!!
    A GREVE ESTÁ APENAS COMEÇANDO...

    ResponderExcluir
  15. Em 03/07/11, fiz uma denúncia pela internet à Ouvidoria do Ministério Público Estadual, questionando o descumprimento da lei 11.738/08 pelo Governo de Minas.

    Em 11/07/11, essa denúncia foi finalizada com a seguinte resposta:

    “Agradecemos seu contato. Informamos que já houve encaminhamento de representação formal ao Procurador-Geral de Justiça contra o governador Antônio Anastásia por não alterar o vencimento básico dos professores da educação de acordo como o piso salarial profissional nacional. Oficio Of. 283/2011/OMP, ID 1736260.”

    Atenciosamente,
    Ouvidoria do Ministério Público de Minas Gerais.

    Adotadas as providências cabíveis no âmbito desta Ouvidoria, arquiva-se esta manifestação.

    Vamos ver se de fato esta instituição tão bem remunerada por nós, o povo, irá aplicar a lei.

    ResponderExcluir
  16. ANA LÚCIA

    CARO EULER
    OBRIGADA PELA FORÇA E INCENTIVO QUE VOCÊ TEM DADO A TODOS OS EDUCADORES DE MG.
    VOCÊ ACHA QUE A CARREIRA ANTIGA É MELHOR TAMBÉM PARA QUEM ESTÁ EM AJUSTAMENTO FUNCIONAL E NÃO TEM DIREITO AO PÓ DE GIZ E BIÊNIOS?

    ResponderExcluir
  17. Guerreiro de Vespá!
    Sou eu novamente para corrigir dois erros em meu post anterior, quando disse: "... Temos que trabalharmos..." escreve-se: temos que trabalhar...

    Quanto a outra correção, é em relação a luta de Gandh na Índia, a qual me referir "Resistência Pacífica" quando na verdade seria "desobediência civil". Proponho a todos que se preparem para toda e qualquer tipo de imposição do governo e seus aceclas (Judiciário, Legislativo, imprensa, etc)com a TOTAL E INREVESSÍVEL DESOBEDIÊNCIA CIVIL!!!

    ResponderExcluir
  18. Óh Escola, lugar do ócio e do lazer, o que o capitalismo fez desse espaço? Produtividade, resultados, desempenho, meta, pontuação, rendimento e etc... essas são palavras comuns que escutamos no dia a dia para definir o que se espera do bom professor, mas será que é desse jeito mesmo que nós professores temos que olhar a nossa "atividade"? caros colegas nós sabemos que esse discurso capitalista que já fragmentou a educação em disciplinas, tenta agora tratar a formação do ser humano como a produção de um produto, o que vamos fazer, aceitar o papel de fantoches do governo capetalista e reproduzir o que ele ditar, ou mostrar que não somos marionetes, que somos seres pensantes que conseguem entender o plano malígno dessa elite sangue-suga brasileira, e combater na forma de greve, de protesto, de manifestações públicas de repúdio à situação vigente. por isso continuaremos na luta, com a certeza de que: " a lei não ampara aquele que cala." hasta la victória siempre, não calaremos.

    ResponderExcluir
  19. Quem tiver oportunidade veja o caderno opinião de 22/07/11 Jornal O Tempo página19.Questão de bom senso e Por trás da mascara.(Tema súbsídio).
    É bem interessante.Confira.

    ResponderExcluir
  20. Euler,
    sei q este não é o momento, mas por favor me responda.
    Soube q foi aprovada uma lei aumentando os dias letivos e q ano q vem não teremos mais o recesso de julho, isso é verdade?

    ResponderExcluir
  21. EULER, DE UMA OLHADA É UM DEBATE MUITO BOM.


    http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=177382,OTE&IdCanal=2

    ResponderExcluir
  22. Boa noite Professor Euler e colegas!!!
    Parabéns pelos textos, sempre claros, objetivos, direto no ponto.
    Caro Anônimo. O debate citado sobre " O que é melhor para o professor :"subsídio ou Piso",realmente poderia ser bom para divulga r nossa causa. Pena que postei um comentário há mais de 1 hora e não foi publicado até o momento.
    Mas sempre uma chance de tentar divulgar NOSSA CAUSA. ( Na última manchete sobre a greve, foram cerca de 60 comentários...com essa escassez de espaço na imprensa...sempre tento aproveitar o pouco que nos deixam.). Sinto porém, não ter facilidade de expressão e brilhantismo do editor e dos colegas que comentam aqui no blog
    FORÇA NA LUTA!!!! QUEREMOS NOSSO PISO.

    ResponderExcluir
  23. É isso aí. Todo mundo deveria participar do debate que "O tempo" está promovendo sobre o subsídio e o piso. Talvez a melhor oportunidade que estamos tendo até agora. Pede pra todo mundo participar, Euler, pois o seu blog é o melhor ponto de encontro. Rogério Trindade - Curvelo http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=177382,OTE&IdCanal=2"

    ResponderExcluir
  24. Educação em Minas

    Caros companheiros, veja por onde andará o Governador de Minas.

    "Arruma a mala aê!!!"

    O viajando Anastasia

    "O governador Antonio Augusto Anastasia (PSDB) embarca neste sábado para o Japão e a Alemanha, em busca de novos investimentos para o estado, principalmente nas áreas de agronegócio, mineração, indústrias e serviços." E os investimentos em E-D-U-C-A-Ç-Ã-O ???

    Anastasia busca investimentos na Alemanha e no Japão
    Governador viaja ao Japão e Alemanha e anuncia empreendimento de R$ 31 mi da Caterpillar em Minas
    Renato Scapolatempore - Estado de Minas
    Publicação: 23/07/2011 06:00 Atualização: 23/07/2011 07:45
    O governador Antonio Augusto Anastasia (PSDB) embarca neste sábado para o Japão e a Alemanha, em busca de novos investimentos para o estado, principalmente nas áreas de agronegócio, mineração, indústrias e serviços. Acompanhado de dois secretários de estado e uma comitiva de empresários de Minas Gerais, ele terá uma série de encontros e visitas para viabilizar ou confirmar empreendimentos como o da alemã Mercedes-Benz, que vai transformar sua plataforma em Juiz de Fora, na Zona da Mata, em produtora de caminhões. A mudança, para o governador, deve impulsionar o polo industrial da região.

    Antes de viajar, Anastasia anunciou um investimento de R$ 31,5 milhões da multinacional norte-americana Caterpillar em Minas Gerais. A empresa MGE Equipamentos, integrante do grupo, vai instalar uma fábrica de produção de locomotivas em Sete Lagoas para exportação. O investimento, que vai gerar 510 empregos diretos, começa este mês e a unidade deve entrar em funcionamento em janeiro de 2012.

    Em entrevista ao Estado de Minas, o governador Antonio Anastasia voltou a criticar o veto da presidente Dilma Rousseff (PT) à ampliação da Medida Provisória 512, que incluiria municípios mineiros da área da Sudene em incentivos tributários para a instalação de empresas. Segundo o tucano, Dilma abriu um “precedente grave”, pois nunca um governo usou de um benefício federal para privilegiar um estado (Pernambuco) em detrimento de outros.

    Japão
    Fui convidado pelo governo japonês, e o objetivo é exatamente estreitar as relações econômicas, culturais e políticas com Minas Gerais. O Japão atravessou uma fase difícil este ano e ainda atravessa, mas as oportunidades são muitas, porque é um país que tem muitos investimentos em Minas Gerais – Usiminas, Cenibra, Jaíba, Panasonic, Sumitomo –, e o objetivo nosso é mostrar Minas como um campo de alternativas para os investimentos japoneses. Sem prejuízo de outras nações amigas, sabemos que o relacionamento de Minas com o Japão é muito próximo. Novas oportunidades na área de agronegócios, mineração e de investimento em equipamentos são viáveis. Há alguns investimentos previstos na área de mineração e agronegócio, mas vamos confirmar nas tratativas que teremos lá.

    Alemanha

    Vamos a convite da Mercedes um dia só, na volta, para conhecer a fábrica de caminhões em Stuttgart, porque estão transformando a fábrica deles em Juiz de Fora de automóveis em unidade de caminhões. Vamos ver quais os tipos de equipamentos e veículos vão produzir aqui. Ao mesmo tempo lá existem muitos mineiros que foram treinar e se qualificar.

    Polo industrial da Zona da Mata

    Agora se consolida, porque caminhão é um segmento do mercado que só cresce. Acho que a Mercedes fez uma boa opção, transformou a plataforma da fábrica em veículos pesados e é uma plataforma muito boa. O caminhão Mercedes tem uma tradição grande, uma qualidade reconhecida, então acho que agora aquela fábrica, que não foi como nós todos queríamos, vai se desenvolver muito e ajudar a desenvolver o polo da Zona da Mata. Serão investimentos de US$ 500 milhões e milhares de empregos. "

    Fonte: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2011/07/23/interna_politica,241267/anastasia-busca-investimentos-na-alemanha-e-no-japao.shtml

    LEIA: o Jornal do José Elias Issa
    leiajeissaeemg.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. Á
    SUBSEDE VENDA NOVA

    Entrem em contato com o Misael(Rádio Favela)e peçam a liberação do áudio. Tenho certeza que o Euler permitirá o link aqui no blog para acompanharmos a entrevista.

    ResponderExcluir
  26. Euler,

    Por favor fale alguma coisa sobre ATB e ASB, ficamos no subsidio ou no antigo? PELO AMOR DE DEUS RESPONDA. Para quem tem e quem não tem direito a quinquenios, para onde vamos? Por favor mostre o caminho.

    ResponderExcluir
  27. Euler vc é o cara, feliz daquele que tem voce como colega de trabalho. que DEUS te ABENÇOE sempre.E piso ja.

    ResponderExcluir
  28. Caro Euler e companheiros,

    Sobre a materia do jornal o tempo - debate entre subsidio e Piso, precisamos esclarecer melhor para a sociedade sobre a polêmica que o governo insiste em armar. Por isso, volto a ideia de publicações sobre a declaração do Ministro Joaquim Barbosa.
    Clovis - Manhuaçu

    ResponderExcluir
  29. olá professor Euller, sou efetivada em apenas 06 aulas o restante é extensao, mas tive q me afastar por motivos de saude entao perdi a extensao mas ouvi falar q saiu uma lei onde posso inteirar meu cargo novamente para 18 aulas completando a efeitvaçao, isso é verdade??? desde ja sou grata pela atençao e to esperançosa de q td vai se acertar para td nós professores, o q é justo é justo nao queremos mais nd alem disso! forte abraço Ju Maria!

    ResponderExcluir
  30. Professor Euler,
    Parabéns pelo texto sobre a conversa entre o padrinho e o afilhado.
    Temos de criar formas de conscientizar todos os educadores e fortalecermos o sindicato da nossa categoria.
    Professor Herbet - Cristália -MG.

    ResponderExcluir
  31. Rodrigues Damas Pontes24 de julho de 2011 11:09

    Meu caro Euler. Estou realmente estarrecido com o diálogo republicano apresentado por você. Certamente, todos sabemos, graças ao bom Deus, que este tipo de situação não acontece nas Minas Gerais, afinal, por aqui os profissionais da educação são bem remunerados e todos vivem felizes e realizados com a profissão. Também sabemos que nosso "patrão" é um bom homem, honesto, cheio de boas vontades e um exemplo de educador. Meu Deus do céu, espero que este tipo de situação não chegue até nós. Temos um governador e um senador que nos apoiam, nos incentivam e pagam nossos salários acima do piso estabelecido.
    Fala sério né amigão! Vamos continuar a luta, mostrar para eles nossa cara, nosso ideal e fazer valer os dizeres de nossa bandeira: LIBERTAS QUAE SERA TAMEN!

    ResponderExcluir