segunda-feira, 18 de julho de 2011

Editor do blog reforça: a greve até a conquista do piso! Em Mariana, educadores simbolizam o bem.

Na histórica cidade de Mariana, os educadores deram o recado ao governador: pague o piso! Ironizando, o governador atribuiu aos manifestantes a imagem do personagem Harry Potter, que simboliza o bem. Seguramente, ele, governador, com este gesto, definiu o seu próprio papel, simbolizando o mal.

http://www.4shared.com/audio/Fj1p3MLJ/blogdoeuler1.html

No link acima, a nossa primeira experiência de gravação artesanal em áudio, de improviso, quando apelamos para os educadores que ainda não aderiram à nossa greve, para entrarem no movimento pelo menos a partir do início de agosto de 2011. Com a força da nossa greve e a Lei do Piso nas mãos, não restará outra alternativa ao Governo de Minas a não ser cumprir a Lei Federal e nos pagar o piso. É isso ou a greve continua!

***

"Anônimo:

Euler, seria bom se escrevesse sobre a reunião de hoje com o comando estadual de greve.
Agradecida, abraço."


"ABC:

Euler, o áudio ficou muito bom. Precisamos abrir uma rádio educação.

Hoje, fiquei aguardando as notícias, temi pelos resultados.

Nossa luta não é por reposição, situação de diretor, secretárias, nossa luta é pelo PAGAMENTO DO PISO SALARIAL ESTABELECIDO EM LEI, o que contemplará a todos os segmentos.

É arrumar a casa agora para que não seja necessário, todo ano, fazermos greve.

Anastasia está muito é mole. Ele tem que parar de ler Harry Potter e começar a trabalhar. Renata, não está dando conta do recado, está bagunçando demais. Esta é a segunda greve da educãção, só no governo Anastasia/Renata. Afinal, quem é vice de quem mesmo? Minas tem dois ditadores???

Ah! Parabéns ao pessoal em Mariana. ABC
"

"Anônimo:

Euler, mais uma grande ideia postar algumas falas em seu blog, vou repassar esse material para todos os amigos no tal facebook. Principalmente pros "conservadores" ou aqueles que querem conservar sem o piso ou fura greve tudo isso para
não perder a amizade de alguns "colegas" e não chamar de pelegos."


Ainda sobre a reunião do Comando Geral:

Pessoal da luta, já havia feito um relato geral sobre a reunião de hoje, do Comando Estadual de Greve, o qual publiquei no post abaixo. Entre outras coisas, reafirmou-se a manutenção da greve por tempo indeterminado até que o governo nos pague o piso. Não queremos subsídio, mas o piso, que é nosso direito legal. A próxima assembleia geral será dia 03 de agosto, como aprovado anteriormente. Durante ainda a reunião, duas falas, entre as duas dezenas de oradores, merecem destaque:

1) as que fizeram referência a uma maior cobrança do Governo Federal, via MEC, para que este pressione os governos estaduais e municipais a pagarem o piso; para que ele reajuste o valor do piso ao valor do piso da CNTE; e para que ele ofereça uma soma maior que R$ 1 bilhão para a complementação do caixa dos governantes que provarem não poderem pagar o piso;

2) a fala da combativa colega Graziela, que sugeriu, caso o governo corte os dias de greve, que a gente monte barracas em todas as cidades de Minas, nas praças públicas, denunciando a realidade dos educadores e pedindo doações em alimentos para a formação de cestas. Além disso, sugeriu também que se abrisse uma conta bancária para a formação de um fundo de greve para ajudar aos educadores com maior necessidade.

Em função dessa proposta, achei oportuno publicar neste post a mensagem abaixo, que recebemos de uma combativa colega em outro post deste blog:

"Anônimo:

Olá, companheiros,

Não está escrito em lugar algum que viver é fácil. Devemos enfrentar esses momentos que ora vivemos com toda a dignidade de que somos capazes. Não vamos perder as esperanças. Não podemos recuar a essa altura do campeonato: ou vai ou racha! Que rache, então!
Gostei da ideia de que os não grevistas poderiam (deveriam) colaborar com alguma quantia para ajudar os Professores que estão travando essa verdadeira batalha contra o poder do insensível e insensato Anastasia, caso venha lhes faltar recursos por conta do corte no pagamento. Eu mesma, apesar de estar de greve, estou numa situação mais ou menos confortável e estou disposta a ajudar a quem precisar. Os caríssimos colegas, caso resolvam fazer essa campanha, podem contar com essa anônima aqui. É preciso ser muito insensível para não se condoer com a situação em que poderão ficar muitos dos nossos guerreiros. As pessoas gastam horrores com "Criança ESperança" e "Big Brother". Acredito que colaborarão com os professores grevistas.
Euler, se essa ideia vingar, pingarão alguns reais, ainda que sejam só os meus.
Hoje escrevi à Presidente (que prefere ser chamada de Presidenta e assim o fiz). Confesso que dramatizei um pouco, mas fui absolutamente sincera. Posso até ter escrito bobagens, mas deixei falar o meu coração de educadora, que não perde nunca a esperança e ainda acredita que a educação nesse país ainda tem conserto. Temos feito a nossa parte. Estamos tranquilos em relação aos nossos deveres. Quem deve perder noites de sono, tramando nas encolhas são outros, não nós, verdadeiros esteios da sociedade, pois fazemos o que há de mais divino que é educar para a vida.
Sejamos fortes, companheiros!
A vida é luta renhida,
que aos fracos abate,
e aos fortes,
só faz exaltar.
(José de Alencar - se não me falha a memória).
Um grande abraço a todos. Estejam confiantes. Acreditem firmemente. DEus está conosco!!!"


"ANGELICA:

EULER, EM CONTRAPARTIDA AOS SEUS POTS PUBLICADOS NO BLOG DO NASSIF, O DESGOVERNADOR ESTA DANDO UMA ENTREVISTA AGORA( 22H) NA REDE BRASIL. COMO SEMPRE ELE ESTA PREOCUPADISSSIMO COM OS PROFESSORES, VISTO QUE SUA MAE FOI PROFESSORA. IMAGINE SE NAO FOSSE......ESSA MIDIA E PODRE MESMO!!!!!!!!!!!!!!!!"

"Anônimo:

Euler,
Me dê licença. Preciso mandar um recado:
Seu Anastasia, tenho certeza de que o senhor visita este Blog. Então, vou lhe prestar um favor:
Clique no link e divirta-se:

http://harrypotter.pt.warnerbros.com/home.html

Eu? Vou ler os poemas de Adélia Prado. O Senhor sabe de quem se trata???
Ah, aproveitando a oportunidade: pague o piso, sô! Deixaremos o senhor em paz e seremos felizes até a próxima greve..."


"Anônimo:

Oi, Euler. O Nassif está entrevistando Anastasia na TV Brasil. Uma vergonha, vc nem imagina o tanto de mentiras que o desgovernador está falando. Dá até náusea. Nassif engolindo tudo sem questionar. Eu pensei, triste engano, que o jornalista era bacana. Ele até publicou sobre nossa greve no blog... Depois dessa entrevista resta a certeza de que ele é só mais um dos jornalistas que não estão ao lado da verdade. Uma decepção.
Vamos em frente na nossa luta!
Um abraço."


"Cristina Costa:

Boa Noite Euler e combativos colegas!!

Acabamos de descobrir mais uma qualidade do Euler.

Euler, você falou menos que 3 minutos Colegas, e falou o suficiente. Isto mesmo, temos que tentar mobilizar os colegas que estão dentro da sala de aula. Eles poderão fazer a diferença, pois será uma pressão a mais para este governo fora da lei Anastasia/Renata.

Até a vitória!!!"


"Anônimo:

Aécio (anastasia) e sua camarilha querem fazer voltar os tempos em que os compositores tinham que usar metáforas em suas letras.Como fez Sérgio Sampaio em Filme de Terror.Mas como disse Paulo Cesar Pinheiro .VOCÊ ME PRENDE VIVO EU ESCAPO MORTO.

Filme De Terror
Sérgio Sampaio
Composição: Sérgio Sampaio

Hoje está passando um filme de terror
Na sessão das dez, um filme de terror
Tenho os olhos muito atentos
E os ouvidos bem abertos
Quem sair de casa agora
Deixe os filhos com os vizinhos
Dentro da folia, um filme de terror
Dura um ano inteiro, o filme de terror
E na rua, um sacrifício
No pescoço um crucifixo
Quem ousar sair de casa
Passe a tranca e feche o trinco
No chão do cinema Império da Tijuca
O cemitério do Caju
Cemitério do Caju
No cine Império da Tijuca
O meu sangue jorra e borra de terror
Com quem dança e ama agora o meu amor?
Bruxas, medos e suspiros
Dentes, pelos e vampiros
Quem ousar deixar de lado
Abra os olhos com os vizinhos
No chão do cinema Império da Tijuca..."


"Anônimo

Caros colegas e caro Euler,
já viram o que o povo da LEI100 está tramando? Vejam no blog da Beatriz Cerqueira. Só faltava essa!
Força na luta sempre."


Comentário do Blog: caro Anônimo, pelo que eu li, não se trata do "povo da Lei 100", mas de mais uma armação do próprio governo para nos dividir. Eu já havia recebido nos últimos dias comentário idêntico àquele e outros ainda piores, mas os deletei, por se perceber que se tratavam claramente de mais uma investida do governo contra a nossa unidade. Os colegas efetivados - pelo menos a maioria mais consciente - estão na luta conosco. Assim como os efetivos e os designados. Estamos no mesmo barco, na mesma luta. Não podemos deixar que o governo nos divida, como não conseguiu fazer até agora. E não vai conseguir, pois a categoria, apesar do bombardeio diário da mídia e do governo, está cada vez mais consciente. Precisamos de uma entidade sindical forte sim, como expressão desta combatividade que se consolida entre os colegas de luta. Um sindicato forte, transparente, democrático e cada vez mais sintonizado com os interesses de classe dos educadores. O sind-UTE é a nossa entidade sindical, mesmo quando estamos em divergência com as orientações da direção, ou de outros segmentos da base. O importante é que haja unidade na luta em torno daqueles objetivos centrais construídos coletivamente. Outras entidades, como a APPMG ou o Sind-Públicos, são entidades que atuam como linha auxiliar do governo. Não têm compromisso com os de baixo, mas com o governo. Estejamos atentos contra essas jogadas do governo, que, ao invés de tentar destruir a nossa carreira e de nos dividir, deveria mesmo é pagar o piso, que é lei federal e que é nosso direito comum, de todos os educadores, de Minas e do Brasil.

"Linder Lener:

Caro Euler,
Há dias estou batendo na tecla, vamos apertar os deputados do PT, dos sindicatos e pedir a todos os companheiros cobrança em cima de ministro da Educação - Ele não sabe ainda de que lado esta, nós já mostramos muitas vezes o nosso!!!
Linder Lener"


"Anônimo:

Diante desses mexericos, disse-me-disse, penso que nós como categoria temos que ter DIGNIDADE, nos valorizar mais, por isso a importância da nossa UNIÃO, pois ontem na entrevista com o NASSIF, ao responder à pergunta do entrevistador sobre o nosso pagamento ele mencionou que no passado os professores recebiam bem porque eram em número menor e também as professoras pertenciam á elite, eram bem formadas, logo ministravam um ensino de qualidade, os alunos também pertenciam à elite. Hoje, bem, hoje com a democratização da escola brasileira o número de alunos aumentou exorbitantemente e número de professores, também, e a qualidade de ensino não é mais a mesma. Olha, fiz uma paráfrase do que ele disse. Mas fazendo uma leitura mais fina, percebe-se que há uma desvalorização em seu discurso dos profissionais que atualmente estão em sala de aula, ou seja, são profissionais pertencentes à classe trabalhora, por isso..., por isso não merece um bom salário, resumindo a ideia. Então penso, que os profissionais de educação devem deixar de se levarem por discursos de conveniências e passarem a se dar mais valor, exigir um salário digno do governo e estudar bastante, passar em concurso, fazerem pós-graduação lato sensu, stricto sensu, estudar, estudar... Para mostrar que POBRE tem capacidade, até porque ele mesmo admitiu na entrevista os EXITOSOS resultados da educação mineira e os tais EXITOSOS índices foram alcançados por esses profissionais PROLETÁRIOS. Então fica aí uma reflexão para nós. Quem não se dá ao respeito, nunca será respeitado! Chega de querer as coisas de graça, temos que aprender a lutar e exigir os nossos direitos."

Educadores ocupam BR 381 em Minas:

Os bravos educadores de Minas Gerais ocuparam a BR 381, no mesmo dia em que também ocupamos a Cidade Administrativa. A manifestação durou cerca de 50 minutos e envolveu a participação de bravos companheiros das cidades de Ipatinga, Rio Piracicaba, Nova Era e São Domingos do Prata. Além do ato de fechamento da rodovia, houve passeata com faixas e apitos e bandeiras. Os combativos colegas da região estão de parabéns!

A nota triste deste dia foi o roubo da moto de uma educadora que participou ativamente do ato e deixou a moto em um ponto de concentração dos educadores, onde foi roubada. A moto era o instrumento de trabalho dessa companheira, que trabalha em duas escolas distantes, uma da rede estadual e outra da rede municipal.


O detalhe é que essa companheira está em greve praticamente de forma isolada na escola da rede estadual. Se os colegas dela tiveram consideração, deveriam pelo menos levantar um fundo de apoio para presentear a nossa combativa colega com uma moto nova.

O acontecimento ao mesmo tempo retrata a realidade de miserabilidade de um país como o Brasil, que adora esbanjar crescimento econômico e riquezas mil, enquanto a maioria do seu povo vive na miséria, reivindicando mixaria de salário para a sobrevivência, enquanto outros apelam para o roubo de qualquer objeto. E tudo isso está ligado diretamente com a má distribuição de renda e com a ausência de uma Educação de qualidade.


Vejam nos links abaixo, o noticiário local sobre a movimentação na BR 381 e o roubo da mota da nossa colega:

"
http://jopopular.blogspot.com/2011/07/em-monlevade-professores-da-rede.html"


"
http://jopopular.blogspot.com/2011/07/professora-tem-moto-furtada-enquanto.html"

Em e-mail que recebemos da combativa colega Carla Patrícia, ela disse, ao final do texto:


"Mas venho pedir através de seu blog, mais força e união aos colegas da rede estadual que não aderiram à greve, por favor, não retornem em Agosto, dificuldades infelizmente todos nós passaremos, cada um de uma forma diferente, mas no final espero que nossos direitos sejam concedidos, não é pessoal?"
.

"Anônimo:

Vejam a fala do governador na Folha de São Paulo no link abaixo
http://sergyovitro.blogspot.com/2011/07/minas-em-movimento-antonio-anastasia.html

Vejam também o espaço virtual criado por ele para promoção da cidadania e democracia!!!!.
http://www.movimentominas.com.br/

Minha esposa me perguntou por qual razão o governador não quer pagar o piso nacional uma vez que o dinheiro não é dele. Como resposta apresentei para ela os três planos do Consenso de Washington:
O primeiro plano é de ordem macroeconômica. Há um acordo completo entre todas as agências econômicas de que todos os países periféricos devem ser convencidos a aplicar um programa em que lhes é requerido um rigoroso esforço de equilíbrio fiscal, austeridade fiscal ao máximo, que passa, inevitavelmente, por um programa de reformas administrativas, previdenciárias e fiscais, além de um corte violento no gasto público. Esses países devem fazer políticas monetárias rigidíssimas, porque a prioridade número um é a estabilização, sendo que a política fiscal tem que ser submetida à política monetária.

O segundo plano visa apresentar propostas e reformas de ordem microeconômica: é preciso desonerar fiscalmente o capital, para que ele possa aumentar a sua competitividade no mercado internacional, desregulado e aberto. Então, o único caminho de as pequenas empresas situadas nos países da periferia entrarem nesse jogo seria por aumento de competitividade, o que passaria por desoneração fiscal, flexibilização dos mercados de trabalho, diminuição da carga social com os trabalhadores, diminuição dos salários.

A terceira ordem de coisas que o Consenso propunha era: nada disso será possível se não houver o desmonte radical do modelo anterior (Estado interventor) que houve nesses continentes, um modelo perverso, que, segundo o pensamento do Consenso, funcionou mal, e que o modelo de importação de industrialização por substituição de importações foi um conceito pessimamente usado. Em síntese, as propostas do Consenso de Washington eram de que os Estados latino-americanos passassem por profundas reformas estruturais, também chamadas de reformas institucionais. A primeira era a desregulamentação de alguns setores, sobretudo o financeiro e o do trabalho. E essa já foi feita em quase todos os países da América Latina; a outra proposta era a da privatização, de preferência selvagem; a terceira, da abertura comercial; e a quarta, a da garantia do direito de propriedade, sobretudo na zona de fronteira, isto é, nos serviços, propriedade intelectual, etc."


"Anônimo:

Não devemos esperar muito da imprensa falada e/ou escrita. Ela é beneficiada por esse sistema."

"Ricardo:

Euler e demais colegas,

Parabéns pelos textos. De excelente qualidade. Simples e objetivos. Mostram a qualidade dos trabalhadores em educação em Minas Gerais. Nossa categoria vai além de "professores de presépio", de "donas marias", dos que fazem bicos. Além disso, o momento de greve é o de suspensão das péssimas condições de trabalho, dos baixos salários, abrindo espaço para a criatividade. Observamos isso neste blog com a criação de paródias de músicas, de reflexões aprofundadas. Parafraseando a militante comunista alemã Simone Weil: enfim se respira, greve dos trabalhadores em educação em Minas Gerais. Continuemos lutando pela implementação da lei do piso no estado.

Abs.

Ricardo
"


"Ricardo:

Euler e colegas,

Estão observando o tratamento da grande mídia brasileira quanto ao escândalo dos grampos na Inglaterra? Puro cinismo. Apenas relatam os episódios sem aprofundá-los. Por quê, hein?! Onde estão os articulistas dos jornalões? E os editorias? Como diz o ditado: macaco, olha o teu rabo!!!

Em tempo: o escândalo dos grampos na Inglaterra revela relações promíscuas entre o primeiro-ministro, David Cameron, e a News Corp., conglomerado internacional de comunicação do australiano Rupert Murdoch. Qualquer semelhança com o que ocorre em Minas Gerais não é mera coincidência nem é novela das oito. É a realidade de Minas - e do Brasil.

Abs.

Ricardo."



O Blog do Euler apela novamente aos colegas educadores para não caírem na tentativa do governo de dividir a categoria. O governo tenta enfraquecer o Sind-UTE, tenta jogar segmentos da Educação uns contra os outros, tenta semear a divisão e a mudança de foco para nos enfraquecer e nos destruir e também a nossa carreira. Não vamos cair nesse jogo, pessoal. Nosso foco é claro: pague o piso, governador! Depois disso, vamos discutir outros problemas, através dos instrumentos de organização e de luta autônomos da própria categoria. Ainda hoje, vamos divulgar uma nota de apoio ao fortalecimento do nosso sindicato, o Sind-UTE, contra as investidas do governo para enfraquecê-lo e com isso minar a nossa greve. Não vamos cair nesse jogo, pessoal! Nossa luta não é contra os efetivados, nem contra os designados, nem contra os efetivos, mas a favor do nosso piso salarial, que é lei federal, e que o governo se recusa a pagá-lo.

"Élida, Ubá:

Caro Euler, obrigada pelos esclarecimentos...
Acabo de ler no blog da Beatriz análise da posição do governo que parece bem clara, não cumprir a Lei. Nossos blogs são muito importantes neste momento, precisamos manter este diálogo com a categoria, esclarendo, mobilizando e animando. Já publiquei o meu blog aqui elidaportugues.blogspot e parabenizo pelo seu assim como o da Beatriz é essencial. Penso que devemos manter este diálogo após a nossa vitória também!!! Abraço e força a todos. Élida, Ubá."


"Graziella:

Parabéns por mais essa ideia de utilizar o aúdio em prol da nossa luta. Gostaria que vc divulgasse se possível, que nesta Quinta, às 10:30 os educadores estarão na rádio favela FM 106,7 para falar da greve na educação. Sintonizem, liguem 3282-1045. E assembleia regional em venda nova às 15h, Subsede VN."


"Anônimo:

Caríssimos companheiros de luta.
Acabo de ler com grande tristeza sobre a publicação de um blog que incentiva a desfiliação do sindute.

Gostaria de ressaltar que o sindute é o representante da categoria e não a appmg que, que ao contário de nossa entidade sindical não fez nada para nos ajudar e ainda, sob as ordens do desgovernador anastasia VOLDEMORT (embora não penso que ele seja digno nem mesmo desse título) queria nos obrigar a voltar para o subsídio.

A APPMG não atua em favor da educação pública de qualidade.

Como já tinha postado anteriormente, temos que deixar essa questão de efetivos, efetivados e designados de lado. Nosso objetivo é claro e nossa luta é justa. Com a nossa divisão todos sairemos perdendo.

Em tempo: vejo rumores da adesão de mais colegas que aderirão à greve a partir de agosto. O motivo é a ADI 4631 - AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE questionando a remuneração por subsídio em MG. Tomara que a adesão seja maciça."


"Roberto Oleandro - Morro da Garça:

A única forma desse governo entender nosso recado é mantendo as escolas fechadas em agosto, setembro, enfim, até ele nos pagar o que nos é de direito. Aos da lei 100 (e me incluo nesse segmento), se agora, como diz o governo, temos os mesmos direitos, então devemos sim, lutar pelo nosso direito maior, que é justamente o pagamento do piso salarial nacional juntamente com a implantação do plano de carreira. Afinal, do que nos vale termos os mesmos direitos dos efetivos se nem um nem outro são respeitados? Então, todos , mas todos mesmos, sem exceção, devemos lutar pelo cumprimento do nosso direito. E é justamente agora que devemos mostrar nossa força, pois o cronômetro do governador foi disparado. O nosso, caro companheiro efetivo, efetivado, só chega ao fim quando nos aposentarmos. Agora, quero ver é o governador dar explicações a milhares de pais de família sobre o porquê de seus filhos terem de repetir o ano. Se é isso que o excelentíssimo quer, é só esperar mais um mês, um mês e meio. Obrigado e força . Deus nos abençôe em nossa vitória, que está próxima."


"Eduardo - João Monlevade:

Gente não e possível que pessoas como nos educadores que temos a arte de educar e ensinar iremos cair em uma ARMADILHA de guerra que o estado fez dividir para conquistar estas Historinhas que efetivado esta do lado do governo e historia pra boi dormir na minha cidade João Monlevade todos efetivado estão em GREVE sendo que alguns efetivos é que estão trabalhando, ou seja, a coisa não é como estão nos apresentando não devemos nos dividir jamais temos que nos unir cada fez mais e procurar ajudar e lutar pelos direitos de uma classe como a nossos denominados EDUCADORES se não conseguirmos tal ato não temos o direito de falar aos quatro ventos que somos educadores mais sim um bando sem união caminhando para a morte.
AGORA SE PERGUNTEM:
PORQUE OUTRAS CLASSES COMO MÉDICOS, ADVOGADOS, ENGENHEIROS, conseguem suas reivindicações? Será por que o diploma deles é mais BONITO do que o nosso? Não, é porque mesmo com as divisões que eles têm em seus quadros de efetivos, efetivadas, contratados eles estabelecem uma postura de força e união por um ideal coisa que nós professores infelizmente temos que voltar para sala de aula para aprender com estas categorias."



"Graça:

Caro Prof Euler,

Volto a repetir,, DECISÃO DO SUPREMO NÃO SE DISCUTE E NEM SE NEGOCIA, CUMPRE-SE!
a PARTIR DE 10/08/11 não haverá mais saída para o governo de MG,terá que aplicar o piso para toda a carreira, de maneira proporcional é claro, mas terá que cumprir a Lei! IMPORTANTE QUE TODOS RETORNEM PAR A CARREIRA LEGITIMA DE ONDE FORAM TIRADOS NA MARRA. E MAIS IMPORTANTE AINDA, QUE TODOS FAÇAM ADESÃO À GREVE E QUE AGOSTO CHEGUE COM TODAS AS ESCOLAS FECHADAS!
QUEM SE CONSIDERAR DIGNO DEVE ADOTAR O LEMA SEM PISO NINGUEM PISA NA ESCOLA.
Para motivar e acordar os indecisos, envio artigo resumido para sua publicação.
ATT
Graça"


"Anônimo:

A DESMORALIZAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE

"Mais valem lágrimas de derrota do que a vergonha de não ter lutado” – Sabedoria popular brasileira

Trinta anos atrás, ainda era possível ingressar na carreira em alguns Estados com ordenado equivalente a dez salários mínimos. Se fizermos comparações com os salários docentes de países em estágio de desenvolvimento equivalente ao brasileiro, as conclusões serão igualmente escandalosas. Quando examinados os salários dos professores do ensino médio, em estudo da Unesco, sobre 31 países, há somente sete que pagam salários mais baixos do que o Brasil, em um total de 38 (6). Não deveria, portanto, surpreender ninguém que os professores se vejam obrigados a cumprir jornadas de trabalho esmagadoras, e que a overdose de trabalho comprometa o ensino e destrua a sua saúde. ( isto porque os professores precisam acumular cargos ou outra atividade para sobreviver) (...)

Em outras palavras, o piso nacional é inferior (ao das demais categorias,) apesar da exigência mínima de uma escolaridade que precisa ser o dobro da escolaridade média nacional.A carreira docente mergulhou, nos últimos 25 anos, numa profunda ruína. Há, com razão, um ressentimento social mais do que justo entre os professores. A escola pública entrou em decadência e a profissão foi economicamente desmoralizada e socialmente desqualificada, inclusive, diante dos estudantes. Os professores foram desqualificados diante da sociedade. O sindicalismo dos professores, uma das categorias mais organizadas e combativas, foi construído como resistência a essa destruição das condições materiais de vida. Reduzidos às condições de penúria, os professores se sentem vexados. Esse processo foi uma das expressões da crise crônica do capitalismo. Depois do esgotamento da ditadura, simultaneamente à construção do regime democrático liberal, o capitalismo brasileiro parou de crescer, mergulhou numa longa estagnação. O Estado passou a ser, em primeiríssimo lugar, um instrumento para a acumulação de capital rentista. Isto significa que os serviços públicos foram completamente desqualificados. Dentro dos serviços públicos, contudo, há diferenças de grau. As proporções têm importância: a segurança pública está ameaçada e a justiça continua muito lenta e inacessível, mas o Estado não deixou de construir mais e mais presídios, nem os salários do judiciário se desvalorizaram como os da educação; a saúde pública está em crise, mas isso não impediu que programas importantes, e relativamente caros, como variadas campanhas de vacinação, ou até a distribuição do coquetel para os soropositivos de HIV, fossem preservados. Entre todos os serviços, o mais vulnerado foi a educação, porque a sua privatização foi devastadora. Isso levou os professores a procurarem mecanismos de luta individual e coletiva para sobreviverem.

Há formas mais organizadas de resistência, como as greves, e formas mais atomizadas, como a abstenção ao trabalho. Não é um exagero dizer que o movimento sindical dos professores ensaiou quase todos os tipos de greves possíveis. Greves com e sem reposição de aulas. Greves de um dia e greves de duas, dez, quatorze, até vinte semanas. Greves com ocupação de prédios públicos. Greves com marchas. Não obstante as desmoralizações individuais, o mais impressionante, se considerarmos o futuro da educação brasileira, é a valente resistência dos professores com suas lutas coletivas. Foram e permanecem uma inspiração para o povo brasileiro.

Valerio Arcary é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF-SP) e doutor em História pela Universidade de São Paulo

“Pesquisa completa s/ os salários iniciais em todos os Estados pode ser encontrada no estudo disponível em

http://www.apeoc.org.br/extra/pesquisa.salarial.apeoc.pdf

Publicado originalmente no site Correio da Cidadania.

http://envolverde.com.br/educacao/protesto/a-desmoralizacao-social-da-carreira-docente/"


"Anônimo:

Parabéns Euler. Seu blog está bombando. Quase 300000 visitas. É isso aí companheiro. Força e garra sempre. Por uma educação de qualidade e um educador valorizado."

"Anônimo:

Adorei a manifestação de Mariana. Que pena quando o ordinário disse que os professores estavam fazendo alusão ao Harry Potter,os professores se tivessem os poderes do bruxo poderia transformar o bolinho de azia em pó, para que nunca mais tivéssemos que correr o risco de tolerar essa figurinha como governador. ÔÔÔHHH!!!!!coisinha maldita de onde saiu isso!!!!!!!!!!"

"Anônimo:

Força Companheiros

Um dia na história do Ocidente, Lêonidas e seus 300 valentes espartanos também enfrentaram um mal que ameaçava a pequena península grega.

Em alguns poucos meses de luta os LEÕES DA GRÉCIA fizeram com que UM MILHÃO de persas perdessem o gosto por uma guerra que já nasceu perdida para eles.

Façamos o mesmo ao eixo do mal personificado por Aécio-Anastasia-Renata Vilhena!

O SENHOR DEUS ESTÁ CONOSCO NESSA LUTA!

TENHAMOS CORAGEM E FÉ CONTRA A TIRANIA DESSE SÉQUITO MALDITO QUE É UMA DAS EXPRESSÕES DO MAL!

FORÇA VALENTES EDUCADORES!
DEUS ABENÇOE A TODOS!
ATÉ A VITÓRIA!"


35 comentários:

  1. Euler, seria bom se escrevesse sobre a reunião de hoje com o comando estadual de greve.
    Agradecida, abraço.

    ResponderExcluir
  2. Euler, o áudio ficou muito bom. Precisamos abrir uma rádio educação.

    Hoje, fiquei aguardando as notícias, temi pelos resultados.

    Nossa luta não é por reposição, situação de diretor, secretárias, nossa luta é pelo PAGAMENTO DO PISO SALARIAL ESTABELECIDO EM LEI, o que contemplará a todos os segmentos.

    É arrumar a casa agora para que não seja necessário, todo ano, fazermos greve.

    Anastasia está muito é mole. Ele tem que parar de ler Harry Potter e começar a trabalhar.Renata, não está dando conta do recado, está bagunçando demais. Esta é a segunda greve da educãção, só no governo Anastasia/Renata. Afinal, quem é vice de quem mesmo? Minas tem dois ditadores???

    Ah! Parabéns ao pessoal em Mariana. ABC

    ResponderExcluir
  3. Euler , mais uma grande ideia postar algumas falas em seu blog,vou repassar esse material para todos os amigos no tal facebook.Principalmente pros "conservadores" ou aqueles que querem conservar sem o piso ou fura greve tudo isso para
    não perder a amizade de alguns "colegas" e não chamar de pelegos.

    ResponderExcluir
  4. EULER, EM CONTRAPARTIDA AOS SEUS POTS PUBLICADOS NO BLOG DO NASSIF, O DESGOVERNADOR ESTA DANDO UMA ENTREVISTA AGORA( 22H) NA REDE BRASIL. COMO SEMPRE ELE ESTA PREOCUPADISSSIMO COM OS PROFESSORES, VISTO QUE SUA MAE FOI PROFESSORA. IMAGINE SE NAO FOSSE......ESSA MIDIA E PODRE MESMO!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite Euler e combativos colegas!!

    Acabamos de descobrir mais uma qualidade do Euler.

    Euler, você falou menos que 3 minutos Colegas, e falou o suficiente. Isto mesmo, temos que tentar mobilizar os colegas que estão dentro da sala de aula. Eles poderão fazer a diferença, pois será uma pressão a mais para este governo fora da lei Anastasia/Renata.

    Até a vitória!!!

    ResponderExcluir
  6. Euler,
    Me dê licença. Preciso mandar um recado:
    Seu Anastasia, tenho certeza de que o senhor visita este Blog. Então, vou lhe prestar um favor:
    Clique no link e divirta-se:
    http://harrypotter.pt.warnerbros.com/home.html
    Eu? Vou ler os poemas de Adélia Prado. O Senhor sabe de quem se trata???
    Ah, aproveitando a oportunidade: pague o piso, sô! Deixaremos o senhor em paz e seremos felizes até a próxima greve...

    ResponderExcluir
  7. Oi, Euler. O Nassif está entrevistando Anastasia na TV Brasil. Uma vergonha, vc nem imagina o tanto de mentiras que o desgovernador está falando. Dá até náusea. Nassif engolindo tudo sem questionar. Eu pensei, triste engano, que o jornalista era bacana. Ele até publicou sobre nossa greve no blog... Depois dessa entrevista resta a certeza de que ele é só mais um dos jornalistas que não estão ao lado da verdade. Uma decepção.
    Vamos em frente na nossa luta!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Aécio (anastasia) e sua camarilha querem fazer voltar os tempos em que os compositores tinham que usar metáforas em suas letras.Como fez Sérgio Sampaio em Filme de Terror.Mas como disse Paulo Cesar Pinheiro .VOCÊ ME PRENDE VIVO EU ESCAPO MORTO.

    Filme De Terror
    Sérgio Sampaio
    Composição: Sérgio Sampaio

    Hoje está passando um filme de terror
    Na sessão das dez, um filme de terror
    Tenho os olhos muito atentos
    E os ouvidos bem abertos
    Quem sair de casa agora
    Deixe os filhos com os vizinhos
    Dentro da folia, um filme de terror
    Dura um ano inteiro, o filme de terror
    E na rua, um sacrifício
    No pescoço um crucifixo
    Quem ousar sair de casa
    Passe a tranca e feche o trinco
    No chão do cinema Império da Tijuca
    O cemitério do Caju
    Cemitério do Caju
    No cine Império da Tijuca
    O meu sangue jorra e borra de terror
    Com quem dança e ama agora o meu amor?
    Bruxas, medos e suspiros
    Dentes, pelos e vampiros
    Quem ousar deixar de lado
    Abra os olhos com os vizinhos
    No chão do cinema Império da Tijuca...

    ResponderExcluir
  9. Caros colegas e caro Euler,
    já viram o que o povo da LEI100 está tramando? Vejam no blog da Beatriz Cerqueira. Só faltava essa!
    Força na luta sempre.

    ResponderExcluir
  10. Caro Euler,
    Há dias estou batendo na tecla, vamos apertar os deputados do PT, dos sindicatos e pedir a todos os companheiros cobrança em cima de ministro da Educação - Ele não sabe ainda de que lado esta, nós já mostramos muitas vezes o nosso!!!
    Linder Lener

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Prof Euler,

    Como ja comentei , DECISÃO DO SUPREMO NÃO SE DISCUTE NEM SE NEGOCIA, CUMPRE-SE!
    Ao ler o blog http://forasindutemgja.blogspot.com, fiquei chocada, porém, ao consultar, verifiquei que O PERFIL NÃO EXISTE, OU SEJA, NINGUEM É RESPONSAVEL PELA PUBLICAÇÃO. Portanto, não dá para crer que seja de colegas, e sim, de um pau mandado do governo.Nunca imaginei que alguem pudesse se prestar a esse tipo de desserviço.A Constituição federal é a lei maior e tem que ser respeitada. Mais cedo ou mais tarde o efetivados ficarão sem nenhuma garantia.É lamentável ver a que ponto se chega,quando se esta acostumado a receber migalhas! APELO AOS EFETIVADOS: ESTUDEM, SEJAM APROVADOS NO CONCURSO, SÓ ASSIM PODERÃO SER EDUCADORES E CIDADÃOS LIVRES DAS AMARRAS DO governo.
    Graça

    ResponderExcluir
  12. Euler,
    Sou efetivado pela lei 100 e fiz o requerimento para minha remoção de onde estou para a outra cidade. Ao procurar a SRE me informaram que não haverá mais as remoções conforme a instrução da SEE, devido ao lançamento do edital do concurso. Somente para os cargos de ASB e PEB - Ensino Religioso, pois não haverá concurso para estas áreas. Meu questionamento é o seguinte, onde foi publicado esta decisão da SEE? Não está valendo a instrução publicada? O que devo fazer?

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Prof Euler,

    Peço-lhe o favor de publicar o artigo abaixo, servirá como fonte de reflexão e esclarecimento, uma tentativa de "entender o peleguismo da APPMG e SindPúblico e outros mais. Além do "horror" do blog dos efetivados.
    FERNANDO DE BARROS E SILVA

    Por que não reagimos?

    SÃO PAULO - Por que os brasileiros não reagem à corrupção? Por que a indignação resulta apenas numa uma carta enviada à Redação ou numa coluna de jornal? Por que ela não se transforma em revolta, não mobiliza as pessoas, não toma as ruas? Por que tudo, no Brasil, termina em Carnaval ou em resmungo?
    A pergunta inicial não foi feita por um brasileiro -o que é sintomático. Foi Juan Arias, correspondente do jornal "El País" no Brasil, quem a formulou num artigo recente. " Es que los brasileños no saben reaccionar frente a la hipocresía y falta de ética de muchos de los que les gobiernan?". Y entonces???
    Não existe resposta simples aqui. Em primeiro lugar, a vida de milhões de brasileiros melhorou nos últimos anos, mesmo sob intensa corrupção, e apesar dela. Ninguém que leve o materialismo a sério pode desconsiderar esse dado básico.
    Além disso, o PT, na prática, estatizou os movimentos sociais. Da UNE ao MST, passando pelas centrais sindicais, todos recebem dinheiro do governo. Foram aliciados. São entusiastas e sócios do poder, coniventes com os desmandos porque têm interesses a preservar, como o PR de Valdemar e Pagot. Há ainda um terceiro aspecto, menos óbvio, que leva muita gente progressista a se encolher diante da corrupção. É a ideia introjetada de que qualquer movimento político ou mobilização contra a bandalha acaba sendo uma reedição do espírito udenista, coisa da direita ou que serve a seus propósitos. O lulismo soube explorar esse enredo, como se estivesse em jogo no mensalão uma disputa entre Vargas (o pai dos pobres nacionalista) e Lacerda (o moralista a serviço das elites).Lula nunca moveu uma palha para mudar o sistema político podre que o beneficiou. Com a corrupção sob seu nariz, preferiu posar de vítima da imprensa golpista. Enquanto isso, seus aliados, no PT ou à direita, golpeavam os cofres da Viúva, exatamente como sempre neste país. Está aí a gangue dos Transportes, na estrada há 10 anos.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1907201103.htm

    ResponderExcluir
  14. Caro colega efetivado,

    Voce pergunta o que deve fazer, eu me atrevo a lhe responder.Voce deve se informar mais e deixar de acreditar nas manobras do governo, os efetivados estao sendo manipulados de acordo com as conveniencias do desgoverno anastasista. Portanto, estude e seja aprovado no concurso. Voce ja acessou o blog dos efetivdos? Vá lá e verifique como , realmente, estão sendo aviltados! Boa sorte!

    ResponderExcluir
  15. Diante desses mexericos, disse-me-disse, penso que nós como categoria temos que ter DIGNIDADE, nos valorizar mais, por isso a importância da nossa UNIÃO, pois ontem na entrevista com o NASSIF, ao responder à pergunta do entrevistador sobre o nosso pagamento ele mencionou que no passado os professores recebiam bem porque eram em número menor e também as professoras pertenciam á elite, eram bem formadas, logo ministravam um ensino de qualidade, os alunos também pertenciam à elite. Hoje, bem, hoje com a democratização da escola brasileira o número de alunos aumentou exorbitantemente e número de professores, também, e a qualidade de ensino não é mais a mesma. Olha, fiz uma paráfrase do que ele disse. Mas fazendo uma leitura mais fina, percebe-se que há uma desvalorização em seu discurso dos profissionais que atualmente estão em sala de aula, ou seja, são profissionais pertencentes à classe trabalhora, por isso..., por isso não merece um bom salário, resumindo a ideia. Então penso, que os profissionais de educação devem deixar de se levarem por discursos de conveniências e passarem a se dar mais valor, exigir um salário digno do governo e estudar bastante, passar em concurso, fazerem pós-graduação lato sensu, stricto sensu, estudar, estudar... Para mostrar que POBRE tem capacidade, até porque ele mesmo admitiu na entrevista os EXITOSOS resultados da educação mineira e os tais EXITOSOS índices foram alcançados por esses profissionais PROLETÁRIOS. Então fica aí uma reflexão para nós. Quem não se dá ao respeito, nunca será respeitado! Chega de querer as coisas de graça, temos que aprender a lutar e exigir os nossos direitos.

    ResponderExcluir
  16. Vejam a fala do governador na Folha de São Paulo no link abaixo
    http://sergyovitro.blogspot.com/2011/07/minas-em-movimento-antonio-anastasia.html

    Vejam também o espaço virtual criado por ele para promoção da cidadania e democracia!!!!.
    http://www.movimentominas.com.br/

    Minha esposa me perguntou por qual razão o governador não quer pagar o piso nacional uma vez que o dinheiro não é dele. Como resposta apresentei para ela os três planos do Consenso de Washington:
    O primeiro plano é de ordem macroeconômica. Há um acordo completo entre todas as agências econômicas de que todos os países periféricos devem ser convencidos a aplicar um programa em que lhes é requerido um rigoroso esforço de equilíbrio fiscal, austeridade fiscal ao máximo, que passa, inevitavelmente, por um programa de reformas administrativas, previdenciárias e fiscais, além de um corte violento no gasto público. Esses países devem fazer políticas monetárias rigidíssimas, porque a prioridade número um é a estabilização, sendo que a política fiscal tem que ser submetida à política monetária.

    O segundo plano visa apresentar propostas e reformas de ordem microeconômica: é preciso desonerar fiscalmente o capital, para que ele possa aumentar a sua competitividade no mercado internacional, desregulado e aberto. Então, o único caminho de as pequenas empresas situadas nos países da periferia entrarem nesse jogo seria por aumento de competitividade, o que passaria por desoneração fiscal, flexibilização dos mercados de trabalho, diminuição da carga social com os trabalhadores, diminuição dos salários.

    A terceira ordem de coisas que o Consenso propunha era: nada disso será possível se não houver o desmonte radical do modelo anterior (Estado interventor) que houve nesses continentes, um modelo perverso, que, segundo o pensamento do Consenso, funcionou mal, e que o modelo de importação de industrialização por substituição de importações foi um conceito pessimamente usado. Em síntese, as propostas do Consenso de Washington eram de que os Estados latino-americanos passassem por profundas reformas estruturais, também chamadas de reformas institucionais. A primeira era a desregulamentação de alguns setores, sobretudo o financeiro e o do trabalho. E essa já foi feita em quase todos os países da América Latina; a outra proposta era a da privatização, de preferência selvagem; a terceira, da abertura comercial; e a quarta, a da garantia do direito de propriedade, sobretudo na zona de fronteira, isto é, nos serviços, propriedade intelectual, etc.

    ResponderExcluir
  17. Não devemos esperar muito da imprensa falada e/ou escrita. Ela é beneficiada por esse sistema.

    ResponderExcluir
  18. Euler e demais colegas,

    Parabéns pelos textos. De excelente qualidade. Simples e objetivos. Mostram a qualidade dos trabalhadores em educação em Minas Gerais. Nossa categoria vai além de "professores de presépio", de "donas marias", dos que fazem bicos. Além disso, o momento de greve é o de suspensão das péssimas condições de trabalho, dos baixos salários, abrindo espaço para a criatividade. Observamos isso neste blog com a criação de paródias de músicas, de reflexões aprofundadas. Parafraseando a militante comunista alemã Simone Weil: enfim se respira, greve dos trabalhadores em educação em Minas Gerais. Continuemos lutando pela implementação da lei do piso no estado.

    Abs.

    Ricardo

    ResponderExcluir
  19. Euler e colegas,

    Estão observando o tratamento da grande mídia brasileira quanto ao escândalo dos grampos na Inglaterra? Puro cinismo. Apenas relatam os episódios sem aprofundá-los. Por quê, hein?! Onde estão os articulistas dos jornalões? E os editorias? Como diz o ditado: macaco, olha o teu rabo!!!

    Em tempo: o escândalo dos grampos na Inglaterra revela relações promíscuas entre o primeiro-ministro, David Cameron, e a News Corp., conglomerado internacional de comunicação do australiano Rupert Murdoch. Qualquer semelhança com o que ocorre em Minas Gerais não é mera coincidência nem é novela das oito. É a realidade de Minas - e do Brasil.

    Abs.

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  20. Quando a Secretária Ana Lúcia Gazolla diz que os direitos dos efetivados estão garantidos e igualados aos efetivos, é sempre bom lembrar que foram feitos ajustes e remendos na Lei 100 Vergonha. O cerne central dessa lei esta no art.9º do Decreto nº44.674 de 13/12/2007, que regulamenta a lei 100, que diz:

    Art. 9º - Os servidores referidos nos incisos III e IV do art. 3º deste Decreto não gozam da estabilidade no serviço público prevista no artigo 35 da Constituição do Estado.

    Ou seja, os efetivados não tiveram direito à estabilidade, pois esse artigo não foi e nem será revogado. A qualquer momento, o governo poderá alterar quando quiser esses remendos feitos na lei 100. Os efetivados são alvos fáceis para o governo intimidá-los com ameaças, pois os mesmos não gozam de estabilidade. Portanto, não há igualdade de condições jurídicas entre esses dois tipos de profissionais.

    ResponderExcluir
  21. Parabéns por mais essa ideia de utilizar o aúdio em prol da nossa luta. Gostaria que vc divulgasse se possível; que nesta Quinta,às 10:30 os educadores estarão na rádio favela FM106,7 para falar da greve na educação.Sintonizem, liguem 32821045. E assembleia regional em venda nova às 15h, Subsede VN.

    ResponderExcluir
  22. Caro Euler, obrigada pelos esclarecimentos...
    Acabo de ler no blog da Beatriz análise da posição do governo que parece bem clara, não cumprir a Lei. Nossos blogs são muito importantes neste momento, precisamos manter este diálogo com a categoria, esclarendo, mobilizando e animando. Já publiquei o meu blog aqui elidaportugues.blogspot e parabenizo pelo seu assim como o da Beatriz é essencial. Penso que devemos manter este diálogo após a nossa vitória também!!! Abraço e força a todos. Élida, Ubá.

    ResponderExcluir
  23. Caríssimos companheiros de luta.
    Acabo de ler com grande tristeza a sobre publicação de um blog que incentiva a desfiliação do sindute.
    Gostaria de ressaaltar que o sindute é o represetante da categoria e não a appmg que, que ao contário de nossa entidade sindical não fez nada para nos ajudar e ainda, sob as ordens do desgovernador anastasia VOLDEMORT (embora não penso que ele seja digno nem mesmo desse título) queria nos obrigar a voltar para o subsídio.
    A APPMG não atua em favor da educação pública de qualidade.
    Como já tinha postado anteriormente, temos que deixar essa questão de efetivos, efetivados e designados de lado. Nosso objetivo é claro e nossa luta é justa. Com a nossa divisão todos sairemos perdendo.
    Em tempo vejo rumores da adesão de mais colegasque aderirão à greve a partir de agosto. O motivo é a ADI 4631 - AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE questinonado a remuneração por subsídio em MG. Tomara que a adesão seja maciça.

    ResponderExcluir
  24. Roberto Oleandro - Morro da Garça19 de julho de 2011 13:14

    A única forma desse governo entender nosso recado é mantendo as escolas fechadas em agosto, setembro, enfim, até ele nos pagar o que nos é de direito. Aos da lei 100 (e me incluo nesse segmento), se agora, como diz o governo, temos os mesmos direitos, então devemos sim, lutar pelo nosso direito maior, que é justamente o pagamento do piso salarial nacional juntamente com a implantação do plano de carreira. Afinal, do que nos vale termos os mesmos direitos dos efetivos se nem um nem outro são respeitados? Então, todos , mas todos mesmos, sem exceção, devemos lutar pelo cumprimento do nosso direito. E é justamente agora que devemos mostrar nossa força, pois o cronômetro do governador foi disparado. O nosso, caro companheiro efetivo, efetivado, só chega ao fim quando nos aposentarmos. Agora, quero ver é o governador dar explicações a milhares de pais de família sobre o porquê de seus filhos terem de repetir o ano. Se é isso que o excelentíssimo quer, é só esperar mais um mês, um mês e meio. Obrigado e força . Deus nos abençôe em nossa vitória, que está próxima.

    ResponderExcluir
  25. Gente não e possível que pessoas como nos educadores que temos a arte de educar e ensinar iremos cair em uma ARMADILHA de guerra que o estado fez dividir para conquistar estas Historinhas que efetivado esta do lado do governo e historia pra boi dormir na minha ciodade João Monlevade todos efetivado estão em GREVE sendo que alguns efetivos e que estão trabalhando, ou seja, a coisa não e como estão nos apresentando não devemos nos dividir jamais temos que nos unir cada fez mais e procurar ajudar e lutar pelos direitos de uma classe como a nossos denominados EDUCADORES se não conseguirmos tal ato não temos o direito de falar aos quatro ventos que somos educadores mais sim um bando sem união caminhando para a morte.
    AGORA SE PERGUNTEM
    PORQUE OUTRAS CLASSES COMO MÉDICOS, ADVOGADOS, ENGENHEIROS, conseguem suas reivindicações será porque o diploma deles e mais BONITO do que o nosso não e porque mesmo com as divisões que eles têm em seus quadros de efetivos, efetivadas, contratados eles estabelecem uma postura de força e união por uma ideal coisa que nos professores infelizmente temos que voltar para sala de aula para aprender com estas categorias.

    ResponderExcluir
  26. Caro Prof Euler,

    Volto a repetir,, DECISÃO DO SUPREMO NÃO SE DISCUTE E NEM SE NEGOCIA, CUMPRE-SE!
    a PARTIR DE 10/08/11 não haverá mais saída para o governo de MG,terá que aplicar o piso para toda a carreira, de maneira proporcional é claro, mas terá que cumprir a Lei! IMPORTANTE QUE TODOS RETORNEM PAR A CARREIRA LEGITIMA DE ONDE FORAM TIRADOS NA MARRA. E MAIS IMPORTANTE AINDA, QUE TODOS FAÇAM ADESÃO À GREVE E QUE AGOSTO CHEGUE COM TODAS AS ESCOLAS FECHADAS!
    QUEM SE CONSIDERAR DIGNO DEVE ADOTAR O LEMA SEM PISO NINGUEM PISA NA ESCOLA.
    Para motivar e acordar os indecisos, envio artigo resumido para sua publicação.
    ATT
    Graça

    ResponderExcluir
  27. A DESMORALIZAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE

    "Mais valem lágrimas de derrota do que a vergonha de não ter lutado” – Sabedoria popular brasileira

    Trinta anos atrás, ainda era possível ingressar na carreira em alguns Estados com ordenado equivalente a dez salários mínimos. Se fizermos comparações com os salários docentes de países em estágio de desenvolvimento equivalente ao brasileiro, as conclusões serão igualmente escandalosas. Quando examinados os salários dos professores do ensino médio, em estudo da Unesco, sobre 31 países, há somente sete que pagam salários mais baixos do que o Brasil, em um total de 38 (6). Não deveria, portanto, surpreender ninguém que os professores se vejam obrigados a cumprir jornadas de trabalho esmagadoras, e que a overdose de trabalho comprometa o ensino e destrua a sua saúde. ( isto porque os professores precisam acumular cargos ou outra atividade para sobreviver) (...)

    Em outras palavras, o piso nacional é inferior (ao das demais categorias,) apesar da exigência mínima de uma escolaridade que precisa ser o dobro da escolaridade média nacional.A carreira docente mergulhou, nos últimos 25 anos, numa profunda ruína. Há, com razão, um ressentimento social mais do que justo entre os professores. A escola pública entrou em decadência e a profissão foi economicamente desmoralizada e socialmente desqualificada, inclusive, diante dos estudantes. Os professores foram desqualificados diante da sociedade. O sindicalismo dos professores, uma das categorias mais organizadas e combativas, foi construído como resistência a essa destruição das condições materiais de vida. Reduzidos às condições de penúria, os professores se sentem vexados. Esse processo foi uma das expressões da crise crônica do capitalismo. Depois do esgotamento da ditadura, simultaneamente à construção do regime democrático liberal, o capitalismo brasileiro parou de crescer, mergulhou numa longa estagnação. O Estado passou a ser, em primeiríssimo lugar, um instrumento para a acumulação de capital rentista. Isto significa que os serviços públicos foram completamente desqualificados. Dentro dos serviços públicos, contudo, há diferenças de grau. As proporções têm importância: a segurança pública está ameaçada e a justiça continua muito lenta e inacessível, mas o Estado não deixou de construir mais e mais presídios, nem os salários do judiciário se desvalorizaram como os da educação; a saúde pública está em crise, mas isso não impediu que programas importantes, e relativamente caros, como variadas campanhas de vacinação, ou até a distribuição do coquetel para os soropositivos de HIV, fossem preservados. Entre todos os serviços, o mais vulnerado foi a educação, porque a sua privatização foi devastadora. Isso levou os professores a procurarem mecanismos de luta individual e coletiva para sobreviverem.

    Há formas mais organizadas de resistência, como as greves, e formas mais atomizadas, como a abstenção ao trabalho. Não é um exagero dizer que o movimento sindical dos professores ensaiou quase todos os tipos de greves possíveis. Greves com e sem reposição de aulas. Greves de um dia e greves de duas, dez, quatorze, até vinte semanas. Greves com ocupação de prédios públicos. Greves com marchas. Não obstante as desmoralizações individuais, o mais impressionante, se considerarmos o futuro da educação brasileira, é a valente resistência dos professores com suas lutas coletivas. Foram e permanecem uma inspiração para o povo brasileiro.

    Valerio Arcary é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF-SP) e doutor em História pela Universidade de São Paulo

    “Pesquisa completa s/ os salários iniciais em todos os Estados pode ser encontrada no estudo disponível em http://www.apeoc.org.br/extra/pesquisa.salarial.apeoc.pdf

    Publicado originalmente no site Correio da Cidadania.http://envolverde.com.br/educacao/protesto/a-desmoralizacao-social-da-carreira-docente/

    ResponderExcluir
  28. Parabéns Euler. Seu blog está bombando. Quase 300000 visitas. É isso aí companheiro. Força e garra sempre. Por uma educação de qualidade e um educador valorizado.

    ResponderExcluir
  29. Força Companheiros

    Um dia na história do Ocidente, Lêonidas e seus 300 valentes espartanos também enfrentaram um mal que ameaçava a pequena península grega.

    Em alguns poucos meses de luta os LEÕES DA GRÉCIA fizeram com que UM MILHÃO de persas perdessem o gosto por uma guerra que já nasceu perdida para eles.

    Façamos o mesmo ao eixo do mal personificado por Aécio-Anastasia-Renata Vilhena!

    O SENHOR DEUS ESTÁ CONOSCO NESSA LUTA!

    TENHAMOS CORAGEM E FÉ CONTRA A TIRANIA DESSE SÉQUITO MALDITO QUE É UMA DAS EXPRESSÕES DO MAL!

    FORÇA VALENTES EDUCADORES!
    DEUS ABENÇOE A TODOS!
    ATÉ A VITÓRIA!

    ResponderExcluir
  30. Adorei a manifestação de Mariana.Que pena quando o ordinário disse que os professores estavam fazendo alusão ao Harry Potter,os professores se tivessem os poderes do bruxo poderia transformar o bolinho de azia em pó, para que nunca mais tivéssemos que correr o risco de tolerar essa figurinha como governador.ÔÔÔHHH!!!!!coisinha maldita de onde saiu isso!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  31. ASSINO O MANIFESTO. AO SINDUTE TODO MEU APOIO! NÓS EDUCADORES PRECISAMOS.

    ResponderExcluir
  32. Assino o manifesto. Força companheirada!
    Agora mais do que nunca temos que nos unir contra esse anhangá-tinhoso

    ResponderExcluir
  33. Eu também assino o manisfesto. O Sind-UTE MG é que nos defende. E sindicato somos todos nós.

    Abraços...

    Marize Cordeiro de Andrade.

    ResponderExcluir
  34. Roberto Oleandro - Morro da Garça19 de julho de 2011 21:38

    Também assino esse manifesto

    ResponderExcluir
  35. O SINDUTE é um patrimônio nosso, que construímos coletivamente, vamos vencer mais este embate: Antonio Carlos - Sobrália MG

    ResponderExcluir