sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Mobilizações começam a surtir efeito


Após uma semana de intensa mobilização no mundo real e virtual as demissões e ameaça de remoção começam a tomar outro rumo. Na manhã desta sexta-feira a colega professora da Lei 100, que havia sido demitida, foi até a SRE Metropolitana C e ouviu da inspetora que tanto ela quanto eu ficaremos na escola até dezembro e no ano que vem a nossa situação será estudada. Já os colegas contratados, por enquanto permanecem demitidos. Por enquanto, pois as mobilizações e as pressões para que eles continuem na escola são grandes.

O coletivo de educadores da escola manteve-se unido e solidário o tempo todo, demonstrando mais uma vez o quanto a nossa união é importante, para além de interesses individuais. Cada companheiro tem contribuído da forma possível. Uns enviando e-mails, outros telefonando para deputados, outros entrando em contato com o Ministério Público, outros procurando informações jurídicas, e houve até uma colega de luta que contactou um assessor do afilhado do faraó para informá-lo sobre as demissões em curso. O assesssor disse que o governador-afilhado não tinha conhecimento nenhum sobre o assunto e que iria entrar em contato com a secretária da Educação para se informar. Ele foi informado pela colega professora que uma grande mobilização está em curso na Vila Esportiva e no entorno da Linha Verde.

Destacamos também a solidariedade dos colegas da Educação pública de Minas e do Brasil que se manifestaram nestes dias, por e-mail e através dos comentários aqui no blog ou publicando textos de apoio em seus blogs. A luta continua e esta movimentação toda demonstra que a categoria está viva. Pronta para novos e maiores embates.

Coincidentemente, bem próximo da nossa escola, na noite de ontem (09/09/2010) aconteceu um homicído, pois a região não está imune à violência existente em todos os bairros periféricos dos centros urbanos. Lá da escola ouvimos o barulho de vários fogos. Pensamos até que fosse outra coisa. Depois nos disseram que um grupo que domina uma determina área comemorava a manutenção do domínio de tal área. Coisas do cotidiano do Brasil. Justamente nesta região, como em tantas outras, precisamos de mais escolas e educadores e não de pseudo-economia às custas da demissão de seis ou sete educadores que desenvolvem trabalho sério na escola.

Nos próximos dias, portanto, esperamos que o governo tenha bom senso e que volte atrás nas demissões dos colegas e nos deixe trabalhar em paz, pois o nosso trabalho profissional apresenta bons resultados. E a prova melhor disso, foi o depoimento de um líder comunitário que eu citei aqui ontem, mas que vale a pena repetir (merecia ser filmado), que foi mais ou menos o seguinte:

- Desde que esta escola foi implantada (há cerca de 10 anos) diminuiu muito a criminalidade no bairro e muitas pessoas têm tido oportunidades que antes não conheciam".

Investir em educadores não é desperdício de dinheiro; é investir na formação de pessoas mais humanas, mais dignas e mais preparadas para lidar com as diferentes realidades que enfrentamos no cotidiano.


Eleições nacionais: GloboSerra
não perde seu viés golpista


A Globo não aprende. Não tem jeito. O golpismo está no DNA desta emissora. Não bastassem todas as manobras urdidas contra a população brasileira, ajudando a eleger figuras como Collor, ou tentando impedir a eleição de líderes um pouco mais progressistas como Brizola e Lula, agora ela trama contra a candidatura Dilma.

A novela da quebra do sigilo da filha de Serra em setembro de 2009 está ficando já enjoativa. E o esquema é sempre o mesmo: primeiro a revista Veja (tinha que ser, né gente) cria um factóide com cara de notícia bombástica, que depois é repercutido pela Folha de São Paulo até ganhar a mídia televisiva por meio da Rede Globo. São 15 dias falando do mesmo assunto, tentando colocar o candidato Serra como a grande vítima de um estado policial, quando casos muito mais graves de agressão a direitos constitucionais acontecem todos os dias contra milhares de cidadãos comuns e a emissora não dá uma nota sequer sobre estes casos.

Mas, não adianta, porque o povo não cai mais nesta. Não adianta também tentar inflar a candidatura de Marina para forçar um segundo turno. Tudo indica que Dilma ganha no primeiro. Ou de primeira. Mas, a Globo e afins querem pressionar a candidata, procurando desmoralizá-la, diminuí-la, para que se submeta a uma agenda imposta pelo grande capital e o agronegócio. Temem que a candidata Dilma não siga exatamente a mesma linha prudencial do atual presidente, que não tocou nos interesses dos banqueiros e do agronegócio, apesar de ter realizado programas sociais importantes, como o Bolsa Família.

Tomara que Dilma, vivendo e sentindo na pele a chantagem imposta pela Globo e demais grupos da mídia - todos eles a serviço do grande capital e dos coronéis regionais -, inicie um processo de democratização dos meios de comunicação no Brasil e aumente de fato os investimentos nas áreas sociais, como Educação pública, Saúde, saneamento, moradia popular, etc.

Estes grupos midiáticos ainda terão alguma sobrevida graças a governos como os de São Paulo e Minas, que liberam generosas
verbas para os mesmos. Contudo, o governo federal, se quiser, poderá enfrentá-los investindo nas redes públicas e inclusive rediscutindo as concessões públicas de rádios e TVs, que são uma verdadeira afronta às liberdades democráticas e à própria democracia. A mídia brasileira é golpista e constitui um risco para a sobrevivência dos movimentos sociais e para os direitos conquistados a duras penas.

Estejamos atentos a estas práticas golpistas da mídia brasileira, construindo alternativas autônomas, como a que ocorre hoje na Internet através dos blogs e das redes horizontais de contatos.

* * *

Incorporo ao texto central o comentário sempre oportuno e pertinente do nosso colega e amigo professor João Paulo:

"João Paulo Ferreira de Assis:

Prezado amigo Professor Euler

Saudações e felicitações por saber que já começam a recuar do vil propósito de demissão e remoção de professores em pleno ano letivo, e contra a legislação eleitoral. Às vezes, Professor, penso que muitas coisas que aconteceram na SEE foram de propósito. Quando estava escrevendo meu livro, a História do Município de Senhora dos Remédios, ao discorrer sobre suas escolas, eu tomei conhecimento de um fato, para mim escabroso. O Prefeito Antônio Milagres Belo, em 1969, com seu secretário e sucessor, Edgar de Souza Passos, e mais o senhor Cristiano de Ávila Andrade, foram a Belo Horizonte por amor de dar entrada aos papéis de criação do Ginásio Municipal Nossa Senhora dos Remédios. Protocolaram na SEE, e os DOCUMENTOS DESAPARECERAM MISTERIOSAMENTE! Passando o tempo sem que nada fosse decidido, voltaram à capital e tomaram conhecimento de que os papéis haviam desaparecido! Pressionaram os funcionários, e deu-se uma tremenda busca, até que eles foram encontrados, já incompletos, sem a fotografia principal. Aí deram o famoso ''jeitinho'' brasileiro, e colocou-se como foto do principal a de uma sala. Com isso, apenas em 06 de abril de 1970 o Ginásio Municipal pôde entrar em funcionamento.

Em Ressaquinha foi pior. As forças políticas mais reacionárias consideraram um crime a ideia da criação do Ginásio Estadual de Ressaquinha. Um dos coronéis do atual DEM disse que agora os trabalhadores rurais e suas irmãs vão estudar, e nós todos ficaremos sem empregados. O Padre Nélson (imortalizado por Roberto Drummond em Hilda Furacão) é que comandou as negociações para criar o Ginásio. Houve tantas pressões em Belo Horizonte, que Magalhães Pinto desistiu de sancionar o projeto. Só que em 23 de dezembro de 1965, ele recebeu um ULTIMATUM de Dom Oscar de Oliveira, Arcebispo de Mariana, e sancionou a lei. Aí a luta foi para que a escola não fosse instalada. Telefonaram para o Secretário de Educação, Bonifácio Andrada, pai do Lafayette, falando que não iria haver mais inauguração. E o pessoal esperando. Até que mandaram avisá-lo. E ele chegou à MEIA-NOITE E QUATRO MINUTOS, do dia 11 de janeiro de 1966.

São dois exemplos para meditação: POR QUE SE COMBATE TANTO AS ESCOLAS E OS PROFESSORES?

Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis."

* * *

- Blog do COREU: Edital de Certificação de Dirigente
escolar

* * *

Transcrevo e incorporo ao texto central o comentário do colega e amigo professor João Paulo:

"João Paulo Ferreira de Assis:

Prezado amigo Professor Euler

Encontrei mais uma evidência de quanto as elites detestam o acesso dos mais pobres à instrução. Em mãos o livro ''Guarani, terra querida'', de Maria Aparecida Gaudereto de Abreu, que se intitulou Aparecida Abreu, encontrei à página 83 o registro de ''um sonho grandioso'' que não foi concretizado: a Fundação Educacional Odilon Braga. O sr. José Virgílio de Almeida, do Banco do Brasil no Rio de Janeiro, o então prefeito de Guarani, senhor Geraldo Furtado Sarmento e outros próceres definiram o local para a obra. A Companhia Ultragaz S.A. adquiriu o terreno no bairro da Praça de Esportes e o doou à Fundação. O Governo Federal entrou como financiador junto com a Prefeitura.

Transcrevo com grifos meus o trecho seguinte:

''O educandário ofereceria os cursos ginasial (hoje correspondendo ao ensino de 5ª a 8ª série do 1º grau), clássico e científico. O ensino seria INTEIRAMENTE GRATUITO. Referências à Fundação Educacional Odilon Braga são encontradas nos jornais de 1962. OBSTÁCULOS DIVERSOS IMPEDIRARM que a Fundação passasse da UTOPIA À REALIDADE''.

Penso, Professor que se nós começássemos a denunciar essas situações a opinião pública começaria a abrir os olhos, e essa turma do Anastasia não teria o apoio que vem tendo.

Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.

Post Scriptum:

Com a devida vênia do Professor Euler, quem souber de mais fatos dessa magnitude, de combate contra escolas, pode vir falar."

Comentário do blog: a iniciativa - de denúncia de agressões às escolas públicas - tem total apoio do blog.

12 comentários:

  1. João Paulo Ferreira de Assis11 de setembro de 2010 02:45

    Prezado amigo Professor Euler

    Saudações e felicitações por saber que já começam a recuar do vil propósito de demissão e remoção de professores em pleno ano letivo, e contra a legislação eleitoral. Às vezes, Professor, penso que muitas coisas que aconteceram na SEE foram de propósito. Quando estava escrevendo meu livro, a História do Município de Senhora dos Remédios, ao discorrer sobre suas escolas, eu tomei conhecimento de um fato, para mim escabroso. O Prefeito Antônio Milagres Belo, em 1969, com seu secretário e sucessor, Edgar de Souza Passos, e mais o senhor Cristiano de Ávila Andrade, foram a Belo Horizonte por amor de dar entrada aos papéis de criação do Ginásio Municipal Nossa Senhora dos Remédios. Protocolaram na SEE, e os DOCUMENTOS DESAPARECERAM MISTERIOSAMENTE! Passando o tempo sem que nada fosse decidido, voltaram à capital e tomaram conhecimento de que os papéis haviam desaparecido! Pressionaram os funcionários, e deu-se uma tremenda busca, até que eles foram encontrados, já incompletos, sem a fotografia principal. Aí deram o famoso ''jeitinho'' brasileiro, e colocou-se como foto do principal a de uma sala. Com isso, apenas em 06 de abril de 1970 o Ginásio Municipal pôde entrar em funcionamento.
    Em Ressaquinha foi pior. As forças políticas mais reacionárias consideraram um crime a ideia da criação do Ginásio Estadual de Ressaquinha. Um dos coronéis do atual DEM disse que agora os trabalhadores rurais e suas irmãs vão estudar, e nós todos ficaremos sem empregados. O Padre Nélson (imortalizado por Roberto Drummond em Hilda Furacão) é que comandou as negociações para criar o Ginásio. Houve tantas pressões em Belo Horizonte, que Magalhães Pinto desistiu de sancionar o projeto. Só que em 23 de dezembro de 1965, ele recebeu um ULTIMATUM de Dom Oscar de Oliveira, Arcebispo de Mariana, e sancionou a lei. Aí a luta foi para que a escola não fosse instalada. Telefonaram para o Secretário de Educação, Bonifácio Andrada, pai do Lafayette, falando que não iria haver mais inauguração. E o pessoal esperando. Até que mandaram avisá-lo. E ele chegou à MEIA-NOITE E QUATRO MINUTOS, do dia 11 de janeiro de 1966.
    São dois exemplos para meditação: POR QUE SE COMBATE TANTO AS ESCOLAS E OS PROFESSORES?
    Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir
  2. E vcs acrditam na campanha da Dilma? Não temos canditatos gabaritados e que falam a verdade do que vão fazer com honestidade para nós brasileiroa. Vejam a campanha faraonica de Dima, a maquina do governo joga pesado e as diferenças sociais estão comprovadas no próprio meio. E vcs acreditam KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  3. João Paulo Ferreira de Assis11 de setembro de 2010 20:29

    Pois eu acredito muito na campanha da Dilma, é melhor acreditar nela do que num candidato que além de mandar espancar professores, infiltra polícia secreta entre eles, e faz campanha com um Lula falso, uma Elba Ramalho falsa e uma favela falsa, e promessas falsas. E usa acusações falsas também. Ora, entre a verdadeira e o falso eu fico com a verdadeira. Ria a vontade sra Eliane. Quem ri por último ri melhor. Saudações.

    ResponderExcluir
  4. João Paulo Ferreira de Assis11 de setembro de 2010 20:43

    Prezado amigo Professor Euler

    Encontrei mais uma evidência de quanto as elites detestam o acesso dos mais pobres à instrução. Em mãos o livro ''Guarani, terra querida'', de Maria Aparecida Gaudereto de Abreu, que se intitulou Aparecida Abreu, encontrei à página 83 o registro de ''um sonho grandioso'' que não foi concretizado: a Fundação Educacional Odilon Braga. O sr. José Virgílio de Almeida, do Banco do Brasil no Rio de Janeiro, o então prefeito de Guarani, senhor Geraldo Furtado Sarmento e outros próceres definiram o local para a obra. A Companhia Ultragaz S.A. adquiriu o terreno no bairro da Praça de Esportes e o doou à Fundação. O Governo Federal entrou como financiador junto com a Prefeitura.
    Transcrevo com grifos meus o trecho seguinte:
    ''O educandário ofereceria os cursos ginasial (hoje correspondendo ao ensino de 5ª a 8ª série do 1º grau), clássico e científico. O ensino seria INTEIRAMENTE GRATUITO. Referências à Fundação Educacional Odilon Braga são encontradas nos jornais de 1962. OBSTÁCULOS DIVERSOS IMPEDIRARM que a Fundação passasse da UTOPIA À REALIDADE''.

    Penso, Professor que se nós começássemos a denunciar essas situações a opinião pública começaria a abrir os olhos, e essa turma do Anastasia não teria o apoio que vem tendo.

    Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.

    Post Scriptum:

    Com a devida vênia do Professor Euler, quem souber de mais fatos dessa magnitude, de combate contra escolas, pode vir falar.

    ResponderExcluir
  5. You have a very nice blog! Good reading.
    Drunknmunky - Pikavippivinkit

    ResponderExcluir
  6. Sr. jão paulo, não o conheço e não estou ofendendo ninguém. Participo de um blog democrático, onde podemos expressar nossas opiniões. Acredito que o seu revide é doentio, cego e muito politizado. Não cabe aqui neste espaço insultos, mas discussões e trocas de idéias. Agora lhe pergunto, o que existe de concreto da Dilma e Lula a nosso favor? O que fizeram quando precisamos da ajuda presidencial em nossos momentos de martírio? Vc não vai rir melhor e sim chorar melhor, Dilma é o Lula travestido, com propagandas mentirosas. Quando foi que o Brasil tirou o povo da mizéria e deu uma ducação de qualidade? O que a Dilma acrescentou neste governo a não ser tapar as mentiras com suas faraônicas propagandas políticas. Claro que quero ver quem vai rir melhor. Se vc é Lulista problema é seu e do pobre dos brasileiros,que terão que conviver mais uma vez com tantas mentiras e vergonhas NACIONAL. Não se desgaste por quem nem sabe quem vc é, não coloque a mão no fogo nem pelos seus filhos, se os tiver. Abraços fraternais

    ResponderExcluir
  7. João Paulo Ferreira de Assis13 de setembro de 2010 23:11

    Senhora eliane, também não a conheço, mas a senhora vê outra alternativa a não ser Dilma? Poderia ser o Serra, mas como que nós podemos votar nele, se sabemos o quão têm padecido nossos colegas de São Paulo? Ele com a tal prova de mérito, bagunçou o plano de carreira dos professores paulistas. A tal prova, se não me engano, aqui em Minas tem outro nome: CERTIFICAÇÃO. Se com Lula as coisas estão ruins, imagine com Serra. Já pensou nisso? Já pensou em Paulo Renato como Ministro da Educação (ele foi no tempo de FHC). Basta de neoliberalismo. Basta de escola pública para formar mão de obra barata. Queremos escola pública para formar cidadãos e não peões de ''companhia''.
    Marina e Plínio, que mencionaram 10% em Educação, não tem condições de vencer o pleito. Igualmente aqui em Minas, há candidatos dos partidos menores com propostas muito melhores do que as do HC e do Anastasia. Mas não têm chances. Enfim, permaneça na sua opinião que eu fico com a minha.
    ESCLARECIMENTO: O kkkkkkkkkkkkk com que a senhora terminou seu primeiro comentário me pareceu muito debochado, por isso minha resposta sobre quem ri por último ri melhor. Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir
  8. Olha João Paulo, o KKKKKKKKKKKKKKKKK foi em relação a nossa falta de escolha. Em quem acreditar,se tudo está maqueado? Eu jamis no meu primeiro comentário me dirigi as palavras à vc. Se sentiu-se atingido é porque sabe que falei a pura verdade. Debochei sim, pois a verdade está exposta e pobre daquele que ve e não quer aceitar. Em momento algum disse nome de algum canditado que irei votar, só disse que vamos continuar na mesma.Também não recriminei sua opinião, pois nem falei com vc e nem o conheço. Como disse estou num espaço democrático para trocas de idéias e não para ficar batendo boca com ninguém. Aprenda a respeitar opiniões e debatê-las com conhecimento e calma. Vejo sim outras saidas, mas depois de tudo não quero discutí-las com vc. Euler amigo desculpe se depois de tanto tempo ausente, lhe trouxe este desagradável bate papo. Sumi porque depois da dengue, quando voltei para a escola cai dentro da secretaria e quebei a rótula. Estou com gesso e afastada do trabalho. Mais uma vez desculpe o desconforto e estou com saudades.Vc sabe da importância e seriedade do seu blog para nós e para mim em especial. Abraços fratenais para João Paulo(concordo com vc em alguns pontos) e para vc.João Paulo concordo com vc em alguns pontos.

    ResponderExcluir
  9. Olá colega de luta Eliane! Vc é sempre bem-vinda neste espaço e espero que se recupere rapidamente, pois precisaremos de vc, na luta.

    Quanto ao fraterno debate entre você e o combativo colega João Paulo, faz parte da nossa convivência este tipo de diálogo, sempre fraterno e sincero. É como ocorre entre irmãos que discutem e depois fica tudo bem. É assim que eu vejo este diálogo, e de maneira alguma é visto como um desconforto.

    São dois guerreiros, dois combatentes e dois amigos que ocasionalmente divergem neste ou naquele ponto, mas que estamos todos juntos na mesma luta.

    Um forte abraço a vc, Eliane e ao meu amigo professor João Paulo e vamos pra frente, que a luta continua! E o nosso inimigo é o mesmo.

    ResponderExcluir
  10. João Paulo Ferreira de Assis15 de setembro de 2010 00:12

    Companheira Eliane, nós estamos realmente sem opção. Os candidatos que melhor pensam na Educação não tem chances. Fazer o que? Temos que preparar para o pior (eleição do Anastasia)e sabermos resistir unidos. Não dizermos amém, como a gente até então fazia. Creio que da greve ficou esse belo sentimento, que nos chamou a atenção para a necessidade de nos urnirmos. Vejo que a gente já não diz amém como antigamente. Citei exemplos da minha escola, como há os recentes de Caxambu e Vespasiano.
    Companheira queira desculpar-me a minha exaltação, pois eu a tomei (equivocadamente) por alguém do Serra, sim, do Serra, o carrasco dos professores paulistas. Sabe companheira, vou lhe fazer uma confidência, sem embargo de não nos conhecermos. Nos meus pesadelos da noite EU SEMPRE SONHO QUE ESTOU LECIONANDO UM OUTRO CONTEÚDO PARA O QUAL NÃO ESTOU PREPARADO. Numa noite sonhei que era professor de Química numa escola de Barbacena. Sonhei outra noite que o Estado havia me removido ex officio para uma outra escola. Pois veja, todo sonho tem um quê de surreal. Pois lá em São Paulo, a São Paulo do Serra, o que é surreal no meu sonho, é a mais pura realidade. São 46% de professores temporários, que passam de escola em escola, assumindo conteúdos para os quais não são habilitados, como um de português que foi obrigado a lecionar Química.
    Abraços fraternais, Professora Eliane.

    ResponderExcluir
  11. Querido João Paulo estou com vc, acha que votaria em tal pessoa, depois de conhecer o valor que ele deu aos profissionais da educação em S.Paulo? Vamos sim seguir juntos a nossa estrada , que por sinal é muito longa e tremos que quebrar todos os espinhos. Gostaria de conhecê-lo. Beijos fraternais. (serra é só a elétrica).Bjs

    ResponderExcluir
  12. João Paulo Ferreira de Assis15 de setembro de 2010 12:25

    Também quero conhecê-la. Se você for em Vespasiano no encontro previsto, lá nos encontraremos. Beijos, João Paulo.

    ResponderExcluir