quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Após o feriado, muita agitação


Por volta de 10h da madrugada escuto alguém batendo ao portão. Meu bunker não tem campainha. Como incomoda este barulho de campainha. Lembra a sirene de uma escola. Por isso prefiro que as pessoas batam palmas (batam palmas pra ele!) ou batam no portão. Dia de pagamento, quando alguém bate à porta logo pela manhã a gente sempre pensa: deve ser o cobrador! Mas, não. Era o João Martinho.

Como costuma madrugar, João Martinho já havia feito a caminhada matinal, passado no banco para retirar uma pequena parcela do seu volumoso salário de professor com dois cargos e merecidos montes de gratificações. O João é sistemático, não aceita nem café, ainda mais instantâneo como o que costumo sorver nas manhãs e noites. Ele me disse que seu café é uma salada com oito frutas diferentes, leite, aveia, ovo, quando bate tudo no liquidificador e pronto. Uma nova refeição só ao meio dia.

Meu parco salário-de-professor-de-Minas (assim mesmo, tudo junto), ainda mais com um só cargo (e tá bom demais!), não dá pra comprar nem duas frutas por dia, ainda mais oito. É coisa de marajá. Mas, reclamei com ele que só pude sacar R$ 1.000,00 de uma vez no banco. Calma gente, esse enorme valor só pinga na nossa conta bancária uma ou duas vezes por ano, com o 13º ou com o tal prêmio a que chamam de pedaço de 14º. Mas, o João disse: amanhã você já pode sacar mais R$ 1.000,00. Não resisti a uma boa gargalhada. Mais mil? Só se ele completar o saldo que ficou pendente. Tá pensando o quê? Salário de professor-de-Minas - salário real, não aquele da propaganda do governo - quase nunca alcança o limite de saque na boca do caixa.

Mas, deixando de lado este chato assunto de salário, o João passou por lá para comunicar que tinha passado antes no Sindicato dos Metalúrgicos para tentar conseguir a sede do sindicato para o Encontro Metropolitano em Vespá, no dia 25 de setembro. O presidente do sindicato disse que o local estava agendado para aquele dia, mas que ele ia tentar negociar uma outra data com a pessoa que reservara aquele local justamente para aquela data. Nada mais importante do que o nosso encontro acontecerá em Vespó no dia 25. Esperamos fechar um local para o evento até amanhã, sem falta.

E o João aproveitou para me convidar para um bate-papo que haveria hoje a tarde na subsede do Sind-UTE em Vespasiano com o Fabinho do PCB. Combinado, João, às duas da tarde eu passo lá, disse-lhe.

Mais tarde um pouco caminhei pelo centro da cidade com o bolso cheio de esperança e algumas contas para pagar. As ruas estavam cheias, principalmente de educadores. Dia de pagamento é assim: a gente sempre encontra os colegas, por toda parte. No supermercado, na farmácia, na padaria, enfim por toda parte. Mas, é só no primeiro dia, pois os valores recebidos não permitem extragâncias que ultrapassem algumas horas após o poente.

Nessas andanças encontrei com o Paulão, bravo guerreiro da nossa maravilhosa revolta dos 47, que quis logo saber: o que está acontecendo na sua escola, Euler? Estão querendo fechá-la? Qualquer coisa você volta para o Machado - disse-me. Quem sabe, né? Mas, não. Quero ficar e resistir. Eles não podem decidir a nossa vida sem nos consultar. Não somos objeto, somos pessoas e merecemos respeito. Meia dúzia de burocratas decidem o que é bom para o estado, segundo as economias porcas que costumam fazer, e foda-se a comunidade. Assim eles pensam. Se querem mostrar serviço com economia porca, deviam se candidatar a conselheiros do faraó e afilhado que gastaram dois bilhões para construir a Cidade do Faraó. Não é demitindo professor e removendo outro - o que certamente representaria demissão em outra escola - que vocês vão resolver problema de caixa do estado. É o tal choque de gestão.

Andando mais um pouco pela cidade encontrei a Adriana, ela mesma, a candidatíssima ao cargo de secretária da Educação. E ela me disse: se for para atender a um pedido do Patrus eu posso até pensar no assunto. Claro que terá que concorrer com Carminha e João Martinho, que já estão quase se sentindo secretários da Educação. Mas, já que o candidato do PMDB-PT está com essa mania de um mais um para governar Minas, por que não um mais duas para a secretaria da Educação? Tá lançada a idéia.

Quando terminei de pagar as contas de costume - água, luz, telefone e um crédito mínimo de 15,00 no celular para mantê-lo ativado -, minha próxima parada foi para o almoço. Um guerreiro também precisa se alimentar para manter-se de pé. Logo após recebo um telefonema de um colega que foi removido para a nossa escola muito recentemente, dando conta de que estava em contado com o Ministério Público para tratar do problema na nossa escola. Ele não está ameaçado de demissão, mas é solidário, de luta. É de gente assim que a categoria precisa. Mais tarde um pouco protocolei uma denúncia no Ministério Público expondo o que estava em curso na nossa escola: as demissões e a minha remoção. Já publiquei um trecho da carta aqui.

Quando o relógio apontou duas horas, fui até a subsede do Sind-UTE a convite do João. Pouco depois chegaram Fabinho do PCB, candidato ao Governo de Minas e combativo educador e com ele o Almeida, candidato a deputado federal. Fabinho expôs em linhas gerais os objetivos de sua candidatura, certo de que não será eleito, mas cumprirá a missão que lhe fora atribuída pelo partido. Entre os temas abordados, o que ele deu mais ênfase foi o da Frente anticapitalista e anti-imperialista, proposta que, segundo ele, tem atraido apoio de amplos setores da esquerda. Disse-lhe que a idéia de unir as forças da esquerda era importante para combater inimigos comuns. Unidade não só de partidos, mas de grupos, indivíduos, lideranças, etc. Acima de tudo, unidade na luta! O Fábio aproveitou para confirmar presença no nosso Encontro Metropolitano em Vespá.

Logo depois, coloquei o tanque de guerra na estrada e fui direto para a escola. O clima lá, apesar das pressões, é dominado por um astral bom, pois estamos todos unidos e dispostos a resistir. Antes de começar as atividades em sala fizemos uma reunião do coletivo de trabalhadores e repassamos informes e as estratégias de ação. Alguns colegas estiveram hoje à tarde na ALMG conversando com alguns deputados. Ficamos de protocolar um ofício na SRE - Metropolitana C dirigido à diretora daquela superintendência. O ofício já está pronto. O Ministério Público também já foi acionado. Temos ainda mais duas frentes a atacar, caso se faça necessário: uma ação na Justiça (um mandado de segurança) e a mobilização popular, que reúna a comunidade do entorno da escola, que é numerosa. Se os atos de demissão e remoção não forem anulados vamos convocar toda a comunidade para uma concentração em frente à escola seguida de passeata com faixas, cartazes, apitos, ocupando a Linha Verde e caminhando em direção à Cidade do Faraó. Vai ser uma maravilha. Se querem brincar com a comunidade, cortando profissionais da Educação e provocando prejuízos para os trabalhos em andamento então vão colher tempestade!

E o pior é que andam anunciando dois professores por sala e um tal programa "professores em casa". Neste último, talvez faça sentido. Ao demitir professores no final do ano, eles vão ficar mesmo em casa. Mas, não os nossos professores, que não querem saber de casa numa hora destas. Ou vão (vamos) para a escola, ou vão (vamos) para as ruas e praças. Resistir e lutar, até a vitória.

* * *

Incorporo ao texto central o comentário do nosso colega e amigo professor João Paulo, com o comentário do blog a seguir:

"João Paulo Ferreira de Assis:

Prezado amigo Professor Euler

O DEM e o PSDB ingressaram no TRE-SP contra a APEOESP, e esta foi proibida de colocar um cartaz nas escolas, com os nomes e fotos dos deputados que votaram a favor do projeito de lei que instituiu a prova de mérito, e acabou com o plano de carreira dos professores paulistas. O TRE só liberou o cartaz na sede da APEOESP. Eu acho que estava mais do que na hora de colocarmos os nomes e fotos dos safados que votaram o projeto do anastasia (com letra minúscula mesmo). Acho mesmo que tem que ser enviado por email para cada professor, pois tenho para mim que o TRE-MG vai decidir a mesma coisa.

Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis."


Comentário do Blog: Tem toda razão, João Paulo. Então, quem quiser poderá copiar a relação completa dos deputados que votaram contra as emendas dos educadores na ALMG. Ela foi publicada no boletim Informa nº 18 do Sind-UTE-MG. Para copiá-lo clique aqui.

* * *

Incorporo ao texto central e agradeço ao Coletivo Fortalecer Sindi-Rede/BH a manifestação de apoio a mim e aos colegas da rede estadual de Minas demitidos em plena vigência da Lei Eleitoral.

"Coletivo Fortalecer Sind-Rede/BH:

Olá, Profº Euler Conrado e demais trabalhadores em educação da rede estadual de MG, divulgo neste espaço a minha solidariedade e apoio à luta pela justiça e contra às perseguições que vocês estão sofrendo.

Divulguei no blog que coordeno:
http://coletivofortalecer.blogspot.com/2010/09/demissoes-e-remocao-na-escola-do.html".

4 comentários:

  1. João Paulo Ferreira de Assis9 de setembro de 2010 10:08

    Prezado amigo Professor Euler

    O DEM e o PSDB ingressaram no TRE-SP contra a APEOESP, e esta foi proibida de colocar um cartaz nas escolas, com os nomes e fotos dos deputados que votaram a favor do projeito de lei que instituiu a prova de mérito, e acabou com o plano de carreira dos professores paulistas. O TRE só liberou o cartaz na sede da APEOESP. Eu acho que estava mais do que na hora de colocarmos os nomes e fotos dos safados que votaram o projeto do anastasia (com letra minúscula mesmo). Acho mesmo que tem que ser enviado por email para cada professor, pois tenho para mim que o TRE-MG vai decidir a mesma coisa.
    Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Profº Euler Conrado e demais trabalhadores em educação da rede estadual de MG, divulgo neste espaço a minha solidariedade e apoio à luta pela justiça e contra às persiguições que vocês estão sofrendo.

    Divulguei no blog que coordeno:
    http://coletivofortalecer.blogspot.com/2010/09/demissoes-e-remocao-na-escola-do.html

    ResponderExcluir
  3. BOA NOITE EULER. HOJE A SRE DE NOVA ERA RECEBEU UM FUNCIONARIO DA SEE QUE VEIO FALAR SOBRE O NOVO PLANO DE CARREIRA( SO COISA BOA É CLARO). NADA ALEM DO QUE JA SABEMOS. DISSE QUE AQUELES PENDURUCALHOS TINHAM QUE CAIR MESMO, QUE EMOS QUE INOVAR( POR QUE NAO INOVAM PAGANDO UM SALARIO DIGNO). QUE PODEREMOS ESCOLHER ENTRE A CARREIRA ANTIGA E A NOVA E QUE NAO HAVERA CONCURSO PARA AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS POIS O ULTIMO AINDA TRAMITA NA JUSTIÇA. TUDO UM MAR DE ROSAS,NOS RECLAMAOS DE BARRIGA CHEIA.COMO E BOM PARA OS PROFESSORES ESSA ATUAL GESTAO!
    AH, QUANTO A LISTA DE DEPUTADOS EU JA COLEI NA ESCOLA FAZ TEMPO, LOGO QUE FOI DIVULGADA E RECEBI POR EMAIL. MAS MESMO ASSIM PENSO QUE EM CADA REGIAO UM GRUPO DE REPRESENTANTES DO SINDIUTE DEVERIA VISITAR AS ESCOLAS E TRABALHAR EM PROL DA NAO VOTAÇAO NO AFILHADO DO FARAÓ.A CAMPANHA DELE VEM CRESCENDO E ALGO PRECISA SER FEITO.
    UM ABRAÇO.
    ANGELICA

    ResponderExcluir
  4. Sérgio Adriano Nogueira12 de setembro de 2010 01:54

    Olá Euler, tudo bem.
    Que a sua remoção compulsória, em pleno período eleitoral soa como represália, isso não tem dúvidas.
    Mas não é novidade para ninguém também que o (des)governo mineiro já vem tentando acabar com os CESECS a um bom tempo.
    Abraços,

    ResponderExcluir