quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Debate de Minas: confesso que eu dormi


Vanessa e Fabinho, excluídos "democraticamente" dos debates na TV.


Não sei se pelo clima chuvoso e gostoso, que trouxe aquele friozinho que nos convida a ficar debaixo da coberta; ou ainda, se pelo fato de que poucos minutos antes eu havia acabado de devorar um prato de macarrão com pedaços de linguiça frita e molho de tomate; mas o fato é que, devo confessar, passei a maior parte do debate entre os candidatos ao governo de Minas num outro planeta bem distante da Terra.

E olha que na escola hoje (ou ontem) a noite meus colegas professores, eu e mais alguns alunos havíamos comentado sobre as eleições e sobre o debate que aconteceria logo mais na TV Globo. Para a maioria dos mortais que acordam às 5h30m da madrugada para cumprir a louca jornada de trabalho de uma herança produtiva ainda ligada aos primórdios da Revolução Industrial - como é difícil alterar certas heranças! - o horário do início do debate era impeditivo: quase 11h da noite. Para mim, noctívago incorrigível, até que não. A noite apenas começara em tal horário. Apesar disso, os fatores mencionados acima, somados ao cansaço acumulado acabaram por dar guarida àquele sono despreocupado, leve, de quem aparentemente não tem nenhuma outra preocupação na vida senão curtir cada segundo daquele momento de deleite e de viagem que um bom sono é capaz de produzir.

Mas, não vou negar também que entre uma viagem sonífera e um despertar momentâneo, próprio de guerreiros que mantêm sempre aberto um olho quando cochila, acabei assistindo recortes das falas dos candidatos. É uma pena que a Vanessa Portugal do PSTU e o Fábio Bezerra do PCB tenham sido excluídos dos debates pela TV. Seguramente eles teriam muito a acrescentar. O Fabinho esteve no nosso encontro metropolitano em Vespá na parte da manhã e contribuiu com uma rica análise da nossa greve e do movimento dos educadores em Minas. Na parte da tarde quem falou foi justamente a Vanessa Portugal, que deu uma aula de política centrando sua fala na Educação pública que deve ser buscada, e não aquela que é praticada hoje pelos diversos governos. Os dois, Fabinho e Vanessa, excluídos pela limitada democracia vigente, fariam grande diferença nos debates.

O candidato afilhado do faraó não conta com os debates para tentar se (re)eleger. Sua campanha é de marketing, assim como a imagem do faraó, que foi construída nos últimos oito anos pela mídia, pelo uso da máquina estatal e por grandes gastos financiados pelas empreiteiras e outros patrocinadores das campanhas eleitorais. As respostas do afilhado lembram aquele aluno que decora a sua fala quando tem que apresentar um trabalho escolar.

O candidato do PMDB-PT tenta recuperar o terreno perdido pela inabilidade e falta de ousadia em estabelecer um confronto direto com o projeto neoliberal do faraó e afilhado. O problema é que os interesses em jogo entre as duas candidaturas são muito afins e isso acaba criando uma oposição consentida. As críticas corretas que agora são feitas, como os bilionários gastos em obras faraônicas no lugar de investimento nas obras sociais - educação, saúde, etc -, talvez não tenham mais o mesmo efeito que se tivessem sido trabalhadas ao longo da campanha, ou mesmo antes, durante os dois mandatos do governador-faraó. O candidato do PMDB-PT, com voz de repórter global, fala mais espontaneamente, mas com pouco conteúdo.

Até mesmo na questão da Educação, embora o candidato do PMDB-PT critique a política de achatamento salarial que atingiu os educadores, não consegue firmar compromissos claros com este setor. Disse que pagará salário pelo menos maior do que aquele que é pago pelo estado de Alagoas (ou seria Sergipe? Posso estar enganado em relação ao estado), onde, segundo ele, o professor recebe R$ 1.012,00. Ora, se quisesse aproveitar a deixa, o candidato-afilhado diria que as novas tabelas para janeiro de 2011 são melhores do que esse salário. Por que será que em nenhum momento o candidato do PMDB-PT disse claramente: vou pagar o piso de R$ 1.312,00 sem cortar as gratificações? Analisando retrospectivamente, esse foi um dos motivos pelos quais os professores não assumiram com entusiasmo a candidatura do PMDB-PT, embora seja público e notório que a grande maioria dos educadores de Minas não votará no afilhado.

O candidato do Psol, nessa reta final de campanha, começou a apresentar um discurso mais desenhado e não mais uma mensagem acadêmica afastada das realidades concretas. Fez críticas consistentes aos governos e com isso contribuiu para o debate, embora saiba que não tem chance alguma para concorrer, eleitoralmente falando. Ele elogiou, por exemplo, as paralisações dos educadores de Minas, mesmo não conhecendo com mais detalhe sobre as realidades e demandas do nosso glorioso movimento.

O candidato do PV faz aquela oposição mais que consentida ao governo do afilhado e aproveita para divulgar a campanha da candidata Marina, inflada pela mídia demotucana para tentar jogar as eleições para o segundo turno. Não se surpreendam se futuramente o candidato do PV for convidado para assumir alguma secretaria de estado pelo futuro governante, seja ele quem for, para depois concorrer a alguma prefeitura. Os políticos profissionais não sobrevivem muito tempo sem cargos de confiança ou mandatos. O mesmo, nesse caso, se aplica aos outros dois candidatos: o afilhado e o do PMDB-PT.

Amanhã terei a oportunidade de ouvir e de ler sobre as impressões de quem viu e ouviu o debate integralmente. Durante a tarde de ontem eu havia levado o meu tanque de guerra para um mecânico conhecido e tive a grata surpresa de que o defeito era mais simples do que imaginávamos, me custando apenas R$ 12,00 - e isso, convenhamos, até mesmo o minguado salário-de-professor-de-Minas (assim mesmo, tudo junto) dá pra pagar. As marchas do tanque voltaram a funcionar a todo vapor.

Observei também o esforço redobrado da mídia para empurrar as eleições para o segundo turno. O Datafraude conseguiu reduzir alguns pontos percentuais da Dilma, aumentou um ponto para Serra e dois para Marina e chegou à conclusão mirabolante de que, consideradas as margens de erro nas pesquisas, poderá haver segundo turno. As mesmas margens de erro aplicadas em direção oposta podem garantir robusta vitória da candidata Dilma no primeiro turno, mas isso não é dito pelo jornaleco demotucano.

Vamos aguardar agora pelo último debate, o de quinta-feira, entre os candidatos à presidência, quando eu seguramente estarei acordado em tempo integral. E atento às manobras golpistas da TV Globo e demais meios das famíglias que ainda dominam a mídia brasileira. E que espero, isso esteja com os dias contados, para o bem da democracia e da liberdade de imprensa e de expressão.

* * *

P.S.: Recebemos um e-mail da nossa colega professora do Rio de Janeiro Graça Aguiar que lamentou não poder participar do nosso encontro por razões mais do que justificadas, mas se comprometendo a participar do próximo encontro e parabenizando a todos os colegas de Minas pela nossa luta. Agradecemos a manifestação da combativa colega Graça Aguiar, que apesar de não poder contribuir pessoalmente com os debates no encontro, já o faz por outros meios, inclusive pela Internet, através dos blogs que coordena, entre os quais o S.O.S Educação Pública.


P.S.2 - Por falar em blog, antes de começar os diálogos do nosso glorioso encontro, em conversa com a colega Beatriz Cerqueira, coordenadora geral do Sind-UTE, sugeri que ela criasse um blog para ela. Ela disse que já havia pensado nessa possibilidade, e que a partir de outubro, quando tivesse mais tempo, poderia fazê-lo. Tem todo o nosso apoio para tal iniciativa. E pela liderança que ela exerce junto à categoria, seguramente será um dos blogs mais visitados da rede.

* * *

Incorporo ao texto central o comentário do nosso colega e amigo professor João Paulo:

"João Paulo Ferreira de Assis :

Prezado amigo Professor Euler

Aviso de utilidade pública: no blog do Azenha (Vi o Mundo) há uma menção ao post ''campanha dos e-mails falsos'', que está no blog Sejaditaverdade. São treze emails que foram colocados para difamar a Dilma, inclusive um que fala sobre a ação que uma lésbica teria entrado para receber pensão da Dilma. Só que o advogado mencionado no e-mail não existe! Não consta dos registros da OAB! A acusação de que Dilma ''matou'' o Mário Kozel Filho não resiste à menor análise. Como numa caminhonete iria caber 10 pessoas e 50 quilos de dinamite? Dilma estava em Belo Horizonte na época. E o fato foi em Quitaúna SP. O ''apoio'' do Hugo Chávez também não existiu. Fizeram uma montagem de um vídeo em que Hugo Chávez falava para uma plateia toda vestida de vermelho. Bom, tem outros esclarecimentos no sejaditaverdade. O blog do Azenha tem os linques.

Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis."

Leiam também:

- Blog Ocupação Dandara:"COMUNICADO URGENTE: Acampamento na PBH"

- Blog do COREU:
"NA ESPANHA RETIRAR DIREITOS PROVOCA GREVE GERAL (Wladmir Coelho)"


2 comentários:

  1. João Paulo Ferreira de Assis29 de setembro de 2010 15:17

    Prezado amigo Professor Euler

    Aviso de utilidade pública: no blog do Azenha (Vi o Mundo) há uma menção ao post ''campanha dos e-mails falsos'', que está no blog Sejaditaverdade. São treze emails que foram colocados para difamar a Dilma, inclusive um que fala sobre a ação que uma lésbica teria entrado para receber pensão da Dilma. Só que o advogado mencionado no e-mail não existe! Não consta dos registros da OAB! A acusação de que Dilma ''matou'' o Mário Kozel Filho não resiste à menor análise. Como numa caminhonete iria caber 10 pessoas e 50 quilos de dinamite? Dilma estava em Belo Horizonte na época. E o fato foi em Quitaúna SP. O ''apoio'' do Hugo Chávez também não existiu. Fizeram uma montagem de um vídeo em que Hugo Chávez falava para uma plateia toda vestida de vermelho. Bom, tem outros esclarecimentos no sejaditaverdade. O blog do Azenha tem os linques.
    Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir
  2. quero deixar meu recado.
    professor inteligente, faz guerra com as armas certas. greve nao é brincadeira, nao interessa quanto tempo o salario de professores no estado esta defasado, a culpa agora é do anastasia, vamos tira-lo. e se o helio nao prestar, tiramos ele tambem. temos de deixar de ser trouxa, nao podemos coadunar com pilantras, fora anastasia, nao tem conversa, com que compra tj, midia e tudo mais, banana para anastasia, vamos votar em helio costa que realmente tem condições de vencê-lo, nao sejamos motivos de chacota, a classe nao pode continuar com uma atitute infantil, briga hoje e faz as pazes amanha. deixa de ser trouxa, helio costa para derrotarmos o anastasia, este é o gosto da vitoria pelas inumeras investidas contra nossa classe. vamos demonstrar no nosso voto a nossa força e derrubar anastasia. este é o meu pensar

    ResponderExcluir