terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Piso sonegado revela falência dos instrumentos de poder em Minas e no Brasil


A combativa LAECE de Coronel Murta (Vale do Jequitinhonha) deixou o cartão acima para os colegas de luta.


Piso sonegado revela falência dos instrumentos de poder em Minas e no Brasil

Qualquer forma de organização é um instrumento de poder - isso todos sabem. Um sindicato é um instrumento de poder. Quando ele é controlado há três décadas por um único grupo político, mostra que sua essência é caracterizada por pouco respeito à democracia e às diferenças existentes na categoria que ele representa. Os partidos são instrumentos de poder, assim como o estado dito democrático, que supostamente funcionaria, segundo a fórmula de Montesquieu, separado entre três poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário. Teoricamente este formato, guardada a relativa autonomia entre si, manteria o equilíbrio e a harmonia necessários para que nenhum deles praticasse abusos, e acima de tudo, para que todos correspondessem às demandas da maioria da população. "Todo poder emana do povo", é o que diz a Carta Magna do país.

Uma coisa, contudo, são as palavras; a outra, bem diferente, é o que a prática revela. A prática, diziam os marxistas, é o critério da verdade. E esta prática revela que os poderes constituídos estão falidos. O piso salarial dos professores e demais educadores, sonegado, burlado, roubado, é mais uma robusta prova de que o estado brasileiro se tornou a sua negação. Claro que existem inúmeras outras provas deste confisco da cidadania, que se expressaria teoricamente na forma moderna de democracia ocidental. Poderíamos aqui, por exemplo, citar a grande mídia como a expressão da negação da liberdade de opinião e de imprensa. Mas, o nosso foco aqui é o piso, e portanto, é sobre ele - e sobre o que a sua negação revela - que falaremos.

Um dos papéis essenciais do estado enquanto instrumento de poder concedido, ou seja, aceito e eleito pela maioria para que a represente, é que este estado cumpra o seu dever de prestar serviços públicos essenciais de qualidade para todos. A Educação pública de qualidade é um destes serviços. Talvez o principal, porque sem uma formação humana e técnica adequada, estamos sentenciando milhões de pessoas a condições desfavoráveis para lidar com o próximo e com os desafios da vida no cotidiano.

Sonegar à população, especialmente à maioria pobre, o direito ao ensino de qualidade, é burlar, é sonegar, é solapar aquilo que esta população, através dos seus representantes constituintes, transformaram em lei maior, através da Constituição Federal, e também através das leis federais voltadas para implementar a norma constitucional aprovada pela maioria. E quando se fala em educação de qualidade estamos falando diretamente dos seres humanos que são os responsáveis por esta educação. Estamos falando dos profissionais da Educação. Não é à toa que muito sabiamente a Carta Magna e toda a legislação educacional vigente no país associam diretamente qualidade na Educação com valorização dos profissionais da Educação. Trata-se de um princípio de estado, que governo nenhum tem autonomia para mudar.

Produzir educação depende de pessoas. O espaço físico é importante; os instrumentos ou equipamentos de trabalho são importantes; mas, eles não existem, não funcionarão, se não forem usados por profissionais motivados, preparados humana e tecnicamente, e, na realidade concreta, remunerados adequadamente. Como o conceito de remuneração adequada é muito relativo e complexo, o legislador criou uma forma objetiva e direta de materializar este conceito: o piso salarial profissional nacional. É o que encontramos no parágrafo VIII do artigo 206 da Constituição Federal. Aliás, no texto original - depois desdobrado em mais de um artigo - valorização profissional, plano de carreira e piso profissional vinham juntos, num mesmo artigo. Seria este, portanto, o mecanismo através do qual o estado promoveria a valorização dos profissionais da Educação. Claro está que outras ações, como a formação continuada, além de adequadas condições de trabalho, deveriam se fazer acompanhar desta primeira e essencial medida.

Portanto, o piso salarial não é uma palavra oca, que pudesse ser manuseada ao bel prazer de qualquer governozinho ou qualquer assembleia legislativazinha. Nada disso. O piso profissional dos educadores é o instrumento essencial para a valorização profissional prevista na Carta Magna do país, na legislação educacional, e regulamentado por uma lei federal específica, a Lei 11.738/2008.

Esta lei federal define o conceito de piso - enquanto vencimento básico, salário inicial, sobre o qual incidirão as gratificações e vantagens; define a jornada de trabalho, com dois complementos: o primeiro, o de que o valor piso terá que ser o valor mínimo para remunerar uma jornada máxima de até 40 horas semanais. Reparem que aqui o legislador estabeleceu dois extremos: o valor mínimo do piso e o valor máximo de uma jornada de trabalho. Os governos inverteram estes critérios: o valor mínimo do piso tornou-se o máximo que eles se veem obrigados a pagar (e nem isso cumprem); e o tempo máximo para uma jornada de trabalho, expresso claramente no termo "até 40 horas", tornou-se um tempo absoluto. Ou seja, os governos, ao invés de pagarem no mínimo o valor integral do piso para qualquer jornada dentro do limite estabelecido por lei, incluindo a jornada menor que 40 horas, dizem querer pagar somente o valor proporcional ao tempo máximo de 40 horas. Mas, infelizmente, a própria lei do piso abre essa brecha. E o segundo critério em relação à jornada de trabalho é em relação ao terço de tempo da jornada, que deve ser dedicado aos trabalhos extraclasse.

Além desses pontos essenciais, a Lei do Piso ainda define as datas da implantação do piso, a obrigação dos governos de criarem planos de carreira ou adaptarem os planos existentes à Lei Federal do piso; define ainda a fonte de financiamento, incluindo a cooperação entre os três entes federados; além do reajuste anual do piso de acordo com o aumento do custo aluno-ano.

Os governos estaduais e municipais, na sua maioria, com a conivência do governo federal e dos demais poderes constituídos, não cumprem o que está estabelecido em lei. O piso salarial no estado de Minas Gerais, por exemplo, foi burlado descaradamente, transformado em remuneração total através desta forma jurídica chamada "subsídio". Se é verdade que esta forma esteja prevista na Carta Magna - aliás, prevista originalmente apenas para os cargos de confiança, e somente a posteriori estendida a outros setores -, não é menos verdade que o legislador, ao desenvolver uma política específica para os profissionais da Educação tenha excluído o subsídio enquanto possibilidade de remuneração para o piso salarial dos educadores. Esta é uma tese que o Bacharel em Direito Marcus Guerra, com outras e mais apropriadas palavras, defendeu aqui no blog. É uma tese que eu também advogo, e que parece consenso para todos os profissionais da Educação de Minas e do Brasil.

O legislador foi muito objetivo ao criar a lei 11.738 quando definiu o piso enquanto salário inicial. Ele poderia ter deixado esta questão em aberto, mas não o fez. Pelo contrário: fez questão de assegurar que a partir de janeiro de 2010 nenhum governo poderia deixar de pagar o piso enquanto vencimento inicial. O legislador não deixou a cargo dos governos estaduais escolherem se o piso poderia ter este conteúdo de salário base, ou se poderia ser pago enquanto remuneração total. Mas, na dúvida, caberia o questionamento na Justiça, coisa que cinco desgovernadores fizeram, para procrastinar a aplicação do piso, através da ADI 4167. O ponto central desta ADI era justamente o de esclarecer o conceito do piso salarial profissional dos educadores: se seria vencimento básico, sobre o qual incidiriam as gratificações, ou se seria o conceito mais amplo, enquanto remuneração total, não importando qual o formato pudesse adquirir: subsídio, soma nominal de vencimento básico e gratificações, ou modelo único de remuneração.

E o STF, a mais alta Corte judicial do país, passados quase três anos da aprovação da Lei do Piso, em abril de 2011 finalmente se pronunciou a este respeito, de forma categórica e irrecorrível: piso é vencimento básico, e não remuneração total. Apesar deste pronunciamento definitivo acerca do teor de uma lei que havia sido aprovada em 2008 - e a qual traz muito claramente este conceito de piso considerado constitucional pelo STF -, o que fizeram o governo de Minas Gerais e o legislativo regional? Justamente aquilo que a Lei Federal e o STF consideram inconstitucional, ou seja, alteraram a legislação estadual para impor o piso enquanto remuneração total. De forma descarada, afrontando a legislação vigente e a decisão judicial da alta Corte do país, o governo de Minas, com a anuência do legislativo mineiro, burlou a aplicação da Lei do Piso, criada para valorizar nacionalmente os educadores e, com isso, assegurar ao cidadão mineiro e brasileiro uma educação pública de qualidade.

Por esta breve análise se pode perceber como todas as peças se encaixam, ou se desencaixam, demonstrando o quanto está invertida a essência dos poderes constituídos, que deveriam prezar pela garantia do interesse público - interesse este consubstanciado no texto aprovado na Carta Magna e na legislação federal vigente, e que prevê que o estado promova uma educação de qualidade para todos; e que para isso é necessário valorizar o profissional da Educação; e que para isso é preciso pagar um piso salarial profissional para estes educadores; e que o piso é salário inicial, não remuneração total.

O governo de Minas e todos os demais que descumprem estes preceitos se encontram na ilegalidade. Numa democracia razoavelmente séria, eles deveriam ser punidos por isso. Mas, aqui, na inversão de valores e de princípios, os punidos são os profissionais da Educação, que ficaram meses com salários cortados e reduzidos, e vão receber, no lugar do piso e das gratificações a que fazem jus, um subsídio - ou modelo unificado de remuneração, que é a soma de remuneração total, e cuja consequência, ou cuja essência, é o confisco salarial e de direitos adquiridos. Nem vamos entrar aqui no mérito sobre as perdas que tal forma de remuneração provocam, como a não aplicação do reajuste anual do piso, além do confisco que houve na própria conversão do antigo sistema para o novo sistema.

Num país como o Brasil, e num estado como Minas Gerais, estas coisas são tidas como normais, enquanto a maioria da população, diretamente ou através de instrumentos de organização que a represente, não se rebelar contra essa sonegação de direitos. Se os meios jurídicos e os instrumentos de poder existentes não forem capazes de fazer cumprir o que manda a legislação vigente, terão os de baixo o legítimo direito - e o dever até - de buscar outros meios para que seus direitos sejam assegurados.

Por enquanto, estamos aguardando uma atitude da direção sindical que deveria representar os interesses da categoria e contratar uma boa assessoria jurídica para responder com competência a essa agressão de que fomos vítimas. Mas, realizado este esforço - o que ainda não se verificou, infelizmente, pois a prioridade parece ser o congresso de fevereiro na turística cidade de Araxá -, e caso o judiciário ou o ministério público federal se omitam ou fujam à responsabilidade atribuída pela Carta Magna, teremos que rediscutir e questionar seriamente um novo caminho para Minas e para o Brasil - e para o mundo também. Quando os instrumentos de poder usurpam os direitos daqueles aos quais dizem representar é dever moral e direito legítimo dos de baixo buscarem outros caminhos.

Um forte abraço a todos e força na luta! Até a nossa vitória!

***

95 comentários:

  1. Concordo com você companheiro!
    VALADARES NA LUTA.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia a todos os amigos do NDG/NDE.
    Bom dia amigo Marechal Euler NDG/NDE.

    Esse texto merece ser divulgado em todo o Brasil e em todo o mundo, em vários idiomas.
    Precisamos revelar essas realidades e verdades obscuras (?!?!) no Brasil.

    MINAS GERAIS: UMA VERGONHA NACIONAL.

    AÉCIO E ANASTASIA: O PROTÓTIPO DO MAL (OU O MAL MUITO BEM ACABADO?).

    BRASIL: UMA VERGONHA INTERNACIONAL.

    TODOS CONIVENTES, COM MUITO POUCAS EXCEÇÕES.

    EULER: VOCÊ É NOSSO HERÓI! CONQUISTOU O RESPEITO E A ADMIRAÇÃO DE TODA CATEGORIA E DE TODAS AS PESSOAS DE BEM.

    Izabel/Geografia

    ResponderExcluir
  3. euler parabens pelo seu texto, nossa esperança é voce colega.
    estamos com tigo, e faremos o que voce achar correto. a nossa classe está muito sofrida, desmotivada, como vamos iniciart um novo ano letivo, sem piso, com o sálario minimo passando a mais de 600,00. estamos praticamente ganhando sálario mínimo.
    o sul de minas esttá com voce, que tenhamos um 2012 melhor .
    abços
    não podemos esquecer dos traidores, aqui lembramos dalmo ribeiro, capacho do governador, mas ele vai ter o que merece.
    força companheiro

    ResponderExcluir
  4. Deputados inimigos da Educação pública e dos educadores:

    Alencar da Silveira Junior, Ana Maria Resende, Anselmo José Domingos, Antônio Carlos Arantes, Antônio Genaro, Antônio Lenin, Arlen Santiago, Bonifácio Mourão, Bosco, Célio Moreira, Dalmo Ribeiro, Deiró Marra, Délio Malheiros, Doutor Viana, Doutor Wilson Batista, Duilio de Castro, Carlos Henrique, Carlos Mosconi, Cássio Soares, Fabiano Tolentino, Fábio Cherem, Fred Costa, Gilberto Abramo, Gustavo Corrêa, Gustavo Valadares, Gustavo Perrella, Hélio Gomes, Henry Tarquinio, Inácio Franco, Jayro Lessa, João Leite, João Vitor Xavier, José Henrique, Juninho Araújo, Leonardo Moreira, Luiz Carlos Miranda, Luiz Henrique, Luiz Humberto Carneiro, Luzia Ferreira, Marques Abreu, Neider Moreira, Neilando Pimenta, Pinduca Ferreira, Romel Anízio, Rômulo Veneroso, Rômulo Viegas, Sebastião Costa, Tenente Lúcio, Tiago Ulisses, Zé Maia, Duarte Bechir.

    ResponderExcluir
  5. Oi Euler e demais seguidores.

    Às vezes fico perguntando a mim mesma, será que quem criou a tal lei do piso não poderá interceder por nós? Então por quê criaram e permitem tal coisa?
    Como pode , alguém cria algo e um menor o desmente num poderio abaixo do criador da lei e o mesmo não reage?
    Mas tenho fé em DEUS, o ano de 2012 promete!
    Se todos os educadores de minas , não reagirem contra este tirano, são todos um bando de covardes, egoístas e hipócritas.
    Minas terá que tremer, mas tremer mesmo. Esse governo vai sentir na pele o seu fracasso e sua tirania.
    Temos que abraçar esta causa.
    Como já falou o nosso defensor Rogério Correia: se ele pensa que está resolvido esta situação, está redondamente enganado. E digo mais, Minas em peso está sentido este gosto amargo e com certeza irá agir!
    Um grande abraço. Marlene (Professora)

    ResponderExcluir
  6. Companheiros do NDG,
    parece que o discurso que afirma que um país para alcançar um indice de desenvolvimento estável e sólido deve incestir em educação voltou a estar na moda depois que o Brasil tornou-se a 6ª economia do mundo. No entanto o maior desafio do nosso país é sair do discurso e partir para a prática. Não existe educação técnica nem superior de qualidade se não houver uma base de qualidade. Ensino fundamental e médio de qualidade ministrado por profissionais motivados, qualificados e bem remuinerados. Esta é a receita para nosso país crescer economicamente e se desenvolver socialmente. Mas, diante da atual conjuntura, parece que interessa somente números falsos, estatísticas de aprovação e não aprendizagem real. O que adianta alcançar 100% de aprovação se meus alunos (alguns deles)não sabem se quer escreve seu próprio nome? Enfim, a luta será árdua em 2012!
    Educadora tocantinense.

    ResponderExcluir
  7. Caro(a) Servidor(a),
    As escolas mineiras têm alcançado, ano a ano, resultados cada vez mais significativos
    nas avaliações do Governo Federal e também nos programas estaduais. Os testes do
    Proalfa 2011 comprovaram que continua aumentando o número de crianças mineiras
    que leem e escrevem corretamente aos 8 anos de idade. Já são 88,9% os alunos do
    3º ano do ensino fundamental que dominam a leitura e a escrita. Este é um número
    muito bom, mas só estaremos totalmente felizes quando todos os estudantes
    alcançarem o nível recomendado.

    Os avanços têm que ser celebrados, sem que esqueçamos que há muito por fazer, e
    que muito deve ser esperado, nas mais diversas áreas, da responsabilidade que cabe
    a todos nós. Entendemos que a política unificada de remuneração para a educação,
    aprovada em 23.11.2011 pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais, constitui um
    passo importante, ainda que deva ser seguido, como o será, de outras iniciativas.
    O modelo unificado de remuneração proposto pelo Governo de Minas, e que já existe
    em outros Estados, é uma evolução. É mais transparente, mais eficiente do ponto de
    vista administrativo e, aqui está sua importância maior, indica o esforço permanente
    em favor da garantia de melhores condições salariais a todos os profissionais da
    educação, preservando a progressão na carreira por tempo de serviço e a promoção
    por escolaridade.
    . Na tabela de transição, o piso foi aplicado
    em todos os níveis e graus, observando-se que os benefícios, vantagens e
    gratificações alcançadas ao longo da carreira, tais como biênios e quinquênios, serão
    incorporados à remuneração.
    Em decorrência da Lei de Responsabilidade Fiscal, a implantação definitiva e total da
    nova tabela remuneratória será gradativa e se completará em 2015. essaltamos que gratificações, como o “pó de giz”, que, pelo modelo antigo de
    remuneração, eram perdidas no momento da aposentadoria ou nos casos de licença
    médica ou licença maternidade, passarão a ser igualmente incorporadas, lembrando
    que o posicionamento dos servidores no modelo unificado de remuneração ocorrerá
    com a incorporação do total das vantagens.
    Além disso, a partir de 2012 começará a ser implantado o sistema que destina 1/3 (um
    terço) da jornada semanal dos professores a atividades extraclasse. Informações sobre o modelo unificado de remuneração e sobre o conteúdo do Projeto
    de Lei aprovado pela Assembleia Legislativa estão disponíveis no sítio institucional da
    Secretaria de Estado de Educação, no endereço https://www.educacao.mg.gov.br.
    Além disso, a partir de 20 de janeiro de 2012 será possível acessar verificador do novo
    posicionamento a partir do Portal do Servidor (https://www.portaldoservidor.mg.gov.br)
    e dos sítios institucionais das secretarias de Estado de Educação e de Planejamento e
    Gestão.
    Além disso, a partir de 20 de janeiro de 2012 cada servidor receberá uma
    correspondência da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão em que sua
    remuneração individual será detalhada.
    Estamos certos de que tais avanços serão reconhecidos pelos profissionais da
    educação. Partilhamos todos da mesma visão, que entende a educação, em todas as
    suas dimensões, como o mais consequente dos instrumentos para a construção de
    uma sociedade justa e desenvolvida.
    Ana Lúcia Almeida Gazzola
    Governo do Estado de Minas Gerais É PRÁ RIR OU CHORAR????????????????

    ResponderExcluir
  8. Olá Euler, sou Dalgiza de Divino, ando sumida sim, muita decepção com tudo o que aconteceu. Ando lendo o blog, mas falta ânimo para comentar. Quero desejar-lhe um excelente 2012, que Deus o proteja e nunca perda esse seu otimismo. Por favor, mande um abraço para a Maria José Santos( Zezé), professora de História e sua fã nº 1. ela trabalha comigo e é apaixonada por você ...

    ResponderExcluir
  9. Euler, será que está na pauta do Congresso em Araxá a questão levantada por você sobre o setor jurídico do sindicato...

    ResponderExcluir
  10. Euler, maravilhoso texto!!!
    Já disse aqui antes que sua inteligência, sua capacidade de raciocínio e de expressão etc...
    lhe permitiriam escolher qualquer uma entre várias
    outras profissões, mas para a nossa sorte você é um
    EDUCADOR, o que nos honra imensamente.
    Você é miiiiiiiiiiiiiil.
    Maria de Lourdes

    ResponderExcluir
  11. Bom dia, caro Euler! Eu e minha mulher participamos da greve dos 112 dias em 2011. Assim como milhares de colegas, não teremos férias no janeiro próximo. Sabemos que nossas atitudes têm reflexos imediatos ou tardios em nossas vidas, então não há o que reclamar. O que nós pensamos é se realmente vale a pena fazer outro movimento de greve em 2012. O governo vai nos desgastar como fez nesse ano e depois vai entrar na 'justiça' contra a nossa greve e irá contratar 'colegas' para nos substituir. O que queremos e acreditamos é na contratação de uma equipe jurídica profissional e conhecedora dos trâmites de Brasília(STF) para derrubar essa famigerada Lei do Subsídio. Se isso não der certo, é melhor abandonarmos a docência no Estado de Minas.Um abraço!

    ResponderExcluir
  12. EULER,
    SABERIA NOS INFORMAR SOBRE AS AÇÕES DO PISO QUE O SIND UT ENTROU NA JUSTIÇA?
    EM QUE PÉ ELAS ESTÃO?
    OBRIGADA, MAIS UMA VEZ, POR ESCLARECER, JÁ QUE NINGUÉM OU QUASE NINGUÉM O FAZ......

    ResponderExcluir
  13. Oi Euler
    Vamos continuar firmes na luta pelo nosso direito!
    Não vamos desanimar.

    Continue com seu ótimo trabalho!
    Um abraço

    Carolina
    BH

    ResponderExcluir
  14. Oi Euler

    Parabéns pelo texto!
    Eu estou esperançosa que ainda vamos conseguir a vitória!
    Somos profissionais e devemos receber um salário digno e condizente com nosso trabalho... e não esses miseros mil reais que recebemos.

    Abraço
    Ana

    ResponderExcluir
  15. Caros Colegas,esse texto tinha que ser publicado na FOLHA DE S. PAULO ou em qualquer outro jornal de circulação nacional.

    EDUCADORA MINEIRA

    ResponderExcluir
  16. Oi EULER
    FIQUEI SABENDO QUE O GOVERNA DOR VAI MANTER A SAPUDA NA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POIS TERIA SIDo EFICIENTE NA LIDA COM OS PROFESSORES EM GREVE.É verdade ou quem me contou estava querendo pregar uma peça nesta sofrida servidora?NÃO FIQUEI SABENDO DE NADA PORQUE ESTIVE ACOMPANHANDO MEU MARIDO NO HOSPITAL NOS ÚLTIMOS DIAS.

    ResponderExcluir
  17. Euler,
    Excelente texto!!
    Acho que termos que entrar na justiça por nossa conta e risco.Não quero e não posso mais esperar o sindicato.
    O tempo urge e não quero engoli esta de ser roubada e ficar fazendo cara de paisagem como se nada tivesse acontecendo.

    Depois de ler mais esta aberração da D.Gazolla percebo que teremos de nos unir para entrar na justiça, inclusive na justiça do trabalho.

    Articula isto para nós colega!!!Você tem todos os argumentos para fazer esta ação. Precisamos de um advogado para abraçar esta causa e acho que vc já encontrou!!!

    Um abraço e que possamos entrar 2012 com os dois pés na justiça para reaver nosso PISO!

    ResponderExcluir
  18. Parabéns Euler por mais este AUTÊNTICO texto.

    (...) A VERDADE SEMPRE PREVALECERÁ SOBRE A MENTIRA.

    A MENTIRA EXISTE PARA SER DESMASCARADA.

    ELES ESCOLHERAM O CAMINHO DA MENTIRA E DA FALSIDADE.

    ELES CHEGARÃO AO FINAL DESTE CAMINHO ESCOLHIDO EM UM MAR DE IMORALIDADES.

    E POR LÁ FICARÃO.

    PORQUE LÁ É O LUGAR DELES.

    TUDO É CONCEDIDO SEGUNDO AS NOSSAS ESCOLHAS.(...)

    Gostaria de ter informações sobre o andamento da representação ao MPF.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  19. Olá, Euler
    Concordo que precisamos usar a Justiça Nacional como caminho para o sucesso. A greve só nos fragiliza.
    Lydia

    ResponderExcluir
  20. EStá na hora de nós, professores, pressionarmos o sindute para que tome providências sobre o piso. Afinal, ele é pago para isso. Para nos defender. E até agora, fizemos greve, ficamos sem salário, sem férias (e ele também não tomou nenhuma atitude a esse respeito ), estamos aí na miséria, com um direito nas mãos e sem ter ninguém para nos defender. ora, até quando vamos esperar pelo sindicato? Devemos tomar providências, inclusive, de não mais aceitar os diretores como nossos representantes, se for o caso. Euler, está na hora de fazermos uma mudança no sindicato. Ou eles nos defendem ou exigiremos a saída deles. Vamos pensar nisso.

    ResponderExcluir
  21. Meu sentimento é que fui USADA como uma peça e depois descartada. Tentamos, mas não deu....agora o problema é seu...sem dinheiro....sem descanso, pois estou repondo todos os dias, acredito que é a forma mais adequada de dar uma satisfação para os alunos e comunidades escolar.....sem esperança....me sinto usada.....descartada.....
    Quero urgente que o sindicato contrate os melhores advogados para lutar pela conquista do piso e não quero saber de congresso, palestra, ou seja o que for.....quero advogados capacitados para ganharem o PISO. Sinto-me humilhada e gostaria de entrar na justiça por danos moarais....seja contra quem for....

    ResponderExcluir
  22. Caros colegas,

    O silencio do sindicato e da Bea é revoltante!
    Congresso em fevereiro? Quem sera o convidado(a) de honra dessa vez? Outra sapuda?
    Ah ta! Então tá! Com o nosso dinheiro?
    Não dá para aceitar isso!

    ResponderExcluir
  23. Olá, Euler
    Gostei de tudo que vc escreveu neste texto. Esta análise já havia feito mentalmente assim que li a respeito da nova imposição da Lei do subsidio e agora, sem aquela máscara de democracia: vc aceita este modelo de pagamento se quiser se não... vc tem o direito de permanecer no antigo modelo. E que que vc, prof. Euler, brilhentemente escreveu e se pautou na historicidade da democracia e dos direitos adquiridos. Da relação entre os 3 poderes. Que pelas últimas imposições das leis salariais nos parece que somos órfãos do poder judiciário. Pois em tudo apoia o legislativo. Por isso vou ressaltar este trecho de sua fala:
    "O governo de Minas e todos os demais que descumprem estes preceitos se encontram na ilegalidade. Numa democracia razoavelmente séria, eles deveriam ser punidos por isso. Mas, aqui, na inversão de valores e de princípios, os punidos são os profissionais da Educação, que ficaram meses com salários cortados e reduzidos, e vão receber, no lugar do piso e das gratificações a que fazem jus, um subsídio - ou modelo unificado de remuneração, que é a soma de remuneração total"...
    E a minha geração de professores da década de 80, 90 que vimos tantos desmandos mas jamais uma imposição tão descarada e tão certa de que tudo que o governo faz tá certo... E até quando teremos um sindicato tão omisso às nossas verdadeiras reivindicações e que realmente lute para que nossos direitos adquiridos sejam respeitados?
    Parabéns,Euler por seu discurso e reforço as sugestões acima de publicar este texto em mídias de maior divulgação nacional.
    Sílvia

    ResponderExcluir
  24. Euler, somos trabalhadores que fomos prejudicados pelo não cumprimentode uma Lei por parte do Governador.Não seria possível uma ação junto ao Tribunal Superior do Trabalho em busca dos nossos direitos?

    ResponderExcluir
  25. É isso aí, professor euler! Quando meia dúzia de cabeças personificando os três poderes da República resolvem tomar atitudes que ferem os direitos e interesses da maioria que deveriam representar, interesses esses balizados pela Carta Magna, em nome de desejos inconfessáveis publicamente, o povo deve buscar formas alternativas de fazer valer seus direitos.
    Encontraremos uma saída. Nenhum representante(?) do povo deve pensar que irá continuar eternamente em uma zona de conforto eternamente, agindo seguidamente contra os direitos da maioria.

    ResponderExcluir
  26. Será que o SINDUTE/MG se corrompeu?
    Dalber Augusto
    Virginópolis

    ResponderExcluir
  27. Euler vc.disse tudo ... Tá na hora de largar o osso ... articulação e PT . Vamos tranformar nosso sindicato em um sindicato classista e de luta.

    ResponderExcluir
  28. Tenho uma sugestão para convidados do próximo congresso : Zé dirce com uma palestra sobre como arrecadar fundos para próxima greve.Quem sabe ele não arruma uma doação do BMG pro nosso fundo de greve.kkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  29. Silvânia afirma...
    O SINDUTE não está cumprindo sua OBRIGAÇÃO com a categoria! Perde todas as ações para o governo- hoje como ontem-, e nós pagamos a conta. Como pessoas esclarecidas temos que tomar as rédeas da situação. Ou 2011 será o ano que não acabou... GREVE só não dá lucro para OS-DE-BAIXO.

    ResponderExcluir
  30. pois é! aqui em Montes Claros os vereadores já votaram e aprovaram o aumento dos seus salários para 2013,de R$ 9.000,00 e mais alguns reais para R$14.000,00
    e mais alguns reais! é mole ou que mais! oH! política vagabunda essa nossa! ganhar isso para fazer nada! estamos nós cidadãos indignado com isso! a cidade é só buracos pelas ruas, uma sujeira danada!é impossivel trafegar pelas ruas sem cair nos buracos!esse é o nosso país!

    ResponderExcluir
  31. Sei que eh revoltante o descaso com os professores,mas nao vejo motivo para baixarmos o nivel nas palavras,comentarios sobre os inimigos da educacao. Ruim ver que tem colegas que usam expressoes nao apropriadas para educadores. Acho que nao ha necessidade de usarem expressoes ;apelidos como sapuda p a secretaria mesmo ela sendo uma traidora da educacao mineira. Somos educadores acima de tudo ,se queremos respeito ,nao devemos baixar ao nivel de deseducadores. Podemos ter classe.Quero o piso.Meu direito,mas nao ser considerada uma boca suja, de baixo nivel, afinal sou professora com muito orgulho. Rita Moreira Divinopolis

    ResponderExcluir
  32. Euler e companheiros(as), boa noite!

    Por onde andam "aqueles" que se revoltavam quando era feito algum comentário à respeito da morosidade
    e incompetência do Jurídico do sindicato??? Diziam
    que estávamos fazendo o jogo do governo e demonstrando desunião com as nossas cobranças ao SIND INÚTIl. Pois bem, mais INÚTIL impossível. Enquanto insistem CONGRESSO EM FEVEREIRO, nenhuma demanda jurídica foi iniciada para defender a categoria ~> é mesmo um SIND INÚTIL!!!!!!!!!!!
    Maria de Lourdes

    ResponderExcluir
  33. Pra que investir em educação? Se mal pagos e desvalorizados somos a 6º economia mundial!! Alguma coisa deve está errada.

    ResponderExcluir
  34. Concordo com voce, Rita. Embora a raiva as vezes nos sufoque nao devemos nos tornar deselegantes...Quanto ao sindute, este desamparo causa uma angustia enorme... toda greve é assim... eles somem e nos deixam com o abacaxi nas maos...precisamos encontrar outra forma de resolver nossas questoes na justiça. Eu juro que eu achava - e ainda quero achar - que a Beatriz era diferente... mas este silencio...abraços a todos... espero que 2012 nos reserve a justiça e que venha o piso.
    claudia

    ResponderExcluir
  35. Conversa para inglês ver



    Não deixa de atiçar um orgulho patriótico a informação da imprensa inglesa de que estamos próximos a desbancar o Reino Unido na lista das maiores economias do mundo.

    Isso não aconteceria se, nos últimos anos, nossa economia não tivesse um mínimo de estabilidade para gerar mais investimentos.

    Mas é bom tomar cuidar com euforia que, certamente, será manipulada pelo governo. Só podemos comemorar nosso crescimento quando os indicadores sociais brasileiros estiverem num patamar de nação desenvolvida --o que estamos longe, muito longe de ter. Refiro-me aos números da educação ou saúde. Ou a qualidade de vida nas cidades, a começar pela segurança.

    Londres é igual a São Paulo?

    Seria uma idiotice não ficar feliz com a informação sobre nosso crescimento --e que se deve em boa parte aos anos de PT e PSDB no poder. Mas, pelo mesmos critérios, comemoração civilizada deve ser medida pela qualidade da escola pública, onde se constrói a democracia de um país.

    O resto é para inglês ver.


    Gilberto Dimenstein ganhou os principais prêmios destinados a jornalistas e escritores. Integra uma incubadora de projetos de Harvard (Advanced Leadership Initiative). Em colaboração com o Media Lab, do MIT, desenvolve em São Paulo um laboratório de comunicação comunitária. É morador da Vila Madalena.

    Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/gilbertodimenstein/1026229-conversa-para-ingles-ver.shtml
    acessado em 27 de dezembro de 2011.

    EDUCADORA MINEIRA

    ResponderExcluir
  36. Euler,
    Porque será que o sindicato tem tanta resistência em partir para um combate na justiça?
    Esta guerra agora é jurídica. Será que não conseguem fazer esta avaliação?

    ResponderExcluir
  37. Pelo andar da carruagem, não duvido nada da gazolla e da Villena serem convidadas de honra nesse congresso, que tanto o sindute quer que aconteça em fevereiro. Alguma coisa tá acontecendo e isso tá me cheirando " síndrome de hilário ". Vamos acordar pessoal!!!!!!

    ResponderExcluir
  38. Mais importante que ser elegante é botar prá fora os sapos que as sementes do mal nos fizeram engolir.

    ResponderExcluir
  39. Não tem como o governo pedir que cumpramos a Lei, sendo que o próprio não o faz.
    Achei que o STF fosse a instância maior e que mandava.
    Hoje vejo que NÂO manda em NADA!
    MINAS manda neles.
    Que pena!
    Um país sem lei!
    Maria - Triângulo Mineiro.

    ResponderExcluir
  40. Euler,

    Estou achando que teremos que assumir esta questão jurídica por nossa conta e risco.Precisamos pensar seriamente nesta saída já que o sindicato não se manifesta a respeito. A procrastinação só vai nos prejudicar ainda mais.

    Esta secretária deveria ter vergonha de enviar uma carta desta aos servidores.
    Sou aposentada, 30 anos de magistério, seis quinquênios, trintenário, dez biênios, especialização e a minha remuneração é de 1800,00 reais sem perspectiva de aumento.

    É MENTIRA DIZER QUE ESTÃO PRESERVANDO TEMPO DE SERVIÇO É PROMOÇÃO POR ESCOLARIDADE.

    PELO CONTRÁRIO. ESTÃO NOS RETIRANDO AS CONQUISTAS.

    ResponderExcluir
  41. O governo não sabe mesmo fazer as contas e ainda mente.
    Sou aposentada, com todas as vantagens possíveis adquiridas ao longo de 31 anos de trabalho e não terei NADA de aumento pelo subsídio.
    Vai ser ruim e conta!
    E pensar que votei nesse povo pensando um dia que eles poderiam retribuir o que fiz por eles e nada!
    Que desgosto!
    Nunca mais! E ainda vou tirar os votos que puder.

    ResponderExcluir
  42. Por que a Gazzola não coloca o vencimento dela no subsídio para ver o quanto é bom e o tanto que vai aumentar?

    ResponderExcluir
  43. Caros colegas,

    Num impulso cometi o pecado de chamar a Gazolla de sapuda! Foi deslegante, reconheço!
    Mas...a indignação é tamanha que fica divicil segurar!
    Eu tb queor crer que Beatriz é diferente...mas...
    ela não é o sindicato, ela tb esta prisioneira da atual diretoria e das suas diretrizes politiqueiras!
    A solução é mudar nossa forma de lutar! A luta tem que ser diária e muito bem articulada!

    SINDICATO COMO EXTENSÃO DE UM PARTIDO NÃO CONSEGUE NOS REPRESENTAR, TA AMARRADO, CERCEADO, PELOS ACORDOS ESPÚRIOS DOS POLITICOS DE PLANTÃO!
    E O PIOR É QUE ESTAMOS SENDO MOTIVO DE CHACOTA ENTRE OS COLEGAS QUE NEM GREVE FIZERAM!

    ResponderExcluir
  44. "Indigne-se, mas não seja chato. Contribua para a mudança. Melhor ser um indignado otimista que um resignado deprimido. Espero, em 2012, escrever “10 razões para comemorar”.

    O ano é outro. O presidente também. Mas os 10 motivos de indignação listados no Natal passado mudaram pouco. Faltou vontade política ou atitude nossa? Ou ambos? Sete itens continuaram os mesmos, atualizados com informações de 2011. Há três novidades: seria uma injustiça deixar de fora o Supremo Tribunal Federal, o Enem e os ministros herdados por Dilma.

    Aí vai a lista deste ano. Conseguiremos reduzir?

    http://revistaepoca.globo.com/Mente-aberta/ruth-de-aquino/noticia/2011/12/10-razoes-para-se-indignar.html

    TOMARA RUTH! TOMARA!
    PQ EM MG A LISTA DA INDIGNAÇÃO SÓ AUMENTOU!

    ResponderExcluir
  45. paulo geovane email: oluapgeovane3@yahoo.com.br
    colega euller o que impede que façamos grave parcial apenas para os terceiros anos do ensino medio? pois como foi possivel perceber na ultima greve apenas essa faixa de escolaridade o governo e os pais dao importancia (graças ao enem)assim nao teriamos tanto dificuldade em manter a greve ate o ano todo ja que mesmo assim teriamos parte do pagamento (conto com sua influencia para diceminar essa ideia "se achar util é claro" )obrigado

    ResponderExcluir
  46. diceminar = disseminar

    ResponderExcluir
  47. Colegas,bom dia!
    À respeito da carta da Gazzola, fica claro que quem está no vencimento básico é só somar que saberá quanto vai receber no subsídio,esta carta é pura enganação,não há valorização de nenhum profissional e nem aumento.Estamos sendo feitos de idiotas e temos que tomar atitudes.
    As crianças do terceiro ano não chegam lá sabendo ler e escrever, se no nono ano tem aluno que não sabe nem escrever o nome.Isso é coisa que pode ser comprovada se a secretaria olhasse mesmo pelas escolas.
    As avaliações do governo são aquém daquilo que é desenvolvido na escola.Crianças de terceiro ano fazem prova a nível de pré.Estou falando isso porque já apliquei provas várias vezes.
    Uma vez,quando meus alunos de terceiro ano fizeram prova, tinha lá uma questão que era para ligar o desenho de um cavalo à palavra cavalo.Fiquei injuriada com isto.Deveria ser feito um apanhado pela secretaria sobre a matéria desenvolvida na escola até outubro e fosse aplicada no final do ano uma prova correspondente para ficar REAL os resultados.É impressionante como o governo se alegra com um falso resultado,só para mostrar aos outros estados que o ensino aqui está "BÓTIMO.
    Quanto ao sindicato, os professores têm que tomar uma atitude drástica de se desfiliarem, queria ver se ele não tomaria atitudes para entrar na justiça reinvidicando nossos direitos.O pagamento deles sai dos professores para os defender e isso está falho.Eu já desfiliei a muito tempo.Para entrar na justiça não precisamos do sindicato.Basta formar vários grupos e arrumar um excelente advogado.
    Já desacreditei no sindicato.Hoje em dia os seguimentos só pensam em dinheiro.
    Enquanto os professores passam fome, o sindicato continua numa boa sem dar satisfação a quem o paga.Tem dente de coelho neste meio...

    ResponderExcluir
  48. Ando procurando, procurando...por favor, alguem pode me dizer onde fica um pais, denominado Brasil, que deixou a Inglaterra para tras?

    Um país quase sério

    Rolf Kuntz - O Estado de S.Paulo (...)
    O Brasil continua diplomando uns 30 mil engenheiros por ano, enquanto a China forma entre 400 mil e 500 mil. A Índia, cerca de 200 mil. Indústrias têm dificuldade para treinar mão de obra porque faltam qualificações mínimas ao pessoal disponível no mercado. Só 26,3% dos adolescentes diplomados no ensino fundamental em 2009 aprenderam o suficiente de português e apenas 14,8% mostraram conhecimento adequado de matemática, segundo um teste oficial. Além disso, cerca de 20% dos brasileiros com idade igual ou superior a 15 anos são analfabetos funcionais.

    Dificilmente haverá melhora nessas proporções, se o ensino continuar tão ruim quanto é hoje. O padrão "os menino pega os peixe" pode ser aceitável para o Ministério da Educação do Brasil, mas certamente não é para as autoridades educacionais da China, da Coreia, da Indonésia e de outros emergentes em rápido crescimento - incluídos alguns latinos, como a Colômbia. O emprego dos brasileiros dependerá cada vez mais de sua capacidade de competir com os trabalhadores desses países.

    http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,um-pais-quase-serio--,815971,0.htm

    ResponderExcluir
  49. Caro Euler,

    Desejo a você e a todos um Feliz Ano Novo!

    Neste novo ano vamos intensificar nossas campanhas para desmascarar os traidores da educação.

    Vamos, todos os dias, continuar divulgando o nome destes destruidores da educação.

    Nunca nos esqueceremos do luiz humberto e tenente lúcio (minúsculos mesmo).

    Gostaria de parabenizar ao Rogério Correia e ao Bloco Minas sem Censura pelo seu caráter transparente e que eles continuem o seu belo trabalho de desmascararem a hipocrisia e levar a verdade em defesa do povo.

    Um forte abraço a todos e força na luta!

    Um grevista de Uberlândia.

    ResponderExcluir
  50. Acabo de ler a carta aos educadores da gazolla; ridícula! quero ver como vamos viver com esta miserável esmola chamada subsídio, pelo menos até 2015.
    Tenho vontade de esganar um qq por aí, ser presa e viver "em berço esplendido" numa cela especial, com tempo inclusive para matutar um plano daqueles,kkkkkkkk
    Estou pensando seriamente nisto, já que presidiário tem mais valor e direitos que nós da educação.
    Prometo usar( ...) o papel da carta e reenviá-lo á seeemg( em minúsculo mesmo!)

    ResponderExcluir
  51. Usar o blog do nosso amigo Euler como uma prestação de serviço...rsss

    Companheiros Diógenes e André Buzina favor entrar em contato comigo no email: comunadeparis1871@yahoo.com.br

    Rômulo

    ResponderExcluir
  52. Anônimo de 23:04. Estas figuras da da SEE são pretensiosas demais. Acham-se "donos" da verdade e fazem tudo para continuar com o cargo comissionado e se sentem muito "honrados" ao participarem da chacina.Não tenha dúvida que pensam ser "belos" em seus discursos e na postura. É preciso mostrar a eles quanto são "feios' por dentro e por fora...e também gananciosos. Até agora quem "baixou o nível da nossa vida" foram eles. Respeito tem quem merece! Você pode imaginar o quanto somos motivo de "gargalhadas" e comemorações? Não se iluda...

    ResponderExcluir
  53. "Eu sou eu e minha circunstância"
    Ortega Y Gasset

    As tristeza, as amarguras, os descontentamentos vividos e externados por todos nós, educadores,mineiros neste final de 2011 caracterizam o nosso estado e o que nos leva a isso, porém como o EU não está dissociado das CIRCUNSTÃNCIAS, temos que encontrar formas de continuar vivendo, sem nos querer mal, para que possamos enfrentar as adversidades e os adversários, os quais nos impuseram certas circunstãncias. Apesar das circunstâncias, viver é preciso, sofrer não é preciso!

    EDUCADORA MINEIRA

    ResponderExcluir
  54. marcospachecao pouso alegre28 de dezembro de 2011 11:35

    boa ideia da anonima acima, pensou 153 mil carta retornando a see, vai ser um show,

    ResponderExcluir
  55. Euler , parabéns pelo excelente texto . Talvez , o melhor desse blog . Muito bom mesmo .Como seria ótimo se ele atingisse seu objetivo , conscientizasse e , consequentemete , modificasse a realidade , através de atitudes renovadoras dos leitores...

    ResponderExcluir
  56. Olá Euler e blogueiros!

    Lamentavelmente o SINDUTE caminha sonâmbulo para a obscuridade.

    Fui a SEPLAG, pça 7, e tive uma infeliz constatação: a astúcia do governo foi maior que o letárgico SINDINÚTIL. Eu e os outros 152999 servidores que optaram pelo VB caímos numa verdadeira cilada do executivo e bem arquitetada diga-se de passagem. Enquanto isso, a cenozóica direção impregnada de preciosismos não ouve a base porque esta "sempre atrapalha o andamento dos negócios" e desconhece os trâmites necessários para se arrancar alguma coisa do governo.

    Em 2012 sempre mais do mesmo! A petulância e o discurso formatado em dia de Comando em relação as deliberações ou estratégias continuarão e, infelizmente, os resultados obtidos em 2010 e 2011 não servirão de exemplo para que a direção mude de postura. Esse encontro em Araxá já nasce morto. É pura policagem partidária e sindical que tenta deixar na visibilidade - de maneira desconfortável evidentemente - todos os candidatos do PSDPRÊ e seus aliados que foram contrários aos interesses do professorado e pleiteiam eleições municipais.

    Cabe, assim, indagar, a orquestra continuará desafinada em 2012 Bia & cia? Engrossaremos movimentos com camisetas da CUT e de outros políticos traíras novamente? Até quando vão ficar à beira do palco batendo palma para o executivo em detrimento da classe? Esse encontro em Araxá é inoportuno e imoral. É preciso ter respeito com o contribuinte que está estirado ao chão com contas no vermelho e prestações a sumir de vista por conta de greve. Essa imbecilização continuará até quando?

    Em primeiro lugar é preciso organizar nossa seara, lutar com princípios voltados para a verdade, perceber os erros e buscar novos caminhos. Nesse sentido, Euler e NDG dão exemplo e alento à classe diante da morosidade daquele que deveria representar a categoria. A mobilização aqui dá resultado e é sensível aos servidores mais necessitados e deveria servir de exemplo para a direção, presa na areia movediça que empurra nossa categoria para baixo.

    Os sindicalizados e não sindicalistas merecem um pouco mais de respeito. Nem mensagem de fim de ano postaram no site. É por essas e outras que o movimento vem perdendo força.

    Parabéns Euler e blogueiros pela iniciativa das cestas e ação jurídica. Parabéns Euler por ceder esse espaço aos movimentos sociais, notadamente Dandara e outras ocupações. Vão, também, meus parabéns ao Frei Gilvander, MST, Via Campesina, MAB, estudantes e professores da UFMG pela sensibilidade e soma de forças.

    Feliz 2012 a todos!

    Não sustente parasita! Vote nulo!

    ResponderExcluir
  57. Quer uma fala do sindicato? è só mexer no bolso dele. Como? desfiliando. Tenho certeza que rapidinho eeles darão notícia.

    ResponderExcluir
  58. A Rita, e a Cláudia:

    Essas pessoas fazem cosas abomináveis, nos derrespeitam, nos desprezam, nos humilham em rede nacional, nos sonegam direitos, nos negam um bom natal de fato, fingem não nos ver e fingem que fazem algo de bom para nós, e vocês querem defender que devemos respeitá-las??
    Oras, vocês acreditam realmente no que voces disseram? Acho que não, ao menos, não deviam!

    Outros, já passaram por aqui tentando o mesmo, mas perceberam que nossa "raiva" é tamanha, que sucumbiram.

    O colega que disse "são feios por dentro e por fora" tem toda razão! Devem ser expostos sim.
    Não tentemos calar um professor, especialmente neste caso.

    ResponderExcluir
  59. LAECE FALETE, de CORONEL MURTA (VALE DO JEQUITINHONHA)28 de dezembro de 2011 13:21

    GRANDE EULER,

    DÊ UMA OLHADA NO SEU E-MAIL.
    BEIJOS

    ResponderExcluir
  60. GRAÇA:


    VAI, ANO VELHO
    Affonso Romano de Sant'Ánna

    Vai, ano velho, vai de vez
    vai com tuas dívidas
    e dúvidas, vai, dobra a ex-
    quina da sorte, e no trinta e um
    à meia-noite, esgota o copo
    e a culpa do que nem me lembro
    e me cravou entre janeiro e dezembro.

    Vai, leva tudo: destroços,
    ossos, fotos de presidentes,
    beijos de atrizes, enchentes,
    secas, suspiros, jornais.
    Vade retrum , prá trás,
    leva pra escuridão
    quem me assaltou o carro,,
    a casa e o coração.
    Não quero te ver mais,
    só daqui a anos, nos anais,
    nas fotos do nunca-mais.



    Vem Ano Novo, vem veloz
    vem em quadrigas, aladas, antigas
    ou jatos de luz, moderna, vem,
    paira, desce, habita em nós,
    vem com cavalhadas, folias, reisados,
    fitas multicores, rebecas,
    vem com uva e mel e desperta
    em nosso corpo a alegria,
    escancara a alma, a poesia,
    e, por um instante, estanca
    o verso real, perverso
    e sacia em nós a fome
    -de utopia.

    Vem na areia da ampulheta como a
    semente que contivesse outra se-
    mente que contivesse ou-
    tra semente ou pérola
    na casca da ostra
    como se
    se
    outra se-
    mente pudesse
    nascer do corpo e mente
    ou do umbigo da gente como o ovo
    o Sol da gema no Ano Novo que rompesse
    a placenta da noite em viva flor luminescente.

    Adeus, tristeza: a vida
    é uma caixa chinesa
    de onde brota a manhã.
    Agora
    é recomeçar.
    A utopia é urgente.
    Entre flores de urânio
    é permitido sonhar."

    2012 COM SAÚDE ALEGRIAS E PAZ! E MUITA DISPOSIÇÃO PARA A NOSSA LUTA!

    ResponderExcluir
  61. Eu ainda quero crer, que todos estamos errados quanto á posição do SIND-UTE que o comanda esteja articulando a nosso favor, quero crer que como nós, estejam firmes na luta, quero crer que estão todos trabalhando, em silêncio, mas estão. Porque se nada disso estiver acontecendo, é decepção demais, depois de tudo que passamos e vivemos, por isso ainda quero crer que são pessoas honestas, responsáveis de de bem, do contrário, estaremos sendo traído duas vezes, pelo governo que prometeu ter palavra e postura e faltou com ambas, mas desses políticos brasileiros não devemos acreditar nem no que escrevem e lavram em cartório, tendo em vista o grau de descaramento, corrupção e safadeza, agora ser traído pelo próprio sindicato seria uma enorme decepção,logo, não quero crer, mesmo, que tudo tenha ficado na base do DITO PELO NÃO DITO! Afinal, são inúmeras vidas humanas envolvidas nesse fatídico episódio de 112 dias de paralisação que resultou em enorme dissabor e desãnimo para categoria, mas que se Deus quiser, chegando 2012, será um novo ano e novamente essa classe, estará novamente erguida para combater os inimigos de pé e com palavras e sabedoria. Então, vamos aguardadr o pronunciamento do Sindicato, porque não queremos crer que tudo isso que foi dito seja real.

    ResponderExcluir
  62. ANONIMO das 12 55

    Nao acho que reinvidicar para reinvidicar direitos precisa-se usar palavras debaixo escalao. Somos educadores.Fiz greve, voltei ao vencimento basico,enviei email p todos os deputados. Mas nem por isso acho que devemos ser grossos. De que ta adiantando tanto -palavrao, apelidos...Precisamos eh de agir judicialmente. somos professores e nao pessoas que usam de palavroes p reinvidicar direitos. Quero respeito e xingar os inimigos nao ta ajudando e sim atrapalhando. Que pai familia vai querer apoiar professor que agride verbalmente como muitos ANONIMOS aki estao fazendo. Nao podemos ser tachados como grosseiros e sim como os cabecas da sociedade.Rita de Divinopolis

    ResponderExcluir
  63. Meu pai,um homem sabio por natureza gostava sempre de repetir a frase "Antes ser a vitima que ser o verdugo". Não quero nunca me igualar a uma Vilhena ou Gazzolla... prefiro ser como o Euler, um pacificador...meu pensamento reflete a ideia de que devemos nos manter confiantes e lutar por dias melhores...
    Concordo com voce anonimo das 12:54, quando diz o quanto estas pessoas foram terriveis para nós educadores... estive na luta os 112 dias,eu fui para a rua, enfrentei gas de pimenta inclusive. Mas nada disto pode me tornar igual a eles...mantenho-me em meu nivel moral elevado... guardo para eles a certeza sao passageiros no governo... eu nao... minha profissao faz parte da minha vida... devo lutar por ela e esta luta deve me fazer melhor... preciso conseguir meu objetivo que é a valorizaçao da nossa carreira, nunca o contrario...
    Abraços fraternos...nossa luta é ardua... estamos sofrendo, mas juntos somos mais fortes...
    um feliz ano novo a todos...
    Cláudia

    ResponderExcluir
  64. OLA EULER. OLÁ EDUCADORES. BOA TARDE A TODOS.
    ALGUÉM POSTOU, QUE COMO SOMOS EDUCADORES, APESAR DA RAIVA QUE ESTAMOS SENTINDO, NÃO DEVEMOS COLOCAR APELIDOS EM CERTAS PESSOAS, POIS FICA DESELEGANTE PARA NÓS, COMO EDUCADORES. DEVEMOS AGIR SIM. SEJA CONTRA QUEM FOR...MAS USANDO DE BOM SENSO. SE O SINDICATO NÃO FAZ NADA, QUE CONTRATEMOS UM BOM ADVOGADO.ESTOU PENSANDO COLOCAR CARTAZES, COM FOTOS DOS TRAIDORES DA EDUCAÇÃO EM ALGUNS PONTOS ESTRATÉGICOS DAQUI DE MINHA CIDADE (DIVINO) NAS CALADAS DA NOITE, COMO O NOSSO GOVERNADOR FEZ COM A LEI DA REMUNERAÇÃO UNIFICADA OU SUBSÍDIO, É TUDO A MESMA COISA. É SÓ APARECER ALGUÉM PARA LIDERAR, QUE ESTOU PRONTA PARA AJUDAR. VAMOS DENOTAR ESTES POLÍTICOS NÃO NÃO SE PREOCUPAM COM A EDUCAÇÃO.SERÁ QUE OS FILHOS,NETOS DELES ESTUDAM EM ESCOLA PÚBLICA??????? COITADOS DOS CANDITADOS ÀS PRÓXIMAS ELEIÇÕES QUE ACEITAREM APOIO DESSES DEPUTADOS. VOU TRABALHAR MUITO, MUITO MESMO, PARA DESMASCARÁ-LOS. SE O SINDICATO NÃO COMEÇAR A AGIR, MUITOS SE DESFILIARÃO. E ADEUS SINDICATO.

    ResponderExcluir
  65. Se valer de termos de BAIXO CALÃO só denigre a nossa imagem. E essa jamais pode ser denegrida!

    ResponderExcluir
  66. Devemos divulgar o livro "Privataria tucana",eles estão acuados. Devemos cobrar a CPI da privataria.Vai voar pena pra todo lado...KKK
    Lembrando "aócio never " foi engavetador de cpi do"fhc" está com o rabo preso também....devemos aproveitar.

    ResponderExcluir
  67. O SINDUTE nos abandonou. É melhor no desfiliarmos e movermos uma ação na justiça antes que seja tarde demais. Quem, em sã consciência, numa altura dessas, está pensando em congresso e em posse de diretores eleitos? O foco deveria ser ação na justiça para conquistar nosso objetivo ou até mesmo recolhimento de assinaturas para a implantação de uma ação civil pública contra esse déspota. Parece que o Sindicato desistiu de lutar e quer nos engambelar com ações que não atingem nosso problema. Temos que ser mais ousados assim como vimos acontecer na Grécia e outros países da Europa. Se o Sindicato não aceita propostas de ações contundentes então é melhor desfiliarmos todos e fundar nova entidade capaz de agir com mais rapidez e audácia. Precisamos de ação. E não me falem em greve em 2012! Se isso resolvesse, teria resolvido depois de 112 dias. Temos que colocar em prática outras ações que não nos tragam tantos prejuízos e sofrimentos. Se não resolver, só nos resta um caminho: Abandonar a educação em MG.
    Se não temos um

    ResponderExcluir
  68. Euler,

    Quanto às mentiras, falsidades e hipocrisias deste governozinho...

    Eles verão e sentirão esta verdade:

    - "facta potentiora sunt verbis"

    OS FATOS TEM MAIS FORÇA QUE AS PALAVRAS.

    ResponderExcluir
  69. Euler, já tentei uma época atrás me desfiliar do sindicato, preenchi um papel, coloquei no correio, e nunca param de descontar.
    Você sabe me informar quais os passos corretos para que eu possa me desfiliar ?
    Como moro no interior,fica difícil estar indo a BH e juntamente comigo, tem umas 15 colegas querendo se desfiliar.
    Aguardo retorno!
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  70. Consultando hj a pag.do STF me deparei com o arquivamento da Reclamaçao proposta pelo sindicato de professores de Goiás.A situação de lá é análoga a nossa: o governo não cumpre a lei do piso.O Min. Gilmar Mendes alega que o motivo do arquivamento seria devido a reclamaçao não ser cabível para o fato. O não cumprimento da lei do piso deve ser questionado por mandado de segurança ou outras ações em outras instâncias. Essa informação é só para direcionar as nossas futuras lutas jurídicas.Deem uma olhada lá no site do Supremo
    Prof Helena

    ResponderExcluir
  71. Olá.
    Trabalho na rede estadual de ensino de MG como contratado há 4 anos e desde a migração para o Banco do Brasil, uso a conta apenas para recebimento do salário, só que no dia 10/12 foi debitado R$ 11,90 de taxa de serviço. Procurei pessoalmente a agência e fui informado que o convênio com a SEE/MG acabou e que a apartir de agora, todos - sem exceção - terão a taxa de serviço debitada em conta, mesmo para aqueles que só sacam o pagamento e não fazem nenhum tipo de transação com o BB.
    O SINDUTE está sabendo disso? Se sim, alguma providência está sendo tomada?

    ResponderExcluir
  72. PARA OS EDUCADORES NECA!NEM MERRECA!
    VEJAM COMO A "REDI GROBÚ" É OBIDIENTI!
    PUBLICA TUDINHO QUE O DESGOVERNO MANDA!

    28/12/2011 17h15
    Governo anuncia reajuste para servidores estaduais em Minas
    Lei, sancionada pelo governador Anastasia, foi publicada nesta quarta (28).
    Aumento será de 5%, retroativo a outubro de 2011, e de mais 5%, em abril.



    Foi publicada, nesta quarta-feira (28), a lei que define nova política remuneratória dos servidores estaduais em Minas Gerais. Sancionado pelo governador Antonio Anastasia (PSDB), o texto prevê que os salários de todas as carreiras do Poder Executivo estadual, com exceção daquelas sujeitas a reajustes específicos no mesmo período, serão reajustados em 5%, retroativamente a outubro de 2011, e em 5%, em abril de 2012.
    A medida atende a uma demanda histórica e fixa, no mês de outubro, a data-base para a concessão de reajuste geral anual. O governador defende que a nova política cria um sistema remuneratório justo e equilibrado, que reduz as distorções existentes entre as carreiras.
    Para 2011, a previsão é que o Executivo gaste R$ 19 bilhões com o funcionalismo público em Minas Gerais.
    Reivindicações
    Este foi um ano de reivindicações salariais em Minas Gerais. Em novembro, cerca de dois mil servidores estaduais se reuniram na Praça da Assembleia, em Belo Horizonte, para fazer uma manifestação e discutir a possibilidade de realização de greve. Participam da mobilização representantes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE), do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde (Sind-Saúde), do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil (Sindpol) e do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores na Indústria Energética (Sindieletro).
    Uma das situações que mais chamou atenção dos mineiros foi a reivindicação dos professores. Trabalhadores da Educação cruzaram os braços por mais de 110 dias em protesto por melhores salários. Na área da Saúde, servidores fizeram paralisações ao longo do ano. A categoria reivindicava o pagamento de reajuste de 5%, garantido pela nova política, além de prêmio de produtividade.

    http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2011/12/governo-anuncia-reajuste-para-servidores-estaduais-em-minas.html

    ResponderExcluir
  73. Deputado monta circo na defesa de seu pai
    Documentos comprovam que Lista de Furnas fundamentou-se em relatório de Danilo de Castro que contém pagamentos feitos à imprensa e políticos






















    Após cinco anos de profunda investigação desenvolvida pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, através dos Processos: 2006.02.01.009003-2 e 2006.02.01.00275-3, ambos em tramitação na Justiça Federal carioca, que iniciou-se após determinação de busca e apreensão de documentos ocorrido na residência do ex-dirigente de Furnas, Dimas Fabiano Toledo, localizada na capital fluminense, onde foram apreendido documentos e computadores.
    Ao contrário do que vem afirmando o Deputado Federal Rodrigo de Castro (PSDB-MG) junto com outros lideres políticos envolvidos no esquema de Furnas, a documentação existente e que comprova como operou o esquema não foi entregue pelo “bode expiatório”, Nilton Monteiro, e sim apreendidos na residência de Dimas Fabiano Toledo. Após a apreensão ocorrida na casa de Dimas, foram realizados diversos cruzamentos de dados com outros documentos apreendidos em outras operações da Polícia Federal.
    Dentre os maiores recebedores de recursos do esquema de Furnas, conforme recibos e outros comprovantes, estão os principais veículos da mídia impressa, falada e televisada de Minas e do Brasil. A situação do secretário de Governo de Minas é extremamente delicada neste processo porque seu relatório encaminhado a Dimas Fabiano Toledo foi feito em papel timbrado do Governo de Minas. O que agrava sua prática criminosa.
    Diante do recuo da maioria da imprensa nacional e a falta de espaço na Câmara e no Senado Federal, onde seus membros conheciam a fundo a verdade sobre os fatos, os envolvidos no esquema resolveram partir para Minas Gerais onde sabidamente eles têm a boa vontade da mídia, da Assembleia Legislativa e da alta direção do Ministério Público Estadual.
    A Assembleia Legislativa mineira, após sucessivos mandatos do ex-deputado Romeu Queiroz frente sua presidência e posteriormente de deputados da mesma linha e conduta de Romeu como Mauri Torres e o atual vice-governador Alberto Pinto Coelho, transformou-se em refém do executivo não apenas em busca de privilégios.
    Após mais de uma década de perfeita sintonia entre o Poder Executivo e o Ministério Público Estadual, através da nomeação, pelo governador, do procurador de Justiça que o agradava e não o mais votado pelos membros da instituição. O MPMG, sobre o cabresto do procurador geral, transformou-se em órgão anexo ao Palácio da Liberdade, só permitindo a realização de procedimentos que não desagradassem o Poder Executivo.
    Como o MPMG tem uma enorme quantidade de investigações e provas sobre as irregularidades cometidas pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais e por seus integrantes. Procedimentos investigatórios estes que andam até juntar provas, após sem outras conseqüências são estrategicamente “avocados” pelo Procurador Geral, permanecendo paralisados de acordo com o interesse do Poder Executivo.
    Ao menor sinal do Palácio da Liberdade, com a conivência dos diversos ex e atual presidente do parlamento mineiro, a fera do Ministério Público é solta ameaçando e intimidando os deputados, seus prefeitos e vereadores de suas bases eleitorais. Este é o clima de terror existente a mais de uma década na relação entre os Poderes. Como já amplamente noticiado pelo Novojornal, a área de “inteligência” do Poder Executivo mineiro encontra-se funcionando através de convênio instalado na sede da Procuradoria de Justiça em Belo Horizonte.

    Inicia o desmonte da Gangue dos Castros
    MPMG e Fazenda Estadual iniciam desmonte da Gangue dos Castros. Busca e apreensão de documentos na casa de ex-procurador do IEF em Ubá

    http://www.novojornal.com/politica/noticia/inicia-o-desmonte-da-gangue-dos-castros-19-04-2010.html

    ResponderExcluir
  74. Boa Tarde guerreiras(os)

    Que 2012 traga o dobro da energia que precisarmos.Luz,paz e perseverança pra todos nós.
    A LUTA É SEMPRE!!
    Grande abraço a todos bravos companheiros.
    Por onde andarás GLEIFERSON CROOW???Precisamos de você companheiro.

    Força na Luta!!!
    José Henrique

    ResponderExcluir
  75. Queridos companheiros (as). Vontade é coisa que dá e passa. Sabedora disso não vou comprar o livro "Privataria Sindical,Estadual,Galozal,Renatazal,Anastasial,
    Assembleial. Portanto quero saber porque o governador de Minas não cumpre a Lei Federal do PSN. QUE FALTA DE RESPEITO SR. GOVERNADOR1 QUERO QUE SUA EXCELENCIA ME RESPONDA, COMO SE DENOMINA A PESSOA QUE NÃO CUMPRE LEIS E AINDA MAIS FEDERAL?. NA TV ESTÁ PASSANDO PARA DENUNCIARMOS AQUELES QUE NÃO PAGA A QUEM ESTÁ DEVENDO, é só ligar 100. Vou tomar minhas providências. E os deputados? Onde andam?Estão nas "plaias ou estâncias? Euler um forte abraço e força na luta.

    ResponderExcluir
  76. Euler,

    ELES CONHECERÃO A VERDADE.

    ‘facta potentiora sunt verbis’

    OS FATOS TÊM MAIS FORÇAS QUE AS PALAVRAS.

    Este governo escolheu a mentira, a falsidade e a hipocrisia como caminho a seguir.

    Então "eles" chegarão ao seu destino.

    ResponderExcluir
  77. Caros colegas,

    Vejo que muito se posta aqui,mas na pratica desde a volta as salas de aula...nada de concreto conseguimos.Como bem expos Euler, fomos traidos pelo governo. Para pessoas fora de nossa realidade nosso voto nao tem peso. Conversem com pessoas de diversas profissoes e classes sociais...Verifiquem isso. Dissem por ai, a midia mesmo diz, o Anastasias tem governo bem aceito e Aecio tbm. Nao estamos usando o que temos de maior valor...nossa nteligencia,senso critico apurado,cabecas pensantes. Temos que mostrar nosso potencial. Parar de agressoes,estamos eh perdendo ponto com isso ,perante a sociedade. Precisamos de acoes concreta. Estrategias pra ja. 1. Necessitamos de enviar mensagens bem escritas, com embasamento legal p todos os contatos. Compartilhando e formando redes. 2.Periodicamente. Organizar um grupo, alem do NDG, pra analisarmos a situacao e agirmos acertadamente. 3. Parar de anunciar essas estrategias aki. 5. Cada um de nos deve ter um advogado p consultar possibilidades. Precisamos de saidas...Precisamos de todas as brechas deixadas pelo governo 6. Precisamos de um canal seguro p troca de informacoes. Euler precisamos talvez de um email pra isso.Quem tiver luz juridica para talvez colaborar com Marcus Guerra 7.Contratar, se necessario, advogados.
    Mostremos nossa inteligencia e nao nossa arrogancia.
    Rita Moreira

    ResponderExcluir
  78. VOCÊ SABE QUANTO CUSTA UMA PROPAGANDA NA GLOBO EM HORÁRIO NOBRE?
    2011-06-28 10:56
    Depende do horário, se a transmissão é para todo Brasil ou regional... No horário de qual programa que vai passar... o comercial mais caro é sempre no horário nobre... novela das 8, JN, BBB e Futebol... chamamos de inserções... Ex.: 4 inserções de 15" durante os intervalos do Jornal Nacional... ou então 2 inserções de 30" durante a novela...

    Durante o horário nobre uma inserção de 1 minuto (2 x 30" ou 4 x 15") está em média 850 mil Reais... Vale lembrar que 1 ponto no Ibope representa um pouco mais de 1 milhão de pessoas atingidas com o comercial...Sera isso verdade É mole ou quer mais....

    ResponderExcluir
  79. É isso mesmo, Anônimo(a)!
    Chega de usar palavras de baixo "escalão" (adorei isso). Por acaso, as usamos com os nossos alunos, amigos, familiares?
    Sejamos chiques, elegantes, sinceros.
    Feliz 2012. A gente merece um ano um "cadinho" melhor!!!

    ResponderExcluir
  80. Hora do relax!!!

    Um pintinho disse para uma pintinha, meio surda, vagarosamente e delicadamente:
    - Quer da - no - ni - nho?
    A pintinha, esbofeteou o pobre pintinho que, caído, ainda pode dizer:
    - Eu só queria saber se você queria DANONINHO!!! (iogurte).
    __________

    Não achou graça, não? Reveja seus conceitos. Rindo muito. Envelhece menos.
    Beijos,
    Eu.

    ResponderExcluir
  81. Concordo com o anônimo das 19:05.

    Denunciar sim mas procurar saídas.
    Chega de ficar só na queixa.

    Ficar na queixa só faz perpertuar a insatisfação. Vamos sair desta queixa paralisante e partirmos para a justa reivindicação.

    Se o sindicato não nos representa que tomemos as rédeas da situação buscando as saídas jurídicas de forma inteligente.

    ResponderExcluir
  82. Pois é ... Enquanto isso num país chamado Minas...

    http://historiaspraboiacordar.wordpress.com/2011/12/28/retrospectiva-aecio-neves-2011-aecio-neves-negocia-cargos-do-governo-de-minas-em-troca-de-apoio-nas-eleicoes-de-2014/

    "...RETROSPECTIVA AÉCIO NEVES 2011: aécio neves negocia cargos do governo de minas em troca de apoio nas eleições de 2014
    Post originalmente publicado aqui em 05/07/2011.

    Depois da escandalosa nomeação do médico e ex-senador do PSDB do Amapá, Papaléo Paes, para conselheiro da Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), agora o Governo Anastasia, orientado por Aécio Neves, nomeia o ex-prefeito de Cuiabá, também do PSDB, Wilson Santos.

    Wilson Santos admitiu em seu Twitter, no último dia 26 de junho, que está “no projeto partidário de eleger o senador Aécio Neves presidente da República em 2014″..."

    ResponderExcluir
  83. Vejam como os sindicatos andam errando no encaminhamento das ações jurídicas:



    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, negou seguimento (arquivou) à Reclamação (Rcl 12316), ajuizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), em que alegava desobediência do governador daquele estado quanto à decisão proferida pelo Supremo na Ação Direta de Inconstitucionalidade 4167, na qual foi declarada a constitucionalidade da Lei 11.738/2008, que regulamenta o piso salarial nacional para os profissionais do magistério público da educação básica.

    O ministro salientou que a hipótese, nesse caso, é distinta daquela em que o Tribunal declara a inconstitucionalidade de lei. “Quando o STF julga improcedente uma ADI ou julga procedente uma ação declaratória de constitucionalidade, a eventual violação dessa lei não constitui, necessariamente, um descumprimento da decisão da Corte”, salientou.

    “A suposta ilegalidade ou a não aplicação de lei levada a efeito por autoridade pública não pode se convolar direta e imediatamente em descumprimento da decisão que, em sede de jurisdição constitucional em abstrato, declara a constitucionalidade dessa mesma lei”, ressaltou o ministro Gilmar Mendes.

    O ministro enfatizou que esse entendimento não significa qualquer mitigação do efeito vinculante das decisões declaratórias de constitucionalidade, tal como determina a Constituição da República (artigo 102, parágrafo 2º), e explicou que “a aferição concreta da legalidade ou ilegalidade de atos e/ou comportamentos públicos não poderá ser, em princípio, objeto de reclamação constitucional, devendo ser instauradas pelas partes prejudicadas ou interessadas por meio de outras vias judiciais, tais como mandado de segurança, e outras ações civis perante as instâncias judiciais competentes”.

    Na ação, o sindicato sustentava que, ao não vincular o vencimento básico inicial da carreira de seus docentes ao valor do piso nacional dos profissionais do magistério, o governador do Estado de Goiás, estaria afrontando a decisão do STF. “A reclamação constitucional certamente não é o instrumento processual cabível para se enfrentar o problema”, concluiu o ministro ao determinar o arquivamento da ação.

    Reclamação

    A Reclamação é um processo sobre preservação de competência do Supremo Tribunal Federal (STF). Está prevista na Constituição Federal de 1988, artigo 102, inciso I, letra “l”, e regulamentada pelos artigos 156 e seguintes, do Regimento Interno do STF. Sua finalidade é preservar ou garantir a autoridade das decisões da Corte Constitucional perante os demais tribunais. Além dos requisitos gerais comuns a todos os recursos, deve ser instruída com prova documental que mostre a violação da decisão do Supremo.

    ResponderExcluir
  84. Na atual conjuntura econômica mundial, em que países da Europa e Estados Unidos estão passando por uma crise econômica monstruosa, na qual se verifica também a alta dos barris de petróleo imposta pelos países ligados à OPEP, pergunto, aonde foi parar o dinheiro dos megainvestidores estrangeiros? Será que foram para as ilhas Cayman? Será que foram para as Bahamas? Bem, é uma grande dúvida, seus ativos até podem passar por esses paraísos fiscais, mas com certeza tem um bocado de investimento oriundo do estrangeiro aportando em portos seguros de um país chamado Brasil. Atualmente o mundo se encontra muito interligado, e, aqui no Brasil estão dando toda a guarida possível para que os yankees tenham o melhor dos mundos, até mesmo no quesito empregabilidade. Para os yankees e demais estrangeiros oriundos dos países desenvolvidos que estão chegando para disputar as vagas acessíveis aos candidatos bem qualificados aqui será o porto seguro, visto que, as filiais das empresas de renome de seus países aqui estão, os investimentos dos megainvestidores estrangeiros aqui estão, então, cria-se a condição favorável para que os seus filhos cuidem bem de seus patrimônios.

    Ora, Minas não foge à regra, e o que acontece nessa região, nesse lugar que já vislumbra-se a um país devido a tal notoriedade de ilustres seres viventes e pensantes que por aqui desvirtuaram as teses estabelecidas por Montesquieu da separação dos poderes, é algo deveras perigoso para a liberdade. Creio que pelas bandas de cá, na nossa Minas Gerais predomine a máxima de Luís XIV, da qual declarou: O ESTADO SOU EU!

    Seria aí, um retorno histórico ao Absolutismo do Rei Sol do século XVII na França? Ora, ora, me parece uma adaptação mineira desse período histórico aos tempos atuais. Tempos estes em que a questão econômica passa pela ordenação primeira dos países não se levando em conta as questões sociais, as mazelas ainda não resolvidas, como no caso do Brasil em que se depara com uma forte desigualdade social, e que a despeito de todo o aparato de propagandas que demonstram o país entre os destaques econômicos mundiais, notícias que demonstram a redução da pobreza, ela se escancara defronte a todos nós como um dragão indomável.

    As reflexões acima são importantes para revermos e analisarmos os projetos políticos que estão em vigor em nosso estado, em nosso país e no mundo de um modo geral, tudo isso acontece fazendo parte de uma estrutura monumental delineada pelas elites em consonância com os projetos neoliberais, e que foram tão bem expostos no livro do Amaury Júnior retratando a um certo período da história do Brasil com as elites poderosas ditando a regra, e diga-se de passagem se dando muitíssimo bem. Voltando ao projeto político das elites mineiras e brasileiras, o que acontece em Minas Gerais é deveras gravíssimo para as pretensões no país para uma DEMOCRACIA PLENA, é um projeto encampado que vislumbra aos interesses econômicos de alguns em detrimento da maioria. Se Minas Gerais não respeita o PACTO FEDERATIVO e não acontece nada percebo que o projeto político não é só para Minas, mas para o Brasil como um todo, com todos os acordos e conluios necessários para que isso aconteça. E para tal as vozes que destoam contrariamente devem ser devidamente domesticadas, se não forem, existe a questão das arbitrariedades e imposições que vão em desacordo com as regras previstas dentro de um PACTO FEDERAL promovidos entre os Estados e a União. Prevejo que a regra do jogo seja a de descentralizar os Estados frente a União, com a devida anuência de tal instância.

    Queira eu estar errado nessas análises, mas o certo é que devemos estar de olhos bem abertos e buscando várias formas alternativas de luta, sempre observando os contornos das decisões impostas pelos nossos antagonistas.

    ResponderExcluir
  85. Nos países em que o povo náo foi foi ouvido por bem, foi ouvido por bala.

    ResponderExcluir
  86. Anonimo das 22:27 transcreveu decisão do min gilmar mendes(com minusculas mesmo):

    "Além dos requisitos gerais comuns a todos os recursos, deve ser instruída com prova documental que mostre a violação da decisão do Supremo."


    Quer prova mais nítida que as tabelas do subsidio 1 e 2 comparadas às do plano de carreira?

    Acorda sinduteeeee!socorroooo!

    ResponderExcluir
  87. GRAÇA:

    A PEDAGOGIA DA MARQUETAGEM!

    ELIO GASPARI

    Governos que pagam mal aos professores, que não têm programas sérios de capacitação dos mestres, onde as escolas estão caindo aos pedaços, descobriram que a compra de equipamentos eletrônicos é um bálsamo da pedagogia da marquetagem. Cria-se a impressão de que se chegou ao futuro sem sair do passado.
    A compra de 300 mil tabuletas (equipamento também conhecido como "tablet") para estudantes da rede de ensino público nacional poderá ser a última encrenca da gestão do ministro Fernando Haddad, ou a primeira de Aloizio Mercadante. O repórter Luciano Máximo informa que falta pouco para que o governo federal ponha na rua o edital de licitação para essa encomenda
    Encomendas milionárias de computadores ou tabuletas para a rede pública são apenas compras milionárias, com tudo o que isso significa. Se a doutora Dilma quiser, pode pedir as avaliações técnicas que porventura existam do programa federal "Um Computador por Aluno".

    Com quatro anos de existência, o UCA tem muitos padrinhos e fornecedores (150 mil máquinas entregues e 450 mil encomendadas por Estados e municípios). Nele, algumas coisas deram certo. Outras deram errado, ora por falta de treinamento dos professores, ora pela compra de equipamentos condenados à obsolescência.

    Uma boa ideia não precisa desembocar em contratos megalomaníacos que terminam em escândalos. Se um cidadão que cuida do seu orçamento não sabe qual tabuleta deve comprar, o governo, que cuida da Bolsa da Viúva, deve ter a humildade de reconhecer que não se deve encomendar 300 mil tabuletas, atendendo a fabricantes que não conseguem produzir máquinas baratas como as indianas ou versáteis como as americanas, as japonesas e as coreanas.

    Se esses equipamentos só desembarcarem em cidades e escolas onde houver banda larga e professores devidamente capacitados, tudo bem. Se o que se busca é propaganda, basta comprar vinte tabuletas, chamar a equipe de marqueteiros que faz filmes para as campanhas eleitorais e rodar o video. Consegue-se o efeito e economiza-se uma montanha de dinheiro.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/17235-a-pedagogia-da-marquetagem.shtml

    ResponderExcluir
  88. Olá, pessoal da luta!

    Boa madrugada!

    Foi muito bom os colegas terem mencionado a recusa da Reclamação constitucional impetrada pelo sindicato dos profissionais da Educação de Goiás contra o desgoverno de lá. Mesmo não concordando com a decisão unilateral tomada pelo ministro Gilmar Mendes (que aliás votou a favor da ADI 4167, mas isso agora não vem ao caso), o ministro, na sua justificativa, acabou incriminando indiretamente o governo de Minas Gerais.

    E mais: deixou claro que no nosso caso cabe sim uma Reclamação constitucional, entre outras ações. Aliás, na própria situação dos educadores de Goiás agora caberia tal ação, entre outras.

    Pesquisei o caso deles rapidamente e percebi o seguinte:

    a) quando o jurídico do sindicato de Goiás ingressou com a reclamação junto ao STF, o desgoverno de lá não tinha alterado a lei estadual do estatuto dos educadores de lá. Simplesmente não havia aplicado o piso. O jurídico de lá entrou com a reclamação em agosto de 2011 pedindo que o STF obrigasse o governo de lá a cumprir a decisão do STF. O ministro Gilmar Mendes rejeitou tal pedido. Pessoalmente, acho que se a reclamação tivesse caído nas mãos de outro ministro o resultado seria diferente;

    b) contudo, agora em dezembro, o desgoverno de Goiás, seguindo o mau exemplo do desgoverno de Minas (ambos são tucanos), enviou projeto de lei para a assembleia de lá alterando o estatuto dos educadores existente, e somando a gratificação de 30% ao salário base para atingir o valor do piso. Os deputados de lá, tais como os daqui, são carneiros que obedecem o que manda o governo. Tal como fizera o desgoverno daqui com o subsídio, só que lá não se alterou a remuneração para subsídio, embora na essência tenham feito o mesmo;

    c) mas, lendo a decisão do ministro Mendes sobre a reclamação, observamos que numa passagem ele acaba considerando que casos como o de Minas, ou até o de Goiás a partir de dezembro (e não em agosto, quando fora impetrada a reclamação), até mesmo o recurso da Reclamação constitucional poderia ser aceita. Vejamos:


    "A hipótese, portanto, é distinta daquela em que o Tribunal declara a inconstitucionalidade de lei e, posteriormente, as normas oriundas dessa lei são aplicadas por atos judiciais ou administrativos, ou, em hipóteses especiais, lei de idêntico teor é editada e aplicada judicial ou administrativamente, casos estes que poderão ser objeto da reclamação constitucional."

    d) a hipótese mencionada pelo ministro é a da não aplicação do piso pura e simplesmente, que segundo ele deveria ser questionado por outras ações; o que é diferente da alteração da lei como ocorreu em Minas e até mesmo em Goiás, a partir de dezembro.

    (continua...)

    ResponderExcluir
  89. (Continua... Parte 2)

    e) fazendo uma analogia com a realidade de Minas, em face da frase expressa pelo ministro, verificamos que se aplica perfeitamente à nossa realidade. No caso, o ministro levantou como exemplo a possibilidade de o STF considerar inconstitucional uma determinada lei, e assim mesmo um governante criaria uma lei estadual com o conteúdo dessa lei recusada pelo STF. O caso inverso também se aplica: o STF reconhece uma lei como constitucional (a Lei do Piso) e o governo de estado cria uma lei, posteriormente, com o conteúdo que afronta a lei considerada constitucional pelo STF.


    Vamos citar novamente a frase do ministro:

    "...o Tribunal declara a inconstitucionalidade de lei e, posteriormente, as normas oriundas dessa lei são aplicadas por atos judiciais ou administrativos, ou, em hipóteses especiais, lei de idêntico teor é editada e aplicada judicial ou administrativamente, casos estes que poderão ser objeto da reclamação constitucional."

    Ou seja, Minas alterou a lei estadual existente (coisa que Goiás depois copiou o mau exemplo) aplicando o teor da ADI que foi rejeitada pelo STF - e com isso contrariando a lei federal e a decisão do STF.

    E mais abaixo o ministro tece outras considerações que ficam como dicas para os sindicatos - dicas que, aliás, algumas delas o nosso combativo Marcus Guerra já havia dado aqui:

    "O que é necessário enfatizar é que a aferição concreta da legalidade ou ilegalidade de atos e/ou comportamentos públicos não poderá ser, em princípio, objeto da reclamação constitucional, devendo ser suscitada pelas partes prejudicadas e/ou interessadas por meio de outras vias judicias, tais como o mandado de segurança e outras ações civis (ações civis públicas, ações de improbidade, ações populares, ações cíveis ordinárias etc.) perante as instâncias judiciais competentes."

    Um forte abraço a todos e força na luta!

    Para quem desejar conhecer o inteiro teor da decisão do ministro do STF, eis o link:

    http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.asp?numDj=239&dataPublicacaoDj=19/12/2011&incidente=4122998&codCapitulo=6&numMateria=196&codMateria=2

    ResponderExcluir
  90. VOCE DISSE E EU CONCORDO:
    "Pessoalmente, acho que se a reclamação tivesse caído nas mãos de outro ministro o resultado seria diferente;"
    TRADUZINDO:
    FICAMOS REFÉNS DA INTERPRETAÇÃO DA CUCA DE CADA JUIZ!!! SOS!!!

    ResponderExcluir
  91. Olá, pessoal da luta!

    Pelo menos o jurídico do Sintego - sindicato dos profissionais da Educação de Goiás deu uma satisfação para os educadores de lá. No Boletim de dezembro, logo após a aprovação do projeto de lei 141, que alterou o estatuto e plano de carreira deles, seguindo o mau exemplo do desgoverno de Minas, o sindicato soltou a seguinte nota:

    "O departameto jurídico do Sintego já foi acionado para entrar na justiça contra os estragos provocados pelo projeto de lei 141. Parecer elaborado pelos advogados do sindicato apontam diversas ilegalidades e inconstitucionalidades na proposta aprovada na Assembleia Legislativa.

    O secretário para Assuntos Jurídicos do Sintego, Pedro Soares, informou que a ação será protocolada na Justiça assim que sair a folha de pagamento de janeiro, já sob os efeitos da nova tabela salarial. "Precisamos esperar os contracheques de janeiro para arrolar como provas aos nossos argumentos. As irregularidades são claras, mas precisamos juntar provas ao processo", explicou.

    Entre as ilegalidades notadas, estão a redução de percentuais de gratificação por titularidade para mestrado e doutorado e o cancelamento dos títulos dos cursos de 180 horas a 1.080 horas. Pedro Soares explica que estas medidas violam um direito adquirido dos servidores e o princípio de isonomia. É uma aberração este projeto", disse.

    Pedro explica que no caso citado acima não basta a Justiça apenas pedir o retorno da titularidade para quem já está na rede, já que, com isso, professores que vierem a ser contratados não teriam o direito e isso criaria um tratamento diferenciado a profissionais que exercem a mesma função e se encontram no mesmo nível na tabela salarial.

    Por isso, o Sintegro vai pedir na Justiça que sejam revogadas todas as mudanças impostas pelo projeto de lei 141 à lei estadual 13.909, que regulamenta o Estatuto e o Plano de Cargos e Vencimentos do Pessoal do Magistério público de Goiás.

    (...)

    A transformação da gratificação por titularidade em salário para se enquadrar à lei federal 11.738/08 - a Lei do Piso -, é outro desrespeito à Constituição anotado pelo departamento jurídico do Sintego. Tal manobra já foi refutada diversas vezes pela Justiça, com decisões inclusive no Supremo Tribunal Federal (STF).

    "Vamos entrar com a ação na Justiça, mas também vamos cobrar um posicionamento do Ministério Público e do próprio poder judiciário, para que seja mais célere na análise da nossa denúncia. Os professores não podem esperar muito tempo porque cada mês que passa o prejuízo fica ainda maior", disse o secretário para Assuntos Jurídicos."

    Comnentário do Blog: não conheço a postura política dos dirigentes sindicais do Sintego - e aqui nem vem ao caso agora -, mas pelo menos eles estão dando uma satisfação aos associados; estão dizendo claramente que vão ingressar com ações na justiça, apresentaram datas, justificaram a espera até o contracheque de janeiro, vão acionar o ministério público, etc. Aqui em Minas, além de não haver uma estratégia jurídica anunciada, não há uma única declaração sobre as providências que serão tomadas pelo sindicato. Não se trata de anunciar os argumentos ou o nome do escritório de advogados, mas de apresentar uma linha coerente de ação. E de cumprir a decisão do comando de greve (nas três últimas reuniões) que decidiu pela contratação de um escritório de renome para ingressar com ações bem fundamentadas. É o que a categoria espera do sindicato neste momento.

    ResponderExcluir
  92. Voltar
    Déficit de professores nas redes estaduais e municipais é de 300 mil Favoritar
    Número corresponde a 15% do total de educadores em salas de aula
    28/12/2011 - 23h00 | O Globo
    RIO - O ano de 2012 começará com velhos problemas na rede pública de ensino. Estimativa da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação aponta déficit de cerca de 300 mil professores no país nas redes estaduais e municipais , número que corresponde a 15% do total de educadores em salas de aula (2 milhões). Salários baixos, falta de educadores no mercado, ausência de planos de carreira e mau gerenciamento do quadro de servidores muitos estão desviados de função são apontados como causas da carência. Para amenizar a crise, estados e municípios recorreram a concursos e contratos temporários, e professores passaram a lecionar em áreas diferentes da sua formação.


    Hoje o piso nacional do magistério para 40 horas é de R$ 1.187. Para o Sindicato Estadual dos Profissionais de Ensino do Rio (Sepe), o valor não motiva a permanência na escola. De acordo com o Sepe, em 2012 a falta de professores continuará a ser crônica na rede estadual, que perderá um educador a cada dia útil por exoneração, mantendo a média deste ano. O déficit nas escolas a maioria de ensino médio , chegaria a 10 mil profissionais. Na capital, os números são igualmente preocupantes: 5 mil estimados.
    Presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Cleuza Repulho diz que a saída é a aprovação, em 2012, do Plano Nacional de Educação (PNE).
    O PNE prevê plano de carreira. O professor quer buscar a chance de crescimento profissional. Se não for feito nada chegaremos a um ponto que haverá orçamento e alunos, mas não educadores diz Cleuza, que aponta as áreas de Química, Física e Matemática como críticas.
    Carência atinge todo o país
    Maristela Kaminski, de 16 anos, que cursou o segundo ano do ensino médio no Colégio Aderbal Ramos da Silva, em Florianópolis, vive uma realidade comum em Santa Catarina. Ela faz parte dos alunos sem aula por falta de professores na rede estadual. A jovem conta que, neste ano, teve aula somente no segundo semestre nas disciplinas de Geografia, Química, História e Sociologia. Levantamento do Sindicato da Educação do estado feito em 400 das 1.234 escolas estaduais apontou que há falta de professor em 90% delas. Cerca de 50% dos professores (34 mil) são temporários.
    O secretário de Educação, Marcos Tebaldi, afirmou que existem casos pontuais. Mas a assessoria técnica da diretoria de Gestão de Pessoas informou que faltam cerca de dois mil professores e a carência é maior em Matemática, Literatura, Química, e Física, no ensino médio, e Artes, Português, Matemática, e Ciências, no fundamental. Santa Catarina foi um dos estados contrários ao piso nacional do magistério e pagava salário de R$ 609.
    Em Mato Grosso do Sul, dos cerca de 17 mil professores efetivos e convocados da rede estadual, a metade não é concursada e está em sala de aula substituindo profissionais de licença médica, que estão ocupando outras funções ou cedidos para outros poderes. Já no Rio Grande do Sul, dos atuais 77 mil professores que estão em sala de aula, 26 mil não são concursados. Eles foram contratados por razões emergenciais, substituindo docentes fixos afastados.
    A Secretaria de Educação do estado do Rio informou que investiu na melhoria salarial. O estado afirma que, neste ano, a carência de professores diminui de 11.773 para 1.550. Está em andamento um concurso para o preenchimento inicial de 3.321 vagas. Já a Secretaria municipal de Educação afirmou que havia déficit de 7.500 professores em 2009. Foram contratados 11.531, faltando hoje 91 educadores.

    ResponderExcluir
  93. Queridos colegas ...Euler

    Receita para um ano novo feliz

    pegue 12 MESES inteiros.
    Limpe-os, bem, tirando toda a amargura,
    Ódio e inveja.
    Deixe-os tão limpos quanto possível.
    ... Depois corte cada MÊS em 28,30 ou 31
    partes diferentes, mas não pegue todas
    de uma vez só.
    Prepare-os pouco a pouco , atento aos ingredientes,
    misture bem em cada dia um pouco de FÉ,
    uma porção de PACIÊNCIA, uma porção de CORAGEM,
    E uma porção de TRABALHO.
    Adicione uma parte de ESPERANÇA,LEALDADE,GENEROSIDADE,MEDITAÇÃO E BOA VONTADE.
    Tempere tudo com pitadas de ESPIRITUALIDADE,DIVERSÃO ,um pouco de BRINCADEIRA e um pouco de BOM HUMOR.
    Despeje tudo isso numa tigela de AMOR,cozinhe bem ,com muita ALEGRIA,
    e enfeite com um SORRISO.
    Depois sirva tranquilo,desapegada e carinhosamente.

    Assim você está destinado a ter muitas Felicidades

    " FELIZ ANO NOVO PARA TODOS"

    Magaly (Norte de MG)

    ResponderExcluir
  94. Sou aluno e me pergunto... cadê a Beatriz Cerqueira?

    Por que ninguém movimenta nada na justiça?

    Esse silêncio está muito esquisito e não foi só eu quem percebeu.

    Professores... tomem cuidado com os de "dentro".

    Força na luta.

    ResponderExcluir