domingo, 15 de maio de 2011

Por que defendemos o pagamento do piso do MEC (e não o da CNTE)?


Atenção, combativos colegas: recebi a mensagem abaixo por e-mail do nosso camarada de luta Rômulo e achei por bem reproduzi-la aqui no blog, repartindo com todos/todas as palavras do nosso bravo colega e amigo Rômulo:


"Estimado Companheiro Euler,

Gostaria de agradecer a cada uma das mensagens de conforto e solidariedade postadas em seu BLOG. Aproveito e agradeço também as carinhosas palavras de apoio que o amigo escreveu.

A perda de Clarice me pesa muito. É uma dor imensurável, porém ao invés do vazio que poderá causar, lutarei para que fique a lembrança da luta que a "pequenina" travou em torno de sua vida.

A sua luta nos conforta e convoca-nos a prosseguir nas batalhas com decisão e ânimos redobrados.

Retorno a sala de aula amanhã, ao convívio dos meus queridos alunos e companheiros, com a mesma determinação de fazer da escola uma grande trincheira de luta, um espaço coletivo, horizontal e transgressor.

Sábado próximo estarei a disposição da companheirada na reunião do Conselho Geral. Com humildade e serenidade, ainda com o coração dilacerado, atenderei o chamado da luta e a disposição de realizar a tarefa que o coletivo determinar, seja intervindo, seja ouvindo, seja debatendo...seja conspirando.

Um forte abraço,

Rômulo"


***

Por que defendemos o pagamento do piso do MEC (e não o da CNTE)?


Seria politicamente mais simpático para o nosso blog defender o piso proposto pela CNTE e pelo Sind-UTE - de R$ 1.597,00 para a jornada de 24 horas para o professor com ensino médio -, do que o piso do MEC - R$ 1.187,00 pela jornada de até 40 horas para o professor com ensino médio. Contudo, uma coisa é querer angariar simpatia fácil, mesmo sabendo se tratar de algo distante da realidade; outra coisa é trabalhar com propostas que estão ao nosso alcance, e que apesar de não atenderem ao que merecemos, representam um primeiro passo para outras conquistas.

A proposta da CNTE/Sind-UTE, além de não representar o mínimo exigido por lei, não é sequer reconhecida pelo MEC. Em função de uma divergência em relação à interpretação da lei do piso, no seu artigo 5º (que versa sobre a atualização anual do piso com base no custo aluno-ano), a CNTE adotou uma proposta. E o MEC, com base na consulta formal feita à Advocacia Geral da União - AGU -, adotou outra metodologia. Caberia à entidade sindical, se convicta estivesse de sua fórmula, ingressar na Justiça contra o MEC, ao invés de simplesmente divulgar um valor divergente como se fora o valor correto do piso.

Mesmo considerando que o valor proposto pela CNTE seja o mais correto, há que se levar em conta outros elementos, que podem se tornar complicadores, como veremos a seguir.

Imagine-se que o governo mineiro manifestasse interesse em atender à reivindicação do sindicato - R$ 1.597 / jornada de 24 horas / professor com ensino médio -, mas, alegasse que para tal não possuía recursos em caixa. Neste caso, de fato, pelas tabelas que o sindicato publicou, o impacto financeiro ultrapassaria seguramente a casa de alguns bilhões de reais, considerando o montante de cerca de 230 mil servidores da Educação em Minas.

O que diríamos nós para o governo mineiro? Ora, prove que não pode pagar e peça a complementação do governo federal. Espertamente, o governo mineiro, aparentando interesse, diria: pois não, caros educadores, faremos as planilhas e enviaremos para o governo federal. E nós aqui, aguardando. Como o governo consegue maquiar seus números contábeis ao bel-prazer, não teria dificuldade em fazer tais planilhas, após um bom tempo, claro. Ao fazê-lo, os estudos do governo cairiam nas mãos do MEC, cujos técnicos, de cara, diriam: epa, alto lá! Que piso é este que vocês estão querendo que o governo federal complemente? O nosso piso (do MEC) é R$ 1.187,00 para até 40 horas, e não R$ 1.597,00 para 24 horas. Portanto, seu governador Anastasia (ou sua secretária da Educação, Ana Lúcia Gazzola) refaçam as contas com os nossos valores e provem que não podem pagar.

E o governador de Minas, já tendo ganhado o tempo que lhe interessava de alguns meses, diria: está vendo? Eu bem que queria pagar o que vocês pediram, mas o governo federal barrou. Então, agora eu vou pagar o piso do MEC, porque este nem precisa de complementação da União.

Ou seja, perdemos tempo e dinheiro com a novela de um valor que não é reconhecido por nenhuma instância de nenhum governo. E se o sindicato levar o caso para a justiça, aí é que o nosso piso não sai mesmo, dada à morosidade em decidir qualquer coisa em favor dos de baixo, ainda mais sobre um valor que contraria os cálculos de dois órgãos governamentais: o MEC e a AGU.

O piso do MEC/AGU está muito aquém do que merecemos, isso é fato; mas é ele que é reconhecido por todos os governos. O mesmo se pode dizer em relação à jornada de trabalho. Se a lei permite - como de fato permite - que o governante pague o valor do piso proporcional à jornada praticada em cada estado ou município, é perda de tempo exigir que o governo pague o piso cheio (mesmo o do MEC) para uma jornada menor do que as 40 horas da lei do piso. Devíamos ter brigado antes, para conquistar uma lei melhor. Ou, podemos continuar brigando a partir de agora para melhorá-la. Mas, como temos dito aqui, esta briga é em Brasília, onde essas questões podem ser dirimidas sem dupla interpretação. Não em Minas.

Em relação à lei do piso, devemos cobrar do governo mineiro, neste primeiro momento, aquilo que diz a lei: a) que pague o piso imediatamente como vencimento básico, aplicado à nossa tabela do plano de carreira em vigor. E qual o valor do piso? Claro, o valor do piso do MEC, que, aplicado à nossa jornada de 24h, começa com R$ 712,20, para o PEBIA da antiga carreira (professor com ensino médio), e termina com R$ 1.924,86, para o PEB6A (professor com doutorado); b) que aplique imediatamente o terço de tempo extraclasse, pagando-nos inicialmente por três aulas de extensão de jornada para o cargo de 24 horas.

Essas duas medidas que constam da lei do piso, aprovada pelo Congresso, sancionada pelo presidente, e que teve a constitucionalidade reconhecida pelo STF nos dias 06 e 27 de abril último, representariam uma importante conquista para a categoria.

Como tenho demonstrado de forma ilustrativa, tomemos como exemplo um professor com curso superior em início de carreira. Em 2011, este professor PEB3A receberia, pela mesma jornada de 24 horas e 18 horas em sala de aula praticada atualmente, o valor total de R$ 1.431,00 (básico de R$ 1.060,00 + 20% de pó de giz + 03 aulas de extensão pelo terço de tempo). Já em 2012, pelo valor do novo piso do MEC que o nosso blog adiantou (R$ 1.450,00), este mesmo professor receberia R$ 1.748,11 (básico de R$ 1.294,90 + 20% de pó de giz + 03 aulas pelo terço de tempo extraclasse).

Portanto, se considerarmos que em 2010 o vencimento total de um professor em início de carreira era de R$ 935,00, veremos que, com a lei do piso aplicada, mesmo na sua forma mais conservadora, estaria ocorrendo um reajuste de 53% em 2011 e de 22,16% em 2012 para o professor em início de carreira. Claro que para os professores que detenham as gratificações confiscadas em 2003 para os novatos, estes valores seriam ainda maiores, na proporcionalidade do tempo de serviço e das gratificações individuais. Um professor com 20 ou 30 anos de carreira teria seu salário de um cargo apenas reajustado para algo entre R$ 2.500,00 a R$ 3.500,00. Nada mais justo que estes colegas recebam o que lhes é de direito. E da mesma forma, nada mais justo e necessário que lutemos pela devolução daquilo que nos foi tirado em 2003.

Fica evidenciado também que, ao tratar do piso, refiro-me tão somente ao impacto que este terá sobre o antigo regime remuneratório, já que a lei do subsídio, após a decisão do STF de que piso é piso, perdeu completamente a substância. Professor novato ou antigo que insistir em ficar na lei do subsídio merece sofrer, ganhar mal e passar a vida inteira choramingando nos corredores das escolas. Não apenas pelo que esta lei representa, pela ausência de perspectiva na carreira, como também pelo que significa enquanto divisão da categoria.

Infelizmente, nós ainda temos alguns poucos educadores que têm dificuldade de enxergar um palmo além do momento. Não conseguem enxergar as possibilidades nem para daqui a um mês, quanto mais para daqui a um ano, ou mais.

- Ah, eu não posso perder R$ 300 reais agora, Euler! - dizem. Mas, mal se dão conta de que em pouco tempo vão perder muito mais, se se mantiverem na lei do subsídio. E sequer temos certeza de que haverá qualquer perda no momento, já que rebaixar salário é inconstitucional e a luta pela não redução de salário está em aberto, desde que a direção sindical tenha a boa vontade de assumir esta bandeira - o que não fez até o momento, não se sabe ainda o porquê.

Por isso eu insisto aqui na tese de que devemos lutar pelo programa mínimo imediato, que temos repetido aqui, mas que não custa republicá-lo:

1) pelo retorno de todos para o antigo regime remuneratório até o dia 10 de junho, exigindo do governo a não redução salarial;
2) pelo imediato pagamento do piso do MEC (depois discutiremos temas como: o valor do piso da CNTE lá em Brasília, o pagamento retroativo, etc);
3) pela aplicação do terço de tempo extraclasse, com o imediato pagamento de 03 aulas de extensão (depois discutiremos a mudança no plano de carreira para a jornada de 24 horas com 16 em sala de aula);
4) pela devolução das gratificações confiscadas em 2003, como quinquênios e biênios para os novatos, que podem até ser negociadas num prazo máximo de 24 meses;
5) pelo reajuste salarial em todas as tabelas das demais carreiras da Educação, de acordo com os índices de reajuste do piso dos professores. Não é justo que as demais carreiras, que não às do magistério, não sejam contempladas com a conquista da lei do piso.

Acrescentaria a este "programa" um item apenas: que se garantam aos novos concursados e aos designados o direito à opção de carreira pelo antigo sistema remuneratório.

Com este programa na mão, vale a pena discutir com a categoria, e também com a comunidade e nos prepararmos para cobrar do sindicato e do governo o cumprimento do mesmo. Pode parecer estranho falar em cobrar do sindicato e do governo, e não apenas deste último. Mas, é assim mesmo, infelizmente, pois a nossa luta se dá em duas frentes: contra o governo, obviamente, e contra a direção da nossa entidade, que formula suas propostas nos gabinetes com as cúpulas de outras entidades (partidos políticos e centrais sindicais atreladas a estes), e não de acordo com os interesses autônomos de classe dos trabalhadores que estão (estamos) na base.

Vão alegar que não, que tudo é decidido nos conselhos de representantes e nas assembleias. Mas, nós sabemos que não é bem assim. Que infelizmente, por n razões, a nossa categoria ainda é muito desinformada - e despolitizada, também - e que nem sempre as decisões tomadas nestes fóruns refletem o real sentimento da maioria da categoria.

Mas, este é o jogo democrático, desta democracia burguesa com a qual convivemos. E é claro que devemos entender este processo enquanto movimento - em mudança, portanto -, no qual somos todos partícipes, capazes de fazer a diferença. O nosso blog dá uma pequena contribuição para isso. E cada um dos que aqui visita e discute com os colegas, também dá sua importante contribuição. E assim vamos formando uma corrente pela base, horizontal e autônoma, capaz de acumular força para fazer a nossa luta avançar com conquistas.

Só não temos o direito de deixar escapar aquilo que já foi conquistado na lei, e que, por falta de clareza ou má-fé, pode se esvair. Não por culpa do governo, apenas, que está no seu papel em querer nos enganar, nos confundir, nos desinformar; mas, por nossa própria culpa e da entidade que nos representa. Saibamos manter e fortalecer a nossa disposição de luta e a nossa unidade em torno de propostas comuns a todos os colegas. Com essa força organizada e unida, venceremos!

***
"Anônimo:

EULER TEM UMA NOTA DA SEPLAG E DA SEE QUE ESTÁ FRONTALMENTE A FAVOR DO SUBSIDIO. INCLUSIVE O ÚNICO VALOR QUE APARECE SÃO OS 712,00. NEM CITA QUE É PARA NÍVEL MÉDIO. CITA O VALOR DO SUBSIDIO DE 1.122,00 PARA O MÉDIO E 1320,00 PARA PLENA PARA 24 HORAS. OS DESAVISADOS QUE LEREM ESSE ARTIGO FICARÃO NO SUBSIDIO. ESTAMOS PERDIDOS. CADÊ O SINDUTE PARA DESMENTIR OU ESCLARECER? PAGAMOS MENSALIDADE PARA QUE? DEUS NOS PROTEJA, SE NÃO É SEU BLOG A COISA ESTAVA PIOR. "


Comentário do Blog: o governo está fazendo o jogo dele, mostrando apenas o que lhe interessa; cabe a nós fazermos o nosso, procurando esclarecer aos colegas sobre as questões colocadas. É oque temos feito aqui no blog; e é o que dezenas de combatentes vêm fazendo nas escolas. O sindicato, infelizmente, entrou tardiamente nesta luta, graças a pressão que este blog fez, com o apoio de dezenas de visitantes. Mas, a luta não terminou ainda. Temos que convencer a maioria dos educadores a mudarem para o antigo sistema remuneratório. Na escola em que eu trabalho a adesão ao antigo sistema remuneratório por parte de efetivos e efetivados é de 100%. Continuemos a nossa luta!

"Anônimo:

Muito boa sua colocação. O sindicato deve em primeiro momento fazer cumprir o que está na lei, fica iludindo os colegas professores com salários astronômicos, não que não mereçamos, desta forma posteriormente um reajuste maior. Após indicar seu blog para uma colega professora, sindicalizada, esta resolveu desfiliar-se do sindute. Segundo ela relatou o nosso sindicato é muito fraco, fica preocupado com eleição para diretor, demora para comunicar decisões. Concordo totalmente, o nosso sindicato deveria ser mais atuante, as informações deveriam chegar em tempo real. vejo no seu blog um caminho de comunicação mais eficaz que o sindicato .
Que o piso seja implantado já!
Abraços."


Comentário do Blog: olá, combativa colega, agradeço pela visita e pelas palavras. Veja: nós ainda precisamos de uma entidade sindical para nos representar, mesmo que a direção desta entidade não corresponda à nossa expectativa. Devemos lutar para mudar isso. Só em último caso, se percebermos que não existe possibilidade de contar com a entidade que nos representa, é que devemos buscar uma outra alternativa. Mas, este blog e outros mais, além da atuação organizada de vários agrupamentos e núcleos, fazem o contraponto ao descaso da direção sindical. Devemos manter a pressão desta forma: no interior do sindicato, para mudar sua orientação; e para além do sindicato, porque não estamos presos a nenhuma forma de cabresto, nem amarrados à orientação de partidos, governos ou centrais sindicais. Nossa orientação são os interesses de classe dos trabalhadores, de forma autônoma. Um abraço e força na luta!

"Joaquim:

combativo colega Euler, seu blog está sempre na ponta com informações para a categoria! Então vai uma informação fresca: a subsede de Montes claros organizou uma manifestação no dia 14/05, durante a visita do governador Anastasia à cidade de Capitão Enéas e foi legal, pois deu até no noticiário da Intertv (afiliada da poderosa Globo. Valeu Moc, o governo tem que saber que os educadores estão atentos, independente da apatia da direção estadual, que só faz teatro. Um grande abraço! "


Comentário do Blog: um abraço aos bravos combates de Norte de Minas, especialmente de Montes Claros. Essa ação de alguma recebeu a inspiração da passagem do combativo João Martinho, que pelo que consta, esteve no Norte de Minas neste final de semana, rsrs. Mas, é bom que o governador de Minas saiba que se a categoria entrar de greve por tempo indeterminado pelo fato do governo não pagar o piso, que é lei, esta greve não será como em 2003, no início do governo do faraó; e nem mesmo como a nossa maravilhosa revolta-greve de 2010; será uma greve mais forte, mais atuante e mais combativa do que nunca. Nosso blog quer que o governo pague o piso e atenda o programa mínimo inscrito aqui. Isso evitará a greve, seguramente. Mas, se necessário for, vamos a luta, os colegas de Norte de Minas, como de resto de todas as demais regiões de Minas, não faltarão ao chamado de luta!

"Anônimo:

EULER VC QUE ESTÁ SEMPRE ANTENADO E DANDO INFORMAÕES EM TEMPO REAL, ME RESPONDA UMA COISA.
VC JÁ PAROU PARA FAZER AS CONTAS DE QUANTO ARRECADA O SINDUTE POR MÊS? SOMOS 80.000 MIL FILIADOS, PAGANDO UMA MÉDIA DE 10.00 REAIS. E NUNCA TEM DINHEIRO PARA COLOCAR NOTÍCIAS NA MÍDIA PARA ESCLARECER AOS FILIADOS.OLHA QUE A SOMA É CONSIDERÁVEL.ESSE MOMENTO É MUITO IMPORTANTE, ESTAMOS COM TODO PESSOAL DO GOVERNO CONTRA NÓS. É HORA DE UNIÃO E DE TODO ESFORÇO PARA ESCLARECER A CATEGORIA. JORNAL, RÁDIO, TELEVISÃO ETC. SÓ VEJO AS PESSOAS SE ORGANIZAREM PARA CONGRESSOS, QUANDO É PARA IR EM ASSEMBLÉIAS, É UMA MINORIA QUE ESTÁ DISPOSTA A IR. ISSO É UM ABSURDO. ESTOU CANSADA. A NOSSA LUZ É VC, PORQUE SE DEPENDER DO SINDUTE....MAS NÃO SÃO TODOS OS PROFESSORES QUE TEM COMPUTADOR E TEM FACILIDADE PARA USAR ESSE MEIO DE COMUNICAÇÃO. PRECISAMOS COBRAR AÇOES CONCRETAS DESSE SINDICATO MANTIDO POR NÓS. E NÃO TABELAS MIRABOLANTES, QUE SE BOBEAR AINDA VAI NOS ATRAPALHAR. "


Comentário do Blog: olá, combativa colega, já cheguei a mencionar aqui que o sindicato arrecada atualmente, pelos meus cálculos, não menos que R$ 1 milhão mensalmente, quantia esta que dá muito bem para manter um aparelho operoso, com um atuante e eficiente departamento jurídico; além da estrutura necessária para apoiar a nossa luta.

Também estranhei a omissão do sindicato nos dias finais de opção pela carreira antiga - que afinal, graças à nossa pressão, a data foi prorrogada pelo governo. Mas, mesmo agora, ainda falta mais atitude do sindicato, que deveria de fato tomar pelo menos três medidas: 1) enviar para todos os filiados uma carta explicativa das vantagens de se retornar para o antigo sistema remuneratório, 2) pagar matéria em jornais de grande circulação em todas as regiões de Minas, nas rádios e na TV, 3) produzir um cartaz chamando a categoria a retornar para o antigo sistema remuneratório, associando tal opção à conquista do piso, e enviando tal cartaz para todas as escolas.

O problema é que, quando o sindicato usa sua máquina para informar alguma coisa para a comunidade, usa dados que não correspondem com a realidade, como a proposta do piso da CNTE de R$ 1.597,00 para a jornada de 24 horas para o professor com o ensino médio. Como estes dados são apresentados como direitos já garantidos em lei, e as pessoas se informam que não é bem assim, então ficam descrentes da informação dada pelo sindicato.

Para não mentir, o sindicato deveria dizer: o mínimo já garantido em lei é: um piso com valor tal, com jornada proporcional a cada estado, etc., e que o sindicato defende tal valor para o piso e tal jornada. Caberia então as pessoas avaliarem o que é o direito delas, e até fazerem a opção de lutarem por algo mais, mas sabendo que aquilo não é o direito mínimo assegurado em lei.

Infelizmente, o governo conta com o descrédito do sindicato junto da categoria para fazer sua política.

No mais, depende um pouco também de todos nós, que estamos um pouco mais informados, e que devemos continuar esclarecendo aos colegas na ativa e aos aposentados. Apesar das dificuldades, vamos vencer esta luta
!


"Anônimo:

Boa noite, Euler e demais colegas! Você fez uma colocação acima numa forma que eu venho pensando há duas semanas, depois de alguns embates : "Professor novato ou antigo que insistir em ficar na lei do subsídio merece sofrer, ganhar mal e passar a vida inteira choramingando nos corredores das escolas. Não apenas pelo que esta lei representa, pela ausência de perspectiva na carreira, como também pelo que significa enquanto divisão da categoria." Porque da mesma forma que criticamos atitudes do sindicato e governo, reconhecemos servidores dentro da categoria sem um mínimo de capacidade de análise do atual momento e se comportam como verdadeiras "maria vai com as outras" . E nem é falta de informação, é falta de sei lá o quê. Eu já ouvi : "você acha que o governo vai pagar esse piso!? Nunca!" Qualquer pessoa com um mínimo de bom senso e conhecimento já sabe o que a Lei 11738/2008 significa em termos de conquista profissional para nós. Ou deveriam estar sabendo... Essa porção massa de manobra colabora bastante... com o governo, né? "

Comentário do Blog: de fato, temos muitos colegas que se acomodaram e não acreditam em mais nada. Anos a fio trabalhando em duas ou três escolas por dia, com péssimas condições de trabalho, infelizmente ajudaram a embrutecer o pensamento de alguns colegas. Mas, isso também pode mudar. A riqueza da vida pode nos surpreender, e até mesmo pessoas que nunca participaram de nada, começam a se interessar, quando percebem que há um movimento, e que as coisas mudam no seu entorno. Por isso, a importância das conquistas, como a do nosso piso, para que as pessoas acreditem na sua própria força. Temos que entender a realidade da seguinte forma: todo o sistema instalado - governos, mídia, entidades sindicais, etc - conspiram contra nós. Mas, nós somos a maioria e podemos conspirar contra eles, também, numa contra-corrente. E somos mais fortes, quando estamos unidos. E uma parte da categoria que ainda não foi despertada para esta luta, acabará mudando de idéia ao perceber que seus interesses estão em jogo. Um abraço e força na luta.

"Acioni Coelho:

Euler, boa noite!
Lendo a sua última matéria fiquei pensando que você bem que poderia ser nosso representante no sindicato, ocupando o cargo de presidente. Acho que a classe ganharia e muito caso você estivesse lá, fazendo frente para o governo. Pense nisso. Sua inteligência e discernimento nos colocaria em outra situação nas lutas que teremos que travar com o Anastasia.
Abraços e continue sendo para nós o que o sindicato deveria ser: FONTE DE INFORMAÇÃO.
Acioni Coelho"


Comentário do Blog: olá, combativa colega Acioni, agradeço as generosas palavras, mas não tenho juízo para assumir a presidência do sindicato ou de qualquer outro órgão, rsrs. Por isso, prefiro ficar na base, caminhando junto com os colegas, ajudando a construir esse movimento, horizontal e autônomo. Sigamos em frente com a nossa luta comum! Um abraço e força na luta!

"Anônimo:

Olá Euler, já há algum tempo que acompanho seu blog e admiro muito o seu trabalho aqui. Concordo com muitas críticas que foram feitas a direção do sindicato, porém, acho que precisamos tomar muito cuidado, especialmente nesse momento crucial que estamos vivendo, para não nos esfacelarmos ainda mais, e pior, permitir que o governo perceba e use isso contra a categoria. Eu sei das suas críticas em relação ao sindicato, mas algo que admiro é que vc apesar disso não abandona a luta, inclusive via sindicato. Está sempre nas ações chamadas pelo sindute e dá sempre seu apoio. Isso é um trabalho de base fundamental, mas muito raro. No geral as mesmas pessoas que criticam o sindicato nada fazem pela luta coletiva. Vêem problemas no sindicato e só atacam, desfiliam ou até mesmo boicotam. Infelizmente isso não contribui nem para mudar a situação no sindicato nem a nossa condição enquanto categoria. Tem gente que reclama que o sindicato não informa, mas não lê um jornal, não lê um INFORMA, sequer um email. O camarada é capaz de entrar no site da see mas não entra no site do sindicato. Acho que o sindicato tem que fazer a sua parte, mas Euler, infelizmente muitos colegas nossos não fazem o mínimo. Querem que o sindicato seja um super herói e se esquecem que ele próprio (o sindicato) é, ou tem que ser, uma construção coletiva. Isso eu acho lamentável, a maior parte dos que criticam com tanta veemência o sindute, nem sabem o que é um sindicato, pensam o sindicato como clube de vantagens, acho isso muito triste. Não estou defendendo o sindute, também tenho minhas críticas com relação a ele, mas eu corro atrás de informação, eu posso questioná-lo mas, como vc, sempre estou nas ações, porque acredito que bom ou ruim, é ele que nos representa e a força dele depende do envolvimento da categoria e é por isso que estou em todos os movimentos. Acho que é bom refletirmos um pouco nisso. O sindicato não tem uma força independente dos trabalhadores. Quem subsidia o sindicato somos nós. Não apenas financeiramente, mas PRINCIPALMENTE, com nosso envolvimento na luta. Tem gente que paga 10,00 por mês e acha que o sindicato tem que ficar a seu serviço, de preferência mandar alguém na casa dele para informar, mas NUNCA foi em uma Assembléia. Eu acho isso um absurdo.
Enfim...
Abços e até o dia 31 (porque eu sei que vc vai, e não ficará esperando chegar notícia na sua casa ou na escola, embora ela tenha que chegar.)
Abços "



Comentário do Blog: Suas reflexões são pertinentes, colega. De fato, muita gente se acomoda e critica o sindicato até mesmo como pretexto para a não participação na luta. Esse tipo de crítica de fato não contribui. Aqui no blog, mesmo respeitando aquelas pessoas que por razões pessoais resolveram se afastar do sindicato, não defendemos nem pregamos a desfiliação do sindicato, pois consideramos que ainda precisamos de um instrumento que nos represente nas negociações com o governo, entre outras tarefas. Claro que, enquanto filiados, ou mesmo enquanto membros da categoria, temos o dever de cobrar, criticar e fiscalizar os atos da direção sindical, seja ela qual for. Mas, esta crítica, diferente daquela outra - de quem não quer participar da luta -, ajuda o sindicato e a categoria a corrigirem seus equívocos. Acho que é dessa forma que haveremos de construir um movimento crítico, que não aceita manipulações, mas que não vai abandonar a luta por conta de ocasionais erros dos dirigentes sindicais ou da própria categoria. E finalmente, o importante é construir uma proposta comum que unifique a categoria em torno dessa proposta. Assim nos fortalecemos, apesar das divergências internas. Um abraço, e força na luta!

"
Professora Ivete - Carangola/MG":

Professor Euler, mais uma vez parabéns pela clareza, pelo discernimento e pela coerência com que você expõe suas posições, porque além de demonstrar conhecimento do que está dizendo, sabe expor e argumentar com muita propriedade, quero lhe dizer que sou da área da linguagem e fico maravilhada com a qualidade de seus textos. Seus esclarecimentos são importantíssimos para os profissionais da educação, até para que todos saibam pelo que lutar, reivindicar.
Professora Ivete - Carangola/MG
"

Comentário do Blog: sou eu quem agradeço a valiosa visita da nossa combativa colega professora Ivete, de Carangola. Obrigado pelas generosas palavras. E um abraço a todos os bravos colegas da cidade de Carangola - MG.

"
Anônimo:

O Euler de fato está se despontando como uma nova liderança estadual da nossa categoria.
Mas vocês já repararam com quem ele fica de conversa no ouvido durante a formulação das propostas nas assembleias???
Pelo amor de Deus! A LOC não!!!!!!!!!!!!!
"

Comentário do Blog: rsrs, não sabia que eu conversava com siglas, rsrs, pensei que estivesse conversando com pessoas. Deixemos os preconceitos de lado, colegas, estamos juntos na mesma luta e é isso o que importa. Ah, eu não sou uma "nova liderança estadual", sou um professor em horário noturno, um blogueiro nas horas vagas e um conspirador contra os de cima em tempo integral. Só isso, e nada mais, rsrs.

"
Silvio - Geografia:

Caro Euler. Venho também parabenizá-lo por sua luta e seus esclarecimentos. Aqui em nossa cidade - Divino - tenho indicado seu blog para as pessoas que ainda estão indecisas sobre o retorno a antiga carreira ou ficar no subsídio (suicídio)?. Em alguns casos, é possível que tenha alguma perca. Mas é por pouco tempo. E, em um um olhar mais holístico, certamente entenderá que é passageiro. Sobre o sindicato, não é abandonando que seremos ouvidos. Necessário se faz, um movimento onde TODOS estejamos juntos e façamos valer o que realmente interessa à classe.

Já passou por sua cabeça que as pessoas do sindicato e do governo ao lerem suas matérias, tomam determinadas decisões, ou não? E que você está incomodando? Pois é caro amigo, que continue com seus esclarecimentos e tome cuidado ao "atravessar a rua".

Faço coro à colega de Carangola Professora Ivete onde ela diz que: "Seus esclarecimentos são importantíssimos para os profissionais da educação, até para que todos saibam pelo que lutar, reivindicar." Forte abraço.
"

Comentário do Blog: um abraço, bravo colega de luta, e obrigado pela visita e pelas palavras de apoio. Vou tomar mais cuidado ao atravessar as ruas, rsrs. O bom é que o trânsito em Vespá é bem lento, rsrs, e o meu tanque de guerra é praticamente um veículo municipal.

Subsede do sind-UTE de Itajubá/MG alerta:

"
Itajubá, 16 de maio de 2011.

Atenção! Trabalhadores(as),

As Superintendências Regionais de Ensino estão incentivando os servidores a voltarem para o subsídio, pedimos a todos os servidores a continuarem na antiga carreira e incentivarem aos que ainda não optaram a fazê-lo até 08/06/2011."

Comentário do Blog: recebemos o e-mail acima dos colegas de Itajubá e transcrevemos aqui no blog, para que sirva de alerta para todas as subsedes.

"
José Alfredo Junqueira:

Caro Euler, mudando de assunto novamente,mas dentro do contexto deste blog, de defender os oprimidos e a liberdade,dê uma olhada no site,caso você não conheça, é claro"resistenciaantisionista.
wordpress.com-El Vuelo del Shafag". É quase inacreditável, mas eu acredito. Se achar interessante esta outra visão do mundo,sugiro que mande para seus contatos,para que as pessoas, independente de concordar ou não,vejam que após a internet, a censura acabou no mundo,e muita gente,muito grande, está sendo desmascarada. E tem tudo a ver com a situação atual de Minas.Abraços. Procure o texto "Os Iluminates e a nova ordem mundial". É de arrepiar."

"
DE ASSEEITARE - ITAJUBÁ:

Prezado Prof. Euler,

Registramos nossos parabéns pelo blog, fonte segura de informações, que temos utilizado e divulgado para nossos associados e colegas do interior. Não vou repetir o que voce já esclareceu por diversas vezes, chamo a atenção para a falta de notícias no site da SEE, o que era de se esperar, entrentanto, no site do SINDUTE, apenas a chamada para a Assembléia do dia 31/05/11, isso é pouco, diante da urgencia urgentíssima para PRIORIDADE Nº01 = MOBILIZAÇÃO GERAL PARA QUE TODOS FAÇAM A OPÇÃO PARA O RETORNO À ANTIGA CARREIRA.
Essa é a condição essencial para se conseguir "negociar" a aplicação do piso para todos os cargos do magistério e respectivas tabelas de vencimento.

A Lei 11.738/08 - LEI DO PISO deve ser aplicada de imediato e em MG e terá, obrigatoriamente, como base a LEI Nº 15.293, DE 5 DE AGOSTO DE 2004, que instituiu as carreiras dos Profissionais de Educação Básica do Estado e também definiu os cargos, onde e como se dará atuação de cada cargo e os respectivos orgãos em que serão lotados. Depois de 06/04/11 a Lei Suprema em MG é a do Plano de Carreira.
Texto da Lei aqui: http://www.planejamento.mg.gov.br/servidor/planos_carreiras/leis_carreiras.asp

Outro ponto importante a ser considerado na negociação: A Lei 18.975/10 "enquadrou" os servidores da educação na tabela de subsídio, dando-lhes um prazo de 90 dias, (06/05) prorrogado para 10/06/11, para que manifestem a opção de retornar ao sistema anterior (dez/10) quadro de carreira ( Lei 15.293/04). Entretanto, Diretores e Secretarios de Escolas ( Lei Delegada 182/11) não foram "enquadrados" na tabela de subsídios, se desejarem, poderão optar pelo subsidio a qualquer tempo, portanto não correm o risco de perder o reajuste de no minimo 5% concedido aos demais cargos do magistério. ( o mesmo vale para os ocupantes de todos os cargos comissionados do Estado).Tal fato, é mais que suficiente para que o governo NÃO PENALIZE os servidores que optarem para o retorno à situação anterior, com a retirada do reajuste já concedido, conforme previsto na Lei 18.975/10.

Em 10/05/11 enviei e-mail para a Beatriz Cerqueira, do SINDUTE, com os questionamentos acima, porém ainda não recebi resposta.
Atenciosamente,

Graça Lenzi
Presidente ASSEEITARE
"

"
Alessandro:

Olá amigo tudo bom?
vemos por se tratar de comunicação nosso sindicato está deixando muito a desejar já houve duas reuniões e até agora nada de comunicação como está o pé das negociações, depois os professores ficam com pé atrás em parar ou até mesmo entrar em greve o pessoal reclama pelo o que tudo indica o nosso governo faz mas o que sabe empurrar com a barriga os problemas,
Boa Noite
"

17 comentários:

  1. Muito boa sua colocação. O sindicato deve em primeiro momento fazer cumprir o que está na lei, fica iludindo os colegas professores com salários astronômicos, não que não mereçamos,desta forma posteriormente um reajuste maior. Após indicar seu blog para uma colega vprofessora, sindicalizada, esta resolveu desfiliar-se do sindute. Segundo ela relatou o nosso sindicato é muito fraco, fica preocupado com eleição para diretor, demora para comunicar decisões. Concordo totalmente , o nosso sindicato deveria ser mais atuante , as informações deveriam chegar em tempo real. vejo no seu blog um caminho de comunicação mais eficaz que o sindicato .
    Que o piso seja implantado já!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. EULER TEM UMA NOTA DA SEPLAG E DA SEE QUE ESTÁ FRONTALMENTE A FAVOR DO SUBSIDIO. INCLUSIVE O ÚNICO VALOR QUE APARECE SÃO OS 712,00. NEM CITA QUE É PARA NÍVEL MÉDIO. CITA O VALOR DO SUBSIDIO DE 1.122,00 PARA O MÉDIO E 1320,00 PARA PLENA PARA 24 HORAS. OS DESAVISADOS QUE LEREM ESSE ARTIGO FICARÃO NO SUBSIDIO. ESTAMOS PERDIDOS. CADÊ O SINDUTE PARA DESMENTIR OU ESCLARECER? PAGAMOS MENSALIDADE PARA QUE? DEUS NOS PROTEJA, SE NÃO É SEU BLOG A COISA ESTAVA PIOR.

    ResponderExcluir
  3. combativo colega Euler, seu blog está sempre na ponta com informações para a categoria! Então vai uma informação fresca: A subsede de Montes claros organizou uma manifestação no dia 14/05, durante a visita do governador Anastasia à cidade de Capitão Enéas e foi legal, pois deu até no noticiário da Intertv( afiliada da poderosa Globo. Valeu Moc, o governo tem que saber que os educadores estão atentos, independente da apatia da direção estadual, que só faz teatro. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. EULER VC QUE ESTÁ SEMPRE ANTENADO E DANDO INFORMAÕES EM TEMPO REAL, ME RESPONDA UMA COISA.
    VC JÁ PAROU PARA FAZER AS CONTAS DE QUANTO ARRECADA O SINDUTE POR MÊS? SOMOS 80.000 MIL FILIADOS, PAGANDO UMA MÉDIA DE 10.00 REAIS. E NUNCA TEM DINHEIRO PARA COLOCAR NOTÍCIAS NA MÍDIA PARA ESCLARECER AOS FILIADOS.OLHA QUE A SOMA É CONSIDERÁVEL.ESSE MOMENTO É MUITO IMPORTANTE, ESTAMOS COM TODO PESSOAL DO GOVERNO CONTRA NÓS. É HORA DE UNIÃO E DE TODO ESFORÇO PARA ESCLARECER A CATEGORIA. JORNAL, RÁDIO, TELEVISÃO ETC. SÓ VEJO AS PESSOAS SE ORGANIZAREM PARA CONGRESSOS, QUANDO É PARA IR EM ASSEMBLÉIAS, É UMA MINORIA QUE ESTÁ DISPOSTA A IR. ISSO É UM ABSURDO. ESTOU CANSADA. A NOSSA LUZ É VC, PORQUE SE DEPENDER DO SINDUTE....MAS NÃO SÃO TODOS OS PROFESSORES QUE TEM COMPUTADOR E TEM FACILIDADE PARA USAR ESSE MEIO DE COMUNICAÇÃO. PRECISAMOS COBRAR AÇOES CONCRETAS DESSE SINDICATO MANTIDO POR NÓS. E NÃO TABELAS MIRABOLANTES, QUE SE BOBEAR AINDA VAI NOS ATRAPALHAR.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, Euler e demais colegas! Você fez uma colocação acima numa forma que eu venho pensando há duas semanas, depois de alguns embates : "Professor novato ou antigo que insistir em ficar na lei do subsídio merece sofrer, ganhar mal e passar a vida inteira choramingando nos corredores das escolas. Não apenas pelo que esta lei representa, pela ausência de perspectiva na carreira, como também pelo que significa enquanto divisão da categoria." porque da mesma forma que criticamos atitudes do sindicato e governo, reconhecemos servidores dentro da categoria sem um mínimo de capacidade de análise do atual momento e se comportam como verdadeiras "maria vai com as outras" . E nem é falta de informação, é falta de sei lá o quê. Eu já ouvi : "você acha que o governo vai pagar esse piso!? Nunca!" Qualquer pessoa com um mínimo de bom senso e conhecimento já sabe o que a Lei 11738/2008 significa em termos de conquista profissional para nós. Ou deveriam estar sabendo... Essa porção massa de manobra colabora bastante... com o governo,né?

    ResponderExcluir
  6. Euler, boa noite!
    Lendo a sua última materia fiquei pensando que você bem que poderia ser nosso representante no sindicato, ocupando o cargo de presidente. Acho que a classe ganharia e muito caso você estivesse lá, fazendo frente para o governo. Pense nisso. Sua inteligência e discernimento nos colocaria em outra situação nas lutas que teremos que travar com o Anastasia.
    Abraços e continue sendo para nós o que o sindicato deveria ser: FONTE DE INFORMAÇÃO.
    Acioni Coelho

    ResponderExcluir
  7. Olá Euler, já a algum tempo que acompanho seu blog e admiro muito o seu trabalho aqui. Concordo com muitas críticas que foram feitas a direção do sindicato,porém, acho que precisamos tomar muito cuidado, especialmente nesse momento crucial que estamos vivendo, para não nos esfacelarmos ainda mais, e pior, permitir que o governo perceba e use isso contra a categoria. Eu sei das suas críticas em relação ao sindicato, mas algo que admiro é que vc apesar disso não abandona a luta, inclusive via sindicato. Está sempre nas ações chamadas pelo sindute e da sempre seu apoio. Isso é um trabalho de base fundamental, mas muito raro. No geral as mesmas pessoas que criticam o sindicato nada fazem pela luta coletiva. Vêm problemas no sindicato e só atacam, desfiliam ou até mesmo boicotam. Infelizmente isso não contribui nem para mudar a situação no sindicato nem a nossa condição enquanto categoria. Tem gente que reclama que o sindicato não informa, mas não lê um jornal, não lê um INFORMA, sequer um email. O camarada é capaz de entrar no site da see mas não entra no site do sindicato. Acho que o sindicato tem que fazer a sua parte, mas Euler, infelizmente muitos colegas nosso não fazem o mínimo. Querem que o sindicato seja um super herói e se esquecem que ele próprio (o sindicato) é, ou tem que ser, uma construção coletiva. Isso eu acho lamentável, a maior parte dos que criticam com tanta veemência o sindute, nem sabem o que é um sindicato, pensam sindicato como clube de vantagens, acho isso muito triste. Não estou defendendo o sindute, também tenho minhas críticas com relação a ele, mas eu corro atrás de informação, eu posso questiona-lo mas, como vc, sempre estou nas ações, porque acredito que bom ou ruim, é ele que nos representa e a força dele depende do envolvimento da categoria e é por isso que estou em todos os movimentos. Acho que é bom refletirmos um pouco nisso. O sindicato não tem uma força independente dos trabalhadores. Quem subsidia o sindicato somos nós. Não apenas financeiramente, mas PRINCIPALMENTE, com nosso envolvimento na luta. Tem gente que paga 10,00 por mês e acha que o sindicato tem que ficar a seu serviço, de preferência mandar alguém na casa dele para informar, mas NUNCA foi em uma Assembléia. Eu acho isso um absurdo.
    Enfim...
    Abços e até o dia 31 (porque eu sei que vc vai, e não ficará esperando chegar notícia na sua casa ou na escola, embora ela tenha que chegar.)
    Abços

    ResponderExcluir
  8. Professor Euler, mais uma vez parabéns pela clareza, pelo discernimento e pela coerência com que você expõe suas posições, porque além de demonstrar conhecimento do que está dizendo, sabe expor e argumentar com muita propriedade, quero lhe dizer que sou da área da linguagem e fico maravilhada com a qualidade de seus textos. Seus esclarecimentos são importantíssimos para os profissionais da educação, até para que todos saibam pelo que lutar, reivindicar.
    Professora Ivete - Carangola/MG

    ResponderExcluir
  9. Silvio - Geografia16 de maio de 2011 08:06

    Caro Euler. Venho também parabenizá-lo por sua luta e seus esclarecimentos. Aqui em nossa cidade - Divino - tenho indicado seu blog para as pessoas que ainda estão indecisas sobre o retorno a antiga carreira ou ficar no subsídio (suicídio)?. Em alguns casos, é possível que tenha alguma perca. Mas é por pouco tempo. E, em um um olhar mais holístico, certamente entenderá que é passageiro. Sobre o sindicato, não é abandonando que seremos ouvidos. Necessário se faz, um movimento onde TODOS estejamos juntos e fassamos valer o que realmente interessa à classe.
    Já passou por sua cabeça que as pessoas do sindicato e do governo ao lerem suas matérias, tomam determinadas decisões, ou não? E que você está incomodando? Pois é caro amigo, que continue com seus esclarecimentos e tome cuidado ao "atravessar a rua".
    Faço coro à colega de Carangola Professora Ivete onde ela diz que: "Seus esclarecimentos são importantíssimos para os profissionais da educação, até para que todos saibam pelo que lutar, reivindicar." Forte abraço.

    ResponderExcluir
  10. O Euler de fato está se despontando como uma nova liderança estadual da nossa categoria.
    Mas vocês já repararam com quem ele fica de conversa no ouvido durante a formulação das propostas nas assembleias???
    Pelo amor de Deus! A LOC não!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  11. José Alfredo Junqueira16 de maio de 2011 15:16

    Caro Euler,mudando de assunto novamente,mas dentro do contexto deste blog,de defender os oprimidos e a liberdade,dê uma olhada no site,caso você não conheça,é claro"resistenciaantisionista.wordpress.com-El Vuelo del Shafag".É quase inacreditável,mas eu acredito.Se achar interessante esta outra visão do mundo,sugiro que mande para seus contatos,para que as pessoas,independente de concordar ou não,vejam que após a internet,a censura acabou no mundo,e muita gente,muito grande,está sendo desmascarada.E tem tudo a ver com a situação atual de Minas.Abraços.Procure o texto "Os Iluminates e a nova ordem mundial.É de arrepiar.

    ResponderExcluir
  12. DE ASSEEITARE - ITAJUBÁ

    Prezado Prof. Euler,

    Registramos nossos parabéns pelo blog, fonte segura de informações, que temos utilizado e divulgado para nossos associados e colegas do interior. Não vou repetir o que voce já esclareceu por diversas vezes, chamo a atenção para a falta de notícias no site da SEE, o que era de se esperar, entrentanto, no site do SINDUTE, apenas a chamada para a Assembléia do dia 31/05/11, isso é pouco, diante da urgencia urgentíssima para PRIORIDADE Nº01 = MOBILIZAÇÃO GERAL PARA QUE TODOS FAÇAM A OPÇÃO PARA O RETORNO À ANTIGA CARREIRA.
    Essa é a condição essencial para se conseguir "negociar" a aplicação do piso para todos os cargos do magistério e respectivas tabelas de vencimento.

    A Lei 11.738/08 - LEI DO PISO deve ser aplicada de imediato e em MG e terá, obrigatoriamente, como base a LEI Nº 15.293, DE 5 DE AGOSTO DE 2004, que instituiu as carreiras dos Profissionais de Educação Básica do Estado e também definiu os cargos, onde e como se dará atuação de cada cargo e os respectivos orgãos em que serão lotados. Depois de 06/04/11 a Lei Suprema em MG é a do Plano de Carreira.
    Texto da Lei aqui: http://www.planejamento.mg.gov.br/servidor/planos_carreiras/leis_carreiras.asp

    Outro ponto importante a ser considerado na negociação: A Lei 18.975/10 "enquadrou" os servidores da educação na tabela de subsídio, dando-lhes um prazo de 90 dias, (06/05) prorrogado para 10/06/11, para que manifestem a opção de retornar ao sistema anterior (dez/10) quadro de carreira ( Lei 15.293/04). Entretanto, Diretores e Secretarios de Escolas ( Lei Delegada 182/11) não foram "enquadrados" na tabela de subsídios, se desejarem, poderão optar pelo subsidio a qualquer tempo, portanto não correm o risco de perder o reajuste de no minimo 5% concedido aos demais cargos do magistério. ( o mesmo vale para os ocupantes de todos os cargos comissionados do Estado).Tal fato, é mais que suficiente para que o governo NÃO PENALIZE os servidores que optarem para o retorno à situação anterior, com a retirada do reajuste já concedido, conforme previsto na Lei 18.975/10.

    Em 10/05/11 enviei e-mail para a Beatriz Cerqueira, do SINDUTE, com os questionamentos acima, porém ainda não recebi resposta.
    Atenciosamente,

    Graça Lenzi
    Presidente ASSEEITARE

    ResponderExcluir
  13. Querido Euler,
    Corre uma notícia aqui pelas bandas do triângulo, que o governador vai dar 20% de aumento para quem ficar no subsídio e que nomeará todos os efetivados. Inclusive alguém de dentro da SEE, passou esta mesma informação em reunião, aos professores em BH. Estou repassando esta informação porque onde há fumaça há fogo. Será que esse indecente deste governador vai tentar comprar a categoria com essas migalhas? Apesar de que o trem da alegria para quem já está nele não será nada mal. Ser efetivado sem concurso. Não é nada ruim. O que você acha desta notícia vinda da rádio peão? Abraços,

    ResponderExcluir
  14. Olá amigo tudo bom?
    vemos por se tratar de comunicação nosso sindicato está deixando muito a desejar já ouve duas reuniões e até agora nada de comunicação como está o pé das negociações, depois os professores ficam com pé atrás em parar ou até mesmo entrar em greve o pessoal reclama
    pelo o que tudo indica o nosso governo faz mas o que sabe empurrar com a barriga os problemas,
    Boa Noite

    ResponderExcluir
  15. A vontade é de falar um tanto de palavrão!
    Quase uma semana que o Sind-Ute não atualiza seu site.
    Brincadeira, estamos na era digital, das informações rápidas!
    Cadê o informe das audiências com o Governo? Duvido que a Gazolla não tocou na questão do PISO!
    Cadê os informes de Brasília? Da audiência com o Haddad?
    Estão de sacanagem.
    Estão de licença? Férias-prêmio?
    As informações vão é pras sub-sedes? É para cobrar nas sub-sedes?
    Estou tão desanimado que nem com a barriga eu tô querendo empurrar.
    Professor angustiado

    ResponderExcluir
  16. Boa tarde companheiro Euler! Mais uma leva de textos esclarecedores para que nos informemos mais ainda.Espero que a próxima reunião sindical seja de grande ajuda nesse momento, e espero também sairmos com bom resultado na assembléia do dia 31.

    Abraço!!

    ResponderExcluir
  17. eEULER ;QUETALVOCE ASSUMIR A PRESIDENCIA DO SINDUTE? DIANTE SE TAMA NHA CORAGEM E DISPOSIÇÃO PARA NOS DEFENDER!

    ResponderExcluir