sexta-feira, 13 de maio de 2011

Piso do magistério (do MEC) em 2012 será de R$ 1.450,00. Pelo menos!


Piso do magistério (do MEC) em 2012 será de R$ 1.450,00. Pelo menos!

Sempre na linha de frente da informação e da luta em favor dos educadores e dos de baixo, o nosso blog traz mais esta revelação: a considerar o custo aluno-ano de 2011 até o momento, o piso do magistério terá reajuste de 22,22% em janeiro de 2012. E com isso, o valor atual de R$ 1.187,00 deve subir para R$ 1.450,75. Pelo menos!

Os cálculos para chegarmos a estes dados baseiam-se na metodologia adotada pelo MEC, atendendo à consulta formal feita aos técnicos da Advocacia Geral da União (AGU). De acordo com estes cálculos, adota-se, para fins de correção anual do piso do magistério, a diferença percentual do custo aluno-ano praticada nos dois anos anteriores ao ano do novo piso. Ou seja, a variação percentual dos anos de 2010 e 2011. Em 2010, o valor do custo-aluno apresentou uma variação durante o ano, mas o MEC adotou o valor previsto inicialmente de R$ 1.414,85 para reajustar o piso de 2011. Como durante o ano foi apurado um outro valor, mais alto, caberia ao MEC atualizar o valor do piso, como já denunciamos aqui no blog - denúncia que, posteriormente, foi feita também pela CNTE.

Mas, de maneira alguma o MEC poderá adotar o valor corrigido do custo aluno-ano de 2010 para reajustar o piso de 2012, pois isso representaria um duplo confisco no piso dos professores: o deste ano, em função da não atualização do valor do piso para R$ 1.277,00, e o de 2012, caso o MEC resolvesse adotar o valor mais alto do custo-aluno ano de 2010. Neste caso, ele estaria usando ao belprazer diferentes valores para reduzir o piso dos professores. O que, além de ilegal, é imoral, e caberia processo por prática de estelionato, improbidade administrativa, apropriação indébita e má-fé em relação à coisa pública. Isso nós não admitiremos, obviamente.

Assim, só para que fique claro como a luz do dia: para reajustar o piso de 2011, o MEC adotou a diferença percentual do custo aluno-ano entre 2009 e 2010 - utilizando o valor mais baixo deste último ano. Quando for calcular o reajuste do valor do piso de 2012, terá, obrigatoriamente, que usar este mesmo valor mais baixo de 2010 e o valor do custo-aluno apurado em 2011. Se o fizer, agindo de forma honesta e legal, encontrará - caso não haja mudança no custo-aluno de 2011 -, o valor que o nosso blog anuncia agora: R$ 1.450,00 para a jornada de até 40 horas, para o professor com ensino médio.

O valor do custo-aluno ano de 2011, de acordo com a Portaria Interministerial nº 477, de 28/04/2011, assinada pelos ministros do MEC e da Fazenda, é de R$ 1.729,33. Tal valor pode até sofrer alteração para mais, ou para menos. Mas, como a economia do país está em crescimento, o mais provável é que este valor, se não se mantiver até o final do ano, seja ainda maior. Mas, tomando como base a diferença percentual entre os valores do custo aluno/ano de 2010 (R$1.414,85) e 2011 (R$ 1.729,33) chegamos ao percentual de 22,22% que, aplicados ao piso de R$ 1.187,00 resultará na soma de R$ 1.450,75.

Se o piso de 2012 atingir este valor de R$1.450,75, a tabela de vencimentos básicos dos professores de Minas Gerais, no antigo sistema remuneratório (atenção, indecisos em relação à qual sistema escolher!), ficará da seguinte forma, para o grau inicial (A), já aplicada a proporcionalidade da jornada de 24 horas: PEB1A- R$ 870,45 ; PEB2A -R$ 1.061,94; PEB3A - R$ 1.295,57 ; PEB4A - R$ 1.580,60 ; PEB5A - R$ 1.928,33 ; PEB6A - R$ 2.352,57. Façam as contas e verifiquem como ficará seu novo salário em 2012.

Como faço costumeiramente, vou analisar a situação de dois casos para ilustrar o impacto de tal alteração na realidade do magistério mineiro: o de um novato e de um professor com 20 anos de casa. Para o professor iniciante com curso superior (PEB3A), o salário total (básico + pó de giz) deve passar para R$ 1.554,68. Para alcançar este valor pela tabela do subsídio, o governo mineiro teria que reajustar os salários das tabelas de subsídio em 17,77% - percentual que parece pouco provável que aconteça por livre e espontânea vontade do governo. Como se sabe, o reajuste do piso é obrigação legal do governante, o mesmo não acontecendo em relação ao subsídio, como já expliquei anteriormente.

Para um professor com 20 anos de casa, curso superior, pó de giz, 10 biênios, 4 quinquênios, gratificação por especialização e três promoções de 3% cada (letra D ou PEB3D), o salário total seria de R$ 3.114,54 para um cargo de 24 horas.

Como podemos verificar, nos dois casos permanecemos com vencimentos aquém do que merecemos, mas é inegável que tal alteração representa uma importante conquista salarial para os professores - e que, esperamos, seja estendida para todos os educadores, cujas tabelas salariais, para se fazer justiça, precisam receber os mesmos percentuais de reajuste.

Fica evidenciado também o quanto a lei do subsídio não serve mais para os educadores mineiros, após a aprovação do piso do magistério enquanto vencimento básico e não mais como remuneração total, como pretendiam alguns governos de estado e municípios inimigos da Educação pública de qualidade.

Reparem, colegas de luta, que não está incluído nos meus cálculos o terço de tempo extraclasse, que é parte integrante da lei do piso e que devemos cobrar, juntamente com o pagamento do piso, sua imediata aplicação. No caso de Minas Gerais, tal fato poderia se resolver, pelo menos em parte, com o pagamento de três aulas de extensão para os professores com cargo completo de 24 horas (e 18 em sala). Neste caso, o salário total em 2012 de um professor iniciante com curso superior seria de R$ 1.749,00. Em todos os demais casos, para efeito de cálculo, tendo como base um cargo completo de 24 horas, basta dividir o total do salário (básico + gratificações) por 16 e multiplicar por 18.

Devemos estar atentos a estas perspectivas futuras para não perdermos o foco das nossas lutas. É importante que mantenhamos e reforcemos a nossa unidade e mobilização, por exemplo, para evitar ou impedir que o MEC ou o Congresso Nacional, atendendo à pressão de governantes e suas entidades, queiram mudar o método de reajuste do piso nacional. Pelo menos nos próximos anos, a tendência é que ocorram aumentos substanciais no custo-aluno ano, acima da inflação.

Além disso, devemos pressionar o governo mineiro para que pague o piso do MEC imediatamente, não reduza salários dos que optarem pelo antigo sistema remuneratório, aplique o terço de tempo extraclasse e abra negociação para a devolução aos novatos das gratificações confiscadas em 2003, além do reajuste em todas as tabelas da Educação.

Não podemos aceitar também que o governo mineiro imponha a lei do subsídio para os novos concursados. Nem que o concurso tenha que atrasar um pouco, mas que seja garantida a unidade da categoria em torno daquele sistema remuneratório adotado pela maioria. Não é justo que aos novatos seja imposto um sistema remuneratório que foi opcionalmente recusado pela grande maioria dos professores, por ser nitidamente desvantajoso. Isso provocaria divisão na carreira, aumentaria as distorções e criaria um quadro insustentável - para o governo, inclusive. Que os concursados aprovados e nomeados tenham pelo menos o direito a opção pelo sistema remuneratório, tal como acontece agora com os servdidores efetivos/efetivados.

Estejamos prontos para os novos combates, que terá na assembléia geral do dia 31 um novo marco para a categoria. Cabe agora ao governo apresentar claros sinais de que não quer a greve geral por tempo indeterminado. Aguardemos o resultado da reunião entre o governo e a comissão de negociação do sindicato nesta sexta-feira. E que não demorem a nos informar sobre o que vem acontecendo.

P.S.: colegas de combate, ontem e hoje, dia 13/05, o sistema que hospeda o nosso blog esteve em manutenção. E por isso não o atualizamos e é provável que alguns comentários se perderam. Já prevenindo contra essa possibilidade, resolvemos abrir um segundo blog, por precaução, mantendo obviamente este como o principal. O segundo blog está hospedado no seguinte endereço: http://blogdoeulerconrado.wordpress.com/

***

"Alessandro - Araguari:

Ola Euler tudo bom?
Ou foi impressão minha ou não vi nada no site do Sind ute sobre o resultado da reunião do dia 09/05/11.
Vc tem alguma noticia, pois o nosso sindicato está deixando a desejar no que tange informações
pois até agora o governo está fingindo de morto na aplicação do piso"

Comentário do Blog: De fato, colega, em matéria de comunicação com a categoria a direção sindical é muito fraca. A gente fica sabendo de algumas coisas através do site da SEE-MG, e depois a direção sindical ainda tem a cara de pau de criticar os colegas por estarem colhendo informações no site do governo. Ora, por que então não nos informam como deveria acontecer? Deixar para levar as notícias apenas no conselho de representantes e na assembléia é reduzir para um universo muito pequeno de pessoas o que vem acontecendo. Na greve, da luta, precisaremos de todos.

"Anônimo:

Euler e colegas.estava com saudades desse nosso espaço e preocupada tambem...Deem uma olhada no site da see,no Centro de Referencia Virtual do Professor na data de 10/05/11 e vejam o que o governo esta tentando.Obrigada por esse espaço. "

Comentário do Blog: olá, colega, vários outros combatentes já haviam comentado sobre esta notícia e a forma tendenciosa que o governo utiliza para tentar atrair os colegas para o subsídio. Perda de tempo. Cada vez um maior número de pessoas decide voltar para o antigo regime remuneratório. E a nossa campanha deve continuar para que cheguemos até o dia 10 de junho a grande maioria optando pelo antigo sistema e contra o subsídio.

"Thiago Coelho:

Boa tarde Euler!! Mais uma valiosa informação. Tomara que o governo cumpra com o seu papel de maneira um tanto "honesta", se é que podemos esperar. Tomara que a manifestação do dia 31 traga boas notícias para nós de Minas.

Grande abraço!"

Comentário do Blog: Claro, combativo colega, esperamos que tanto a reunião do conselho do dia 21, quanto a assembléia do dia 31, expressem a unidade na luta dos educadores mineiros. E que o governo tenha bom senso, se não desejar enfrentar uma grande paralisação.

"
Thiago Coelho:

Ah, mais uma coisa, descobri um bom site com informações sobre o subsídio e piso. Tem uma tabela interessante lá também, mas, de acordo com os cálculo aqui do blog, já está desatualizada, mas poderia servir de modelo para fazer outras atualizadas. Fica a informação, o site é:http://www.joaofilocre.com.br/ "

"Kátia - Biologia - Belo Horizonte:

Boa tarde,

Acabou o namoro do governo com o sindicato. Na última audiência do governo com o sind-UTE que o aconteceu no dia 06 de maio, o governo informou ao sindicato que haverá o corte de ponto dos dias 4 e 11 de maio. É por isso que o sind-UTE não divulgou nada da audiência. Um absurdo esta ausência de informação. Já tem nas escolas o ofício SG nº10/2011, onde fala que a Direção do sindUTE recebeu comunicação oficial da Secretaria sobre o corte de ponto.
Obrigada,

Kátia"


Comentário do Blog: precisamos urgentemente da confirmação desta informação, pois isso revelaria de fato uma nova-velha postura do governo em relação ao nosso movimento. Até então a atual secretária da Educação vinha (vem) mantendo um diálogo construtivo com o sindicato e respeitando a categoria no que diz respeito às paralisações, sem corte de ponto. O normal seria o governo negociar com o sindicato as reposições posteriores às negociações, sem precisar apelar para o corte. O silêncio do sindicato continua incomodando a todos. Será que vamos ter o mesmo problema do ano passado, quando a categoria se sentiu frustrada pela falta de informação por parte da comissão de negociação? Vamos começar a cobrar em breve.

"Anônimo:

O governo Anastasia é rápido para cortar dias de GREVE mas é lento para pagar as vantagens dos servidores da educação."

Comentário do Blog: precisamos da confirmação de que os dias de paralisação serãode fato cortados.

"Anônimo:

Uma prefeitura do estado da Bahia esta pagando como salario base 545 reais o que fazer? O piso nacional derruba qualquer plano de carreira municipal. O municipio e Maraú na bahia. municipio muito rico. "

Comentário do Blog: organizem-se e cobrem o cumprimento da lei e o pagamento do piso. Não há desculpa para não pagá-lo.

"Rosilene:

Desde o dia 11 de maio aguardamos ansiosos pelo resultado da audiência com o ministro da educação e ao que parece a conversa não deve ter sido muito boa pois até agora não há uma só notinha a respeito.

Estamos curiosos para saber como foram as negociações. Os colegas que estiveram em Brasília poderiam nos passar os relatos pois no site da CNTE e SINDUTE parece que ninguem sabe de nada. Obrigada. Rosilene."

Comentário do Blog: de fato, colega Rosilene, também não li nada a respeito, nem no site da CNTE, e muito menos no site do MEC, que deveria dar a notícia de maneira formal, pelo menos. Vamos ter que organizar melhor a pressão sobre os governos das três esferas, para que parem de brincar conosco. O duro é que as direções sindicais não têm autonomia para uma ação de maior alcance. Agem sempre com uma prática aqui, e outra ali, ao sabor dos interesses partidários. É o preço que a categoria dos educadores paga pela despolitização, pela falta de autonomia, e pela desorganização nacional. Já está passando da hora de rompermos com um certo tipo de sindicalismo atrelado aos interesses partidários e construirmos um movimento de classe, autônomo e combativo.

"Anônimo:

O que devo fazer se uma prefeitura não esta querendo mudar meu nivel para 2 uma vez que sou graduado em letras e leciono a mesma disciplina e não estou em estagio probatorio".

Comentário do Blog: se for direito seu, previsto em lei, entre na justiça contra a secretária de Educação e o prefeito. Mas, antes, pressione a entidade sindical que lhe representa para tentar uma solução negociada junto ao governo municipal.

"Anônimo:

EULER , PELO AMOR DE DEUS, FIQUE SABENDO DA REUNIÃO QUE ACONTECEU HOJE E NOS INFORME ! ESTE SILÊNCIO DO GOVERNO E, DO SINDUTE VAI ME MATAR"

Comentário do Blog: estamos aguardando as notícias, também. Nossa prática aqui tem sido assim: damos um tempinho para que a direção sindical se manifeste; caso isso não aconteça, iniciamos uma campanha de cobrança. Quase sempre funciona, rsrs. Vamos esperar até segunda-feira por alguma manifestação do sindicato (como eu sou generoso, rsrs). Depois disso, todo mundo já sabe o que acontece...

"Thiago Coelho:

Teremos o dia 04 e 11 cortados pelo governo. Absurdo!!! "

Comentário do Blog: esperemos por uma confirmação oficial a respeito, para nos manifestarmos em seguida.

"Junior da Biologia:

Amigo Euler,
Ingressei por concurso no estado em 2005 e em 31 de dezembro de 2010 era PEB3D. Este ano em 22/02/2011 foi publicado no DOEMG que eu fui promovido a PEB3E. Sou solidário a nossa luta e já optei em voltar a carreira antiga. Gostaria de saber se voltarei como PEB3E ou PEB3D? Outra dúvida é que tenho publicado 2 biênios e inclusive recebi um acerto pelos mesmos, mas depois disso nunca mais apareceu nada nos meus contracheques a respeito, teria eu direito a receber algum percentual por eles? Você acha que com o piso o governo vai ser de alguma maneira pressionado pela federação a regularizar essas vantagens ou ainda vai nos enrolar? Adoro sua sinceridade e gostaria de saber sua opinião pessoal a respeito. Tenho usado muito as informações do seu blog para abrir os olhos de meus companheiros. "

Comentário do Blog: olá, colega, acho que já respondi ao seu comentário em outro post. Mas, apenas para adiantar, claro que você ficará como PEB3E, já que tal progressão foi até publicada. Quanto aos biênios você teria que analisar com o departamento de recursos humanos ou diretamente na SRE de sua região. Se for direito seu e o governo não lhe pagar, pressione o jurídico do sindicato para que ele cobre na justiça. Um abraço e força na luta!

"Anônimo:

OI EULER, ACABO DE ABRIR O BLOG E AO VER O COMENTÁRIO DA COLEGA KATIA DE BH, FICO MAIS CHATEADO AINDA COM A DIREÇÃO ESTADUAL. ESTIVE EM BRASILIA E PERGUNTEI A DIRETORA MARILDA SOBRE A REUNIÃO DO DIA 06 COM O GOVERNO E TIVE A "IGNORANTE" RESPOSTA QUE SÓ DISCUTIRAM A ELEIÇÃO DE DIRETORES. POR FAVOR! RESPEITEM A ANGÚSTIA DOS EDUCADORES. A GESTÃO DEMOCRÁTICA É IMPORTANTE, MAS O MOMENTO É DE TRATAR DE QUESTÕES DE FUNDAMENTAL INTERESSE DA CATEGORIA. AO QUE PARECE O GOVERNO VAI TENTAR ILUDIR MAIS UMA VEZ A NOSSA INEFICIENTE EQUIPE DE NEGOCIAÇÃO. "

Comentário do Blog: para não ser repetitivo, peço apenas que leia as minhas respostas acima, pois vou começar a cobrar informação do sindicato a partir de terça-feira, se necessário. Um abraço e força na luta! Ah, se o corte se confirmar, tal fato deve ser levado em conta na nossa mobilização.

"Anônimo:

Sou concursado em um municipio na bahia, Wenceslau guimaraes em que sou graduado em letras com ingles, estão me pagando apenas R$ 622 como salario base, esta correto."

Comentário do Blog: caro colega, sem conhecer a jornada de trabalho da sua rede não tem como responder. Além disso, precisamos saber se aí existe plano de carreira com diferenciação entre os níveis de formação acadêmica. Mas, certamente você está ganhando mal, como de resto, vem acontecendo com todos nós, educadores do Brasil. E por isso a necessidade de nos organizarmos e nos unirmos para arrancar conquistas dos governos.

"Paulo:

É isso aí: O sind ute está muito mais preocupado com eleição para diretor do que com a implantação do piso, afinal mais vale votar para diretor do que ter um salário digo, não é mesmo? Meus amigos, será que vocês ainda não perceberam que o sind ute finge lutar ao nosso lado??? Não lutam, simplesmente atuam no que já está claro ser um grande teatro. A assembléia para detonar a greve ja deveria ter acontecido e é lamentável constatar que estamos desesperadamente sem rumo nessa luta."


Comentário do Blog: caro combativo colega Paulo, temos criticado e cobrado muito aqui da direção do sind-UTE, mas em algumas coisas temos que refletir melhor. Veja: sobre o melhor momento para a greve, se tivéssemos "detonado" a greve anteriormente, poderíamos sofrer um desgaste desnecessário. Lembremos que a questão do piso só foi resolvida nos dia 06 e 27 de abril, e a nossa última assembléia foi no dia 19 de abril. Então, somente a partir de agora temos alguns elementos para exigir do governo o pagamento do piso e chegar até mesmo a uma greve geral, caso prevaleça a enrolação do governo. Não acho que a categoria esteja perdida, mas concordo com você que a direção sindical não contribui para manter a categoria bem informada e preparada para o combate. Concordo ainda que houve um peso excessivo na questão das eleições da direção escolar, que será resolvida no âmbito de cada escola, cabendo ao movimento garantir que as regras sejam as mais democráticas. Mas, de maneira alguma a nossa luta salarial e de carreira pode ser subestimada. Quer um outro exemplo: a questão da opção pelo antigo regime remuneratório. O sindicato demorou a entrar nessa luta, após mais de 10 dias de campanha e de cobrança aqui no blog. Um outro exemplo: o edital do concurso público. O sindicato já deveria dizer para o governo que não aceita que o sistema de subsídio seja a única opção dos novos concursados. Falta clareza por parte da direção sindical, que não se comunica bem com a categoria, não tem sensibilidade para perceber as discussões e as reais necessidades da categoria, e trabalha com propostas que são acertadas pela cúpula e pelo esquemão CUT-CNTE-entidades sindicais. Um pacote fechado, partidário, sem autonomia e acostumado a passar por cima da base através de métodos burocráticos e de cooptação. Estejamos atentos e prontos para o combate.

":

Bom dia Companheiros!!!!!! A pedidos:
Posto a seguir ofício no qual é informado que os dias de paralisação serão cortados:

OFÍCIO CIRCULAR SG Nº 10/ 2011

Belo Horizonte, 11 de maio de 2011.

Senhor(a) Diretor(a),

A Direção do SindUte recebeu comunicação oficial desta Secretaria de que as paralisações ocorridas nos dias 04 e 11 de maio serão lançadas no SISAP como “Falta Greve”, com consequente desconto no pagamento dos servidores.

Na referida comunicação foi admitida a futura reposição dos valores descontados dos servidores, após reposição dos dias, mediante negociação entre Sindicato e a Secretaria de Estado de Educação.

Assina o ofício o
Subsecretário de Gestão de Recursos Humanos

Visitante assíduo."

Comentário do Blog: Agradecemos ao nosso combativo colega pela rapidez com que nos trouxe a nota oficial do governo.

"
ANDRESA:

OLÁ, COLEGA. REALMENTE A SEE HAVIA ORDENADO O CORTE DO PONTO DOS DIAS PARADOS, MAS VOLTOU ATRÁS NESTA DECISÃO ONTEM À TARDE. SINAL QUE APESAR DO SILÊNCIO HÁ ALGUM MOVIMENTO... NÃO PODEMOS DESANIMAR. ESTE É O MOMENTO CERTO PARA ALCANÇARMOS A VITÓRIA!!!
"

Comentário do Blog: Boa notícia, colega, mas precisamos da informação oficial para confirmação da mesma. Se tivéssemos uma direção sindical, claro que já teríamos sido informados das duas situações.

Mas, quem sabe a direção sindical não está esperando a oportunidade para fazer mais um dramazinho mexicano:

- Então, pessoal, o governo mandou cortar o ponto; e nós voltamos lá e exigimos que retirassem o corte; e o governo voltou atrás e nos atendeu..."

E a massa desavisada a gritar:

- Oh, meus heróis, que maravilha!

Me poupem né, pessoal. Não estando lidando com indigentes mentais, não. Pelo menos uma grande maioria da categoria tem maturidade para pensar criticamente, e por conta própria. Embora muitas vezes sejamos tratados como alunos de 1º a 5º ano do fundamental.

"Anônimo:

É colegas, sejamos sinceros: estamos nos mantendo pela força do "nosso blog" (legal,heim?) porque está difícil suportar a tática do silêncio que está vigorando. Sei que assim fazemos o jogo do governo, mas quem está no interior, que é o meu caso, passa sentir uma mistura de impotência e fragilidade, à mercê dos acontecimentos. Para mim já virou fixação vasculhar todos os sites que poderiam conter informações e não encontrar NADA. Alguns governos de estado já se pronunciaram, estou certa, Euler? O sindicato não percebe o quanto o tempo é precioso para manter a unidade da categoria: nesse limbo que estamos vivendo nestas duas semanas já pude perceber o outro lado (opção pelo subsídio) ganhando espaço por aqui . A preocupação do momento deveria ser manter a chama acesa , com informações, incentivo, alimentando o processo. A partir do momento que isto não acontece, as perdas acontecem. Agora, prá você, caro Euler, é só aplauso ."


Comentário do Blog: De fato, colega, é necessário sim, em plena campanha salarial e numa disputa renhida luta contra o governo, manter acesa a chama, reafirmando nossos direitos e denunciando as manobras do governo. Mas, a opção da direção sindical, desde o ano passado, tem sido a do silêncio. Só comunicando os fatos, a seu modo, nos conselhos e assembléias, de forma a manter as coisas sob controle da direção. Eles temem que se crie um movimento vivo na base, capaz de não se submeter às manobras das cúpulas. Daí o silêncio cúmplice, que é benéfico sim, ao governo. Mas, vamos pressionar, para que isso mude. E não podemos desanimar, porque conquistamos importantes direitos este ano, que precisam ser colocados em prática com a nossa pressão e com a nossa unidade na luta. Um forte abraço.

"Andréa:

Bom dia Euler!
Mais uma vez estou aqui para agradecer pelo excelente serviço de informação que você presta aos educadores. No estado desde 1999, participei de todas as greves até hj. Esse ano, antes de assumir mais uma, acho que deveríamos analisar bem a proposta do sindicato. Exigimos a implantação do piso nacional, essa não é uma luta só de Minas. Greve unificada sim, por alguns estados ou municípios somente, haverá pouca pressão. Outra coisa, como cobrar o piso sem publicação do acórdão pelo supremo? Vamos ter que escutar aquelas desculpas mais descaradas por parte do governador. Tem horas que me bate muito desânimo...
Andréa"


"Marcos:

Acho muito oportuno essa discussão sobre o papel do Sind-UTE. A maioria dos filiados não se preocupam com a eleição para o Sindicato, depois ficam nesse chororô. Concordo com tudo o que disseram sobre a atuação do diretores sindicais, mas não podemos deixar de responsabilizar uma boa parte da categoria que não tem compromisso na hora de votar.

Será que não observaram que a lista dos candidatos da atual direção eram os mesmos que nos enrolaram por anos?
Como podemos dizer que educamos para a cidadania se nós próprios não a exercemos?

Precisamos de parar de tapar o sol com peneira. É hora de assumirmos nossas responsabilidades e para de choramingar."


"Maurício - Professor de Geografia:

Isso aí companheiro Marcos! Parar de choramingar e ir a luta. Vc tem conhecimento de como se dão as eleições no SINDUTE-MG? Fiquei sabendo que o Hilário passa caixa de sapatos em lugar de urnas nesses rincões de Minas.
A CUT não aceita perder de jeito nenhum esse sindicato, o maior do funcionalismo público do estado, e coloca a sua tropa de choque para trabalhar. Sem choradeira, mas não podemos descartar a força do dinheiro (eles tem de sobra).
Sem choradeira e com a esperança de que esse blog do professor Euler continue sendo uma voz de protesto e organização, além de um processo embrionário de uma novo fazer sindical, ou seja, autônomo, coletivo, horizontal, independente de partidos políticos e sem culto à persolnalidades.
De momento espero que o nosso camarada Rômulo esteja se recuperando da grande perda que teve para participar das atividades do dia 21 e 31 e como o Euler o indicou para ser porta-voz do nosso Blog que ele pegue aquele microfone e exalte as posições mais combativas (pelo piso + gratificações já, 1/3, a volta dos direitos confiscados em 2003) e de que o prazo para o governo já se esgotou (se não pagar vai ser greve e com a categoria quase toda na carreira antiga).
E combatentes estejam atentos para as manobras e mutretas da direção do sindute-mg.

Maurício - Professor de Geografia"


"Anônimo:

Euler se não fosse seu blog estaríamos perdidos e sem informações nenhuma.Parabéns! É uma pena que na primeira pressão do governo provavelmente o de MG, alguns já estão querendo passar para o lado dele,segundo o comentário acima.Sejamos firmes nas decisões de mantermos na antiga carreira esse silêncio vai acabar um dia.Ele pode até ter mais poder que nós,mas com certeza não tem mais poder que Deus. Abraços a vc Euler e que Deus o abençõe sempre! SUCESSOS!"


Comentário do Blog: Respondo aqui, com este comentário, as mensagens acima, dos nossos bravos visitantes, que se apresentam feito orquestra, tal a afinação para os ouvidos de um combatente. De fato, temos que manter a perspectiva da luta, com paciência, para não desanimarmos ante a primeira dificuldade; mas também com firmeza e muita clareza em torno dos objetivos a alcançar. Se pudesse enumerar, diria que nossas metas, absolutamente interligadas, são: 1) o retorno de TODOS para o antigo sistema remuneratório até o dia 10 de junho (não consigo entender como ainda tem colega professor defendendo a continuação na lei do subsídio!!!!), sem redução de salário; 2) a implantação do piso do MEC já, que é lei federal irrecorrível, só cabendo ao governo pagá-lo, sem qualquer dependência de publicação de Acórdão, pois o resultado da decisão do STF já é público, publicado em ata, e notório; 3) aplicação imediata do terço de tempo extraclasse, com o pagamento de aulas excedentes a todos os professores, sem qualquer aumento de jornada de trabalho; 4) devolução das gratificações confiscadas (roubadas) dos novatos em 2003, para que se corrijam as distorções na carreira; 5) reajuste geral em todas as tabelas das demais carreiras da Educação, acompanhando os percentuais de reajuste no piso dos professores.

São estes os pontos do nosso programa mínimo para este ano em torno do qual devemos bater o pé e cobrar do governo - e pelo qual devemos fazer greve, se necessário.

O governo, como sempre, busca confundir a categoria. Disse que vem discutindo e anotando as reivindicações do sindicato, com 51 pontos de pauta - nelas incluindo a mirabolante reivindicação do sind-UTE de um piso de R$ 1.597,00 para a jornada de 24 horas para o professor com ensino médio.

Claro que o governo tem material de sobra para ganhar tempo com esse tipo de negociação encaminhada pelo sindicato. Vai atender meia dúzia de propostas periféricas, a conta-gotas, e arrastar os temas centrais para as calendas gregas.

Por isso, a direção sindical deveria apresentar os pontos com clareza: aqui estão os cinco pontos prioritários - aliás, quatro, porque o primeiro depende da ação da própria categoria (o retorno ao antigo sistema remuneratório). Queremos discutir primeiramente estes pontos e depois, resolvidos estes pontos, discutiremos os demais, durante o ano, com calma, com tempo. Mas, os pontos citados são emergenciais, inadiáveis.


"Paula:

Oi Euler, o seu blog está conhecido até em outros estados. Isso mostra a sua força. Mas como alguns, estou preocupada com o desânimo que está ganhando força nas pessoas. Falo isso usando como exemplo a minha própria escola. Dependendo da hora que falar em greve acho que não vamos ter grande adesão porque as pessoas estão ficando desacreditadas na luta, no sindicato. E acho que é isso que o governo quer e está tendo o apoio do sindicato. Será que a gente não pode esquecer nosso sindicato? Se começarmos uma campanha de desfiliação, quem sabe o sindute acorde ou acabe de uma vez e criamos outro? Participei de uma reunião com a SRE da minha cidade e fiquei chocada com a falta de informação em relação ao piso. A fala deles ainda é a do governo e estão nos ignorando como o governo. Outra coisa que vi foi o registro da nossa falta do dia da assembleia em Ouro Preto no portal do servidor. É só conferir, está lá. Estamos precisando de ânimo, falo por mim. Até o seu blog, que adoro tanto, está diferente. Não por vc, mas pelas informações que não estamos tendo mais. Um grande abraço. Paula."

"Anônimo:

Euler, vc viu a série de reportagens do JN-Globo sobre a educação do Brasil? Falou de problemas em SP, AL, PA, mas na última da série, sexta-feira dia 13 falou sobre experiências q deram certo, Minas Gerais. Nossa educação é ótima os alunos aprendem a ler com 8 anos, tempo integral q realmente é uma beleza, etc... Será q o faraó pagou a globo? "

"Anônimo:

Não posso deixar de completar a fala do colega sobre a reportagem da globo. Acho que nessa hora que o sindicato deveria entrar como uma outra reportagem paga, muito bem paga, sobre a verdadeira realidade de Minas Gerais. Enquanto a greve não vem, deveríamos aproveitar da mídia. Com um bom pagamento eles não poderiam negar uma propaganda sobre a nossa realidade. Eu posso por exemplo filmar a estrutura física da minha escola, que está péssima e é da responsabilidade do governo. E assim por diante..."

"David:

Caros colegas
Não poderia deixar de comentar que o governo já está sim se movimentando, só que de maneira sutil. A prorrogação do prazo de escolha entre as carreiras já é uma medida para ganhar tempo. Também existe a movimentação de inspetores fazendo a contagem de alunos nas salas para fusão de turmas: com isso ocorre a dispensa de designados e movimentação ex-ofício de efetivados e, por fim de efetivos. O famoso efeito dominó. Tudo isso pode ser um preparo: cortando despesas para poder pagar o que determina a lei.

Lutar não só pelo nosso piso salarial, mas também por mais qualidade no nosso trabalho. Não podemos aceitar as salas superlotadas. Não podemos aceitar o corte de pessoal nas escolas.

Para um governo que enxerga os alunos como um meio metro quadrado e os funcionários como meros números de masp, a escola só é mais uma despesa que precisa ser eliminada.
Temos que ficar atentos a esse fato e lutar contra o fechamento e superlotação de turmas.

Para quem não conhece, a lei 16056/2006 (existe uma versão pdf dela no centro de referência virtual do professor, parte de legislação) limita a quarenta alunos no máximo nas salas de aula do ensino médio.
Abração

David
"

"Anônimo:

Euler,

Estou sem saber se volto ou nao para a carreira antiga. Sou concursado em 2005, tenho especialização, dois biênios e estava como PEBIIID antes do subsidio.

Fazendo uma comparação do que eu recebeia em Dezembro e hoje, há uma diferença considerável. Mesmo se for pra ganhar bem menos valeria a pena voltar?

Obrigado."


"Anônimo:

Estava esquecendo Euler!
Uma coisa que poderia discutir, é a nossa carga horária, em SP ela é mais flexível, carga mínima, intermediária, e 40 horas.

Já que está decido o PISO, e é LEI, poderíamos ter a oportunidade de escolher a carga horária, no subsídio, tem a opção de duas, a de 24 horas e a de 30 horas, por que não ter essa opção também na carreira antiga?
"

"Anônimo:

Olá Euler:

Tem um tempo que não registro meus comentários, mas continuo lendo.

Hoje quero dizer que sinto que nós professores mineiros, somos tão mal pagos, que nem estamos acreditando na implantação do PISO aqui no nosso estado.

Já fui efetiva em SP na cidade de Franca, e hoje levei meu contra-cheque de 2004 para os colegas verem, meu piso lá nesse ano era de 672,53, carga horária mínima (15 aulas), e fiquei sabendo que o básico lá será agora de 2800,00 para 40 horas, sobre esse básico incide, GTE (gratificação por trabalho educacional), Gratificação cargo noturno, ticket alimentação, e aqui em MG?

Olha estou decepcionada, e arrependida de ter voltado em 2005 pra cá!

E ainda tem professor aqui em MG que acha que com a implantação desse piso estará ganhando MUITO BEM! Não é fácil a nossa categoria!!!!
"

"ANDRESA:

OLÁ, COLEGA. QUANDO MENCIONEI ANTERIORMENTE QUE A SEE HAVIA RETROCEDIDO NA DECISÃO DO CORTE DO PONTO, E QUE DEI MÉRITO A UM MOVIMENTO, ESTAVA ME REFERINDO A NOSSA UNIÃO E NÃO A QUALQUER AÇÃO DO SIND UTE. PELA PRIMEIRA VEZ, EM 17 ANOS DE SERVIÇO, SINTO QUE PODEREMOS ALCANÇAR UMA VITÓRIA COM A UNIÃO DE NOSSA CLASSE. VEJO EM SEU BLOG O NOSSO PONTO DE APOIO, ONDE PODEMOS DISCUTIR, ANALISAR E PREPARAR AÇÕES ESTRATÉGICAS CONTRA OS GOLPES DO GOVERNO.
UM ABRAÇO. "


"Anônimo:

Me explica uma coisa Euler!
Eu não consigo entender a tática do Sindicato.
Eu não quero ser massa de manobra.
Na assembleia de fevereiro, dia 24, a direção do Sind-UTE já apontou a proposta de piso de R$1.597 para 24hs e nível médio. Naquele dia nem imaginávamos quando que os ministros do STF iam desengavetar a votação da ADI. O que estava nos balisando era a orientação de dezembro de 2008 (piso como remuneração total). E um dia antes o MEC soltou o piso como R$ 1.187,14 para 40hs.
Felizmente o STF voltou contrário a ADI e em abril um novo cenário começou a se vislumbrar.
Será que a direção do Sind-UTE tinha informações privilegadas?
Por que insistem na tática de exigir do governo de Minas Gerais um valor de piso que é bom, mas que não é o que está balisado juridicamente?
Na assembleia de fevereiro eu e mais no máximo uns 10 educadores votamos na proposta que foi defendida pelo Professor Rômulo que era de reajuste de 62% na tabela do subisidio imediatamente. Não sei por que a categoria votou em um eixo fantasma. Naquele momento era o que tinhamos de mais concreto, haja visto que o STF estava adormecido.
Em abril tudo mudou e eu ouvi a fala do próprio Rômulo no conselho e li aqui no seu blog de que o eixo mudara. A ordem do dia era mandar o subisidio para "os quintos" e exigir que o governo pague o piso (lei irrecorrível).
E a direção do sindicato ainda fica insistindo com o piso de 1.597, solta uma tabela fantasiosa e quando senta com a Gazolla é para falar de eleição de diretores (na minha opinião conquista importante e já consolidada).
Sei não viu Euler. Eu sou mais de ouvir, gosto de ouvir os colegas, mas não gosto que subestimem minha inteligência. Na verdade eu quero é queimar minha língua. Quero que o governo de Minas pague o piso de 1.597 mais as gratificações...contudo minha lingua deve ficar intacta por que é mais fácil a "vaca tossir" do que um governo que tem no comando o Legalista do Anastasia fazer uma coisa que não esteja na lei (orientação da AGU e do MEC)."


"David:

Caro e Euler e colegas
É sempre gratificante ver um grupo de professores tão mobilizado e politizado como o que participa desses debates.
Me intristece o fato de tomar conhecimento de que aconteceu no último dia 13 uma reunião entre o sindicato e a SEE, pelo sítio oficial do governo. Nesse mesmo local encontramos que uma nova reunião já está marcada para o dia 23, segunda feira da semana que vem. Não encontramos nenhuma informação no sítio do Sind-Ute. Fica aqui a mesma pergunta dos colegas acima: Qual é a estratégia do Sindicato? O que ele pretende: implatação da lei confirmada pelos juízes do supremo ou reconhecimento por parte do governo do estado de um piso que,pelo menos a meu ver não tem embasamento claro. Se tem alguem poderia esxplicar como o sindicato chegou a esse valor?

Outra coisa: Se o piso salarial em Minas é de 1187 reais para o professor primário com formção em magistério e o governo não pode pagar valores iniciais de salários diferentes a funcionários que apresentam a mesma função, como fica a questão da carreira? Se isso estiver certo, a lei do subsídio se tornará uma pedra no sapato do gorverno.
Abração
David"


"Historiador BH:

Bomba relógio, o governo do estado de Minas , criou um grande problema. Grande parte da categoria esta voltando ao vencimento básico, com isto em Julho ou agosto, deveremos receber o salário já com vencimento básico.

O grande problema para o governo é se ele não corrigir a tabela segundo a decisão do STF, teremos em muitos casos uma redução de salário.

Como explicar para a população sobre essa redução ?

Temos que convencer mais e mais colegas a retornarem ao vencimento básico. Nossa força é a união consciente rumo à implementação do piso de 1.187,00.

Sindicato pare de iludir a classe.Governo de Minas cumpra a lei, não estamos pedindo, é direito nosso garantido por lei.

Euler seu blog, está se tornando um verdadeiro bunker na luta pela implementação do piso."



"Anônimo:

É a primeira vez que acesso este blog. Achei interessante as discussões, porém conheço bem o país em que vivo. Leis é que não faltam, o problema maior é o cumprimento delas, principalmente quando se trata de lei que beneficia a classe trabalhadora. Não concordo de maneira alguma da imposição de quem optar pela tabela do subsídio não poder retroagir. Os direitos deveriam ser iguais, pois é uma decisão muito difícil.
Para quem está no início de carreira o aumento foi muito significativo. E a dúvida é tremenda, tendo em vista que não se pode esperar muito do governo. Quantos anos levamos para ter um aumento de 10% sobre um salário base de R$500,48? Quantos anos o professor terá que lutar para que o governo aceite a decisão do STF? Não vivemos em um país de decisões rápidas. Tudo aqui é muito moroso. O governo ainda se dará o luxo de fazer propagandas do tipo: APESAR DO AUMENTO CONSIDERÁVEL DO GOVERNO, PROFESSORES RESOLVEM VOLTAR AO SALÁRIO ANTIGO. LAVAMOS AS NOSSAS MÃOS.

PERGUNTO, por que não lutar para a correção da tabela, principalmente para àqueles que estão a mais tempo na carreira? Por que não tentar diminuir o prazo de reajuste desta tabela? Por que não definir o mínimo de reajuste anual desta tabela. Se o reajuste for de 5% anual, em 5 anos o professor terá 25% de aumento, muito mais que os 10% que incide sobre o salário referente ao quinquênio.
Não entendo o porquê da assinatura deste acordo remuneratório por subsídio, já que se transformou em um pesadelo...

Não seria muito mais fácil, lotar o plenário, exigindo dos deputados o aumento da tabela do subsídio? Eles não recebem através de subsídio? Eles não aumentam os próprios salários? Exigir deles um aumento real para a categoria, não seria mais fácil?

Chego às vezes a pensar que todas essas discussões não passam mais de jogada política. Será que o sindicato ao analisar esta forma de pagamento, veio a perceber que perderiam espaço? E o governo será que arrependeu de passar a categoria para vencimento por subsídio, pois a pressão da categoria estaria muito mais próxima, haja vista que a exigência por aumento estaria fortemente ligada aos políticos e eles precisam dos votos?

Já foi sondado às outras categoria que recebem por subsídio, se sentiram prejudicados? O que sei é que quando entram em greve, sempre têm uma solução rápida. Isso não acontece conosco, não é mesmo?! "


Comentário do Blog: caro colega, percebe-se que você mistura algumas informações e com isso se confunde. Primeiro, o subsídio era uma forma de pagamento somente utilizada para cargos em comissão, geralmente com salários elevados, o que está bem distante da nossa realidade. Segundo, este modelo só teria algum sentido se o nosso piso fosse considerado remuneração total, que englobasse vencimento básico + gratificações. Este conceito foi derrotado definitivamente pelo STF, que formou jurisprudência sobre o assunto a partir do dia 06 de abril de 2011. Com isso, a lei do subsídio, mesmo que melhorada, perde qualquer substância, pois ela elimina as vantagens do antigo sistema remuneratório, inclusive para os novatos. Além disso, não é fato que o governo demorará a pagar o piso do magistério, pois isso está na ordem do dia. Não há como fugir dessa responsabilidade, que não pode ser comparada com outras leis que não são cumpridas no Brasil. A Educação tem recursos constitucionais próprios e a lei do piso amarrou de tal forma as questões que não há pretextos para não cumpri-la, pelo menos no seu valor mínimo, exigido por lei. Se o governo alega que não tem recurso, pode recorrer ao governo federal - o que não é o caso de Minas, que para pagar o piso do MEC tem recursos de sobra. Então, não há desculpas para não pagar.

E se chegarmos a fazer uma nova greve para que o governo cumpra a lei, não acho que vai demorar muito, não, pois a comunidade inteira será mobilizada ao saber que o governo de Minas não cumpre a lei e não paga o piso dos professores, apesar de estar crescendo em proporções chinesas.

Esta história de querer cobrar reajuste no subsídio perdeu completamente o sentido, pois estamos diante de outra perspectiva, que foi aberta com a conquista do piso enquanto vencimento básico. Nós não vamos abrir mão dessa conquista, que é maravilhosa para os mais antigas, e muito boa para os novatos, como já demonstrei aqui, de forma bem fundamentada. Não cabe, portanto, alimentar ilusões em relação a uma suposta possibilidade de cobrar reajustes para o subsídio, que reduziu os percentuais de promoção e progressão, confiscou as gratificações dos mais antigos e transformou a carreira dos educadores num sistema sem possibilidade de avanços
.

"Claucir Araújo (História):

Combativo Euler!
Gostaríamos de saber: quando da instituição da Lei Estadual 15.293, de 05 de maio de 2004, alguns professores, já aposentados, que eram P2E, não foram posicionados para PEB 1 P, que corresponde a 30 anos de trabalho pela educação. Estas professoras estão posicionadas como PEB 1 E. Não entendi este reposicionamento.
Agradeceria se nos explicasse.
Estamos aguardando o desenrolar dos acontecimentos relativos à aplicação da nossa Lei do Piso. O Acórdão do STF não deve demorar. Aqui na escola a grande maioria fez a opção para sair do sbsídio.
Um abraço."


Comentário do Blog: olá, combativo colega Claucir, só para entender melhor, as colegas mencionadas estão posicionadas como PEB1E na tabela do subsídio ou na do antigo sistema remuneratório?

"Marina:

Parabéns Euler.

Só mesmo o seu blog pra nos ajudar a enfrentar mais uma crise na nossa carreira. Não sabemos o que é pior: a intransigência do governo em nos empurrar o subsídio ou o silêncio do Sindute que não se manifesta deixando-nos numa agonia sem fim. Até quando? Haja forças pra tantos embates."


Comentário do Blog: obrigado pela visita e pelas palavras, combativa colega Marina. Precisamos de fato nos manter unidos e poupar nossas energias para os embates que virão, caso o governo continue nos enrolando. Um abraço e força na luta!

"Prof Toledo:

Olá Euler!
Aqui é o Prof Toledo, mais um seguidor seu; Gostaria de saber se você se interessou ou não pela nossa idéia, o www.pnebrasil.webnode.com.br (Partido Nacional pela Educação), pois, precisamos inganjar nessa luta e, colocar pessoas nossas nos senado, congresso e camaras estaduais e municipais desse nosso país, para lutar pela nossa classe, quero saber se posso contar com o seu apoio ou não? 32-88379043-contato"


Comentário do Blog: olá, colega Toledo, agradeço o convite e desejo sucesso a vocês nessa nova empreitada. Da minha parte, não está entre as minhas metas filiar-me a qualquer partido e menos ainda ser candidato a qualquer cargo. Um forte abraço e força na luta.

"Claucir Araújo (História):

Combativo Euler! A turma ficou bem na foto!!!

As professoras em questão estão como PEB1E no antigo regime remuneratório (ARR) e T1A no famigerado Subsídio. (sobre o questionamento anterior).
Chegou em nossa escola um ofício do sind-ute com relação as faltas nos dias de paralisação. Muitos professores já se manifestaram que se este fato se consumar eles não irão se comprometer em fazer a reposição. O que vc acha?
Continuamos aguardando por boas notícia.
Um abraço."


"Valdecy Alves:

Entenda qual o piso para o magistério em 2011. NEM É O PISO PIRATA DO MEC, TAMPOUCO O QUE COBRA A CNTE. Conheça o verdadeiro valor e sua fundamentação jurídica:

http://valdecyalves.blogspot.com/2011/06/saiba-qual-e-o-verdadeiro-piso-do.html"


47 comentários:

  1. Boa tarde Euler!! Mais uma valiosa informação. Tomara que o governo cumpra com o seu papel de maneira um tanto "honesta", se é que podemos esperar. Tomara que a manifestação do dia 31 traga boas notícias para nós de Minas.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Ah, mais uma coisa, descobri um bom site com informações sobre o subsídio e piso. Tem uma tabela interessante lá também, mas, de acordo com os cálculo aqui do blog, já está desatualizada, mas poderia servir de modelo para fazer outras atualizadas. Fica a informação, o site é:

    http://www.joaofilocre.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Euler e colegas.estava com saudades desse nosso espaço e preocupada tambem...Deem uma olhada no site da see,no Centro de Referencia Virtual do Professor na data de 10/05/11 e vejam o que o governo esta tentando.Obrigada por esse espaço.

    ResponderExcluir
  4. Alessandro - Araguari13 de maio de 2011 14:51

    Ola Euler tudo bom?
    Ou foi impressão minha ou não vi nada no site do Sind ute sobre o resultado da reunião do dia 09/05/11.
    Vc tem alguma noticia, pois o nosso sindicato está deixando a desejar no que tange informações
    pois até agora o governo está fingindo de morto na aplicação do piso

    ResponderExcluir
  5. Kátia - Biologia - Belo Horizonte

    Boa tarde,

    Acabou o namoro do governo com o sindicato. Na última audiência do governo com o sind-UTE que o aconteceu no dia 06 de maio, o governo informou ao sindicato que haverá o corte de ponto dos dias 4 e 11 de maio. É por isso que o sind-UTE não divulgou nada da audiência.
    Um absurdo esta ausência de informação.
    Já tem nas escolas o ofício SG nº10/2011, onde fala que a Direção do sindUTE recebeu comunicação oficial da Secretaria sobre o corte de ponto.
    Obrigada,

    Kátia

    ResponderExcluir
  6. O governo Anastasia é rápido para cortar dias de GREVE mas é lento para pagar as vantagens dos servidores da educação.

    ResponderExcluir
  7. Teremos o dia 04 e 11 cortados pelo governo. Absurdo!!!

    ResponderExcluir
  8. Desde o dia 11 de maio aguardamos ansiosos pelo resultado da audiência com o ministro da educação e ao que parece a conversa não deve ter sido muito boa pois até agora não há uma só notinha a respeito.
    Estamos curiosos para saber como foram as negociações. Os colegas que estiveram em Brasília poderiam nos passar os relatos pois no site da CNTE e SINDUTE parece que ninguem sabe de nada. Obrigada. Rosilene.

    ResponderExcluir
  9. Junior da Biologia13 de maio de 2011 17:31

    Amigo Euler,
    Ingressei por concurso no estado em 2005 e em 31 de dezembro de 2010 era PEB3D. Este ano em 22/02/2011 foi publicado no DOEMG que eu fui promovido a PEB3E. Sou solidário a nossa luta e já optei em voltar a carreira antiga. Gostaria de saber se voltarei como PEB3E ou PEB3D? Outra dúvida é que tenho publicado 2 biênios e inclusive recebi um acerto pelos mesmos, mas depois disso nunca mais apareceu nada nos meus contracheques a respeito, teria eu direito a receber algum percentual por eles? Você acha que com o piso o governo vai ser de alguma maneira pressionado pela federação a regularizar essas vantagens ou ainda vai nos enrolar? Adoro sua sinceridade e gostaria de saber sua opinião pessoal a respeito. Tenho usado muito as informações do seu blog para abrir os olhos de meus companheiros.

    ResponderExcluir
  10. OI EULER, ACABO DE ABRIR O BLOG E AO VER O COMENTÁRIO DA COLEGA KATIA DE BH, FICO MAIS CHATEADO AINDA COM A DIREÇÃO ESTADUAL. ESTIVE EM BRASILIA E PERGUNTEI A DIRETORA MARILDA SOBRE A REUNIÃO DO DIA 06 COM O GOVERNO E TIVE A "IGNORANTE" RESPOSTA QUE SÓ DISCUTIRAM A ELEIÇÃO DE DIRETORES. POR FAVOR! RESPEITEM A ANGÚSTIA DOS EDUCADORES. A GESTÃO DEMOCRÁTICA É IMPORTANTE, MAS O MOMENTO É DE TRATAR DE QUESTÕES DE FUNDAMENTAL INTERESSE DA CATEGORIA. AO QUE PARECE O GOVERNO VAI TENTAR ILUDIR MAIS UMA VEZ A NOSSA INEFICIENTE EQUIPE DE NEGOCIAÇÃO.

    ResponderExcluir
  11. Sou concursado em um municipio na bahia, Wenceslau guimaraes em que sou graduado em letras com ingles, estão me pagando apenas R$ 622 como salario base, esta correto.

    ResponderExcluir
  12. O que devo fazer se uma prefeitura não esta querendo mudar meu nivel para 2 uma vez que sou graduado em letras e leciono a mesma disciplina e não estou em estagio probatorio

    ResponderExcluir
  13. EULER , PELO AMOR DE DEUS, FIQUE SABENDO DA REUNIÃO QUE ACONTECEU HOJE E NOS INFORME ! ESTE SILÊNCIO DO GOVERNO E, DO SINDUTE VAI ME MATAR.

    ResponderExcluir
  14. Uma prefeitura do estado da bahia esta pagando como salario base 545 reais o que fazer.
    O piso nacional derruba qualquer plano de carreira municipal
    O municipio e Maraú na bahia. municipio muito rico.

    ResponderExcluir
  15. É isso aí: O sind ute está muito mais preocupado com eleição para diretor do que com a implantação do piso, afinal mais vale votar para diretor do que ter um salário digo, não é mesmo? Meus amigos, será que vocês ainda não perceberam que o sind ute finge lutar ao nosso lado??? Não lutam, simplesmente atuam no que já está claro ser um grande teatro. A assembléia para detonar a greve ja deveria ter acontecido e é lamentável constatar que estamos desesperadamente sem rumo nessa luta.

    ResponderExcluir
  16. Bom dia Companheiros!!!!!! A pedidos:
    Posto a seguir ofício no qual é informado que os dias de paralisação serão cortados:


    OFÍCIO CIRCULAR SG Nº 10/ 2011



    Belo Horizonte, 11 de maio de 2011.


    Senhor(a) Diretor(a),

    A Direção do SindUte recebeu comunicação oficial desta Secretaria de que as paralisações ocorridas nos dias 04 e 11 de maio serão lançadas no SISAP como “Falta Greve”, com consequente desconto no pagamento dos servidores.

    Na referida comunicação foi admitida a futura reposição dos valores descontados dos servidores, após reposição dos dias, mediante negociação entre Sindicato e a Secretaria de Estado de Educação.


    Assina o ofício o
    Subsecretário de Gestão de Recursos Humanos

    Visitante assíduo.

    ResponderExcluir
  17. É colegas, sejamos sinceros: estamos nos mantendo pela força do "nosso blog"(legal,heim?)porque está difícil suportar a tática do silêncio que está vigorando. Sei que assim fazemos o jogo do governo, mas quem está no interior, que é o meu caso, passa sentir uma mistura de impotência e fragilidade, à mercê dos acontecimentos. Para mim já virou fixação vasculhar todos os sites que poderiam conter informações e não encontrar NADA.Alguns governos de estado já se pronunciaram, estou certa, Euler? O sindicato não percebe o quanto o tempo é precioso para manter a unidade da categoria: nesse limbo que estamos vivendo nestas duas semanas já pude perceber o outro lado (opção pelo subsídio) ganhando espaço por aqui . A preocupação do momento deveria ser manter a chama acesa , com informações, incentivo, alimentando o processo.A partir do momento que isto não acontece, as perdas acontecem. Agora, prá você, caro Euler, é só aplauso .

    ResponderExcluir
  18. Acho muito oportuno essa discussão sobre o papel do Sind-UTE. A maioria dos filiados não se preocupam com a aleição para o Sindicato, depois ficam nesse chororô. Concordo com tudo o que disseram sobre a atuação do diretores sindicais, mas não podemos deixar de responsabilizar uma boa parte da categoria que não tem compromisso na hora de votar.
    Será que não obsservaram que a lista dos candidatos da atual direção eram os mesmos que nos enrolaram por anos?
    Como podemos dizer que educamos para a cidadania se nós próprios não a exercemos?
    Precisamos de parar de tapar o sol com peneira. É hora de assumirmos nossas responsabilidades e para de choramingar.

    ResponderExcluir
  19. Bom dia Euler!
    Mais uma vez estou aqui para agradecer pelo excelente serviço de informação que você presta aos educadores. No estado desde 1999, participei de todas as greves até hj. Esse ano, antes de assumir mais uma, acho que deveríamos analisar bem a proposta do sindicato. Exigimos a implantação do piso nacional, essa não é uma luta só de Minas. Greve unificada sim, por alguns estados ou municípios somente, haverá pouca pressão. Outra coisa, como cobrar o piso sem publicação do acórdão pelo supremo? Vamos ter que escutar aquelas desculpas mais descaradas por parte do governador. Tem horas que me bate muito desânimo...
    Andréa

    ResponderExcluir
  20. Euler se não fosse seu blog estaríamos perdidos e sem informações nenhuma.Parabéns!É uma pena que na primeira pressão do governo provavelmente o de MG, alguns já estão querendo passar para o lado dele,segundo o comentário acima.Sejamos firmes nas decisões de mantermos na antiga carreira esse silêncio vai acabar um dia.Ele pode até ter mais poder que nós,mas com certeza não tem mais poder que Deus.Abraços a vc Euler e que Deus o abençõe sempre!SUCESSOS!

    ResponderExcluir
  21. Isso aí companheiro Marcos! Parar de choramingar e ir a luta. Vc tem conhecimento de como se dão as eleições no SINDUTE-MG? Fiquei sabendo que o Hilário passa caixa de sapatos em lugar de urnas nesses rincões de Minas.
    A CUT não aceita perder de jeito nenhum esse sindicato, o maior do funcionalismo público do estado, e coloca a sua tropa de choque para trabalhar. Sem choradeira, mas não podemos descartar a força do dinheiro (eles tem de sobra).
    Sem choradeira e com a esperança de que esse blog do professor Euler continue sendo uma voz de protesto e organização, além de um processo embrionário de uma novo fazer sindical, ou seja, autônomo, coletivo, horizontal, independente de partidos políticos e sem culto à persolnalidades.
    De momento espero que o nosso camarada Rômulo esteja se recuperando da grande perda que teve para participar das atividades do dia 21 e 31 e como o Euler o indicou para ser porta-voz do nosso Blog que ele pegue aquele microfone e exalte as posições mais combativas (pelo piso + gratificações já, 1/3, a volta dos direitos confiscados em 2003) e de que o prazo para o governo já se esgotou (se não pagar vai ser greve e com a categoria quase toda na carreira antiga).
    E combatentes estejam atentos para as manobras e mutretas da direção do sindute-mg.

    Maurício - Professor de Geografia

    ResponderExcluir
  22. Euler, vc viu a série de reportagens do JN-Globo sobre a educação do Brasil? Falou de problemas em SP, AL, PA, mas na última da série, sexta-feira dia 13 falou sobre experiências q deram certo, Minas Gerais. Nossa educação é ótima os alunos aprendem a ler com 8 anos, tempo integral q realmente é uma beleza, etc... Será q o faraó pagou a globo?

    ResponderExcluir
  23. Oi Euler, o seu blog está conhecido até em outros estados. Isso mostra a sua força. Mas como alguns, estou preocupada com o desânimo que está ganhando força nas pessoas. Falo isso usando como exemplo a minha própria escola. Dependendo da hora que falar em greve acho que não vamos ter grande adesão porque as pessoas estão ficando desacreditadas na luta, no sindicato. E acho que é isso que o governo quer e está tendo o apoio do sindicato. Será que a gente não pode esquecer nosso sindicato? Se começarmos uma campanha de desfiliação, quem sabe o sindute acorde ou acabe de uma vez e criamos outro? Participei de uma reunião com a SRE da minha cidade e fiquei chocada com a falta de informação em relação ao piso. A fala deles ainda é a do governo e estão nos ignorando como o governo. Outra coisa que vi foi o registro da nossa falta do dia da assembleia em Ouro Preto no portal do servidor. É só conferir, está lá. Estamos precisando de ânimo, falo por mim. Até o seu blog, que adoro tanto, está diferente. Não por vc, mas pelas informações que não estamos tendo mais. Um grande abraço. Paula.

    ResponderExcluir
  24. Não posso deixar de completar a fala do colega sobre a reportagem da globo. Acho que nessa hora que o sindicato deveria entrar como uma outra reportagem paga, muito bem paga, sobre a verdadeira realidade de Minas Gerais. Enquanto a greve não vem, deveríamos aproveitar da mídia. Com um bom pagamento eles não poderiam negar uma propaganda sobre a nossa realidade. Eu posso por exemplo filmar a estrutura física da minha escola, que está péssima e é da responsabilidade do governo. E assim por diante...

    ResponderExcluir
  25. Euler,

    Estou sem saber se volto ou nao para a carreira antiga. Sou concursado em 2005, tenho especialização, dois biênios e estava como PEBIIID antes do subsidio.

    Fazendo uma comparação do que eu recebeia em Dezembro e hoje, há uma diferença considerável. Mesmo se for pra ganhar bem menos valeria a pena voltar?

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  26. Caros colegas
    Não poderia deixar de comentar que o governo já está sim se movimentando, só que de maneira sutil. A prorrogação do prazo de escolha entre as carreiras já é uma medida para ganhar tempo. Também existe a movimentação de inspetores fazendo a contagem de alunos nas salas para fusão de turmas: com isso ocorre a dispensa de designados e movimentação ex-ofício de efetivados e, por fim de efetivos. O famoso efeito dominó. Tudo isso pode ser um preparo: cortando despesas para poder pagar o que determina a lei.
    Lutar não só pelo nosso piso salarial, mas também por mais qualidade no nosso trabalho. Não podemos aceitar as salas superlotadas. Não podemos aceitar o corte de pessoal nas escolas.
    Para um governo que enxerga os alunos como um meio metro quadrado e os funcionários como meros números de masp, a escola só é mais uma despesa que precisa ser eliminada.
    temos que ficar atentos a esse fato e lutar contra o fechamento e superlotação de turmas.
    Para quem não conhece, a lei 16056/2006 (existe uma versão pdf dela no centro de referência virtual do professor, parte de legislação) limita a quarenta alunos no máximo nas salas de aula do ensino médio.
    Abração
    David

    ResponderExcluir
  27. Olá Euler:

    Tem um tempo que não registro meus comentários, mas continuo lendo.
    Hoje quero dizer que sinto que nós professores mineiros, somos tão mau pagos, que nem estamos acreditando na implantação do PISO aqui no nosso estado.
    Já fui efetiva em SP na cidade de Franca, e hoje levei meu contra-cheque de 2004 para os colegas verem, meu piso lá nesse ano era de 672,53, carga horária mínima (15 aulas), e fiquei sabendo que o básico lá será agora de 2800,00 para 40 horas, sobre esse básico incide, GTE (gratificação por trabalho educacional), Gratificação cargo noturno, ticket alimentação, e aqui em MG?
    Olha estou decepcionada, e arrependida de ter voltado em 2005 pra cá!
    E ainda tem professor aqui em MG que acha que com a implantação desse piso estará ganhando MUITO BEM! Não é fácil a nossa categoria!!!!

    ResponderExcluir
  28. Estava esquecendo Euler!
    Uma coisa que poderia discutir, é a nossa carga horária, em SP ela é mais flexível, carga mínima, intermediária, e 40 horas.
    Já que está decido o PISO, e é LEI, poderíamos ter a oportunidade de escolher a carga horária, no subsídio, tem a opção de duas, a de 24 horas e a de 30 horas, por que não ter essa opção também na carreira antiga?

    ResponderExcluir
  29. Me explica uma coisa Euler!
    Eu não consigo entender a tática do Sindicato.
    Eu não quero ser massa de manobra.
    Na assembleia de fevereiro, dia 24, a direção do Sind-UTE já apontou a proposta de piso de R$1.597 para 24hs e nível médio. Naquele dia nem imaginávamos quando que os ministros do STF iam desengavetar a votação da ADI. O que estava nos balisando era a orientação de dezembro de 2008 (piso como remuneração total). E um dia antes o MEC soltou o piso como R$ 1.187,14 para 40hs.
    Felizmente o STF voltou contrário a ADI e em abril um novo cenário começou a se vislumbrar.
    Será que a direção do Sind-UTE tinha informações privilegadas?
    Por que insistem na tática de exigir do governo de Minas Gerais um valor de piso que é bom, mas que não é o que está balisado juridicamente?
    Na assembleia de fevereiro eu e mais no máximo uns 10 educadores votamos na proposta que foi defendida pelo Professor Rômulo que era de reajuste de 62% na tabela do subisidio imediatamente. Não sei por que a categoria votou em um eixo fantasma. Naquele momento era o que tinhamos de mais concreto, haja visto que o STF estava adormecido.
    Em abril tudo mudou e eu ouvi a fala do próprio Rômulo no conselho e li aqui no seu blog de que o eixo mudara. A ordem do dia era mandar o subisidio para "os quintos" e exigir que o governo pague o piso (lei irrecorrível).
    E a direção do sindicato ainda fica insistindo com o piso de 1.597, solta uma tabela fantasiosa e quando senta com a Gazolla é para falar de eleição de diretores (na minha opinião conquista importante e já consolidada).
    Sei não viu Euler. Eu sou de mais ouvir, gosto de ouvir os colegas, mas não gosto que subestimem minha inteligência. Na verdade eu quero é queimar minha língua. Quero que o governo de Minas pague o piso de 1.597 mais as gratificações...contudo minha lingua deve ficar intacta por que é mais fácil a "vaca tossir" do que um governo que tem no comando o Legalista do Anastasia fazer uma coisa que não esteja na lei (orientação da AGU e do MEC).

    ResponderExcluir
  30. Caro e Euler e colegas
    É sempre gratificante ver um grupo de professores tão mobilizado e politizado como o que participa desses debates.
    Me intristece o fato de tomar conhecimento de que aconteceu no último dia 13 uma reunião entre o sindicato e a SEE, pelo sítio oficial do governo. Nesse mesmo local encontramos que uma nova reunião já está marcada para o dia 23, segunda feira da semana que vem. Não encontramos nenhuma informação no sítio do Sind-Ute. Fica aqui a mesma pergunta dos colegas acima: Qual é a estratégia do Sindicato? O que ele pretende: implatação da lei confirmada pelos juízes do supremo ou reconhecimento por parte do governo do estado de um piso que,pelo menos a meu ver não tem embasamento claro. Se tem alguem poderia esxplicar como o sindicato chegou a esse valor?
    Outra coisa: Se o piso salarial em Minas é de 1187 reais para o professor primário com formção em magistério e o governo não pode pagar valores iniciais de salários diferentes a funcionários que apresentam a mesma função, como fica a questão da carreira? Se isso estiver certo, a lei do subsídio se tornará uma pedra no sapato do gorverno.
    Abração
    David

    ResponderExcluir
  31. Bomba relógio, o governo do estado de Minas , criou um grande problema. Grande parte da categoria esta voltando ao vencimento básico, com isto em Julho ou agosto, deveremos receber o salário já com vencimento básico.

    O grande problema para o governo é se ele não corrigir a tabela segundo a decisão do STF, teremos em muitos casos uma redução de salário.

    Como explicar para a população sobre essa redução ?

    Temos que convencer mais e mais colegas a retornarem ao vencimento básico. Nossa força é a união consciente rumo à implementação do piso de 1.187,00.

    Sindicato pare de iludir a classe.Governo de Minas cumpra a lei, não estamos pedindo, é direito nosso garantido por lei.

    Euler seu blog, está se tornando um verdadeiro bunker na luta pela implementação do piso.

    ResponderExcluir
  32. É a primeira vez que acesso este blog. Achei interessante as discussões, porém conheço bem o país em que vivo. Leis é que não faltam, o problema maior é o cumprimento delas, principalmente quando se trata de lei que beneficia a classe trabalhadora. Não concordo de maneira alguma da imposição de quem optar pela tabela do subsídio não poder retroagir. Os direitos deveriam ser iguais, pois é uma decisão muito difícil.
    Para quem está no início de carreira o aumento foi muito significativo. E a dúvida é tremenda, tendo em vista que não se pode esperar muito do governo. Quantos anos levamos para ter um aumento de 10% sobre um salário base de R$500,48? Quantos anos o professor terá que lutar para que o governo aceite a decisão do STF? Não vivemos em um país de decisões rápidas. Tudo aqui é muito moroso. O governo ainda se dará o luxo de fazer propagandas do tipo: APESAR DO AUMENTO CONSIDERÁVEL DO GOVERNO, PROFESSORES RESOLVEM VOLTAR AO SALÁRIO ANTIGO. LAVAMOS AS NOSSAS MÃOS.
    PERGUNTO, por que não lutar para a correção da tabela, principalmente para àqueles que estão a mais tempo na carreira? Por que não tentar diminuir o prazo de reajuste desta tabela? Por que não definir o mínimo de reajuste anual desta tabela. Se o reajuste for de 5%anual, em 5 anos o professor terá 25% de aumento, muito mais que os 10% que incide sobre o salário referente ao quinquênio.
    Não entendo o porquê da assinatura deste acordo remuneratório por subsídio, já que se transformou em um pesadelo...
    Não seria muito mais fácil, lotar o plenário, exigindo dos deputados o aumento da tabela do subsídio? Eles não recebem através de subsídio? Eles não aumentam os próprios salários? Exigir deles um aumento real para a categoria, não seria mais fácil?
    Chego às vezes a pensar que todas essas discussões não passam mais de jogada política. Será que o sindicato ao analisar esta forma de pagamento, veio a perceber que perderiam espaço? E o governo será que arrependeu de passar a categoria para vencimento por subsídio, pois a pressão da categoria estaria muito mais próxima, haja vista que a exigência por aumento estaria fortemente ligada aos políticos e eles precisam dos votos?
    Já foi sondado às outras categoria que recebem por subsídio, se sentiram prejudicados?O que sei é que quando entram em greve, sempre têm uma solução rápida. Isso não acontece conosco, não é mesmo?!

    ResponderExcluir
  33. Claucir Araújo (História)16 de maio de 2011 13:40

    Combativo Euler!
    Gostariamos de saber: quando da instituição da Lei Estadual 15.293, de 05 de maio de 2004, alguns professores, já aposentados, que eram P2E, não foram posicionados para PEB 1 P, que corresponde a 30 anos de trabalho pela educação. Estas professoras estão posicionadas como PEB 1 E. Não entendi este reposicionamento.
    Agradeceria se nos explicasse.
    Estamos aguardando o desenrolar dos acontecimentos relativos à aplicação da nossa Lei do Piso. O Acórdão do STF não deve demorar. Aqui na escola a grande maioria fez a opção para sair do sbsídio.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  34. Parabéns Euler.

    Só mesmo o seu blog pra nos ajudar a enfrentar mais uma crise na nossa carreira. Não sabemos o que é pior: a intransigência do governo em nos empurrar o subsídio ou o silêncio do Sindute que não se manifesta deixando-nos numa agonia sem fim. Até quando? Haja forças pra tantos embates.

    ResponderExcluir
  35. Olá Euler!
    Aqui é o Prof Toledo, mais um seguidor seu;
    Gostaria de saber se você se interessou ou não pela nossa idéia, o www.pnebrasil.webnode.com.br(Partido Nacional pela Educação), pois, precisamos inganjar nessa luta e, colocar pessoas nossas nos senado, congresso e camaras estaduais e municipais desse nosso país, para lutar pela nossa classe, quero saber se posso contar com o seu apoio ou não? 32-88379043-contato

    ResponderExcluir
  36. Claucir Araújo (História)17 de maio de 2011 16:23

    Combativo Euler! A turma ficou bem na foto!!!

    As professoras em questão estão como PEB1E no antigo regime remuneratório (ARR)e T1A no famigerado Subsídio.(sobre o questionamento anterior)
    Chegou em nossa escola um ofício do sind-ute com relação as faltas nos dias de paralisação. Muitos professores já se manifestaram que se este fato se consumar eles não irão se comprometer em fazer a reposição.O que vc acha?
    Continuamos aguardando por boas notícia.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  37. Combativo Euler
    Encantada com os comentários e com sua postura em explicar venho pedir que ajude-me:com pós graduação em Português/Literatura, posso ser PEB1D em um cargo e PEB2H no outro?

    ResponderExcluir
  38. Até hoje só substituímos nosso calendário com as reposições. Vamos fazer uma greve?

    ResponderExcluir
  39. Entenda qual o piso para o magistério em 2011. NEM É O PISO PIRATA DO MEC, TAMPOUCO O QUE COBRA A CNTE. Conheça o verdadeiro valor e sua fundamentação jurídica: http://valdecyalves.blogspot.com/2011/06/saiba-qual-e-o-verdadeiro-piso-do.html

    ResponderExcluir
  40. Oi, sou profesora do fundamental II e tenho uma dúvida: quando o piso estava em 1024 reais o municipio para o qual eu trabalho pagava 1132 reais agora com esse reajuste de 15,85% o meu salario deve sofrer o mesmo reajuste?

    ResponderExcluir
  41. vc só penso em vc e outros funcionário da educação, nao vejo vc pedir aumento de salario,,só aumenta o trabalho dele,,aumentos já a todos os servidores da educaçao,vigia servete,secretario a todos os servidores da educaçao..

    ResponderExcluir
  42. Olá, Euler!
    Bom dia!
    Sou professor do quadro efetivo da Secretaria de Educação do Estado da Bahia onde percebo como vendimento 1.105,76 e a Secretaria alega que com o percentual de 31,18%de Atividade Complementar o valor ultrapassa o valor do piso nacional de 1.187,96 isto é certo?

    ResponderExcluir
  43. Olá Euler!
    Bom dia!
    É verdade que, a partir de 2012, os diretores escolares municipais serão escolhidos através de processo misto?

    ResponderExcluir
  44. parabéns EULER PELO BLOG, mais fico triste com a educação a cada dia trabalho 40horas sou professor de matemática no municipio de são sebastião do passé em salvador e ganho por mês R$1.400,00 tenho pós graduação tenho cursos e a prefeitura não da transporte e nem alimentação eu gasto do meu salário sou funcionário público isso é uma vergonha euler eu queria uma providência queria a revolução esta demorando demais espero a 10 anos e nunca vem espero uma resposta e como devo lutar pois eu não aguento mais tanta falta de respeito com essa profissão um abraço e conto com você um abraço meu e-mail é ale_cardoso2@hotmail.com um abraço espero uma resposta.

    ResponderExcluir
  45. Os professores da João Alexandre dos Santos, Parabeniza a Presidenta Dilma Roussef pelo avanço relacionado a valorização dos profissionais da educação.

    Obrigado pela luta e força incansável dos sindicatos responsáveis por esta categoria.

    ResponderExcluir
  46. denizesantosfreitas@hotmail.com28 de novembro de 2011 16:38

    Euler,
    Boa tarde. Gentileza enviar-me a nova tabela de pagamento do estado. Sou aposentada desde 2007, com l0 biênios, especialização, 5 quinquenios. Na tabela anterior enquadrava-me em PEB4A. Denise

    ResponderExcluir
  47. GOSTARIA DE SABER SIM EU QUE TENHO 6 ANOS DE PROFESSORA I SÓ TENHO MAGISTERIO QUANTO SERÁ MEU SALÁRIO.I ESTOU CURSANDO PEDAGOGIA JÁ ESTA COM UM ANO

    ResponderExcluir