sexta-feira, 27 de maio de 2011

Blog promove abaixo-assinado exigindo do governo de Minas o pagamento do piso já!

Clique na imagem e subscreva a petição que exige o pagamento do piso já!


Blog promove abaixo-assinado exigindo do governo de Minas o pagamento do piso já!

Caros colegas de luta, fazendo coro às iniciativas dos educadores de Santa Catarina e do Rio de Janeiro, achamos por bem elaborar um abaixo-assinado dirigido ao governo de Minas, que ficou assim:

"
Ao governo de Minas Gerais: pague o piso e deixe de enrolação!

Sr. Governador de Minas Gerais:

Durante os últimos oito anos de gestão, o Governo Aécio Neves (faraó), com a sua participação, cortou direitos e conquistas históricas dos educadores de Minas Gerais, como os biênios e quinquênios. Além disso, manteve os nossos salários achatados, através do tal "choque de gestão", que nada mais foi do que um choque de confisco dos nossos salários para sobrar mais dinheiro para empreiteiras e agentes das altas esferas de poder.


Finalmente, em 2010 o seu governo impôs uma Lei do Subsídio, que confisca todas as gratificações e o tempo de serviço dos educadores, reduz percentuais de promoção e progressão e elimina a possibilidade de avanços na carreira dos educadores.


A partir do dia 06 de abril de 2011, o STF julgou e rejeitou a ADI 4167 impetrada por cinco infelizes desgovernadores (SC, RS, PR, MS e CE). A Lei do Piso do Magistério, desde então, foi considerada CONSTITUCIONAL, devendo estados e municípios cumpri-la na sua plenitude. Pagando o piso salarial como vencimento básico e aplicando a jornada de um terço de tempo extraclasse.


É inadmissível que o estado de Minas, que está entre os três mais ricos do país, e que vem crescendo em proporções chinesas, segundo o próprio governo, tenha a cara de pau de não cumprir a lei e não pagar o piso do magistério, como vem acontecendo.


Por isso, nós, educadores de Minas, exigimos:


- o pagamento imediato do piso do magistério;

- a não redução salarial daqueles que optarem pelo antigo regime remuneratório;
- a aplicação do terço de tempo extraclasse na jornada dos professores;
- o reajuste salarial para todas as carreiras da Educação de acordo com o reajuste dos professores;
- a devolução das gratificações confiscadas dos educadores mineiros em 2003.

Caso não sejam atendidas as reivindicações indicadas, os profissionais da Educação têm o legítimo e constitucional direito de cruzarem os braços em decisão que será apreciada na assembléia da categoria no dia 31 de maio. Esta paralisação pode ser evitada, caso o seu governo, sr. Anastasia, resolva cumprir a lei e atender as demandas prioritárias que constam acima. Do contrário, Minas vai parar.

Os signatários "

Caso concordem com o abaixo assinado, visitem este endereço aqui e subscrevam-no.

Um abraço, e força na luta!


***

"Anônimo:

EULER E DEMAIS COLEGAS BOA TARDE. NO SITE SEE: GOVERNO DE MINAS PRORROGA POR MAIS 60 DIAS O PRAZO PARA OPÇAO POR FORMA DE PAGAMENTO. ALGUEM ENTENDE ISSO??????????????????????? "

"José Alfredo Junqueira:

Eu assinei,mas acho que isto vai irritar o faraozinho."

"Anônimo:

Caro Euler,peço que veja e recomende o blog "resistenciaantisionista.
wordpress.com-El Vuelo del Shafagh".É um grande portal que mostra e denuncia o que está acontecendo realmente no mundo."

"Anônimo:

No site da secretaria hoje, o governo amplia por mais 60 dias, o prazo para decidir voltar para a carreira antiga ou não, faz propaganda do subsídio, mas ao final confirma o valor do piso para nível médio.Chega de enrolação. Greve já."

"luisinho34:

Este governo nem vou falar o que pensei para não colocar palavras obscenas..hehehe

Amigos do blog,
Lá no site da SEE/MG, não diz que os 712,20 para quem tem nível médio é livre das outras gratificações, ou seja, na hora que elas entram normalmente o valor é maior que o do subsídio,sem falar que nas promoções as porcentagens são bem maiores(22% contra 10%, bem como, já colocou nosso colega Euler por várias vezes... segue o texto da SEE/MG: " Para a jornada de trabalho de 24 horas semanais, vigente no Estado de Minas Gerais, o valor proporcional do piso salarial nacional é de R$ 712,20. Com a adoção da nova política remuneratória do subsídio, em Minas Gerais o menor valor a ser recebido por professor da educação básica é de R$ 1.122,00 para uma jornada de 24 horas semanais, correspondente ao cargo de professor com escolaridade de Ensino Médio, nível T1 A, valor 57,55% superior ao piso nacional".Isto que é fazer texto para querer enganar quem??? Só quem não conhece mesmo, o que não é o caso de nós professores que já conhecemos este tipo de artimanha!!
o meu caso que tenho especialização e 13 anos de estado, passa de longe o valor do "suicídio"..
E outra ainda, coloca que:" Mas, de forma a assegurar as melhores condições de escolha para seu quadro de servidores que, em sua grande maioria, têm optado por permanecer no sistema de remuneração por subsídio, o Governo de Minas mantém aberta a possibilidade de retorno ao modelo remuneratório vigente antes da adoção do subsídio. Ressalte-se, entretanto, que aquele modelo está em extinção, já que todos os novos integrantes da carreira nela ingressarão tão somente no modelo de remuneração por subsídio".
Ora, se isto fosse verdade, eles não estariam neste desespero todo de ganhar tempo!!! Alguém acredita que o "governo" está mesmo preocupado em dar a melhor escolha para o servidor da educação??!! kkkKK
Eles sabem que se voltarmos, e estamos em massa, para o sistema antigo a nossa remuneração vai ser muito maior, e eles não vão ter como justificar a não aplicação dos valores reais na educação.E outra para solicitar a complementação, que cá para nós MG não precisa, eles vão ter que apresentar as famosas planilhas mascaradas, e será que vão conseguir enganar o Governo Federal? hehehe

Um grande abraço galera!! Agora mais do nunca, o governo mostra o seu desespero!! A HORA É NOSSA É AGORA:"QUEM SABE FAZ A HORA, NÃO ESPERA ACONTECER"!!!"

"Anônimo:

Caro Euler,
Já enviamos mensagens para o sind ute,alertando para a nova esperteza do governo, ao ampliar o prazo da opção de pagamento para mais 60 dias,e ainda fazendo uma propaganda enganosa, ou sind ute parte para uma greve geral a partir do dia 31 05 2011, ou vamos ficar participando do seu jogo!!! Aqui na nossa região (Leste), Manhuaçu, E toda região o professorado já esta se sentindo enganado, não podemos ser também enganados pelo nosso Sindicato!!! Todos conhecem a nossa forma de Luta!!! Esta me cheirando mal o respeito pelo governo dessa nossa vitória quanto ao piso!!1 acho que vai ser uma dureza, como sempre!
Abraços Euler"

"Anônimo:

Olá Euler, tudo bem? No site da SEE o governo prorroga o prazo para escolha do pagamento, mas já afirma que o subsídio atende à lei do piso, pois diz que
R$ 1.187,00 é para jornada de 40 hs, e para uma jornada de 24 hs, o salário base é de R$ 712.00. Ou seja, pelo o que entendi ele não vai fazer nenhum acordo com a categoria, e quem, como eu, optou pela volta ao regime antigo (e não tenho biênios nem quinquênios, pois sou concursada de 2005), vai ficar com o antigo mísero salário e o governo vai usar de suas artimanhas e enrolações para convencer a categoria a voltar para o subsídio. Enfim, estou revoltada e desanimada, pq pelo visto, desse governo,não adianta esperar nada e nem o sindicato vai fazer nada."

"Anônimo:

Companheiros de luta, a prorrogação de mais 2 meses procede? Nao seria golpe do desgovernador, uma vez que tem gente que está saindo da carreira antiga, pela qual tinha optado, a fim de ganhar o aumento ilusório do subsidio por mais tempo? Gente, quem voltar para o subsídio fica engaiolado para sempre!! Vamos dar as mãos pessoal, vamos todos para a greve!"

"Paulo:

E quem já fez a opção de retorno ao sistema remuneratório antigo? O governo não se pronuncia sobre se haverá redução no salário de quem voltou para a antiga carreira e o "sind pelego ute" nem toca no assunto também."

"luisinho34:

E tem mais galera,
A mentirosa nota ainda diz no título:" Em Minas Gerais, sistema de remuneração por subsídio, implementado no inicio deste ano, garante piso nacional para os profissionais da Educação"

GARANTE NADA PORQUE PISO É SEM QUALQUER GRATIFICAÇÃO INCORPORADA!!!! O "SUICÍDIO" INCORPORA E CONFISCA E ROUBA (SEJA LÁ O NOME QUE VOCÊS, QUERIDOS COMPANHEIROS DE LUTA, QUEIRAM DAR) COM TODAS AS GRATIFICAÇÕES QUE FIZEMOS JUS POR ANOS A FIO!!!

PARALISAÇÃO NELES GALERA!!! CHEGA DE ENROLAÇÃO!!!!!

UM ABRAÇO

LUISINHO"

"Glaucia - Pará de Minas:

Boa noite,
Mais 60 dias de enrolação.
No site do Sind-UTE de ontem tinha uma nota onde o sindicato solicitava prorrogação do prazo.
Agosra estou certa que o sind-UTE está de conchavo com o governo.
Um absurdo tudo isto.
Para nós, trabalhadores em educação, não é interessante outra prorrogação. Isso vai servir é para enrolação por parte do governo.
Não queremos mais prazo, queremos piso é para já e retroativo.
Não vamos cair no jogo do governo.
Sem enrolação, piso já, se for necessário é greve por tempo identerminado.
Glaucia - Pará de Minas"

"Anônimo:

O ANESTESIA tá faltando pedir pelo amor de Deus, para que a categoria fique com o subsídio, isso tá parecendo que o lado dele está enfraquecendo. Então força na luta Euler e demais batalhadores! Deus está olhando por nós!"

"Caio Ramos - Belo Horizonte:

COLEGAS EDUCADORES,
A AÇÃO DO GOVERNO AO PRORROGAR O PRAZO PARA MAIS 60 DIAS, DEIXA CLARO QUE ELE E A DIRETORIA DO SIND-UTE SÃO UMA M... SÓ!
CERTAMENTE A COORDENADORA DO SIND-M... VAI DIZER QUE ELE ATENDEU AO PEDIDO FEITO PELA EQUIPE DE NEGOCIAÇÃO.
JÁ CHEGA DE CONVERSA FIADA, DIA 31 É GREEEEEEEVE!
( Desculpe as expressões, mas estou indignado)"



Comentário do Blog sobre a prorrogação do prazo para opção de regime remuneratório:

Pessoal da luta, a prorrogação do referido prazo revela que o governo está perdendo a batalha para os educadores. Na minha escola 100% dos educadores (efetivos e efetivados) optaram pelo antigo regime remuneratório. Na maioria das escolas cujos colegas educadores eu indaguei, recebi a informação de que quase todos fizeram opção pelo sistema antigo.

O segundo motivo do governo é para ganhar tempo e enrolar no pagamento do piso. Enquanto não encerrar o prazo de retorno ao antigo sistema ele poderá dizer que, pelo sistema vigente, do subsídio, o governo já paga o piso. Claro que sabemos que isso é enganação, já que o subsídio, ao incorporar gratificações e vantagens, descaracteriza completamente as poucas vantagens da Lei do Piso.

Mas, ao mesmo tempo, este argumento (de que pelo subsídio o governo já paga até mais que o piso) deve ser um claro indicativo para as pessoas que ainda não se decidiram. É só pensar um pouquinho mais: se no subsídio ele já paga até mais que o piso e o salário é essa mixaria, quem vai querer ficar neste sistema?

Já no antigo sistema remuneratório, quando o piso for aplicado e sobre ele incidirem as gratificações e vantagens o salário vai aumentar para todos.


Além disso, unidos no antigo sistema temos chance de recuperar as gratificações que nos foram confiscadas em 2003, coisa impensável no subsídio, que além de tudo retira dos mais antigos as mesmas gratificações que roubaram dos novatos em 2003.

Por último, a prorrogação coloca o governo numa saia justa: as pessoas que retornaram ao antigo regime remuneratório em breve terão que receber pelo sistema de vencimento básico mais gratificações.

Com os contracheques nas mãos, será difícil para o governo mineiro dizer que já paga o piso. E se tentar reduzir nossos salários, então, aí é que a coisa vai ficar feia para o lado do governo.

Imagine-se um grupo de educadores na mídia nacional exibindo meia dúzia de contracheques que mostram que o governo de Minas não apenas não paga o piso, como ainda, para castigar os educadores, reduziu os salários de quem optou pelo antigo regime remuneratório. Vai ser uma desmoralização nacional do governo atual e também do Faraó, que patrocinou desde o início esta política de choque contra os educadores.


Então, pessoal, temos que nos manter firmes, porque estamos no caminho certo. Nosso programa de reivindicações é justo, é objetivo, atende a todos nós. Nada de ficar se lamentando que o governo vai fazer isso ou aquilo, porque quem tem motivo para se desesperar é o governo, não os educadores.

Que o governo pare de nos enrolar, pague o piso e atenda as nossa reivindicações. Do contrário, entramos em greve por tempo indeterminado, fazendo coro aos colegas de outros seis estados e outras tantas cidades que já estão em greve. O nosso momento é esse, pessoal, e não podemos deixar escapar essa possibilidade de arrancarmos, na luta, as conquistas e os direitos a que fazemos jus.

Um forte abraço a todos e força na luta!



"Simone-Santa Rita de Minas:

Não gostei do texto do abaixo assinado. Apesar de que nosso governo merece bem mais que isso pois vale bem menos que imaginamos, nós somos educadores e nossa linguagem deve ser adequada a importância do documento. Deveria ser formal e sem ironias (por mais verdadeiras que sejam).

Um abraço e é só uma sugestão.
Simone-Santa Rita de Minas"


Comentário do Blog: agradecemos e respeitamos a opinião da nossa combativa colega Simone, de Santa Rita de Minas. O fato de usarmos uma linguagem mais informal se deve a alguns fatores. Primeiro, porque a petição é uma peça política, também, dirigida ao governador, mas também para a comunidade que acompanha o espaço virtual. Segundo, porque o governo de Minas não respeita os educadores, não fazendo jus, igualmente, ao tratamento formal que poderia, em outras circunstâncias, merecer. Terceiro, porque o documento é sincero, mesmo não sendo totalmente formal. E educadores também podem e devem usar de recursos de linguagem para se fazerem entender melhor. O governo, por exemplo, no seu site (da SEE), emite notas formais, mas com conteúdos que distorcem ou omitem a realidade. Por isso, optamos pela linguagem mais coloquial, que não diminui em nada a nossa importância enquanto educadores e enquanto pessoas críticas, ligadas a um contexto cuja característica central é a enrolação do governo em cumprir a lei. Poderia, por exemplo, dizer que o governo protela o pagamento do piso e tergiversa nas suas justificativas. Mas, a síntese mais adequada para essas expressões é: o governo deve parar de nos enrolar!

Mas, enfim, trata-se de uma opinião, apenas, como a sua, que embora seja diferente da minha, merece todo o nosso respeito e consideração.

Um abraço e força na luta!


"Anônimo:

Muito bom esse veículo de comunicação. Parabéns pelo blog.
Vocês já pararam para pensar e fazer as contas de perdas que já tivemos somente esse ano? Um professor PEB3A, por exemplo, já teve perda nesses 5 meses de aproximadamente 2500 em um cargo. Nesse contexto, a SEE solta nota tentando convencer a todos que o subsídio é melhor para todos, BALELA, PURA ENGANAÇÃO. Infelizmente há professores , talvez com medo, desconfiados, que insistem em permanecer nesse SUBSÍDIO. Vamos à luta,pois a lei está totalmente favorável a nós.
Greve por tempo indeterminado a partir do dia 31 !"


"Anônimo:

Bravos colegas de luta, greve já por tempo indeterminado ou que o governo cumpra a lei, o que de boa vontade certamente não acontecerá. Cuidado colegas o governo tenta ganhar tempo não para que pensemos melhor, mas para que com o desgaste, companheiros que já optaram pela carreira antiga, "que são a maioria” vencidos pela descrença nas lideranças e pelo desgaste das incertezas retornem ao subsidio e assinem a sentença, pois a última é irrevogável. Greve já dia 31 de braços erguidos entoemos nosso hino "GREVE GREVE”. OU QUE NOSSO DESGOVERNO CUMPRA A LEI."

"Beatriz:

Euler, me desculpe, mas também não gostei do texto do abaixo-assinado. Acho que dá margem para a ira do governador e perde o seu objetivo principal na medida em que ofende diretamente a pessoa do governador. Talvez usando das mesmas artimanhas do próprio, a mensagem seria transmitida sem denegrir a nossa imagem como educadores. Me desculpe, é a minha opinião sincera. Reitero minha admiração por sua luta e dedicação em favor de todos nós!

Beatriz"

Comentário do Blog: cara combativa colega Beatriz (que imagino não se tratar da Beatriz coordenadora do sind-UTE), respeito sua opinião, mas não concordo. Quem tem motivos para ficar irado nessa história não é o governador, mas somos nós, educadores. Isso porque estamos perdendo a cada dia mais e mais por conta do não pagamento do piso por parte deste governador para o qual você cobra tratamento formal.

Ora, pessoal (aí já falando para todos), tem setores da nossa categoria que cultivam essa idéia de que educador é um tipo diferente de ser, que tem que manter a postura, o status, a elegância ou sei lá o que. Pura frescuragem, pessoal. Com este salário e com as condições em que vivemos só mesmo alguns de nós ainda acreditam nessa coisa de educador como tipo especial de trabalhador.

Somos cidadãos comuns, trabalhadores explorados como os demais, ou até mais do que muitas outras categorias. O nosso respeito e formalidade e carinho guardemos para os alunos e pais de alunos e colegas trabalho, não para os nossos algozes, que retiram nossos direitos, nos privam de salários dignos e ainda encontra entre nós aqueles que desejam que os tratemos como "vossa excelência". Isso é coisa da hipocrisia das casas legislativas do Brasil. Deixemos isso para eles, que são profissionais na arte da enganação e da hipocrisia. Sejamos nós mesmos, sinceros e altivos. Não será por conta de um texto que só diz verdades, embora de maneira informal, que o governo mineiro deixará ou não de pagar o que temos direito.

"Luciano História:

Euler, ao prorrogar o prazo de retorno da carreira antiga por mais 60 dias acredito que o governo vai continuar pagando através do subsídio os próximos 3 meses mesmo para quem já optou pelo retorno, ele não é besta de reduzir salário e nem criar contra-cheque com o salário base abaixo do piso. Se antes eu já achava difícil o retorno das gratificações para todos agora acho pouco provável, com esse governo neoliberal é missão impossível, Euler para essa missão você vai ter que substituir o Tom Cruise."

Comentário do Blog: olá, amigo Luciano, pois eu não penso assim. Se a grande maioria vier para o antigo regime remuneratório, derrotando o subsídio, o governo terá que aceitar a possibilidade sim, de devolver as gratificações para todos. Principalmente se pressionado pela categoria, que não teve força e direção correta em 2003 para barrar os confiscos, mas que agora vive em outra circunstância. O governo precisa corrigir as distorções que ele próprio criou. Não retirando direitos e conquistas de algum segmento da categoria, mas devolvendo para aqueles que tiveram tais conquistas confiscadas.

"Anônimo:

Euler,
Como será a nossa greve sem o apoio do sindicato que vem dando demonstrações de que não está do nosso lado? Essa greve sem o órgão que nos representa tem amparo legal?"


Comentário do Blog: se a categoria decidir em assembléia a direção tem que acatar. Claro que ela tem todo o direito de defender outras propostas, mas deve acatar a decisão tomada pela categoria, e consultar sempre sobre a necessidade de manter tal decisão, caso ocorra algo que justifique uma mudança de posicionamento. Vamos em frente, e no dia 31 erguer os braços em favor da greve, seja para iniciar no dia 1º (quarta-feira) ou no dia 06 (segunda-feira).

Atenção turma da luta de Vespasiano e São José da Lapa:

ônibus para a assembléia geral do Sind-UTE já devidamente confirmado!

- Local de saída: Praça da Igreja Matriz de Vespasiano, passando em seguida por São José da Lapa e depois pela Linha Verde para o pessoal do Morro Alto.

- Horário de saída: 13h

Vamos organizar a nossa ida em massa para a assembléia do dia 31, terça-feira, pessoal da luta!

Atenção colegas do Renato Azeredo, do Machado de Assis, do Francisco Viana, do Padre José Senabre (já trabalhei nas quatro escolas), do Elias Issa, do Beatriz Maria, do Guilherme Hallais França, do Cesec Caieiras, do Cesec Vila Esportiva, do Nila Faraj, do José Gabriel e do Maria Piedade.

Para confirmar presença no ônibus, ligar para a subsede de Vespasiano e São José (3621-0456) ou para Cláudia Luiza (3621-3735).

"
Anônimo:

Gostaria que as subsedes do Sindute Teófilo Otoni e Itaobin (Vale do Jequitinhonha) definissem os horários e local de saída para a Assembléia do dia 31/05."

"
Silvia- valadares:

Olá Euler, apesar de que essa não é a discussão mais importante do momento, assim como as colegas anteriores também não gostei do texto do abaixo assinado, somos educadores e em qualquer situaçao (mesmo de extrema indignação e revolta) devemos nos portar como educadores. Se pudéssemos tratar os outros da mesma forma como nos tratam como seriam nossas relações cotidianas com (alguns de) nossos alunos, hein?

Estamos num nível muito acima de nossos políticos (pelo menos moralmente, eticamente e intelectualmente) e não devemos nos rebaixar ao nivel deles.

te admiro muito,colega.
É muito nobre o que você faz!

Silvia- valadares
"

"
Rômulo:

Peço a gentileza do amigo para também informar o horário e local do ônibus de Ribeirão das Neves:

Saída às 12h30 da Igreja Matriz de Neves.

13h passa pelo Justinopólis (ponto de frente a praça).

Pega o trajeto da Av. Vilarinho, então, se algum companheiro que more por aquelas bandas quiser pegar uma carona fique a vontade. O ônibus vai com a banderinha do Sindute colado na frente.

Aproveito para esclarecer o porque de eu nunca estar no ônibus com os companheiros. Trabalho em Justinópolis mas moro em BH, próximo ao centro. E pela manhã eu participo das reuniões do Conselho Geral.

Devido aos problemas que passei estive bem ausente das escolas estaduais e das lutas da rede municipal de Neves. Sem querer ficar justificando, assumo que o trabalho de base está debilitado e em alguns casos até nulo. Não faltarão esforços para melhorarmos esse quadro.

Rômulo
"

"
juliana:

Euler e demais companheiros de luta, também não me sinto a vontade com o conteúdo do abaixo assinado. Penso que podemos ser diretos sem ironias. Não podemos perder o foco da reivindicação. Temos que nos manter íntegros, dignos de respeito (apesar de não estarmos sendo respeitados como deveríamos) e não dar, de forma alguma, margem ao governador para agir de forma diferente daquilo que merecemos. um abraço a todos e força na luta.
"

Comentário do Blog: Tudo bem, colega Juliana, se você considera que o texto do abaixo-assinado retira a nossa integridade, proponha outro texto e organize outro abaixo-assinado. Não terei qualquer problema em subscrevê-lo, também, mas não vou mudar o texto da petição do blog, porque ele reflete o real sentimento de uma parcela da categoria. Taí, pessoal, promovam outro abaixo-assinado, cheio de pompas e elegâncias e formalidades. Isso não vai mudar em nada a nossa luta, mas se satisfaz uma parcela da categoria, acho legítimo. Não precisamos ter apenas um abaixo-assinado. A direção sindical pode criar o dela; outro grupo de educadores criar outro; e este blog vai manter o atual. Isso expressa a diversidade existente na categoria, com as diferentes linguagens em torno de objetivos comuns. Organizem outro(s) abaixo-assinados e eu divulgarei aqui no blog sem qualquer problema.

Um abraço e força na luta!

"
Gilson Vieira Soares:

A fala da Amanda Gurgel foi bem mais irônica e contundente, e foi aplaudida. Principalmente quando fala da indumentária , padrão de vida dos deputados e do cuscuz alegado e dirigida pessoalmente aos deputados daquela casa. A nossa secretaria de planejamento também fala coisas do tipo : "estão reclamando de barriga cheia, olha o salário dos professores do Rio de Janeiro". A fala foi adequada. Acho até que muito tímida.

Ironia maior é o sindicato pedir prorrogação do prazo para requerimento. Prorrogar o que? Parece que não tem convicção que o ASR é melhor.

Se ele (o governador) se sentir ofendido tem esse espaço, bem como outros comprados para se manifestar.
"

Comentário do blog: Um abraço ao nosso combativo colega Gilson, que representa bem a força dos designados. Aliás, o governo no seu site já anunciou que os novos concursados terão obrigatoriamente que aceitar o subsídio. Isso nós não podemos aceitar, de forma alguma. Se o subsídio é tão bom assim quanto diz o governo, deveria dar a chance para que os novatos também fizessem a sua opção de carreira. Aliás, que sistema bom é esse que, uma vez feita a opção pelo mesmo não tem porta de saída? Ora, se se tratasse de algo bom o governo deixaria as portas abertas para que, a qualquer tempo, qualquer um pudesse mudar.

"
Cristina Costa:

Euler,
Adorei o texto do abaixo-assinado. a fala foi clara, objetiva e direta. Tem que ser assim para os político de um modo geral entender o que queremos. Chega de enrolação de ambas as partes. Estou me referindo ao governo e ao sindicato.
Já publiquei o endereço no meu blog e já enviei para todos da minha lista de email. Não podemos esperar mais temos que tomar a frente mesmo. Parabéns por sua iniciativa mais uma vez. Se tiver outros abaixo-assinados com palavras bonitas e tudo mais... mas ... o mesmo objetivo
assinarei também e com certeza divulgarei. Mas adorei seu texto.

Um grande abraço e té terça-feira!!!!
"

Comentário do Blog: um abraço na nossa combativa amiga Cristina e até terça-feira, dia 31, quando a categoria precisa de fato dar um basta nessa enrolação por parte do governo e cobrar da direção sindical uma postura mais firme nas negociações. Que o governo cumpra a lei e nos pague e piso! Um abraço e força na luta. Ah, obrigado por divulgar o abaixo-assinado em seu blog.

"
Paulo:

Euler e demais colegas, temo que possa ocorrer um retorno ao subsídio dos colegas que já optaram pela antiga carreira.Precisamos pensar em uma forma de impedir que isso aconteça.Não sei se o retorno está sendo aceito nas SREs, mas se for aceito será um risco para nossa unidade.
"

"
Elaine-Betim:

Olá colega Euler , concordo com quem diz q o governo está desesperado e cada vez temos que retornar ao antigo regime e continuar esclarecendo os nossos colegas pois muitos ainda não compreenderam a intenção desse maldito governo.Agora quanto àqueles que optaram no início do prazo, acredito q eles só receberão pelo antigo regime novamente quando acabar o prazo , ou seja, o governador está ganhando tempo para adotar o piso.Enquanto todos recebem pelo suicídio há uma economia nos cofres. Pense nisso.
Abraço,
Elaine-Betim.
"

28 comentários:

  1. José Alfredo Junqueira27 de maio de 2011 15:34

    Eu assinei,mas acho que isto vai irritar o faraozinho.

    ResponderExcluir
  2. Caro Euler,peço que veja e recomende o blog "resistenciaantisionista.wordpress.com-El Vuelo del Shafagh".É um grande portal que mostra e denuncia o que está acontecendo realmente no mundo.

    ResponderExcluir
  3. No site da secretaria hoje, o governo amplia por mais 60 dias, o prazo para decidir voltar para a carreira antiga ou não, faz propaganda do subsídio, mas ao final confirma o valor do piso para nível médio.Chega de enrolação. Greve já.

    ResponderExcluir
  4. EULER E DEMAIS COLEGAS BOA TARDE.NO SITE SEE ;'GOVERNO DE MINAS PRORROGA POR MAIS 60 DIAS O PRAZO PARA OPÇAO POR FORMA DE PAGAMENTO.ALGUEM ENTENDE ISSO???????????????????????

    ResponderExcluir
  5. Caio Ramos - Belo Horizonte27 de maio de 2011 17:31

    COLEGAS EDUCADORES,
    A AÇÃO DO GOVERNO AO PRORROGAR O PRAZO PARA MAIS 60 DIAS, DEIXA CLARO QUE ELE E A DIRETORIA DO SIND-UTE SÃO UMA M... SÓ!
    CERTAMENTE A COORDENADORA DO SIND-M... VAI DIZER QUE ELE ATENDEU AO PEDIDO FEITO PELA EQUIPE DE NEGOCIAÇÃO.
    JÁ CHEGA DE CONVERSA FIADA, DIA 31 É GREEEEEEEVE!
    ( Desculpe as expressões, mas estou indignado)

    ResponderExcluir
  6. O ANESTESIA tá faltando pedir pelo amor de Deus, para que a categoria fique com o subsídio,isso tá parecendo que o lado dele está enfraquecendo.Então força na luta Euler e demais batalhadores!Deus está olhando por nós!

    ResponderExcluir
  7. Caro Euler,
    Já enviamos mensagens para o sind ute,alertando para a nova esperteza do governo, ao ampliar o prazo da opção de pagamento para mais 60 dias,e ainda fazendo uma propaganda enganosa, ou sind ute parte para uma greve geral a partir do dia 31 05 2011, ou vamos ficar participando do seu jogo!!! Aqui na nossa região (Leste), Manhuaçu, E toda região o professorado já esta se sentindo enganado, não podemos ser também enganados pelo nosso Sindicato!!! Todos conhecem a nossa forma de Luta!!! Esta me cheirando mal o respeito pelo governo dessa nossa vitória quanto ao piso!!1 acho que vai ser uma dureza, como sempre!
    Abraços,
    Euler

    ResponderExcluir
  8. E quem já fez a opção de retorno ao sistema remuneratório antigo? O governo não se pronuncia sobre se haverá redução no salário de quem voltou para a antiga carreira e o "sind pelego ute" nem toca no assunto também.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite,
    Mais 60 dias de enrolação.
    No site do Sind-UTE de ontem tinha uma nota onde o sindicato solicitava prorrogação do prazo.
    Agosra estou certa que o sind-UTE está de conchavo com o governo.
    Um absurdo tudo isto.
    Para nós, trabalhadores em educação, não é interessante outra prorrogação. Isso vai servir é para enrolação por parte do governo.
    Não queremos mais prazo, queremos piso é para já e retroativo.
    Não vamos cair no jogo do governo.
    Sem enrolação, piso já, se for necessário é greve por tempo identerminado.
    Glaucia - Pará de Minas

    ResponderExcluir
  10. Este governo nem vou falar o que pensei para não colocar palavras obescenas..hehehe

    Amigos do blog,
    Lá no site da SEE/MG, não diz que os 712,20 para quem tem nivel médio é livre das outras gratificações, ou seja, na hora que elas entram normalmente o valor é maior que o do subsídio,sem falar que nas promoções as porcentagens são bem maiores(22% contra 10%, bem como, já colocou nosso colega Euler por várias vezes... segue o texto da SEE/MG: " Para a jornada de trabalho de 24 horas semanais, vigente no Estado de Minas Gerais, o valor proporcional do piso salarial nacional é de R$ 712,20. Com a adoção da nova política remuneratória do subsídio, em Minas Gerais o menor valor a ser recebido por professor da educação básica é de R$ 1.122,00 para uma jornada de 24 horas semanais, correspondente ao cargo de professor com escolaridade de Ensino Médio, nível T1 A, valor 57,55% superior ao piso nacional".Isto que é fazer texto para querer enganar quem??? Só quem não conhece mesmo, o que não é o caso de nós professores que já conhecemos este tipo de artimanha!!
    o meu caso que tenho especialização e 13 anos de estado, passa de longe o valor do "suicídio"..
    E outra ainda, coloca que:" Mas, de forma a assegurar as melhores condições de escolha para seu quadro de servidores que, em sua grande maioria, têm optado por permanecer no sistema de remuneração por subsídio, o Governo de Minas mantém aberta a possibilidade de retorno ao modelo remuneratório vigente antes da adoção do subsídio. Ressalte-se, entretanto, que aquele modelo está em extinção, já que todos os novos integrantes da carreira nela ingressarão tão somente no modelo de remuneração por subsídio".
    Ora, se isto fosse verdade, eles não estariam neste desespero todo de ganhar tempo!!! Alguém acredita que o "governo" está mesmo preocupado em dar a melhor escolha para o servidor da educação??!! kkkKK
    Eles sabem que se voltarmos, e estamos em massa, para o sistema antigo a nossa remuneração vai ser muito maior, e eles não vão ter como justificar a não aplicação dos valores reias na educação.E outra para solicitar a complementeação, que cá para nós MG não precisa, eles vão ter que apresentar as famosas planilhas mascaradas, e será que vão conseguir enganar o Governo Federal? hehehe

    Um grande abraço galera!! Agora mais do nunca, o governo mostra o seu desespero!! A HORA É NOSSA É AGORA:"QUEM SABE FAZ A HORA, NÃO ESPERA ACONTECER"!!!

    ResponderExcluir
  11. Olá Euler, tudo bem? No site da SEE o governo prorroga o prazo para escolha do pagamento, mas já afirma que o subsídio atende à lei do piso, pois diz que
    R$ 1.187,00 é para jornada de 40 hs, e para uma jornada de 24 hs, o salário base é de R$ 712.00. Ou seja, pelo o que entendi ele não vai fazer nenhum acordo com a categoria, e quem, como eu, optou pela volta ao regime antigo (e não tenho biênios nem quinquênios, pois sou concursada de 2005), vai ficar com o antigo mísero salário e o governo vai usar de suas artimanhas e enrolações para convencer a categoria a voltar para o subsídio. Enfim, estou revoltada e desanimada, pq pelo visto, desse governo,não adianta esperar nada e nem o sindicato vai fazer nada.

    ResponderExcluir
  12. E tem mais galera,
    A mentirosa nota ainda diz no título:" Em Minas Gerais, sistema de remuneração por subsídio, implementado no inicio deste ano, garante piso nacional para os profissionais da Educação"

    GARANTE NADA PORQUE PISO É SEM QUALQUER GRATIFICAÇÃO INCORPORADA!!!! O "SUICÍDIO" INCORPORA E CONFISCA E ROUBA(SEJA LÁ O NOME QUE VOCÊS, QUERIDOS COMPANHEIROS DE LUTA, QUEIRAM DAR) COM TODAS AS GRATIFICAÇÕES QUE FIZEMOS JUS POR ANOS A FIO!!!

    PARALIZAÇÃO NELES GALERA!!! CHEGA DE ENROLAÇÃO!!!!!

    UM ABRAÇO

    LUISINHO

    ResponderExcluir
  13. Companheiros de luta, a prorrogação de mais 2 meses procede? Nao seria golpe do desgovernador, uma vez que tem gente que está saindo da carreira antiga, pela qual tinha optado, a fim de ganhar o aumento ilusório do subsidio por mais tempo? Gente, quem voltar para o subsídio fica engaiolado para sempre!! Vamos dar as mãos pessoal, vamos todos para a greve!

    ResponderExcluir
  14. Não gostei do texto do abaixo assinado.Apesar de que nosso governo merece bem mais que isso pois vale bem menos que imaginamos,nós somos educadores e nossa linguagem deve ser adequada a importância do documento.Deveria ser formal e sem ironias(por mais verdadeiras que sejam)
    Um abraço e é só uma sugestão.
    Simone-Santa Rita de Minas

    ResponderExcluir
  15. Muito bom esse veículo de comunicação. Parabéns pelo blog.
    Vocês já pararam para pensar e fazer as contas de perdas que já tivemos somente esse ano? Um professor PEB3A, por exemplo, já teve perda nesses 5 meses de aproximadamente 2500 em um cargo . Nesse contexto, a SEE solta nota tentando convencer a todos que o subsídio é melhor para todos, BALELA,PURA ENGANAÇÃO. Infelizmente há professores , talvez com medo, desconfiados, que insistem em permanecer nesse SUBSÍDIO. Vamos à luta,pois a lei está totalmente favorável a nós.
    Greve por tempo indeterminado a partir do dia 31 !

    ResponderExcluir
  16. Euler, ao prorrogar o prazo de retorno da carreira antiga por mais 60 dias acredito que o governo vai continuar pagando através do subsídio os próximos 3 meses mesmo para quem já optou pelo retorno, ele não é besta de reduzir salário e nem criar contra-cheque com o salário base abaixo do piso.Se antes eu já achava difícil o retorno das gratificações para todos agora acho pouco provável, com esse governo neoliberal é missão impossível,Euler para essa missão você vai ter que substituir o Tom Cruise.

    ResponderExcluir
  17. Euler, me desculpe, mas também não gostei do texto do abaixo-assinado. Acho que dá margem para a ira do governador e perde o seu objetivo principal na medida em que ofende diretamente a pessoa do governador. Talvez usando das mesmas artimanhas do próprio, a mensagem seria transmitida sem denegrir a nossa imagem como educadores. Me desculpe, é a minha opinião sincera. Reitero minha admiração por sua luta e dedicação em favor de todos nós!

    Beatriz

    ResponderExcluir
  18. Bravos colegas de luta, greve já por tempo indeterminado ou que o governo cumpra a lei, o que de boa vontade certamente não acontecerá. Cuidado colegas o governo tenta ganhar tempo não para que pensemos melhor, mas para que com o desgaste, companheiros que já optaram pela carreira antiga, "que são a maioria” vencidos pela descrença nas lideranças e pelo desgaste das incertezas retornem ao subsidio e assinem a sentença, pois a última é irrevogável. Greve já dia 31 de braços erguidos entoemos nosso hino "GREVE GREVE”. OU QUE NOSSO DESGOVERNO CUMPRA A LEI.

    ResponderExcluir
  19. Euler,
    Como será a nossa greve sem o apoio do sindicato que vem dando demonstrações de que não está do nosso lado? Essa greve sem o órgão que nos representa tem amparo legal?

    ResponderExcluir
  20. Euler,
    Gostaria de saber se a nossa greve é legal mesmo sem o apio do sindicato que já deu demonstrações de não estar do nosso lado nesse combate. Temos amparo legal para nossa greve mesmo sem o órgão que nos representa?

    ResponderExcluir
  21. Gostaria que as subsedes do Sindute Teófilo Otoni e Itaobin(Vale do Jequitinhonha) definissem os horários e local de saída para a Assembléia do dia 31/05.

    ResponderExcluir
  22. Olá Euler, apesar de que essa não é a discussão mais importante do momento, assim como as colegas anteriores também não gostei do texto do abaixo assinado, somos educadores e em qualquer situaçao(mesmo de extrema indignação e revolta) devemos nos portar como educadores.Se pudéssemos tratar os outros da mesma forma como nos tratam como seriam nossas relações cotidianas com (alguns de) nossos alunos, hein?
    Estamos num nível muito acima de nossos políticos(pelo menos moralmente,eticamente e intelectualmente) e não devemos nos rebaixar ao nivel deles.

    te admiro muito,colega.
    É muito nobre o que você faz!

    Silvia- valadares

    ResponderExcluir
  23. Peço a gentileza do amigo para também informar o horário e local do ônibus de Ribeirão das Neves:

    Saída às 12h30 da Igreja Matriz de Neves.
    13h passa pelo Justinopólis (ponto de frente a praça).
    Pega o trajeto da Av. Vilarinho, então, se algum companheiro que more por aquelas bandas quiser pegar uma carona fique a vontade. O ônibus vai com a banderinha do Sindute colado na frente.

    Aproveito para esclarecer o porque de eu nunca estar no ônibus com os companheiros. Trabalho em justinopolis mas moro em BH, próximo ao centro. E pela manhã eu participo das reuniões do Conselho Geral.

    Devido aos problemas que passei estive bem ausente das escolas estaduais e das lutas da rede municipal de Neves. Sem querer ficar justificando, assumo que o trabalho de base está debilitado e em alguns casos até nulo. Não faltarão esforços para melhorarmos esse quadro.

    Rômulo

    ResponderExcluir
  24. Euler e demais companheiros de luta,também não me sinto a vontade com o conteúdo do abaixo assinado. Penso que podemos ser diretos sem ironias. Não podemos perder o foco da reevindicação. Temos que nos manter íntegros, dignos de respeito(apesar de não estarmos sendo respeitados como deveríamos) e não dar, de forma alguma, márgem ao governador para agir de forma diferente daquilo que merecemos. um abraço a todos e força na luta.

    ResponderExcluir
  25. A fala da Amanda Gurgel foi bem mais irônica e contundente, e foi aplaudidada. Principalmente quando fala da indumentária , padrão de vida dos deputados e do cuscuz alegado e dirigida pessoalmente aos deputados daqiuela casa. A nossa secretaria de planejamento também fala coisas do tipo : " estão reclamando de barriga cheia, olha o salário dos professores do Rio de Janeiro". A fala foi adequada. Acho até que muito timida.
    Irônia maior é o sindicato pedir prorrogação do przo para requerimento. Prorrogar o que? Parece que não tem convicção que o ASR é melhor.
    Se ele (o governador) se sentir ofendido tem esse espaço, bem como outros comprados para se manifestar.

    ResponderExcluir
  26. Euler,
    Adorei o texto do abaixo-assinado. a fala foi clara, objetiva e direta. Tem que ser assim para os político de um modo geral entender o que queremos. Chega de enrolação de ambas as partes. Estou me referindo ao governo e ao sindicato.
    Já publiquei o endereço no meu blog e já enviei para todos da minha lista de email. Não podemos esperar mais temos que tomar a frente mesmo. Parabéns por sua iniciativa mais uma vez. Se tiver outros abaixo-assinados com palavras bonitas e tudo mais... mas ...o mesmo objetivo
    assinarei também e com certeza irei divulgarei. Mas adorei seu texto.
    Um grande abraço e té terça-feira!!!!

    ResponderExcluir
  27. Euler e demais colegas, temo que possa ocorrer um retorno ao subsídio dos colegas que já optaram pela antiga carreira.Precisamos pensar em uma forma de impedir que isso aconteça.Não sei se o retorno está sendo aceito nas SREs, mas se for aceito será um risco para nossa unidade.

    ResponderExcluir
  28. Olá colega Euler , concordo com quem diz q o governo está desesperado e cada vez temos que retornar ao antigo regime e continuar esclarecendo os nossos colegas pois muitos ainda não compreenderam a intenção desse maldito governo.Agora quanto àqueles que optaram no início do prazo, acredito q eles só receberão pelo antigo regime novamente quando acabar o prazo , ou seja, o governador está ganhando tempo para adotar o piso.Enquanto todos recebem pelo suicídio há uma economia nos cofres. Pense nisso.
    Abraço,
    Elaine-Betim.

    ResponderExcluir