terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

MEC reajusta o piso dos educadores em 22,22%. Minas Gerais, fora da lei, vai pagar apenas 5%. CNTE descobre, somente agora, que piso não é pago


Esta é uma parte da nossa tabela original, aquela do plano de carreira dos educadores de Minas, que foi destruído, já com o piso de 2012 aplicado. Sobre os valores da tabela deveriam incidir as gratificações. Um professor com curso superior (PEB III) em início de carreira (letra A) teria direito ao piso proporcional de R$ 1.295,80 mais 20% de pó de giz, totalizando R$ 1.554,96. No sistema atual, que burlou a lei do piso, este mesmo professor receberá R$ 1.320,00 de salário total. Já para os professores mais antigos, as perdas são ainda maiores. Um professor com especialização que tenha conseguido sua promoção recentemente (PEB IV A), e tendo 110% de gratificações, teria direito a um salário total de R$ 3.319,83 para um cargo completo. No atual sistema, este professor está recebendo algo entre R$ 1.500,00 e 1.700,00 para um cargo completo. Em Minas é assim: o governo faz suas leis, ao arrepio da norma federal, com a conivência do governo federal, do legislativo, do judiciário, do procurador regional da república (que república!) e a blindagem da mídia.




MEC reajusta o piso dos educadores em 22,22%. Minas Gerais, fora da lei, vai pagar apenas 5%. CNTE descobre, somente agora, que piso não é pago no país, e convoca paralisação de 3 dias. Educadores de Minas vão discutir se, e como, participarão. A não aplicação do piso é a desmoralização total dos poderes constituídos.


Com pelo menos dois meses de atraso, o MEC divulga o novo índice de reajuste do piso salarial profissional dos educadores, que em 2012 será fixado em R$ 1.451,00 para o profissional com formação em ensino médio, pela jornada de até 40 horas de trabalho. A lei do piso (11.738) foi aprovada em 2008 pelo Congresso Nacional e sancionada no mesmo ano pelo presidente da República, mas até agora não saiu do papel. O pior exemplo de descumprimento da lei, embora não seja o único, verifica-se em Minas Gerais, onde o governo burlou a lei federal, alterando o plano de carreira dos educadores para não pagar o piso como manda a norma federal - e com isso provocando enormes prejuízos aos 400 mil profissionais da Educação.

O anúncio de que o piso terá um reajuste de 22,22%, índice bem superior ao da inflação, deveria ser motivo de grande alegria para todos os educadores do país. Mas, ao contrário disso, trata-se de mais um momento de pesadelo, de tristeza, já que os governos das três esferas - federal, estadual e municipal - não cumpriram o seu papel, burlando a lei federal, e com isso sonegando aos cidadãos brasileiros o direito ao ensino público de qualidade para todos.

A lei do piso, que consta da Carta da Magna de 1988, foi criada enquanto política nacional de valorização dos educadores. A compreensão de que não haverá educação de qualidade sem a devida valorização do profissional da educação levou o legislador a formular e a aprovar uma lei federal com este intuito. A lei do piso foi criada para isso, para valorizar o educador, dando início a um processo de recuperação de muitas décadas de perdas e de baixos salários.

Mas, antes mesmo que a lei entrasse em vigor, os governantes do país passam os dias e as noites conspirando contra os educadores, contra os de baixo, e contra a correta aplicação da lei do piso. Tentaram alterar o teor da lei com a ADI 4167, que desejava mudar o conceito de piso, de vencimento básico para remuneração total. O STF rejeitou esta tese e manteve o texto da lei federal: piso é vencimento básico, e não remuneração total. Apesar disso, os governantes, como é o caso de Minas Gerais, alteraram as leis estaduais, fazendo justamente aquilo que fora proibido pelo STF. Em Minas, não existe piso salarial, mas subsídio, remuneração total, que é a soma do salário inicial com as gratificações, nesta obra de engenharia da esperteza, realizada para burlar a lei e sonegar aos educadores o direito ao piso. A mesma prática foi realizada em quase todos os estados da federação.

Em 2011, educadores de 23 estados cruzaram os braços pelo pagamento do piso. Só em Minas, os trabalhadores da Educação realizaram numa heróica e prolongada greve de 112 dias. Mas, somente agora a CNTE descobriu que o país não paga o piso salarial dos educadores. Pressionada, resolveu convocar tardiamente uma greve de 3 dias, para meados de março deste ano. O alvo da greve, de acordo com as declarações do presidente da entidade, são os governos municipais e os estaduais que não pagam o piso. O governo federal não existe nessa história. Para a CUT, CNTE e Sind-UTE a Educação básica e o piso nacional são problemas regionais, que fogem à alçada do governo federal, que assiste a tudo de camarote.

Mas o texto da Carta Magna e da Lei do Piso não deixa dúvida: a política educacional - incluindo a lei do piso - é de responsabilidade compartilhada entre os entes federados. Não se pode admitir que um estado ou município não cumpra a lei - não pagando o piso, por exemplo - e o governo federal se omita de cobrar deste ente federado o seu papel constitucional. Ou os cidadãos deste estado ou município são menos brasileiros do que os outros e podem ficar sem educação de qualidade, e sem política de valorização para os trabalhadores da Educação?

Por isso, a categoria dos educadores de Minas e do Brasil devem discutir o que fazer para conquistar o direito a uma carreira decente, a um piso salarial digno, a uma real política de valorização. Pessoalmente, acho muito difícil que uma parcela expressiva da categoria dos educadores de Minas participe da paralisação de três dias convocada pela CNTE. Primeiro, porque a nossa categoria ainda não se recuperou dos desgastes emocionais e financeiros provocados pela greve de 112 dias. E a paralisação de três dias certamente provocará mais perda salarial, sem que aponte um caminho correto para a conquista do piso na carreira. A greve não está direcionada para a cobrança do governo federal, por exemplo, para que ele federalize a folha de pagamento dos educadores. A greve está voltada para cobrar dos governos estaduais e municipais a aplicação do piso. Ora, se em 112 dias não conseguimos, em função de vários fatores já analisados aqui e em outros blogs, arrancar o piso em Minas, não serão os três dias de paralisação que conseguirão sensibilizar o governo de Minas (ou o de Santa Catarina, ou de Ceará, ou do Rio Grande do Sul, ou de Goiás, ou da Bahia, etc.) a aplicar o piso corretamente.

Talvez seja mais importante, pelo menos em Minas Gerais, realizar manifestações regionais, com panfletagem e atos de protesto, organizados nas diversas regiões do estado. Isto evitaria mais cortes na folha de pagamento dos colegas educadores, e estabeleceria um diálogo direto com a comunidade sobre a realidade da Educação no estado e no país.

Claro que não descartamos a possibilidade de uma futura greve, que é e sempre foi um dos principais instrumentos de luta dos trabalhadores. Mas, temos que aprender com a nossa prática. A próxima greve tem que ser melhor organizada, com objetivos bem definidos, estratégias de ação que consigam unir a categoria e deem ampla repercussão, sem o desgaste de uma greve prolongada. Considero que este seja um instrumento que devemos lançar mão num outro momento, e não agora, quando ainda estamos nos recuperando da greve anterior. Nosso momento atual, além dos protestos regionais e do trabalho de base nas escolas - e do essencial diálogo horizontal nas redes sociais pela Internet - deve concentrar força também numa cobrança judicial. Não se pode admitir que a Justiça, nas diversas instâncias, não seja provocada a se manifestar acerca do descumprimento da lei federal pelo governo de Minas e demais governos do país - inclusive o federal.

Seria importante que os colegas discutissem nas escolas essa realidade que estamos vivendo, do reajuste do piso que não será pago em Minas, do nosso piso burlado, da nossa carreira destruída, e sobre quais seriam as melhores formas de manifestação e luta para conquistar nossos direitos. Ouvir as bases deveria ser uma preocupação permanente das lideranças e dos dirigentes sindicais. Vamos fazer essa consulta e construir este diálogo horizontal para sabermos se vamos participar da paralisação de três dias, ou se faremos outras formas de manifestação em todas as regiões de Minas. Vou obedecer ao que a base da categoria determinar.

Ao mesmo tempo, devemos mostrar para a comunidade como o governo do estado burlou a lei do piso, com o claro exemplo do reajuste de 22% que não será pago para os educadores de Minas. Devemos também iniciar uma campanha pela Internet, de pressão sobre os parlamentares federais, os ministros do STF, o MPF, o MEC, a AGU e a presidente Dilma, dizendo-lhes que o não cumprimento da lei do piso depõe contra a democracia no Brasil; é a negação do Estado de Direito no país; é a desmoralização dos poderes constituídos. E que estes poderes, na esfera federal, precisam cobrar dos demais entes federados o cumprimento da lei. Ou então que federalizem a educação básica e retirem das mãos dos estados e municípios esta atribuição.

O que está em jogo não é somente o fato de que este ou aquele estado ou município não estejam pagando o piso e descumprindo a lei federal. Isso por si só já deveria ter mobilizado a justiça, o legislativo e o MP contra os governantes que agem ao arrepio da lei. O que está em jogo de forma mais contundente é o fato de que o não pagamento do piso corretamente na carreira dos educadores representa o sucateamento da Educação pública básica, e a sonegação, aos cidadãos brasileiros, especialmente aos de baixa renda, do direito constitucional ao ensino público e de qualidade para todos.

Um forte abraço a todos e força na luta! Até a nossa vitória!

***

254 comentários:

  1. Prezado professor Euler,

    Como sempre o senhor usa da sua habilidade na pena e produz um belíssimo texto explanando para a classe dos professores a realidade de nossa situação. Eu já compartilhei seu post no meu facebook. A Beatriz também escreveu um texto no blog dela sobre o reajuste de 22,22%.
    Hoje 28/02 às 04h37min a notícia "Piso nacional do magistério de 2012 é definido em R$ 1.451" continua na primeira página do Yahoo. Devemos mandar e-mails para esse portal de busca da internet parabenizando-os por destacar esta importante notícia para os educadores de todo o Brasil.
    Porém, seria importante explicar ao Yahoo que o texto traz um pequeno erro, não são R$ 1.451 para 40 horas, MAS PARA ATÉ 40 HORAS, como está bem explícito no corpo da lei do Fundeb.
    Sobre a paralisação de 3 dias, acho que ela só surtirá efeito se educadores do Brasil inteiro "entupirem" as assembléias legislativas dos Estados, ou todos irmos para Brasília, inclusive, entregando um documento assinado por milhares de educadores, EXIGINDO, da Presidente Dilma a federalização da folha, E NÃO DO ENSINO, de pagamento dos educadores brasileiros, para que os entes federados não peguem dinheiro do Fundeb e apliquem em outras áreas, ideia esta que o senhor já vem defendendo há algum tempo.
    Além da greve, quem sabe não ingressar com um mandato de segurança coletivo junto ao STF - a mais alta corte do Brasil - assinado pelos 400.000 educadores do Estado, pedindo que o Estado o de Minas Gerais - cumpra a lei federal do piso nacional dos educadores, ou será responsabilizado civil-administrativamente e penalmente por descumprimento de uma lei federal.
    Como o senhor disse, agora temos que começar uma discussão pela base, mas só discussão não adianta, temos que agir utilizando todos os caminhos possíveis: greve de 3 dias, justiça, conscientização da população.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Mandado de Segurança Coletivo só poderá ser impetrado por Partido Político. Pergunto, será que o PT se prontifica? Até o período do final do ano de 2011 ele teve tempo hábil para articular isso, por que não o fez? Será que as regras do jogo político eram as de incomodar o menos possível o Naná para se ter privilégios outros e aparecer para a galera (professores) encenando bem a peça teatral em reuniões de negociação com o Estado?

      Sobre o Mandado de Segurança Coletivo, dê uma olhadinha na Constituição Federal, tu verás que estou certo e que a partir disso devemos questionar porque essa turma tem se desvencilhado dela.

      Excluir
    2. Vamos atrás destes políticos então gente.Já vou escrever para o Rogério Corrêa.

      Excluir
  2. Bom dia Euler!

    Acredita que em uma das escolas onde trabalho, a diretora já impôs o calendário do módulo II, mesmo sem termos resolvido a questão do terço extraclasse?
    Tem alguma coisa que a gente pode fazer?

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que tem muita coisa que pode ser feita!Fui diretora de escola por 4 anos e meio e nunca achei brecha pra fazer o que bem entendia. Muita coisa errada que acontece em escola com relação a abuso de poder por parte de diretores (não sei se e seu caso) e culpa dos próprios funcionários que só reclamam na hora do recreio e não vão questionar seus direitos.O funcionário que faz sua parte não tem nada a temer .maria

      Excluir
  3. A HORA É AGORA.

    E OS OUT DOORs COM O MAPA DESTE POST???

    NADA MAIS EXPLICATIVO PARA A SOCIEDADE.

    É VER E ENTENDER.

    ResponderExcluir
  4. ANASTASIA, O PIOR GOVERNADOR DE TODOS OS TEMPOS.

    ResponderExcluir
  5. Paralisar 3 dias, pra que? Quem fez greve de 112 dias e viu como foi seu desfecho sabe muito bem que em 3 dias não teremos conqista nenhuma.Nosso ataque agora tem que ser em âmbito federal, fora isso nada mais.Ninguém está disposto a rivalidades dentro das escolas( nossa última greve demonstrou que nossos maiores "inimigos" são os próprios colegas de classe).O problema dos professores é nacional então que a nossa manifestação também seja no mesmo nível.NÃO MOBILIZO NINGUÉM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RINO MARCONI - DOM CAVATI28 de fevereiro de 2012 11:04

      Paralisarei para mostrar que ainda sou gente, para que meus filhos saibam de qual "fibra" são eles. Não me curvarei jamais. Sei que uma greve por tempo indeterminado em Minas é inviável, porque estamos masssacrados e roubados e sem a justiça do Estado (comprada e bem remunerada), mas, mesmo com tudo parecendo ser contra, estarei na linha de frente.

      Excluir
    2. Rino,estou com você.Já fui hoje de sala em sala na minha escola conversar com todos os professores para pararmos nos três dias.Isto é que é ser duro de greve.Ter fibra ,se precisar morrer lutando.Nossos filhos precisam deste exemplo prá não serem os próximos cordeirinhos no curral do governo.Regina.

      Excluir
    3. QUE BOM FAÇAM PARTE DO TEATRO BEATRIZ, CUT,CNTE .....QUE NADA FIZERAM POR NÓS! NOSSOS FILHOS ESTÃO ENVERGONHADOS SIM POS SERMOS PARTE DO PÃO E CIRCO DO GRUPO ARTICULAÇÃO!
      TINHAMOS TUDO PARA TER O PISO E NOS VENDERAM A PREÇO DE BALA!!!!!!!!!!!!!!
      INFELIZMENTE VOCÊS NÃO SÃO EDUCADORES!
      PAZ E DEUS NA ALMA DE VOCÊS!

      Excluir
    4. Apoiados colegas! Ainda me resta força para lutar,graças a Deus!
      Elisangela

      Excluir
  6. PARABÉNS , EULER , POR SUA FIDELIDADE À CAUSA DA EDUCAÇÃO EM MG . INFELIZMENTE , DEVIDO AO QUE JÁ VIMOS EM 2011 , SE NÃO ENTRARMOS NA JUSTIÇA COM A CORRETA E EFICIENTE ARGUMENTAÇÃO ,NÃO ADIANTARÁ NADA CONTINUAR ESBRAVEJANDO .ISSO DO SINDICATO FICAR FAZENDO FIRULA PRA MOSTRAR SERVIÇO , JÁ ERA , NINGUÉM AGUENTA MAIS ... CHEGA DE BLÁ,BLÁ ,BLÁ...

    ResponderExcluir
  7. Nada temos para comemorar. Que dó! Que dó!!!
    Governo maldito: lambuzou com matéria corrosiva o nosso sonho que parecia tão possível!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não temos nada para comemorar. Com ações bem fundamentadas na justiça, a situação será revertida. Aí sim, vamos ter muito o que comemorar. Não podemos mais esperar. Vamos entrar na justiça já.
      Sebastião de Oliveira

      Excluir
    2. Este governo hipócrita, injusto...

      Sujou com a sua marca NOJENTA, o plano de carreira dos professores de MINAS GERAIS.

      Excluir
    3. Vamos tirar estes CRÁPULAS do poder.

      Excluir
  8. Veja a possível manchete que o governo de Minas vai escancarar nos jornais se não aderirmos à paralisação.
    Satisfeito com a nova política salarial, os professores em MINAS decidiram a não aderir à paralisação proposta pelo CNT.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você.Qual é a do Euler? Como líder nato que é, deveria estar levando seus seguidores ao caminho certo,ou seja, apoio à classe e ao ideal do nosso piso salarial.Picuinha não leva a nada.Greve já ,prá cima de Tia Naná!

      Excluir
    2. CONCERTEZA! MANCHETE EM PRIMEIRA PÁGINA E EM TODOS OS JORNAIS! CANSADO DISSO AQUI!

      MARCOS

      Excluir
    3. Este maldito vai dar gargalhadas se os professores rebaixarem.
      Greve de três dias, pessoal.
      Não deem este gostinho para ele.

      Excluir
  9. É triste ver nos comentários que quem se diz NDG, ou seja, o próprio dono do site e alguns outros seguidores, questionarem uma greve nacional pelo cumprimento do PISO. Os mesmos que comentam e dizem que não mobilizaram ninguém, estavam presentes ao nono congresso do SINDUTE e aprovaram o plano de lutas, e nele está a referida atividade marcada para os dias 14, 15 e 16 de março.
    Me lembro, que em alguns boletins do sindicato que li desde a aprovação da Lei do Piso em 2008, a CNTE e o SINDUTE sempre se posicionaram que o piso não é cumprido.
    Acho que este tal de Euler está desinformado, ou quer desmobilizar nossa categoria, categoria esta que deu um belo exemplo de mobilização em todas as atividades convocadas pela CNTE ou SINDUTE, por acreditarem nestas referidas entidades.
    Em tempo: um outro significado para este tal de NDG é Nunca Defenderei Greve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você só pode ser alguém ligado ao Sindinútil,pois nós que ficamos 112 dias parados e tivemos que sofrer todo tipo de humilhação é que sabemos como são esse sindicato de meia tigela e essa CNTE!Ficamos em greve tanto tempo e a CNTE e o PT nacional fizeram de conta que não viram!Não vou parar novamente até que perceba ações mais eficientes tanto por parte do sindinútil ,quanto da CNTE!Não vou servir de trampolim para a B(atriz) se promover!!!!!!!!Cansei,tá!!CLEUZA.

      Excluir
    2. Caro Indignado. No mínimo você deve ser da diretoria do sind-UTE e não deve ter sofrido os cortes nos salários pela greve de 112 dias que nós, da base da categoria, sofremos. Você não deve estar penando para receber os dias de reposição como nós, os da base que fizemos a greve de 112 dias e que enfrentamos todo tipo de pressão.

      Nós não estamos desmobilizando coisa alguma. Pelo contrário, estamos chamando a categoria para se mobilizar de uma forma direta, em contato com a comunidade, mas não necessariamente através de uma greve de três dias apenas, convocada por uma entidade que esteve ausente nos 112 dias da nossa luta em 2011. E que é incapaz de cobrar com fundamentação, na justiça, o pagamento do piso. É incapaz de cobrar e responsabilizar o governo federal pelo não cumprimento da lei do piso, que é de responsabilidade compartilhada.

      Não reconheço a autoridade moral da CNTE e da CUT para dirigir coisa alguma em meu nome. E é por isso que meu texto está voltado para a base da categoria, a qual eu respeito e com a qual eu tenho identidade e afinidade de classe.

      A direção do sind-UTE quer fazer palanque para alguns deputados do PT e do PMDB, e para a própria direção, que trata a base da categoria como meros ouvintes e seguidores de ordem desta direção. Não aceito isso. Está óbvio que existe uma crise instalada na categoria, e da qual a direção, há 30 anos monopolizando no poder, é a principal responsável.

      Localizar este problema não é fazer o jogo do governo, como disseram alguns aqui. Aliás, fazer o jogo do governo é fingir que está tudo bem, que estamos todos unidos, que é mais ou menos a imagem que a direção do sind-UTE tenta vender para a categoria. A mesma prática que o próprio governo faz quando contrata atriz global para tentar mostrar uma educação que não existe.

      Vamos deixar de hipocrisia, pessoal. Temos que refundar o nosso sindicato, rediscutir as nossas concepções de movimento sindical, de democracia, de transparência, de respeito à base da categoria.

      Claro que esta luta se trava ao mesmo tempo que lutamos pelo nosso objetivo principal, que é o piso na carreira. E neste particular, está claro que vamos ter que travar uma boa luta jurídica, combinada com a pressão da base da categoria.

      Por isso, não tenho o menor receio em dizer aqui que, se a base da categoria decidir, nas escolas e nas redes sociais, que vamos realizar outras formas de manifestação - que não necessariamente a paralisação de três dias com a assembleia de cartas marcadas da direção do sind-UTE - eu acompanho o que a base decidir.

      Um forte abraço a todos e força na luta!

      Excluir
    3. Falou tudo! Parabens! Não sou professora, mas, acredito que já passou da hora da mascara usada pelo sind UTE cair. Nas eleições muncipais, aqui em João Monlevade, o escritorio do Sind UTE, parecia um Comite Eleitoral do candidado que venceu. E dirigentes do sindicato ganharam cargos comissionados na atual prefeitura. É só conferir para ver.Tá na hora de dar um basta nesta situação.

      Excluir
    4. Por que não te calas indignado.

      Excluir
    5. A CNTE E A CUT/PT CRUZARAM OS BRAÇOS DURANTE A NOSSA GREVE.

      Ou vai ou racha...De agora em diante será assim.

      Pior do que isto não fica.

      Excluir
    6. Claro que a CNTE e a CUT se posicionaram com relação ao não cumprimento do piso, e o que adiantou? Não fizeram nada até agora. Até o Anastasia já se posicionou que o piso em MG não é cumprido, inventou até um tal de subsidio.
      Para que três dias de greve? Para erguer aquelas famosas bandeiras e promover partidos políticos? Nossa luta tem que ser constante, principalmente, na justiça com bons advogados.

      Excluir
    7. Não vou me desfiliar do sindicato, mas se o mesmo não mostrar sangue na veia nada feito. É muito fácil convocar a categoria para grandiosas manifestações, realizadas nos últimos anos e ao mesmo tempo sem retorno algum para categoria. Precisamos é de respostas à altura de nossas demandas e chega de ser manobrado. Queremos respostas/direitos legais e não insinuações!

      Excluir
    8. Concordo com você.Isto aqui está virando uma seita.Credo!!!

      Excluir
    9. A D O R E I indignado! NDG- nunca defenderei greve é ótimoo! Cada dia que leio este blog mais aumenta minha angústia! Este é o blog da desmobilização e desunião da categoria!

      Cleuza

      Excluir
    10. Cleuza,
      É um dos raros lugares em que podemos deixar nossa opinião!

      Excluir
    11. Este INDIGNADO está é indignado porque vai perder a "boquinha" de fazer sucesso com a grande adesão dos professores como nos 112 dias de greve do ano passado...Este INDIGNADO não tem competência e fica querendo destruir o nosso competentíssimo, embora muito humilde EULER CONRADO, figura das mais brilhantes no esclarecimento e conscientização da categoria!!! Parabéns Euler, suas explicações e suas argumentações são altamente coerentes desde os primeiros "posts" publicados no início de seu blog.

      Excluir
  10. Beatriz Cerqueira,
    Quando você deixa de publicar no seu blog, comentários de professores efetivos concursados que demonstram insatisfação em relação à como as coisas são conduzidas pela direção sindical, você prova mais uma vez que este espaço não é democrático para discussão de assuntos de interesse da categoria e que o sindicato não busca defender a categoria mas sim defender interesses políticos do governo federal à quem é atrelado, às custas de uma classe desgastada e humilhada após a realização de duas greves em menos de dois anos e não conquistar nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Direção do Sind UTE = OS INTOCÁVEIS.

      Não aceitamos mais ditaduras.

      Excluir
    2. E a arrecadação do Sindicato agora dobrou. Será por isso que eles não querem o piso na carreira?

      Excluir
  11. Alguém tem notícias das férias prêmio?

    ResponderExcluir
  12. Bom dia amigos, Prof. Euler:

    "Ou os cidadãos deste estado ou município são menos brasileiros do que os outros e podem ficar sem educação de qualidade, e sem política de valorização para os trabalhadores da Educação?"

    Muito bom Prof. Euler, e agora, aguardo ansioso o seu documento ao Ministério Público Federal, com este dado que faltava.

    Vamos em frente!

    Antônio Carlos

    ResponderExcluir
  13. Bom dia,alguém sabe do prêmio produtividade?

    ResponderExcluir
  14. já está na conta o premio de produtividade

    ResponderExcluir
  15. queria saber como funciona a questão da carga horaria do piso nacional, se essas 40 horas como é divida, penso que muita gente tem duvida quanto a isso e o gov de mg usa essa carga horária como principal pretexto ou desculpa. acho q esse tema ja foi discutido mas ainda me deixou a duvida! seria possivel que o companheiro euler poderia atenuar minha duvida!

    ResponderExcluir
  16. vEJAM NO SITE UAI

    PREFEITOS JÁ ESTÃO EM BRASÍLIA MOBILIZADOS

    SE NÓS FICARMOS COM ESSA GUERRINHA INTERNA VAMOS PERDER O BONDE DA HISTÓRIA... ACHO QUE DEVEMOS TENTAR NAIS UMA VEZ, SENÃO OS PREFEITOS E GOVERNADORES PODEM VIRAR O JOGO, JÁ QUE NÕS ESTAMOS PREOCUPADOS COM A GUERRA DE PODER...

    Prefeitos buscam apoio para pagar parte dos gastos com piso do magistério


    Agência Brasil
    Publicação: 28/02/2012 11:23 Atualização: 28/02/2012 11:25
    Brasília - Prefeitos de todo o país estão nesta terça em Brasília para buscar apoio parlamentar e tentar um acordo com o governo federal que permita cobrir parte dos gastos que os municípios terão com o pagamento do Piso Nacional do Magistério e a revisão da lei pelo Parlamento. O Ministério da Educação definiu em R$ 1.451 o valor do piso para 2012, um aumento de 22,22% em relação a 2011.Outra pauta prioritária da agenda é a retomada imediata, pelo Congresso, da distribuição igualitária entre estados e municípios dos royalties do petróleo extraído da camada pré-sal.
    Saiba mais...
    Aumento do piso dos professores téria impacto de R$ 1,6 bilhão nas contas municipais, diz entidade Piso nacional do magistério de 2012 é definido em R$ 1.451
    O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, disse há pouco que ainda hoje os prefeitos terão encontro com os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Marco Maia (PT-RS). Eles vão se reunir durante todo o dia no Auditório Petrônio Portella, no Senado. "Nós esperamos contar também com o apoio dos governadores, mas quem está articulando isso é o André Puccinelli [governador de Mato Grosso]", acrescentou o presidente da CNM.

    Segundo ele, só o impacto financeiro no cofre das prefeituras com a adoção dos novos salários dos professores será R$ 7 bilhões, se considerados também os gastos com os inativos. "Sem a efetiva participação da União", disse Ziulkoski, o piso vai desequilibrar as contas.

    De acordo com o presidente da CNM, o contingenciamento de recursos orçamentários pela União agrava ainda mais a situação financeira das prefeituras. Ele ressaltou que, por se tratar de ano eleitoral, todas as obras terão que estar em andamento ou com os recursos do orçamento devidamente empenhados.

    ResponderExcluir
  17. Amanhã AnastAZIA estará em Montes Claros.Que tal lhe fazermos uma bela recepção ? Pena que não sei o horário de sua chegada.

    ResponderExcluir
  18. NÃO SEI QUEM APROVOU ESSE CALENDÁRIO DE ATIVIDADES DE MINAS GERAIS. TEMOS QUE IR TODOS A BRASÍLIA, ASSIM COMO FIZERM OS PREFEITOS DE TODO O PAIS... SENÃO A NOSSA LUTA PODERÁ PARECER FRAGAMENTADA AOS OLHOS DOS NOSSOS INIMIGOS. CONCENTRAÇÃO LÁ. É LÁ É QUE É O CENTRO DAS GRANDES DECISÕES NACIONAIS, COMO DIZIA JK.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E quem disse que o sindicato pretende levar uma legião de professores até Brasília? A Dilma não quer, os senadores e deputados também não querem, o PT, o PSDB, o PMDB, o DEM e os demais outros partidos não querem, eles estão preocupados é com a copa, nem mesmo o sindicato nos quer importunando os importantes afazeres dos nobres parlamentares que estão no cumprimento do dever e exercendo suas atividades laborais da melhor maneira possível para fazer o Brasil um país de todos e para todos. Eles estão preocupados com a tal de dona DEMOCRACIA que nunca aparece. Talvez somente para eles!

      Excluir
    2. Cumprindo o dever deles de receber SALÁRIOS DE MARAJÁS sem nada fazer.

      Excluir
  19. O TEMPO 28/02/2012 11h33
    Prefeitos de todo o país estão nesta terça (28) em Brasília para buscar apoio parlamentar e tentar um acordo com o governo federal que permita cobrir parte dos gastos que os municípios terão com o pagamento do Piso Nacional do Magistério e a revisão da lei pelo Parlamento. O Ministério da Educação definiu em R$ 1.451 o valor do piso para 2012, um aumento de 22,22% em relação a 2011.Outra pauta prioritária da agenda é a retomada imediata, pelo Congresso, da distribuição igualitária entre estados e municípios dos royalties do petróleo extraído da camada pré-sal.

    O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, disse há pouco que ainda hoje os prefeitos terão encontro com os presidentes do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Marco Maia (PT-RS). Eles vão se reunir durante todo o dia no Auditório Petrônio Portella, no Senado. "Nós esperamos contar também com o apoio dos governadores, mas quem está articulando isso é o André Puccinelli [governador de Mato Grosso]", acrescentou o presidente da CNM.

    Segundo ele, só o impacto financeiro no cofre das prefeituras com a adoção dos novos salários dos professores será R$ 7 bilhões, se considerados também os gastos com os inativos. "Sem a efetiva participação da União", disse Ziulkoski, o piso vai desequilibrar as contas.
    De acordo com o presidente da CNM, o contingenciamento de recursos orçamentários pela União agrava ainda mais a situação financeira das prefeituras. Ele ressaltou que, por se tratar de ano eleitoral, todas as obras terão que estar em andamento ou com os recursos do orçamento devidamente empenhados."

    A PRESIDENTE MANDOU CORTAR GASTO COM EDUCAÇÃO E SAÚDE ESSA EMOBRAÇÃO VA IATÉ QUANDO HEIN?

    ResponderExcluir
  20. O Prêmio de Produtividade já se encontra depositado no banco, desde cedo!

    ResponderExcluir
  21. A CONJUNÇÃO DE TEMPORALIDADE ATÉ É NOSSA ALIADA

    Caros colegas professores,

    após a publicação pelo MEC, do novo piso nacional no valor de R$ 1.451,00, o governo de Minas Gerais, mais uma vez, continua pregando mentiras de que já pagava, e ainda continua pagando um valor superior ao piso nacional aos professores estaduais. Isso é o que está divulgado no site do Seplag, na sua página inicial.

    O governo de Minas continua ALEGANDO que, de acordo com a lei do piso, paga PROPORCIONALMENTE, um valor superior ao piso nacional. Ou seja, por 22 horas semanais, o governo mineiro paga R$ 870.60, o que de acordo com sua ótica corrupta, é proporcionalmente superior ao valor do piso nacional.

    Entretanto, conforme já tentei explicar aqui anteriormente, o valor do piso não pode ser fragmentado. Em nenhum momento, pode-se entender que jornadas de trabalho inferiores a 40 horas possam ter valores diferentes do valor integral do piso. Isso é um absurdo e uma linguística!

    De fato, a conjunção de temporalidade ATÉ, apenas sugere que, o teto da jornada de trabalho do professor, para que faça jus ao valor do piso nacional, deve ser de no máximo 40 horas. Em nenhum momento, em nenhuma parte do texto, entende-se que jornadas inferiores a 40 horas devem ter valores diferenciados, conforme alega o governo de Minas Gerais. Esta atitude do governo de Minas Gerais estaria FRAGMENTANDO o valor do piso nacional, o que não está determinado na lei.

    Portanto, não nos deixemos enganar pela esperteza do governo de Minas Gerais que, covardemente, quer enganar os mais incautos de que o valor do piso nacional de R$ 1.451,00 só poderá ser pago para jornada de trabalho de 40 horas.

    Temos o próprio uso da língua a nosso favor e, portanto, vamos usar nosso conhecimento linguístico para desmascarar estas sanguessugas corruptas, que se recusam a cumprir o que está determinado na lei.

    E ainda mais absurda, é a postura da "INjustiça" de Minas Gerais, do Ministério Público, dos poderes instituídos neste estado, que mesmo sabendo e entendendo as ilegalidades do governo de Minas Gerais, não faz nada para forçá-lo a pagar o que deve ao professor estadual.

    A verdade é que não podemos confiar nestes poderes instituídos, pois eles também são "farinha do mesmo saco" sujo, e não moverão um palha para mudar o "status quo" vigente nesta terra dos grandes currais eleitorais.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
  22. Boa tarde! Esse mapa já está no face para ser compartilhado, pois adorei. Não podemos deixar que pensem que Minas paga piso como muita gente veio me perguntar hoje pela manhã! Gostei da ideia dos out doors!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este mapa é muito EXPLICATIVO.

      Não precisa de uma palavra a mais,

      É VER E ENTENDER.

      SÓ FALTA OS OUT DOORs.

      Excluir
  23. A CONJUNÇÃO DE TEMPORALIDADE ATÉ É NOSSA ALIADA

    Caros colegas professores,

    após a publicação pelo MEC, do novo piso nacional no valor de R$ 1.451,00, o governo de Minas Gerais, mais uma vez, continua pregando mentiras de que já pagava, e ainda continua pagando um valor superior ao piso nacional aos professores estaduais. Isso é o que está divulgado no site do Seplag, na sua página inicial.

    O governo de Minas continua ALEGANDO que, de acordo com a lei do piso, paga PROPORCIONALMENTE, um valor superior ao piso nacional. Ou seja, por 22 horas semanais, o governo mineiro paga R$ 870.60, o que de acordo com sua ótica corrupta, é proporcionalmente superior ao valor do piso nacional.

    Entretanto, conforme já tentei explicar aqui anteriormente, o valor do piso não pode ser fragmentado. Em nenhum momento, pode-se entender que jornadas de trabalho inferiores a 40 horas possam ter valores diferentes do valor integral do piso. Isso é um absurdo e uma linguística!

    De fato, a conjunção de temporalidade ATÉ, apenas sugere que, o teto da jornada de trabalho do professor, para que faça jus ao valor do piso nacional, deve ser de no máximo 40 horas. Em nenhum momento, em nenhuma parte do texto, entende-se que jornadas inferiores a 40 horas devem ter valores diferenciados, conforme alega o governo de Minas Gerais. Esta atitude do governo de Minas Gerais estaria FRAGMENTANDO o valor do piso nacional, o que não está determinado na lei.

    Portanto, não nos deixemos enganar pela esperteza do governo de Minas Gerais que, covardemente, quer enganar os mais incautos de que o valor do piso nacional de R$ 1.451,00 só poderá ser pago para jornada de trabalho de 40 horas.

    Temos o próprio uso da língua a nosso favor e, portanto, vamos usar nosso conhecimento linguístico para desmascarar estas sanguessugas corruptas, que se recusam a cumprir o que está determinado na lei.

    E ainda mais absurda, é a postura da "INjustiça" de Minas Gerais, do Ministério Público, dos poderes instituídos neste estado, que mesmo sabendo e entendendo as ilegalidades do governo de Minas Gerais, não faz nada para forçá-lo a pagar o que deve ao professor estadual.

    A verdade é que não podemos confiar nestes poderes instituídos, pois eles também são "farinha do mesmo saco" sujo, e não moverão um palha para mudar o "status quo" vigente nesta terra dos grandes currais eleitorais.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
  24. Não estamos contra o sindute, apenas queremos que você Beatriz e toda diretoria sindical pense no que a categoria realmente quer e repense, e admita que o sindicato precisa de reformas. E não é somente uma pessoa que pede, é a história que pede pois está claro que as duas últimas greves revelaram e escancararam para todos, tanto as práticas imundas de mentiras e descompromisso com a educação por parte do governo do PSDB, quanto os interesses de prioridade política na forma como o sindicato conduz suas ações, sempre blindando o governo federal de ser responsável pelo não cumprimento das leis.

    ResponderExcluir
  25. Como as pessoas se incomodam com quem PENSA mais do que ELAS. Estão acostumadas a vida toda serem teleguiadas, quando alguém convidam-nas a soltarem a guia, elas ainda se sentem ofendidas, então fiquem do jeito que se encontram, insatisfeitas pela vida toda por não terem a coragem de mudar o que está posto e por não terem condições de enxergar por detrás dos olhos.

    ResponderExcluir
  26. PISO NACIONAL É LEI FEDERAL.
    DEVERÍAMOS TER IDO ACAMPAR EM BRASÍLIA.
    AGORA ACREDITO QUE SÓ A JUSTIÇA PODERÁ QUANDO ELA FOR ACIONADA DE FORMA COPETENTE.
    UNSP = UNIÃO NACIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS CÍVIS DO BRASIL - BANCADA DE ADVOGADOS ESPECIALISTA EM NOSSAS CAUSAS.
    ED. MALETA 15º ANDAR - SALA 35 - TEL: (31) 3272-2300
    AFINAL QUEREMOS O PISO OU VAMOS FICAR SÓ NA CHORADEIRA?
    SÓ ESTOU ESPERANDO RECEBER ALGUMA COISA PARA IR ME "REFILIAR" A UNSP POIS ERA FILIADA AO SINDINUTIL E A UNSP A VIDA TODA E CORTARAM A UNSP SEM MINHA AUTORIZAÇÃO.
    Você está em: Portal / Instruções para Associar-se - Portal UNSP
    BENEFÍCIOS
    Departamento Jurídico para defendê-lo nos Processos Administrativos (Consultas Gratuitas)
    Defesa na Justiça de causas individuais a baixo preço. Ex: divórcio
    Plano de Assistência Médica a preços especiais
    Seguro de Vida em Grupo com as Seguradoras
    Auxílio Funera
    Plano odontológico com a SEPAO Serviço Odontológico
    Colônia de Férias na Praia Grande com diária a R$40,00 por apartamento e convênio com a Pargos Club e Club de férias para várias cidades em todo o Brasil
    Convênios para descontos em várias Instituições de Ensino
    Além de descontos em Óticas, Centros Odontológico, Clínica Oftalmológicas…
    MENSALIDADE
    Servidores Públicos………………..R$ 15,00 mensais
    forma de pagamento: desconto em folha; débito bancário; pagamento na sede; carnê
    Não Servidores Públicos………….R$ 17,50 mensais
    forma de pagamento: débito bancário; pagamento na sede; carnê; boleto
    Vamos deixar o SINDINUTIL para o PSDB - PIOR SALARIO DO BRASIL eles se merecem ...
    A UNSP É TÃO GRANDE QUANTO A CNTE EM ABRANGENCIA, TALVES ATÉ MAIOR EM ESTRUTURA EM FUNCIONAMENTO E EM CREDIBILIDADE.
    NÃO É ABANDONAR O SINDINÚTIL É TORNA - LO ÚTIL LIGANDO - o a UNSP que é atuante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aiaiaiai... mais essa! Só Jesus na causa!

      Josélia

      Excluir
  27. Euler, você pode me informar sobre os comprovantes de rendimentos 2011? Será apenas o meu que não está disponível?Por favor, responda-me.

    ResponderExcluir
  28. En tempo: Sempre paguei os dois sindicatos o SINDUTE-MG E A UNSP depois que o governo cortou sem me perguntar se podia cortar. Quem duvidar envio um contracheque de cada ano para Euler publicar aqui no blog. Fazia isso porque nunca eramos representados por um orgao que abrangesse o BRASIL como um todo. Vou voltar a pagar a UNSP.

    ResponderExcluir
  29. A CONJUNÇÃO DE TEMPORALIDADE ATÉ É NOSSA ALIADA (Corrigindo)

    Caros colegas professores,

    após a publicação pelo MEC, do novo piso nacional no valor de R$ 1.451,00, o governo de Minas Gerais, mais uma vez, continua pregando mentiras de que já pagava, e ainda continua pagando um valor superior ao piso nacional aos professores estaduais. Isso é o que está divulgado no site do Seplag, na sua página inicial.

    O governo de Minas continua ALEGANDO que, de acordo com a lei do piso, paga PROPORCIONALMENTE, um valor superior ao piso nacional. Ou seja, por 22 horas semanais, o governo mineiro paga R$ 870.60, o que de acordo com sua ótica corrupta, é proporcionalmente superior ao valor do piso nacional.

    Entretanto, conforme já tentei explicar aqui anteriormente, o valor do piso não pode ser fragmentado. Em nenhum momento, pode-se entender que jornadas de trabalho inferiores a 40 horas possam ter valores diferentes do valor integral do piso. Isso é um absurdo e um equívoco linguístico!

    De fato, a conjunção de temporalidade ATÉ, apenas sugere que, o teto da jornada de trabalho do professor, para que faça jus ao valor do piso nacional, deve ser de no máximo 40 horas. Em nenhum momento, em nenhuma parte do texto, entende-se que jornadas inferiores a 40 horas devem ter valores diferenciados, conforme alega o governo de Minas Gerais. Esta atitude do governo de Minas Gerais estaria FRAGMENTANDO o valor do piso nacional, o que não está determinado na lei.

    Portanto, não nos deixemos enganar pela esperteza do governo de Minas Gerais que, covardemente, quer enganar os mais incautos de que o valor do piso nacional de R$ 1.451,00 só poderá ser pago para jornada de trabalho de 40 horas.

    Temos o próprio uso da língua a nosso favor e, portanto, vamos usar nosso conhecimento linguístico para desmascarar estas sanguessugas corruptas, que se recusam a cumprir o que está determinado na lei.

    E ainda mais absurda, é a postura da "INjustiça" de Minas Gerais, do Ministério Público, dos poderes instituídos neste estado, que mesmo sabendo e entendendo as ilegalidades do governo de Minas Gerais, não faz nada para forçá-lo a pagar o que deve ao professor estadual.

    A verdade é que não podemos confiar nestes poderes instituídos, pois eles também são "farinha do mesmo saco" sujo, e não moverão um palha para mudar o "status quo" vigente nesta terra dos grandes currais eleitorais.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
  30. Este é o site.

    Aqui as coisas chegam à Presidenta.

    http://www.casacivil.gov.br/

    No alto a esquerda acesse falar com o governo.

    Vamos mostrar-lhes a ANARQUIA do governo de Minas Gerais.

    ResponderExcluir
  31. DESAFIO AO SINDUTE E CNTE

    PUBLICAR EM JORNAIS E NA INTERNET CARTA ABERTA À PRESIDENTE DILMA PARA DETERMINAR O PAGAMENTO DO PISO PARA TODOS OS EDUCADORES PÚBLICOS!
    BASTA DE EMBROMAÇÃO!
    DIVULGAR CARTA PARA A ATRIZ FALABELLA É FÁCIL DEMAIS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles não têm coragem para isto.

      Excluir
  32. GREVE DE TRÊS DIAS E UM NOVO TEMPO DE MUDANÇAS PARA OS PROFESSORES


    Caros colegas professores,

    sou favorável a greve de 3 dias, por entender que este é nosso maior instrumento de luta, legal e constitucional. E mesmo que estejamos descontentes com este sindicato inapetente, passivo, conchavista e pernicioso, entendo que devemos aderir à greve de 3 dias. Entretanto, como sabemos por experiência, estas paralisações não trarão nenhuma mudança substancial que possa melhorar a qualidade da educação. É necessário que a classe esteja coesa e pronta para deflagrarmos uma greve de verdade, consistente, robusta e que tenha uma adesão de pelo menos 50% dos professores estaduais. Do contrário, estaremos malhando em ferro frio, sendo cada vez mais retaliados pelo governo estadual, que reconhece nossa fragilidade.

    E para que tenhamos uma classe coesa e unida, é importante que nos organizemos através da mídia informal e, principalmente, através deste blog, que tem sido um espaço democrático para que os professores se manifestem e proponham alternativas para uma classe unida, já que não podemos contar com nosso representante legal, o "sindeinútil".

    Portanto, vamos difundir cada vez mais este blog, para que mais e mais professores participem dele e estejamos todos antenados com um novo tempo, uma nova proposta e, quem sabe, uma nova organização sindical, mais transparente e mais interessada no professor estadual de Minas Gerais.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    Belo Horizonte - MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para mim esta greve de três dias terá que ter 100% de adesão. Depois não fiquemos aí falando mal do sindicato. Só temos direito de reclamar se estivermos fazendo a nossa parte.Não devemos ficar chorando o leite derramado. O que passou,passou.O sindicato também foi enganado pelos Pôneis malditos,só que agora todos sabemos com quem estamos lidando.TRAIDORES e SEM PALAVRAS.Perdemos a batalha,mas não perdemos a guerra.BRAVOS PROFESSORES,vamos à luta.

      Excluir
    2. Quer saber de uma coisa?Cansei.Até meus filhos já estão brigando comigo dizendo que este blog está me fazendo mal.Tenho pressão alta.Desde setembro quando acabou a greve venho todos os dias aqui.Todo mundo dá palpite e ninguém toma atitude.Eu tomei estou entrando na justiça.Cadê o tal Guerra que não passou de uma mísera batalha e sumiu. Se eu fosse a Beatriz renunciaria em favor do Euler,o salvador da Pátria.Ele tem todas as soluções para enfrentar o Anastasia .Queria ver o Euler na direção do Sindicato.Em pouco tempo os dicursos aqui mudariam.Mas Deus é mais.Estou tomando minhas providências e me livrando deste vício aqui.FUI...

      Excluir
    3. Concordo plenamente e assino!

      Lourdes

      Excluir
    4. Menos um menbro do sindinútil , que não trabalha!!!!!!!!!!! desaparesce Ameba!!!!!!!!!!



      ROGÉRIO/MATEMÁTICA

      Excluir
  33. A grande realidade não só em Minas como também pelo Brasil afora é a de que a política partidária é uma MÁFIA, qualquer um que ameace os privilégios da CAMÔRRA brasileira terá que prestar constas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui em Minas é comandada por "DAQUILO CASTRADO".

      Excluir
  34. PREFEITOS TAMBÉM SÃO TD LD ÃO QUEM ESTA PAGANDO O AUMENTO É O MEC, ENTÃO QUAL O PROBLEMA, SE O SALÁRIO ESTA AUMENTANDO É PORQUE O REPASSE TAMBÉM AUMENTOU, HORA, SE O IMPACTO SERÁ DE 7 OU 17 BI, NÃO IMPORTA, AFINAL JA ESTÁ GARANTIDO O REPASSE PERCAPTA COM OS 22%

    HORA BOLAS

    ResponderExcluir
  35. Os governadores, os deputados, os senadores, os prefeitos e os vereadores deveriam se reunir em Brasília, em breve, num CONGRESSO, aproveitando a moda dos congressos, para todos juntos discutirem como FAZER UMA ADMINISTRAÇÃO HONESTA, SEM CORRUPÇÃO, SEM DESVIOS, de modo que as políticas sociais no país possam sair dos discursos e tornarem-se prática de todos. Reunirem para arranjarem um JEITINHO BRASILEIRO a fim passarem os profissionais da educação, da saúde e da segurança para trás é atitude de pessoas desmoralizadas como esses que estão lá. Há 512 anos que vivem se reunindo pelo país para desmerecem os brasileiros que alanvacam a riqueza deste país e, que de quebra, patrocinam via impostos e trabalho as mamatas, as benesses e as maracutaias das quais se valem eles e seus familiares. Estão na hora de se reunirem para acabar com as bandalheiras que promovem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não reeleja nenhum canalha na próxima eleição.

      Excluir
    2. E nem eleja, VOTE NULO.

      Excluir
  36. ELE JÁ ADMITIU O AUMENTO, SÓ FALTA CUMPRIR

    Anastasia defende aumento de 6,5% para os professores

    Tucano, ao lado de outros quatro governadores, articula movimento para impedir reajuste de 22% no piso nacional


    Governadores de cinco estados brasileiros querem barrar o aumento de 22% no piso nacional dos professores, que deve ser referendado em abril. A intenção é conceder aumento de 6,5%. O governador de Minas, Antonio Anastasia (PSDB), acompanhado dos colegas do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), Ceará, Cid Gomes (PSB), Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), e da Bahia, Jacques Wagner (PT), pediu ao presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT), que coloque em votação um projeto de lei que impeça o aumento de 22%, limitando o índice para 6,5%.


    O pedido foi feito segunda-feira, quando os gestores participaram da posse da nova presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, em Brasília. A assessoria do governador Anastasia confirmou a empreitada e ainda informou que o projeto de lei é de autoria do ex-presidente Lula (PT). De fato, a proposta em pauta no Congresso foi enviada em 2008, pelo Poder Executivo Federal, na época, administrado por Lula.


    De acordo com o Ministério da Educação, o reajuste de 22% deve ser concedido nos próximos meses, até abril. É que a pasta aguarda apenas um parecer do Tesouro Nacional com os números referentes ao piso, bem como o impacto financeiro. Se entrar em vigor, o piso nacional passa dos atuais R$ 1.187 para R$ 1.450, para uma jornada de trabalhado de 40 horas semanais.


    Em Minas, o reajuste elevaria o salário inicial de R$ 1.320 para R$ 1.610,40, para uma jornada de 24 horas semanais. O governo mineiro alega que, proporcionalmente, paga mais que o piso nacional, no entanto, os professores sustentam que no salário estão inclusos benefícios da categoria. No pedido dos governadores a Marco Maia, a justificativa foi a de que as condições financeiras dos estados não permitiriam um aumento maior que o da inflação, já que são as unidades federadas as responsáveis pelos pagamentos. Por isso, defendem o projeto de lei de Lula, que vincula o aumento anual ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). No período, o INPC ficou em 6,5%.


    Hoje, a legislação em vigor obriga a atualização anual do piso conforme a variação do valor mínimo de investimento por aluno do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Entre 2011 e 2012, o índice foi de 22%. Quanto maiores forem os investimentos nos estudantes, maior será o reajuste dos salários dos professores. De acordo com o MEC, quando o aumento for colocado em prática, será retroativo a janeiro. Caso os governadores consigam sensibilizar o Congresso a aprovar a correção pelo INPC, os docentes mineiros receberiam R$ 1.405,80 em vez dos R$ 1.610,40, valor da proposta de acordo com a variação do Fundeb.

    ResponderExcluir
  37. Piso nacional do magistério de 2012 é definido em R$ 1.451

    Aumento foi de 22,22% em relação a 2011, e deve ser pago por todos os estados e municípios por 40 horas semanais

    Thaís Mota com Agência Brasil - 27/02/2012 - 17:52

    MAURÍCIO DE SOUZA / ARQUIVO HOJE EM DIA
    magisterio

    Nenhum professor pode receber menos que o determinado por uma jornada de 40 horas semanais

    O Ministério da Educação (MEC) definiu em R$ 1.451 o valor do piso nacional do magistério para 2012, o que representa um aumento de 22,22% em relação a 2011. Conforme determina a lei que criou o piso, o reajuste foi calculado com base no crescimento do valor mínimo por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) no mesmo período.

    ResponderExcluir
  38. Já vimos que greve com o ditador que e nosso governador não e vista como manifestação genuína de nossa insatisfação. Acho que o caminho para fazer valer nossa total desmotivação e desinteresse pelos mandos e desmandos arbitrários de nossos governantes seria a operação tartaruga.Talvez assim consigamos o apoio da sociedade que acredita nas propagandas mentirosas que são vinculadas pela mídia !!!!!!!

    ResponderExcluir
  39. E os OUT DOORs, até agora NENHUM.


    INCOMPETENTES são nossas instituições corporativas.

    ResponderExcluir
  40. COMPANHEIROS,SENTI UMA ENORME REVOLTA QUANDO ABRI O SITE DA EDUCAÇÃO.O MALDITO QUE SE DIZ GOVERNADOR DIZ QUE MESMO COM O REAJUSTE DE 22,22%NO PISO ELE CONTINUA PAGANDO MAIS QUE O PISO NACIONAL.SABEMOS QUE FOMOS REPOSICIONADOS EM UMA TABELA DEFASADA E FICTÍCIA ,E NA VERDADE RECEBEM PROPORCIONALMENTE ACIMA DO PISO SÓ QUEM ESTÁ EM INÍCIO DE CARREIRA.INFELIZMENTE,NÓS QUE TEMOS TEMPO DE SERVIÇO FOMOS SURRUPIADOS NAS NOSSAS VANTAGENS EQUIPARANDO NOSSO SALÁRIO AO DOS QUE ESTÃO EM INÍCIO DE CARREIRA. EU TENHO 16 ANOS DE MAGISTÉRIO E RECEBI DE ESMOLA 25 REAIS TOTALIZANDO MINHA AJUDA DE CUSTO PARA 1345 REAIS.PRECISAMOS FAZER ALGO JÁ ,SE NÃO MORREREMOS INFARTADOS DE TANTO ÓDIO E REVOLTA QUE NOS INVADE.ATITUDE JÁ .UNIDOS SOMOS FORTES E CORAJOSOS.HAJA CORAÇÃO.DEUS TARDA MAS NÃO FALTA.QUE A JUSTIÇA SEJA FEITA.

    ResponderExcluir
  41. Olha, caríssimo Euler. Estou deveras entristecido com esse momento de nossa história, enquanto classe. Vivemos num país onde os mais fracos são destituidos do direito de serem valorizados. Nunca nos tornarems uma nação de primeiro mundo enquanto esses canalhas se mantivrem no poder.
    Quero aqui chover no molhado e tornar a emitir minha opinião sobre este processo.
    Não existe de forma alguma aceitarmos, na forma da lei, qualquer tipo de proporcionalidade na aplicação do PSPN. É uma falácia governamental essa história e que infelizmente, muitos caíram, principalemnte porque seria, se caso a carreira fosse aplicada, uma vantagem.
    Foi justamente aí, que o governo deu o bote, percebendo que todos reconheciam a proporcionalidade como legítima, está aplicando hoje, em nossas remunerações, a teoria demoniaca da proporcionalidade. Veja agora se ele vai aumentar em 22% nosso salário. Não porque ele ja paga proporcionalmente, acima do piso. Fica dificil sair desse engessamento que ele nos colocou. Estamos sim entregues nas mãos do tirano. Só há uma forma de isso mudar. Temos que lutar por vias judiciais, provando a não existência da proporcionalidade para um cargo. E também por vias judiciais, temos que lutar pelo retorno da carreira de VB, que nos foi roubada. Esperar que esse câncer pra educação e para os educadores reconheça nossos direitos é o mesmo que acreditar que comprar o chinelo do Senninha nos faça correr mais rápido.

    ResponderExcluir
  42. A CONJUNÇÃO DE TEMPORALIDADE ATÉ É NOSSA ALIADA

    Nota: Como a divulgação do novo piso salarial dos professores está sendo feita de forma errada e parcial pela mídia em geral, OMITINDO a conjunção de temporalidade "ATÉ", que é parte substancial do texto da lei do piso, posto novamente algumas reflexões sobre o assunto.


    Caros colegas professores,

    após a publicação pelo MEC, do novo piso nacional no valor de R$ 1.451,00, o governo de Minas Gerais, mais uma vez, continua pregando mentiras de que já pagava, e ainda continua pagando um valor superior ao piso nacional aos professores estaduais. Isso é o que está divulgado no site do Seplag, na sua página inicial.

    O governo de Minas continua ALEGANDO que, de acordo com a lei do piso, paga PROPORCIONALMENTE, um valor superior ao piso nacional. Ou seja, por 22 horas semanais, o governo mineiro paga R$ 870.60, o que de acordo com sua ótica corrupta, é proporcionalmente superior ao valor do piso nacional.

    Entretanto, conforme já tentei explicar aqui anteriormente, o valor do piso não pode ser fragmentado. Em nenhum momento, pode-se entender que jornadas de trabalho inferiores a 40 horas possam ter valores diferentes do valor integral do piso. Isso é um absurdo e um equívoco linguístico!

    De fato, a conjunção de temporalidade ATÉ, apenas sugere que, o teto da jornada de trabalho do professor, para que faça jus ao valor do piso nacional, deve ser de no máximo 40 horas. Em nenhum momento, em nenhuma parte do texto, entende-se que jornadas inferiores a 40 horas devem ter valores diferenciados, conforme alega o governo de Minas Gerais. Esta atitude do governo de Minas Gerais estaria FRAGMENTANDO o valor do piso nacional, o que não está determinado na lei.

    Portanto, não nos deixemos enganar pela esperteza do governo de Minas Gerais que, covardemente, quer enganar os mais incautos de que o valor do piso nacional de R$ 1.451,00 só poderá ser pago para jornada de trabalho de 40 horas.

    Temos o próprio uso da língua a nosso favor e, portanto, vamos usar nosso conhecimento linguístico para desmascarar estas sanguessugas corruptas, que se recusam a cumprir o que está determinado na lei.

    E ainda mais absurda, é a postura da "INjustiça" de Minas Gerais, do Ministério Público, dos poderes instituídos neste estado, que mesmo sabendo e entendendo as ilegalidades do governo de Minas Gerais, não faz nada para forçá-lo a pagar o que deve ao professor estadual.

    A verdade é que não podemos confiar nestes poderes instituídos, pois eles também são "farinha do mesmo saco" sujo, e não moverão um palha para mudar o "status quo" vigente nesta terra dos grandes currais eleitorais.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
  43. Em tempo: Onde se lê en, leia-se em. RSRSRSRS

    ResponderExcluir
  44. Em tempo (de novo): Onde se lê talves, leia -se talvez. Obrigada e desculpe.

    ResponderExcluir
  45. O escritório BRETTAS e REIS está entrando com processos para os professores receberem a diferença do piso desde 2008.Eles estão por dentro de toda lei do piso.O telefone é (31)32220400.Recebem também outras pendências dos professores.Eu vou entrar.

    ResponderExcluir
  46. Saibamos separar o "joio do trigo": Beatriz é muito boa só é terrivelmente mal assessorada. Ela tem que ver que ela por si só, não é sindute-mg. E o sindinutil tem que largar política partidária . Na greve falávamos que ninguém iria nos fazer de "palanques" e no entanto faz - se um congresso e lança Frente Minas Sem
    Censura ? A CNTE que ficou morta esses anos todos, e agora não chamou as ações no nível federal por estar, provavelmente, tentando não "sujar" a imagem do PT, coisa que os governadores do Rio Grande do Sul e da Bahia não se preocuparam em fazer. Os sindicatos não devem ser atrelados a partido nenhum. INDIGNADA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A CUT É O BRAÇO POLÍTICO/SINDICAL DO PT.

      PT E PSDB JUNTOS, FEDE LONGE.



      ANASTASIA, O PIOR GOVERNADOR DE TODOS OS TEMPOS.

      Excluir
  47. O jornal Super trouxe uma excelente manchete hoje e consta que GOVERNO DE MINAS NÃO PAGA O PISO, contudo o governo se defendeu. Agora cabe ao sindicalistas mostrar as verdades , só que quando eles veem os repórteres parece que dá um bloqueio e eles não conseguem expressar com clareza as idéias. A Beatriz deveria contratar o Euler para assessor do sindicato. Esse mapa aí ja diz tudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns ao 'SUPER", mostrando independência, que Deus conserve.

      Excluir
  48. Olá Euler e blogueiros!
    ______________ sugestão do andré Buzina!

    Já poste minha indignação no site da Arezzo. Façam o mesmo. Vamos encher a caixa de e-mails da calçadista mineira para promover o distrato com a FALAMEDA. WWW.AREZZO.COM.BR / contato

    Á
    Arezzo / Marketing


    É com muita tristeza que recebo a notícia de que a atriz mineira Débora Falabela é a mais nova contratada da calçadista. Lamentável! Vocês deveriam rever esse contrato porque o cachê da atriz é paga com dinheiro de contribuinte mineiro para dizer inverdades sobre o compromisso do executivo estadual em relação à educação. Se eu vê-la participando de comercial com os produtos Arezzo, deixarei de presentear minha esposa e entes com calçados e acessórios da marca. Conheço a Arezzo desde os tempos de Savassi e não teria o menor problema em prestigiar outra empresa mineira do mesmo ramo. Use calçados Arezzo e ganhe bolhas nos pés!

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tambem ja postei minha indignaçao.

      Excluir
  49. Meus queridos. Em meio a tantos barbitúricos leio algumas notícias sobre formação de professores. Universidades privadas não investem em cursos de licenciaturas porque não atraem alunos. As universidades públicas ainda conseguem manter seus cursos de licenciatura porque conciliam com a tal habilitação dupla, que não vale de muita coisa em muitos casos.
    O número de profissionais da área de educação é bastante grande. Em nenhuma das três esferas do poder há interesse em buscar formas de remunerar esses profissionais de forma adequadas. Qualquer profissional com nível superior recebe, no mínimo, R$ 4.500,00 líquidos mensais por uma carga horária de 40h ou menos.
    Nós, professores somos nivelados como profissionais de ensino fundamental. Somos muitos. Assim, quanto menor o custo, melhor para os governantes. A questão, para eles é manter baixos salários e estatísticas adequadas. Isso é fácil, pois em MG ganhamos uma miséria e todo ano somos agraciados com reportagens sobre o quanto nossos índices são maravilhosos.
    Fomos heróis, no ano passado. Cheguei a acreditar mesmo que leis possuíam alguma validade. Entretanto, esqueci-me daqueles que as elaboram. Nossa carreira foi destruída e estamos na mesma situação.
    Recentemente vi um quadro comparativo no edital para profissionais no MS ou MT, não me recordo bem. A questão que me chamou atenção foi a de que o salário de um profissional com ensino fundamental era o mesmo de um professor com nível superior. Essa tabela foi divulgada no facebook e, algumas pessoas dissera: que mudem de profissão!r.srs.
    Estou em casa, rumo à escola e ouço agora um aluno, às gargalhadas, passando em frente à minha humilde casa, como seguinte comentário: _Viram aquela professora com cara de mendiga. Bem, é isso, apenas um desabafo, desculpem. Bjs.

    ResponderExcluir
  50. Euler, não estou te entendendo, cadê o NDG, foi vencido pelo cansaço? Fazer a paralisação de três dias proposta pela CNTE é fundamental. Quem fez a grave de 112 dias tem obrigação de se menter no movimento, afinal não conquistamos o PISO, temos que continuar lutando por ele, doa a quem doer. Eu sei perfeitamente que ainda estamos sofrendo os efeitos da greve, por causa dos cortes dos salários, mas a essa altura não dá para desistir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem! Concordo plenamente! O povo aqui desanimou geral! Força na peruca gente!

      Marcelo

      Excluir
    2. VÃO só! E aproveitem aplaudam a BEATRIZ(BOA ATRIZ)
      PORQUE A CATEGORIA VAI NÃO!

      Excluir
    3. Talvez estejamos cansados com o Sind UTE.


      NÃO SOMOS MASSA DE MANOBRA.

      Excluir
  51. KKKKK Essa de que quando veem os jornalistas se enrolam e não conseguem se expressar com clareza é terrível, aí ficam na desvantagem perante o governador que põe um biquinho na boca igual francês e fala sua mentirinha bem explicadinha, se há essa dificuldade de expressão, já passaram da hora de contratar o Euler como porta-voz, porque tenho certeza de que fala maravilhosamente bem como escreve, então eles têm de deixar de vaidades e pedirem a juda a quem pode lhes dar. rsrsr Caso contrário ficamos noutra desvantagem: a inabilidade com a argumentação por parte dessas pessoas que têm que defender nossos direitos e bem. Mas, se demonstrm dificuldades nesse quesito, também, aí não, pare tudo que eu quero descer!! rsrs

    ResponderExcluir
  52. Este é o site.

    Aqui as coisas chegam à Presidenta.

    http://www.casacivil.gov.br/

    No alto a esquerda acesse falar com o governo.

    Vamos mostrar-lhes a ANARQUIA do governo de Minas Gerais.

    ESTADO SEM LEI!

    ResponderExcluir
  53. Hélio Costa Twitter

    MEC divulga novo piso salarial dos professores:R$1.451,00 retroativo a janeiro. Minas não paga o velho e nem o novo.

    Gov. de Minas diz que professores já ganham novo piso nacional de $1.451 e só vai dar 5% de aumento em abril. A greve será contra a mentira.

    ResponderExcluir
  54. Piso Salarial como política de investimento em educação
    A existência de uma lei federal que determine um Piso Salarial para os profissionais do magistério da rede pública é resultado da mobilização da categoria e de diversos setores da sociedade. É também uma determinação da Constituição da República do Brasil. Nela, os constituintes reconheceram a necessidade de se estabelecer um Piso Salarial como política pública de estado para valorização da educação como direito social.

    Após mais de duas décadas da definição constitucional foi sancionada a Lei Federal 11.738/08 que estabeleceu este Piso. A tramitação do projeto de lei no Congresso Nacional possibilitou que governadores, prefeitos, profissionais da educação e Governo Federal discutissem o seu conteúdo, e o texto final é fruto de todo este acúmulo. Há questões na lei como o valor inicial do Piso (que na avaliação da categoria foi baixo), e a possibilidade de recebê-lo proporcionalmente à jornada trabalhada - que a categoria não concordou. Mas, sem dúvida, a lei representa um grande avanço para toda a sociedade e o seu conteúdo foi respeitado pelos profissionais da educação. Posição diferente tiveram os cinco governadores de estado que tentaram invalidar a lei questionando sua constitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal. Até o Poder Judiciário reconheceu a constitucionalidade da lei e seu papel social.

    Além do valor estabelecido inicialmente, a lei fixa um mecanismo para que o Piso seja atualizado. Não se trata, neste caso, de recompor o salário de acordo com a inflação do período. Procurou-se preservar o Piso como uma política de estado e, por consequência, ter um investimento crescente. Anualmente há uma atualização dos recursos destinados à educação básica pública, por meio do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica). A lei federal preserva o mesmo percentual desta atualização para reajustar o valor do Piso Salarial. Desta forma, preserva-se o objetivo da Constituição da República de reconhecimento do Piso como instrumento de valorização da educação.

    Considerando todos estes aspectos, os governadores, dentre eles o de Minas Gerais, que recentemente recorreram à Presidenta Dilma pedindo que o reajuste do Piso previsto em Lei seja modificado para a simples correção da inflação, prestam um desserviço à educação pública no país. Vale lembrar que a revisão geral da remuneração do servidor público já está prevista na Constituição Federal. Se estados e municípios não têm recursos para custear o pagamento do Piso Salarial e sua atualização anual, devem rever a prioridade na execução orçamentária, discutir novos mecanismos de financiamento da educação. Mas não podemos permitir que haja um retrocesso na educação.

    O Piso Salarial não é mera política remuneratória, mas cumpre uma função social de reconhecimento de investimento na educação pública. A greve nacional, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), cumpre uma função essencial de mobilizar a categoria e provocar o debate na sociedade. Em tempos de investimentos milionários para a Copa de 2014 e eleições municipais, é necessário debatermos quais têm sido as prioridades de governos estaduais e municipais. De acordo com a realidade, a educação não faz parte destas prioridades. Precisamos saber qual o lugar que a educação ocupa em nossa sociedade.

    O anúncio do reajuste do Piso Salarial em 22% feito pelo Ministério da Educação representa uma vitória para a categoria e uma derrota para governadores, como o de Minas Gerais, que desconhecem o Piso como direito da categoria e instrumento para a qualidade na educação. Por tudo o que o governo mineiro tem feito para a educação pública temos a obrigação de realizarmos uma grande greve em Minas Gerais nos dias 14, 15 e 16 de março.

    http://blogdabeatrizcerqueira.blogspot.com/2012/02/piso-salarial-como-politica-de.html

    ResponderExcluir
  55. Acessem:

    http://www.novojornal.com/politica/noticia/psdb-antecipa-2014-agora-e-tudo-ou-nada-com-o-psb-25-02-2012.html

    Quero que o PSDB, ANASTASIA E O AÉCIO SE FOD...

    ResponderExcluir
  56. E os OUT DOORs, até agora NENHUM.


    I N C O M P E T Ê N C I A !!!

    ResponderExcluir
  57. EULER , DE ACORDO COM QUALQUER DECISÃO TOMADA PELO NDG.( NDG = base ).

    ass.Petrus Assis

    ResponderExcluir
  58. UTILIDADE PÚBLICA:

    Fundado em 2001, o escritório Brettas e Reis Advogados atua nas mais diversas áreas multidisciplinares do direito.

    Com uma equipe de advogados experiente e altamente qualificada, apoiada por completa estrutura administrativa e tecnológica, Brettas e Reis Advogados destaca-se como uma das mais conceituadas empresas prestadoras de serviços jurídicos de Minas Gerais.

    Brettas e Reis Advogados possui seu escritório em Belo Horizonte. Além disso, desenvolve e mantém alianças estratégicas com escritórios de advocacia em todo o Estado de Minas Gerais e em Brasília, bem como com outras empresas de serviços, oferecendo um atendimento integrado para suprir as mais variadas necessidades de seus clientes. http://www.brettasereis.adv.br/

    ResponderExcluir
  59. Complementação:

    BRETTAS & REIS ADVOGADOS

    Rua dos Guajajaras, nº 40 - 2º andar/sala 7 - 10º andar/sala 4
    Bairro Centro
    Belo Horizonte/MG

    Tel. (31) 3222-0400 / 3086-1009

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Repararam como o Euller agora está pondo as garrinhas de fora?Está mais direto nos ataques.Antes instigava,fazia o joguinho "disse que não disse",fazia reparos aqui e ali.Agora é hora do ataque.
      Já há ,em Minas Gerais, um novo grupo para desarmar o Anastasia:O NDG!
      Será um espetáculo! Já que sozinhos seguraram uma greve de 112 dias, tiveram cortes de salários e acham -se mais fortes que os demais
      professores.
      Me veio uma idéia agora:Já pensaram na possibilidade de ser o tal NDG, a chapa do governo?É... tudo é possível!
      Alguém aí disse e eu estou concordando:NDG =Nunca Defenderei Greve.
      Que isso Euler? Ir contra a greve nacional?
      Defender outros tipos de manifestações pela base?Qual manifestação?
      Algo neste blog tá cheirando embromação.
      O que o tal NDG faz?Entrou na justiça?É muito bla´, blá,blá e só.
      Claro que o Euler nunca vai defender a desfiliação em massa,porque reconhece que qualquer outra instituição de defesa do professor que surgisse,já nasceria pró governo ou falida.
      Euler não conhece o histórico de lutas do sindicato, ele é novo no Estado, não pode falar com propriedade e se conhece
      não tem a humildade de recordar as muitas conquistas que já tivemos.
      Já que se candidatará para a presidência do sindicato,precisará dos filiados.Então pessoal,não não.Não desfiliem do sindicato, o Euller na presidência precisará de sua contribuição.
      Sou professor.Não sou carneirinho.Ponho tudo em cheque.
      Só não coloco em cheque a minha disposição de lutar contra as injustiças..Por isso farei a greve dos 3 dias.
      Façam também! Larguem a birrinha do Euler com o sindicato prá lá.
      NDG: a sigla que não deu certo, porque é fechada para alguns,enquanto somos muitos!

      Excluir
    2. Se são muitos, então não precisam de nós.

      Excluir
    3. Anônimo das 04:32, dá pra vc se identificar e mostrar com fatos o que vc afirma acima? Quero ver as tais conquistas que não chegaram a mim até agora. Só tenho tido perdas e sempre achei o "modus operandi" do Sindicato indefensável.
      Sempre fiz greve. Há 16 anos. Muitas perdas. E o pior: sempre levei comigo muitos colegas, convencendo-os de que a greve era um direito e blá, blá, blá. Os colegas iam uma vez e não mais queriam voltar. Sabe por quê? Por causa do baixo nível das nossas Assembleias. Precisamos ser mais inteligentes ( e somos). Precisamos colocar a inteligencia e a lei a serviço da categoria. Do jeito que tá, não dá.

      Excluir
  60. Vamos pensar.Nos dias 03 dias que a CNTE chamou para a paralisação a imprensa vai estar atenta.
    Estamos vendo a notícia do Indice do reajuste do Piso sendo noticiado nos grandes jornais. O JN já abordou o assunto ontem e hoje.
    Anastásia diz que paga mais que o piso. Se Minas não aderir vamos estar endossando a sua mentira. Por esse motivo, só esse, acho que teríamos que parar. Sei que a categoria está desmotivada pelas derrotas sofridas. Mas temos que analisar o melhor caminho para esse momento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O PT, A CUT E A CNTE, não fizeram nada para nos ajudar durante a greve.

      Agora...


      NÃO SOMOS MASSA DE MANOBRA.

      Se querem votos para seus pelegos, que vão procurá-los em outro lugar.

      Excluir
  61. JORNAL NACIONAL AGORA: PREFEITOS ESTÃO NUMA CHORADEIRA DANADA PRA NÃO PAGAR PISO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estão querendo mais verbas para encher seus bolsos.

      A lei é clara se o estado ou município não tem como pagar o Piso Salarial, o complemento é feito pela União, desde que tanto estado quanto município se submetam a uma auditoria feita pelos técnicos da União para checagem dos orçamentos para a partir daí receberem a verba complementar da União. Não tem mistério algum, o motivo de tanta choradeira por parte dos é o de se esconder as corrupções (superfaturamentos em contas públicas, propinas e outros) que acontecem com a utilização da máquina pública e conseguirem mais verbas que serão desviadas.

      Excluir
    2. TEM QUE SOBRAR DINHEIRO PRÁ CORRUPÇÃO.

      Excluir
  62. Caro Euler obrigada pelas ponderações e palavras sempre solidárias. Estamos todos muito cansados e decepcionados. Às vezes nem raciocino direito. Peço, diariamente, ao PAI em nome de JESUS, que lhe dê SABEDORIA, DISCERNIMENTO E FORTALEZA na condução deste blog. Todos JUNTOS somos MAIS! E você tem conseguido nos fortalecer. Meus cumprimentos e força na luta. Jesus lhe abençoe.

    ResponderExcluir
  63. Satisfeitos ou não com o sindicato, acho que não podemos perder a oportunidade de mostrar a nossa indignação com as atitudes desse governo em relação a categoria e a educação pública.
    Eu não estou sentindo firmeza nesse núcleo que se diz duro de greve. Onde está o entusiasmo, a força e coragem? Bastou o (des)governo cortar nossos salários, e nos desrespeitar de todas as formas possíveis para nos sentirmos fracos e transformar a Beatriz em Vilã?

    O nosso inimigo é o anast"asia", não podemos deixar que ele nos tire a vontade de buscar o que é nosso por direito. Vamos mostrar para a sociedade a nossa insatisfação com uma paralisação em massa. Vamos desde agora, tentar mobilizar o maior número de colegas e tampar a boca desses mentirosos de plantão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PRECISAMOS DE UMA ESTRUTURA FORTE E DEMOCRÁTICA.

      PRECISAMOS DE COMPROMISSOS EXCLUSIVOS COM A CATEGORIA.

      NÃO SEREMOS MASSA DE MANOBRA.

      Excluir
  64. Por onde anda a Prof. Maluquinha e a Ana C.???


    Será que foram chamadas pelo "patrãozinho" ou pelas "secretárias"...

    KKKKKKK!!!!!

    ResponderExcluir
  65. Fiz hoje contato com a Presidenta Dilma. Falei tudo que acontece em MG com os profissionais da educação. Rasguei o verbo. Inclusive perguntei a ela se Minas deixou de fazer parte do Brasil e quem outorgou ao dito cujo o direito de governar fora da lei.

    ResponderExcluir
  66. Carta à presidenta Dilma: Quem vos escreve são os "Miseráveis" de MG
    Marly Gribel | terça-feira, 28 de fevereiro de 2012 | 0 comentários

    Presidenta Dilma, tomei a liberdade de lhe escrever, à pedido de meus colegas, os educadores de Minas Gerais. Vivemos hoje uma das situações mais dramáticas enquanto profissionais, muito semelhantes àquelas descritas no livro "os Miseráveis" de Victor Hugo, onde vivenciamos toda sorte de infortúnios e injustiças advindas de todos os poderes constituídos deste Estado. Fomos brutalmente massacrados após uma greve de 112 dias no ano de 2011, onde buscávamos exactamente aquilo que estava previsto na Constituição Federal, ou seja, a valorização profissional através do Piso Salarial.

    Lamentavelmente, não só fomos vítimas de todas as formas de tortura (cortes sucessivos no pagamento, retaliações e vinganças diversas) mas, pior, perdemos o Piso salarial, que foi astutamente usurpado pelo governo de Minas quando instituiu uma forma de remuneração que não condiz com a Lei do Piso e que foi aprovada pelo Legislativo deste Estado.

    O MEC divulgou o novo índice de reajuste para 2012 que será de 1.451,00 para o profissional em ensino médio, para jornada de 40 horas e diante desta nova realidade ficamos cada vez mais prejudicados e angustiados e como não temos mais a quem recorrer, visto, que o judiciário deste estado comunga com os outros poderes, resolvi lhe escrever.


    Se o povo brasileiro conseguiu via movimentos populares, inclusive com a nossa ajuda, que o PT chegasse ao poder era porque acreditávamos que viveríamos dias melhores. Promessas, inclusive, feita pela Senhora presidenta, quando em uma de suas falas na mídia disse que elevaria a condição de vida dos brasileiros a uma situação de classe média. Entendemos com isto, que poderíamos também desfrutar das riquezas produzidas em nosso país.

    Mas, até o presente momento nada de positivo foi acrescido em nossas vidas, ao contrário, somos vítimas constantes dos algozes de Minas Gerais, que insistem em burlar as leis, numa situação muito semelhante aquelas descritas pelo francês Victor Hugo que narra a miserabilidade do seu povo no período em que Napoleão III( imperador da França) aumentava seus gastos com a política externa francesa em busca de glória política. Infelizmente, estas mesmas premissas vem se repetindo em todas as épocas, de formas diversas, mas bastante semelhantes as descritas pelo grande escritor e, muito particularmente, intensificadas aqui em Minas Gerais, em que a educação e a saúde não fazem parte das prioridades deste Estado.

    O nosso pedido é um só: queremos a federalização da folha de pagamento dos profissionais da Educação, para que não ocorra deformações como estas que vem ocorrendo em Minas.

    Sabemos que a Senhora é muito justa, nesse sentido, queremos também denunciar o novo ministro da Educação, o Sr. Mercadante, que numa atitude bastante inconveniente anunciou que irá nos presentear com um tablet. Ficamos bastante indignados, porque somos formadores de opinião e trabalhamos com dedicação e esmero para a excelência do Ensino no Brasil e não merecemos este tipo de tratamento; adequado somente para indigentes. Queremos basicamente o que é nosso por direito: o Piso Salarial previsto na Constituição Federal.

    Consciente de que olhará por nós, visto que lutamos para que a Senhora estivesse aí, subscrevo em nome dos educadores de Minas Gerais. retirado do blog da marly

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos enviar esta carta para o seguinte endereço:

      http://www.casacivil.gov.br/

      No alto da página, à direita, acesse falar com o governo.

      É MUITO IMPORTANTE QUE TODOS FAÇAM A SUA PARTE.

      Excluir
    2. Não consigo acessar.Acho que tiraram do ar!

      Excluir
    3. Tente novamente, eu consegui.

      Excluir
  67. Ao anônimo das 04:32.PM
    Não se acovarde meu caro. Ponha a cara para fora.
    Tenho certeza que é mais uma "vaquinha" de prezépio do Sindute.
    Não acho que dez, anos de Estado seja pouco tempo, e nem que trinta anos dê a alguém mais conhecimento que outro com menos tempo.
    Não é questão de colocar garras de fora, mas de ver que a maioria está muito insatisfeita com a Beatriz e sua Trupe.
    Sei que será difícil pra voces perderem as fartas "tetas" do Sindute, mas chega de se aproveitar. Precisamos de gente que tenha pelo menos o mínimo de respeito pela categoria e seus integrantes.
    Agora que as coisas se voltaram contra o Sindicato e seus representantes, a Beatriz resolveu dar as caras e trazer informações, que no seu próprio bolg estaria prometida para o dia 09/02.
    Não tente defender o indefensável. O sindute errou e errou feio, agora tenta concertar. Não tem mais credibilidade nehuma para convocar a categoria para uma greve, ainda que seja de um único dia.
    A CNTE só quer fazer alarde político, provavelmente a pedido dos Partidários do PT, já que as eleições municipais se aproximam.
    Não seremos usados pelo Sindute, PT, PSDB, CUT ou CNTE para brigas políticas.
    Quando a CNTE precisava apoiar os professores não apoiou, não viu nada, assim como o PT.
    Agora os professores não apoiarão a CNTE. Também não verão nada. Quanto ao PT, ele que vença as eleições sozinho. Pode ter certeza, já fui um simpatizante do PT desde a época da campanha do "LULA LÁ"...
    Hoje percebo que só muda-se a legenda. A podridão é a mesma.
    Não á CNTE;
    Não ao SINDUTE;
    NÔ à CUT;
    Não ao PSDB;
    Não ao PT;

    ResponderExcluir
  68. Ministério da Saúde adverte:Anastazia faz mal a saúde,educação,segurança pública,Etc.

    ResponderExcluir
  69. Olá, pessoal da luta!

    No momento em que prefeitos e governadores se mobilizam para detonar de vez o piso nacional, abrindo inclusive espaço na mídia, os dirigentes sindicais que controlam as máquinas e os recursos dos trabalhadores deveriam organizar uma resposta à altura.

    Por exemplo: por que a CNTE e a CUT e os sindicatos dos educadores não compram uma página nos grandes jornais do país desmascarando todo mundo: os governos das três esferas (federal, estaduais e municipais),a justiça, o legislativo; mostrando que nenhum deles está realmente preocupado com a Educação básica; e que o piso não está sendo pago corretamente em nenhum estado; e mencionando as práticas realizadas pelos governos estaduais para burlar a lei do piso; e denunciando a omissão do governo federal; e que o próprio STF está enrolando na conclusão da ADI 4167; e que os deputados federais estão prestes a alterar a Lei do Piso para pior, detonando de vez essa lei?

    Por que estas entidades não tomam esta providência simples, entre outras?

    E mais: por que não propõem a federalização da educação básica como alternativa para acabar com essa palhaçada dos governos, que reclamam que não podem pagar o piso - ou que pagam até mais do que o piso, quando na prática burlaram a lei federal? Por que não cobram do governo federal e do MPF a intervenção federal nos estados que não pagam o piso, ou seja, em todos eles?

    Não fazem isso porque têm rabo preso com os partidos e os governos e agem de acordo com a conveniência destes projetos. Eu não vou para a assembleia homologativa para ouvir discurso da direção do sindicato e de deputados e membros da CUT e da CNTE, que nada fazem, a não ser enrolar os trabalhadores.

    Por que a CNTE e a CUT não propuseram acampar em frente ao STF, ao Palácio do Planalto e ao Congresso Nacional, para cobrar a aplicação do piso, denunciando o descaso com a Educação pública, e chamando os estudantes, os educadores, os moradores e os apoiadores para uma ocupação simbólica de Brasília?

    Não fazem isso porque não querem desagradar aos chefes políticos aos quais estão ligados. Vão fazer dessa paralisação de três dias palanque para as mesmas direções burocratizadas e para deputados e chefes da CUT e da CNTE. Não vou participar dessa farsa.

    Mas vou estar ao lado dos que querem lutar seriamente pelo piso na carreira, pela autonomia da nossa entidade sindical, pelos nossos direitos.

    E desde já convido os colegas do NDG de todo o estado de Minas a discutirem formas de protesto e de mobilização da categoria. Seria importante que os combativos colegas organizassem encontros para discutir a nossa realidade, a nossa luta, e as nossa ações. Desde ações na justiça, passando pela mobilização através das redes sociais, e atividades de protesto e manifestações nas ruas, junto das comunidades, e até mesmo nas escolas.

    Vamos discutir com os colegas sobre o que fazer para conquistar o nosso piso e a nossa carreira, apesar das entidades burocratizadas que conduzem as nossas demandas ao sabor dos interesses partidários e de governos.

    Um forte abraço a todos e força na luta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E isso que queremos e esperamos!Vamos conseguir sem esse sindicato pelego!

      Excluir
    2. GRAÇA:

      Concordo com voce Prof Euler, vamos seguir lutando sem sindicalistas e politicos aproveitadores.
      Sou realista por isso discordo sobre Federalizar a folha dos educadores, seria o ideal, mas é utopia!
      Carta aberta á Falabella é fácil demais, quero ver acontecer isso:
      "Por exemplo: por que a CNTE e a CUT e os sindicatos dos educadores não compram uma página nos grandes jornais do país desmascarando todo mundo: os governos das três esferas (federal, estaduais e municipais),a justiça, o legislativo; mostrando que nenhum deles está realmente preocupado com a Educação básica; e que o piso não está sendo pago corretamente em nenhum estado; e mencionando as práticas realizadas pelos governos estaduais para burlar a lei do piso; e denunciando a omissão do governo federal; e que o próprio STF está enrolando na conclusão da ADI 4167; e que os deputados federais estão prestes a alterar a Lei do Piso para pior, detonando de vez essa lei?"

      Por que????????????????????????????????

      Excluir
    3. Apoiado, é o que penso também.

      Excluir
    4. Proponho aqui que nesses 3 dias de paralisação, panfletemos nas ruas, em especial, nos bairros onde lecionamos.
      Organizemos o manifesto relatando o que ocorre em MG de forma mais simples, para que os mais humildes saibam ler e interpretar os desmandos aqui em MG e em todos os estados.
      Será que conseguiríamos pagar um espaço na mídia? Seria interessante...
      Prof. Romeu

      Excluir
  70. Clarice/Sandra/Alberto. B.H28 de fevereiro de 2012 22:41

    Estamos com você Euler Conrado seu nome está conhecido em toda as Gerais!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  71. Três dias de greve, mais grande manifestação em BH com a ajuda solidária e necessária dos movimentos sociais, com mais as ações que o Sind-UTE está impetrando na Justiça, com mais a denúncia que estamos fazendo na sociedade do desgoverno! Ou vai ou racha! Ou paga ou sai fora, Anastasia, por que você não dá conta de governar!

    O Brasil mudou! A educação tem que ser prioridade agora! É importante e necessário! Já esperamos demais! Daqui para frente! Para trás não dá mais!

    Unidos somos mais fortes dos que os 700 prefeitos que foram lá exigir que a presidente Dilma desconsiderasse os 22%! Só basta deixarmos as nossas picuinhas, as nossas vaidades e mesquinharias e juntos partirmos para cima!

    Com luta! Com garra! O piso sai na marra!

    ResponderExcluir
  72. VISITA DO GOVERNO

    O SIND-UTE MONTES CLAROS CONVIDA A TODOS E TODAS PARA PANFLETAGEM NO PORTÃO PRINCIPAL DA UNIMONTES.
    DIA: QUARTA-FEIRA ( 29/02/2012)
    HORÁRIO: 17:30
    PARTICIPEM!

    REFORÇAMOS A CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA LOCAL DO DIA 03 DE MARÇO
    ( SÁBADO) - 9:00 - PÁTIO DA SUBSEDE
    PAUTA: GREVE NACIONAL
    (Conforme decisão da assembleia do dia 16/02)

    ResponderExcluir
  73. Como o sindute fala em paralisação nacional? Quem garante isso? Não podemos cair em mais um conto desses depois de mais de 100dias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E os descontos INJUSTOSque tivemos nos pagtos de 2011???

      O que o sindicato fez ou faz a respeito???


      NÃO SEREMOS MASSAS DE MANOBRAS.

      Excluir
  74. Professores de Minas Gerais. Concordo com a colega que se diz favorável quanto à participação na paralisação de março.É uma manifestação contra a mentira do chefe da quadrilha que desmanda em nosso Estado. Já estamos numa situação dramática, se não mobilizarmos nesses três dias de março, estaremos concordando com essa farsa do ditador de Minas.Chega de lamento, é hora de ação pessoal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só depois de uma CLARIFICAÇÃO do sindicato.

      Excluir
  75. Vejam esta, a deputada do PT de Pernambuco que até então parecia estar favorável à reivindicação salarial dos educadores, pela matéria abaixo demonstra estar favorável à mudança de correção do piso pelos governadores. Olhem, as conveniências dessa gente!! Se não houver um movimento bem consolidado, esses deputados vão votar favoráveis aos governadores!!


    Governadores pressionam governo por mudança no índice que corrige salário de professores
    Estados querem que correção seja baseada no INPC, que mede inflação
    Dez governadores reuniram-se nesta terça (28) com o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Marco Maia (PT-RS), para pressionar pela aprovação de um projeto de lei que propõe alterar o critério de reajuste do piso nacional do magistério. Entre eles, estava o governandor de Minas, Antônio Anastasia (PSDB). Atualmente, a legislação determina que o piso dos professores deve ser corrigido de acordo com o percentual de crescimento do valor mínimo anual por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

    Como entre 2011 e 2012 esse aumento foi 22%, o piso também foi corrigido pelo mesmo patamar, passando de R$ 1.187 para R$ 1.451. Os valores foram anunciados na segunda (27) pelo Ministério da Educação (MEC).

    Pelo projeto de lei defendido pelos governadores, que foi aprovado pela Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara e aguarda aprovação em plenário, o piso seria corrigido anualmente pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação.

    De acordo com a deputada Fátima Bezerra (PT-RN), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Piso, com o anúncio do novo valor do menor salário do professor, qualquer alteração nos critérios de reajuste valerá apenas para 2013. Ela sugere que seja montada uma mesa de negociação com parlamentares da bancada da educação, dos estados, municípios e do governo federal, para discutir possíveis mudanças. Para a deputada, entretanto, o INPC não é um bom critério, já que apenas a correção pela inflação não garantirá ganhos para a categoria.

    Com o anúncio do piso para 2012 e a discussão da mudança dos critérios de correção, o deputado Izalci (PP-DF) disse que, agora, "acende um alerta" em relação aos movimentos de greve de professores nos estados e municípios, já que alguns entes federados não pagarão o valor fixado por lei. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) planeja uma paralisação nacional nos dias 14, 15 e 16 de março, com o objetivo de cobrar a efetiva aplicação da lei.

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=145124

    ResponderExcluir
  76. Creio que o Sindute deveria dar explicações a todos os seus filiados.Uma delas,seria nos informar o fim que levou as multas que foram aplicadas durante a greve,se foram pagas ou se teve algum acôrdo com o Governo,para que as mesmas fossem perdoadas.Não conheço o Euler,mas sei,que seu Blog foi fundamental para os 112 dias de greve,contribuindo para que o NDG se fortalecesse,embora eu ache, que todos os que participaram, mesmo que por algum tempo,de uma maneira ou de outra,tornaram-se NDG.Com o Sindute,foi o contrário.Nós do interior,quase não tínhamos informações sobre as assembléiase custávamos a esperar que o Euler nos trouxesse informações sobre as assembléias.Creio que é muito justo,que caso o Euler ou qualquer outro queira se candidatar às eleições do sindicato,qual é o crime que ele estaria cometendo?Se estão tentando denegrir a imagem do Euler,é porque têm algum tipo de culpa.Não concordo com a desfiliação em massa,porém,eu sei, que após a operação tartaruga,a inspetora da minha escola,chegou mostrando os E-Mails da SEE,autorizando os corte dos três dias,liguei para o jurídico do Sindute e a resposta que eu tive,foi que o Sindute em momento algum, havia proposto tal paralisação.Não vou fazer estas paralisações,não concordo com as mesmas,não vou jogar dinheiro fora.Se pensam que estou me acovardando,é só começar mais 112 dias de greve que estarei junto.Edilson,Virgolândia,Nacip Raydan,torcendo para que os dirigentes do Sindute nos respeitem mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Sind UTE precisa reconquistar a confiança perdida.

      Excluir
  77. NOS PÁIS DAS PIADAS PRONTAS , TUDO PELO PODER!

    jornal o tempo últimas notícias

    Tiririca pode ser candidato a prefeito de São Paulo para evitar saia-justa no PR

    O deputado federal Tiririca pode ser o candidato a prefeito de São Paulo, pelo PR. O partido anunciou nesta terça-feira (27) que tem intenção de lançar a candidatura do parlamentar nas eleições em outubro de 2012. As articulações cresceram desde que o ex-governador José Serra (PSDB) anunciou ser pré-candidato pelo PSDB. Com medo de ter problemas caso escolha apoiar Serra ou Fernando Haddad (PT), o partido pensa em lançar o artista como nome próprio na eleição.

    Tiririca gostou da ideia e liberou as articulações para sua candidatura. Ele foi o deputado federal mais votado em 2010 e sua campanha teve o foco no voto de protesto. O slogan dele era “pior do que está não fica”. Com sua grande votação ajudou sua coligação a eleger mais três deputados federais.

    O carisma do deputado por ajudar o partido que é aliado do PT no governo federal e com fortes ligações com os tucanos em São Paulo. Dessa forma o PR fica em situação complicada se tiver que escolher um dos lados já no primeiro turno. Para o partido, Tiririca pode puxar a legenda e reforçar a bancada na Câmara dos Vereadores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caso a candidatura se confirme e Tiririca seja eleito, SERRA e HADDAD sentirão na pele o valor da Educação neste país.

      Excluir
    2. Será???????????????????

      Excluir
    3. Ficarão é muito felizes, pois mais um ignorante no poder para ser manipulado. Respeito o homem, o ser humano Tiririca, mas reconheço que ele não tem preparo adequado para a função peliteada. Reconheço, entretanto, que temos muitos "doutores" preparadíssimos intelectualmente para exercerem as funções da administração pública, mas lhes falta a formação maior, aquela que prepara o ser humano para ser ético, respeitoso com as pessoas e consciente do dever moral para dar conta dignamente dos compromissos assumidos.

      Excluir
  78. EU VOU PARALISAR NEM QUE SEJA SOZINHA.
    Até que procuremos outra saída essa é a única que temos.

    ResponderExcluir
  79. NAS MINAS GERAIS ONDE IMPERA A MENTIRA!

    Regressão no ensino- jornal o tempo 28/02/2012

    Uma professora da rede estadual procurou a reportagem para relatar que tinha dificuldade de lecionar para 52 alunos de uma sala numa escola de Santa Luzia, município da região metropolitana de Belo Horizonte. Imagine-se a dificuldade de os alunos absorverem algum conhecimento nas mesmas circunstâncias.

    A professora demonstrou coragem, para não dizer consciência ética, ao denunciar a situação. Mesmo que esse não seja um problema generalizado no ensino público, o fato de existir um só já expõe uma anomalia ou algo que não poderia existir. Pior se ele se repetir em outras unidades de ensino, como parece ocorrer.

    A escola tem salas disponíveis em suas instalações físicas. Mas, por uma determinação do governo, só pode abrir novas turmas de uma mesma série se o número de alunos ultrapassar 35 mais 50%. A resolução só está sendo cumprida porque alunos excedentes foram transferidos para o turno da noite.

    Informalmente, a alegação que circula é que, dividindo a turma, teriam de aumentar a carga horária dos professores. Mais correto seria que aumentassem o número de professores. Então, o governo estaria fazendo o que propaga, tratando educação como investimento, como ensinam os países sérios.

    Mais de 30 alunos numa turma, sobretudo se adolescentes, como é o caso, configura uma regressão insuportável. Isso ocorre porque o governo, no afã de cumprir o dispositivo constitucional, retornou a uma prática de 30 anos atrás, que é juntar numa mesma turma alunos de idades e escolaridades diferentes.

    Além da superlotação, a multisseriação instalou a confusão no processo pedagógico, com programas e conteúdos diferentes, ministrados por um só professor. Ora, isso não pode dar certo, a não ser estatisticamente. É nesses primeiros anos que se forma o conjunto de habilidades para o aluno prosseguir nos estudos e na vida.

    As principais vítimas desse modelo são quem precisa da escola pública: os estudantes pobres.

    ResponderExcluir
  80. ESSE POVO DA DIREÇÃO QUE FERRA A CATEGORIA A MAIS DE TRINTA ANOS É DEMENTE,COMO PODE VIR COM ESSE PAPO DE CONQUISTAS COM OS PROFESSORES DO ESTADO DE MINAS GANHANDO A NINHARIA DE DOIS SALÁRIOS MINIMOS E NÃO TENDO SEQUER DIREITO A VALE TRANSPORTE.QUESTIONAR QUE ESSE OU AQUELE TEM POUCO TEMPO DE ESTADO E A BEATRIZ QUE SEQUER É PROFESSORA DA REDE ESTADUAL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto vale um professor em Minas Gerais?
      Tenho dois cargos de PEB4 e recebo 3.000,00 com 25 anos de profissão. Que carreira promissora. Esse é um estado que investe na educação. O salário de 3.000,00 é o que o governo paga para quem tem mestrado. O salário dos professores do estado é uma vergonha para esse governador mentiroso e para esses 51 traidores.

      Excluir
  81. POR QUE?? ESTA É A PERGUNTA MAIS FORTE QUE EU OUVI AQUI DA PROFESSORA GRAÇA E QUE É MUITO FORTE REALMENTE.O QUE ELA SUGERE É UMA EXCELENTE IDÉIA E A PERGUNTA??? QUEM PODERÁ RESPONDER??/ ACHO QUE ESSA SUGESTÃO DEVERIA SER POSTADA EM TODOS OS LUGARES PARA , QUEM SABE, ALGUÉM DO SINDUTE, CUT, CNTE, PT NOS DESSE A RESPOSTA. REPETINDO: POR QUE A CUT, CNTE, PT, SINDUTE NÃO COMPRA UMA´PÁGINA INTEIRA EM UM GRANDE JORNAL E DESMASCARA TUDO???ISSO SERIA MUITO BOM E DINHEIRO TEM.POR ISSO SOU A FAVOR DE DESFILIAR EM MASSA MESMO.TÁ AÍ UMA SIMPLES SUGESTÃO , QUE SERIA UM CHOQUE PARA TODO O BRASIL E DARIA UMA GRANDE DOR DE CABEÇA.E MAIS SEM FAZERMOS NENHUM ESFORÇO.NÃO PRECISARÍAMOS FAZER PARALISAÇÕES.AFINAL ESSAS PARALISAÇÕES NÃO SÃO MAIS DO QUE PARTIDÁRIAS POLÍTICAS.VAI PASSAR EM TODOS OS JORNAIS E QUEM VAI SE DAR BEM É O PT. PERGUNTO: E NÓS??? O QUE VAMOS GANHAR COM ISSO?? SE FIZESSEM ESSA REPORTAGEM NA FOLHA DE SÃO PAULO POR EXEMPLO , EM UMA PÁGINA INTEIRA, AÍ SIM, A COISA IRIA MEXER MUITO COM TODO O BRASIL, COM TODOS OS PARTIDOS.MAS...MAS...CUT, SINDUTE, CNTE, PT ESTÃO NOS USANDO.PRESTE ATENÇÃO : A PALAVRA É USANDO.JÁ ESTOU FORA.NÃO DOU UM CENTAVO PARA SUSTENTAR ESSA CORJA.MAS AINDA ASSIM , ELES TEM MUITO DINHEIRO E ESTÃO FELIZES.O DIA EM QUE ELES NÃO TIVEREM MAIS DINHEIRO PARA BESTEIRAS, PARA ELES MESMOS, AÍ SIM, ELES VÃO REFORMULAR SEUS CONCEITOS E AGIR CERTO.MAS ASSIM COMO ESTÁ, NÃO ADIANTA CHORAR, TEM DINHEIRO PARA FAZEREM O QUE ESTÃO QUERENDO, MENOS PARA NÓS.SANGUESSUGAS.CHEGA .ESTE PAÍS NÃO TEM JEITO.DESFILIAÇÃO EM MASSA.QUEM PAGA SINDICATO, ESTÁ ALIMENTANDO COBRAS.TRABALHAMOS, FICAMOS SEM DINHEIRO, ROUBARAM NOSSA CARREIRA E AINDA TEMOS QUE PAGAR ?/ ONDE ESTÁ O SINDICATO?? PENSANDO EM OUTRAS COISAS QUE SÃO MAIS IMPORTANTES PARA ELES.OUTRA COISA.BEATRIZ NÃO É SANTA NÃO.SE FOSSE ESSA BELEZA OU ESSA MARAVILHA JÁ TERIA SAÍDO FORA OU VAI OU RACHA.ONDE ESTÁ O CARÁTER DELA?? SERIA MAIS BONITO OU MAIS LEGÍTIMO , ELA SAIR JÁ QUE ESTÁ TUDO ERRADO E TALVEZ ELA NÃO POSSA MUDAR TODA A ENGRENAGEM DESSA MÁFIA.ENTÃO SE ELA TIVESSE BRIO, VERGONHA NA CARA, SAIRIA.ASSIM SERIA MAIS BONITO E HONROSO PARA ELA COMO PESSOA HONESTA OU DE BRIO, CARÁTER.MAS SE ELA FICA E NADA FAZ PARA MUDAR ESSA ENGRENAGEM, ELA É CÚMPLICE .

    ResponderExcluir
  82. Euler, vamos fazer isso.Vamos arrecadar o dinheiro e comprar uma página em algum jornal e denunciar.Não vamos e nem podemos esperar essa corja fazerem o óbvio.Seria excelente se nós fizéssemos isso. Depositaríamos naquela conta que já foi usada para ajuda aos colegas.Vamos nos movimentar.Essa idéia é boa.Vamos colocá-la em prática.Não podemos deixar essa oportunidade passar.Vamos começar?? Diga sim e iremos depositar o dinheiro a partir de hoje.Vamos elaborar esta página.Não esperemos sindinutil, cnte, cut, pt pois nada farão.Os dias passam e ficamos só em reclamações.Essa idéia pode ser concretizada por nós.Vamos meu amor??? Vamos ???

    ResponderExcluir
  83. Paralisação de três dia não resolve nada!!! O que resolve é ficar de chororô na sala dos professeres e aqui neste blog!!! O trem da história já passou!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isto! O trem da história passou e o Sindicato não entrou com a ADIN no tempo hábil nem mesmo pediu a intervenção federal no estado de Minas Gerais, o PT nem entrar com um Mandado de Segurança Coletivo em favor dos trabalhadores da Educação entrou, é isso aí, e o trem da história passou.

      Excluir
    2. ESTE pessoal do PT/CUT, que vão pedir voto em outra periferia, AQUI NÃO.

      Tchau!!!

      Excluir
    3. Procuraremos outras formas de reivindicar nossos direitos.

      Excluir
  84. Gostaria de relatar aqui um fato de covardia do governo de estado e de seus asseclas nas superintendências regionais de ensino. Não vou divulgar o nome para não prejudicar a pessoa. Acontece que uma professora que participou da greve, foi procurada pela escola para saber se era de seu interesse repor as aulas. Caso contrário, a escola iria contratar um substituto. Como não havia recebido pagamento por causa dos cortes, optou em não fazer a reposição. A mesma foi informada que não haveria nenhuma conseQuência, apenas que não receberia a reposição. Agora superintedência insurou processo administrativo contra esta professora. Tudo indica que é uma retaliação e uma tentativa de intimidar os professores para não mais participar de paralisações e/ou greves.
    Oh governozinho medíocre!
    Aproveitando, uma PEC que restaura os direitos dos funcionários públicos que aposentaram por invalidez passarem a ter o direito salário integral e paridade foi aprovado na câmara dos deputados e foi para o senado. Se puderem envie emails para os senadores para precioná-los pela aprovação do mesmo. São milhares de trabalhadores que estão nesta situação e não sabemos o dia de amanhã.
    Matéria sobre o assunto e endereço de emails dos senadores estão no link:
    http://mdfnoticias.blogspot.com/2012/02/pec-restaura-o-direito-aposentadoria.html

    ResponderExcluir
  85. Funcionários do TJ vão ter outro aumento. O plano vai para a assembleia e já está acertado que os deputados vão aprovar. É por isso que estamos perdendo tudo na justica. MALDITOS DESGRAÇADOS.

    ResponderExcluir
  86. É correto o governo descontar imposto de renda todo mês?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto ou não, não importa para o governo de MG. Aqui só existem as leis que ele impõe.

      Excluir
    2. É correto pq a lei determina, mas é imoral!
      Em MG a lei so é imposta quando favorece o desgoverno!

      Excluir
  87. todos irao queimar no fogo do inferno.

    ResponderExcluir
  88. Estou pagando os juros da ultima greve até hoje. Só paralisarei novamente se o Sindute garantir nosso direito de greve, com todos os recursos jurídicos possiveis para que não haja desconto dos dias paralisados. Minhas 18 aulas, estão distribuidas nas quartas, quintas e sextas e a paralisação acontecerá exatamente nestes dias da semana.
    A questão não é cruzar os braços ou ficar de chororô nas escolas como disseram, o problema é que a maioria, a base, a classe, está sim sem recursos tanto financeiros quanto psicológicos para um novo embate.
    Três dias de greve não farão nem cosquinha para a conquista do piso, se 112 dias não resolveram... Mas para o meu orçamento do mês em caso de descontos farão muita falta, por mais medíocre que ja seja meu salário.
    É isso, não agiram quando deveriam agir, não venham agora com esse papo de coletividade, porque meu sofrimento e minhas questões financeiras por conta da ultima greve estão sendo resolvidas individualmente.

    ResponderExcluir
  89. RAPAZIADA/

    N'AO SOU MUITO LIGADO A POL[ITICA, SINDICATO E OUTROS BL[A-BL[A-BLAS.
    MAS EU ACHO QUE SE TODAS AS ESCOLAS DO BRASIL PARASSEM POR 3 DIAS, ISTO TERIA UM IMPACTO NA TELEVIS'AO, NOS JORNAIS E NA INETERNET!
    O ANO PASSADO OS ~DRUGUES~ DO SINDICATO FORAM L[A NA MINHA ESCOLA ~ROCHOFERAR~ SOBRE A GREVE. ELES ~ROCHOFERARAM~ QUE COMPRARAM UMA MAT[ERIA NA FOLHA DE S'AO PAULO E O ANASTAHITLHER ENTROU COM UMA A;'AO NO MINIST[ERIO INP[UBLICO PARA IMPEDIR NOVAS MAT[ERIAS.
    SOU A FAVOR DE UMA IMPLOS'AO DE CUT, CNTE, SINDUTE E OUTRAS `MALOCARIAS`, POIS ESSES `DRUGUES` S[O QUEREM FAZER A GENTE DE MASSA DE MANOBRA, T'AO ACHANDO QUE A GENTE [E M[ISSIL TOMAHOCK GUIADOS POR SISTEMA GPRS DE SAT[ELITE.
    MAS SE [E PARA PARAR, VAMOS PARAR, POIS OS PREFECTS E GOVERNADOCTORS J[A FORAM PRA BRAS[ILIA CHORAR PARA OS DEPUTACTS ABAIXAREM O REAJUSTE DE 22% PARA 6%. ESSES DEPUTACTS S[O ESQUECEM QUE QUANDO [E PARA AUMENTAR O CASCALHO DELES [E 50% DE AUMENTO.
    ISSO [E CASO DE POL[ICIA, PROCON.
    [E O QUE ACHO.

    GULIVERS PARA TODOS!

    PROFESSOR MINEIRO-RUSSO-TCHEKOLOV"ES-ANARQUIST"ES

    ResponderExcluir
  90. SÍNDROME DE BURNOUT
    Considera-se Síndrome de Burnout o estresse de caráter persistente vinculado à situação de trabalho, resultante da constante e repetitiva pressão emocional associada com intenso envolvimento com pessoas por longos períodos de tempo, levando o profissional da educação à completa ausência de fatores motivacionais e provocando a desistência do educador de manejar ou lidar com as solicitações externas ou internas, que são avaliadas por ele como excessivas ou acima de suas possibilidades.

    ResponderExcluir
  91. Ao que parece o Governador vai conseguindo tudo que queria:
    Desmobilizar o sindicato
    Dividir a categoria
    Eliminar possibilidade de greve
    Imaginem agora, o Brasil em peso paralisando e Minas Gerais sendo o único Estado que não se mobilizou.Vai ser um prato cheio para a próxima publicidade maldita.
    Imagine, então, a categoria desfiliando!!! Que presentão estaremos dando ao Anastasia!!
    Imaginem os demais Governadores parabenizando o Anastasia pela "bela" manobra para jogar o piso no lixo.Vão todos querer imitá-lo.
    Imaginem o narcisismo desenfreado deste sujeito.!!
    Jogo sujo.
    O blog do Euler tem cumprido uma importante função:deu voz a categoria.
    No entanto é muito importante que possamos direcionar nosso objetivo no sentido de reverter o AI5. Não vamos fornecer mais munição ao adversário.Vamos fazer um bom uso deste espaço. Sejamos inteligentes.
    Não está na hora de nos dividirmos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo das07:09.

      O governador de Minas não está eliminando a possibilidade de greve. Não misture as coisas. Somos nós quem decidimos quando e onde fazemos as nossas atividades, sendo a greve uma delas. Não vai ser por conta de uma paralisação de três dias convocada pela entidade que esteve ausente na nossa greve de 112 dias, que Minas vai ser vista de forma diferente.

      Aliás, já dissemos aqui que existem outras formas de manifestar a nossa indignação nestes três dias. O próprio calendário do sindicato envolve três tipos de atividades que podem ser realizadas sem a paralisação e o corte dos dias.

      Acho que precisamos poupar nossos recursos e energias para embates maiores, que sejam decisivos para as nossas conquistas. Essa paralisação de três dias não foi discutida com a base da categoria. Poderiam muito bem organizar atividades de pressão sobre os parlamentares, sobre o STF e sobre o governo federal, combinadas com matéria paga em jornais e manifestações de protesto em todo país, já que sobre os governos estaduais e municipais essa greve terá efeito muito pequeno.

      Quando era preciso parar o Brasil de forma organizada, como em 2011, a CNTE e a CUT se omitiram. Será que você cobrou isso da direção do sind-UTE no ano passado também, ou somente agora descobriu que é importante fazer uma paralisação nacional?

      Não estamos dividindo nada, estamos discutindo sobre quais as nossas melhores alternativas, coisa que a direção do sindicato não faz com a base da categoria. Ela não houve ninguém, toma suas decisões de acordo com os conchavos dos grupos políticos e depois empurra goela abaixo nas instâncias burocratizadas do sindicato. E quem quiser que acompanhe.

      Chega disso, colega. Vou participar de protestos, mas não vou parar nestes dias, a menos que o NDG e a base da categoria, de forma muito expressiva, deem sinais claros de que desejam participar da paralisação.

      Excluir
    2. Não é o governador e sim o próprio sindicato.

      Excluir
    3. Parabéns, Euler!!!!!!!!

      Excluir
  92. Piuí, piuí - Trem da alegria Hilari, hilaríê!29 de fevereiro de 2012 12:54

    Ao
    "Anônimo Feb 29, 2012 07:09 AM"
    ________________________________ mais do mesmo!

    Ao que parece alguns pelegos do SINDUTE insistem no discurso furado sobre divisão da categoria e contentamento do Anastazia.

    Estamos de saco cheio dessa direção que nada mais é farinha do mesmo saco da turma do PSDPRÊ. O longêvo mandato CUT/PETRALHAS/CNTE
    tem custado muito caro.

    Devolveremos em março a generosidade da CNTE quando alguns Estados entraram em greve e a entidade sumiu. Que vá fazer a categoria de boba nos quintos do inferno. Porque ninguém da direção aparece para explicar as atitudes dos governadores da BA e RS que são petistas? E o silêncio como estratégia da direção?
    Quero ver membro da direção subir em carro de som com bandeirolas CUT/CNTE vociferando para o pátio vazio da ALMG.

    Bia, abandone essa CUT/CNTE/PT/PSDPRÊ e venha para a BASE. Encontrará abrigo aqui. Você está cercada de cobras e pode sair com a imagem arranhada.

    A verdade é revolucionária!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beatriz, deste sindicato ainda temos você como pessoa com valores morais.

      Você está num ninho de cobras.

      O resto é resto...

      Excluir
    2. O sindicato está cavando sua própria sepultura.

      Excluir
    3. Beatriz, o seu lugar não é aí, junto com esta corja.

      Seu lugar é aqui, perto de nós.

      Excluir
    4. Parabéns, Piuí!!!

      Excluir
  93. Euler,

    Estou vendo o dia que o piso vai ultrapassar o subsidio (com as gratificações cortadas). Espero que todos que tenham votado contra a educação sofram derrotas políticas este ano!

    ResponderExcluir
  94. A QUAL "JUSTIÇA" A CATEGORIA QUE APELAR???

    Caro Euler e demais colegar professores,

    ao observar a tabela acima, no início do artigo do professor Euler, fiquei estarrecido.

    No meu caso, sou professor PEB 4B, com pós-graduação e 10 anos de carreira. Entretanto, meu salário é de apenas R$ 1.452,00, muito abaixo do que realmente teria direito a receber.

    De fato, as perdas são enormes, e tudo isso com a conivência dos poderes instituídos deste país, legislativo, executivo, judiciário, etc, tanto nos níveis municipais, estaduais e federais.

    Quanto a isso, causa-nos muita indignação, ver na mídia, o MEC, órgão do governo federal, divulgar um piso nacional dos professores, mas que na prática, não existe. Tudo não passa de uma grande farsa! O governo federal petista, se quisesse, poderia mudar tudo isso, exigindo que a lei fosse cumprida por estados e municípios. E por que ele não faz isso? Simples. Porque todos eles não passam de "farinha do mesmo saco" sujo, e nunca de importaram com a educação, com os professores,com a sociedade.

    Talvez muitos aqui ainda consigam acreditar em alguma possível boa-vontade de algum político supostamente "bem intencionado". Entretanto, nós, professores, temos todas as razões para não mais acreditarmos em nenhum partido político, em nenhuma sanguessuga que adentra o corrupto cenário político nacional. Observem por exemplo, os nomes dos bandidos travestidos de deputados, que jogaram nossa carreira na lata do lixo: são provenientes de diferentes denominações partidárias criadas somente para aprovar projetos corruptos do governo de Minas. Estes partidos "hienas" estão infestados de sanguessugas "lesa-pátria", que somente buscam seus próprios interesses escusos.

    Portanto, chegamos a um ponto que não podemos mais nos iludirmos com uma possível "virada de mesa" que, como um passe de mágica, reverteria toda esta situação.

    Percebo que muitos aqui falam em apelar para a "justiça". Mas que justiça existe neste país???!!! Temos provas suficientes para sabermos que neste cenário político podre, sujo e corrupto, não temos a mínima chance de mudar este quadro através da "justiça" deste país.

    Entendo que só conseguiremos reverter esta situação que nos aniquila, a partir do momento que, juntos, conseguirmos nos organizar como categoria, como classe. Assim, poderemos exigir de diversas formas que nossas reivindicações sejam atendidas. E o melhor instrumento que temos em mãos é a greve, que é nosso direito legal e constitucional. Entretanto, é preciso que cada vez mais os professores se conscientizem desta realidade. Nunca tivemos uma greve com adesão de pelo menos 50%. E uma adesão de 50% de professores em uma greve, levaria ao caos o sistema educacional do estado. Certamente que eles nos passariam a respeitar e atenderiam nossas reivindicações.

    O "sindeinútil" nunca conseguiu uma grande adesão às greves, porque sempre optou pelos conchavos politiqueiros, sempre foi atrelado a políticos espertalhões, que só buscam usar os professores como plataforma política. E também porque sempre não foi um sindicato democrático, transparente e aberto a discussão com a classe.

    Portanto, vamos cada vez mais utilizar este espaço aqui, para que possamos discutir propostas, sugerir alternativas e fortalecer a categoria. É preciso levar informação ao maior número possível de professores, principalmente aqueles que se recusam a entender que a greve é nossa principal forma de luta e resistência.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    Belo Horizonte - MG

    ResponderExcluir
  95. A QUAL "JUSTIÇA" A CATEGORIA QUE APELAR???

    Caro Euler e demais colegar professores,

    ao observar a tabela acima, no início do artigo do professor Euler, fiquei estarrecido.

    No meu caso, sou professor PEB 4B, com pós-graduação e 10 anos de carreira. Entretanto, meu salário é de apenas R$ 1.452,00, muito abaixo do que realmente teria direito a receber.

    De fato, as perdas são enormes, e tudo isso com a conivência dos poderes instituídos deste país, legislativo, executivo, judiciário, etc, tanto nos níveis municipais, estaduais e federais.

    Quanto a isso, causa-nos muita indignação, ver na mídia, o MEC, órgão do governo federal, divulgar um piso nacional dos professores, mas que na prática, não existe. Tudo não passa de uma grande farsa! O governo federal petista, se quisesse, poderia mudar tudo isso, exigindo que a lei fosse cumprida por estados e municípios. E por que ele não faz isso? Simples. Porque todos eles não passam de "farinha do mesmo saco" sujo, e nunca de importaram com a educação, com os professores,com a sociedade.

    Talvez muitos aqui ainda consigam acreditar em alguma possível boa-vontade de algum político supostamente "bem intencionado". Entretanto, nós, professores, temos todas as razões para não mais acreditarmos em nenhum partido político, em nenhuma sanguessuga que adentra o corrupto cenário político nacional. Observem por exemplo, os nomes dos bandidos travestidos de deputados, que jogaram nossa carreira na lata do lixo: são provenientes de diferentes denominações partidárias criadas somente para aprovar projetos corruptos do governo de Minas. Estes partidos "hienas" estão infestados de sanguessugas "lesa-pátria", que somente buscam seus próprios interesses escusos.

    Portanto, chegamos a um ponto que não podemos mais nos iludirmos com uma possível "virada de mesa" que, como um passe de mágica, reverteria toda esta situação.

    Percebo que muitos aqui falam em apelar para a "justiça". Mas que justiça existe neste país???!!! Temos provas suficientes para sabermos que neste cenário político podre, sujo e corrupto, não temos a mínima chance de mudar este quadro através da "justiça" deste país.

    Entendo que só conseguiremos reverter esta situação que nos aniquila, a partir do momento que, juntos, conseguirmos nos organizar como categoria, como classe. Assim, poderemos exigir de diversas formas que nossas reivindicações sejam atendidas. E o melhor instrumento que temos em mãos é a greve, que é nosso direito legal e constitucional. Entretanto, é preciso que cada vez mais os professores se conscientizem desta realidade. Nunca tivemos uma greve com adesão de pelo menos 50%. E uma adesão de 50% de professores em uma greve, levaria ao caos o sistema educacional do estado. Certamente que eles nos passariam a respeitar e atenderiam nossas reivindicações.

    O "sindeinútil" nunca conseguiu uma grande adesão às greves, porque sempre optou pelos conchavos politiqueiros, sempre foi atrelado a políticos espertalhões, que só buscam usar os professores como plataforma política. E também porque sempre não foi um sindicato democrático, transparente e aberto a discussão com a classe.

    Portanto, vamos cada vez mais utilizar este espaço aqui, para que possamos discutir propostas, sugerir alternativas e fortalecer a categoria. É preciso levar informação ao maior número possível de professores, principalmente aqueles que se recusam a entender que a greve é nossa principal forma de luta e resistência.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    Belo Horizonte - MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CONCORDO plenamente e apesar dos pesares estes "políticos espertalhões e aproveitadores",são os únicos que aparecem para nos ajudar.São os únicos que sobem nos palanques e nas assembleias para transmitirem nossas ideias,nossos desejos, nossos direitos. Não estamos em condições de rejeitar ajuda.Independente de partido quem vier a nosso favor tem que ser bem vindo. GREVE SIM. Dias 14, 15 e 16. Estarei lá firme.

      Excluir
  96. Diga SIM À GREVE NACIONAL DIAS 14, 15 e 16 de MARÇO.
    TODOS UNIDOS!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, se quisermos lutar pelo PISO temos que participar de todos os movimentos possíveis, se não aderirmos a greve nacional com certeza o desgovernador anestasia vai considerar que estamos satisfeitos com o famigerado subisídio. não vamos ser ingênuos, se é essa a forma que temos, no momento, de luta então que façamos parte do movimento do começo ao fim.

      Excluir
  97. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, defendeu nesta quarta-feira, o reajuste do piso salarial dos professores, atualizado na última segunda-feira. O ministério definiu para este ano o valor de R$ 1.451 por mês, o que representa um aumento de 22,22% em relação ao ano passado. Mercadante admitiu que o reajuste foi "forte", mas afirmou que a medida é necessária para garantir aos professores "salários competitivos".

    "Evidente que é um esforço muito grande para Estados e prefeituras (o reajuste), não há que se negar", disse o ministro em audiência pública na Comissão de Educação e Cultura do Senado. "O professor tem que ter um salário competitivo em relação a outras profissões que ele possa aderir".

    Ontem, governadores de dez Estados e vários prefeitos desembarcaram em Brasília para cobrar no Senado a mudança do parâmetro usado para reajustar o piso dos professores. Dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) indicam que o impacto financeiro para as prefeituras com a elevação dos salários será de R$ 7 bilhões. A conta considera o gasto com os inativos. A entidade diz que, sem a ajuda da União, o piso provocará desequilíbrio nas prefeituras.
    Mercadante disse que é preciso alcançar um "equilíbrio" na questão do salário dos professores. Ele disse que no Congresso pode ser rediscutido o índice de reajuste adotado. Uma lei de 2008 determina que o aumento considere o gasto por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Escola Básica (Fundeb). Prefeitos e governadores defendem a adoção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

    Na sua exposição, Mercadante fez uma sugestão, que classificou como "individual" e não uma posição de governo, para garantir recursos para a educação no médio prazo. Ele pediu ao Congresso que aprove a destinação de um terço dos royalties recursos do pré-sal sejam repassadas ao longo de dez anos para a área. "Por que não discutimos educação e pré-sal juntos?", questionou.

    Ao responder a uma pergunta do presidente da comissão, senador Roberto Requião (PMDB-RR), o ministro ressaltou que a elevação dos salários dos professores tem que ser acompanhada da "melhoria na qualidade de ensino no País". Para ele, o Estado tem de assegurar o direito do aluno à aprendizagem. Ele disse que o ministério pretende se valer de novas tecnologias para melhorar a aprendizagem, como computadores, tablets e ensino à distância.

    OUTRO FALASTRÃO??????SOCORROOOO!

    ResponderExcluir
  98. Beatriz,

    Com este procedimento de escolher comentários para o seu blog, isto não é bom.

    Perca o medo e publique todos "possíveis".

    Você será criticada e também será defendida e elogiada.

    Além do mais, COMUNICAÇÃO É TUDO.

    Perca este medo, seja mais democrática, comunique mais.

    ResponderExcluir
  99. Olá pessoal!

    Notícia do "Estrago de Minas"

    [1] - Crimes violentos cresceram quase 11% em MG
    [2] - Prédio do TJMG corre o risco de desabar

    Essa gestão do Anastazista é uma piada. Cadê o exitoso choque de gestão? Será que os "Diários Associados" resolveram tirar uma casquinha no Anastazista e Andrea Neves por conta de um possível atraso das verbas de publicidade? kkkkkkkkkkk....

    NDG: abra o blog Belatriz!
    - eu não abro não!
    - você vem só de zueira, pra me dar uma canseira bem longe ó meu povão...

    O Sindute caminha sonâmbulo para a obscuridade!

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESTRAGO DE MINAS ! ADOREI!

      Excluir
    2. "ESTRAGO DE MINAS" O GRANDE JORNAL DOS BANHEIROS PÚBLICOS.



      ANASTASIA, O PIOR GOVERNADOR DE TODOS OS TEMPOS.

      Excluir
  100. Prof. Euler, acredito que devemos, mesmo, pensar melhor numa manifestação contra esses governos autoritários, os quais sob a liderança do governador de Minas vêm tentando impor ao País suas determinações, haja vista a questão da PEC 300 que asseguraria aos militares um Piso Salarial Nacional, e que um grupo de governadores, pelo menos por enquanto, conseguiu barrar, tudo isso sempre sob a liderança do governador mineiro, cuja especialidade é ludibriar e "dar rasteiras" nos profissionais. Por essas razões devemos manifestar e mostrar à sociedade brasileira o nosso descontentamento com a política impetrada na área da educação pelo desgovernador mineiro, todavia sem deixar de enfatizar, ainda, o descontentamento, também, pelo governo federal que não manifestou apoio algum aos educadores pelo país no período das paralisações, em 20122,aliás nem a CNTE como é do conhecimento de todos nós. Então paralisar esses 3 dias, talvez não seja mesmo a melhor maneira de reivindicar nossos direitos. Até porque ninguém mais está com disposição de respaldar CNTE, CUT ete, etc. Podem guardar as bandeirinhas, pelo menos por aqui, pelas Gerais. Menos bandeiras e mais ações!! Daqui para frente não vamos mais patrocinar pretensões de quem quer que seja. A leitura já está feita!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já que acha que está tão certo assim, qual é a sua sugestão? Qual é a sua bandeira?

      Excluir
  101. GRAÇA:

    Eliana Calmon, corregedora nacional do CNJ

    ‘Não tenho medo dos maus juízes, mas do silêncio dos bons juízes’

    "Luto pela magistratura séria, e que não pode ser confundida, nem misturada com meia dúzia de vagabundos infiltrados na magistratura."


    A corregedora nacional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Eliana Calmon (foto acima), participa nesta terça-feira de uma audiência publica na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) no Senado Federal, para debater propostas de emendas à Constituição que asseguram e concedem mais poder ao Conselho. Ela afirmou que a principal dificuldade do órgão que comanda é julgar juizes de segundo grau.

    - Estes são os mais deletérios quando se enveredam no mal – disse.

    A ministra ainda afirmou que trabalha pelos “bons juízes”:

    - Luto pela magistratura séria, e que não pode ser confundida, nem misturada como meia dúzia de vagabundos infiltrados na magistratura.

    Eliana afirmou, no Senado, que queria muito ser corregedora “para fazer um pouco mais, para fazer um mea culpa do Poder Judiciário, para falar para nossos juízes que não estamos bem”.

    A corregedora também criticou as corregedorias locais, onde, segundo ela, há sempre muita dificuldade de investigar juízes. Segundo Eliana, esses órgãos estão “absolutamente despreparados” para atender à demanda necessária.

    - Há um ranço de uma civilização bonapartista - disse Eliana.

    A ministra disse que o CNJ não é um tribunal de exceção e que não garante ampla defesa. É um órgão que, segundo ela, investiga sigilosamente, e se houver necessidade de sindicância, é o plenário quem vai tomar essa decisão.‘Não tenho medo dos maus juízes, mas do silêncio dos bons juízes’

    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/

    ResponderExcluir
  102. ABAIXO-ASSINADO CONTRA O SEU ANASTASIA

    Caros colegas professores,

    ao assistirmos e também sofrermos tantas retaliações do governo de Minas contra nós, professores,e também contra a sociedade, que também sofre as consequências de uma educação sucateada, vamos propor um abaixo-assinado exigindo a culpabilidade do seu anastasia.

    Mesmo sabendo que a "justiça" deste país é conchavada, acho que vale a pena, pois no futuro, alguém com bom-senso, poderá impetrar um processo contra este governadorzinho de araque.

    Portanto, sugiro ao Blog do Euler e aos demais colegas, que iniciemos um abaixo-assinado, exigindo que este déspota seja responsabilizado pelas atrocidades que tem cometido contra a sociedade de Minas Gerais.

    Somos milhares de professores, e mesmo aqueles que não aderem aos movimentos grevistas, certamente também assinarão o documento. O certo é que temos de fazer alguma coisa para penalizar esta figura pictórica que foi colocada no governo de Minas Gerais.

    O que vocês acham?


    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raimundo,estou a favor,já havia pensado nisto.Vamos para as ruas colher assinaturas .Depois enviaremos para o congresso.GENTE, um lembrete,vamos apoiar as paralisações dos dias 14,15 e 16. 100% de adesão!

      Excluir
  103. Caros colegas, ontem a deputada pernambucana Fátima Bezerra, demonstrou, numa matéria na Folha de S. Paulo, ser favorável à modificação no cálculo dos salários dos educadores, percebam pela matéria postada,hoje, por um colega, que o próprio Ministro demonstra, também, ser favorável à mudança, com esses apoios explícitos, podemos ficar atentos e colocarmos nossas barbas de molho, pois está sujeito o HITLER das Alterosas, juntamente com os seus 5 discípulos conseguirem com outros CORDEIRINHOS de Brasília essa mudança na lei e mais, respaldados pelo próprio governo, pois Fátima Bezerra e Mercadante são do PT!! A turminha de Minas e a de Brasília são bem parecidas!!

    ResponderExcluir
  104. Euler, Fiz uma denúncia ao MP e olha só o que responderam:


    O Governo de Minas Gerais está desobedecendo a Lei Federal 11.738 de 16/07/2008 que institui o Piso Nacional dos Profissionais do Magistério.
    Não está cumprindo a Lei Federal, está pagando aos servidores da Educação com Subsídio e com isto está prejudicando todos os servidores.O Estado de Minas tem que obedecer a Constituição do País Brasil e não afrontá-la abertamente como está fazendo.Nos "obrigou" a um sistema de remuneração que desvaloriza a Carreira no Magistério!
    Histórico
    28/02/2012 - 10:13:00: Em análise
    28/02/2012 - 11:35:00: Classificada
    28/02/2012 - 11:35:00: Providência reportada
    28/02/2012 - 11:36:00: Finalizado
    Classificação
    Assunto: Entes externos - Educação
    Comarca:
    Promotoria:
    Providências
    28/02/2012 - 11:35:00
    Núm. Inquérito:0
    Agradecemos seu contato. Sugerimos que sua manifestação seja encaminhada à Coordenadoria de Defesa da Educação, que detém atribuições para conhecimento e para esclarecimentos sobre o caso em questão.
    Desejando, dirija-se diretamente ou entre em contato:
    Coordenadoria Estadual De Defesa Da Educação
    Sigla: CPEDUCBH
    Endereço: Avenida Av. Raja Gabáglia, 615, 1º Andar, 615 -
    Bairro: Cidade Jardim
    Cidade: Belo Horizonte, MG
    CEP: 30380-090
    Telefones:
    (031) 3250-6318 - Telefone Direto
    (031) 3250-6314 - Telefone Direto
    (031) 3250-6332 - Telefone Direto

    Atenciosamente,
    Ouvidoria do MPMG




    Aparecida

    ResponderExcluir
  105. caros colegas efetivos,
    e a nossa situação? ninguém mais fala sobre isto? vamos compactuar com essa corja de bandidos da justiça? vamos ficar calados e aceitar que o nosso concurso e nada seja a mesma coisa? além do piso, temos que ficar atentos ao que nos resta de direito. hoje nos é tirado o direito à escolha, amanhã a estabilidade...

    ResponderExcluir
  106. TUDO EM MINAS É MENTIRA

    Números da criminalidade em Minas podem ser alvo de auditoria

    Crimes violentos aumentaram cerca de 11% em 2011 em Minas Gerais, conforme números divulgados nesta quarta-feira (29)

    ResponderExcluir
  107. SÓ PARA RELAXAR

    QUE TAL INDICE DE AUMENTO PELO INDICE DO JUDUCIÁRIO OU PELO SAL DOS DEPUTADOS?

    ENQUANTO DÃO 60% PARA ELES, QUEREM DAR 6¢ PARA NÓS, PRESISAMOS DE UMA RESOLTA POPULAR, PRECISAMOS DE SANGUE NA VEIA.

    ResponderExcluir
  108. Sindicato cobra diferença salarial decorrente da mudança de remuneração

    O Departamento jurídico do Sind-UTE/MG iniciou o ajuizamento de ações para requerer a diferença salarial ocorrida para os servidores que retornaram à remuneração de vencimento básico e vantagens em 2011. Esta ação faz parte da estratégia de recorrer ao judiciário para tentar reverter questões relacionadas à forma de remuneração.

    Em 2011, o governo do estado deveria ter atualizado a tabela de vencimento básico de modo a cumprir a lei federal 11.738/11 e pagar o Piso Salarial Profissional Nacional. No entanto, o governo mineiro continuou descumprindo a legislação e pagando vencimento básico de R$ 369,00 para professor com nível médio de escolaridade. O retorno à remuneração de vencimento básico feito pela categoria teve o objetivo de ver cumprida a lei federal com a alteração no vencimento básico com repercussão nas vantagens e gratificações pessoais.


    Documentação necessária para a propositura da ação:

    - Cópia dos documentos pessoais: de CI e CPF.

    - Procuração e declaração de pobreza (disponíveis no site e nas subsedes).

    - Os contracheques a partir de janeiro do ano de 2010 até a presença data (todos).

    - Ficha de filiação preenchida caso o/a servidor/a não seja filiado/a ao sindicato.

    - Relatório especificando a ação que o servidor deseja participar (disponível no site e nas subsedes).

    Prescrição: os valores referentes às vantagens que não foram pagas serão limitados ao prazo de 05 (cinco) anos anteriores à data da propositura da ação judicial. Para fazer jus à restituição integral da diferença salarial, o prazo máximo para envio da documentação é de dezembro/2014.

    A documentação deve ser enviada ao Departamento Jurídico, aos cuidados da advogada Daniela Oliveira. Endereço: Rua Ipiranga, 80 - Floresta - Belo Horizonte /Minas Gerais - CEP 31.015-180.

    ResponderExcluir