segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Precisamos fortalecer uma política sindical autônoma, de luta, de classe e pela base


Este é o mapa da política nacional para a valorização dos profissionais da Educação básica: o piso salarial dos profissionais do magistério é reajustado nacionalmente em 22,22%, mas em Minas Gerais, um outro território, a realidade é diferente. Os educadores receberão um reajuste de apenas 5% em abril de 2012.

***

Precisamos fortalecer uma política sindical autônoma, de luta, de classe e pela base

Nos últimos meses, a questão do sindicato tem estado em evidência na nossa categoria. Talvez porque a categoria tenha, de um lado, lutado bravamente por seus direitos; e de outro, apesar disso, tenha sofrido muitas perdas impostas pelos governos de Minas, atual e anterior. Fica evidenciado que há falhas na condução da luta da categoria, representada pelo Sind-UTE.

Inicialmente, quero deixar claro que, apesar de respeitar as diversas opiniões, não sou partidário da desfiliação do sind-UTE, por entender que vivemos um momento delicado, de certa forma decisivo, para recuperar a nossa unidade e conquistar os nossos direitos, especialmente o piso e a carreira.

Neste processo de luta contra o governo de Minas, que destruiu nossa carreira, e que deveria ser também contra o governo federal, que se omitiu covardemente, percebemos que há muitos elementos conjunturais envolvidos, que contribuem com a dramática realidade que vivemos. O governo de Minas, na gestão do faraó e do seu afilhado, tem apostado e investido na divisão da categoria. Fez isso logo na primeira reforma em 2003, quando retirou direitos dos novatos. E continuou com essa política deliberada de dividir para governar. Com o subsídio aconteceu a mesma coisa: o governo montou uma armadilha para impedir que muitos deixassem o subsídio, enquanto castigou aqueles que optaram pelo vencimento básico, que é o sistema original do nosso plano de carreira, agora destruído. A mais recente prática voltada para nos dividir ocorreu com o advento da Resolução 2.018, quando o governo simula uma suposta igualdade funcional entre efetivos e efetivados na escolha das turmas.

Mas, todos esses elementos teriam surtido um efeito bem menor ou quase insignificante se a categoria estivesse unida em torno de uma compreensão comum do que realmente é importante para todos. E aí entra o papel do sindicato. Teoricamente falando, o sindicato somos todos nós. Na prática, contudo, a realidade é outra. Dada à cultura disseminada ao longo dos anos de que a direção é quem faz e acontece, cabendo à base respaldar e esperar, a categoria ficou à mercê dos ataques do governo.

A direção sindical, nas mãos de uma única corrente política, ligada ao projeto de poder do governo federal, não conseguiu organizar e unir a categoria para enfrentar os ataques do governo - e não apenas do atual. Houve falhas na comunicação com a categoria e com a comunidade, bem como, subestimou-se a área jurídica, e superestimou-se a ação junto ao legislativo, através de alguns deputados. O dado mais relevante da nossa luta, que foram as duas grandes greves de 2010 e 2011, realizou-se em meio a este contexto, de uma direção com grandes dificuldades de comunicação e de defesa da categoria na área jurídica, e do apoio isolado de alguns deputados.

Outros elementos de conjuntura e até estruturais - como o papel pró-governo da justiça, da mídia, do legislativo, e do MP de Minas - não podem ser desconsiderados. Mas mesmo estes fatores poderiam ter sido atenuados se a categoria estivesse unida pela base, se houvesse uma comunicação mais ágil e eficiente, e uma assistência jurídica adequada.

Ainda que formalmente a direção sindical tenha feito a defesa do piso e da carreira dos educadores de Minas, na prática esta defesa mostrou-se fragilizada em função de algumas conveniências políticas do grupo que dirige o sindicato. Por exemplo: na questão do valor do piso, era conveniente para a direção, ligada à CNTE, defender o valor proposto por esta entidade, ao invés do valor do MEC. Estava claro que o governo exploraria esse fato, como mencionamos aqui desde o primeiro momento. Mas a direção insistiu, por teimosia, em manter a defesa da proposta do valor do piso mais elevado, que deveria ser cobrada em Brasília, do ministro do MEC, e não do governo de Minas. Pelo menos naquele momento, em 2011.

Somente mais tarde a direção sindical mudou a proposta para o piso do MEC, mas aí o governo de Minas já havia divulgado na mídia que a nossa proposta não existia oficialmente, de acordo com o piso do MEC. As negociações com o governo, após a greve de 112 dias, revelaram-se um grande fiasco. Nenhum registro formal das discussões nas muitas reuniões, facilitando o jogo de empurra do governo, e desarmando a categoria para uma reação. As reuniões acontecendo, enquanto a categoria permanecia sem salário, sofrendo grande pressão.

O resultado é aquele que conhecemos: o governo enrolou o quanto pode, até apresentar as alterações no subsídio, que nada tem a ver com o nosso piso na carreira. A categoria desgastada, sem dinheiro para sobrevivência, não teve força para impedir que cinco dezenas de picaretas na assembleia homologativa destruíssem a carreira dos profissionais da Educação de Minas, burlando a lei federal, que determinara a aplicação do piso na carreira.

Diante da derrota que sofremos, esperava-se que a direção sindical procurasse estabelecer um diálogo com a categoria, com a base, com as lideranças regionais, e de forma segura e democrática, ajudasse a construir ou a reconstruir a unidade da categoria para novos embates. Naquela altura, a categoria era castigada, mas não responsabilizava isoladamente a direção pelas derrotas sofridas. O maior culpado fora o governo de Minas, dizíamos aqui, enquanto buscávamos levantar o moral da nossa combativa turma, bastante combalida pelo desgaste do longo e prolongado embate contra o governo.

De uma certa forma, lideranças do NDG deram a deixa para este novo momento, iniciando um processo de discussão sobre os rumos da nossa luta, do sindicato, e a necessidade de se realizar um trabalho pela base, fazendo as críticas que cada um julgou necessário fazer. Mas, para a surpresa geral, a direção sindical tirou uma carta na manga, com uma suposta solução: o congresso em Araxá. Sem qualquer consulta prévia às lideranças do NDG, de BH e do Interior, e demais combatentes da categoria, o tema foi apresentado em reunião do comando de greve em dezembro - numa reunião, diga-se, bem esvaziada e na qual o grupo Articulação se preparou para fazer aprovar o seu novo plano. Até mesmo uma reunião do grupo fora realizada na sequência da reunião do comando, com a presença de dirigente da CUT, que lá aparecera para falar durante longo tempo.

Fiz esse breve histórico para mostrar o quanto as questões da nossa categoria acabam sendo conduzidas por interesses do grupo que há 30 anos monopoliza a direção do sindicato. Uma coisa é se construir uma decisão por consenso ou mesmo através de um processo reconhecidamente democrático, quando a parte vencida reconhece a opção feita pela maioria, e aceita encaminhar as decisões tomadas. Outra coisa, bem diferente, é o método burocrático de gestão, com aparência de democrático. É o que temos assistido no sindicato, em várias assembleias, nas reuniões de conselhos de delegados (não em todas, obviamente) e especialmente nos congressos. Realizados sem uma rica discussão, a força da máquina sindical pesa em favor da direção, que tem contatos com as subsedes, que negocia se libera ou não algum recurso pendente, etc. Seja com governo, com partido, ou com sindicato, a máquina de poder, quando usada de forma burocratizada, resulta sempre em práticas muito semelhantes.

Para mim está claro que o sindicato precisa passar por um processo de mudança na sua direção e na sua concepção sindical - de democracia, de liderança, de organização, etc. Mais uma gestão com o grupo Articulação à frente do Sind-UTE pode resultar na morte do sindicato, de forma definitiva. Não é o governo quem vai destruir o sindicato, mas a própria concepção sindical, de aparelho dominado por uma única corrente, que exclui lideranças do movimento, que não tem autonomia para criticar o governo federal (ou o estadual, caso o PT ganhe o governo), quando necessário, e que não consegue organizar a unidade da categoria para enfrentar o governo em todos os níveis.

Mesmo diante de todo esse quadro, o NDG da grande BH, em reunião, decidiu participar do congresso de Araxá. Confesso-lhes que fui contra, mas aceitei os argumentos da maioria, de que era importante participar. Uma parcela majoritária das lideranças do NDG presentes às reuniões (as quais relatei aqui no blog) defendia que o estatuto do sindicato fosse alterado, para que a proporcionalidade na direção fosse implantada. Significa que numa eleição sindical, havendo mais de uma chapa concorrente, os seus membros estariam representados na direção, na proporção dos votos alcançados. O grupo Articulação foi contra e conseguiu que a maioria do congresso de Araxá mantivesse a forma atual; ou seja: a chapa que tiver maioria simples dos votos indicará todos os cargos da direção, excluindo as outras correntes ou lideranças do movimento.

O argumento central trabalhado pela Articulação foi o de que o governo poderia lançar uma chapa e com isso teria algum percentual de participação na direção. Claro que este argumento tem também o efeito contrário, pois o mesmo governo poderá, teoricamente, obter a maioria simples dos votos e ficar com toda a direção. Numa proporcionalidade, teoricamnente falando, ele ficaria em minoria, se não obtivesse mais que 50% dos votos. Logo, a proposta da Articulação é boa para o governo e muito boa para a Articulação, que domina a máquina sindical e tem todas as condições de atingir a maioria dos votos. A única força capaz de concorrer com a direção sindical em termos de máquina é o governo, já que o NDG, por exemplo, não tem máquina, não tem dinheiro, não tem servidores com disponibilidade de tempo para visitar as subsedes, etc.

Apesar dessa realidade, eu concordo com o Rômulo, com a Marly, com o João Paulo e com outras lideranças do nosso movimento: não é hora, ainda, de se falar em desfiliação do sind-UTE. Temos sim que discutir as melhores propostas para unir a nossa categoria pela base, e corrigir algumas falhas elementares cometidas pela direção sindical. Uma delas, na área jurídica. Não ficou claro, ainda, para a categoria, qual é a estratégia do sindicato para cobrar na Justiça o nosso piso na carreira, entre outras demandas. Do que eu vi e ouvi no congresso, no pouco tempo dedicado a este tema, não gostei, como já relatei aqui. Na ânsia de monopolizar todas as decisões, a atual direção acaba sendo responsabilizada por tudo mesmo, pois não consegue partilhar o poder decisório. Quando o NDG falou em criar uma comissão de acompanhamento jurídico, formada por pessoas da base da categoria, a direção interpretou como se quiséssemos destituí-la. Queríamos apenas democratizar.

É preciso retomar o trabalho de base, como sugeriu o Rômulo, a Marly, a Liliane, entre outros colegas. Talvez seja o caso também de fortalecer algumas subsedes, onde haja lideranças com disposição e com o compromisso de realizar um diálogo horizontal com a base da categoria. O objetivo central é conquistar a unidade da categoria para enfrentar os governos e conquistar o piso e a carreira, entre outras demandas. A nossa categoria tem um número muito grande de lideranças, e esta realidade deve se expressar de forma coletiva, sem desprezar, obviamente, as contribuições pessoais de cada colega. Durante as reuniões do NDG da Grande BH discutimos que é preciso construir uma direção coletiva, uma liderança coletiva, procurando superar o culto à personalidade.

Espero que essa discussão, sobre os rumos do nosso movimento, aconteça em todas as escolas de Minas Gerais. E que ela seja compartilhada nas redes sociais, nos blogs, no Facebook, etc., que se tornaram os mecanismos mais ágeis e independentes de comunicação horizontal entre os de baixo. Precisamos fortalecer a nossa unidade pela base e colocar o sindicato que nos representa nos trilhos, ou seja, na defesa intransigente dos nossos interesses de classe, do nosso piso na carreira, e da autonomia em relação aos partidos e aos governos.

Um forte abraço a todos e força na luta! Até a nossa vitória!

***

118 comentários:

  1. Oi euler
    Alguma novidade na nossa luta?
    Será que pelo menos o 1/3 de carga horária será implantada?


    Vamos a luta!


    Abraço
    Carol-BH

    ResponderExcluir
  2. Seu texto, professor, poderia terminar assim: DISSE! porque DISSE mesmo! Essa é a diferença. Não adianta bradar, se chatear se não consegue DIZER!! Quem DIZ, DIZ! Argumentação faz falta, ninguém vai advinhar as intenções do outro, se ele não as expõem, então...

    ResponderExcluir
  3. Comentem no TEMPO:

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=196778,OTE

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Prof Euler,

    Muito bom seus texto, como sempre!

    Porém...contudo...todavia... desanima saber que voce parece disposto a aguardar " a reforma" do sindicato, que apesar de necessária, não acontecerá a tempo de solucionar nossos problemas com a urgencia urgentíssima que precisamos.

    Desfiliação em massa não é a solução, concordo, mas com a diretoria e subsedes já dominadas, como agilizar as mudanças necessárias?

    Quando lemos seu blog, animamos, porém, quando vemos a realidade e o desanimo que imperam nas escolas, é difícil acreditar em mobilização das bases, etc etc

    O sindicato é mais lento que jabuti manco!
    O governo deita e rola e os professores pagam o pato!

    Ja perdemos tempo demais, demais!

    Ana C

    ResponderExcluir
  5. Caro Euler, parabens pela proposta.Igarapé

    ResponderExcluir
  6. Companheiro Euler, não acho que seja hora (ainda não) de desfiliarmos.Sei que é a vontade da maioria que leva a nossa luta a sério, pois já estamos cansados de sermos ludibriados por uma direção que só está pensando em coluio partidário, mas é um desaforo deixarmos uma entidade que é mantida por nós, fazer o que quer.Essa que deve ser a nossa atitude: mobilizarmos e EXIGIR que NOS REPRESENTEM REALMENTE OU ENTÃO QUE CAIAM FORA! Como o movimento lacerda,faremos também o movimento sindute: Fora aqueles que querem nos vender, porque o Sindicato é nosso e não podem fazer o que querem sem a nossa consulta. Vamos fazer um MEGA MOVIMENTO PARA MUDAR O ESTATUTO DO SINDICATO.ISSO EM TODA MINAS GERAIS! VAMOS MOSTRAR QUE UMA CATEGORIA UNIDA FAZ A DIFERENÇA SIM!!!!!
    Continuo aqui no interior sem perder as esperanças, mas muito revoltada com todo este descaso que estamos tendo de uma entidade que É MANTIDA POR NÓS!
    Sem perder a fé, VAMOS QUE A LUTA CONTINUA! Abraços e até....

    ResponderExcluir
  7. Alguém tem alguma informação sobre o pgto da reposição? Pois no contracheque do próximo pgto não há.

    ResponderExcluir
  8. Euller,que o Sindute tem se mostrado inoperante para os educadores,isto é fato.Porém,tem algumas questões que eu gostaria de entender.Durante a greve de 2010,o Sindute foi multado,sendo que, durante as negociações para o término da mesma,foi definido que as multas seriam perdoadas.Em 2011 o Sindute também foi multado,e no entanto,pelo que eu participei e lí durante e após o período da greve,não sei o que aconteceu com as multas impostas pela justiça ao Sindute.Após a greve de 2011,tenho tido a impressão de que estamos mais vendidos do que antes.Espero que os defensores do Sindute possam clarear estas dúvidas para mim e para os leitores do Blog.Quanto à desfiliação em massa,creio que seja melhor esperarmos as próximas eleições,dando o troco nas urnas.Edilson,Virgolândia e Nacip Raydan.

    ResponderExcluir
  9. Grande Euler, sábias palavras. Com relação à Lei do Piso, fora a falha redação da proporcionalidade, ainda há um agravante: a CNTE sempre defendeu o piso do DIEESE, e pra 20 horas. Depois que criaram esse piso fajuto, a CNTE abandonou essa luta, nos colocando uma proposta rebaixada.
    Divulgue o blog do movimento Educação em Luta Contagem: www.educacaoemlutacontagem.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Estou indo agora fazer um empréstimo no "banco do povo", comprar uma bela caneta de ouro, para assinar junto com você Euler, este texto.

    Mas me fica uma dúvida, se há sinais de favorecimento e liberações de verbas da direção do Sind para subsedes e "diretoras amigas", há que se pensar sim em substituição.
    Ora se o time que está em campo, está perdendo e correndo o risco de levar de goleada, há que se substituir sim.
    Desfaz-se esta equipe e monta-se uma outra, simples assim.

    Não se trata de desfiliação em massa, mas de filiar em algo que nos represente realmente de fato.

    Antônio Carlos - Sul de Minas

    ResponderExcluir
  11. SIM A UM NOVO SINDICATO

    Caros colegas professores,

    em 10 anos como professor estadual, nunca quis me sindicalizar, pois, desde o início de minha carreira, já tinha tomado conhecimento das tramoias politiqueiras do sindicato. Entretanto, mesmo não sendo sindicalizado, participei ativamente de todas as paralisações e greves sugeridas pelo sindeute-mg, pois entendo que a greve é nosso maior e melhor instrumento de luta, legal e constitucional.

    O tempo passou, veio uma nova composição da diretoria do sindeute-mg, mas foi o suficiente para fazer com que eu me interessasse pela sindicalização, uma vez que os conchavos politiqueiros nos bastidores continuavam os mesmos.

    De fato, em 10 anos como professor estadual de Minas Gerais, só acumulei retaliações e achatamento salarial por parte do governo estadual. No entanto, o sindeute-mg continuava a mesma manobra politiqueira, propondo paralisações e greves, numa encenação politiqueira para enganar os mais incautos. Em algumas greves, particularmente, a greve de 2010, que se fortalecia a cada dia, cheguei a pensar que conseguiríamos nossos objetivos. Entretanto, de forma bizarra,a direção do sindeute-mg, mais uma vez, decretou o fim da greve. Antes da votação para determinar os rumos do movimento, cheguei a subir até o palanque da diretora do sindeute-mg e disse a ela que havia muitos infiltrados no pátio da Assembléia Legislativa, possivelmente colocados ali a mando do governo estadual. Bastava uma olhadela para ver que muitos ali não eram professores, mas sim, pais de alunos, alunos, etc. Quando tentei advertir a diretora do sindeute-mg daquela situação, ela simplesmente fingiu não saber de nada, dizendo que tudo estava normal, que a greve continuaria. Não deu outra: quando as mãos se levantaram, o grande número de infiltrados conseguiu se equipar com o número de professores que queriam a continuidade da greve. Mas mesmo assim, não estando muito claro quem era o vencedor, a diretora do sindeute-mg optou pela não-continuidade da greve. Esta atitude decepcionou a todos que tinham estado ali e esperavam um melhor resultado do movimento.

    Na greve de 2011 não foi diferente: a mesmas promessas demagógicas de que só voltaríamos a trabalhar com o piso nacional implantado, etc, foram criando falsas expectativas nas cabeças dos professores. Entretanto, a direção do sindeute-mg sabia muito bem que isso não seria possível com uma baixíssima adesão da classe. E para manter as falsas expectativas, o sindeute-mg sempre alegava que a adesão já atingira 50% no estado. Que grande mentira! Se tivéssemos uma adesão de 50% de professores, teríamos um caos no sistema educacional do estado e, assim, dobraríamos o governo.

    Portanto, as mentiras do sindeute-mg nunca me enganaram. Os seus conchavos politiqueiros com deputados petistas são provas contundentes de que os professores de Minas Gerais têm servido de plataforma política para estes sanguessugas "lesa-pátria".

    O fato é que, em todos estes anos, não conseguimos nada, nadinha que pudesse ser considerado uma vitória por parte da categoria.

    Portanto, é hora de optarmos por um novo sindicato, mas agressivo, mais transparente, mais democrático, menos politiqueiro e conchavista.

    Fora sindeute-mg!

    Sim ao um novo sindicato!!!

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
  12. Caro Euler, a própria lei do piso salarial tem elementos dúbios em sua elaboração, primeiro irei expô-la abaixo:


    LEI Nº 11.738, DE 16 DE JULHO DE 2008.
    Mensagem de veto
    Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica.
    O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
    Art. 1o Esta Lei regulamenta o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica a que se refere a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.
    Art. 2o O piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica será de R$ 950,00 (novecentos e cinqüenta reais) mensais, para a formação em nível médio, na modalidade Normal, prevista no art. 62 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
    § 1o O piso salarial profissional nacional é o valor abaixo do qual a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios não poderão fixar o vencimento inicial das Carreiras do magistério público da educação básica, para a jornada de, no máximo, 40 (quarenta) horas semanais.
    § 2o Por profissionais do magistério público da educação básica entendem-se aqueles que desempenham as atividades de docência ou as de suporte pedagógico à docência, isto é, direção ou administração, planejamento, inspeção, supervisão, orientação e coordenação educacionais, exercidas no âmbito das unidades escolares de educação básica, em suas diversas etapas e modalidades, com a formação mínima determinada pela legislação federal de diretrizes e bases da educação nacional.
    § 3o Os vencimentos iniciais referentes às demais jornadas de trabalho serão, no mínimo, proporcionais ao valor mencionado no caput deste artigo.
    § 4o Na composição da jornada de trabalho, observar-se-á o limite máximo de 2/3 (dois terços) da carga horária para o desempenho das atividades de interação com os educandos.
    § 5o As disposições relativas ao piso salarial de que trata esta Lei serão aplicadas a todas as aposentadorias e pensões dos profissionais do magistério público da educação básica alcançadas pelo art. 7o da Emenda Constitucional no 41, de 19 de dezembro de 2003, e pela Emenda Constitucional no 47, de 5 de julho de 2005.




    (continua)

    ResponderExcluir
  13. (continuação)


    Art. 3o O valor de que trata o art. 2o desta Lei passará a vigorar a partir de 1o de janeiro de 2008, e sua integralização, como vencimento inicial das Carreiras dos profissionais da educação básica pública, pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios será feita de forma progressiva e proporcional, observado o seguinte:
    I – (VETADO);
    II – a partir de 1o de janeiro de 2009, acréscimo de 2/3 (dois terços) da diferença entre o valor referido no art. 2o desta Lei, atualizado na forma do art. 5o desta Lei, e o vencimento inicial da Carreira vigente;
    III – a integralização do valor de que trata o art. 2o desta Lei, atualizado na forma do art. 5o desta Lei, dar-se-á a partir de 1o de janeiro de 2010, com o acréscimo da diferença remanescente.
    § 1o A integralização de que trata o caput deste artigo poderá ser antecipada a qualquer tempo pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
    § 2o Até 31 de dezembro de 2009, admitir-se-á que o piso salarial profissional nacional compreenda vantagens pecuniárias, pagas a qualquer título, nos casos em que a aplicação do disposto neste artigo resulte em valor inferior ao de que trata o art. 2o desta Lei, sendo resguardadas as vantagens daqueles que percebam valores acima do referido nesta Lei.
    Art. 4o A União deverá complementar, na forma e no limite do disposto no inciso VI do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e em regulamento, a integralização de que trata o art. 3o desta Lei, nos casos em que o ente federativo, a partir da consideração dos recursos constitucionalmente vinculados à educação, não tenha disponibilidade orçamentária para cumprir o valor fixado.
    § 1o O ente federativo deverá justificar sua necessidade e incapacidade, enviando ao Ministério da Educação solicitação fundamentada, acompanhada de planilha de custos comprovando a necessidade da complementação de que trata o caput deste artigo.
    § 2o A União será responsável por cooperar tecnicamente com o ente federativo que não conseguir assegurar o pagamento do piso, de forma a assessorá-lo no planejamento e aperfeiçoamento da aplicação de seus recursos.
    Art. 5o O piso salarial profissional nacional do magistério público da educação básica será atualizado, anualmente, no mês de janeiro, a partir do ano de 2009.
    Parágrafo único. A atualização de que trata o caput deste artigo será calculada utilizando-se o mesmo percentual de crescimento do valor anual mínimo por aluno referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano, definido nacionalmente, nos termos da Lei no 11.494, de 20 de junho de 2007.
    Art. 6o A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão elaborar ou adequar seus Planos de Carreira e Remuneração do Magistério até 31 de dezembro de 2009, tendo em vista o cumprimento do piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica, conforme disposto no parágrafo único do art. 206 da Constituição Federal.
    Art. 7o (VETADO)
    Art. 8o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
    Brasília, 16 de julho de 2008; 187o da Independência e 120o da República.
    LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
    Tarso Genro
    Nelson Machado
    Fernando Haddad
    Paulo Bernardo Silva
    José Múcio Monteiro Filho
    José Antonio Dias Toffoli
    Este texto não substitui o publicado no DOU de 17.7.2008

    ResponderExcluir
  14. Olá Euler,
    acompanho sempre seu blog, principalmente durante a greve, pela rapidez de suas postagens. Entretanto, me incomoda muito a maneira como vc critica a direção do sindute. Logicamente, ela não é perfeita, tem suas falhas. mas acredito que fez o que pode durante a greve. A maneira como a direção do sindicato vem sendo criticada em seu blog está sendo prejudicando de certa forma a união de nossa categoria (q já é bastante frágil). Acredito de ser momento de unirmos forças para conquistar nossos objetivos. Muitos fazem interpretações errôneas de seus textos e chegam a ver o sindicato como inimigo. Isso é muito perigoso. Então, talvez fosse momento de vc ter mais cuidado para que essas pessoas que não conseguem separar " o joio do trigo" não tomassem o sindicato como inimigo, incompetente ou mesmo como o vilão dessa história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo plenamente com vc

      Excluir
    2. Tbém concordo demais! Fico SUPER desanimada ao ver como nossa categoria está se dividindo aqui neste blog ao invés de FORTALECER. Tenho lido por aqui fora GREVE, fora sind-ute, eu hein? Kd nossa força, nossa união? Se não pararmos esses três dias o governo vai amar e vai divulgar na mídia que em Minas a categoria não parou pq estão satisfeitos com o subsídio... pode APOSTAR nisso!

      Lourdes

      Excluir
  15. Olha concordo com o Raimundo.Eu também não sou filiada a muitos anos porque eu já sentia este conchavo a tempos.Eu já havia visualizado toda a manobra deste sindicato.E concordo que devemos ter um novo sindicato não este.Este morreu.Agora deve nascer outro.Não adianta tentar recuperar o que não tem recuperação.Está todo dominado.Tem muita gente por trás deste sindicato que não deixará o posto de nenhum modo pensável.Não tem jeito.È preciso um novo tempo em Minas.Novo tempo para nos dar ânimo.Eu até admiro muito você euler mas eu também percebo sua acomodação em relação a espera do defunto ressurgir das cinzas(sindute).Você escreve maravilhosamente bem mas hoje depois deste post eu fiquei um pouco decepcionada.Li bem cedo ao acordar e pensei:Não vou escrever nada hoje.Mas resolvi deixar minha mensagem e quem sabe possamos iniciar este NOVO TEMPO ????Não tem remédio este sindicato.Veja a história de 30 anos atrás.Ainda quer mais???Eu não.Chega.Mas sou favorável parar nos 3 dias .Sabe por quê??? Para intimidar o governo insano .Para amedrontar este facínora...Somente isso.Afinal se a CNTE SINDUTE PT CUT nos usou , agora vamos usufruir deles e usá-los também.Como???Aproveitando que ELES querem esta paralisação em nosso nome, no nome da classe dos educadores, então vamos aproveitar e depois cair fora.Chumbo trocado não dói.Essa é nossa hora.Se descontarem 3 dias em nosso pagamento, me diz o que são 3 dias em vista de 112 dias??? Nada, nada, Já estamos acostumados....Apanhamos e ficamos bandisos, nos tornamos bandidos ...hahahha Vamos aproveitar a deixa e parar.Se é em nosso nome, paramos, somente isso.

    ResponderExcluir
  16. Mais uma vez, explanação perfeita professor Euler.Concordo plenamente com o seu raciocínio.E ainda penso, que não devemos temer:nem o poder monopolizante do sindicado e nem o das subsedes, ou seja, nós estamos tão conscientes da crise do nosso sindicato, que o mesmo se encontra enfraquecido em se tratando de apoio.Portanto, acredito que temos condições de fazermos um bom trabalho de base e derrotar esse grupo"milenar do poder".Não desanimemos, um trabalhador só é verdadeiramente representado, via sindicato.VAMOS ORGANIZAR E FORTALECER O NOSSO!Abraços-Beth.

    ResponderExcluir
  17. (Continuação)

    Comentários

    A lei do piso salarial, citada por mim instantes anteriores como comecei a dizer não fixa um teto máximo de salários, bem como não propõe nenhum indicador para se perceber o valor proporcional para os profissionais da educação com curso em nível superior, ora, o teto máximo que o governo federal estipula é o de R$ 950,00, que atualmente é o valor do MEC de R$1.187,00 para uma jornada de no máximo 40 horas, sendo a modalidade de formação normal de nível médio. Bem, isso significa que um professor com formação em nível superior, mesmo com uma carga horária inferior as 40 horas não poderá perceber menos que o valor pago ao adotado pelo governo com formação de nível médio e jornada de trabalho de 40 horas, mas mesmo assim abre pretexto para que os governantes de Estado tergiversem sobre esse item, uma vez que fica o mesmo para interpretações até mesmo subjetivas e, no caso, não favoráveis aos professores.

    Outra questão é que não achei incoerente o CNTE tentar lutar por um piso salarial em torno de R$1.594,00, pois em uma negociação as propostas tem de ser iniciadas com valores altos pois a tendência é a queda do valor para atender a proposta antagônica. O governo é esperto e tem profissionais para cuidar do marketing de negociações e expôs para a opinião pública que o valor pedido era absurdo, tal qual ele vem fazendo expondo que nos paga através do subsídio valor 80% acima do valor do piso salarial e ao mesmo tempo confabula com outros governos para pressionar o congresso para baixar os índices de reajuste do vencimento básico. Agora, o sindicato tem se mostrado muito passivo quanto a isso, pois o mesmo não move uma palha para se promover ação de inconstitucionalidade do piso salarial em Minas, não pede ao governo federal ajuda através de intervenção em Minas e tampouco se articula no congresso federal com vistas a barrar o projeto do governo de Minas para baixar o indicador de reajuste. Se o sindicato está se manifestando contra tudo isso por que esconde da categoria? Pra mim tudo isso é jogada política para se eleger os fulanos de tais de sempre, e, utilizando a categoria como boi de piranha, pois os abusos foram enormes e altamente lesivos ao direito tanto individual quanto coletivo.

    ResponderExcluir
  18. A Beatriz desistiu de seu blog??

    ResponderExcluir
  19. Pois é...o sindute já não tem credibilidade, principalmente, nas cidades do interior, onde é mais fácil ver, verificar e avaliar as subsedes inoperantes. E tem mais, como o desconto é feito no contracheques, o sindicato fica dependente do governo para receber os repasses, sem falar que é refém do PT.
    Uma lástima!

    ResponderExcluir
  20. Caro euler, concordo que não devemos abandonar o sindicato. Ele é nosso e não de nenhuma diretoria.
    O sindicato dever ser um instrumento de luta e defesa dos educadores e não um "teta" para alguns mamarem. A verdadeira preocupação de muitos diretores é a grana que rola e não a luta de classe ou defesa da categoria, a prova disso é que muitos, que são liberados, nem fizeram greve ou se envolveram nela.
    Os diretores do Sindipúblico disseram que ganharam a ação do imposto sindical e que nos próximos dias vão receber mais de 3 milhões do governo e que o valor do Sindiute será quatro vezes maior. Daí o medo da participação da base ou de lideranças natas como você.
    No penúltimo congresso( Poços de Caldas) ficou acertado que o dinheiro do imposto sindical seria devolvido aos filiados. Será??????
    Ana - Belo Horizonte

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sindpúblico não tem a legitimidade para receber o imposto sindical da educação, sendo o representante legítimo o sindUTE.

      O sindpúblico nasceu em 1992, para representar os funcionários da extinta Minas Caixa que foram reaproveitados no estado, daí deixou de ser a ASSEMI para se tornar sindpúblico, representando outros setores do estado.

      Excluir
  21. Prof Euler, permita-me sugerir:

    O ideal é a criação de uma coluna extra no blog para a postagem das mensagens do Frei Gilvander ou apenas uma chamada para o link dele. É justo divulgar! É importante a leitura!
    Porém. na página principal postar, exclusivamente, os textos de sua autoria, sempre excelentes, servindo de bússola para a categoria!

    Ana C

    ResponderExcluir
  22. Vejam matéria de hoje no portal do IG:

    http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/apos-carnaval-greves-de-professores-ameacam-parar-aulas-no-pais/n1597651774896.html

    Antônio Carlos

    ResponderExcluir
  23. professoramaluquinha27 de fevereiro de 2012 13:18

    por que não tem holerite da 2ª parcela do prêmio de produtividade lá no Portal? Deveria ser saldado em 29/2, depois de amanhã; alguém tem informação a respeito? Aweeeeee

    ResponderExcluir
  24. Lê-se no texto acima: "Nenhum registro formal das discussões"

    Como assim!? (O falecido indio, Deputado Juruna portava sempre seu gravador "do tipo tijolão" a qualquer reunião em que participasse, para que o vento não levasse as palavras já proferidas...)

    ResponderExcluir
  25. NÃO É É DIA 29/02 E SIM AMANHÃ.
    CONCORDO COM O ANONIMO QUE DIZ SOBRE AS POSTAGENS DO FREI AQUI.SIM FAÇA EM OUTRO LINK POIS FICA MUITO CARREGADA SUA PÁGINA.nÃO DEVEMOS MISTURAR AS COISAS.

    ResponderExcluir
  26. Acho que não é o momento de abandonarmos o sindicato.O texto do prof. Euller é muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
  27. Acho que neste momento, não devemos abandonar o sindicato. O texto do prof. Euller é muito esclarecedor.

    Lúcia

    ResponderExcluir
  28. COMPLEMENTAÇÂO (Grato por publicar)

    Excelente Artigo: “Roubaram o gravador do Juruna”; Autor: Olívio Jekupe
    http://www.neppi.org/projetos/gera_anexo.php?id=1231

    Como parlamentar, criou a Comissão do Índio. Irreverente, chamava dinheiro de “lixo” e jamais conversava com uma autoridade sem a companhia de um gravador, para não correr o risco de ser chamado de mentiroso. Foi fundamental na eleição de Tancredo Neves, em 1985, ao denunciar a tentativa de compra de voto, feita por Calim Eid, tesoureiro de Paulo Maluf. Decepcionado, acha que seu trabalho em favor de seu povo foi em vão. “Já sofremos demais. Fui infeliz e vou morrer infeliz”, diz.

    http://www.terra.com.br/istoegente/31/reportagens/rep_juruna.htm

    ResponderExcluir
  29. José Alfredo Junqueira27 de fevereiro de 2012 14:31

    Para o anônimo de 26 de fev 06:24(e para todos)que perguntou "o que é este tal de nióbio?".Nióbio é um super metal,derivado do mineral niobita,cujas reservas no mundo 98% estão no Brasil.Este metal è adicionado na fabricação de aço super resistente,usado na indústria bélica e muitas outras aplicações.Tem jazidas em Araxá,onde é vendido a preço de banana para os ingleses e lacaios.Este metal roubado é vendido na bolsa de valôres de Londres,que fatura bilhões de dólares.Este assunto é tabu,a grande mídia comprada jamais comentará isto.As propinas rolam solto para as autoridades se calarem.Cientistas calculam que se Minas vendesse o nióbio a preço de mercado,faturaria dezenas de bilhões de dólares anuais,e é por isto que comento esta questão.É muita grana roubada que poderia ser investida em saúde,segurança,EDUCAÇÃO,etc.Para piorar a bandalheira neste país,a maior reserva de nióbio do Brasil(do mundo)está em Roraima,justamente na "reserva" ianomâni,que foi "inventada" para esconder os piratas inglêses e lacaios que estão lá roubando bilhões de dólares em nióbio,sob a submissão(e compra)das autoridades infelizes deste lindo País.Pesquisem na internet!

    ResponderExcluir
  30. José Alfredo Junqueira27 de fevereiro de 2012 14:53

    Há um projeto em Brasília do dep.Sandro Alex que proíbe os fichas sujas de participarem do executivo.Tchau,Danilo de Castro,sua casinha vai cair.Volte para a pocilga de onde você veio.

    ResponderExcluir
  31. EULER SOU SEU FÃ E ACHO QUE SUAS PALAVRAS SEMPRE TEM UM ALICERCE NA VERDAED E NA RAZÃO, MAS OLHA QUE ME DESCULPE AS OUTRAS OPINIÕES, MAS ESSE MOMENTO É DE UNIR E NÃO DE SEPARAR. TÁ ME SOANDO MUITO COMO UM TEXTO POLÍTICOP VISANDO UMA ELEIÇÃO FUTURA NO SINDICATO. VAMOS PARAR DE PENSAR EM COISAS PESSOAIS EPENSAR NA CLASSE. É HORA DE UNIÃO, MESMO COM ERROS E ACERTOS TEMOS QUE SER UM SÓ. FALARMOS A MESMA LINGUA. NÃO ACHO CERTO FICAR AQUI NESTE MOMENTO JOGANDO A CLASSE CONTRA A DIRETORIA DO SINDUTE. NÃO SOU MEMBRO DE NENHUMA FACÇÃO, MUITO MENOS DIRETORIA, SÓ QUERO MEUS DIREITOS CONQUISTADOS E CUMPRIDOS. COLOCAR ESSES PROBLEMAS AQUI É ALGO ERRADO E QUE SÓ VAI DIVIDIR O POVO. PORQUE AGORA É HORA DE LUTA E EEXERCITO DIVIDIDO NÃO VENCERÁ NINGUÉM. DESCULPA O DESABAFO AI!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana C para Jodson,

      Voce acerta ao dizer que não é hora de divisão e sim de união de forças, mas erra feio quando diz que temos que falar a mesma língua.Pense bem, como falar a mesma língua, quando não se está de acordo com as diretrizes? Afinal não somos papagaios, ora! Ainda mais estando comprovado que os prejuízos d categoria são imensuráveis e as ações do sindute são morosas e dão em nada?
      Nas cidades do interior o sindute esta sem credibilidade há muito tempo, justamente, pela inércia das subsedes e pela direção geral autocrática ao extremo.
      Vou dar um exemplo bem simples da falta de organização que reina no sindute, com a desculpa da falta de tempo e outras, não se exige a comprovação da filiação dos sindicalizados para votar nas assembléias, muitos votam a favor das propostas da direção e nem são sindicalizados. Isso é um absurdo, mas é a realidade.
      Poderia citar vários exemplos, mas citarei só mais um, como se explica a falta de registro das reuniões de negociação no final da greve e de todas as reuniões com a SEE? Ah só mais uma: ao ligar no jurídico para pedir informações, é o mesmo que estar falando mandarim, eles nada entendem e enrolam para responder, parece que o jurídico é composto por estagiários e não por advogados.
      O sindute arrecada milhões só em MG, não se justifica a falta de profissionalismo e de comprometimento da equipe! Há grana e muita para contração de profissionais capacitados.
      O desgoverno mineiro conseguiu contaminar o sindute, é lamentável!

      Excluir
  32. O comprovante de rendimento não está disponível online.Eita governozinho atrasado!!!!

    ResponderExcluir
  33. JODSON, DESCULPE ME MAS VEJA BEM:VOCÊ ACHA CERTO ESTAR FILIADO OU DEIXAR DE FALR AS VERDADES NUAS ECRUAS DE UM LEGÍTIMO(DIZEM) REPRESENTANTE DE NOSSA CLASSE??? vAMOS FECHAR OS OLHOS E TENTAR NÃO ENXERGAR AS MAZELAS??/vOCÊ ACHA QUE ISSO DARÁ RESULTADOS REAIS???SE ATÉ HOJE VIMOS ERROS E ERROS E NADA FOI FEITO PARA SE RETRATAREM OU AO MENOS DAR ALGUMA SATISFAÇÃO A CLASSE???vOCÊ CONCORDA EM ENCHER O BOLSO DOS OUTROS E NADA PODE SER A SEU FAVOR???vOCÊ FICOU SEM PAGAMENTO, ACABARAM COM SUA CARREIRA(NOSSA) E O TAL SINDUTE NÃO FEZ NADA???o QUE VOCÊ AINDA ESPERA??? SE EM 30 ANOS OU 4 ANOS OU DESDE QUE ESSA DIREÇÃO ESTÁ LÁ NADA FOI MUDADO A NOSSO FAVOR???VOCÊ SABE DO QUE ESTÁ FALANDO??? VOCÊ SABE O QUE FOI LHE TIRADO??? VOCÊ SABE O QUE VOCÊ GANHA?? VOCÊ SABE QUAIS SÃO SUAS PERSPECTIVAS APÓS TUDO ISSO??? ONDE ESTÁ O TAL SINDICATO???ONDE ESTÃO OS DEPUTADOS E AFINS QUE TANTO NOS ILUDIRAM FAZENDO-NOS ACREDITAR E ATÉ SE COMOVER COM AS DEFESAS DELES A NOSSO FAVOR E QUE NA PRÁTICA NADA DEU FRUTOS???ONDE ESTÁ A DIRETORA DO SINDICATO QUE ARRECADA TRILHÕES OU MILHÕES E NÃO PODE COLOCAR NA MÍDIA UMA NOTA DE REPULSA OU DEFESA DA CATEGORIA??? ONDE FOI PARAR O JURÍDICO??/ ACHO ATÉ QUE ESTE JURIDICO NÃO TEM CULPA POIS SÃO INCOMPETENTES MESMO E ELES SABEM DISSO MAS ESTÃO COMENDO O NOSSO SUADO DINHEIRO.A CULPADA É SOMENTE A DIREÇÃO, POIS UM DIRETOR TEM AUTONOMIA(ELA NÃO TEM) PARA TIRAR OU COLOCAR OUTRA EQUIPE NO LUGAR.MAS E OS CONCHAVOS??/E A CUT?? E A CNTE?/ EO BENDITO E FINGIDO E INTERESSEIRO E FALSO PT????PENSE BEM CAMARADA.ESTAMOS CANSADOS DE DAR DINHEIRO A ESTE SINDICATO E NÃO TERMOS NADA...NADA...NADA...PERDEMOS TUDO...TUDO ....TUDO...

    ResponderExcluir
  34. Concordo com vc, Jodson - postagem de 11:14 mostra que a fala do professor Euler se apresenta de forma tendenciosa. O mesmo quer a muito a AUTOPROMOÇÃO. Quer colocar nos, professores contra o Sind-ute para que na próxima eleição consiga chega ao poder. Cuidado, companheiro. Isso é muito perigoso!
    Queremos fortalecer o sindicato que já existe e a gestão desta diretoria ( com a Beatriz) trouxe muita força de vontade de luta. Euler escreve bem, mas temos que ter muito cuidado para não nos tornarmos fanáticos e enraivecidos. O nosso inimigo é o desGovernador e seus 51 cordeirinhos. VAMOS UNIR FORÇAS! Vamos Lutar por uma classe de PROFISSIONAIS DIGNOS!!!

    ResponderExcluir
  35. CADÊ O CONTRA CHEQUE, PARECE QUE FOI ERRO HOJE A TARDE JA NÃO ACESSAVA MAIS.

    ResponderExcluir
  36. - Comecemos a gravar tudo que é dito ao nosso redor! (importante: figura, local e data)

    Principalmente as advertências pelo telefone!

    ResponderExcluir
  37. Euler, excelente texto e já compartilhei no facebook. No entanto, percebo que existe muita má vontade da atual direção em ceder alguma coisa- basta observar no seu texto dois momentos do Congresso: a questão da implantação da proporcionalidade na direção -o que seria o mais democrático e a questão do acompanhamento do NDG na condução das questões jurídicas . Se o Sind-UTE já conseguiu desarticular ambas, já é possível ler o que está se desenhando para o futuro- o fortalecimento deste estamento burocrático que domina a direção há pelos menos 3 décadas e que não é capaz de dividir o poder- tal qual o governo de Minas.Autocráticos, burocratas e antidemocráticos.

    Alguns colegas não perceberam ainda, mas não é possível unidade com esta diretoria/grupo que trabalha exatamente para a divisão. Vamos aprofundar a discussão...

    ResponderExcluir
  38. Euler, o texto está bom e compartilhei no facebook, mas percebi que já ocorreram duas atitudes bem intransigentes deste sindicato no Congresso: o primeiro diz respeito a proporcionalidade na direção. Isto está passando da hora de ocorrer: chega de um único grupo dominar a direção por décadas. Pelo que vi já aprovaram a manutenção da forma atual, ou seja, permanecerá tudo como está. Outro ponto relevante foi a não permissão do NDG para acompanhar a Comissão do Jurídico. Mas que absurdo é este? Por que da proibição? Falta de entendimento é conversa para fora da lei.Não justifica.

    O sindicato se identifica bastante com o atual governo: burocratas, antidemocráticos e autoritários.

    A categoria ainda não entendeu- o que eles mais querem é exatamente a nossa divisão. A união da categoria há muito se perdeu com a anuência desta mesma turma.
    É preciso aprofundar a discussão na base, nos blogs, nas redes para por fim a esta "ditadura" que só vem nos prejudicando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, combativa Marly!

      Concordo com você: devemos aprofundar o diálogo com a base da categoria através das redes sociais e nas escolas. Uma coisa é certa: não vamos aceitar mais a manutenção desta realidade. Temos o direito a uma entidade sindical com autonomia, de classe e de luta, não atrelada a interesses partidários e eleitorais.

      Um forte abraço e força na luta!

      Excluir
  39. AO ANONIMO DAS 11:53.PRESTE ATENÇÃO: SIM VOCÊ ESTÁ CERTÍSSIMO EM DIZER QUE NOSSOS INIMIGOS SÃO O ALI BABÁ E OS 51 LÃDRÕES.ISSO NÃO TEM DISCUSSÃO.MAS COM ESTE SINDICATO VOCÊ ACHA QUE VAMOS TER ALGO A NOSSO FAVOR??VOCÊ ACHA QUE TEMOS ALGUMA CHANCE AINDA EM ALGUMA COISA COM ESTE SINDICATO NOS REPRESENTANDO???ATÉ QUANDO VOC~E VAI FICAR ILUDIDO?/ SE DESDE JULHO DE 2011 FALA-SE AQUI DAS BESTEIRAS QUE SÃO PRATICADAS POR ESTE SINDICATO.TANTO SE FALA AQUI E NOS MOSTRA A CADA DIA MAIS COISAS QUE COMPROVA A INCOMPET~ENCIA DO SINDINUTIL???ONDE VOCÊ ESTÁ??SÃO PAULO??POIS VEJA LÁ O QUE FOI E É FEITO PELO SINDICATO DOS EDUCADORES.TALVEZ VOCÊ ESTEJA ACHANDO QUE GANHAMOS O PISO, A NOSSA CARREIRA ESTÁ SEGURA, TEMOS TUDO QUE REIVINDICAMOS .ALIÁS PERDEMOS INOCENTEMENTE TUDO.DIGA O QUE VOCÊ ESPERA DEPOIS DE TUDO??? FALA O QUE VOCÊ AINDA ESPERA DEPOIS DE TUDO ISSO COLEGA???

    ResponderExcluir
  40. Vamos comentar:

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=145003,NOT&IdCanal=

    ResponderExcluir
  41. Vicente - Ouro Preto27 de fevereiro de 2012 18:10

    NOVO PISO PROFESSOR: R$1451,00 - AUMENTO DE 22,22% PÁGINA DO MEC HOJE ÀS 18:00 HORAS, TEMOS QUE EXIGIR PELO MENOS QUE O SUBSIDIO RE REAJUSTE DE ACORDO COM ESTE VALOR. QUERÍAMOS COMO PISO, MAS...

    ResponderExcluir
  42. Olá, pessoal da luta!

    Até que enfim o MEC anunciou oficialmente o novo valor do piso. Pena que em Minas o piso e a carreira não existem. Leiam a notícia:

    "Piso nacional do magistério de 2012 é definido em R$ 1.451

    Aumento foi de 22,22% em relação a 2011, e deve ser pago por todos os estados e municípios por 40 horas semanais

    Amanda Cieglinski - Agência Brasil - 27/02/2012 - 17:52

    MAURÍCIO DE SOUZA / ARQUIVO HOJE EM DIA
    magisterio

    Nenhum professor pode receber menos que o determinado por uma jornada de 40 horas semanais

    BRASÍLIA – O Ministério da Educação (MEC) definiu em R$ 1.451 o valor do piso nacional do magistério para 2012, um aumento de 22,22% em relação a 2011. Conforme determina a lei que criou o piso, o reajuste foi calculado com base no crescimento do valor mínimo por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) no mesmo período.

    A Lei do Piso determina que nenhum professor pode receber menos do que o valor determinado por uma jornada de 40 horas semanais. Questionada na Justiça por governadores, a legislação foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado.

    Entes federados argumentam que não têm recursos para pagar o valor estipulado pela lei. O dispositivo prevê que a União complemente o pagamento nesses casos, mas, desde 2008, nenhum estado ou município recebeu os recursos porque, segundo o MEC, não conseguiu comprovar a falta de verbas para esse fim.

    Em 2011, o piso foi R$ 1.187 e em 2010, R$ 1.024. Em 2009, primeiro ano da vigência da lei, o piso era R$ 950. Alguns governos estaduais e municipais criticam o critério de reajuste e defendem que o valor deveria ser corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), como ocorre com outras carreiras.

    Na Câmara dos Deputados, tramita um projeto de lei que pretende alterar o parâmetro de correção do piso para a variação da inflação. A proposta não prosperou no Senado, mas na Câmara recebeu parecer positivo da Comissão de Finanças e Tributação. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) prepara uma paralisação nacional dos professores para os dias 14,15 e 16 de março com o objetivo de cobrar o cumprimento da Lei do Piso."

    Fonte: http://www.hojeemdia.com.br/noticias/politica/piso-nacional-do-magisterio-de-2012-e-definido-em-r-1-451-1.412236

    ResponderExcluir
  43. GRAÇA:

    UFFA! TÉ Q ENFIM! REAJUSTE DO PISO = 22,22%

    Pro Euler,
    Pode finalizar o documento para o MPF, estamos prontos, aguardando!

    O Ministério da Educação (MEC) definiu em R$ 1.451 o valor do piso nacional do magistério para 2012, um aumento de 22,22% em relação a 2011. Conforme determina a lei que criou o piso, o reajuste foi calculado com base no crescimento do valor mínimo por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) no mesmo período.

    A Lei do Piso determina que nenhum professor pode receber menos do que o valor determinado por uma jornada de 40 horas semanais. Questionada na Justiça por governadores, a legislação foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado.

    Entes federados argumentam que não têm recursos para pagar o valor estipulado pela lei. O dispositivo prevê que a União complemente o pagamento nesses casos, mas, desde 2008, nenhum estado ou município recebeu os recursos porque, segundo o MEC, não conseguiu comprovar a falta de verbas para esse fim.

    Em 2011, o piso foi R$1.187 e em 2010, R$ 1.024. Em 2009, primeiro ano da vigência da lei, o piso era R$ 950. Alguns governos estaduais e municipais criticam o critério de reajuste e defendem que o valor deveria ser corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), como ocorre com outras carreiras.

    Na Câmara dos Deputados, tramita um projeto de lei que pretende alterar o parâmetro de correção do piso para a variação da inflação. A proposta não prosperou no Senado, mas na Câmara recebeu parecer positivo da Comissão de Finanças e Tributação. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) prepara uma paralisação nacional dos professores para os dias 14,15 e 16 de março com o objetivo de cobrar o cumprimento da Lei do Piso.
    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=145003

    ResponderExcluir
  44. Vale a pena ler no jornal o tempo:

    Governo Federal define piso de R$ 1.451 para professores este ano


    segue o link :

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=145003

    ResponderExcluir
  45. VEJAM ISSO

    REAJUSTE DO PISO ....QUE NAO TEMOS

    http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17542

    ResponderExcluir
  46. Pagamento de reposição de aulas

    Colega Euler e demais professores,

    como foi discutido aqui, muitos professores não receberam pela reposição das aulas, embora o governo tenha divulgado o pagamento a toda a categoria.

    Gostaria de saber se algum dos colegas tem alguma informação sobre quando receberemos o pagamento destas reposições.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    Belo Horizonte - MG

    ResponderExcluir
  47. Temos muito a comentar:

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=145007,NOT&IdCanal=


    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=145004,NOT&IdCanal=

    ResponderExcluir
  48. EULER
    VEJA A FOLHA DE SÃO PAULO ONDE EU ENCONTREI MAIS DETALHES E MAIS COMPLETA A REPORTAGEM DO VALOR DO PISO.OUTRA COISA VEJA TAMBÉM SOBRE O QUE O AECIM DO PÓ ESCREVEU HOJE.NÃO TENHO ACESSO A TODA A REPORTAGEM MAS GOSTARIA DE SABER.ELE FALA HAHAHAHHA QUE EXISTE UM MONÓLOGO NO BRASIL.A PRESIDENTE MANDA E O CONGRESSO OBEDECE HAHAHHA COMO PODE ELE FALAR ASSIM??/VALHA ME DEUS ISSO É MUITA CARA DE PAU MESMO DESSES LADRÕES DO BRASIL.ESTÃO ROUBANDO O BRASIL ESSES LADRÕES.

    ResponderExcluir
  49. O PISO NÃO PODE SER FRAGMENTADO

    Caro colega Euler e demais professores,

    A informação sobre a definição do valor do piso nacional em R$ 1.451,00 é muito boa. Entretanto, sabemos que entre esta definição e cumprimento da lei, existe um abismo astrônimo, pois os estados se recusam a pagar este salário aos professores. E o mais interessante disso tudo, é que a "INjustiça" deste país não faz nada para que esta lei seja cumprida, deixando claro para nós, que todos estes poderes instituídos estão conchavados, e não farão nada, nadinha que contrarie uma destas partes.

    Portanto, ao mesmo tempo que nos alegramos com esta definição do valor do piso, também nos indignamos porque este valor ficará mesmo só no papel, já que os estados fazem o que querem, descumprindo uma lei federal. Isto é Brasil!

    Outra coisa que deveria ser esclarecida aos colegas professores é sobre o valor de R$ 1.451,00 por jornada de trabalho de 40 horas. Observem que o texto que rege a lei do piso nacional, se utiliza da conjunção de temporalidade ATÉ no texto desta lei. Diz lá, que "...o valor do piso será pago por uma jornada de ATÉ 40 horas semanais..." Em momento algum, fica claro na redação do texto, que o professor terá que OBRIGATORIAMENTE trabalhar 40 horas para que receba o valor integral do piso. Entretanto, muitos estão entrando na lábia dos governos estaduais, particularmente o governo de Minas Gerais, que alega que já paga o piso porque os professores estaduais trabalham em jornada de 22 horas semanais. Mas observem que, em nenhuma parte do texto se diz que que o valor do piso possa ser fragmentado, conforme o governo de Minas Gerais quer entender. De fato, a conjunção de temporalidade ATÉ na redação do texto é aliada do professor. Uma interpretação mais correta seria de que o valor do piso será pago a qualquer jornada até o máximo de 40 horas semanais.

    Portanto, não nos deixemos enganar com falsas alegações do governo, quando a própria redação do texto sobre a lei do piso nacional é favorável ao professor.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
  50. Não entendi esta notícia neste blog sobre o prêmio por produtividade..Já está confirmado para sair amanhã o pagamento.

    http://www.amigosdecaserna.com.br/premio-produtividade-alteracao-do-imposto-de-renda/

    ResponderExcluir
  51. ACHO QUE NO PORTAL DO SERVIDOR NÃO CONSTA MAIS O CONTRACHEQUE PORQUE DEVE VIR ALGUMA COISA DIFERENTE.SERÁ QUE VAI DIMINUIR??/ SÓ PODE

    ResponderExcluir
  52. Euler e companheiros/as:

    Pra mim, o debate aqui está se esquentando. Oxalá, pegue fogo, o mais rápido possível.

    Eu também sou contra a desfiliação. No entanto, acabou-se o tempo para que o nosso Sindicato mude: mude os eternos membros nas direções locais; mude a forma como são tratados os filiados; mude a ação política e o modo de agir frente às greves.

    Sempre achei estranho que uma Entidade representativa dos Trabalhadores em Educação, durante 30 anos, tenha a coragem de mostrar tudo o que ganhamos neste período, quando na verdade, nada temos de seguro: piso de R$369,00 (o menor) e menos de R$800,00 o maior. Há quanto tempo se vem aceitando o "teto" como se fosse "piso"? De que adiantaram as conquistas com biênios, quinquênios, pós de giz, etc...etc...etc, se a tendência do salário foi cair sempre, em todos os governos, até chegarmos aos aviltantes valores citados acima.

    Em 15 anos de serviço, já participei de ao menos sete greves! E espero participar de outras, em busca de dignidade. Porém, tenho uma convicção, enquanto não recuperarmos na Justiça, tudo o que perdemos, será muito difícil me convencer que o momento é propício.

    Dos debates aqui travados nascerá um novo sindicalismo ou um sindicalismo renovado!

    Abraços

    Joaquim

    ResponderExcluir
  53. A LEI DA REMUNERAÇÃO UNIFICADA OU "SUBSÍDIO II" É
    INCONSTITUCIONAL.

    FOI ELABORADA DEPOIS DA PUBLICAÇÃO DO ACÓRDÃO (DIA 24/08/2011) E RETIRA DIREITOS, PREJUDICANDO TODA A CATEGORIA.

    ALÉM DA OPÇÃO OFERECIDA PELO PRÓPRIO GOVERNO PARA QUEM QUISESSE PERMANECER NO REGIME REMUNERATÓRIO ANTIGO (163.000 PROFISSIONAIS).

    ESTA AÇÃO TEM COMO TESTEMUNHO O PROCURADOR GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, POIS FOI LÁ NO DIA 17/08/2011 QUE O GOVERNO MOSTROU E ADMITIU ESTES NÚMEROS.

    ENTÃO, QUAL A DIFICULDADE DE DEMONSTRAR ISTO AO STF E REQUERER A INCONSTITUCIONALIDADE DESTA LEI???

    PORQUE TANTA DEMORA???

    ResponderExcluir
  54. Temos mais para comentar:

    http://br.noticias.yahoo.com/piso-nacional-do-magist%C3%A9rio-de-2012-%C3%A9-definido-em-r--1-451.html

    ResponderExcluir
  55. A NOTICIA.

    http://as1.trt3.jus.br/pls/noticias/no_noticias.Exibe_Noticia?p_cod_area_noticia=ACS&p_cod_noticia=6257

    ResponderExcluir
  56. Colegas,

    Eu pergunto: Se fossem os senhores(as) os Diretores Estaduais e estivessem há tanto tempo no "poder", deixariam a formação de uma chapa forte acontecer?
    Acho que não!
    Especialmente agora, não posso deixar de citar, que o sindicato está prestes a receber nossa "contribuição sindical", da ordem de milhões de reais.
    Justo agora que o congresso de araxá aprovou conforme deliberação da diretoria a não-proporcionalidade nas eleições desse ano.Tudo de caso pensado, obviamente, não querem oposição e farão de tudo para minar as resistências e continuar no comando.
    Nas subsedes a coisa é parecida, muitas são inoperantes como dissemos no blog, mas, querem continuar lá..., muitas submissas à direção estadual, outrossim, a maioria abandonada pela central, não conseguem fazer o trabalho nas bases por vários motivos, a falta de grana é um deles.
    Foram 30 anos de conquistas de direitos, apregoavam com certo orgulho, hoje, tudo perdido, quase acabado.
    A política das greves e paralisações não colam mais, muito pela resistência normal encontrada nas escolas pela base alienada, que joga com o governo e contra nosso time. Preparar um sindicato mais forte é nosso desafio, com novas metas e metodologias de trabalho, muitos aqui pensam ser fácil, enganam-se.
    Querem um sindicato modernizado, mais atuante? Comecem a fazer os senhores(as) o trabalho de base, delimitem o espaço geográfico das subsedes por regiões e comecem o trabalho de visitação, de convencimento e reconhecimento. Deixar pra depois é perca de tempo... pensem nisso!

    ndg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estamos fazendo isso!
      Vamos derrubar o grupo Articulação!Em todos cantos das Gerais, em cada escola!

      Excluir
  57. Oiê!
    Vocês perceberam que o contracheque referente ao pagamento do mês de Fevereiro não está mais disponível?
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi, espero que nao esteja disponivel para correçao das reposiçoes nao pagas... governo maldito, caloteiro!!

      Excluir
  58. Sobre o não pagamento de aulas repostas: fui uma das que não receberam; procurei a 22ª SRE (de Montes Claros) e me disseram que o setor de pessoal da minha escola deve novamente "mandar me pagar" e que, portanto, se não houver nenhum impedimento, no próximo mês eu receberei; se não, só depois de abril; Em abril, segundo me informaram, estarão regularizando a vida funcional dos servidores (inclusive correções no reposicionamento); depois disso, só em outubro (novas correções). É muito sapo pra engolir, mas não adianta adoecer de raiva... É reclamar, tomar as providências necessárias e aguardar; enquanto isso, juntamente com alguns colegas, preparar para a volta às aulas uma cartinha aos pais rebatendo aquela enviada pelo governo; e não deixar que ninguém esqueça o que o governo fez e está fazendo conosco.

    ResponderExcluir
  59. Carlos José Assunção - Nova Lima27 de fevereiro de 2012 20:01

    www.globo.com.br
    MEC divulga valor do novo piso nacional de professores em R$ 1.451
    Reajuste será de 22,22% em relação a 2011.
    Aumento é para professor de nível médio e jornada de 40 horas semanais.
    Do G1, em São Paulo


    70 comentários
    O Ministério da Educação divulgou na tarde desta segunda-feira (27) que o piso salarial nacional dos professores será reajustado em 22,22% e seu valor passa a ser de R$ 1.451,00 como remuneração mínima do professor de nível médio e jornada de 40 horas semanais. A decisão é retroativa para 1º de janeiro deste ano.
    Segundo o MEC, a correção reflete a variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido nacionalmente no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de 2011, em relação ao valor de 2010. O piso aplicado em 2011 foi de R$ 1.187, e em 2010, de R$ 1.024.
    A aplicação do piso é obrigatória para estados e municípios de acordo com a lei federal número 11.738, de 16 de junho de 2008. Estados e municípios podem alegar não ter verba para o pagamento deste valor e, com isso, acessar recursos federais para complementar a folha de pagamento. No entanto, desde 2008, nenhum estado ou município recebeu os recursos porque, segundo o MEC, não conseguiu comprovar a falta de verbas para esse fim.

    ResponderExcluir
  60. Prof. Euler gosto muito de seus comentários mas o que é verdade mesmo é que a grande maioria dos nossos colegas professores ficam na sala de aula durante uma greve, eu disse a grande maioria, fica torcendo para como dizem eles ver se vai adiantar, outra grande parte entra e sai da greve.Quem fica duro mesmo até o fim são poucos.Sinceramente eu admirei todas as estratégias que o sindute arrumou nesta greve para que parecesse que éramos muito mais do que realmente éramos.Não meu colega o problema não está com a direção de nosso sindicato, ele está é com a covardia de nossos colegas.

    ResponderExcluir
  61. QUEREMOS O NOSSO PISO GOVERNADOR QUE DA AZIA.

    ResponderExcluir
  62. APOSENTADA INDIGNADA! Vejam se não dá vontade de dar uma surra de "espanador com penas de faisão" no momesco lombo da naná plumada. Que mágica!
    Aposentadoria com 30 anos no VB - 2269,00 (com tudo dentro)
    Posici. JAN/2011 2274,00 - Posic. no sistema criado pelo "demo" até 2015 - 2274,00. Com os descontos vai para...para....2086,00. Não é um espetáculo? De onde saiu esta COISA? Que peste!

    ResponderExcluir
  63. Acaba de ser anunciado no Jornal Nacional o novo valor do piso Nacional Salarial para professores de nível médio e 4o horas semanais. Reajuste de 22%

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pena que nao vivemos no Brasil...

      Excluir
    2. Vivemos na ditadura da incompetência do país do faz de contas da Naná.

      Que horror!!!

      Que tristeza...

      ... Coitados de nós.

      Excluir
  64. E os OUT DOORs, até hoje NENHUM.

    ResponderExcluir
  65. Saiu enfim o valor do piso R$1451,00
    22,22%
    Jornal Nacional

    Dalber Augusto

    ResponderExcluir
  66. Assistido a uma entrevista com o político Ronan Tito,ele disse várias verdades sobre a nossa politicagem e entre elas uma coisa me chamou atenção.Ele disse que temos duas realidades ,a real que é verdadeira e a virtual, e que com esta ninguém pode competir, quem tem dinheiro faz sua propaganda e está por cima, quem não tem,não aparece não é conhecido e não é eleito embora seja melhor.Disse também que desistiu de lutar,pois ele poderia mudar o Brasil ,mas que não conseguiria mudar a mídia.Que no dia em que ele disse que aplicaria 30% e até mais se precisasse na educação,todos os que estavam investindo na sua candidatura retiraram o apoio,ele ficou a ver navios e perdeu a eleição... Acusar o sindicato é fácil,mas na hora do vamos ver a maioria retira o apoio.Acho que é hora de deixarmos as picuinhas de lado e nos unirmos. Estes três dias de março devem ser dias D para nós, 100% de paralisação. Mostrar para o governo que não temos medo, que estamos prontos prá luta.Vencê-lo pelo cansaço.Esta é a minha opinião.

    ResponderExcluir
  67. Era o Azeredo o governador de Minas Gerais quando pressenti um grande ataque - maior do que todos os outros, porque de lá para cá a classe trabalhadora só vinha avançando na conquista por educação de qualidade e valorização dos profissionais de educação. Naquela época eu tinha apenas cinco anos de magistério e vi que aquela política educacional que se implantava traria desânimo, descrédito, desvalorização, desmotivação... Isso porque o governo apontava um caminho voltado para a divisão dos educadores, reforçando bastante o caráter competitivo e o controle do estado.

    Acho, Euler, que fazer o que você está fazendo num momento tanta complexidade é algo desnecessário, e digo mais, um ato horroroso de covardia.

    Sim, porque quem conhece a história sabe o que a educação pública tem passado neste país e o que a retirada de direitos pelo poder opressor do PSDB que não age sozinho, está sempre respaldado pela grande mídia e a (in)justiça mineira tem feito com os educadores.

    Você sabia que muitos e grande profissionais da educação faz tempo que abandonaram o barco em busca de coisa melhor? Moro numa cidade do interior e eu mesma sou capaz de fazer uma lista enorme de bons professores, profissionais que desistiram da profissão.

    A nossa categoria sofreu um ataque violento, Euler. E isso não veio sozinho, somente retirada de direitos, mídia e in(justiça). No bojo da política educacional implantada pelo PSDB, veio um grande ataque ao movimento sindical, um autoritarismo fortíssimo dentro das escolas com um poder repressivo comparado à ditadura militar.

    Fragilidade da nossa categoria. Grande fragilidade em frente aos ataques. E desde quando uma categoria fraca tem sindicato forte, Euler? E desde quando um sindicato forte deixa uma categoria fraca?

    Numa coisa você foi sábio na sua avaliação: sindicato somos nós.

    E aí, Euler, atribuir à direção do sindicato a culpa, a incompetência, a inoperância diante de tanta luta feita na marra, com a força apenas da nossa capacidade de resistência é no mínimo covarde.

    E por mais que você queira deixar transparecer uma certa pureza de sentimento e de intenção (só quero ajudar, gente! não estou enfraquecendo o sindicato, não! a gente tem que criticar mesmo, é um direito nosso!) vejo que existe aí uma certa maldade.

    Não votei nessa chapa que está aí. Não teria votado na chapa de oposição. Mas digo a você e a todos os companheiros que sonham com valorização profissional de um setor tão importante da sociedade e com uma escola pública digna para as crianças e jovens pobres: eu jamais teria coragem de desmerecer o trabalho de uma diretoria do meu sindicato num espaço aberto, onde o inimigo da educação pudesse botar os olhos e ver a nossa fragilidade; também não teria coragem de desmerecer o trabalho de grupos, sejam eles quais fossem que sentam comigo, se reúnem comigo (com todas as dificuldades de uma categoria tão grande e da amplitude geográfica do nosso estado) em conselhos, assembleias ou congressos.

    Sabe por quê? Porque eu acredito na mudança que se faz no dia-a-dia. Tenho visto a minha categoria estar mais politizada e o meu país podendo manifestar sua indignação de forma mais respeitosa (excessão de Minas e de alguns estados). Eu vi que a luta que o Lula travou com outros companheiros trouxe melhoria para a qualidade de vida das pessoas. O trabalho que o Rogério Correia faz traz mais força para a minha insignificante atuação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ANDRÉ / MATEMÁTICA / B.H27 de fevereiro de 2012 22:24

      O QUE ROGÉRIO CORREIA FEZ POR NÓS?
      OUTRO TRAIDOR!
      MINHA RAIVA É QUE VOCÊS SABEM QUE EXISTE UM PAPEL ASSINADO POR TODA EQUIPE DO GOVERNO E SINDINÚTIL,
      MAS BEATRIZ E O SINDINÚTIL VENDEU ESTE PAPEL!
      ACORDEMMMMMMMMMM! REFLITAM!!!!!!!!!!!! CANSEI!!!!! EULER NÃO TEM CULPA DOS ABSURDOS QUE BEATRIZ E O SINDINÚTIL FIZERAM CONOSCO!
      O NDG SÓ RECUOU A MANDO DE BEATRIZ!!!!!
      COLEGAS VAMOS NOS UNIR EM TORNO DO QUE QUEREMOS O PISO! O EULER HÁ MUITO ESTÁ TENTANDO SENSIBILISAR O PAÍS DAS GERAIS(PORQUE ANASTASIA CRÊ QUE É DONO DE MINAS)E FINALIZANDO ELE TENTA DE TODAS AS FORMAS UNIR A CATEGORIA!
      QUEM ESTÁ DE SACO CHEIO DO SINDINÚTIL SOMOS NÓS EDUCADORES!
      FORA BEATRIZ!

      Excluir
  68. Continuando

    E principalmente, Euler, não quero precisar matar ou morrer para ver o meu país melhor. Muitos já mataram e muitos já morreram, eu quero que a justiça se estabeleça pela paz, pelo diálogo. Claro pela luta, nunca deixei de lutar, mas não quero a guerra.

    Quando a gente faz a opção por uma corrente política, a gente escolhe aquela que está em mais acordo com o que a gente tem capacidade de fazer e de enfrentar. Acho maravilhosas as ideias do Rômulo, da Liliane... Admiro-os, mas não quero fazer o que eles propõem e estou vendo que para a maioria dos educadores o que a articulação propõe já é muito.

    Para a maioria já somos muito corajosos, ousados, destemidos... Então, quem irá executar o que vocês propõem? Seria ótimo, mas tem que ter pessoas, quantidade. A maioria dos educadores, Euler, infelizmente sabem pouco, ou se interessam pouco pelo piso, pelos direitos (e não é por falta de comunicação, os informas que a gente entrega não são todos que leem ou querem discuti-los). Basta ver quantas pessoas vão às nossas assembleias: no máximo 12 mil pessoas.

    Você já viu quantas pessoas vão ao estádio de futebol ou a um desses shows musicais aí? Mais de 40 mil. Tem vezes que até 100 mil pessoas.

    Olha, Euler, se hoje eu sou o que sou, combatente nos meus ideais e consigo levar comigo um bom número de colegas é porque nós fizemos uma caminhada no Sind-UTE. Sou professora primária e embora tenha feito curso superior e durante a minha vida tenha me interessado muito pela História devo o muito da minha atuação política, primeiramente a Deus (sigo Jesus) e depois ao meu sindicato.

    Lutar exige aprendizado, Euler. Eu tenho o meu e o Sind-UTE tem o dele. O meu é individual, depende somente de mim, o do Sind-UTE é coletivo depende de todos. Acho muito feio as pessoas começarem a desfazer da história de luta dos outros. Isso é desrespeitador. Sou da ética, sou da moralidade, do crescimento pessoal e social. Criticar é uma coisa, agora atirar pedras na própria trincheira da classe que luta (não venha me dizer que a diretoria do nosso sindicato não luta, porque senão vai ser mentiroso) é atrapalhar senão impedir que a classe avance.

    Acho que está na hora de você refletir um pouco. O nosso inimigo, professor, é o Anastasia, que não paga o piso, compra os deputados... controla a justiça... Blá, blá, blá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O nosso inimigo hoje é o SINDINÚTIL E QUEREMOS A CABEÇA DE BEATRIZ!!! quem se vende ao governo , faz conchavos politicos com o governo, não merecem ser sindicalista!Quando Lula era operário ele fazia a massa ir em prol dos direitos!Tem colegas que hoje fazem parte de acreditar em Euler que já sentou com Lula, colocou-o lá!
      Então cara colega prof primária cuidado com as palavras!
      Se escolhemos ele , foi por analisar, ler nas entrelinhas e peço um favor faça seu desabafo as suas criticas a Beatriz e sua trupe!
      Pergunte a ela porque se calou?????????????
      prof Euler por favor coloca minha opinião!
      Outro detalhe conheço este sindicato desde a sua fundação, sei quem é quem lá!
      Esta Beatriz entrou com outras finalidades!!
      e LANÇOU A CATEGORIA NO INFERNO!
      AS ABERRAÇÕES NÃO ACEITO!

      Excluir
  69. EULER, Será que o governo vai descontar o imposto sindical neste mes de março outra vez? Agora que perdeu na justiça e tem que repassar por estes dias o dinheiro pra o SindUTE, pode ser que não queira descontar pra não instrumentalizar a direção. Temos que cobrar da direção a deliberação do 8º congresso em Poços de Caldas e o restante do dinheiro, como será impregado. senão vai servir pra passeio em Bogotá, Argentina e tudo mais....

    ResponderExcluir
  70. Do Blog da Beatriz Cerqueira:
    (...) O anúncio do reajuste do Piso Salarial em 22% feito pelo Ministério da Educação representa uma vitória para a categoria e uma derrota para governadores, como o de Minas Gerais, que desconhecem o Piso como direito da categoria e instrumento para a qualidade na educação. Por tudo o que o governo mineiro tem feito para a educação pública temos a obrigação de realizarmos uma grande greve em Minas Gerais nos dias 14, 15 e 16 de março.
    _______________
    De que adianta esse tapa de luva no governo de Minas, se ele continua pensando que piso é teto?
    De que adiantarão esses dias de greve?
    Ando tão desanimada, meu Deus!!! Quanta injustiça...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com a Beatriz, mas sem brigas...

      Excluir
  71. O BOCA DO INFERNO ATACA : ENQUANTO "NOSSA"BEATRIZ FUTURA DILMA ESTÁ PREOCUPADA COM CHÁ DE BEBÊ.CHARLOTTE ESTA CUIDADO DA BELEZA PARA PRESTIGIAR O SHOW DO MORRISSEY EM BH.SÓ O MORRISSEY MESMO PRÁ FAZER ELA ESQUECER A INÉRCIA PETISTA/CUTISTA/HILARISTA/SINDIUTISTA/PELEGUISTA.POR ISSO RITA DISSE MULHER BICHO ESQUISITO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MUITO esquisito!!! kkkk

      Excluir
    2. APOIADO!PENA QUE CHARLOTE SUMIU!PENA QUE A PROF MALUQUINHA NÃO ESTÁ HOJE POR AQUI!
      PARA DAR UMA RESPOSTA A ALTURA A ESTE SINDINÚTIL VENDIDO!
      QUEREM PARALISAÇÃO PARA FAVORECER A CUT QUE NOS VIROU AS COSTAS!!!!!!!!!!!!!!!
      DIGAM NÃO A PARALISAÇÃO VÁ SÓ BEATRIZ E SUA TRUPE

      Excluir
  72. Eloisa João Monlevade27 de fevereiro de 2012 22:14

    Eu pararia sim só se for para ir a Brasilia o nosso problema agora é federal se for para ficar igual babaca naquele patio da assembleia ouvindo a Beatriz e sua gangue tÔ FORA bobo de quem for.
    O nosso objetivo agora é fazer om q a Dilma e o Mercadante obriguem o cumprimento da Lei nada mais.

    ResponderExcluir
  73. Por onde anda a Prof. Maluquinha e a Ana C.???

    ResponderExcluir
  74. E os OUT DOORs, até hoje NENHUM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parou porque???

      Porque parou...

      Excluir
  75. Eu juro que não consigo entender como o governo federal aumenta o salario do professor 22% e de Minas Gerais 5%. Dá uma sensação que eu sou uma professora BURRA, que sou paga pra ficar CALADA, aumenta minha raiva da INJUSTIÇA que sofremos e a unica coisa que não diminui é meu AMOR pela profissão que escolhi...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este é o nosso governinho hipócrita, injusto...

      AÉTICO E O ANESTESIA.

      Coitadinhos!!!...

      Excluir
  76. Piso nacional dos professores tem aumento de 22%, define MEC
    Agência Brasil
    Publicidade

    O Ministério da Educação (MEC) definiu em R$ 1.451 o valor do piso nacional do magistério para 2012, um aumento de 22,22% em relação a 2011. Conforme determina a lei que criou o piso, o reajuste foi calculado com base no crescimento do valor mínimo por aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) no mesmo período.

    A Lei do Piso determina que nenhum professor pode receber menos do que o valor determinado por uma jornada de 40 horas semanais. Questionada na Justiça por governadores, a legislação foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado.

    Entes federados argumentam que não têm recursos para pagar o valor estipulado pela lei. O dispositivo prevê que a União complemente o pagamento nesses casos, mas, desde 2008, nenhum estado ou município recebeu os recursos porque, segundo o MEC, não conseguiu comprovar a falta de verbas para esse fim.

    Em 2011, o piso foi R$1.187 e em 2010, R$ 1.024. Em 2009, primeiro ano da vigência da lei, o piso era R$ 950. Alguns governos estaduais e municipais criticam o critério de reajuste e defendem que o valor deveria ser corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), como ocorre com outras carreiras.

    Na Câmara dos Deputados, tramita um projeto de lei que pretende alterar o parâmetro de correção do piso para a variação da inflação. A proposta não prosperou no Senado, mas na Câmara recebeu parecer positivo da Comissão de Finanças e Tributação. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) prepara uma paralisação nacional dos professores para os dias 14,15 e 16 de março com o objetivo de cobrar o cumprimento da Lei do Piso.

    ResponderExcluir
  77. Viram o discurso da Beatriz??? Obrigação de uma paralização Nacional?
    Ainda coloca a culpa apenas nos governos Estaduais e Municipais, como se o PT da Dilma não estivesse fingindo não ver nada.
    Se o Governo Dilma (o PT da Betariz e do Rogério Correia) quisesse resolver alguma coisa, bastava federalizar a folha salarial da Educação e igualar todos educadores do Brasil, mas não é conveniente, pois assim teriam obrigatoriamente que arcar com tudo, e o jogo de empurra empurra não seria mais possível.
    PT e PSDB (Partido dos Traidores) + (Partido do Sistema Democrático Burlado). Farinha do mesmo Saco;
    P.S.: Concordo em não desfiliar, desde que esta corja que ocupa a Direção do Sindicato caia fora, caso contrário estou fora;
    Só mais uma coisa: Já que não se pode ter mais de um representante Sindical em um mesmo território Nacional, como é possível a APP/MG, apesar de associação ter força de Sindicato? Pode até ser que na teoria não tenha, mas na prática tem.
    Juntos somos mais. Querem união? Vamos nos unir para gritarmos a esta Direção Sindical: "CHEGA DE SERVIRMOS DE PALANQUE PRA TURMA DO ROGÉRIO CORREIA E O PRÓPRIO!!! CHEGA DE SERMOS EXPLORADOS POR OPORTUNISTAS DE PLANTÃO, CHEGA DE SERMOS FANTOCHES DO PT, OU DE QUALQUER OUTRO PARTIDO.
    CADA UM QUE APOIE O PARTIDO QUE QUISER, MAS SEM USAR O SINDICATO PARA ISTO.
    NÃO SOMOS MASSA DE MANOBRA DESTA CORJA.
    A GUERRA É CONTRA QUALQUER UM QUE DE UMA FORMA OU DE OUTRA TENTAR NOS IMPEDIR DE CONSEGUIRMOS NOSSO PISO.A GUERRA JÁ ESTÁ DECLARADA E AS ARMAS EM PUNHO.
    QUE VENHAM OS SOLDADINHOS DE CHUMBO DO GOVERNO ANASTASIA, DO SINDUTE, DA CUT, DA CNTE E ATÉ DO GOVERNO FEDERAL.
    DESTA VEZ OS CARA PINTADAS NÃO SERÃO OS DA ELITE, MAS DA BASE DE UM POVO SOFRIDO, QUE SÓ TEM A PERDER A SUA DIGNIDADE, E ESTA SÓ SERÁ PERDIDA NO DIA EM QUE ESTE POVO PARAR DE LUTAR.
    QUEREM GUERRA, TERÃO GUERRA.

    ResponderExcluir
  78. Quero o piso mas na minha carreira antiga com os valores dos meus direitos adquiridos que o sindinutil deixou o governo denominar de "penduricalhos" e reduzir seus valores. Com esse sindicato só perdemos e não temos tempo de esperar mais. E as ações individuais só servem pra nos desencorajar pois nunca temos dinheiro para tantos xerox de contracheque que nem sabemos depois onde foram parar. As ações devem ser coletivas pois tem professores que nem ficam sabendo que elas existem pois moram "nos grotões de Minas Gerais" e não podem faltar as escolas pois o meretíssimo senhor juiz já falou para que as escolas existem ou será que eu entendi errado? Me expliquem por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro colega ,
      concordo com você , agora está na hora certa, ações coletivas pesam mais .

      Excluir
  79. Giovane Diniz (Pipoca)Feb 27, 2012 05:48 PM PARABÉNS você colocou o pensamento da categoria!!!!!!!!!!!!
    bjos e luz

    ResponderExcluir
  80. VOZES COMO A DO GIOVANI (QUE NÃO PIPOCA) E DO FLAVIO(BHTE) SÃO NA REALIDADE O QUE PENSA GRANDE PARTE DA CATEGORIA , INCLUSIVE DAQUELES QUE NÃO ADERIRAM AS ÚLTIMAS GREVE , POR AO CONTRÁRIO DE NÓS , TEREM PERCEBIDO QUE ESSA GANG QUE CONTROLA O SINDIN... TER COMPROMISSO COM UM PARTIDO E NÃO COM A CATEGORIA.BASTA DE ARTICULAÇÃO.BASTA DE PT.

    NÃO SUSTENTE PARASITAS/VOTE NULO.

    ResponderExcluir
  81. FOLHA DE S. PAULO

    MEC divulga piso de R$ 1.451 para professores de ensino básico


    Publicidade




    RENATO MACHADO
    DE BRASÍLIA

    O Ministério da Educação divulgou nesta segunda-feira o novo valor do piso salarial nacional para os professores de educação básica: R$ 1.451.

    Estados não cumprem lei do piso nacional para professor

    O novo valor representa um reajuste de 22,22% em relação ao ano passado - o valor anterior era R$ 1.187.

    O MEC usa como parâmetro de reajuste o aumento no valor gasto por aluno no Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) - como prevê a lei nacional do piso do magistério, de 2008.

    O novo valor se refere ao mínimo que deve ser pago para professores com jornada semanal de trabalho de 40 horas. O piso deve ser divulgado anualmente até o mês de janeiro para ter vigência para todo o ano. Como houve atraso, o novo valor deve ser retroativo ao primeiro mês do ano.

    Apesar de ser uma lei federal, o piso para professores ainda é desrespeitado por muitos Estados e municípios.

    "Na verdade, a lei completa não é cumprida em praticamente nenhum lugar", disse o presidente da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), Roberto Franklin de Leão.

    A CNTE convocou uma paralisação nacional para os dias 14,15 e 16 deste mês por conta do não cumprimento da lei do piso. Além do mínimo salário que deve ser pago, a lei também prevê que um terço da jornada de trabalho deve ser extraclasse - na preparação de aulas ou atendimento ao aluno.

    Reportagem da Folha de novembro do ano passado mostrou que 17 Estados não cumpriam a legislação relativa ao piso - em pelo menos um dos pontos previstos.

    Do total de Estados, seis não pagavam na ocasião o mínimo estabelecido para o salários dos professores e 15 não respeitavam o limite de um terço da carga horário para atividades extraclasse - havia casos de Estados que não seguiam nenhuma regra.

    Por meio de nota, o Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) informou que acredita que a lei do piso valoriza os profissionais do magistério, mas alega que a maioria das 27 unidades da federação enfrenta dificuldades para o seu cumprimento, principalmente orçamentária.

    O Consed pede que o MEC complemente o recurso necessário para o pagamento do piso em Estados sem condições.

    O conselho também quer que o MEC apoie um projeto em tramitação na Câmara dos Deputados que prevê a troca do índice atual de reajuste pelo INPC (Índide Nacional de Preços o Consumidor) - que fechou o ano passado em 6,08.

    Outro pedido é para que haja um cronograma para que Estados e municípios implementem a regra de reservar um terço da jornada de trabalho dos professores para atividades fora de aula.

    "Trocar o índice de reajuste pelo INPC não é mais valorização do professor, que é o objetivo da lei do piso. Seria só uma correção da inflação", disse Leão, presidente da CNTE.

    Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/saber/1054197-mec-divulga-piso-de-r-1451-para-professores-de-ensino-basico.shtml. Acessado em 27 de fevereiro de 2012.
    EDUCADORA MINEIRA

    ResponderExcluir
  82. Prof.Euler e demais colegas boa noite!
    Hoje estou aqui para fazer uma denúncia contra os pritos do SEPLAG...Preciso da orientação do PROF. Euler e de toda categoria, estou doente e sendo tratada por médicos, quando fui na pericia com o laudo médico de 30 dias o perito aqui em Montes CLAROS , recusou a dar os 30 dias , e só deu 15 dias!E esta aberração está sendo uma constante aqui, uma professora com atestado acidente de trabalho 90 dias , foi negado o direito , teve 15 dias também!EStes casos se tornaram corriqueiros aqui , os peritos estão se achando!ALGO DEVE SER FEITO URGENTE!!!!!!
    Tenho problema sério no coração e perdi as digitais por causa do giz!
    Pois é Beatriz , na greve de 112 dias eu estava lá, só sai quando você nos entregou de bandeja ao tirano!Pergunte se o sindicato me ajudou?NÃO!!!!!!!!!EStão de olho nas eleições , não querem perder a mordomia!
    Necessito que me orientem!!!!!!!!
    Abraços
    Montes Claros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos ajudar companheiros(as)
      MELHOR DENÚNCIA EM MASSA!
      Ajude colegas! Somos uma classe é nosso dever ajudar!
      abraços!

      Excluir
  83. E agora Gazzola?

    Senado pode definir limite máximo de 35 alunos para salas de aula de todo o país
    27/02/2012 18h18

    Os senadores decidem na próxima quarta-feira (29) o resultado de projeto de lei que estabelece números máximos de alunos por turma na pré-escola e no ensino fundamental e médio. A proposta, de autoria do senador Humberto Costa (PT-PE), limita em 25 alunos a capacidade de turmas de pré-escola em todo o Brasil. Demais séries não poderiam conter mais de 35 alunos em sala.

    Esta e outras 11 propostas serão debatidas por integrantes da Comissão de Educação, Esporte e Cultura com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante.

    A relatora, senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE), apresentou voto favorável à aprovação da matéria. A decisão na CE será terminativa - terá valor de uma decisão do Senado. Quando tramita terminativamente, o projeto não vai a plenário: dependendo do tipo de matéria e do resultado da votação, é enviado diretamente à Câmara, encaminhado à sanção, promulgado ou arquivado. Ele somente será votado pelo plenário do Senado se recurso com esse objetivo, assinado por pelo menos nove senadores, for apresentado à Mesa. Após a votação do parecer da comissão, o prazo para a apresentação de recurso é de cinco dias úteis.

    ResponderExcluir
  84. GRAÇA:

    As lições da revolução educacional finlandesa para o mundo

    A RECEITA DO SUCESSO DO PAIS = VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR E DO AMBIENTE ESCOLAR

    No ranking do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) 2009, aplicado em 65 países pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a Finlândia alcançou o 3º lugar. O país chama a atenção não só pelos bons resultados, mas por apresentar um modelo diferente dos outros líderes do ranking, China e Coreia do Sul. No lugar de toneladas de exercícios e de um ritmo frenético de estudo, na Finlândia, há pouco dever de casa, e a maior preocupação é com a qualidade dos professores e dos ambientes de aprendizado. Não há avaliações periódicas padronizadas de alunos e docentes, que não recebem remuneração por desempenho. E todo o sistema escolar é financiado pelo Estado.
    Em seu livro, “Finnish lessons: what can the world learn from educational change in Finland?” (em uma tradução livre, Lições finlandesas: o que o mundo pode aprender com a mudança educacional na Finlândia?), Pasi Sahlberg, diretor de um centro de estudos vinculado ao Ministério da Educação do país, diz que o magistério é a carreira mais popular entre os jovens e que a transformação no Brasil deve começar pela igualdade de acesso a um ensino de qualidade.

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/educacao/as-licoes-da-revolucao-educacional-finlandesa-para-mundo-4077243#ixzz1ne4ukzx3

    ResponderExcluir
  85. Parabéns Giovani (pipoca) pelo exposto. Obrigado pela citação viu sobrinho da Charlotte.

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
  86. Piuí, piuí - bonde do hilari-hilariê!28 de fevereiro de 2012 14:02

    QUERO VER HILÁRIO, BEATRIZ, PAULO, LECIONI, LUIZ, DENTRE OUTROS COM BANDEIROLAS CUT/CNTE NAS MÃOS, VOCIFERANDO PARA O PÁTIO VAZIO DA ALMG.

    PSDPRÊ, PETRALHAS, PSBESTA E DEMÔNIOCRATAS SÃO TODOS FARINHA DO MESMO SACO.

    A ESTRATÉGIA É SILENCIAR PARA PERPETUAR. NÃO É MESMO BIA? ALIÁS, O SINDINÚTIL CAMINHA SONÂMBULO PARA OBSCURIDADE. ESTÃO DE FÉRIAS AINDA?

    ResponderExcluir
  87. Pelas respostas que li neste post ao comentário que fiz, dia 27 às 11:14, quero dizer que se existe dúvidas sobre a idoneidade da direção do sindute, que se prove, e que naum fiquemos jogando palavras ao vento, sem que anda seja provado. Não há até então quem prove q existiu dolo nas ações dessa diretoria. Só acho que todo mundo ta querendo pegar alguém pra Cristo pra justificar uma derrota que é de todos. Eu fui chamado de chato aqui, quando disse que não poderia aceitar essa tal de proporcionalida, que foi aceita pelo sindute e tb por esse blog. Acho que o erro está neste ponto. porque a partir do momento em que for retirada essa interpretaç]ao de proporcionalidade, sabemos que muita coisa será mudada, nas definições da atual forma de pagamento. Não quero ser o dono da verdade, mas creio que o nosso sindute foi ingenuo e não traidor como alguns ai estão cogitando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ANDERSON/DORALICE/RITA/GEAN /CONTAGEM28 de fevereiro de 2012 20:48

      JodsonFeb 28, 2012 09:47 AM ou você não lê ou é cego!!!!!!!!!!!!
      Ilumina Deus a cabeça dessa pessoa!
      Meu caro Beatriz no encerramento da greve tinha em seu poder um papel ASSINADO PELO GOVERNO, PELOS DEPUTADOS , PELA SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO ETC.... ONDE FOI PARAR ESTE PAPEL???????????
      O QUE ELA FEZ ? PORQUE O SIINDINÚTIL NÃO TEM ARGUMENTOS???????????NEM A MESMA! NOS POUPE!!!!!!!!!INGENUO ELES NÃO TEM NADA! TROUXAS FOMOS NÓS PROFESSORES!!!!!!!!!!!!!!!
      QUEREMOS A RENUNCIA EM MASSA!!!!!!!! QUEM ALIA COM O GOVERNO E SE CORROMPE COM CRUPOS POLITICOS NÃO PODE CONTINUAR! HORA DA MUDANÇA! PROF.EULER PUBLIQUE POR FAVOR!!!!!!!!!! ESTAMOS CANSADOS DE VER E LER ASNEIRAS DO GRUPITO QUE APOIA BEATRIZ!!!!!!!!!!!!

      Excluir
    2. E vc acha que uma renuncia agora vai acabar com nossos problemas, essa briga interna dentro da categoria só vai adiar a verdadeira luta. Acho q vcs estão priorizando uma briga política em detrimento de uma luta que é pelo resto de nossas vidas.

      Excluir
  88. De ingênuo sindute não tem nada,o que ele tem é incompetência mesmo.Se acostumou nos fazer massa de manobra.ESTOU NO ESTADO HÁ TRINTA ANOS e nunca vi tanta inoperância por parte desse pessoal.Não preciso provar ,todos estão vendo o que acontece por lá!Acorda pessoal!

    ResponderExcluir
  89. Giovane Diniz (Pipoca)Feb 27, 2012 05:48 PM
    Viram o discurso da Beatriz??? Obrigação de uma Paralização Nacional?

    Correção da ortografia: PARALISAÇÃO
    Não tem "Z"

    ResponderExcluir
  90. Jornal Nacional HOJE, MERCADANTE DISSE QUE TEM QUE VALORIZAR OS PROFESSORES PAGANDO O PISO.

    ResponderExcluir
  91. A QUAL "JUSTIÇA" A CATEGORIA QUE APELAR???

    Caro Euler e demais colegar professores,

    ao observar a tabela acima, no início do artigo do professor Euler, fiquei estarrecido.

    No meu caso, sou professor PEB 4B, com pós-graduação e 10 anos de carreira. Entretanto, meu salário é de apenas R$ 1.452,00, muito abaixo do que realmente teria direito a receber.

    De fato, as perdas são enormes, e tudo isso com a conivência dos poderes instituídos deste país, legislativo, executivo, judiciário, etc, tanto nos níveis municipais, estaduais e federais.

    Quanto a isso, causa-nos muita indignação, ver na mídia, o MEC, órgão do governo federal, divulgar um piso nacional dos professores, mas que na prática, não existe. Tudo não passa de uma grande farsa! O governo federal petista, se quisesse, poderia mudar tudo isso, exigindo que a lei fosse cumprida por estados e municípios. E por que ele não faz isso? Simples. Porque todos eles não passam de "farinha do mesmo saco" sujo, e nunca de importaram com a educação, com os professores,com a sociedade.

    Talvez muitos aqui ainda consigam acreditar em alguma possível boa-vontade de algum político supostamente "bem intencionado". Entretanto, nós, professores, temos todas as razões para não mais acreditarmos em nenhum partido político, em nenhuma sanguessuga que adentra o corrupto cenário político nacional. Observem por exemplo, os nomes dos bandidos travestidos de deputados, que jogaram nossa carreira na lata do lixo: são provenientes de diferentes denominações partidárias criadas somente para aprovar projetos corruptos do governo de Minas. Estes partidos "hienas" estão infestados de sanguessugas "lesa-pátria", que somente buscam seus próprios interesses escusos.

    Portanto, chegamos a um ponto que não podemos mais nos iludirmos com uma possível "virada de mesa" que, como um passe de mágica, reverteria toda esta situação.

    Percebo que muitos aqui falam em apelar para a "justiça". Mas que justiça existe neste país???!!! Temos provas suficientes para sabermos que neste cenário político podre, sujo e corrupto, não temos a mínima chance de mudar este quadro através da "justiça" deste país.

    Entendo que só conseguiremos reverter esta situação que nos aniquila, a partir do momento que, juntos, conseguirmos nos organizar como categoria, como classe. Assim, poderemos exigir de diversas formas que nossas reivindicações sejam atendidas. E o melhor instrumento que temos em mãos é a greve, que é nosso direito legal e constitucional. Entretanto, é preciso que cada vez mais os professores se conscientizem desta realidade. Nunca tivemos uma greve com adesão de pelo menos 50%. E uma adesão de 50% de professores em uma greve, levaria ao caos o sistema educacional do estado. Certamente que eles nos passariam a respeitar e atenderiam nossas reivindicações.

    O "sindeinútil" nunca conseguiu uma grande adesão às greves, porque sempre optou pelos conchavos politiqueiros, sempre foi atrelado a políticos espertalhões, que só buscam usar os professores como plataforma política. E também porque sempre não foi um sindicato democrático, transparente e aberto a discussão com a classe.

    Portanto, vamos cada vez mais utilizar este espaço aqui, para que possamos discutir propostas, sugerir alternativas e fortalecer a categoria. É preciso levar informação ao maior número possível de professores, principalmente aqueles que se recusam a entender que a greve é nossa principal forma de luta e resistência.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    Belo Horizonte - MG

    ResponderExcluir
  92. que saudades do Newton Cardoso!!! Hélio Garcia!!!!!Eramos felizes e ñ sabíamos .Porém temos em mg um governador q manda mais q a presidenta,ele fala e ela cala.com o Anastásia estamos numa era de MANDA QUEM PODE E OBEDECE QUEM TEM JUÍZO.abraços amigos companheiros.

    ResponderExcluir
  93. se formos fazer greve ,q seja em massa e ñ gatos pingados,só vence quem luta e quem luta junto vence mais ainda .

    ResponderExcluir
  94. Euler, não estou conseguindo visualizar meu contracheque.Alias, o Prtal do servidor nao abre.

    ResponderExcluir
  95. Caro Euler,
    As criticas são bem vindas e através delas podemos corrigir e acrescentar.
    Porém vc declara que só agora a CNTE diz que os estados não pagam o piso.Isto é uma inverdade, e vc sabe disso .E se hoje temos o piso reajustado em 22,22% foi devido a luta que a CNTE travou no congresso nacional em dezembro.
    Quanto a democracia que vc diz não ter no SINDUTE também é inverdade pois o que mais fizemos durante a greve foi ouvir as outras forças politicas existente em nossa categoris.
    Que Núcleo duro da Greve é este que ainda estão pensando em fazer a paralisação chamada pela CNTE?
    Repense companheiro e vamos a luta.
    Marilda

    ResponderExcluir
  96. Os Educadores mineiros têm razão de sobra para estarem duvidosos com essa paralisação e outras que por ventura queira a CNTE, exatamente porque nos sentimos sozinhos em 2011. Então... aqui por Minas essa paralisação não deve se configurar. E não é sem razão!

    ResponderExcluir
  97. GREVE MIDIÁTICA
    AH EULER, eu e meus devaneios...
    Que tal, se todos os professores do Estado de Minas, trocassem de canal durante a apresentação da nova novela das oito (que na realidade é nove), cuja protagonista é a senhora Débora Falabella. Onde se quer contemplássemos a exibição deste produto da Emissora Globo?
    Ainda dá tempo de todos nós nos articularmos para tal empreitada, e mostrar ao povo brasileiro nossa indignação. Eu penso que seríamos um bom exemplo dado à classe dos artistas, que infelizmente ainda (no caso de alguns) se vendem para dizer inverdades.
    Fica a dica!
    Belo - Carangola

    ResponderExcluir