segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Se houvesse a federalização, os recursos do FUNDEB em 2012 dariam para pagar R$ 3.000,00 de salário para os professores de todo o Brasil


Por e-mail, um convite feito pela UCMG - União Colegial de Minas Gerais


Se houvesse a federalização, os recursos do FUNDEB em 2012 dariam para pagar R$ 3.000,00 de salário para os professores de todo o Brasil


As elites brasileiras não querem que a Educação pública no ensino básico funcione a contento. Por isso aplicam golpes, calotes, confiscos, ao invés de buscarem reais soluções para os problemas da Educação básica, sendo o da valorização do profissional da Educação o principal deles. O piso salarial nacional, por exemplo, criado para cumprir essa função determinada pela Carta Magna - a de valorizar o educador - tem surtido efeito inverso, como acontece em Minas Gerais - mas não somente -, onde o governo, para não cumprir a lei federal, alterou a lei estadual, esvaziando a essência da Lei do Piso.

A par desta realidade dramática, ficamos sabendo, através do site do MEC, que em 2012 a receita do FUNDEB será de R$ 114 bilhões de reais. O FUNDEB, como já explicamos aqui, é um fundo contábil que recebe repasses constitucionais dos impostos dos municípios e estados e a complementação da União. Cada ente federado administra o "seu" FUNDEB praticamente ao bel prazer, já que não existem mecanismos sérios de fiscalização e controle, o que provoca geralmente desvios, má utilização, inchaço da folha de pagamento, etc. E com isso, os grandes prejudicados são os profissionais da Educação e a população brasileira, que necessita e tem direito a um ensino público de qualidade.

Contudo, bastaria uma conta rápida para percebermos o quanto os recursos da Educação existem, mas são investidos de forma inadequada, em função deste sistema descentralizado de gestão do FUNDEB. No Brasil existem cerca de 3 milhões de profissionais da Educação na ativa, sendo que dois terços destes são professores. Façamos então uma conta simples: R$ 114 bilhões (recursos totais do FUNDEB) divididos para 3 milhões de educadores, dá uma média de R$ 38.000,00 por ano para cada profissional da Educação. Este valor dividido por 13,33 (13 salários mais o terço de férias) resulta em R$ 2.850,00 mensalmente por educador. Mas, se considerarmos que boa parte dos profissionais é composta por servidores com ensino médio e salários mais baixos do que os cargos com exigência de ensino superior - além das diferentes situações funcionais - veremos que, com os recursos do FUNDEB seria possível pagar pelo menos R$ 3.000,00 por professor por cargo.

Ainda que fosse necessário uma pequena complementação extra do governo federal, para as poucas realidades onde os salários tenham atingido patamares maiores, seria possível iniciar assim uma real política de valorização profissional dos educadores. Se houvesse de fato interesse e disposição política para tal. E vocês podem perguntar: e por que então os recursos do FUNDEB, distribuídos de forma descentralizada, são insuficientes? Uma primeira resposta pode ser a de que existem realidades diferentes, com estados ricos arrecadando mais que estados ou municípios pobres. Isso, contudo, só justifica a necessidade de um controle nacional destes recursos, para a sua distribuição com os mesmos critérios. Mas, há outras respostas para a dúvida levantada. Uma delas, é a má gestão dos recursos por prefeitos e governadores, que lançam mão das verbas do FUNDEB para bancar coisas que fogem à natureza deste fundo. Por exemplo: pagar pessoal que não é da Educação com recursos do FUNDEB; ou pagar pessoal da Educação que já esteja aposentado, os quais devem receber sua merecida aposentadoria - com valores equivalentes aos do pessoal da ativa - com recursos do tesouro do estado, caso a previdência não detenha tal recurso, mas não do FUNDEB; além de desvios com contratações de serviços e obras superfaturadas.

Se os recursos do FUNDEB fossem administrados por uma secretaria nacional, que ficasse responsável pela remuneração de uma folha federalizada dos profissionais da Educação, seguramente a história seria outra. Acabaria a politicagem de estados e municípios em manusear a folha e a contratação para atender a interesses de caixa, ou de políticos regionais; seria possível estabelecer uma política nacional de fato, com a real aplicação do piso salarial nacional e um plano de carreira nacional, com a devida valorização dos profissionais. E até mesmo a remoção entre profissionais de distintas redes em qualquer parte do país poderia ser pensada. Além, é claro, de uma política séria de formação continuada.

Nada disso acontece porque as elites dominantes não têm interesse que o estado cumpra o seu papel constitucional, de oferecer um ensino público de qualidade para todos, especialmente para a maioria da população de baixa renda, que necessita e tem direito a este ensino de qualidade. Ao não remunerar dignamente o educador, não valorizar o profissional da Educação, os governantes apostam no sucateamento do ensino público, abrindo e ampliando os espaços para a crescente privatização do ensino.

E enquanto isso, o que assistimos em todo o Brasil? Os estados e municípios desenvolvendo políticas de choque de gestão, sinônimo de choque de confisco salarial dos educadores, recusando-se até mesmo a pagar o rebaixado valor do piso salarial nacional. É o triste retrato de um país cujos governantes e parlamentares e juízes e promotores públicos demonstram, com raras e honrosas exceções, pouco respeito para com os interesses públicos dos de baixo.

E assim caminha o Brasil: de um lado, a propaganda de um valor pomposo para o FUNDEB de 2012 de R$ 114 bilhões, o qual, aritmeticamente falando, daria para proporcionar R$ 3.000,00 mensais para cada professor por cada cargo; de outro lado, a realidade nua e crua dos governos estaduais e municipais burlando a lei do piso e pagando a metade ou menos do valor a que os educadores fazem jus.

Que os profissionais da Educação, os pais de alunos e os estudantes reflitam sobre essa realidade e lutem para mudá-la. Esta mesma realidade, que está presente também muito provavelmente na Saúde pública, ou nos recursos que os políticos arrecadam durante as enchentes - e depois deixam de usá-los corretamente -, entre outros. O que não podemos é assistir a tudo isso calados, sem nada fazer.

Um forte abraço a todos e força na luta! Até a nossa vitória!

P.S. Atenção, bravos guerreiros e guerreiras da Educação: a reunião do NDG está confirmada para o dia 10, amanhã (terça-feira), às 18h, na sede do SINDREDE, localizada à Av. Amazonas, 491, 10º andar, Edifício Dantês, próximo à Praça Sete.

***


Frei Gilvander:

Balanço da Reforma Agrária em 2011 feito pela CPT

Vejam balanço da reforma agrária em 2011, realizado pela equipe da CPT do nordeste, objetivo e claro. 05/01/2012.

O início de 2011 foi marcado pela perspectiva de que o governo da Presidenta Dilma pudesse percorrer o caminho para superar os desafios e impasses históricos da Reforma Agrária no Brasil. Com o apoio da maioria no Congresso Nacional, a nova Presidenta teria, nesse campo estratégico, condições políticas para impulsionar um processo de Reforma Agrária, o que nunca foi feito no Brasil.

Apesar dessas legítimas expectativas, o que se configurou na prática foi que o Estado brasileiro direcionou toda a sua energia para garantir o avanço de um modelo ultrapassado de desenvolvimento para o país, com um perfil concentrador de renda, prejudicial ao meio-ambiente e às populações tradicionais.

De fato, as diretrizes política e econômica do governo são as mesmas do grande capital. Como consequência desta opção, os maiores impactados foram os trabalhadores e trabalhadoras rurais, as comunidades tradicionais, indígenas, posseiros, ribeirinhos, toda a diversidade de povos que vivem no campo brasileiro e a mãe Terra.

De um lado, isso reflete uma violência e o abandono do povo excluído. Do outro, tem provocado um momento de retomada de mobilizações e independência dos pequenos, frente à traição de quem julgavam ser aliados. Essa importante retomada vem acontecendo em toda América Latina.

No Brasil, a obsessão do Governo da Presidenta Dilma pela implantação de grandes projetos e pela produção ilimitada de commodities tem levado as populações tradicionais, indígenas e camponeses a retomarem seus originais métodos de protesto. Exemplo emblemático disto é o debate em torno da Hidroelétrica de Belo Monte e do Código Florestal.

A Reforma Agrária agoniza.

Os números da Reforma Agrária deste governo, em relação às famílias assentadas, foram ainda piores do que o primeiro ano do governo anterior. Em 2011, somente 6.072 famílias foram assentadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O número é pífio e insignificante diante da quantidade de famílias acampadas que se encontram do outro lado das cercas do latifúndio do agronegócio. De acordo com estimativas do próprio Incra, existem aproximadamente 180 mil famílias debaixo da lona preta em todo o país.

De um lado, o número insignificante de desapropriações. Do outro, um imenso contingente de famílias sem terras. Esta realidade se choca com outra: a da grande disponibilidade de terras improdutivas e devolutas no país. Os dados oficiais mostram que mais de dois terços das propriedades de grande e médio porte não cumprem com sua função social. Terras improdutivas, assim como as devolutas, deveriam ser destinadas imediatamente para fins de Reforma Agrária, no entanto já possuem um destino definido: o agro-hidronegócio e os projetos de desenvolvimento.

Mesmo nas áreas de assentamentos, continuou faltando política de Estado. Neste cenário de total ausência de incentivo à agricultura camponesa, muitas famílias foram mantidas à mercê do capital, de seus interesses e de seus instrumentos de controle e de exploração. Nas regiões de monocultivo da cana-de-açúcar, por exemplo, as Usinas ocupam o vácuo deixado pelo Estado e se apropriam do território camponês, oferecendo financiamento, infraestrutura e assistência técnica às famílias, tornando-as reféns da lógica definida pelo modelo de produção do agronegócio.

Por outro lado, o Governo não mediu esforços para garantir o avanço do agronegócio e do latifúndio, principalmente sob áreas tradicionalmente ocupadas por camponeses e camponesas. Um dos exemplos mais marcantes aconteceu em maio, quando a presidenta Dilma assinou de uma única vez, o decreto de desapropriação de quase 14 mil hectares na Chapada do Apodí/RN, para implantação do Projeto de irrigação que beneficiará meia dúzia de empresas do agronegócio. Em consequência, serão atingidos e prejudicados milhares de pequenos agricultores que desenvolvem experiências de convivência com o semiárido, reconhecidas internacionalmente.

É espantoso que Lula, em seus últimos anos de governo, não tenha chegado a desapropriar 14 mil hectares para a Reforma Agrária no RN e que Dilma, muito provavelmente, não desaproprie 14 mil hectares para essa finalidade em todo o seu governo. Entretanto, logo no seu primeiro ano de mandato, ela já desapropriou essa grande quantidade de terras para atender ao agronegócio. Além deste caso, vimos também a desapropriação de cerca de 8 mil hectares na região de Assú, também no RN, para a Zona de Processamento de Exportação (ZPEs).

Para os Povos indígenas e quilombolas que travam no dia-a-dia um embate pelo direito a terra, enfrentando a chegada do agronegócio e dos projetos governamentais, não há o que comemorar em 2011. Foram homologadas apenas três terras indígenas, sendo duas no estado do Amazonas e uma no Pará. O Governo não se sensibilizou nem com a situação dos povos indígenas de Mato Grosso do Sul, em especial os Kaiowá e Guarani, que vivem em conflito com fazendeiros e usineiros da região. Nenhuma ação foi feita para homologação das terras neste estado. No caso das populações descendentes de Zumbi dos Palmares, fora a desapropriação do território da comunidade de Brejo dos Crioulos, em Minas Gerais, poucos foram os resultados conseguidos frente às reivindicações e resistências das 3,5 mil comunidades quilombolas existentes no Brasil. De todas, apenas 6% tem a titulação de suas terras.

Também em 2011 foi dada a concessão, pelo Ibama, da licença de instalação para a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA), o que possibilitou o início das construções na região. Belo Monte é uma das principais obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e a primeira de inúmeras usinas a ser instalada na região Amazônica para beneficiar as grandes mineradoras, devastar a floresta e acabar com a forma de viver dos índios. Com ela, expande-se sobre a floresta o modelo de exploração e degradação planejado há 50 anos pelo grande capital.

Na contramão do que reivindicam as populações tradicionais e os sem terras, o Governo ainda anunciou uma redução do orçamento da Reforma Agrária para 2012. De acordo com o projeto de lei orçamentária previsto para o ano de 2012, as ações de obtenção de terras terão uma drástica redução de 28% em relação a 2011 e de 31,2% em relação a 2010. Além disso, a assistência técnica, já inviabilizada pelo Governo nos anos anteriores, ainda sofrerá uma redução de 30% em relação a 2010. Para a implantação de infraestrutura, o orçamento prevê uma perda de 8% em relação a 2011. Já a área da educação sofreu uma perda de quase R$ 55 milhões em comparação a 2009, correspondendo a uma redução de 63% de seu orçamento.

O Retrocesso continuou também na lei. O ano de 2011 se encerra com mais uma vitória da Bancada Ruralista. A aprovação do Código Florestal no Congresso Nacional ultrapassou as expectativas dos aliados da motoserra no Governo. Com retrocessos históricos, o Código prevê, entre outros exemplos gritantes, a anistia aos desmatadores anteriormente a julho de 2008, no que diz respeito ao dever de recuperação ambiental. Posição esta, aquém do entendimento consolidado até então pelo conservador Poder Judiciário brasileiro.

Como se não bastasse, a Lei complementar de nº 140, no que se refere à gestão ambiental, foi sancionada pela presidenta Dilma no final do ano, sem alardes. Com a aprovação da lei complementar, as competências de gestão ambiental ficam diluídas nos Estados e nos Municípios, que são muito mais vulneráveis a pressões políticas e empresariais.

A nova ameaça de retrocesso em curso é o lobby para um novo Código Mineral, que vem sendo redigido no Governo e no Congresso Nacional, sem o debate e sem a participação da sociedade e das populações diretamente interessadas e que serão atingidas, em sua grande maioria comunidades tradicionais.

Enquanto isso, avançam os grandes projetos de forma truculenta.

Em 2011, obras impactantes como a Transposição do Rio São Francisco, a Transnordestina, projetos de mineração, construções de BR's, a especulação imobiliária, obras da Copa, Porto de Suape, a construção da Hidrelétrica de Belo Monte e do Rio Madeira, barragens, além de outros mega-projetos, foram um dos principais causadores de conflitos agrários no país.

Para se ter uma ideia da gravidade desses efeitos sobre as populações tradicionais, no período de janeiro a setembro de 2011, registramos um total de 17 assassinatos de trabalhadores no campo. Destes assassinatos, pelo menos 8 têm ligações com a defesa do meio ambiente, 04 estão relacionados com as comunidades originárias ou tradicionais.

Em Alagoas, ocorreu o avanço do projeto de plantação de Eucalipto por parte do Grupo Suzano, especializado na fabricação de papel e celulose. O Grupo reivindica uma área de 30 mil hectares para viabilizar o investimento. O Governo do Estado já sinalizou positivamente e já tem mapeadas as terras que serão destinadas para a plantação do monocultivo.

Na Paraíba, outro fato emblemático foi o apoio incondicional do Governo para a implementação de uma Fábrica de Cimentos da Empresa Elizabeth em uma área de assentamento no litoral sul do Estado. A área que será ocupada pela Empresa também é reivindicada pelo povo indígena Tabajara.

Em Pernambuco, a Transnordestina atingiu as comunidades camponesas por onde tem passado, desde o Sertão, como o caso do município de Betânia até a Zona da Mata, como as famílias de Fleixeiras, no município de Escada, que resistiram bravamente ao despejo que daria lugar aos trilhos da Ferrovia.

Lutas e Resistência Camponesa em 2011.

Os camponeses e as camponesas continuam lutando pela Reforma Agrária e resistindo ao avanço do latifúndio e do agronegócio. Mesmo diante de todas as dificuldades impostas pelo Estado e pelo agronegócio, estes camponeses teimam em reescrever a história. Das 789.542 famílias assentadas nos últimos dez anos, 87% permanecem resistindo e produzindo no campo, sem qualquer tipo de incentivo governamental para a agricultura camponesa.

Apesar da diminuição das ocorrências das ocupações e acampamentos em 2011, aumentou o número de famílias envolvidas nestes conflitos de luta pela terra. Este ano, de acordo com os dados parciais da CPT, foram 245.420 pessoas envolvidas no período de janeiro a setembro de 2011, enquanto que no mesmo período de 2010, foram 234.150 pessoas envolvidas.

Registramos em 2011 mais de 350 mobilizações no país, protagonizadas pelos povos do campo. É como se em cada um dos 365 dias do ano, camponeses e camponesas organizados se mobilizassem em defesa da Reforma Agrária, dos direitos dos povos do campo e pelos territórios dos povos originários e de uso comum.

Algumas grandes mobilizações marcaram este ano que se encerra. Em agosto, cerca de 70 mil mulheres camponesas ocuparam as ruas de Brasília, reivindicando seus direitos, durante a Marcha das Margaridas.

Naquele mesmo mês, mais de 4 mil trabalhadores rurais sem terra ligados à Via Campesina montaram acampamento na capital federal, exigindo do Governo o compromisso com a Reforma Agrária. Por sua vez, “Aperte a Mão de Quem te Alimenta”, foi o nome da marcha realizada pelo MLST, de Goiânia até Brasília, e que explicitou a importância da produção agroecológica e da criação de assentamentos para garantir alimentos saudáveis, sem utilização de agrotóxicos.

Mais recentemente, cerca de 15 mil pessoas foram as ruas em Juazeiro e em Petrolina protestar contra a proposta do Governo de construir cisternas de PVC, que vai contra toda a metodologia de relação com o semiárido, construída pelas populações ao longo dos anos.

Além dos trabalhadores e trabalhadoras rurais sem terra, os quilombolas e indígenas também estiveram firmes em suas manifestações em 2011. Durante o mês de maio, os povos indígenas realizaram uma de suas maiores mobilizações, o acampamento Terra Livre, realizado em Brasília e que reuniu centenas de indígenas de mais de 230 povos de todo o país para apresentar suas principais reivindicações. Já no início de novembro, mais de dois mil quilombolas estiveram reunidos em Brasília, quando ocuparam pela primeira vez o Palácio do Planalto durante a Marcha Nacional em Defesa dos Direitos dos Quilombolas.

2012: Marcharemos na Luta pela Reforma Agrária.

Apesar do Estado brasileiro e de seus governantes condenarem a Reforma Agrária à morte, ela segue a cada dia pulsando com mais intensidade nas veias dos camponeses e das camponesas, como se ouvissem os ecos do compromisso de Elizabete Teixeira, na ocasião do sepultamento do seu companheiro: "Continuarei a tua luta". Este é o chamado que ecoa para aqueles e aquelas que acreditam e lutam em defesa da vida, da vida plena.

“Eu vim para que todos tenham Vida e Vida em abundância.” (João 10:10)

Comissão Pastoral da Terra - Nordeste II – dia 5 de janeiro de 2012.

Um abraço afetuoso. Gilvander Moreira, frei Carmelita.
e-mail: gilvander@igrejadocarmo.com.br
www.gilvander.org.br
www.twitter.com/gilvanderluis
Facebook: gilvander.moreira
skype: gilvander.moreira


191 comentários:

  1. Bom dia companheiros! Por gentileza que tiver uma resposta clara me responda: independente do tempo de serviço na escola, quem escolhe turmas primeiro, efetivos ou efetivados? Obrigada e aguardo uma resposta.
    Educadora ubaense.

    ResponderExcluir
  2. Oi Euler

    Você sabe informar como está o processo contra o governo estadual? Se é que ele existe...
    Temos que tomar providências juridícas contra este desgoverno!

    Outra coisa, é minha impressão ou sindicato está omisso?


    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Deu na Tribuna de Minas, em Juiz de Fora:

    Eleições ditam mudanças em Minas

    [...] "Apenas a secretária de Educação, Ana Lúcia Gazzola, e o secretário de Transportes e Obras Públicas, deputado federal Carlos Melles (DEM), podem deixar suas funções por motivo que não tenha caráter eleitoral.

    No caso de Gazolla, sua eventual saída é atribuída à greve de 114 dias dos professores da rede estadual. A avaliação da cúpula governista é de que faltou experiência política à secretária para tratar a questão. Ela mesmo teria relatado o desgaste em reunião do secretário no final do ano passado. A aposta é de que alguém com perfil mais político assuma a pasta. Carlos Melles, por sua vez, aparece com um pé fora do Governo devido ao baixo desempenho. O próprio Anastasia teria feito críticas duras ao modelo de gestão do secretário. Para seu lugar, à frente da cobiçada Secretaria de Transportes e Obras Públicas, é cotado o atual secretário Extraordinário de Estado de Gestão Metropolitana, o deputado federal Alexandre Silveira (PSD). Com oito deputados estaduais e dividindo com o PMDB o posto de terceira maior bancada da Assembleia, o PSD quer lugar de destaque na Cidade Administrativa. Além de Silveira, o deputado federal Marcos Monte (PSD) também trabalha para ser indicado."

    ResponderExcluir
  4. Espero que a federalização possa ocorrer o mais breve possível para que possamos escapar das insanidades e falcatruas desses ditadores de merda como o de MG.

    ResponderExcluir
  5. OLHA A CONTA MACABRA: (GUARDADO OS INTERESSES DE PODER DE CADA ATOR)

    FHC = PAULO RENATO = LULA (retirou da lei do piso o processo administrativo ao governante que não CUMPRISSE A LEI) = FERNANDO HADDAD = CNTE = AÉTICO NEVER = ANASTASIA = GAZZOLA = 51 LADRÕES = ROGÉRIO CORRÊA, CARLIN MOURA, PE JOÃO, WELINGTON PRADO E MINAS SEM CENSURA = SINDINÚTIL (BEATRIZ, HILÁRIO, MARILDA,INEZ CAMARGOS E DEMAIS MAMADORES DAS TETAS DO IMPOSTO SINDICAL)= CATEGORA QUE NÃO FEZ GREVE # DO NDG, EULER E COMPANHEIROS DE LUTA.

    DE QUE LADO VC ESTÁ?

    V DE VINGANÇA!

    ResponderExcluir
  6. É bom sonhar!Federalizar os salarios da educação é utopia! Como é pura fantasia o projeto de obrigar filhos de políticos a estudar em escolas públicas! No momento o melhor é fincar os pés no chão, focar a mente e agilizar as ações na justiça!Esperar pelo sindicato pra q?
    Acredito que nossa unica esperança é o Min Joaquim Barbosa que esta enrolando para publicar o final conclusivo do acordão. SOS!

    ResponderExcluir
  7. Euler, e seus comentários sobre a resolução da SEE deste ano...

    ResponderExcluir
  8. 2014: decepção com Aécio desnorteia oposição

    Há um ano, Aécio Neves era celebrado como grande promessa da oposição. Hoje, tornou-se um nome duro de roer. Tucanos e aliados viam nele a melhor opção presidencial. Passaram a enxergá-lo como a pior decepção da temporada.

    Em qualquer roda de políticos ficou fácil reconhecer um oposicionista: é o que está lamentando a popularidade de Dilma Rousseff e falando mal de Aécio Neves. Nas discussões sobre 2014, o senador mineiro é personagem indefeso.

    Para perscrutar as razões do desencantamento com Aécio, o blog ouviu cinco lideranças da oposição. Gente do PSDB, do DEM e do PPS. Um dissidente de legenda governista. O compromisso do anonimato destravou-lhes a língua.

    Espremendo-se as opiniões e peneirando-se os exageros, obtem-se um sumo uniforme. A desilusão dos oposicionistas assenta-se em três avaliações comuns:

    1. A atuação de Aécio em seu primeiro ano de Senado foi apagada. Algo incompatível com a biografia de um ex-presidente da Câmara. Ele não aconteceu, disse um dos entrevistados, no melhor resumo do sentimento que se generaliza.

    Como assim? Quando Itamar Franco era vivo, a voz de Minas no Senado era a dele, não a de Aécio. O grande feito de Aécio no Senado foi a relatoria do projeto que redefine o rito das medidas provisórias. Proposta do Sarney, não dele. É pouco.

    2. Dono de estilo acomodatício, Aécio é uma espécie de compositor da política. Compõe com todo mundo. Governou Minas com o apoio de partidos que, no Congresso, davam suporte a Lula. Em Brasília, o espírito conciliador, por excessivo, foi tomado como defeito.

    Aécio exagerou, queixou-se um ex-entusiasta do senador. Esmiuçou o raciocínio: no afã de atrair para o seu projeto pedaços insatisfeitos do bloco pró-Dilma, Aécio esquece que a oposição deve se opor. É improvável que ganhe aliados novos. E está perdendo os antigos.

    3. Imaginou-se que, livre dos afazeres de governador, que o prendiam a Minas, Aécio viraria rapidamente um personagem nacional. Por ora, nada. Por quê? A projeção exigiria dedicação e ampliação do horizonte temático, palpita um dos queixosos.

    Mas Aécio não é um obcecado pelo Planalto? Sim, mas revelou-se pouco aplicado e esquivou-se das polêmicas. Viajou pouco. No Senado, não foi dos mais assiduous em plenário. Subiu à tribuna só de raro em raro. No geral, esquivou-se das polêmicas.

    O critico citou um exemplo: PSDB e DEM decidiram quebrar lanças contra a DRU, o mecanismo que permite ao governo dispor livremente de 20% do Orçamento. Entre os tucanos, apenas cinco votaram contra. Aécio não estava entre eles.

    Ninguém vira alternativa presidencial fugindo dos temas espinhosos, lamuriou-se um expoente do próprio PSDB. Aécio continua sendo alternativa graças à vontade pessoal e à ausência de um sucedâneo. A sorte dele e que a maioria do partido não suporta o José Serra.

    Parte da cúpula do PSDB tenta antecipar para depois da eleição municipal de outubro a definição do nome do presidenciável da legenda. Em âmbito interno, a aversão a Serra faz de Aécio um favorito.

    Fora daí, é visto pela própria oposição como uma ex-promessa. Uma liderança que se absteve de acontecer. Um candidato que depende do fortuito para livrar-se da condição de favorito a fazer de Dilma uma presidente reeleita.

    http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2012/01/09/2014-decepcao-com-aecio-desnorteia-oposicao/

    ResponderExcluir
  9. Saiu a resolução para organização do ano letivo de 2012... mas uma vez o Governo Mineiro descumpriu uma lei que ele mesmo fez. A redução da carga Horária se quer foi lembrada pela resolução 2018 de 06 de fevereiro de 2012. Mais uma vez fomos roubados e enganados por esse governo.

    ResponderExcluir
  10. Caro anônimo,
    O grande tragédia da nossa classe é a desinformação e o fato de não procurarmos nos informar. Olha, todos querem um governo trabalhista, mas votam nos deputados da direita. No Brasil, queiramos ou não, o governo precisa dos deputados para aprovar seus projetos. Nas eleições não procuramos identificar os deputados voltados para o interesse dos menos favorecidos, na maioria das vezes votamos naqueles deputados que vão poder ou que já fizeram algum favorzinho prá cada um em particular e depois começamos a reclamar do governo que precisa negociar com esses deputados para poder governar. Você está totalmente desinformado, onde você tirou que o Presidente Lula retirou da lei do piso processo administrativo para quem não cumprisse a Lei? Não existe isso. Quer dizer que tem leis que os governadores podem descumprir?
    Convenhamos, colocar uma barbaridade desta é lamentável.
    Nenhum presidente, governador ou prefeito pode descumprir qualquer lei que seja, isso é constitucional. O que é preciso é que exista deputados dispostos a fiscalizar o cumprimento das leis, do ministério público para acionar a justiça e exercer sua função constitucional e uma justiça imparcial para julgar. agora culpar o ex-presidente Lula por um governo estadual não cumprir a lei ... Os poderes têm suas funções bem definidas: O executivo, administra, o legislativo, fiscaliza e pune o executivo que não cumpre a lei, assim como o judiciário que julga.
    ébom lembrar que foi Lula quem aprovou a lei do pisso nacional do Professor, FHC e paulo Renato nada fizeram, então, sejamos justos, se queremos que façam justiça em relação a nossos pleitos, façamos justiça também para com os outros. Sair atirando prá todo lado significa que vamos matar muitos "inocentes".

    ResponderExcluir
  11. Ta dando para preocupar!
    O que sera que houve com a Bea?

    ResponderExcluir
  12. Anónima das 07:40,
    A distribuição das turmas é feita pelo diretor, observada a conveniência pedagógica. Caso haja empate, observa-se quem tem mais tempo na escola( de efetivo ou de efetivado), a partir da data de posse.

    ResponderExcluir
  13. A REALIDADE EXPOSTA SERA NOSSA MAIOR VINGANÇA!

    fOLHA DE SP 09.01.2012 -
    2014: decepção com Aécio desnorteia oposição
    Há um ano, Aécio Neves era celebrado como grande promessa da oposição. Hoje, tornou-se um nome duro de roer. Tucanos e aliados viam nele a melhor opção presidencial. Passaram a enxergá-lo como a pior decepção da temporada.

    Em qualquer roda de políticos ficou fácil reconhecer um oposicionista: é o que está lamentando a popularidade de Dilma Rousseff e falando mal de Aécio Neves. Nas discussões sobre 2014, o senador mineiro é personagem indefeso.

    Para perscrutar as razões do desencantamento com Aécio, o blog ouviu cinco lideranças da oposição. Gente do PSDB, do DEM e do PPS. Um dissidente de legenda governista. O compromisso do anonimato destravou-lhes a língua.

    Espremendo-se as opiniões e peneirando-se os exageros, obtem-se um sumo uniforme. A desilusão dos oposicionistas assenta-se em três avaliações comuns:

    1. A atuação de Aécio em seu primeiro ano de Senado foi apagada. Algo incompatível com a biografia de um ex-presidente da Câmara. Ele não aconteceu, disse um dos entrevistados, no melhor resumo do sentimento que se generaliza.

    Como assim? Quando Itamar Franco era vivo, a voz de Minas no Senado era a dele, não a de Aécio. O grande feito de Aécio no Senado foi a relatoria do projeto que redefine o rito das medidas provisórias. Proposta do Sarney, não dele. É pouco.

    2. Dono de estilo acomodatício, Aécio é uma espécie de compositor da política. Compõe com todo mundo. Governou Minas com o apoio de partidos que, no Congresso, davam suporte a Lula. Em Brasília, o espírito conciliador, por excessivo, foi tomado como defeito.

    Aécio exagerou, queixou-se um ex-entusiasta do senador. Esmiuçou o raciocínio: no afã de atrair para o seu projeto pedaços insatisfeitos do bloco pró-Dilma, Aécio esquece que a oposição deve se opor. É improvável que ganhe aliados novos. E está perdendo os antigos.

    3. Imaginou-se que, livre dos afazeres de governador, que o prendiam a Minas, Aécio viraria rapidamente um personagem nacional. Por ora, nada. Por quê? A projeção exigiria dedicação e ampliação do horizonte temático, palpita um dos queixosos.

    Mas Aécio não é um obcecado pelo Planalto? Sim, mas revelou-se pouco aplicado e esquivou-se das polêmicas. Viajou pouco. No Senado, não foi dos mais assiduous em plenário. Subiu à tribuna só de raro em raro. No geral, esquivou-se das polêmicas.

    O critico citou um exemplo: PSDB e DEM decidiram quebrar lanças contra a DRU, o mecanismo que permite ao governo dispor livremente de 20% do Orçamento. Entre os tucanos, apenas cinco votaram contra. Aécio não estava entre eles.

    Ninguém vira alternativa presidencial fugindo dos temas espinhosos, lamuriou-se um expoente do próprio PSDB. Aécio continua sendo alternativa graças à vontade pessoal e à ausência de um sucedâneo. A sorte dele e que a maioria do partido não suporta o José Serra.

    Parte da cúpula do PSDB tenta antecipar para depois da eleição municipal de outubro a definição do nome do presidenciável da legenda. Em âmbito interno, a aversão a Serra faz de Aécio um favorito.

    Fora daí, é visto pela própria oposição como uma ex-promessa. Uma liderança que se absteve de acontecer. Um candidato que depende do fortuito para livrar-se da condição de favorito a fazer de Dilma uma presidente reeleita.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns, você falou bem, analisou bem, foi claro e preciso no assunto e seu texto é digno de aplausos. Mas pode ficar ainda melhor se você agora publicá-lo em vários jornais, principalmente os mais lidos como folha de São Paulo e outros mais por ai. Uma cópia deste texto deveria ser entregue mesmo que seja via email para cada senador, visto que neste ano a comissão de educação do senado vai debater a federalização da educação. Uma cópia desta obra prima também deveria chegar nas mãos de cada deputado federal mesmo que também fosse via email. Este texto seria maravilhoso para que a comissão de educação do senado iniciasse este ano os debates sobre a federalização da educação, creio que daria para todos os senadores muitos argumentos para várias análises. Para o nosso amigo Cristóvam Buarque então, hummm, seria um colírio para os olhos e uma canção para os ouvidos! Então Euler envie uma cópia para os políticos e vê se arruma lá no sindute uma verba para publicar este texto em vários jornais. Precisamos neste ano na época que a federalização estiver sendo discutida no senado, organizar caravanas de todos os estados para pressionarmos os senadores.

    Lobo Guará Zona da Mata

    ResponderExcluir
  15. Olá, pessoal da luta!

    Bom dia!

    Atenção, bravos guerreiros e guerreiras da Educação: a reunião do NDG está confirmada para o dia 10, amanhã (terça-feira), às 18h, na sede do SINDREDE, localizada à Av. Amazonas, 494, 10º andar, Edifício Dantês, próximo à Praça Sete.

    Um forte abraço a todos e força na luta!

    ResponderExcluir
  16. Boa Tarde Euler!
    O endereço do Sindrede é Av. Amazonas n°491 Sala 1009 Edifício Dantes, centro Belo Horizonte/MG.

    Grata, Andréa.

    ResponderExcluir
  17. João Paulo Ferreira de Assis9 de janeiro de 2012 14:52

    Prezado amigo e companheiro de luta Professor Euler

    Vou apresentar-lhe em privado algumas ideias.

    Saudações e até a vitória.
    João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir
  18. Não há separação entre efetivo e efetivado na escolha de turmas. O que será observado é o tempo de serviço (a contar da data de exercício) na escola.

    ResponderExcluir
  19. Há separação sim entre efetivos e efetivados: as horas dedicadas aos estudos para passar em concurso público.Quando tem aulas dee extensão o efetivado com maior tempo na escola terá vantagens porque fui removida depois de 2007 para esta escola. Oh mg, misericórdia!!!

    ResponderExcluir
  20. Até na escolha de turma o governo se vingou dos professores, efetivos e efetivados iguais? Jamais, prestei concurso e agora terei que ficar depois da Lei SEM VERGONHA? Que absurdo é esse? Para que concurso GOVERNADOR SAFADO?
    ESSA É A EDUCAÇÂO DE MG, SEM RESPEITAR AS CONQUISTAS SOFRIDAS DAS PESSOAS.

    ResponderExcluir
  21. Professores, olha como a polícia trata estudante na USP. Que falta de equilíbrio, formação,qualificação.......Estou com muito medo.O que está acontecendo?Depois dessas imagens....

    ResponderExcluir
  22. Que tal fazermos uma greve que junte a segurança (policiais) e educação (professores e cia). Sei que os policiais devem ser valorizados, porém quando lutamos por nossos direitos eles se sujeitam a capachos do desgoverno e nos amordaçam. Se a greve ocorrer no mesmo período não haverá represália e haverá uma grande pressão popular sobre o desgoverno. E quanto a Lei 100 como anda os trâmites legais?
    Marissol

    ResponderExcluir
  23. Olá Euler e blogueiros!

    RESOLUÇÃO SEE Nº 2018, DE 06 DE JANEIRO DE 2012.
    CAPÍTULO II
    ATRIBUIÇÃO DE TURMAS, AULAS E FUNÇÕES
    SEÇÃO I
    DA CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
    Art.8º As turmas, aulas e funções serão atribuídas aos servidores ¹efetivos
    e efetivados nos termos da Lei Complementar n° 100/2007, observando-se o cargo, a titulação e a data de lotação na escola.

    § 1º Ocorrendo empate na aplicação do disposto no caput deste artigo
    será dada preferência, sucessivamente, ao servidor com:
    I- maior tempo de serviço na escola;
    II- maior tempo de serviço público estadual;
    III- idade maior.

    E S C L A R E C I M E N T O
    _____________________________ escolha de turmas!

    Aqui começa a confusão: você preenche cargo público de provimento por concurso art.41. Logo, pressupõe-se que você cumpra o hall taxativo como aprovação em concurso, nomeação, posse, exercício e, finalmente, estágio probatório - após três anos de exercício (notas satisfatórias de avaliação de desempenho e nenhuma improbidade administrativa) = ESTABILIDADE.

    § 2º O tempo a ser computado para efeito do disposto no parágrafo anterior
    é o tempo de serviço na escola após assumir exercício em decorrência
    de nomeação, estabilidade nos termos do artigo 19 do Ato das Disposições
    Transitórias da Constituição Federal, efetivação nos termos da
    Lei Complementar n° 100/2007, remoção ou mudança de lotação.

    Aqui, ele tira o "mel" da boca do efetivado porque independente do tempo de serviço do mesmo ser maior que a do efetivo, este está amparado pelo art.19 da CF/1988. O cargo efetivo pode ser preenchido, temporariamente, por funcionário não estável. Portanto, efetividade se refere ao cargo e estabilidade é atributo adquirido por ocupante do cargo, que, conforme a constituição, “sabatinado” por concurso de provas ou provas e títulos. Não basta ser nomeado, tem que ser estável também. Não é à toa que a resolução da SEE cita o art.19 da CF.

    Estou tranquilinho! Retificações da resolução virão, sem contar mandado de segurança que pipocará na minha SRE.

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
  24. Prezado anônimo das 17:07, se não for pedir muito, será que você poderia redigir um texto para o mandado de segurança com todos os termos adequados de serem mencionados no mesmo, para que nós que fomos removidos e talvez estejamos correndo o risco ate mesmo de sermos remanejados, a revelia da Constituição Federal, por estarmos sendo governados por esse ser que dispensa comentários.
    Caso seja possível, agradeço de coração.

    ResponderExcluir
  25. Pessoal, um efetivado na minha escola tem mais tempo do que eu (concursada) porque obtive minha remoção para esta escola somente em 2010. Haverá aulas de extensão e ele já me comunicou que estas serão dele porque ele tem mais tempo na escola do que eu. Sei que parece egoismo da minha parte discutir este assunto aqui mas como estamos enfraquecidos financeiramente após o movimento do ano passado e exaustos devido às reposições, gostaria de saber de este "educador" realmente ficará com as aulas de extensão. Na escolha de turmas não haverá problemas porque ele prefere turmas que eu não interesso.

    Abraços (principalmente aos irmãos e colegas vítimas das chuvas: Guidoval, Ponte Nova, Presidente Bernardes, Muriaé,Visconde do Rio Branco entre outros).

    ResponderExcluir
  26. se um efetivado passar na minha frente na escolha das aulas imediatamente entro na justiça

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  28. Cadê a redução da carga horária. Professor só leva na b.... O governo deve achar que nós nos formamos pra BURRO. É só lorota e promessa, mais nada. Maldita a hora que eu escolhi essa carreira, uma boa cabeça de porco que essa área se tornou!

    ResponderExcluir
  29. Quanta Pobreza de espírito, Flávio de BH. É por isso que essa classe só leva fumo, uns acham que são melhores do que os outros, e estamos todos afundados na mesma merda.

    ResponderExcluir
  30. Por favor, alguém me responda:
    Sou professora de história efetiva, nomeada no concurso de 2005, mas estou na minha escola desde 2007.
    Tem efetivados que estão lá desde antes de 2007 e que foram nomeados por esta famigerada Lei 100.
    Será que eles terão preferência na escolha de aulas?

    Por favor, por favor, alguém me responda, pois a minha diretora é o cão chupando manga e não nos auxilia em nada!

    ResponderExcluir
  31. Anônimo das 20:15

    Pobreza de espiríto é um profissional da educação não conseguir passar em um concurso público, mesmo depois de mais de 20 anos de carreira.
    O que ele está ensiando aos seus alunos?

    Outra coisa existe lei nesta nação e uma das prerrogativas do funcionalismo público e prestar concurso de provas ou de títulos.

    ResponderExcluir
  32. Euler, nos ajude!

    Vamos impetrar mandados de segurança contra este desgoverno.

    ResponderExcluir
  33. Anônimo de 17:07. Concordo plenamente. "Não sustente parasitas! Vote nulo"

    ResponderExcluir
  34. Decepção com Aécio desnorteia oposição

    Há um ano, Aécio Neves era celebrado como grande promessa da oposição. Hoje, tornou-se um nome duro de roer. Tucanos e aliados viam nele a melhor opção presidencial. Passaram a enxergá-lo como a pior decepção da temporada.

    Em qualquer roda de políticos ficou fácil reconhecer um oposicionista: é o que está lamentando a popularidade de Dilma Rousseff e falando mal de Aécio Neves. Nas discussões sobre 2014, o senador mineiro é personagem indefeso.

    Para perscrutar as razões do desencantamento com Aécio, o blog ouviu cinco lideranças da oposição. Gente do PSDB, do DEM e do PPS. Um dissidente de legenda governista. O compromisso do anonimato destravou-lhes a língua.

    Espremendo-se as opiniões e peneirando-se os exageros, obtem-se um sumo uniforme. A desilusão dos oposicionistas assenta-se em três avaliações comuns:

    1. A atuação de Aécio em seu primeiro ano de Senado foi apagada. Algo incompatível com a biografia de um ex-presidente da Câmara. Ele não aconteceu, disse um dos entrevistados, no melhor resumo do sentimento que se generaliza.

    Como assim? Quando Itamar Franco era vivo, a voz de Minas no Senado era a dele, não a de Aécio. O grande feito de Aécio no Senado foi a relatoria do projeto que redefine o rito das medidas provisórias. Proposta do Sarney, não dele. É pouco.

    2. Dono de estilo acomodatício, Aécio é uma espécie de compositor da política. Compõe com todo mundo. Governou Minas com o apoio de partidos que, no Congresso, davam suporte a Lula. Em Brasília, o espírito conciliador, por excessivo, foi tomado como defeito.

    Aécio exagerou, queixou-se um ex-entusiasta do senador. Esmiuçou o raciocínio: no afã de atrair para o seu projeto pedaços insatisfeitos do bloco pró-Dilma, Aécio esquece que a oposição deve se opor. É improvável que ganhe aliados novos. E está perdendo os antigos.

    3. Imaginou-se que, livre dos afazeres de governador, que o prendiam a Minas, Aécio viraria rapidamente um personagem nacional. Por ora, nada. Por quê? A projeção exigiria dedicação e ampliação do horizonte temático, palpita um dos queixosos.

    Mas Aécio não é um obcecado pelo Planalto? Sim, mas revelou-se pouco aplicado. Viajou pouco. No Senado, não foi dos mais assíduos em plenário. Subiu à tribuna só de raro em raro. No geral, esquivou-se das polêmicas.

    O crítico citou um exemplo: PSDB e DEM decidiram quebrar lanças contra a DRU, o mecanismo que permite ao governo dispor livremente de 20% do Orçamento. Entre os tucanos, apenas cinco votaram contra. Aécio não estava entre eles.

    Ninguém vira alternativa presidencial fugindo dos temas espinhosos, lamuriou-se um expoente do próprio PSDB. Aécio continua sendo alternativa graças à vontade pessoal e à ausência de um sucedâneo. A sorte dele é que a maioria do partido não suporta o José Serra.

    Parte da cúpula do PSDB tenta antecipar para depois da eleição municipal de outubro a definição do nome do presidenciável da legenda. Em âmbito interno, a aversão a Serra faz de Aécio um favorito.

    Fora daí, é visto pela própria oposição como uma ex-promessa. Uma liderança que se absteve de acontecer. Um candidato que depende do fortuito para livrar-se da condição de favorito a fazer de Dilma uma presidente reeleita.

    ResponderExcluir
  35. Pessoal, vamos nos organizar, primeiro precisamos saber em que situações podemos usar o mandado de segurança. Como distribuição de turmas e encargo do diretor, não acredito que seja motivo porque o professor deve estar preparado para trabalhar em todas as turmas. Para escolha de horário e principalmente quando o concursado correr o risco de perder sua lotação por diminuiçao de turmas ou algo parecido aí sim, eu acho que cabe mandado de segurança. Temos que ter o cuidado com o que queremos, já tivemos exemplos de argumentos mau feitos que não deram em nada por parte do nosso sindicato.
    Flávio, só depois de postado o comentário(17:57) é que vi seu nome, pressa faz essas coisas.

    ResponderExcluir
  36. Pois é caro Euler.Mas o governo federal também tem sua parcela de culpa.Elabora uma lei que sabe que não será cumprida. Permite por meio do Supremo, que o governo de MG,altere o regime sem respeitar aqueles que já se encontravam no processo e nada faz para mudar. O Sindicato como já havia citado, permitiu que houvesse uma efetivação de servidores, desrespeitando a Constituição e ainda quer ter moral para exigir algo do governo.Não podemos esquecer ainda, os demais colegas que ficaram nas escolas contemplando a ação do governo.É triste ver esse quadro e mais ainda, ver como profissionais que deveriam conscientizar e politizar nossos discentes, são mais incompetentes e ignorantes do que aqueles que seriam responsáveis em nos representar.
    É duro o que vou escrever em seu blog companheiro, mas, estou desapontada com a educação e querendo trocar de área,porque a cada ato que vejo do governo e a cada atrocidade que leio, devo concordar com o Paulo Freire: "Quem anda educando nossos educadores?".
    Hoje ao ler o quadro de pessoal, cheguei a conclusão do quanto a importancia da educação e dos servidores, é algo que pouca importa ao governo.O Sindicato também teve sua omissão. Não digo, como já coloquei aqui,que os efetivados sejam responsáveis,mas,penso que,o respeito ao concursado deveria ter.Houve estudo, dedicação e cumprimento do edital, da lei.E agora? Somos colocados em pé de igualdade como se não fossemos nada ou ainda pior. Somos nós, os "contra - lei". Os que apenas tem um cargo. Se quiser outro, tinhamos que prestar outro concurso. Nós, que tivemos que apresentar acumulo de cargo, habilitação e cumprimento do edital. E os efetivados? E o que vez o Sindicato? Cobrar do governo respeito a lei,sendo que o Sindicato permitiu tal ato?
    Governo, sindicato, categoria e entre outros,são motivos que levam aos bons profissionais a abandonarem essa carreira.Pena! Porque mais do que nunca, precisamos de bons profissionais, pensadores e articuladores.
    Quando isso irá mudar?
    Obrigada por ouvir, ou melhor, ler meu desabafo,apesar de saber que não é essa sua função.
    Abraços

    ResponderExcluir
  37. Sobre a estabilidade do servidor

    "Quais cargos poderiam ser tornados vitalícios? Quais os motivos para que isso ocorresse? Seria razoável a medida? Imagine o Poder Executivo atribuindo vitaliciedade, por seu projeto de lei, a parcela dos cargos de sua estrutura administrativa"

    http://efoadvogado.blogspot.com/2011/05/artigo-41-da-constituicao-federal.html

    ResponderExcluir
  38. Tem que mudar rápido esse sindicato......

    ResponderExcluir
  39. Olá, pessoal da luta!

    Boa noite!

    Todo início de ano tem esse problema da distribuição de turmas. É mais um dos problemas ligados à Educação, cujos profissionais são tratados com descaso, e o governo aposta na divisão da categoria para nos enfraquecer. O correto seria enfrentar esse problema por critérios mais coerentes e lógicos.

    O combativo Flávio citou o fato de um servidor efetivo estar ligado ao cargo na sua nomeação, seguida da posse e da lotação. É fato.

    Numa outra escola que trabalhei, certa feita me senti prejudicado, até mesmo em relação a uma colega efetiva - que também não teve culpa da situação. Naquela altura eu já defendia a concepção de que o cargo é preenchido a partir da nomeação - é ali que ele passa a existir legal e formalmente. Mas, o governo sempre adotou o critério de tempo na escola como um tempo total, de contrato e efetivo, o que eu considerava injusto, posto que a contratação precária não assegura estabilidade (não estou me referindo ao efetivado, que é uma outra situação criada pelo governo).

    Nesse ponto específico, o governo deu um pequeno passo à frente quando considerou o tempo na escola a partir da posse ou da efetivação. Mas, ele comete uma injustiça quando iguala efetivo e efetivado no critério de prioridade para escolha de turma. Penso que o primeiro critério deveria continuar com o efetivo, a partir de sua nomeação e lotação ou remoção na escola em questão; em seguida viria o efetivado (não vou entrar no mérito da legalidade ou não da lei 100, pois isso somente a justiça poderá resolver. E ao contrário do que tentam fazer crer alguns, não se pode comparar a Lei 100 com a Lei do Piso. A lei 100 traz elementos que são legítimos e defensáveis moralmente falando. O não pagamento do piso é totalmente indefensável, ilegal e imoral).

    Portanto, está na hora da direção do sindicato suspender suas férias e exigir negociação com o governo para discutir especificamente a resolução 2.018. Os critérios corretos, na minha modesta opinião que está obviamente sujeita a erros e ao convencimento do contrário:

    1) o primeiro a escolher as turmas deve ser o professor efetivo concursado, respeitando-se o maior tempo na escola enquanto efetivo (e não a soma de efetivo + contratado, quando ele ainda não detinha formalmente o cargo);

    2) preenchidas as vagas pelos efetivos, é a vez dos efetivados escolherem as turmas, também pelo critério do maior tempo na escola;

    (continua...)

    ResponderExcluir
  40. (continua... parte 2)

    3) não havendo turmas suficientes, os excedentes (efetivos e/ou efetivados) permaneceriam na escola, em trabalhos na biblioteca, ou em substituição aos colegas de licença, até que se aplique o terço de tempo extraclasse e se aproveite estes colegas em sala de aula;

    4) somente após a aplicação do terço de tempo extraclasse, e não havendo como aproveitar os servidores em questão na biblioteca, ou em algum projeto pedagógico, somente então se estudará um possível remanejamento, com a participação efetiva dos servidores em questão, e mesmo assim considerando o local mais próximo da residência e a escolha do servidor, podendo este voltar para a escola de sua preferência, caso ocorra o preenchimento de novas turmas, ou a aposentadoria ou a remoção de algum servidor (tendo, portanto, a preferência em caso de vacância de cargo). Não havendo vagas nas demais escolas do município, o servidor ficará como excedente na sua escola, desenvolvendo trabalhos de apoio pedagógico, até que possa ocupar novamente a regência de turmas.

    Essa é a minha proposta em relação à distribuição de turmas. Além disso, seria importante que houvesse a prática da construção de consensos nas escolas, evitando-se este tom de disputa individual. A escola precisa se tornar um espaço democrático em todos os momentos: na "enturmação" (quando se deve evitar a formação de turmas "boas" e "ruins"), e na elaboração do projeto pedagógico, buscando construir a inclusão de todos os servidores daquela escola neste projeto.

    Mas, na escolha formal de turmas, deve prevalecer o critério da prioridade para o efetivo, pois a existência formal do cargo está ligada ao processo do concurso, nomeação e posse.

    A discussão da Lei 100 não vem ao caso aqui. Ela sempre reaparece para dividir, mais do que para somar. E os culpados não são os efetivados, mas o governo. Não façamos o jogo do governo. Saibamos discutir o que é correto, sem misturar as coisas, e argumentando e formando um consenso em torno do tema da distribuição de turmas, para que nem mesmo o governo possa se recusar a respeitar este consenso.

    ResponderExcluir
  41. A que situação chegou a profissão de professor em Minas Gerais!! Esse desgovernador é uma pessoa do mal, porque nunca soubemos de uma pessoa que tenha espalhado tanta desordem quanto esse sujeito e sua secretária da 'DESEDUCAÇÃO' é uma confusão atrás da outra. Está uma loucura e pelo jeito a doideira que começou com esses dois está se alastrando pelas escolas, este 2012, já promete! A Secretária e Ele completam 1 ano no governo e o que de diferente, interessante, novidade, boa nova essa gente difundiu nos primeiros meses de governo? NADA, já completou 1 ano que estão no poder e pelo jeito vão deixar pior o que já não valia nada, eles vão cometer essa proeza de piorar o que já estava ruim. Meus Deus, que vergonha! Onde vamos parar com tantos desencontros, desmandos, chantagens, ludibriações, mentiras, maracutaias. É estarrecedor ver isso tudo acontecendo. Pobre das crianças, das famílias, dos educadores e do povo mineiro com esse governo nefasto!

    ResponderExcluir
  42. QUE PAÍS É ESSE?

    Às vezes, certas pessoas nos surpreendem.

    Parte de entrevista do ROMÁRIO ao jornalista Cosme Rimoli - TV Record .

    - Você foi recebido com preconceito em Brasília?
    Olha, vou ser claro para quem ler entender como as coisas são. Há o burro, aquele que não entende o que acontece ao redor. E há o ignorante, que não teve tempo de aprender. Não houve preconceito comigo porque não sou nem uma coisa nem outra. Mesmo tendo a rotina de um grande jogador que fui, nunca deixei de me informar, estudar. Vim de uma família muito humilde. Nasci na favela. Meu pai, que está no céu, e minha mãe ralaram para me dar além de comida, educação. Consciência das coisas... Não só joguei futebol. Frequentei dois anos de faculdade de Educação Física. E dois de moda. Sim, moda. Sempre gostei de roupa, de me vestir bem. Queria entender como as roupas eram feitas. Mas isso é o de menos. O que importa é que esta sede de conhecimento me deu preparo para ser uma pessoa consciente... Preparada para a vida. E insisto em uma tese em Brasília, com os outros deputados. O Brasil só vai deixar de ser um país tão atrasado quando a educação for valorizada. O professor é uma das classes que menos ganha e é a mais importante. O Brasil cria gerações de pessoas ignorantes porque não valoriza a Educação. E seus professores. Não há interesse de que a população brasileira deixe de ser ignorante. Há quem se beneficie disso. As pessoas que comandam o País precisam passar a enxergar isso. A Saúde é importante? Lógico que é. Mas a Educação de um povo é muito mais.
    - Essa ignorância ajuda a corrupção? Por exemplo, que legado deixou o Pan do Rio?
    Você não tenha dúvidas que a ignorância é parceira da corrupção. Os gastos previstos para o Pan do Rio eram de, no máximo, R$ 400 milhões. Foram gastos R$ 3,5 bilhões. Vou dar um testemunho que nunca dei. Comprei alguns apartamentos na Vila Panamericana do Rio como investimento. A melhor coisa que fiz foi vender esses apartamentos rapidamente. Sabe por quê? A Vila do Pan foi construída em cima de um pântano. Está afundando. O Velódromo caríssimo está abandonado. Assim como o Complexo Aquático Maria Lenk... É um escândalo! Uma vergonha! Todos fingem não enxergar. Alguém ganhou muito dinheiro com o Panamericano do Rio. A ignorância da população é que deixa essa gente safada sossegada. Sabe que ninguém vai cobrar nada das autoridades. A população não sabe da força que tem. Por isso que defendo os professores. Não temos base cultural nem para entender o que acontece ao nosso lado. E muito menos para perceber a força que temos. Para que gente poderosa vai querer a população consciente? O Pan do Rio custou quatro vezes mais do que este do México. Não deixou legado algum e ninguém abre a boca para reclamar.


    TEXTO VEICULADO PELOS E-MAILS.

    ResponderExcluir
  43. Continuação da entrevista do ROMÁRIO Á TV RECORD
    [...]

    - Se o Pan foi assim, a Copa do Mundo no Brasil será uma festa para os corruptos...
    Vou te dar um dado assustador. A presidente Dilma havia afirmado quando assumiu que a Copa custaria R$ 42 bilhões. Já está em R$ 72 bilhões. E ninguém sabe onde os gastos vão parar. Ningúem. Com exceção de São Paulo, Rio, Minas, Rio Grande do Sul e olhe lá...Pernambuco... Todas as outras sete arenas não terão o uso constante. E não havia nem a necessidade de serem construídas. Eu vi onze das doze... Estive em onze sedes da Copa e posso afirmar sem medo. Tem muita coisa errada. E de propósito para beneficiar poucas pessoas. Por que o Brasil teve de fazer 12 sedes e não oito como sempre acontecia nos outros países? Basta pensar. Quem se beneficia com tantas arenas construídas que servirão apenas para três jogos da Copa? É revoltante. Não há a mínima coerência na organização da Copa no Brasil.
    - São Paulo acaba de ser confirmado como a sede da abertura da Copa. Você concorda?
    Como posso concordar? Colocaram lá três tijolinhos em Itaquera e pronto... E a sede da abertura é lá. Quem pode garantir que o estádio ficará pronto a tempo? Não é por ser São Paulo, mas eu não concordaria com essa situação em lugar nenhum do País. Quando as pessoas poderosas querem é assim que funcionam as coisas no Brasil. No Maracanã também vão gastar uma fortuna, mais de um bilhão. E ninguém tem certeza dos gastos. Nem terá. Prometem, falam, garantem mas não há transparência. Minha luta é para que as obras não fiquem atrasadas de propósito. E depois aceleradas com gastos que ninguém controla.
    - O que você acha de um estádio de mais de R$ 1 bilhão construído com recursos públicos. E entregue para um clube particular.
    Você está falando do estádio do Corinthians, não é? Não vou concordar nunca. Os incentivos públicos para um estádio particular são imorais. Seja de que clube for. De que cidade for. Não há meio de uma população consciente aceitar. Não deveria haver conversa de politico que convencesse a todos a aceitar. Por isso repito que falta compreensão à população do que está acontecendo no Brasil para a Copa.

    - A Fifa vai fazer o que quer com o Brasil?
    Infelizmente, tudo indica que sim. Vai lucrar de R$ 3 a R$ 4 bilhões e não vai colocar um tostão no Brasil. É revoltante. Deveria dar apenas 10% para ajudar na Educação. Iria fazer um bem absurdo ao Brasil. Mas cadê coragem de cobrar alguma coisa da Fifa. Ela vai colocar o preço mais baixo dos ingressos da Copa a R$ 240,00. Só porque estamos brigando pela manutenção da meia entrada. É uma palhaçada! As classes C, D e E não vão ver a Copa no estádio.
    O Mundial é para a elite. Não é para o brasileiro comum assistir.
    [...]

    TEXTO ENVIADO POR E-MAILS

    ResponderExcluir
  44. Euler, desde da criação da lei 100 a categoria ficou dividida e não tem como mudar essa realidade enquanto a lei existir, já disse que se a lei 100 tivesse critérios como tempo de serviço, idade, titulação ela não teria causado tantos problemas, mas do jeito que foi implantada de maneira irrestrita ela é um problema grave e se esse problema não for solucionado nunca conseguiremos uma grande mobilização da categoria.Não adianta tentar unir a categoria se tem uma lei que a divide, por isso amigo virtual discordo você, a lei 100 tem que ser discutida sim pois o governo sempre está utilizando ela para enfraquecer os movimentos da categoria,se o sindicato não se mobilizar para o fim da lei ou pelo menos pela modificação da lei ela sempre estará nos dividindo, lembra ano passado quando teve a ameaça de entrar de greve oque o governo fez?Permitiu a mudança de lotação dos efetivados, muitos efetivados não aderiram a greve em função das medidas do governo.Agora quando a categoria tem que se organizar para lutar em 2012 ele lança essa resolução que aumenta a divisão que já existe.

    ResponderExcluir
  45. Fazer ou não fazer o concurso do Estado.
    -Fazer um concurso e ter que ocupar um cargo na zona rural pois os efetivados mudaram a lotação para os cargos vagos que tinham na cidade.
    -Fazer um concurso tendo pós graduação e só vou receber por ela após 8 anos.
    -Fazer um concurso que exige curso superior e em 2015 receber menos da metade de um policial com nível médio.

    ResponderExcluir
  46. Companheiros,a situação do Efetivo, pelo que entendi, é a seguinte:
    O art.8º da resolução da SEE, só prioriza o Efetivo em relação ao efetivado,se a escola de exercício do Efetivo for a mesma desde 06/11/2007 (data da lei 100, mesmo que ela tenha sido assinada em 05/11/2007,a data na escola é esta ). Pois caso este Efetivo tenha pedido remoção ou mudança de lotação, após essa data, para alguma escola que tenha efetivado lei 100,este efetivado estará na frente do Efetivo quando se tratar de tempo na escola.
    Companheiro Flávio,acho que teremos de lascar mandato de segurança sim,pois o artigo 19,citado por você,só será usado, caso haja empate entre o tempo na escola, do Efetivo e do efetivado.
    O que sei companheiros,é que a luta continua. Hoje recebi, pelo correio,a minha avaliação de desempenho.Imaginem voces que a minha nota foi 50.E aí,não sei em que isso vai dar, mas que vou dar bastante trabalho pros b......,ah isso vou,podem esperar!!!!!!!!
    Abraços a todos e não desanimem. A luta está sendo árdua, mas a nossa vitória será doce!
    Ah pessoal, vamos torcer para os nossos companheiros das cidades que estão em dificuldades. Nesse momento temos que nos solidarizar e fazer alguma coisa.Caso alguém queira iniciar uma campanha,estou aqui para ajudar ok? Não pego essa empreitada porque a minha também ( Santos Dumont ) está com problemas e já estou me virando aqui para ajudar.Mas,repito,se organizarem algum movimento,tô dentro ok? abraços........

    ResponderExcluir
  47. Caros colegas, hoje 09/01/2012, saí para pagar algumas contas, já que com o nosso pagamento é preciso eleger as que são prioridade, e a fila do BB estava imensa, as casas lotéricas lotadas e os outros bancos também.
    Vi vários colegas de profissão, alguns grevistas, outros não e um único assunto: A educação.
    Percebi que muitas pesoas que não eram da educação se interessavam em ouví-los e prestavam atenção. Ouvia-se até alguns murmúrios: ..."e o governo quer que o país mude...". Murmúrios vindo de pessoas humildes, mas que entenderam bem o que estava sendo dito.
    A partir daí me ocorreu a seguinte idéia:
    Todo início de mês, nós professores faríamos um "corpo a corpo", nas agências de banco e casas lotéricas entregando a cada um panfletos, explicando detalhadamente a nossa realidade e o roubo que o governo pratica nos nossos contracheques.
    Além disto, organizaríamos pequenas apresentações teatrais sobre o assunto, pois acredito que chamaria bem a atenção da população, como por exemplo, uma saula de aula em pleno movimento das agências de banco.
    Certo dia li aqui um post onde um colega disse da alegria de outras categorias em um movimento de greve, onde as pessoas os viam at´com certa leveza.
    Uma aula sobre diferença entre piso e subsídio seria uma boa sugestão, acredito.
    Esta ação não seria durante muito tempo, no máximo dois ou três dias, ou até uma samana, desde que a partir dos primeiros dias em que a população recebe seus salários.
    Seria preciso, claro, irmos primeiro até as escolas para mobilizarmos nossos colegas a participarem desta ação em dias de sua folga e em períodos em que não estivessem trabalhando.
    No panfleto poderíamos ainda colocar as "Caras- de-Pau dos deputados que votaram contra os Educadores. Se fizéssemos isto, todos os meses até as eleições de 2012, inclusive denunciando os candidatos à prefeitura que apoiam o Facista Anastasia, tenho a plena convicção que teríamos resultado.
    Que fique claro, que o que queremos é tirá-los do Poder enão buscar eleição para outros Partidos. Isto é o povo que tem que decidir, mas PSDB e os Partidos que o apoiam, jamais.
    Eu particularmente, acho que se o poder emana do povo, nada impede de o Povo exerver o poder, mas isto é outro assunto. A política me dá "NOJO".
    Pensem nesta idéia, reformulem se acharem necessário, mas vamos lutar.
    Se no momento fazer greve está inviável, façamos outras ações que não nos prejudiquem!
    Continua...

    ResponderExcluir
  48. Queridos companheiros, a estratégia de acionar a justiça comum para resolver problemas relacionados à escola é uma grande saída.
    Euler, publique o texto do mandato de segurança para a categoria.

    V de vingança

    ResponderExcluir
  49. Dei aqui também a idéia de uma greve branca, onde não registraríamos notas e frequências nos diários, mas teríamos estes registros guardados a sete chaves. Não poderíamos registrar nos diários porque poderíamos ser forçados a entregá-los por ação judicial: Agora imaginem no fim do ano qual seria o caos?
    Alunos do 3º ano do EM sem saberse foram aprovados e se poderiam adentrar em universidades;
    Alunos do 5ª ano na expectativa de haver ou não vaga nos anos finais do EF;
    Alunos do 6º ao 9º ano, e do 1º e 2º ano do EM sem saber o seu futuro estudantil;
    Alguém aqui poderia dizer: " Os alunos não têm culpa". E nós, temos?
    Infelismente a sociedade só se mobiliza se se sentir atingida. Por isto a polícia consegue o que quer rapiamente.
    Se o governo usa a máquina para enganar o povo, que usemos a nossa voz para desmentí-lo.
    Pretendo sair da Educação em breve, mas não desistirei da luta jamais, ainda que não esteja mais em uma sala de aula, porque serei educador por toda minha vida, independente da profissão que eu exerça...
    Um abraço a todos.
    Ass.: Giovane Palhares Vieira Diniz NDG Pará de Minas.

    ResponderExcluir
  50. Confiar em quem ? Em qual insituição ?
    O Conselho Nacional de Justiça está julgando o pedido de anulação das promoções de 17 juízes ao cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, entre 2006 e 2009, informa reportagem de Frederico Vasconcelos, publicada na Folha desta terça-feira (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).
    Segundo a Anamages (Associação Nacional dos Magistrados Estaduais), o tribunal privilegiou parentes de desembargadores e ex-dirigentes de outra entidade de classe em detrimento de juízes mais antigos.
    A ação afirma que, além de não observar critérios como antiguidade e produtividade, as decisões não foram publicadas em edital.
    Entre os promovidos estão Nelson Missais, atual secretário-geral da Associação dos Magistrados Brasileiros, e Doorgal Andrada, ex-vice-presidente da entidade.
    Ao ser promovido, Missais era o 46º na lista de antiguidade. Andrada, o 41º.

    ResponderExcluir
  51. Bom dia Euler.

    O seu blog é o nosso único canal de informação e de debate, JÁ QUE O SINDICATO NOS ABANDONOU! literalmente isso, pois nem ligando para a as sedes alguém sabe nos informar.


    Acho que com questão ao nivelamento entre efetivos e efetivados, isso é algo infame. O próprio efetivado deveria se sentir envergonhado!

    Mas acho que o nivelamento para escolha de aulas ou turno só se dará se o efetivo veio para escola por remoção, porque a famigerada lei 100 é de novembro de 2007 e a última nomeação de professores por concurso ocorreu em agosto de 2007, onde eu fui nomeada.
    O art.8º da resolução da SEE, só prioriza o Efetivo em relação ao efetivado, se a escola de exercício do Efetivo for a mesma desde 06/11/2007 (data da lei 100, mesmo que ela tenha sido assinada em 05/11/2007,a data na escola é esta ). Pois caso este Efetivo tenha pedido remoção ou mudança de lotação, após essa data, para alguma escola que tenha efetivado lei 100,este efetivado estará na frente do Efetivo quando se tratar de tempo na escola.


    Carolina
    BH

    ResponderExcluir
  52. Olha a justiça mineira

    "Juízes de Minas são acusados de promoção ilegal de colegas
    O Conselho Nacional de Justiça está julgando o pedido de anulação das promoções de 17 juízes ao cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, entre 2006 e 2009, informa reportagem de Frederico Vasconcelos, publicada na Folha desta terça-feira.
    As promoções foram denunciadas ao CNJ por uma entidade nacional que representa juízes.
    Segundo a Anamages (Associação Nacional dos Magistrados Estaduais), o tribunal privilegiou parentes de desembargadores e ex-dirigentes de outra entidade de classe em detrimento de juízes mais antigos.
    A ação afirma que, além de não observar critérios como antiguidade e produtividade, as decisões não foram publicadas em edital.
    Entre os promovidos estão Nelson Missais, atual secretário-geral da Associação dos Magistrados Brasileiros, e Doorgal Andrada, ex-vice-presidente da entidade.
    Ao ser promovido, Missais era o 46º na lista de antiguidade. Andrada, o 41º.
    OUTRO LADO
    Missais vê uma "trama" da Anamages e diz que o órgão "não tem credibilidade e legitimidade para questionar promoções".
    Andrada diz que aquilo "que o CNJ decidir, eu vou aplaudir".
    O Tribunal de Justiça de Minas informou que "vai aguardar a decisão do CNJ e cumprir o que for determinado".

    ResponderExcluir
  53. Euler,
    Diante da sua fala em um comentário:
    "A lei 100 traz elementos que são legítimos e defensáveis moralmente falando",seria oportuno se você por meio de seus argumentos tão bem articulados mostrasse os elementos que você chama de legítimos na defesa desta lei.Na minha opinião ,quem defende a lei 100, defende também o não pagamento do Piso nacional,pois são ambos inconstitucionais.É difícil acreditar que exista defesa para o que foge ao cumprimento de uma lei federal.Todos nós sabemos que a lei 100,não foi criada para beneficiar ninguém, a não ser o próprio desgoverno.(não precisa lembrar aqui qual situação política a desencadeou, precisa?)Então não precisamos defendê-la, mesmo sendo oportuna a muitos,sabemos da sua ilegalidade.Nem precisamos nos dividir,efetivos e efetivados,antes temos que unir-nos,pois estamos no mesmo barco.A legitimidade dos direitos dos efetivos sobre os efetivados é inegável.Não sejamos como os maus políticos legislando em causa própria.Sem querer ser impertinente,mas já sendo,quem sabe seus argumentos me convençam do contrário...
    Lembro também aos efetivados, que eles não estão no Estado por causa da lei 100.Se não fossem efetivados,seriam designados.Mudaria apenas o termo,só isso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  54. Concordo com a proposta do colega Giovane Diniz e acho bastante viável. Vamos tentar colocr em prática.

    ResponderExcluir
  55. Olá combativa Adriana!

    Sobre a Lei 100, vamos tentar recuperar a memória do ocorrido. Durante décadas o governo recolheu dos designados a contribuição para a previdência - quando o correto teria sido para o SUS. Desta forma, para garantir a justa aposentadoria dos colegas designados, o governo de Minas teria que repassar as contribuições da previdência para o SUS, na ordem de bilhões de reais. O governo não tinha (como não tem) esses recursos e por isso fez um arranjo interno, assegurando o direito à aposentadoria para os designados que estivessem no estado até 2007.

    A partir daí, os novos contratados já recolhem como celetistas (pelo SUS). Então, a primeira iniciativa da lei 100 foi para resolver um problema de caixa do estado, e sequer a estabilidade no emprego estava assegurada - e continua assim, na lei estadual nº 100, já que as mudanças posteriores do governo, aí sim, já fazendo politicagem descaradamente, foram feitas através de resoluções e portarias, absolutamente em descompasso com a própria lei estadual nº 100.

    Considero defensável sim o direito à aposentadoria para aqueles que contribuíram com o estado durante 15, 20, 30 anos. Considero defensável também dar uma estabilidade, ainda que relativa (nos moldes originais da lei 100), aos servidores mais antigos, pois seria injusto, por exemplo, colocar na rua milhares de professores e auxiliares de serviço que estão no estado há 20, 25 ou 30 anos de serviço prestado. Mesmo que seja legal, para mim é imoral, pois a culpa por esta situação é do estado, não do servidor.

    Fui contra a inclusão, na Lei 100, de quem tinha pouco tempo de estado e quem não era habilitado. A generalização teve, de fato, um caráter político eleitoral.

    A lei 100, no seu primeiro momento, não assegurava sequer a estabilidade, além de ter sido injusta em vários aspectos, pois proibia a ascensão na carreira dos efetivados, e proibia até mesmo que os colegas efetivados, caso tivessem um número menor que 18 aulas, completassem o cargo. Se o efetivado tinha ensino médio e completara o curso superior, teria que continuar recebendo enquanto curso médio, mesmo que tivesse 20 anos de estado, sendo que o novo contratado não efetivado já estaria recebendo pelo título de profissional com curso superior. Foi uma injustiça do governo.

    Portanto, o governo errou em praticamente tudo, e os efetivados se tornaram vítimas das muitas políticas desastrosas que o governo vem promovendo. Nos últimos anos, os efetivados têm sido usados covardemente pelo governo, como instrumento político, inclusive sem que os próprios colegas efetivados tenham realizado algum movimento organizado reivindicando qualquer coisa.

    Aliás, durante a nossa greve o governo agradeceu aos que não aderiram à greve (a todos, não apenas aos efetivados). Eu disse aqui que nem todos que deixaram de participar da greve concordavam com o governo. Muitos não entraram em greve por conta da situação de miséria a que fomos submetidos nos últimos anos. Uma parte pode até ter ficado satisfeita com o subsídio - incluindo os efetivos desavisados -, mas uma boa parte ficou sentida em não ter tido a coragem ou condições para aderir à greve.

    Tomemos cuidado com a nossa crítica aos colegas (isso vale para todos), pois as situações que nos dividem estão sendo construídas conscientemente pelo governo. Continuo achando que no aspecto particular da escolha de turma a prioridade deveria ser do efetivo. Mas, eu separo este problema dos demais, pois se formos atacar os efetivados de forma generalizada estaremos lançando nas mãos do governo 100 mil trabalhadores. Nas escolas onde eu trabalhei, sempre houve adesão dos efetivados (a maioria, pelo menos, na mesma proporção dos efetivos e dos contratados) às nossas greves.

    Um forte abraço,

    Euler

    ResponderExcluir
  56. Ao meu ver aos poucos o governo vai colocando de lado a importância do concurso público e domesticando a classe dos professores dando prioridades aos efetivados. Isso já foi principiado com a greve de 112 dias na qual o governo enviou cartas aos efetivados demonstrando a eles que tinham as mesmas garantias do concursado, isso, demonstra claramente uma afronta à Constituição Federal. O governo mineiro "peita" a UNIÃO escandalosamente e instituição alguma não toma providências. Parece-me que a luta não é somente contra um governo, mas sim, contra os coronéis e a oligarquia poderosa que domina o Brasil de norte a sul e leste a oeste, vide as reclamações de Romário em relação aos recursos da copa do mundo.

    Devagar, aos pouquinhos o governo vai desmobilizando a categoria, atrelando-a, submetendo-a ao seu jugo, retirando direitos e garantias constitucionais, contando com o "SILÊNCIO DOS NÃO TÃO INOCENTES ASSIM", que sabem muito bem o que está em jogo e querem um pouco da rapina. Tira-se um pouquinho esse ano, mais um pouquinho ano que vem e assim vai até se concretizar a plena retirada de direitos e colocar a escola pública nos moldes da escola privada, com professores submetidos a um regime trabalhista privado, ora, não é a toa que a classe vem passando por um processo de divisão interna, divisão essa que contribui para o enfraquecimento da categoria no seu caráter coletivista e viabiliza outro padrão que ao meu ver se assemelha mais ao individualismo, e, dessa maneira, o enfraquecimento de entidades representativas da categoria como os sindicatos, pois é preciso fragilizá-las para que as negociações passem a ser mais individualizadas do que coletivizadas, ou seja, a relação de negociação entre o empregador e o empregado mais direta.

    Não é novidade que o sistema empregatício de INSS, BB, dentre outras instituições passaram a ser celetistas. Ou eu estou enganado!?!?!?

    ResponderExcluir
  57. O inimigo da educação dePUTAdo Fabiano Tolentino apareceu em Araújos (cidade mineira perto de Divinópolis) e foi recebido por algumas professoras que falaram prá ele tudo que gostaríamos. Parabéns a estas colegas e a este capacho que recebeu pra nos ferrar o nosso desprezo e nossa vingança nas urnas.

    ResponderExcluir
  58. Euler, obrigada por explicar sobre a lei 100.Tem pessoas que ficam criticando os efetivados como se todos estivessem satisfeitos com o governo,e isso não acontece.Trabalho no estado há vinte anos,fiz dois concursos e fui aprovada nos dois, mas não fiquei dentro das vagas,por isso não fui nomeada.No último concurso fui a primeira excedente, uma concursada pediu exoneração da mesma escola para onde fiz o concurso e não me nomearam.Sempre trabalhei com cargo completo.Em 2007 peguei contrato com 10 aulas ,pois houve redução de turmas,e fui efetivada.Agora eu te pergunto: Preciso ficar ouvindo esses comentários de quem não conhece os verdadeiros fatos? Sou habilitada para o cargo que tenho,fiz pós e agora estou pensando em fazer mestrado.Acho que não sou tão ruim assim.

    ResponderExcluir
  59. Olá, pessoal da luta!

    Um outro ponto polêmico é a nova organização curricular do ensino médio. O governo baixou a resolução 2.017 com novas orientações. O ponto positivo é que acabou com aquela antiga norma que dava ênfase, a partir do 2º ano, a conteúdos de ciências exatas, excluindo os de ciências humanas, ou vice-versa.

    Na nova resolução, praticamente todos os conteúdos devem ser oferecidos para os alunos. Mas, o governo comente uma imprecisão, quando diz que a escola, a partir do 2º ano do ensino médio, deve garantir 10 disciplinas curriculares. Se tivesse dito "no mínimo 10 disciplinas", tudo bem. Mas, ao definir o número exato de 10 disciplinas, na prática o governo abre a porta para que algumas disciplinas sejam retiradas da grade curricular. E entra em conflito com a própria resolução, que aponta as disciplinas obrigatórias, mas se baseia no CBC que tem conteúdos que não estão entre estas disciplinas obrigatórias.

    E mais adiante ele cita as disciplinas que devem fazer parte do currículo: Língua Portuguesa, Matemática, Filosofia, Sociologia e Educação Física. Das 10, ficam faltando cinco. Quais seriam? Pois nós ainda temos: Biologia, Química, Física, Geografia, História, Artes, Língua estrangeira e Literatura. Todos estes conteúdos caberiam tranquilamente nas 25 horas/aula da semana, mais ou menos assim:

    - 4 Português, 4 Matemática, 2 Ed. Física, 1 Sociologia, 1 Filosofia, 1 Língua Estrangeira, 2 História, 2 Geografia, 2 Biologia, 2 Física, 2 Química, 1 Artes e 1 Literatura, totalizando um currículo de 25 módulos de aulas por semana com todos os conteúdos. (Ou será que esqueci algum?). Mas, parece que o governo quer que se excluam alguns conteúdos... por que será?

    ResponderExcluir
  60. Carta aos professores por SEE:
    “a partir de 2012 começará a ser implantado o sistema que destina 1/3 (um
    terço) da jornada semanal dos professores a atividades extraclasse. Isso significa
    maior disponibilidade de tempo para a preparação das aulas, para o atendimento aos
    alunos e para a correção dos trabalhos escolares, com impacto direto na melhoria das
    condições de trabalho.”

    Segundo este comunicado (carta) que está no site da see, a carga horária dos professores seria reduzida em 2012, mas de acordo com a RESOLUÇÃO SEE Nº 2018, DE 06 DE JANEIRO DE 2012, a carga horária continua sendo de 18 aulas semanais – 24h.

    Que redução é essa a que eles se referem?

    Me respondam por favor,
    Maria Inez

    ResponderExcluir
  61. Parece até piada...

    Para defender a causa dos professores na justiça, o sindicato simplesmente se finge de morto.
    Para dar pelo menos um apoio moral aos professores fragilizados e desesperançados, não se manifestam.
    (se não houvesse as informações do blog do Euler, nem sei o que seria da maioria de nós).
    Entretanto, para defender seus próprios interesses, agilizam um congresso fora de hora.
    Mesmo dsabendo que a maioria da categoria não é a favor de um congresso agora, estão alegando que foi votado pela comissão.

    Parece até vereador votando o próprio aumento de salário...

    Politicagem pura!!!

    Não dá nem revolta mais, dá é nojo!!!

    ResponderExcluir
  62. Um outro dado complementar importante.

    Se o governo aplicasse a lei do piso no que tange ao terço de tempo extraclasse, e se considerarmos, pela informação oficial, que são 160 mil professores na ativa, significa que seriam abertas 20 mil novas vagas para professores - quase o dobro do número oferecido no concurso público.

    Ou seja: 160 mil x 2 aulas = 320 mil aulas dividas por 16 = 20 mil cargos completos.

    Alternativamente, o governo poderá nos pagar pela extensão de mais 3 aulas por cargo (2 aulas em sala + 1 aula extraclasse).

    Neste caso, enquanto não ganhamos o piso na justiça, no subsídio teríamos direito a mais 3 aulas. Para um cargo de R$ 1.320,00 deveria ser pago R$ 1.485,00. Isso é o mínimo que o governo deveria nos pagar, o mínimo! Com o reajuste de abril de 5% iria para R$ 1.559,25. Nada menos que isso podemos aceitar! Isso para os novatos, pois para os mais antigos a mesma lógica terá que se aplicar ao valor total do salário, com aquele escalonamento esquisito que o governo criou para burlar a lei do piso.

    ResponderExcluir
  63. Pessoal!

    Em hipótese alguma a Lei 100 supera a condição de ocupante de cargo público por provimento como é o caso do EFETIVO.

    Pergunte alguém da SRE da sua região se os "efetivados" tem direito a AMPLIAÇÃO DE CARGA HORÁRIA. Vale lembrar que ampliação e diferente de extensão!

    Não sou contra os efetivados, mas contra essa Lei 100 vergonha. Aliás, em nenhum momento a mesma fala de efetivação e sim de resolução previdenciária. Por anos recolheram o benefício e não repassaram. Resultado: o Craquécio pediu dinheiro ao BANCO MUNDIAL e este exigiu que regularizasse essa situação embaraçosa com a Previdência social.

    Estou tranquilo porque se não for pelo diálogo, entro com Mandato de Segurança e ganho em 1a instância.

    O problema é que os colegas não consultam a CF/88, e o pior, sabendo disso o Governo sorrateiramente lança esses engodos trazendo desnecessariamente confusão na classe. Isso pode ser constatado no edital do concurso da SEE. O Governo não cobra conhecimento nenhum de Leis como 869 e outras para que o atual e futuro servidor - caso entre para o quadro funcional do Estado -, não saibam seus Direitos. Eu sei os meus e garanto que estou bastante confortável nesse imbróglio criado pelo adiposo.

    Calma efetivos! Houve uma reunião ontem entre as inspetoras para verificar alguns erros da resolução. O problema é que esse ano foi atípico. Os técnicos do executivo não enviaram a resolução antes da publicação para que as mesmas pudessem analisá-la e, pelo andar da carruagem, retificações serão feitas e necessárias.

    Posto outros textos sobre assunto mais tarde.

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
  64. Esses comentários sobre os efetivados realmente humilham colegas e divide a classe,pois ninguém pediu isso ao governo,que aliás só dá o que realmente não queremos.Fui APROVADA e nomeada em DOIS concursos,EXONEREI UM,pois tinha OUTROS planos para a minha vida,usando todo o tempo de serviço do segundo cargo(um emprego em outro serviço melhor,garantindo um melhor salário em uma segunda APOSENTADORIA)e no entanto fui EFETIVADA(tenho 28 anos de tempo no cargo efetivo e 27 no efetivado),não pedi isso ao governo e se ELE me perguntasse e RESPEITASSE a minha vontade eu não teria ACEITADO.Situações como a minha são muitas,portanto ACHO que é melhor parar de HUMILHAR. AHHH e mais, ADERI à GREVE DE 112 dias com disposição para continuar!!!!

    ResponderExcluir
  65. ACORDA SRE DE POUSO ALEGRE. JÁ TEM DESIGNADOS TRABALHANDO PARA SUBSTITUIR ADMINISTRATIVO QUE NÃO GOSTA DE TRABALHAR.

    ResponderExcluir
  66. Gente, e o sindicato? MORREU? E Bia ?? Alguma notícia após o natal?

    ResponderExcluir
  67. Pessoal, tem colegas que não querem ver nem entender a realidade, pelos textos que li muitos colegas inclusive eu que sou efetiva e efetivada, discordamos da Lei 100 e da forma que o governo vem articulando as coisas, e nós professores sabemos que tem coisas erradas demais nessa Lei 100. Ninguém está contra os efetivados. A chateação da maioria é o jogo que o governo está fazendo entre efetivos e efetivados, o desrespeito do governo e o descaso com a categoria já extrapolou. Muita Paz a todos.

    ResponderExcluir
  68. E agora? O que fazer? Saiu a tal resolução e o que muitos temiam aconteceu: na escolha de turnos e turmas, efetivos e efetivados terão o mesmo direito, prevalecendo quem tem mais tempo na escola. Em muitos casos há efetivados com mais tempo, e o efetivo concursado perderá o direito de escolha. Tudo isso estava latente durante a greve, mas ninguem quis tocar no assunto, com medo de "divisão da categoria". E agora, quem vai olhar por nós?

    ResponderExcluir
  69. TUDO ERRADO!
    - EFETIVAR SEM CONCURSO
    - DAR PRIORIDADE AO EFETIVADO QUANDO TIVER MAIS TEMPO NA ESCOLA
    -NÃO PAGAR O PISO
    - EFETIVADO SEM HABILITAÇÃO
    - EFETIVADO SEM CONCLUSÃO DO CURSO
    - NÃO PAGAR NA REPOSIÇÃO O MESMO VALOR DESCONTADO
    - ENROLAR PARA DAR POSSE AOS NOVOS DIRETORES
    - NÃO REDUZIR A CARGA HORÁRIA CONFORME A LEI DO PISO
    - ESCOLAS CAINDO AOS PEDAÇOS
    - SINDICATO SUMIDO
    - 30 DIAS DE FÉRIAS=1SEMANA DE FÉRIAS
    - SUSPENSÃO DAS FÉRIAS PRÊMIO PARA QUEM FEZ GREVE
    - PROCESSO ADMINISTRATIVO PARA QUEM ESTAVA DE LICENÇA SAÚDE, MATERNIDADE E FÉRIAS PRÊMIO NO PERÍODO DA GREVE E SE RECUSA A REPOR
    - DESIGNADOS DANDO AULA DE REPOSIÇÃO SEM CONTRATO NO MÊS DE JANEIRO
    - DESIGNADO SEM DIREITO A LICENÇA SAÚDE NO MÊS DE JANEIRO, POIS ESTÃO SEM CONTRATO
    - DESCONTARAM DO NOSSO SALÁRIO: MÓDULOS, SÁBADO, DOMINGO, FERIADO, RECESSOS E NÃO ESTÃO PAGANDO
    - SECRETÁRIA INCOMPETENTE PERMANECE NO CARGO
    - SÃO TANTOS ABSURDOS QUE PODERIA FICAR ESCREVENDO ATÉ AMANHÃ

    ResponderExcluir
  70. PARABÉNS PROFESSORAS DE ARAÚJOS! VAMOS MOSTRAR PARA OS TRAIDORES QUE NÓS TEMOS MUITA FORÇA PARA DERRUBAR CADA UM NAS URNAS.

    ResponderExcluir
  71. Então quer dizer que uma pessoa que ralou para passar em um concurso, ficou fora de seu local por anos e hoje conseguiu uma remoção, mesmo com 15,18 ou 20 anos na função ela fica depois da efetivação da Lei 100 por que chegou na escola através de uma remoção???? Céus me explica esse negócio ou ficarei LOUCCCCCA.

    ResponderExcluir
  72. SRE de POUSO ALEGRE finge que inspeciona e CAPITÃO do mato cria suas próprias regras e resolução...
    Horário a ser cumprido é coisa pra professor...
    AlÔ,nova superintendente...Abre os olhos!

    ResponderExcluir
  73. RECEBI HOJE UM CALENDÁRIO DO MISTER ROGÉRIO CORREA E DENTRE OUTRAS COISAS , ELE DIZ:"NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA, O BLOCO MINAS SEM CENSURA, QUE DEPOIS SE TRANSFORMOU NO MOVIMENTO MINAS SEM CENSURA, DO QUAL SOU LÍDER, ATUOU EM DUAS FRENTES:DE UM LADO, COMBATEU A CENSURA IMPOSTA PELO GOVERNO NEOLIBERAL TUCANO DO ANASTÉCIO A AMPLOS SETORES NO ESTADO.DE OUTRO LADO, APOIAMOS ASAÇÕES DO GOVERNO DILMA QUE TEM VOLTADO SUAS ATENÇÕES, CADA VEZ MAIS, PARA MINAS GERAIS, ATENDENDO ÁS REAIS NECESSIDADES DA POPULAÇÃO MINEIRA.PARA 2012, OS PLANOS SÃO MUITOS, SEMPRE DIRECIONADOS Á CONSTRUÇÃO COLETIVA E PARTICIPATIVA DO MANDATO COM O OBJETIVO DE CONQUISTARMOS A FORMAÇÃO DE UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA, SOLIDÁRIA E IGUALITÁRIA.PARA ISSO, TE CONVIDAMOS A PARTICIPAR DA REALIZAÇÃO DESSE SONHO.MUITO OBRIGADO PELA PARCERIA E CONFIAÇA.VAMOS ADIANTE;ALUTA CONTINUA!"

    MEU DEUS QUANTA CANALHICE...ELE PENSA QUE SOMOS BOBOS.NA VERDADE ELE ACERTOU EM ME CONVIDAR PARA A PARTICIPAÇÃO DA REALIZAÇÃO DESSE SONHO.SONHO...SONHO...POIS PARA ELES É A REALIDADE.ELES TEM DINHEIRO(NOSSO) E TUDO MAIS QUE JÁ SABEMOS DE COR.PARA MIM ACABOU.NÃO QUERO SABER DE VOTAR EM NADA E NEM EM NINGUÉM.NADA NESTE PAÍS É SÉRIO.SE EU VOTAR ESTOU FAZENDO O PAPEL DE PALHAÇO.ELES DEVEM RIR DA NOSSA CARA E IDIOTICE.SOMOS UMA CLASSE INTELECTUAL , E ELES OS BURROS DAO PASTO.MISTER ROGÉRIO, POR QUÊ NÃO CONTRATA UM GRANDE ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA E NOS AJUDE???ISSO SERIA A REALIZAÇÃO DOS NOSSOS SONHOS QUE FORAM ROUBADOS E VOCÊ (MESMO NOS DEFENDENDO PARA INGLÊS VER) É CÚMPLICE.NÃO ADIANTA VIR COM CONVERSINHA FIADA.PROVAVELMENTE VOCÊ ESTARÁ NO TAL CONGRESSO EM ARAXÁ COM SUA "COMPANHEIRA"BIA QUE DEVERÁ (UM PASSARINHO ME CONTOU) SE CANDITAR A DEPUTADA ESTADUAL...MEUS SONHOS VOCÊ SABE E ASSIM COMO DE TODA A MINHA CATEGORIA OU SEJA A DE PROFESSOR ESTADUAL.VAMOS MISTER ROGÉRIO FAÇA O QUE JÁ DEVERIA TER FEITO.NÃO ADIANTA QUE NÓS SABEMSO COMO FUNCIONA SEUS ESQUEMAS.PT, PMDB,PSDB ..TUDO SÃO FARINHA DO MESMO SACO...AQUI NESTE PAÍS(CIRCO) VOCÊS SÃO OS ARTISTAS....OS PALHAÇOS E NÓS SOMOS OS EQUILIBRISTAS, MALABARISTAS....CONTORCIONISTAS....

    ResponderExcluir
  74. Ao anônimo das 15:23,

    Acredito que pelos critérios na escolha de turma os efetivados não passarão à frente dos efetivos, pois passa-se a contar a vida funcional a partir da nomeação, remoção ou permuta, a data em que se ingressou na escola como efetivo ou efetivado, ou seja, a efetivação aconteceu três anos após o último concurso. O tempo na escola é apenas critério de desempate.

    ResponderExcluir
  75. Euler
    Com relação a grade curricular já tem doi anos aqui na SRE de Carangola que funciona assim: 10 conteúdos no 2º ano e 9 no 3º. A unica mudança foi o aumento de uma disciplina para o 3º ano. Com isso, algumas disciplinas forma retiradas da grade e imagine qual? Sempre sacrificam as humanas. Na minha escola já vai para o 3 ano q não existe Geografia na 2ª serie do E.M. e sustentam como obrigatórias materias que não são cobradas nos vestibulares e concursos publicos. Esse estado é pura vergonha!!

    ResponderExcluir
  76. Excelente,anônimo das 16:29!!!!

    VOU COPIAR E COLAR NAS PAREDES DA MINHA ESCOLA!

    Este seu desabafo arrasou!!!

    Obrigada.

    ResponderExcluir
  77. Desde o início do desgoverno da dupla de "deuses" tenho observado o jogo sujo feito por eles. Querem dividir a nossa classe estabelecendo tratamentos diferenciados que causam revolta e falta de união. O esquema desta turminha é: PROVOCAR A DESORDEM PARA INSTALAR A "ORDEM" deles. PSD...B...ta nunca mais. Vamos nos unir contra este estado de coisas. "aócio" para presidente? Nem para síndico de prédio voto neste esquisito!!! JAMAIS ESQUECER A NOSSA LUTA!

    ResponderExcluir
  78. euler socorro enquanto estamos desesperados o blog da beatriz ainda esta no natal pelo amor de Deus onde anda esse pessoal. Devem estar organizando o Congresso onde muitos vao para passear, nossa como estou triste com essa situação, acho q o sindicato foi comprado, nao vai conseguir mobilizar pessoas para o movimento em 2012, pois mostrou q tem juridico inoperante e é politico partidario. O sentimento q tenho é de derrota total.
    Junto com os 51 inimigos da educação estao a CUT(Central Inimiga dos Traidores), PT (Partido dos Traidores)e o sind INUTIL. Valeu.

    ResponderExcluir
  79. Nao acredito na legalidade total da efetivaçao..lei 100.Acho um absurdo o caminho nao ter sido apenas concurso publico,como rege a constituiçao.

    Rita Moreira

    ResponderExcluir
  80. Estamos vivendo o verdadeiro inferno na educação mineira. Estou com ódio de tudo, desse governo. E agora mais essa Resolução, que fará com que muitos efetivos concursados percam direitos para efetivados. Sim, porque não são poucos os casos onde o efetivado tem mais tempo de casa do que o efetivo. Tem efetivado com 15 anos de escola, nunca passou ou foi chamado em concurso e que terá prioridade sobre efetivos mais jovens, que passaram no último concurso por exemplo, que passou por estágio probatório, que seguiu uma ordem de classificação etc. ABSURDO. O QUE FAREMOS? TEMOS QUE MUDAR ISSO!!!!

    ResponderExcluir
  81. Eta governadorzinho sem palavra,todos devemos tirar cópia da carta que ele deixou para os educadores,falando que nos teremos um terço da carga horária para trabalhos extra classe ja em 2012,pelo jeito não será cumprido o prometido,na resolução nada fala sobre isso.Homenzinho sem palavra.Outra coisa,entra no site do servidor,em dados do servidor você já ver sua colocação no subsídio é a mesma que tinha antes,não considerou em nada o tempo de serviço,duvido que até dia 20 ele mude algunha coisa.Desse governo não podemos esperar mais nada,é mesmo de quinta categoria.

    ResponderExcluir
  82. Enquanto isso... no blog do Bia, ainda é natal...

    ResponderExcluir
  83. Euler, existe alguma possibilidade para esta federalizaçao??
    abraços a todos,
    claudia

    ResponderExcluir
  84. Pessoal , boa noie. Se lermos atentamente o parágrafo 2 do artigo 8 da Resolução , pelo meu entendimento o efetivo ainda escolha na frente do efetivado. Desculpe, posso estar enganado, mas esse fato me chamou a atenção. Alguém mais entendido poderia me explicar caso esteja errado? abraços e a luta continua!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisamos saber que escola é essa. Seria a escola atual ou escola como instituição educacional de modo geral. Vc tem razão, mas a quem recorrer? Cadê a atuação do sindicato?

      Excluir
  85. Na República de Minas Gerais quem dita as regras é a Sinhazinha Naná e seus capachos! Ela está criando essas situações para nos distrair do foco principal o Piso Salarial Nacional!
    Vamos resolver primeiramente a questão do piso porque será uma grande derrota para ela. Depois resolvemos esses entraves como o da lei 100 e outras aberrações que burlam a Constituição Federal.

    ResponderExcluir
  86. o PRÓPRIO EFETIVADO, SE TIVER UM POUCO DE BRIO, PERMITIRÁ QUE O EFETIVO ESCOLHA PRIMEIRO. É UMA QUESTÃO DE BOM SENSO!

    ResponderExcluir
  87. Boa noite a todos, o que o anônimo das 23:13 postou procede, um efetivado pode ter 20 anos na escola, mas a data da efetivação e de 2007. Se por acaso tiver um efetivo que foi removido para uma escola onde haja um efetivado, e essa remoção foi depois de 2007, o efetivado tem preferência. O que conta é a data da efetivação ou nomeação na escola. Então, quem é efetivo e pediu remoção ou mudança de lotação após 2007, perde a prioridade na escolha de turmas para um efetivado.

    § 2º O tempo a ser computado para efeito do disposto no parágrafo anterior é o tempo de serviço na escola após assumir exercício em decorrência de nomeação, estabilidade nos termos do artigo 19 do Ato das Disposições Transitórias da Constituição Federal, efetivação nos termos da
    Lei Complementar n° 100/2007, remoção ou mudança de lotação

    ResponderExcluir
  88. Não é preciso ser um mago para prever que este será um ano dificil... muitas confusoes, brigas... estamos cansados... 2011 - o ano que nao terminou... 2012 promete...

    ResponderExcluir
  89. Lideranças do NDG se reúnem e discutem problemas que afligem a categoria

    Na noite desta terça, 10, cerca de duas dezenas de lideranças do NDG se reuniram na sede do SINDREDE, em BH, para discutir vários problemas que têm atormentado a vida dos profissionais da Educação de Minas. Como eram muitos os temas, iniciamos a discussão sobre aquilo que foi possível, e na próxima semana, no dia 18, no mesmo local, às 18h, haverá nova reunião.

    Entre os pontos discutidos: o congresso de Araxá, o piso salarial, a questão jurídica, a realidade dramática vivida pela categoria com os cortes, reposições, ataques do governo, etc. As reuniões do NDG são horizontais, não havendo hierarquia, ficando a palavra aberta para todos, sem monopólio. Em geral, busca-se o consenso em torno das posições discutidas; mas, não havendo consenso, respeitam-se as diferentes posições de cada liderança ou tendência ali presente.

    Sobre o congresso, foi consenso a opinião de que a sua realização em fevereiro não é oportuna - o ideal seria em julho. Foi consenso também a opinião de que não há tempo hábil para uma rica discussão de propostas entre os profissionais da Educação na base da categoria; assim como, é provável que boa parcela dos delegados participará do evento mais para passear na turística cidade de Araxá, do que para debater os nossos problemas e as alternativas de luta.

    Apesar de todos estes pontos, vários colegas defenderam que, como o congresso será realizado assim mesmo, e em se tratando de mais uma instância da categoria, não seria prudente deixar de participar do mesmo. Argumentou-se que, mesmo com as debilidades apontadas, haverá um encontro de expressiva parcela da categoria, sendo necessário aproveitar este momento para discutir com os colegas presentes e buscar construir propostas que apontem para a superação da realidade dramática na qual estamos mergulhados. Realizar uma atividade paralela foi descartada, tanto pela impossibilidade financeira, quanto pela priorização que acabaria se tornando tal atividade. Mas, nada impede que o NDG se reúna no próprio congresso para discutir a realidade da categoria, contrapondo-se aos encaminhamentos dados pela direção sindical em várias questões.

    Desta forma, os diálogos construídos entre os membros do NDG caminharam para o consenso de que seria importante redigir um manifesto e apresentá-lo para toda a categoria, e depois para os delegados durante o congresso. Este manifesto, juntamente com as resoluções consensuais, ofereceria uma outra visão de democracia sindical, de representação das diferentes expressões da base da categoria nas diversas instâncias do sindicato; e de enfrentamento contra o governo e seus aliados.

    (continua...)

    ResponderExcluir
  90. (Continuação...Parte 2)

    A maioria dos presentes concluiu, portanto, que os membros mais aguerridos da categoria devem participar do congresso, mas enquanto continuação do trabalho que já se realiza nas escolas e tendo em vista, enquanto prioridade, a luta pelo piso, pela recuperação as perdas em 2011, por uma ação jurídica mais competente, por uma comunicação mais dinâmica e democrática com a base da categoria e com a sociedade, e pela construção de um sindicato realmente de classe, democrático, autônomo e comprometido com os interesses da categoria, e não com projetos pessoais e partidários.

    Nos próximos dias, serão discutidos os pontos deste manifesto, com o apelo para que todos os combativos e combativas colegas que puderem contribuir com a formulação do mesmo, que o faça através deste blog ou por e-mail.

    A questão jurídica foi outro ponto discutido. Foi feito o relato das diferentes práticas ilegais e imorais do governo, que impôs o corte de direitos adquiridos e burlou a lei do piso com o subsídio 1 e 2; defendeu-se, mais uma vez, que a direção sindical seja cobrada a contratar um bom escritório ou jurista de renome para preparar e ingressar com as ações em defesa dos direitos da categoria. Também foi dado o informe sobre a representação junto ao MPF, cuja estrutura está montada e que está sendo preparada nos detalhes que a fundamentam, e que em breve será disponibilizada para a assinatura dos colegas da base da categoria.

    Outro ponto discutido, obviamente, inclusive permeando todos os demais pontos, foi sobre o piso salarial nacional. Foram discutidos alguns equívocos cometidos durante a nossa luta, e que serão mencionados no manifesto. Uma parcela expressiva da categoria lutou bravamente durante 112 dias de greve, apesar de todo o arsenal de ataques do governo e seus aliados. Sofremos muitas perdas, mas vamos recuperar o terreno perdido - é o que esperamos com a formulação de uma defesa jurídica competente e com a ação política organizada pela categoria. Novamente percebeu-se que os erros, além de políticos, foram também jurídicos, com ações superficiais, que não apresentaram fundamentação adequada - o que levou ao questionamento se aquilo teria sido por ingenuidade ou de forma deliberada.

    Foi dado o informe de que o panfleto que fora aprovado na primeira reunião do NDG em BH, mostrando a realidade da Educação em Minas, já está pronto e que nos próximos dias será rodado graças ao esforço dos membros do NDG e aliados, já que a direção sindical ainda não havia realizado a impressão do mesmo. O blog também divulgará o documento, e quando ele for impresso será repassado para a distribuição nas ruas e praças de Minas Gerais.

    Vários outros pontos, tanto de encaminhamento, quanto de crítica e reflexão, foram mencionados, mas como não houve tempo para discuti-los, e retornarão à pauta de discussão na próxima semana, dia 28. Uma brava colega de Contagem propôs que fossem confeccionadas camisas com o retrato e o nome dos 51 picaretas que votaram contra a Educação e os educadores. Propostas como: manifestações em praça pública e ocupação de rodovias serão discutidas na próxima reunião. A greve de 3 dias convocada pela CNTE também será debatida na próxima reunião - criticou-se a postura de omissão da CNTE durante as greves de 2011, quando educadores de duas dezenas de estados estavam em greve pelo piso salarial.

    É importante destacar também que a reunião deste grupo de educadores da base da categoria, com diferentes tendências e lideranças do movimento, representa um esforço de auto-organização não atrelada à burocracia da direção sindical. Outros informes, com diferentes opiniões, poderão ser apresentados aqui no blog ou em outros meios de divulgação.

    ResponderExcluir
  91. Não estou entendendo o porque de tanta revolta com os efetivados!Eu quero é trabalhar ,não importo se o efetivado vem primeiro ou depois .Sempre dei conta de tudo que vei para minhas mãos!Sejamos razoáveis!Estou preocupada com o nosso piso que está longe de ser alcançado!

    ResponderExcluir
  92. Euler e as ações para conseguirmos o piso?Não podemos perder o foco ,o governo está conseguindo nos desviar a atenção!Você é nossa estrela guia,nos mostra o caminho!Sua namorada virtual 2!

    ResponderExcluir
  93. Sou efetivada não porque quero,mais porque me foi imposto!

    ResponderExcluir
  94. Grande comandante Euler, primeiro queremos você no sindicato,todos seguidores admiradores deste grande homem, honrado, que realmente luta pela classe, que ninguém segura, vai longe, tudo que você escreve está atravessando fronteiras, além brasil, , está como vento espalhado pelo chile, japão, méxico, bolivia , estados unidos, inglaterrae indo adiante, você nos fez reerguer e mostrar ao mundo como é realmente o pais chamado brasil onde tupiniquins desgovernam,e não vamos parar.. a guerra só começou, podem tirar tudo agora por puco tempo, mas o piso teremos!Beatriz , Hilário e a corja do pt ao qual pertencem só nos usou mais uma vez , ela quer ser deputada e ele quer cargo alto, por quanto se venderam?triste...Não estou repondo estou correndo as gerais o NDG DO NORTE DE MINAS EXIGE VOCÊ NO COMANDO GERAL DO SINDICATO E A GRANDE CRISTINA O VALE DO JEQUITINHONHA QUER VOCÊ, JUIZ DE FORA ESTÁ COM VOCÊ, CAXAMBÚ, ARAXÁ....ENTRE TANTAS QUE JÁ PECORRI..UM GRANDE ABRAÇO MESTRE...MARLENE PROFESSORA BH

    ResponderExcluir
  95. Ao anônimo das 20:55.
    sou efetivada da lei 100 devido a erros do governo. Trabalho na rede estadual a 17 anos, dos quais 11 anos como designada, pois NUNCA houve, durante esse tempo, concurso para ARTES.
    Você se engana quando diz que passaremos com este tempo à frente dos efetivos. O tempo que conta é a partir da publicação da lei.
    Já fui prejudicada este tempo todo, pois apesar de ter trabalhado como todos, nunca pude ter promoção por escolaridade, por tempo, por coisa alguma. Não podíamos nem mesmo aposentar. Antes da Lei 100 tínhamos colegas trabalhando, com mais de 75 anos de idade, sendo que isto jamais poderia acontecer de acordo com a constituição.
    Nós da Lei 100 estamos cansados de ser atacados por vocês efetivos. O que ganham com isso é apenas desunião. ACORDA!!! Estamos todos no mesmo barco!!! Não temos culpa dos desgovernos de Minas, mas ele precisava regularizar a vida desses sofredores que trabalharam muito mais do que deviam e no final das contas a única coisa que conseguiram foi aposentar com um mísero salário, sem algum benefício.
    É HORA DE UNIÃO.
    ATAQUEM OUTROS.

    ResponderExcluir
  96. Art. 55 Esta Resolução será alterada, no que couber, após a conclusão dos estudos para a regulamentação prevista no artigo 23 da Lei n.º 19.837, de 2 de dezembro de 2011 e das adaptações necessárias do Sistema de Administração de Pessoal – SISAP
    Este artigo trata do 1/3. Só Deus sabe quando será retificada esta resolução para atender a Lei. Muita briga até lá...

    ResponderExcluir
  97. Euler,

    Será que o governo de Minas tem usados os recursos do FUNDEB de forma correta?
    Em julho de 2010 suspeitas de desvio de verbas levaram a polícia federal em colaboração com a Controladoria Geral da União, a realizar a operação Orthoptera II que procurou verificar um possível desvio de fundos em municípios do Piauí e Maranhão.Foram cumpridos 11 mandatos de busca e apreensão.
    Como a característica deste Governo de Minas é descumprir leis, dá para suspeitar que os recursos destinados a educação podem estar sendo desviados.
    Você tem alguma informação a respeito? Se for o caso isto precisa vir a tona, não acha?

    Vamos investigar se todos os recursos destinados na educação básica estão sendo usados de forma correta aqui nas Gerais?

    ResponderExcluir
  98. Olá Euler e blogueiros!

    Que aprendizado eu tive na reunião de ontem no SINDREDE. Rômulo, Gustavinho e Euler na condução do debate (show de bola). Essa é BASE que precisávamos: forte, respeitosa uns com os outros e na mesma sintonia. Parabéns!

    Vão, também, meus parabéns, aos demais participantes. Quanta rapaziada boa na BASE que ainda não conhecia. Eu estava num desânimo de dá dó pensando até em desfiliação. Mas, ontem, foi bacana demais! Valeu Wladimir pelas observações carregadas de criticidade e muito oportunas diga-se de passagem.

    A BASE (NDG com suas diferentes correntes) pode e deve ser uma alternativa aos descaminhos do SINDUTE. Torço para que os encontros se tornem frequentes e itinerantes. O professorado desse interiorzão das Gerais precisa ser ouvido também. Agora o bicho vai pegar!

    Em tempo: o SINDINÚTIL continua caminhando sonâmbulo para a obscuridade. Vai uma água de côco e um camarãozinho ai direção? De frente para o atlântico, na areia, toalhas da CUT e CNTE para proteger-se "dos de baixo". Enfim, que se dane reposição, SPC/SERASA, resoluções, posse de diretores, juridico...

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
  99. Gente,

    Vamos escrever para a Polícia Federal pedindo providências a respeito deste sujeito Danilo de Castro?
    A polícia deve estar doida para por as mãos nele. Vamos pressionar.

    ResponderExcluir
  100. Devemos fazer doações para que representantes do NDG possam ir ao Congresso em Araxá!

    ResponderExcluir
  101. kkkk Caro Anônimo das 10:23, a polícia pode até querer, mas vai sempre receber telefonemas do Senador, conhecido por A FRUSTRAÇÃO DA OPOSIÇÃO, para deixar o AMIGO quieto, então este sujeito nunca será incomodado, até porque o tal sujeito é um ARQUIVO VIVO, certamente! Então que ousará queimá-lo, nunquinha, estamos cansados de ver no país, essa gente que posa de honesta, séria está toda na mão dessa gangue, isso porque debaixo dos panos também fazem parte.

    ResponderExcluir
  102. Acho que os líderes do NDG, daqui a algum tempo deveria marcar um encontro estadual e de forma simples, fazer um Seminário, para dar conhecimento à categoria de tudo que se passa, pois a falta de ação dos educadores está atrelada à falta de conhecimento das leis. Já que todos ficam sabendo porque ouviram dizer.

    ResponderExcluir
  103. Esse NDG tem tudo para dar certo e dar trabalho. Se tiver uma organização vai incomodar muito ao GOVERNO e ao Sindicato, por que não?! Afinal quem não INTEGRA, ENTREGA! A Turma que se juntou a esse NÚCLEO, pelo que se vê de discussão neste blog é uma turma pensante, argumentativa e com uma explêndida capacidade de crítica. Pensem nisso e levem à frente e quem quiser junte-se aos bons. Esse NDG vai dar samba à NOEL ROSA. Esse NDG foi o saldo mais positivo produzido nessa greve de 112 dias.Minas deve ter sio o único Estado em que certamente a greve lançou uma semente boa no solo e ela está brotando, apesar da condição arenosa de muitos pedregulhos, mas está crescendo, há muita gente boa par regar, vai virar uma árvore frondosa, troncos fortes, frutos dos bons. Quem viver verá!

    ResponderExcluir
  104. Esse EULER,CAPRICORNIANO, é determinado!

    ResponderExcluir
  105. Penso cá no meu humilde e ínfimo entendimento, que com esse esclarecimento poderíamos pedir a federalização da folha da educação. Mas com certeza alguém lá já deve estar de olho na farra do boi federalizada. Nesse país é o dinheiro quem manda e a linha de raciocínio deve ser bem simples: se melhoram o salário dos professores públicos, necessariamente teriam que melhorar o do professor em regime de clt.
    Parece-me que existe essa amarra no direito salvo engano, administrativo.
    Se de fato uníssemos os professores em torno de uma cantiga de uma nota só, seria muito interessante, mas até nisso já pensaram.
    Ouço muitos colegas, bradando em alto e bom som, que trabalha para rede tal, ou de fulano de tal ou aqui ou aqui e acolá. Meu Deus! Não entendem que estão cumprindo o papel que arrumaram pra ele. Como bem disse alguém por ai, nos sabemos o mínimo de legislação e quando ousamos saber, vem um comando lá de cima, cala logo esse cabra e enterra e que ninguém ouse desafiar os capitães do mato. Assim disse o coronezinho.

    ResponderExcluir
  106. João Paulo Ferreira de Assis11 de janeiro de 2012 11:45

    Prezada amigo e companheiro de luta Professor Eulrt

    Eis aqui os comentários que eu coloquei no remédiosmg, site da minha terra, Senhora dos Remédios

    Hoje às 14:30, cheguei na Livraria Bernadete e perguntei ao meu amigo Marcelo Augusto de Araújo Lima pelo meu exemplar de A Privataria Tucana, do Amaury Ribeiro. O Marcelo perguntou para uma das funcionárias se o livro havia acabado de novo. A funcionária disse ainda haver um de resto. Comprei-o por 35 reais pagos em dinheiro de contado. Agora vou me deliciar com as revelações do Amaury.

    Quero comunicar que o Deputado Bonifácio Andrada, apresentou um projeto de lei PARA PROTEGER CANDIDATOS CORRUPTOS. Por esse projeto que se for convertido em lei resultará em prisão de 3 a 8 anos para quem denunciar o candidato corrupto, e ainda multa de 2 mil a 15 mil reais. Se for funcionário público, suspensão de 30 a 90 dias e demissão em caso de reincidência. Este projeto é o de número 2301/11.
    Trata-se de um projeto com endereço certo: os PROFESSORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS que estamos fazendo campanha contra os 51 carneirinhos da Assembleia.

    Mas a lei da palmada está certa. Está certíssima! Tem pai e mãe que abusa da sua autoridade. Os pobres dos filhos crescem sendo violentamente espancados, e por sua vez vão descontar nos filhos tudo que eles sofreram. Imagine uma mulher que ao ver o filho chegar com um dinheiro em casa, que ele pode muito bem ter ganhado honestamente, lhe dá uma coça em vez de dizer que acreditaria nele mas que iria averiguar a verdade. E depois quando o avô do menino deu o dinheiro para ele, ele jogou o dinheiro no rio, e o empregado da família ''dedo duro'' contou para a mãe. E o menino que jogara o dinheiro no rio, levou outra coça. E a velha ainda contou esse caso para os netos, filhos desse seu filho.

    É preciso dar um basta a esta cultura da violência, que faz com que a rua, com todos os seus perigos, seja mais atraente para as crianças do que suas casas.

    Há todo tipo de violência. O pai e a mãe violentados durante a infância com castigos físicos demasiadamente rigorosos se vingam nos filhos. É o marido enganado que se vinga no filho adulterino da esposa com outro homem castigando o menino com mais rigor do que aos outros filhos. É o pai que violenta sexualmente as filhas, que não podem resistir senão o monstro lhes espanca.

    Esta lei é para ter um efeito de longo prazo sobre a violência no Brasil e quebrará esse círculo vicioso da violência em família.

    No entanto estamos ameaçados por outra lei, que ainda é projeto 2301/11, mas que se for sancionada será uma VERDADEIRA ABERRAÇÃO. Quem denunciar um candidato corrupto é que será preso, podendo cumprir de 3 a 8 anos, e pagar multa de 2000 a 15 mil reais, e se for funcionário público, poderá ser suspenso de 30 a 90 dias, ou demitido, se reincidente. Fico pensando se esse medo demonstrado pelo deputado que propôs a lei, não é uma tentativa de intimidar os professores mineiros e de se defender das acusações do livro A Privataria Tucana. Digo intimidar-nos, porque ele sabe muito bem que o Estado nos impôs o subsídio contra nossa vontade, e contra a lei 11738, e que nós reagiremos contra os 51 deputados da bancada dos eunucos morais.

    Álvaro, quem dialoga com os seus filhos, deixa de ir a jogos de futebol do time preferido para poder estar com eles, NÃO PRECISA TEMER A LEI DA PALMADA.

    Quem bate é porque não entende outro argumento que o da força. Quem bate se julga destituído de força moral para convencer o filho a não praticar tal atitude, porque é errada. Um pai que dialoga com os filhos, vai saber, por exemplo, convencer o filho que é errado jogar o laser pois pode atrapalhar o piloto de um avião e causar um acidente de grandes proporções. Tenho certeza que um pai conseguiria convencer o filho sem precisar recorrer aos espancamentos.

    Saudações e até a vitória.
    João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir
  107. Caro anônimo das 10:53.

    Estou cansada de saber disto. Se a polícia Federal sofre pressão dos de"cima" que sofra pressão dos de "baixo".
    Vamos fazer o que?
    Ficar na impotência?

    ResponderExcluir
  108. O problema subjacente a lei 100 é o seguinte: É INCONSTITUCIONAL.THAT'S IT!!!!LEI FOI FEITA PARA SER RESPEITADA.EU RESPEITO AS LEIS POR ISSO EXIJO QUE TODOS RESPEITEM -NAS TAMBÉM.

    ResponderExcluir
  109. Vocês estão vitimizando o efetivado.TENHO COLEGA QUE GANHOU DOIS CARGOS.DOIS GENTE.DOIS.

    ResponderExcluir
  110. Euler,

    Por favor acesse o link abaixo e depois comente:

    http://direito.folha.com.br/1/post/2012/01/como-os-magistrados-so-promovidos.html

    "Folha de São Paulo" 10/01/2012.

    ResponderExcluir
  111. Bom dia colegas de luta, Prof. Euler

    Gostaria de propor aqui, a todos colegas, efetivos ou não, efetivados ou não:

    Façamos um pacto de educadores que somos, de não se discutir mais nesse momento, sobre lei 100 ou sobre direitos de escolha. Essa discussão não é para agora. Nesse ponto, a única verdade, e que é consenso, é que esta discussão agora só interessa ao governo, que tenta nos dividir.
    Assim, todos somos educadores, trabalhadores.
    E como tal, sejamos educados, sejamos uma categoria só, sejamos unidos. Lutamos pela mesma causa.
    Façamos este pacto: lutemos pela lei do piso e esqueçamos a lei 100 neste momento.
    Mantenhamos o foco na nossa prioridade!

    Até porque, com este governo, tudo pode acontecer da noite para o dia, e derepente, uma canetada a mais muda todo este cenário: quem estava a favor poderá ficar contra, e vice-versa! Não soframos por antecipação!
    Temos um longo ano pela frente.

    Um abraço a todos colegas!

    Antônio Carlos - Sul de Minas

    ResponderExcluir
  112. (...)Em qualquer caso, a palavra final na nomeação para um tribunal é sempre do chefe do Executivo (presidente da República ou governador, dependendo do esfera de poder). Isso faz parte do controle mútuo entre os poderes. No caso, para evitar que o Judiciário faça o que bem quiser, o Executivo mantém a palavra final.(...)

    O QUE SERÁ QUE ESTÁ ACONTECENDO NO TJMG?

    SERÁ QUE EXISTE INFLUÊNCIAS DO EXECUTIVO ESTADUAL (GOVERNO DO ESTADO)?

    ResponderExcluir
  113. Obesidade mórbida mata! Taí uma notícia que pode ser boa.

    ResponderExcluir
  114. EULER PUBLIQUE O AVISO SOBRE OBESIDADE: UTILIDADE PÚBLICA

    ResponderExcluir
  115. No blog da beatriz...

    FELIZ NATAL PARA TODOS.

    2012?

    Sind INÚTIL?

    RESOLUÇÃO?

    1/3 DE FÉRIAS?

    GREVE?

    ELEIÇÕES?

    O QUE?

    NÃO ESTOU ENTENDENDO NADA?

    E VOCÊS?...

    ResponderExcluir
  116. PT = PSDB = Sind INÚTIL

    ESTAMOS PERDIDOS.

    SALVE O EULER!

    AGUARDAMOS ANSIOSOS A REPRESENTAÇÃO DO EULER AO MPF.

    GOSTARÍAMOS DE ASSINÁ-LA.

    ResponderExcluir
  117. A FRUSTRAÇÃO DO OPOSIÇÃO?

    ResponderExcluir
  118. Estamos horrorizados com tudo que está acontecendo? Sim.
    É isto aí Euler,
    Vamos buscar saídas.Precisamos agir para não cair no risco de sustentar uma postura cínica do tipo: "nada adianta".

    ResponderExcluir
  119. Primeiro tem que prender em prisão perpétua o inventor de tal Projeto, quem defende corrupto porque corrupto é, gente séria, honesta não defende bandalheiras!

    ResponderExcluir
  120. Vocês sabem se no Congresso de Araxá, o Sindicato vai convidar o sociólogo Fernando Henrique para falar? kkkk

    ResponderExcluir
  121. João Paulo Ferreira de Assis11 de janeiro de 2012 13:45

    Pois saiba, meu prezado anônimo das 13:25 que o autor de tal projeto é pai do Lafaiete Andrada, atual Secretário de Defesa Social.

    ResponderExcluir
  122. Efetivos e Efetivados somos todos vítimas deste governo. Ninguem pediu pra ser efetivado, pra ser 1o ou 2o pra escolha de turmas. Tudo nos foi imposto de cima para baixo. Sou efetivado sem nunca ter tido chance de ser efetivo pois o governo nao realiza concurso há anos. Nosso problema nao é esse, nao confundam as coisas. Efetivados sao apenas mais um bando de sofredores.....
    Guilherme Ramos Coromandel-Mg

    ResponderExcluir
  123. ESTE É O PAÍS DOS COMPADRIOS, NÃO DE UMA GOVERNANÇA SÉRIA, COM PROJETOS QUE FAVOREÇAM O CIDADÃO E MELHORE AS CONDIÇÕES DO PAÍS. ESTE É, ENTÃO,O PAÍS, EM QUE O 4ºSENADOR PELO RIO DE JANEIRO, CONHECIDO, TAMBÉM, COMO ZÉ CARIOCA, SONHA EM SER PRESIDENTE.


    Por Aécio, PSDB evita ataques a Bezerra

    Senador não quer se indispor com PSB de olho em aliança em 2014

    Tradicional parceira do PT, legenda está em ascensão e é dirigida pelo governador de PE, amigo do tucano

    LEANDRO COLON
    NATUZA NERY
    DE BRASÍLIA

    O PSDB avisou o DEM que não será "protagonista" no cerco ao ministro Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional) e, em nome do senador Aécio Neves (MG), orientou o aliado a seguir sozinho contra o auxiliar da presidente Dilma Rousseff.

    De olho nas eleições de 2014, a ala tucana ligada ao mineiro não quer melindrar o PSB do governador Eduardo Campos (PE), presidente do partido e fiador da indicação de Bezerra à Esplanada.

    A legenda, tradicional parceira do PT, já é uma das principais forças políticas do Nordeste e sigla ascendente no Congresso Nacional.

    Não por acaso, Aécio não quer se indispor com Campos, de quem é amigo e a quem tentará atrair para uma eventual dobradinha na próxima campanha presidencial.

    O recado do PSDB ao DEM foi dado no fim de semana em conversas sobre qual estratégia adotar diante da crise envolvendo o ministro.

    Enquanto o primeiro deixou claro que uma ofensiva para desestabilizar Bezerra não interessa a Aécio, o segundo manteve posição mais beligerante. Conforme o cálculo de dirigentes do DEM, seria um trunfo contra o Executivo a queda do oitavo ministro de Dilma.

    Há, ainda, outra razão para a timidez tucana na crise: o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), não só representa o mesmo Estado que o ministro e Eduardo Campos como possui afinidades políticas com ambos.

    Por enquanto, o PSDB vem adotando atitude mais protocolar nas cobranças ao ministro. Ontem, não assinou a representação que o DEM protocolou na Procuradoria-Geral da República pedindo abertura de investigação contra Bezerra.

    Até agora, tucanos têm agido muito mais para alimentar as divergências entre PSB e PT na base aliada do que para desgastar o ministro.

    Eis a missão definida para 2012: dividir e, se possível, dinamitar a relação de Dilma com os partidos que lhe dão sustentação. O objetivo é, ao mesmo tempo, criar problemas para a presidente no Congresso e, depois, atrair os insatisfeitos para a esfera de influência de Aécio.

    Desde a semana passada, Bezerra é alvo de acusações de favorecimento no repasse dos recursos de sua pasta, nepotismo e privilégio ao filho.

    Em conversas reservadas com Eduardo Campos, a base aliada e congressistas da oposição acertaram um rito que passará, até segunda ordem, só pela visita do ministro ao Congresso amanhã

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/19405-por-aecio-psdb-evita-ataques-a-bezerra.shtml

    ResponderExcluir
  124. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    EU NÃO ACREDITO QUE ESSE DEP DE M... TEVE CORAGEM DE PROPOR ISSO!?
    TEMOS QUE RIR! QUEM VOTOU NESSA PESSOA?
    COLOCA AS CIDADES DE ONDE SAIU OS VOTOS DELE. VAMOS COLOCAR A BOCA NO TROMBONE!
    CARA DE PAU!!!!

    ResponderExcluir
  125. Belo prefácio do notável Antonio Candido ao livro de Emiliano José sobre Marighella.

    "Os grandes homens começam por ser reconhecidos e avaliados em âmbito restrito, apenas entre seus pares, por aqueles que comungam de suas ideias".

    Este prefácio vai, também, para o prof. Euler que tem feito deste blog um espaço de luta não só pelo piso salarial nacional do professores, mas também de conscientização para que possamos mudar a lógica do ludibriamento, da perseguição, da corrupção, do desrespeito, das benesses, da sordidez etc, etc que vêm solapando o Estado, o País e a vida das Pessoas.

    ResponderExcluir
  126. "Enquanto nos outros estados os professores recebem o piso aqui em MG os professores são pisados."
    Gostei deste comentário postado no Jornal O tempo...

    ResponderExcluir
  127. SEGUNDO O PROJETO DO DEP, VOU SER PRESA! VOU PAGAR MULTA! VOU PERDER O CARGO! NÃO VOU CALAR! TRAIDORES!

    ResponderExcluir
  128. Ai Euler, não aguento mais. Meus nervos estão em frangalhos.Quanta injustiça neste mundo da educação pública mineira.Imagine o cara ruim de sala de aula, chega atrasado, falta pra caramba e fez uma pós, daquele jeito que sabemos, vai tirar as aulas de um professor comprometido, e respeitado pela comunidade.É de chorar de pena.

    ResponderExcluir
  129. E O FICHA SUJA DANILO DE CASTRO?
    (pesquisem no google "novojornal")

    COMO FICA?

    FICA NO GOVERNO AÉCIO/ANASTASIA.

    NESTE PAÍS NÃO EXISTE JUSTIÇA.

    ELES SE MERECEM.

    A SOCIEDADE PRECISA REAGIR.

    ResponderExcluir
  130. Oi Antonio Carlos do Sul de Minas.
    Você está me pedindo para esquecer que o presidente da província de Minas Gerais,aécioneves, desconsiderou uma lei constitucional para resolver seu problema de caixa?Então por favor pare de reivindicar piso pois, lei por lei esta também pode ser desobedecida.Sejamos coerentes!Queremos a volta da legalidade por inteiro e não aquela que nós interessa apenas. Quanto a dividir categoria...jamais vi uma categoria tão rachada.
    Na hora de distribuir aula é um pega pra capar, é um salve-se quem puder.Farinha pouca meu pirão primeiro é a ordem do dia.

    ResponderExcluir
  131. Euler,veja a redação do art.24 da Constituição Estadual:
    Art.24 A revisão geral da remuneração do servidor público, sem distinção de índices entre servidor público civil e militar, se fará sempre na mesma data.
    Nos últimos anos nenhum governador cumpriu este artigo razão pela qual nosso salário ficou devasado.
    Já passou da hora de agirmos judicialmente.Você concorda?
    Professora sofredora

    ResponderExcluir
  132. Prezado amigo Euler, me esclarece uma coisa. Como estávamos em greve algumas parcelas consignadas pelo banco Bonsucesso não foram descontadas em folha e agora estou recebendo uma carta de Brasília dizendo ser da SAC(Sociedade Assistencial dos Servidores do Brasil), dizendo que vão descontar tais parcelas direto na minha conta corrente no Bco do Brasil. Isso é possível, me dê uma informação o mais rápido possível.
    Esclareço também que, se algum dos nossos colegas no seu blog, souberem me informar alguma coisa, por favor me informem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Banco bonsucesso pelo menos te avisou: o BMG nem isso fez e retirou meu salário quando caiu na conta! Liguei para o banco e proibi qualquer desconto direto na minha conta!

      Excluir
  133. : O TEMPO online :: Governo deve aumentar o piso nacional dos professores para R$ 1.450 ::.
    www.otempo.com.br

    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=140424%2CNOT&IdCanal

    ResponderExcluir
  134. Não espero mais nada na carreira da Educação.
    Tudo que é coisa ruim, já aconteceu e está acontecendo!
    * Não estão respeitando concurso púlblico da minha época "2001" (criam regras e procedimentos que acabam prejudicando alguns professores efetivos e favorecendo aqueles que não foram aprovados nesse concurso).
    * o cara havia prometico o tal 1/3 para atividades extra classe; pelo que vi, não há NADA disso, como fui tolo em acreditar na palavra dele, pura mentira!

    ResponderExcluir
  135. Fui prejudicado com a resolução por ser removido para a minha escola depois de 2007. Os efetivados vão escolher as turmas na minha frente. O que eu faço? Entro na justiça? Por favor me ajudem.

    ResponderExcluir
  136. Parabéns ao anônimo das 20:55, que mostra claramente o sofrimento dos educadores efetivados.Euler você é a pessoa mais indicada no momento para representar a classe dos professores.Queremos você a frente no sindicato,chega de falsidades, vamos dar um basta.

    ResponderExcluir
  137. Ao anônimo do crédito consignado....
    Não aceite este desconto direto na sua conta. Vá ao BB e faça de próprio punho uma carta neste sentido, não aceitando estes descontos. Crédito consignado é para descontar na folha e não na conta corrente.

    ResponderExcluir
  138. DEPUTADO TIAGO ULISSES,

    UM DOS 51 TRAIDORES DA EDUCAÇÃO NA ALMG.

    ResponderExcluir
  139. Me desculpem mas escutar companheiros falando que não é hora de discutir lei 100. Quando será a hora ?

    Todos são prejudicados por esta lei absurda.Por que não podemos discutir tal lei ?

    A ilegalidade é a grande marca do desgoverno Aesia. Temos que discutir tudo o que nos afeta.

    ResponderExcluir
  140. Olá Colega "Anônimo(a)" das 16h42,

    Pena vc não ter entendido minha colocação, ...
    Não pedi para vc esquecer nada colega, nem do presidente da província, de nada!

    Vc diz (Se é que vc não é gente do governo que posta aqui)que a categoria está "rachada", pois muito bem, por que será?
    Ficarmos nos acusando mutuamente vai mudar essa realidade? Creio eu que não!

    Eu quero a justiça e não esta ou aquela lei.

    Tudo a seu tempo!

    Um abraço colega!

    Antônio Carlos

    ResponderExcluir
  141. João Paulo Ferreira de Assis11 de janeiro de 2012 19:01

    Prezado amigo e companheiro de luta Professor Euler

    Fiz mais um comentário no remédiosmg, que duvido que eles publiquem. Aqui vai:

    Olha gente, eu sei a luta que foi até a sociedade brasileira conseguir votar e aprovar a lei da ficha limpa. A Igreja Católica teve uma grande parte nisso, pois era inadmissível que candidatos ficha suja continuassem se candidatando e ganhando. A aprovação da lei da ficha limpa foi um grande avanço para a sociedade brasileira. Avanço que eu SUBSCREVO EM TODA A INTEGRIDADE. Por isso, apesar de desagradar algumas pessoas, eu anunciei o projeto 2301/11, que tramita na surdina em Brasília, e tem como objetivo retroceder todos os avanços obtidos pela Lei da Ficha Limpa, que tem inclusive sido combatida no Supremo Tribunal Federal, não por amor às leis, mas por ferir interesses econômicos poderosos.

    Sei que desagradei, mas o dever do professor é formar cidadãos. Eu não posso me furtar a isso. Sei que o deputado autor do PL 2301 tem em Senhora dos Remédios muitas lealdades, assim como o sinistro Sérgio Naya as tinha em Laranjal, mesmo depois da tragédia do Pálace 2. Um dos fatos mais vergonhosos para Minas foi a passeata dos partidários do Sérgio Naya no Rio de Janeiro contra os condôminos do Pálace 2, uma verdadeira vergonha para Minas Gerais.

    O projeto é tão incrível que a pena pela denúncia do candidato corrupto é maior que a de um sequestrador.

    ResponderExcluir
  142. Quanto as minhas parcelas de emprestimos consignados já foram descontados direto da minha conta.Fui ao banco e a orientação ou resposta do gerente foi que isso não é de responsabilidade do BB e sem do banco que eu fiz o emprestimo e provavelmente uma das clausulas do contrato devia constar essa autorização de desconto em folha.Liguei para o BMG e essa foi a resposta uma das clausulas do contrato autorizava este desconto.Ou seja me lasquei.Mas um da quadrilha metendo a mão no meu bolso , não bastasse o nastasia.

    ResponderExcluir
  143. Com certeza não irão chamar o FHC , mas o Zé Genoino (Palestra sobre como trair e entregar companheiros)Zé Dirceu (Palestra como comprar políticos e maracutaias)Lula(Como ser conservador em 09 lições) e Orlando Silva (Como desviar verba em ministérios em anos de copa)

    ResponderExcluir
  144. João Paulo Ferreira de Assis11 de janeiro de 2012 19:14

    Prezados amigos e companheiros de luta

    Aos Anônimos das 14:15 e 16:05

    O projeto do Bonifácio Andrada ainda é um projeto. Cabe a nós ficarmos atentos para que nao venha a ser sancionado.
    As cidades que elegeram esse sujeito foram SENHORA DOS REMÉDIOS (vergonha!!!!!!!! minha terra!!!!!!!!!), Ressaquinha (onde eu moro), Barbacena, Carandaí, Rio Espera (aonde teve a prisão daquele professor no dia da inauguração dos melhoramentos na EE Monsenhor Francisco Miguel Fernandes), Alto Rio Doce, Cipotânea (onde um vice-prefeito certa vez declarou que o Toninho Andrada era uma ''fruta doce''. E tão burro foi que não percebeu que estava fazendo um ''elogio'' de duplo sentido.), Conselheiro Lafaiete, Cristiano Otoni, Desterro do Melo, Ibertioga, Santa Bárbara do Tugúrio, Alfredo Vasconcelos, Antônio Carlos, Barroso, Santa Rita da Ibitipoca, Santana do Garambéu, Bias Fortes entre outras.

    Saudações e até a vitória.
    João Paulo Ferreira de Assis

    ResponderExcluir
  145. O CONCURSADO QUE FEZ PROVA E FOI NOMEADO DE ACORDO COM A CONSTITUIÇÂO FEDERAL, DE FORMA ALGUMA PODE FICAR DEPOIS DA LEI 100, ISSO É ABSURDO. NÂO IMPORTA A FORMA COMO E QUANDO CHEGOU NA ESCOLA. ISSO NÃO É DISCRIMINAR É SIMPLISMENTE CUMPRIR A LEI SEM PREJUDICAR A NINGUÉM.

    ResponderExcluir
  146. Hoje no jornal da Record - Mauro Tramonti, foi mostrado a realidade do Hospital do IPSEMP em Belo horizonte. Casos assim acontecem sempre.
    Temos que mostrar mesmo, pois pagamos caro por um sistema de sáude totalmente PRECÁRIO.
    Para onde vai todo o envestimento que pagamos a anos ao IPSEMG? Ainda tem cartazes nos postos do Ipsemg que eles estão buscando a excelência.Rsrsrsrs
    QUE VERGONHA, GOVERNADOR!

    ResponderExcluir
  147. por favor,lei-a esta carta.
    https://www.educacao.mg.gov.br/images/stories/noticias/2011/Dezembro/carta-aos-servidores.pdf

    ResponderExcluir
  148. OI, PESSOAL!
    VAMOS TODOS PARA ARAXÁ.
    MOMENTO DE REFLEXÃO DO QUE SE FOI EM 2011 E O QUE PODEMOS MELHORAR NA NOSSA LUTA DE 2012.
    A ESPERANÇA É A ÚLTIMA QUE MORRE.
    ABRAÇOS A TODOS.
    BOA LUTA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Colega, anônimo, valeu o incentivo. Só uma reflexão diferente: "A esperança é a última que morre". Para nós que acreditamos num mundo melhor, a "esperança não morre nunca". Um abraço

      Excluir
  149. Rilex galera, vamos deixar para comprar os antidepressivos e os polivitamínicos quando as aulas começarem. Faça como eu estou tomando uma água de coco e um sol aqui em Salvador. vamo repor as energias gente.

    ResponderExcluir
  150. Anônimo de 20:08. Esta conclusão é verdadeira! Nunca assisti a tantos desmandos, violência urbana, tráfico de tudo, corrupção...Realmente a "DESORDEM JÁ ESTÁ INSTALADA HÁ MTO TEMPO. SE O POVO NÃO REAGIR A "ORDEM" DESTAS AMEBAS MINEIRAS E DAS DEMAIS AMEBAS DO PAÍS VAI IMPERAR!

    ResponderExcluir
  151. Eh verdade que ipsemg retirou esposo como dependente?

    Marta Cunha
    Contagem

    ResponderExcluir
  152. Ao
    anônimo das 16:59
    _____________ ...sobre o desconto Bco Sucesso!

    Faça o seguinte: Compareça á sua agência e cancele qualquer desconto de financeira sem seu consentimento. Guarde uma copia! Recebi R$ 80,00 de salário (Greve) e fui "lambido" pelo BMG e o pior, me mandaram para o SPC/SERASA.

    Confirme a razão social na JUCEMG ou com o atendente porque têm muitos picaretas na praça. Aliás, picaretas como Bco BMG, BONSUCESSO e Cruzeiro do Sul são verdadeiros anelídeos... rsss

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fui ao procon e ao juizado especial de relações de consumo. Entrei com uma ação contra o BMG

      Carol
      BH

      Excluir
  153. Acho que os efetivados deveria pelo menos serem avaliados quanto ao desempenho,terem que cumprir o estagio probatorio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os efetivados cumpriram estágio probatório, passando por avaliações de desempenho e inclusive houve casos de exoneração por duas avaliações negativas, consecutivas.

      Excluir
  154. Tão recentemente aposentada mas mto indignada. A Sinhazinha "Naná" quer de fato a divisão entre nós. FIQUEMOS ATENTOS. Quanto mais nos digladiarmos melhor para esta turma de covardes ébrios de "PODER" (???) e "GANÂNCIA". A resolução de designação tem mtas falhas. Serão corrigidas, pois uma resolução incorreta gera grande dor nos "CABEÇÕES DA SEE" responsáveis pelos seus artigos. Alguém já disse no blog: a criatividade do desgoverno e da SEE é tanta que estão sempre tropeçando "nas invenções". O desfecho de tudo para a SEE é mto desgaste e também mta dor de cabeça. Eles não conseguem ter tranquilidade! Voltemos ao nosso tema: PISO a que temos direito. Professor Euler meus respeitos e Força na Luta.

    ResponderExcluir
  155. Euler e companheiros/as:

    Gostaria de não entrar na discussão sobre "efetivos/efetivados", mas, até para não ser omisso, exporei o meu parecer.

    Fui designado em Filosofia/Sociologia por 12 anos consecutivos. Com a Lei 100 fui efetivado (não pedi para que isso acontecesse; o governo não me perguntou se eu queria. Até aquele momento, se eu fosse apostar com alguém sobre essa possibilidade de efetivação, sem concurso, com certeza eu perderia até a vida, pois sempre aprendi que serviço público só através de concurso(exceto cargos de confiança e contrato temporário). Se se olha pelo lado da legalidade, o ato é totalmente inconstitucional. Mas não nos esqueçamos: "Nem tudo que é legal é moral; e nem tudo que é moral é legal". Aqui houve uma mistura de ambas as situações.

    Eu pedi exoneração do cargo de efetivado... e foi uma verdadeira burocracia para conseguir. Hoje tenho apenas um vínculo com o Estado, no cargo de História, no qual sou efetivo (no primeiro concurso, não fui chamado; no segundo, em 2005, fui nomeado e tomei posse).

    Embora saiba das situações mais diversas e estranhas na efetivação como: professor não licenciado para a matéria; outros com apenas uma semana de trabalho se efetivaram, enquanto colegas com mais de 15 anos não o conseguiram porque estavam de licença, não podemos jogar pedras nos colegas efetivados. Estamos no mesmo barco furado. As ilegalidades, falcatruas e roubos no Estado vêm acontecendo e se acumulando há muito tempo.
    Por que todos se calaram, inclusive o Sindicato? Não conseguiremos resolver todos os problemas de uma só vez. Ou priorizamos alguns ou não conseguiremos nada. Minas vive em Regime de Exceção brutal. Nossos inimigos são: Anastasia, Aécio e Deputados que votaram contra os educadores e/ou fizeram uso da nossa memorável greve.

    Um abraço a todos. Seja 2012 o ano do nosso "Aufklärung" (esclarecimento, iluminismo) a fim de sairmos das trevas que se abateram sobre nós educadores e população a partir do governo do faraó das Minas Gerais (agora Senador do RJ).

    Joaquim

    ResponderExcluir
  156. Euler, meu amigo tudo bem?

    Vai aí uma proposta para a colônia de férias em Araxá:

    Fazermos um congresso paralelo, já que teremos uma presença numerosa de várias regiões de Minas. E debater os pontos colocados na última reunião do NDG.

    Aqui na escola o pessoal está muito chateado e revoltado com a postura do sindinútil. Para fazer greve ou paralizações agora será muito difícil.

    Outra idéia: programar um outro congresso para ação política em Julho com vistas a uma organização maciça contra o PSDB para as próximas eleições.

    A nossa vingança será tirar o máximo de votos desse partido e do Satanasia.

    V. de vingança

    ResponderExcluir
  157. O horário do blog está esquisito, houve algum problema!

    ResponderExcluir
  158. Prezados colegas,

    Quando iniciei no magistério estadual, há 17 anos atrás, uma colega mais velha me disse: - "olha, você é jovem, inteligente; faça concurso pra outra área e sai disso enquanto pode. Nunca fomos valorizados na educação"...
    Ah se eu tivesse seguido seu conselho...
    Não lamento tanto...rsrsrs
    Há muito sou dirigente sindical e faço a minha parte, do jeito que posso, como posso, mas faço!
    Esses anos todos na luta, como muitos aqui, vejo o seguinte panorama: A turma que sustenta hoje um movimento e luta é a que tem 20 anos ou menos de "estado", excluindo daí 50% dos designados e efetivados. Quem está quase se aposentando ou está aposentado não luta mais, é o que vejo no "geral", claro que há exceções... poucas.
    Por quê estou dizendo isso? Para refletirmos melhor sobre nossas estratégias daqui pra frente. Com quem poderemos contar para executarmos nossas futuras ações? Seja pelo sindicato, seja pelo NDG?
    Acho que devemos aproveitar bastante esse congresso, contribuir com nossas avaliações, às quais já discutidas aqui. Quero sugestionar às subsedes que não elejam delegados(as), áqueles(as) que não participaram da greve.
    passada.
    Quanto à sugestão das camisetas com as fotos dos 51 traidores da educação, sou favorável. Como serão algumas centenas certamente, poderíamos contratar uma única confecção, a um preço acessível bom, feito com material que retrate bem o rosto e o nome dos cretinos.

    até mais...
    Prof. Romeu - Caratinga

    ResponderExcluir
  159. Olá Caro Euler,

    Gostaria apenas de colocar que não há enfrentamento entre efetivos e efetivados. Nos ultimos dias, tem lido em seu blog uma "afronta" entre os servidores.Concordo com suas colocações, como sempre de maneira clara e objetiva.O governo poderia ter resolvido tão fato, estabelecendo critérios como foi em 88, para estabilizar os servidores. Terminasse que houvesse 5 anos de serviços na carreira sem interrupções, seria justo para com aqueles que tem 15,20 ou 25 anos, de trabalho e definiria a situação daqueles que tinham tempo,mas não estavam na escola durante o período da efetivação.É fácil falar que foi o governo que os colocaram nessa situação,mas, os efetivados também tem que reconhecer que os efetivos tem sim, motivos para estarem contrários.Os efetivados esquecem que o concursado tem que RESPEITAR A LEI, porque temos que cumprir todos os artigos do edital do concurso (o edital nada mais é do que a lei do cargo a qual concorremos),apresentar acumulo de cargo, exames, estágio probatório,avaliação de desempenho entre outros. No estágio probatório, não podemos ter falta, licença, e ainda, prestamos concurso para uma vaga,um cargo. É fácil também falar, quando os efetivados estão com seus cargos,mas, aqui em Poços de Caldas,diversos servidores com mais de 15 anos que não conseguiram designação e não foram efetivados, continuam na mesma situação: designados! Outros por sua vez, mal saíram da faculdade e foram efetivados em vaga de licença saúde. Outro caso, foi uma servidora em licença lip, teve que ser removida para uma outra escola,porque uma servidora havia sido efetivada em sua vaga. A SRE de Poços de Caldas, é cheia desses absurdos. Eu mesma,sou concursada desde 2005,no momento, em que meu pai estava doente, fazendo hemodiálise, não conseguia mudança de lotação porque havia uma efetivada na escola perto de minha casa. Tive que contar com a colaboração da diretora de minha escola, que vendo minha situação, comoveu-se com ela.A resposta que tive da SRE de Poços, foi para entrar na justiça para retirar a efetivada, e sabe qual, foi resposta do SindUte? Por eu ser, efetiva,a SRE está correta de não realizar minha mudança de lotação,pois, o cargo deveria ter 18 aulas e apenas havia 15 aulas,e pela lei 100, eu não poderia mesmo tirar 3 aulas do servidor efetivado. Então, veja bem: eu concursada estava fora da lei,mas, um servidor colocado pelo governo, está dentro das normas? Quais normas? Por que esse pessoal não foram nomeados, não sabe-se sua carga, não apresentaram habilitação, acumulo de cargo. Como podem ter direitos iguais aos efetivos?
    Não adianta falar em união dos servidores, porque pelo menos aqui em Poços, o pessoal é "umbiguista", cada um vê o seu próprio umbigo, sem levar em consideração a situação do outro.Então, alegar que o governo está promovendo a desunião da categoria, é reavaliar se essa ação é realmente praticada apenas pelo governo.
    Continua

    ResponderExcluir
  160. continua
    O erro foi praticado lá trás, o que não pode é deixar que esse mesmo erro continue a perpetuar e a prejudicar aqueles que estão dentro da legalidade.Estamos sendo tão hipócritas como alguns do Sindicato, que justifica tal ação do governo em nome dos servidores que estavam para aposentar? E aqueles que ainda não estão? E aqueles que tem 15, 20 anos e não conseguiram efetivar e alguns não nem consegue designação por causa do vinculo? Aqui em Poços e na região acontece isso, porque há escolas com numeros pequenos de turmas. Estamos voltando a prática do: "meios justificam os fins"? É isso! São esses valores que iremos transmitir aos nossos alunos?
    Eu concordo com alguns colegas que posicionaram sua opinião em relação a legalidade da lei e não ao critério de competência ou pessoal do servidor efetivado.
    Eu sempre coloquei a posição de que, no momento em que, o Sindicato permitiu o descumprimento de uma lei federal,nesses termos de que os fins justificam os meios, seria uma brecha para o governo não cumprir outros critérios. Quem esteve em Ouro Preto e nas demais reuniões em BH, deve lembrar que quando a pauta da discussão eram as vagas dos efetivados e a questão da equidade de direitos, a diretoria procurava sempre esquivar-se da discussão. No entanto, a lei 100, deixava claro que, havendo concurso, os servidores que não estavam ainda em período de aposentaria deveriam prestar concurso. É só retornar ao primeiro documento da lei nº100, assinado por Aécio.
    Agora, o que o Sindicato fará? Não há sentido fazer concurso, depois de uma resolução como essa. Fazer os candidatos estudarem toda aquela legislação, constituição, para quê?
    Outra questão caro Euler, seria uma reportagem que li sobre o Piso Salarial, na qual, o TJ de São Paulo, obrigou a Prefeitura de SP a pagar o Piso Salarial dos professores, de R$2.224,00, se não me engano. Agora, será que, só no TJSP, há promotores competentes ou não atrelados ao governo, para que, em SP, a lei seja cumprida?
    Obrigada e parabéns por suas colocações e esclarecimentos, já que, até o site do sindicato está de férias.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Educação e tecnologia, os casos por você citados acontecem não só em Poços de Caldas como em toda a Minas Gerais. Percebe-se o flagrante delito que se acomete e ainda com a conivência de muitos, sinto dizer isso, mas a lei 100 foi um subterfúgio para colocar no serviço público muitos apaniguados e parentes de outros servidores, agentes políticos, cabos eleitorais e etc. A verdade é que o servidor efetivo preenche os requisitos da Constituição Federal de 1988, sendo assim a lei 100 elaborada por um governo estadual não pode ferir uma norma regimental de caráter nacional que garante o acesso ao cargo através de concurso de provas e títulos, podendo o detentor de cargo efetivo sendo prejudicado acionar as autoridades competentes para a análise e correição do caso. Logicamente torna-se importante que professor algum deixe isto passar em branco. Agindo dessa maneira estaremos contribuindo em muito para que a nossa categoria esteja organizada e unida.

      Excluir
    2. Olá Diogenes,
      Obrigada por sua colocação.É uma pena,saber que isso não ocorra apenas em minha região, onde os votos por aqui são de cabresto,como foi bem colocado por vce. Eu estou indo a Subsede de Poços de Caldas,e entrarei com Mandato,bem, eu vou entrar,vamos ver o que o Sindicato fará.Mas, concordo com vce que,aos calar-mos diante de ações assim, estaremos estimulando governo e "pacificando" o sindicato,ao que concerne em lutar pela categoria. Não sou injusta, de não reconhecer as lutas e conquistas do UTE e depois do SIndUte para a categoria.Se não fosse as lutas nem 13º, teríamos hoje. Porém, toda a história de luta, resumiu-se em um unico ponto: SUBSIDIO.Discordo de alguns colegas que colocam que o ponto agora é o Piso.Essa discussão já vinha desde o ano passado. A discussão são os dois pontos: direitos e deveres e Piso.
      Abraços e obrigada

      Excluir
  161. Até que em a Beatriz postou!............

    ResponderExcluir
  162. "Todo poder emana do Povo" e é exercido por ele de forma indireta ou direta.
    A forma indireta é feita pelos representantes eleitos pelo povo. (políticos)
    a forma direta é através de Plebiscito, Referendo e Iniciativa Popular.(Abaixo Assinado)
    Pois bem. Vamos então a proposta de iniciativa popular.
    A iniciativa popular é uma proposta de lei, ou um projeto de lei que é criada por um cidadão brasileiro (no caso do Brasil é claro), onde deve-se conter um x número de assinaturas para que a mesma seja enviada ao congresso nacional, onde será votada e se aprovada, sancionada pelo Presidente (ou Presidenta, como queira a Dilma).
    Portanto para fazermos uma tentativa mais eminente de FEDERALIZAR a folha de Pagamento da Educação, precisamos editar este projeto de lei, colher as assinaturas, e enviá-las ao Congresso Nacional. Quanto ao número de assinaturas, sugiro buscarmos informações junto ao Marcos Guerra ou outra pessoa que tenha este dado.
    Uma vez realizado este projeto de lei, passamos então ao recolhimento das assinaturas.
    Podemos fazê-lo através de assinaturas digitais e também em cada cidade onde houvr ao menos um participante do NDG, até conseguirmos a meta das assinaturas.
    Enviamos tudo para o Euller ou outro representante se assim quiserem, que ficará responsável por enviá-lo a Brasília ao Congresso Nacional.
    Partindo da premícia de que o PT e seus aliados querem a valorização da Educação( o que eu não acredito muito), tereos grande chance de termos nosso projeto de lei aprovado, uma vez que o Governo Federal (PT) tem a maioria no Congresso Nacional se somados seus aliados.
    Sem falar que ao votarem contra, os Deputados Federais, estarão indo contra a vontade popular, que é o seu principal eleitorado.
    Todos pensarão muito antes de irem contra, já que o PIG estará de olho para detonar o governo Dilma.
    Assim estamos usando das mesmas ferramentas que todo partido político usa para eleger seus pares.
    Pensem na idéia, reformulem, mas não deixemos de agir.
    O tempo Urge!!!
    Quanto a publicação da Beatriz, só acho que ela o fez porque sentiu a pressão do NDG e provavelmente foi instruída pelo Rogério Correia e seus aliados a responder algo, já que a coisa estava ficando feia.
    Discordo do que li anteriormente aqui no Blog postado por um anônimo, que de tempo em tempo vamos nos voltando contra aqueles que estão do nosso lado,sugerindo inclusive que daqui a pouco nos voltaríamos contra o Euller, e tão pouco estamos fazendo o que o governo quer, quando criticamos o sindicato.
    Estamos simplesmente mostrando a quem quer que seja, que não somos "VACAS DE PREZÉPIO", e temos opinião própria.
    Não precisamos de ninguém que pense por nós.
    Precisamos sim, de pessoas que discutam conosco ouvindo nossos pontos de vista.
    Att.: Giovane Palhares Vieira Diniz - NDG Pará de Minas

    ResponderExcluir
  163. João Paulo Ferreira de Assis12 de janeiro de 2012 00:25

    Gente, na Agência Câmara de Notícias consta que Andradinha retirou o projeto. Era uma mordaça tão grande que houve reações em todo o Brasil, tanto na blogosfera como na própria imprensa. Mas não se iludam. O homem vai ''aperfeiçoá-lo'', tirar algumas aberrações maiores como a pena do denunciante de corrupto ser maior do que a do sequestrador.

    ResponderExcluir
  164. GRANDE EULER, COMBATIVO HÉROI DESTA ENORME GERAIS..
    Sind-UTE: férias em Araxá, CURTINDO AS PRAIAS DE OLIVENÇA.ITACARÉ , SALVADOR.
    Esta diretoria tem que cair no final deste ano. o melhor grupo COMBATIVO E PRINCIPALMENTE,
    distantes de políticos: o Grupo DO EULER JUNTAMENTE COM A CRIS O RÔMULO, os VERDADEIROS" NDG.
    Direção sindical e politicagem não combinam: temos que agir como sindicato -desatrelados dos grupos oligárquicos e políticos.NÃO SE FAZ ACORDO COM POLITICO

    Fazer acordos com eles, só nos termos finais de greve. Com resultados ganhos. Não acreditar em promessas de deputados, sejam da situação ou mesmo da oposição. Perdemos a greve por pura credulidade.
    QUANTO AOS EFETIVADOS, VAMOS RESPEITAR COMPANHEIROS(AS).O GOVERNO SÓ QUER JOGAR UNS CONTRA OS OUTROS, SÃO PROFESSORES TAMBÉM !
    O MOMENTO ATUAL É DERRUBAR A CORJA DOS 51 LADRÕES E ANASTASIA!
    DERRUBAR BEATRIZ, HILÁRIO E A CORJA DO SINDI ÍNUTIL...
    EULER SIM MOSTROU A GARRA . A VITALIDADE, A HONESTIDADE A HONRADEZ. JAMAIS SEQUER ABANDONOU A CATEGORIA E ESTE HOMEM FAZ -NOS SONHAR QUE TUDO É POSSIVEL!
    ESTE SIM MERECE !
    A VOCÊ MESTRE EULER QUE ME FEZ E FAZ SONHAR POR UMA MINAS GERAIS DIGNA, ONDE A LIBERDADE E A JUSTIÇA SERÁ FEITA, O MEU OBRIGADO!
    VOCÊ SERÁ O NOSSO INDICADO A CHAPA VENCEDORA DO SINDI_UTI!
    MARCOS. LUIZ, BETINHA.LOURDES, TEREZA PROFESSORES CONTAGEM MINAS GEROAS

    ResponderExcluir
  165. Efetivos que serão prejudicados pela maldita resolução, que perderão seus direitos para efetivados: vamos nos unir e exigir que consertem essa bobagem da resolução.. vamos pressionar sindicato, metropolitanas, inspetoras, diretores... vasmos colocar a boca no trombone e não deixar essa injstiça acontecer.. Era só o que faltava! Vamos nos unir!!!

    ResponderExcluir
  166. QUE COISA POBRE(de espírito e de criatividade) esta chamada "Porrada no Busão".Como professora abomino este tipo de manifestação e acho que caberia até processo por isntigar a violência.Acho também que neste blog de Educadores com nós nem deveria ser postado uma coisa desta.NÃO APROVO.Que feio!!!

    ResponderExcluir
  167. Euler, bomd dia!
    Acompanho o seu blog diariamente. Nesse início de ano, após a resolução para a ocupação dos cargos nas escolas, tenho visto os comentários a respeito da mesma. Bom, quero deixar aqui o meu ponto de vista sobre o assunto. Não CONCORDO de maneira nenhuma efetivar ninguém se não for por CONCURSO público, mesmo aquelas pessoas que tem 15 e 20 anos de serviço. Não CONCORDO em arrumar um "jeitinho" para ninguém. Estamos lutando por um piso porque o Governo não cumpre a Lei, se nós comungarmos com essa situação, estamos nos igualando ao Governo. O problema chegou a esse ponto, devido ao nosso silêncio. Agora, o que será feito? Concordo, se caso o servidor tiver desmpenhado bem as suas funções, que ele permaneça na escola, com vínculo, somente. Todos que passam em um concurso, lutam, estudam, abrem mão de alguma coisa para conquistarem seus objetivos. Não é justo, um que não passou ou só porque tem 15 ,20 ano de serviço tenha mais privilégios.
    Não tenho nada contra as pessoas, mas sim pela Lei sem responsabilidade que o Governo criou e nós aceitamos. Outro fato importante, todos efetivados estão de forma ilegal, a Constituição de 1988 é bem clara a esse respeito. Por isso, nós temos que fazer algo, mesmo que seja na justiça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente que o desrespeito a uma Lei abre brecha para que outras aconteçam. Só não acho legal fazer isso na atual conjuntura. O momento é de luta pelo piso para todos. Estamos todos perdendo tudo... direitos, dinheiro, dignidade. De que me adianta ser efetivo ou efetivado na situação que o governo nos colocou.
      Concordo com várias críticas feitas ao Sindicato, mas precisamos reconhecer que ele sempre defendeu a realização de concursos, o que levou muitos colegas a se filiarem à APPMG.
      Joaquim

      Excluir
  168. Euler estou aqui hoje te visitando para poder esclarecer para nos servidores estadual que dia vai sair o contra cheque para todos os servidores contratados efetivos efetivados dos estado se ele vai pagar mesmo que dia vai mostrar para nos o valor para todos nos hoje e 12 de janeiro e nada o pagmento segundo ele e dia 30 e nada queremos ver os contra cheque eletronico vamos la governador mostrar para nos servidores dos estado de ninas gerais um abracos

    ResponderExcluir
  169. me add ai livia1914@live.com

    ResponderExcluir
  170. Euler eu queria que vc nos informance por que nos consiquinados do estado que nao temos concurso este ano auxiliar de educacao basicas nao da para nos uma efetivacao para todos nos por que teremos uma seguranca a mais no servicos podia sair outra leim para nos este mes para termos por que nao vamos ter um concurso mesmo eu por exemplo tenho 4 anos de servico e ate hoje nao saiu nada para nos so espera e mais nada podia da esta outra lei para nos servidores do estado que nao vamos ter concurso vamos euler da para nos uma resposta estou esperando suas resposta uma abracos ate logo

    ResponderExcluir
  171. Olá Euler,

    Assisti duas reportagens hje de pais e alunos reclamando pela falta de professores no processo de reposição. Já não é a primeira vez que vejo criticas em relação aos professores.A SEE está aproveitando para justificar que são "esses profissionais" da educação que fazem greve e não comparecem para repor.O Sindicato não envia uma resposta, não relata os descontos em folha, aqueles que foram repor e ainda não receberam. É por isso que o governo colocou propagandas de 1000 dias sem reposição. O pessoal de greve não merecia e não merece ser humilhados dessa forma.
    O repórter da Rede Record,ainda colocou que apresentou sobre a nossa greve, deu espaço, porém, não encontrou ninguém para dar o respaldo sobre essas faltas sem justificativa, como alegou a secretaria de educação.
    Se houver Euler, uma forma de esclarecer a imprensa, por favor, ajude a não desmoralizar ainda mais a imagem do professor.
    Obrigada e abraços

    ResponderExcluir
  172. Olá Euler,
    Realmente nunca duvidei de suas colocações em relação ao setor juridico do Sindicato,mas, hje comprovei suas palavras.Fui a Subsede de Poços de Caldas e entrei em contato com o setor juridico do Sindicato, em BH. Surpresa minha, foi qdo questionaram qual resolução estava questionando. Acreditei que havia falado rapido demais e o rapaz não havia entendido, porém, descobri que não era a causa.O atendente nem sabia sobre o que eu falava e solicitou um prazo para retorno. Após uma hora e meia, veio a resposta que já imaginava. O Sindicato não poderá fazer nada judicialmente,porque não há embasamento para tal.E lei, é lei, tem que respeitar. Engraçado! Piso é lei. MG cumpri? Efetivaram descumprindo a lei federal. MG cumpri? Sim, essa cumpri. Porque há interesses, interesses alias, do próprio sindicato, que após tantos questionamentos,o atendente respondeu me, que, não haveria como o Sindicato argumentar juridicamente a inconstitucionalidade dos efetivados, pois, estariam prejudicando-os. Quer dizer, eles não podem ser prejudicados mas os efetivos sim.
    Se o Sindicato está tão preocupado com esse grupo, por que não saiu na defesa daqueles que tinham tempo para aposentar e não conseguiram efetivar-se? Por que não saíram em defesa dos efetivados que exoneram por motivos de não conseguirem mudança de lotação ou remoção? Entre os frascos e comprimidos, estamos nós aqui, desamparados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pessoal!

      O jurídico do SINDINÚTIL está perdidinho. Engano daqueles que pensam que o jurídico não tem conhecimento da resolução que coloca o efetivo efetivado nas mesmas condições. Na verdade, eles não têm interesse de entrar com uma representação na Secretaria porque muitos diretores de subsede foram beneficiados pela Lei 100 vergonha.

      Que façamos então a representação necessária para que essa aberração não se torne mais um instrumento porco desse Governo populista do PSDB. Efetivado não é nomeado e não tem direito a ampliação de carga horária. E mais, o pacotão de benesses do Anastazista vem ai: até 2014 irão colocar a conta gotas os outros direitos até que a confusão sea finalmente estabelecida. Precisamos abrir discussões para que os Direitos dos concursados não sejam atropelados.

      Essa Lei caiu em SP e aqui não pode ser diferente.
      Vamos pôr a boca no trombone, descobrir em que gaveta a ADI está porque estão rasgando o texto constitucional art.41.

      Excluir
    2. Anônimo da 01:03,
      qdo disse que o juridico do sindUte não tinha conhecimento da resolução, foi num tom irônico,mas,não duvido que a incompetencia que paira no local, faça com a maioria não saiba nem o que estão fazendo lá.
      Agora, nós efetivos é que teremos que correr atrás de Promotoria e advogado para lutar novamente para cumprir a Lei?Espera ai!Está virando moda em MG fazer greve para cumprir lei? Servidores ter que recorrer por conta própria para cumprir a Lei?
      A Beatriz postou que irá conversar com a secretaria em 27/01,por causa dessa resolução,mas, não foi conversando que tudo começou? Mais um documento assinado e não cumprido?
      Realmente, 2012,é o ano apocaliptico para nós da Educação
      Abraços

      Excluir
  173. Olá colegas.
    Existe mandado de segurança. Sei que tudo aqui em Minas é dificil, mas temos que tentar. Não é possível que algum juíz pode ir contra uma lei maior. Temos que tentar.

    ResponderExcluir
  174. Olá Pessoal!

    Efetivos: vamos nos organizar e entrar com uma "REPRESENTAÇÃO" nas SREs e "MANDATO DE SEGURANÇA" no MINISTÉRIO PÚBLICO ou outro orgão do judiciário.

    Dois dos princípios fundamentais - legalidade e impessoalidade - estão em jogo, somado ao art.41 do texto constitucional.

    Precisamos organizar nossa seara também. Há várias irregularidades que vem atrapalhando inclusive o movimento de greve. A presença em nosso quadro funcional de servidores paraquedistas tem que acabar. Os colegas designados e mesmo aqueles que estão efetivados ou que possuem um cargo de efetivo, devem ingressar na SEE com as mesmas chances. De que maneira? CONCURSO PÚBLICO!

    É fisioterapeuta, engenheiro, administrador, contador, jornalista, enfim, um monte de gente efetivado e, portanto, privilegiado. Vários educadores são "despejados" no mercado sem a menor perspectativa de lecionar porque "outros" os substituem no quadro funcional do Estado. Isso é uma falta de respeito com os colegas que passaram anos num assento de universidade.

    Portanto, vamos abarrotar as SREs com representação e Mandato de segurança na justiça . Ganhamos em 1a instância.

    Vamos retirar da gaveta a ADI que questiona a Lei 100 vergonha. Vamos jogar fezes no ventilador do Anastazista, autor dessa aberração.

    Um colega já postou o número do processo (10000011978200726 e telefone para acompanhamento (61)3031 5630. Vamos pressionar o judiciário e divulgando essas benesses populistas do PSDPRÊ de Craquécio para o país. O que foi feito em Minas não serve para o Brasil.

    Até 2014 o Anastazista vai continuar rasgando a constituição ao fechar o ciclo da efetivação com outras benesses concedidas.

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
  175. Olá pessoal!
    Correção: Mandado de Segurança.

    De tanto descer a lenha no legislativo, acabei com o vício de "Mandato" rsss...

    Não sustente parasitas! Vote nulo!

    ResponderExcluir
  176. O problema da lei 100 é só a paridade entre efetivados e efetivados? Isso é fácil de resolver. Na hora da distribuição das turmas manda o bom senso e a ética. Efetivo tem prioridade. Independente de resolução feita nas coxas.

    Evito tocar no assunto, mas vamos lá.

    Tá Euler foi errado a paridade, efetivar sem habilitação etc. Legal essa é a problemática. Mas e a solucionática? É simplesmente dar a prioridade aos efetivos. Solução bastante econômica. Lendo os posts parece que o tema só voltou ao seu blog porque fere direitos de efetivos. E os designados? E o que estavam de licença saúde? Aqueles com poucos meses ou até dias? Já que é pra falar do assunto, que é proibido por sinal, que se faça de maneira abrangente. Até você que é efetivo e evita o assunto está se sentindo lesado.

    Tem efetivados querendo regularizar sua situação. Por outro lado tem outros querendo cargo 2, e ainda ficam a debochar no tópico que você criou para a Lei 100.

    Peço desculpas pela franqueza, mas percebi que você já se manifesta ao ver seus direitos sendo roubados. Mas vale lembrar que não temos só efetivos lesados. Temos recém formados como eu também.

    Grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro combativo colega Gilson: eu não mudei de posição agora, por conta da resolução 2.018. Sempre me posicionei a favor da prioridade para os efetivos no que tange à escolha de turmas. Assim como sempre considerei aspectos da Lei 100 como moralmente defensáveis. Não mudei de opinião a este respeito. E é importante esclarecer: não estou sendo pessoalmente prejudicado por conta da resolução 2.018. Mas respeito suas opiniões. Você deve ter notado que considerei um avanço o vínculo nas escolas para os contratados - o que criou uma relativa e justa estabilidade, até que se regularize a situação por meio do concurso. Além disso, considero que estes problemas serão resolvidos, pelo menos em parte, com a implantação do terço de tempo extraclasse - e a devida agilização das aposentadorias - abrindo assim um grande número de vagas para os novos contratados e para os futuros concursados.

      Excluir
  177. chegou um e-mail na minha escola dizendo que os efetivados poderão contar o tempo para escolha de turmas desde 01/08/1990. Isso é uma afronta visto que eles passarão e muito na frente de muitos efetivos. E agora??? vale a data da nomeação para os rfetivos e esse disparade de 1990 para os efetivados??? é uma vergonha!!!

    ResponderExcluir
  178. VAI TER MUITOS EFETIVOS SEM AULA POR CAUSA DOS EFETIVADOS.... ISSO PODE?

    ResponderExcluir