domingo, 23 de junho de 2013

Que rumos tomará o movimento de jovens que ocupa as ruas do Brasil?


Que rumos tomará o movimento de jovens que ocupa as ruas do Brasil?

Milhões de jovens ocupam as ruas e praças do Brasil. Antes, isso só acontecia nos carnavais ou para comemorar vitórias no futebol. Tal movimento, que começou protestando contra o aumento no preço das passagens de ônibus e metrô em São Paulo, ganhou outra face, com novas demandas, novas expectativas, mas também com riscos que precisam ser discutidos por todos. Primeiramente, contudo, é preciso saudar a força renovada de milhões de jovens, que descobrem as ruas como ponto definitivo de encontro e espaço para as verdadeiras mudanças. A presença de milhões de pessoas nas ruas rompe com a apatia das massas, que os governos e o sistema de poder vigente tentam manter, para preservar seus privilégios.

Mas, não tenhamos um comportamento ingênuo diante do que estamos assistindo. O Brasil já viveu outros momentos de grande efervescência política, de movimentos que arrastaram milhões para as ruas, mas que, no final, foram manipulados pelas elites, com a ajuda de sua mídia domesticada, para manter os mesmos grupos no poder, os mesmos privilégios de classe dos de cima. Vamos citar dois exemplos: o movimento das Diretas-Já em 1984; e o dos Caras-pintadas pelo impeachment do ex-presidente Collor em 1992. Do primeiro, aliás, participei ativamente, organizando, panfletando, mobilizando pessoas, tanto nas ruas de BH quanto no Rio de Janeiro - então governado por Brizola. Na época, assistimos entristecidos à forma como as elites dominantes, lançando mão da sua mídia - especialmente a Rede Globo, mas não somente -, conseguiram desviar os rumos daquele movimento para legitimar a eleição indireta de Tancredo Neves via Congresso Nacional. 


Ou seja: os objetivos populares, voltados para a conquista das eleições diretas para presidente - que naquele momento seguramente elegeriam figuras como Brizola ou Lula para promoverem reformas sociais e políticas -, foram conduzidos, de forma sorrateira, para o leito de uma transição conservadora, na qual estamos amarrados até os dias de hoje.

O povo foi vítima da traição de dezenas de personagens, que se apresentaram como defensores da democracia, incluindo os comentaristas bem pagos da mídia, quando na verdade não passavam de canalhas serviçais das elites. Por isso, é preciso ter muito cuidado com os rumos que alguns grupos tentam dar ao movimento que ocupa as ruas. O movimento dos jovens é legítimo, é organizado de forma horizontal e traz a expectativa de reais mudanças, desde que não se perca com as influências nocivas dos agentes da direita neoliberal.

Vejo, por exemplo, com desconfiança os sistemáticos ataques feitos pela mídia e nas redes sociais somente contra a presidenta Dilma e ao PT. Por trás disso está a mídia golpista, que apoiou e participou ativamente do golpe civil-militar de 1964, que derrubou o presidente João Goulart, cujo "pecado" foi tentar promover reformas sociais em favor da maioria pobre: reforma agrária, reforma na Educação, controlar a remessa de lucros das multinacionais, etc. Foi contra a maioria do povo pobre que a burguesia, com o apoio da cúpula da igreja, das forças armadas e de setores conservadores da classe média, executou o golpe de 1964.

Essas mesmas forças conservadoras, que dominam o aparato do estado no Brasil, e que nunca abandonaram de fato o poder no país, estão por trás das insistentes críticas ao governo Dilma. Reparem os focos que são dados, o principal deles, a corrupção, tentando associar tal foco exclusivamente ao governo Dilma, como se praticamente TODOS os governos e partidos que detêm o poder no Brasil não tivessem alguma ligação com o tema. 


A estrutura política no Brasil é reprodutora de práticas de desvios, caixa dois, corrupção, compra de votos, compra de deputados através de vários meios e favores, enfim, a política oficial e oficiosa brasileira - e não apenas o PT e o governo Dilma - está carregada de práticas que são comuns ao sistema capitalista. É preciso mudar isso, mas não podemos permitir que reduzam o foco apenas contra a presidenta Dilma. E os tucanos? E os Demos? E os demais? Quando estiveram - ou onde permanecem - no governo, eles fizeram os maiores estragos contra o povo pobre. Exemplo: FHC e as privatizações, entregando tudo para os de cima, de mão beijada; outro exemplo: o governo Aécio-Anastasia em Minas, que construiu uma cidade Administrativa gastando dois bilhões de reais, ao mesmo tempo em que aplicava (aplica) um forte choque de confiscos contra os educadores, destruindo sua carreira, burlando a lei do piso, congelando seus míseros salários até 2016.

Mas, a mídia tenta passar a ideia de que apenas o governo Dilma é culpado por tudo, e manipula as informações ao sabor dos interesses políticos e eleitorais do grupo que domina de fato o poder no Brasil - e que não é o PT e a presidenta Dilma. Vocês poderão perguntar: quem então domina o poder no Brasil? Os donos do PIB do Brasil, poderosos grupos nacionais e estrangeiros, que são os donos das terras, das grandes empresas, dos consórcios de ônibus, dos bancos, da própria mídia - a mesma que tudo manipula -, e até dos deputados, governadores, partidos, juízes, aos quais sustentam com financiamento privado, cobrando, em seguida, destes governantes, a contrapartida. Não vamos negar que o PT também entrou nesse jogo sujo, é parte dele, apesar de sua origem ligada aos movimentos sociais. Mas, nem de longe o PT e a presidenta Dilma são os maiores culpados pelo estado de coisas que atormenta o povo brasileiro: má distribuição de renda, a educação pública e a saúde de péssima qualidade, a falta de moradia, o transporte coletivo caro e de péssima qualidade, entre outros problemas.

Portanto, no momento em que milhões de jovens descobrem as ruas como forma de protesto, e não mais somente através da Internet, das redes sociais, é importante que se abra um grande diálogo sobre os problemas que atingem a maioria pobre da população brasileira. As manifestações nas ruas podem dar uma enorme contribuição para mudarmos de vez a realidade brasileira, marcada por tantas injustiças e desigualdades. Aliás, sem essa movimentação nas ruas, dificilmente conseguiremos fazer uma real mudança nas estruturas políticas, econômicas e sociais. Por meio somente das formas tradicionais de se fazer política no Brasil, já está claro que não avançaremos muito. Os limites desse jogo ficam evidenciados com os programas sociais dos governos Lula e Dilma: o Bolsa-Família, o Pro-Uni, o Minha Casa Minha Vida, entre outros, que são importantes, sem dúvida, mas ainda estão muito aquém das mudanças estruturais em favor dos de baixo. E quais são essas mudanças estruturais? Vou citar algumas:

1) a quebra do monopólio da mídia, democratizando os meios de comunicação. Enquanto estivermos submetidos a esse monopólio da palavra, da comunicação, estaremos sujeitos à manipulação e aos golpes que diariamente as elites aplicam contra os de baixo. Ninguém merece esses comentaristas bem pagos das rádios e TVs dominados por poucas famílias a serviço dos de cima. É preciso democratizar os meios de comunicação, colocar os microfones nas mãos dos milhões de jovens que ocupam as ruas, dos sem-terra, dos sem-teto, dos desempregados, dos servidores da Educação, da Saúde pública, enfim do povo pobre que tem o seu direito de opinião e manifestação privado pelo monopólio da mídia;

2) a reforma política, acabando com os privilégios dos parlamentares, e tornando os casas legislativas verdadeiros instrumentos controlados diretamente pela população que as elege. Hoje, os parlamentos são meras casas homologatórias da vontade de governantes, que por sua vez estão cercados por grupos de empreiteiros e grandes empresários que os financiam. Ou seja, todo o esquema oficial da política brasileira precisa ser mudada. Mais transparência, maior controle social;

3) reforma na Educação pública, com a real valorização dos educadores do ensino básico, incluindo a federalização da folha de pagamento, com plano de carreira comum para todos os educadores, piso salarial nacional decente, jornada de trabalho comum não superior a 30 horas semanais, incluído aí entre 30 e 50% de tempo extraclasse; além de pesado investimento na estrutura e equipamentos nas escolas, criando condições adequadas de trabalho;

4) maiores investimentos na Saúde pública, com a valorização dos servidores da saúde, o fortalecimento do SUS, com políticas preventivas e real universalização da assistência médico-hospitalar, além de pesado investimento na estrutura e aquisição de equipamentos para os postos de saúde e hospitais públicos;

5) reforma agrária e urbana, promovendo uma redivisão das terras, com política de assentamento, de produção agrícola autossustentável, e financiamento público para atender aos interesses da maioria da população e não aos do agronegócio;

6) nova política de mobilidade urbana, não mais centrada na produção de automóveis ou de beneficiamento de consórcios privados, mas no transporte coletivo - ônibus e metrô - eficiente e barato para todos;

7) política de moradia popular, que atenda realmente a enorme demanda pela casa própria, com o controle das planilhas de investimentos pela população. Atualmente, no Brasil paga-se o metro quadrado mais caro do mundo para adquirir uma simples casa ou apartamento: cerca de R$ 3 mil reais, o que constitui um verdadeiro roubo contra os trabalhadores de baixa renda;

8) nova política salarial para os servidores públicos, com diferença máxima de um para dez. Ou seja: a diferença entre o piso e o teto na carreira pública das três esferas (municipal, estadual e federal) não poderia ultrapassar essa relação de um para dez. Atualmente, essa relação (diferença) é gigantesca, se considerarmos os salários e verbas indenizatórias que são pagos às cúpulas dos três poderes constituídos. Milhares de servidores públicos recebem salário mínimo, apenas, enquanto os de cima recebem às vezes mais que R$ 40 mil mensais. Neste caso, ou se aumenta o valor do salário mínimo, ou se reduz o valor do teto salarial;

9) fazer valer o que está na constituição federal, com a garantia de sobrevivência digna para todas as famílias brasileiras, com acesso assegurado à saúde, educação, cultura, lazer, esporte, moradia, transporte e alimentação;
 
10) entre outras reformas, incluindo a judiciária, para submetê-la a algum tipo controle social, o que não acontece hoje.

Claro que tais reformas, entre outras, implicam em redistribuição de renda. Reparem que a mídia e certos segmentos da chamada classe média alta cobram sistematicamente a redução dos impostos; na verdade, temos que cobrar é o bom uso do dinheiro público, sob o controle da população, e não a redução dos impostos. Sem os recursos oriundos dos tributos não há como fazer política pública em favor dos de baixo. Vejam na questão da redução das tarifas de ônibus: ao invés de cortar nos lucros dos empresários, os governantes estão cortando nos impostos, o que terá consequências nas políticas públicas.

Enfim, que as manifestações de rua permaneçam e se fortaleçam, de forma pacífica, mas sem que se tornem presa das manipulações urdidas pelas forças conservadoras, que querem manter os privilégios da minoria rica, enquanto atacam os interesses dos de baixo. É preciso tomar cuidado também com os grupos neofascistas que sonham com regimes ditatoriais, e usam os movimentos de rua para tentar impor, pela força, suas ideologias. Um exemplo disso foi a queima das bandeiras de partidos de esquerda. Por mais que sejamos críticos aos partidos, não podemos impedir que seus militantes participem do movimento, pois tal prática acaba reproduzindo aquilo que criticamos, quando os governos colocam suas tropas de choque nas ruas para tentar impedir a livre manifestação popular.

Todo apoio ao movimento dos jovens que ocupam as praças e as ruas do Brasil! Mas, sem perder de vista os rumos desse movimento, combatendo os grupos fascistas, denunciando as manipulações das elites através da sua imprensa, e dialogando com estes valentes jovens, para que se construa em comum propostas voltadas para as reais necessidades dos de baixo.

Um forte abraço a todos e força na luta! Até a nossa vitória!


***

 Frei Gilvander:

A luta é por direitos, não por migalhas!
           Gilvander Luís Moreira

Primavera brasileira? O século XXI está, de fato, iniciando no Brasil? Mal estar da civilização capitalista? Podridão do capitalismo?  Início de uma revolução rumo a uma sociedade socialista, com justiça social, justiça agrária, justiça ambiental e respeito aos direitos humanos de todos a partir dos 99% oprimidos? Alguns fascistas – extrema direita – vão insistir em forjar golpe ludibriando o grito das ruas? Muitas perguntas estão no ar. A história dirá.
Em Belo Horizonte, MG, dia 22 de junho de 2013, cerca de 200 mil pessoas protestaram das 10 às 22 horas. Marchamos da Praça Sete até próximo ao Mineirão. Ao longo da marcha, muitas reivindicações foram feitas através de cartazes e com gritos de luta que ecoam de peitos fortes, conscientes e comprometidos com mudanças profundas no modelo econômico e político brasileiro. Além de “Nós somos a Força Nacional”, um dos gritos, repetido insistentemente, foi pela redução das tarifas do transporte coletivo. O povo não engolirá a proposta indecente de reduzir apenas centavos. Um dos objetivos maior da luta é conquistar TARIFA ZERO e PASSE LIVRE, transporte público de qualidade e eficiente. Se os usuários dos transportes particulares não podem andar sem cinto de segurança, por que o povo trabalhador pode viajar em ônibus ou metrôs superlotados, pendurados uns nos outros e disputando espaços até para colocar os pés? A superação dessa injustiça passa pela municipalização/estatização do transporte coletivo. O povo descobriu que o direito constitucional de ir e vir implica ter acesso a meios de transporte público, gratuito e de qualidade. Não basta ter um direito formal e abstrato, é preciso ter acesso aos meios e instrumentos para efetivação do direito. Só em Belo Horizonte, são mais de 500 mil pessoas que andam a pé por não poder pagar as caríssimas tarifas de ônibus, que são um roubo diário, lento, mas constante. Além da redução de impostos, o povo exige redução dos lucros dos empresários do transporte coletivo, hoje, privatizado. O grito não parará de ecoar enquanto a classe política não levar o povo a sério.
Mas na Av. Abraão Caran com Av. Antônio Carlos, um fortíssimo aparato militar bloqueou a aproximação do Mineirão. Diante da insistência do povo para adentrar no território “invadido” pela FIFA - com a cumplicidade dos governos e de grandes empresas -, a Polícia Militar de Minas Gerais jogou, inúmeras vezes, uma chuva de bombas de gás lacrimogêneo e asfixiante no meio da multidão. A batalha durou mais de duas horas. Em 1 Km2, milhares de pessoas receberam nos olhos e nas narinas o gás asfixiante e ardente. Inclusive do helicóptero a PM jogou bombas de gás. Não é verdade que a PM apenas se defendeu. A polícia foi truculenta. Muitos experimentaram o jeito autoritário com que policiais tratam as pessoas, jeito que há muito tempo vem sendo denunciado pelo povo pobre das ocupações, aglomerados, vilas, favelas e ruas. A Polícia, ao jogar bombas no meio da multidão, incita a violência, mostra seu rosto violento. A indignação do povo ferve. O mínimo que o povo pode fazer é xingar a polícia e reagir como pode: atirando pedras em lojas que estão por perto. Quanto mais bombas a polícia joga mais o povo quebra o que puder quebrar. O povo quer ser ouvido nas suas reivindicações. Quem recebeu gás lacrimogêneo jamais esquecerá e jamais será o mesmo. Autênticas aulas de cidadania estão sendo dadas nas ruas. Feliz quem delas participar. Cidadania não é apenas participar da sociedade, mas construir uma sociedade justa e solidária.
É emocionante ver a solidariedade que se desencadeia entre o povo que está na luta, nas ruas. Quem tem vinagre partilha com os atingidos pelo gás lacrimogêneo. Bendito vinagre que traz de novo a respiração e alívio para os olhos! Outros oferecem água. Outros levantam os caídos. E, juntos, gritam: “Abaixo a repressão!” Olhares vibrantes! Esperança se revigorando! Adolescentes e jovens gritando também: “Mãe, mãe! – e vovós – vem pra luta, vem!”
Dia 23 de junho de 2013, debaixo do Viaduto Santa Teresa – palco do Duelo de MCs –, em Belo Horizonte, durante 5 horas, aconteceu mais uma Assembleia Popular Horizontal, do Poder Popular Participativo e Democrático. Cerca de 4 mil militantes participaram. No microfone, com dois minutos para cada um/a, mais de 200 jovens colocaram em comum propostas de reivindicações. Ao final, mais de 90 propostas, reunidas em 10 Grandes Temas: 1) FIFA e grandes eventos; 2) Transporte; 3) Saúde; 4) Educação; 5) Moradia, 6) Direitos humanos; 7) Polícia; 8) Reforma política; 9) Democratização dos meios de comunicação; 10) Meio ambiente.
Quem são os Vândalos e os violentos? É inaceitável a criminalização que a Mídia faz das lutas populares. Nos primeiros dias dos justos e necessários protestos na capital de São Paulo, do Movimento Passe Livre, a TV gLobo e a mídia em geral estavam chamando todos os manifestantes de vândalos e arruaceiros, atitude criminilizadora. Quando as manifestações se espalharam pelo país, a mídia começou a fazer uma distinção: “O movimento é pacífico, mas tem uns vândalos no meio que promovem quebradeira”. Provavelmente, os donos do poder midiático, principal “partido” no Brasil, querem conduzir as massas e reduzir as manifestações somente a “paz e amor”, o que não estremecerá o status quo podre do sistema capitalista, ora vigente no Brasil. É hora de resgatarmos a história e fazermos algumas reflexões.
Quem eram os Povos Vândalos? “Os Vândalos eram um povo germânico oriental que penetrou no Império Romano durante o século V e criou um estado no norte da África ocupando a cidade de Cartago, antiga cidade fenícia que fora ocupada pelos romanos desde o fim das Guerras Púnicas. A localização de Cartago às margens do Mediterrâneo era estratégica para os Vândalos. Ali centralizaram seu Estado, e logo após se estabelecerem, saquearam Roma no ano de 455.”2
“Ao longo da marcha para o oeste, os Vândalos atingiram a margem do Danúbio e alcançaram o rio Reno, onde entraram em combate com os francos. Aproximadamente vinte mil vândalos morreram no choque entre esses dois povos, sendo que os francos só foram derrotados quando os alanos entraram no combate para auxiliar os vândalos. Em ações ousadas, os Vândalos saquearam Roma durante duas semanas no ano de 455 e foram capazes de resistir ainda a uma frota enviada pelo Império Romano para combatê-los.”
Portanto, a história demonstra que os Vândalos eram um povo digno que lutou aguerridamente contra o imperialismo romano. Logo, não é justo se referir aos Vândalos apenas como arruaceiros. Eles lutavam por direitos.
Ontem, o império romano. Hoje, o império do capital, liderado pelos capitalistas. Assim como os Vândalos lutavam contra a opressão do Império Romano, hoje milhões de brasileiros, nas ruas, lutam não apenas por migalhas, mas por direitos. Vândalos, hoje, não são os que revelam a infinita indignação que toma conta do povo diante de tanta violência provocada por um Estado vassalo do capital e dos capitalistas. Assim, a revolta iniciou contra um aumento de 0,20 centavos na passagem de ônibus em São Paulo, mas há muito tempo, o povo está nas ruas neste país, com a pauta da moradia, da educação, da saúde, da reforma agrária etc. e irá muito longe. Não se encerrará sem mudanças substanciais no modelo econômico e político que desgoverna o Brasil.
Quem são os violentos hoje no Brasil?  São os políticos, salvo raras exceções, que não representam o povo, mas, via de regra, defendem interesses de grandes empresas e latifundiários.
Violentos são juízes do Poder Judiciário que não respeitam os princípios constitucionais de respeito à dignidade humana, republicanismo, função social da propriedade e criminalizam os movimentos sociais populares e absolutizam o direito a propriedade para apenas alguns.
Violentos são os administradores públicos e os juízes que abarrotam as prisões, verdadeiros campos de concentração, jogando lá somente os pobres, negros e jovens.
Violentos são os grandes empresários que lucram, roubam e saqueiam a classe trabalhadora pagando míseros salários e, com intensificação do trabalho e do produtivismo, arrebentam com a saúde dos trabalhadores, empurrando-os para a via crucis do SUS.
Violentas são as grandes mineradoras que, como em Conceição do Mato Dentro, MG, causam uma devastação socioambiental sem precedentes na história. Com coração de pedra, vão dizimando as nascentes de água e deixando crateras, um rastro de destruição.
Violentos são os grandes empresários do transporte público privatizado que lucram bilhões carregando o povo trabalhador como se esse fosse gado para ser transportado em condições indignas e por preço que esfola o povo diariamente.
Violentos são os banqueiros que cometem cotidianamente o pecado da usura e especulando com o dinheiro do povo engordam seu poder econômico à custa de muito sangue humano.
Violentos são os latifundiários que não cumprem a função social da propriedade e seqüestram a terra em poucas mãos gananciosas expulsando milhões de camponeses para as periferias das cidades.
Enfim, violentos são os dirigentes da classe dominante que há séculos vêm pisando, humilhando e violentando a classe trabalhadora brasileira. Eis um exemplo: na época da escravidão formal, um cortador de cana cortava de três a quatro toneladas de cana por dia. Hoje, um bóia-fria dos canaviais paulistas corta de doze a quatorze toneladas por dia. Por isso, de 2004 a 2006, mais de vinte trabalhadores morreram por exaustão no trabalho.
É contra esses violentos que o povo se rebelou e estará nas ruas até que seus direitos sejam conquistados e efetivados. A luta é por justiça social, por justiça agrária, por justiça ambiental e por direitos humanos. Feliz quem dela participar e também contribuir para que espertalhões de plantão não venham golpear o povo já tão oprimido, mas que está se levantando.
 “DA COPA, DA COPA, DA COPA EU ABRO MÃO. EU QUERO MORADIA, SAÚDE E EDUCAÇÃO!” Esse é um dos gritos que unifica os milhões de cidadãos e cidadãs que estão nas ruas protestando. Esse grito só será atendido com mudança da política econômica neoliberal.
Aos militantes dos movimentos sociais populares digo: Não tenhamos medo de continuar na luta, nas ruas, e de chamar toda a classe trabalhadora para as ruas. Coragem! Sejamos fermento no meio da massa! Luz no meio das trevas! Tempero na comida! E construamos uma sociedade justa e solidária, banquete para todos e não apenas para 1%. Enfim, por direitos lutamos e não apenas por migalhas!

Belo Horizonte, MG, Brasil, 24 de junho de 2013, dia do profeta João Batista, martirizado por ter organizado os pobres para lutar contra as desigualdades socioeconômicas, políticas e ...

Frei Gilvander Luís Moreira – www.gilvander.org.br – gilvanderlm@gmail.com


150 comentários:

  1. Ótima explanação sobre os últimos acontecimentos no Brasil. A mídia golpista(rede grobo, rádio itatiaia, jornal estrago de Minas, folha, band... da, record, uol, etc) tentou forçar um golpe de estado, mas não deu certo. Agora estão tentando transformar o movimento em baderna para a população desacreditar e ficar na mesma. O povo não é bobo, veja os repórteres da "grobo", usam seus microfones, durante a passeata, sem o cubo com a logomarca, estão com medo. O verdadeiro vilão dessa história não é o governo federal, mas sim o o governo estadual, com tarifas altas de impostos (ICMS), golpe nos professores em relação ao piso nacional,saúde pública ruim. Talvez seja o momento de uma greve idêntica a de 2011, com certeza teremos o total apoio da população, com chances reais de êxito. Não devemos esquecer dos avanços que a maioria da população teve com os governos Lula/Dilma. Um abraço e até a vitória !

    ResponderExcluir
  2. professoramaluquinha23 de junho de 2013 02:52

    Oxalá a batalha consiga derrotar pelo menos a PEC da impunidade!!

    ResponderExcluir
  3. Nós também temos nossa tropa de choque:

    No olho do furacão : https://www.facebook.com/photo.php?v=4799123736079&set=vb.1235586960&type=2&theater

    "Entendi, os que gritam sem partido votam no Aécio, ou em quem ele manda, ou o mais bonitinho, ou qualquer um que ele mesmo nem vai se lembrar daqui a uma semana, pois a grana já foi pra cerveja!
    Vai dormir, gigante!" - Nelson G.K.

    Enquanto o "gigante" se deita, nós continuaremos lutando pelos de baixo !
    Força na luta e contra este desgovernador FASCISTA, SEMPRE !
    André Buzina.

    ResponderExcluir
  4. Gente, sei não mas estou sentindo também que tem uma cambada querendo dá um golpe e tirar a presidente Dilma. O DEMO NEVER deve de tá por trás dessa tramóia, isso é bem a cara dele. Observem bem os comentários nos sites da Globo, R7 e outros meios de comunicação.Nós do país das Minas Gerais sabemos bem do que Nana e Never são capazes, eles são diabólicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estou preocupada com isto.Tem gente querendo o "Fora Dilma " a qualquer preço. Sabemos das fragilidades do governo dela, sabemos que tem muita coisa pra ser mudada, mas sabemos também que exite um Brasil antes e depois do PT.Sabemos que a Dilma é melhor que eles.Temos que ter o compromisso de defender este governo nas redes sociais porque os Lobos querem dar o golpe!Faça cada um a sua parte.

      Excluir
    2. Lógico que sim! Mas não iremos deixar.

      Excluir
  5. Olá, pessoal da luta!

    Ontem pela manhã, quando estava no banheiro realizando minhas necessidades fisiológicas, aproveitei para sintonizar a rádio Itatiaia, pois tinha tudo a ver com aquele momento.

    Eis que sintonizo exatamente na hora que um radialista, um tal de José Lino, faz uma "análise" do movimento de ocupação de ruas. Descubro então que ele reinventou a história recente do Brasil. Lembrou do movimento dos caras-pintadas e disse que, depois do impeachment do Collor, veio o presidente Lula. Vejam bem que absurdo. Ele "esqueceu" do governo Itamar, e pior ainda, do desastre chamado FHC. Cara de pau, chegou a dizer que Lula não foi capaz de acabar com o Fator Previdenciário que atinge aos aposentados. Vejam que cínico. Quem criou o Fator Previdenciário foi FHC, que este tal radialista fez questão de não citar para não comprometer o PSDB, e seus candidatos protegidos pela rádio, incluindo o faraó e seu afilhado.

    É esta gente que passa o dia inteiro tentando fazer a cabeça dos ouvintes, distorcendo os fatos e criando um clima de terror contra o governo federal.

    Uma outra comentarista, uma tal de Rita Mundinho, não passa um dia sequer sem atacar o governo federal. E jamais criticou, com uma linha sequer, o governo de Minas. Precisamos urgentemente acabar com o monopólio da mídia no Brasil e em Minas, responsável maior por tudo de ruim que nos cerca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse Zé Lino é cínico e sem educação,só elogia o PSDB,ridiculariza quem tem opiniões contrárias às dele. Não se lembra na eleição do Márcio Lacerda? Ele é que era o locutor da maioria das propagandas.Ganhou uma nota preta.Todos os dias ele tem umas tiradas cínicas prá cima da Dilma e critica a greve dos professores. Uma vez falei mal dele e disse que o Slogan da Itatiaia é ,segundo seu fundador Emanuel Carneiro,"Vendemos espaço,não vendemos opinião." Eu disse que o falecido Carneiro estava se movendo no túmulo por causa do Zé Lino. Pois bem,eles leem seu blog,pois no dia seguinte.O filho do Carneiro falecido,o atual dono,foi ao programa do Zé Lino defendê-lo. Comentando tudo que eu havia escrito. Ô poder qui nóis tem,sô! Regina.

      Excluir
    2. Não conheço o sujeito, e já não gostei dele! Por que será??

      Ô Prof. Euler, coitadinho dele... se ofereça a ele para dar uma aula particular de História, para contextualizá-lo!

      Excluir
  6. Vamos assinar essa petição ,para mostrar nem todo mundo esta sendo manipulado. http://www.avaaz.org/po/petition/EU_APOIO_A_PRESIDENTE_DILMA_CONTRA_A_TENTATIVA_DE_GOLPE_DE_SETORES_DA_ELITE_BURGUESA_DO_BRASIL/?cvPYKdb

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente a maioria da população é alienada, assistem a rede grobo, ou melhor, rede bobo o dia todo e escutam a itatiaia.Como é de conhecimento, a imprensa golpista de Minas e do Brasil é comprada, é da elite podre desse nosso Brasil.Esse movimento que corre pelas ruas é válido, porém uma observação: quem está lá, em sua grande maioria, são os de cima, filhinhos de papai, porque o povão não está. Outra coisa, essa juventude dos dias de hoje não viveram o governo FHC,não têm noção de inflação, de educação pública, precisam aprender muito ainda, muitos estão por farra. Inclusive, ontem próximo de minha casa,estava em um supermercado e na fila , logo à minha frente um cara pintada,totalmente elite, comprando seu Ice e alguns aperitivos para a balada, esse será povão? Por que, DURANTE AS MANIFESTAÇÕES NÃO LEVANTARAM A BANDEIRA CONTRA AS DROGAS? já esqueceram que o índice de desemprego está muito baixo,a economia vai bem, então vejo isso como uma tentativa de golpe de estado. Para os menos desavisados, a presidente não pode fazer leis, ordenar mudanças, tem todo um processo democrático, depende do congresso nacional e senado. O problema do Brasil está no congresso nacional. Fora anastasia e aecio. Até a Vitória !!!!!

    ResponderExcluir
  8. Já assinei http://www.avaaz.org/po/petition/EU_APOIO_A_PRESIDENTE_DILMA_CONTRA_A_TENTATIVA_DE_GOLPE_DE_SETORES_DA_ELITE_BURGUESA_DO_BRASIL/?cvPYKdb .

    Acessem e leiam e dê opiniões : http://www.conversaafiada.com.br

    ResponderExcluir
  9. Viva, viva ! Parabéns. Estas mudanças estruturais escritas no texto de quem escreveu acima estão ótimas. Bem estruturadas, organizadas e claramente explicadas para todos e todas que leem todos os dias este blog.Gostaria muito que fosse publicado por jornais de BOA ÍNDOLE para que todo o BRASIL pudesse conhecer o que se passa em Minas Gerais. Precisamos divulgar muito mais o que acontece aqui, sem precisar de ficar citando nomes como PóÉcio e outros mais.Citar o que ocorre, o fato,a realidade de nossa Amada Minas Gerais, é preciso. No nosso caso, sabemos com certeza o que é preciso mudar e Mineiro é corajoso, batalhador, trabalhador, ainda que temos um governante, preguiçoso, medroso, manipulado por outro irresponsável que nunca trabalhou, vive às custas do dinheiro do trabalhador mineiro e vive no paraíso praiano de outro estado. Lula, Dilma, são pessoas nobre, capazes de saber o que é Brasil e do que os brasileiros precisam. Conhecem a realidade brasileira. O QUE É PRECISO URGENTE DE SER FEITO É A REFORMA POLÍTICA.Quantos políticos estão na política há anos? Façam um levantamento de quantos não saem do suposto poder que eles acham que tem. Eles não tem poder.Poder tem o povo de colocar, a partir de agora, quem nós precisamos que nos represente no governo, seja no municipal, estadual e federal. Estou satisfeitíssima com a Dilma, ela é realmente muito prática. não dá trela a futricas. Viva Dilma.Viva.

    ResponderExcluir
  10. Vamos fazer um histórico do MENSALÃO que começou em Minas Gerais? Ou é mentira Terta? (Chico Anísio).Cadê os anjinhos de prefeitos, deputados,deputados estaduais, federais, senadores,governadores que DIZEM representar o povo mineiro? DONDE ELES ESTÃO? bEBERICANDO? PASSEANDO EM DUBAI? DORMINDO NA CASA DA COMADRE? OU NAS FAZENDAS HERDADAS DO PAINHO? Coragem povo da minha terra. NÂO AOS QUE QUEREM DE NOVO VIVER AS NOISSAS CUSTAS EM 2014. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aécio Neves cancelou um encontro com Eduardo Campos em Pernambuco em festividades juninas, ele alega que o momento turbulento pelo qual passa o Brasil não é propício para que políticos sejam vistos publicamente, principalmente em festividades.

      Jornal- Hoje em Dia - Nosso Destaque - O BRASIL PROTESTA - página 07.

      Excluir
  11. O SINDICATO NÃO PODE DEIXA DE LEVAR A QUESTÃO SALARIAL DOS PROFESSORES MINEIROS PARA A RUA. Nesta semana os sindicatos vão fazer suas reivindicações, queremos ver o que fará o SINDUTE, caso contrário vai perder o momento oportuno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao invés de você querer ver, por que não vem pra rua? Haverá mobilização novamente no dia 26/06, você irá participar?

      Excluir

  12. "Dia Nacional de Luta"
    Sindicatos garantem fazer greves e paralisações nesta semana
    Trabalhadores do setor de alimentação, servidores federais, funcionários dos Correios, metalúrgicos, químicos e rurais são exemplos de algumas categorias que vão aderir ao movimento

    Imprimir
    Aumentar letra
    Diminur letra
    Fonte Normal
    Mais Notícias
    Metalúrgicos irão à Justiça por indenizações
    Trabalhadores também querem mais investimentos em saúde e educação, aumento salarial, combate a inflação e corrupção
    PUBLICADO EM 23/06/13 - 14h12
    Da redação

    Paralisações, greves pontuais e manifestações organizadas por sindicatos e entidades ligados à correntes de esquerda, como a central sindical do PSTU, PSOL e CSP-Conlutas prometem marcar o "Dia Nacional de Luta", na próxima quinta-feira, dia 27, em todo o país.

    O coordenador da central e presidente do PSTU, José Maria Almeida, disse que além das mobilizações que ocorrem com foco na redução da tarifa e qualidade do transporte público, é preciso que os trabalhadores entrem no movimento de forma organizada para cobrar também mais investimentos em saúde e educação, aumento salarial, combate a inflação e corrupção.

    Trabalhadores do setor de alimentação, servidores federais, funcionários dos Correios, metalúrgicos, químicos e rurais são exemplos de algumas categorias que vão aderir ao movimento. CUT, Força Sindical e outras centrais sindicais também serão convidadas para participar das manifestações. Segundo organizadores do ato do dia 27, os protestos não têm ligação com a greve geral que está sendo convocada pelas redes sociais para o dia 1º de julho.

    O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Antonio Ferreira de Barros, entidade que representa cerca de 43 mil metalúrgicos na região de São José dos Campos, em São Paulo, afirmou em entrevista que esse é o momento propício para que os trabalhadores cobrem do governo uma posição quanto à pauta entregue no início deste ano. Em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul, alguns atos de manifestação já estão sendo preparados.

    Novo protesto. O Movimento Passe Livre (MPL) de São Paulo realiza hoje (23), às 14h, três encontros abertos para apresentar o movimento e discutir o sistema de transportes. As reuniões ocorrerão na Quadra dos Metroviários, na subsede Santo Amaro do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e no Espaço Contraponto.

    Após anunciar, na última sexta-feira (21), que não convocaria mais protestos na capital paulista, o MPL divulgou em sua página no Facebook, apoio à manifestação do grupo Periferia Ativa "Comunidade em Luta" e do Movimento Trabalhadores Sem Teto. O protesto está marcado para terça-feira (25), com concentração no metrô Capão Redondo e no Largo do Campo Limpo, às 7h.

    Em texto publicado na rede social, o MPL informa que defende a desmilitarização da polícia, melhorias na saúde e na educação, controle sobre o valor dos alugueis, tarifa zero para o transporte público e redução do custo de vida.

    Jornal o Tempo DIA 23/06

    ResponderExcluir
  13. Euler escreva ao Eduardo Costa.Este é o único que nos defende.Um dia passei um E-mail prá ele falando sobre a mentira do Piso e ele me retornou convidando-me para ir ao programa dele que estaria a minha disposição Eu agradeci e não fui,pois sou um tanto tímida e iria me atrapalhar,mas você tem repertório prá mais de mês .Fala com ele,por favor.Regina

    ResponderExcluir
  14. Há um projeto de lei de número 3843 que aumenta o salário base de algumas carreiras de servidores do estado e só depende da assinatura do Gov. Para ser publicado e começar a valer, porem o Gov. tem até dia 02/07 para faze-lo, mas sabemos que só o fará dia 01 ou 02 de julho, pois assim só começará a valer em agosto e os servidores só receberão tal aumento em setembro! Nós nos lembraremos disto não tenha duvida! E vamos mostrar através de nossos sindicatos, para todos os servidores de MG e de outros estados e para os servidores federais, como é o governo do PSDB no que diz respeito a servidores públicos! Temos que denunciar essa situação também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este aumento não contempla a Educação.Li,ontem no Blog da Renata Vilhena que a política de aumento para os professores já está planejado até 2015 , de acordo com com comunicado que recebemos ano passado.

      Excluir
    2. Minas Desgovernada.23 de junho de 2013 23:15

      Projeto de lei de número 3843 que aumenta o salário base de algumas carreiras de servidores do estado?
      Que isso? Nós não queremos saber de projeto algum, temos a Lei 11.738/08 e só essa nos interessa: O PISO SALARIAL na nossa carreira que está destruída e congelada que o STF já mandou pagar e retroativo e até agora nada de pagamento. Temos que executar o governo de MG na Justiça. Essa semana ouvi o MPF divulgar uma campanha que o TRABALHO DELES É O NOSSO DIREITO. Basta alguém pedir ao MPF para executar o governo de MINAS GERAIS e pronto. O DINHEIRO CAIRÁ NA NOSSA CONTA. Vai lá Sind-UTE/MG.

      Excluir
  15. Vamos nos concentrar para chegar ao Congresso uma alteração na lei do piso para uma carga horária máxima de 30 horas ( o equivalente a um turno)

    ResponderExcluir
  16. ANÁLISE SOBRE AS MANIFESTAÇÕES DE RUA DOS ÚLTIMOS DIAS
    PONTUAÇÕES SOBRE AS MANIFESTAÇÕES DE RUA DOS ÚLTIMOS DIAS
    Rudá Ricci
    23/06/2013

    Quem está saindo às ruas?

    1. Vivemos um momento fundacional da democracia brasileira no século XXI. Trata-se da maior mobilização de massas deste século em nosso país;
    2. Em seu início (e parece se sustentar até o atual momento), a quase totalidade dos manifestantes (que chegaram à marca de 1,2 milhão no dia 20 de junho) é composta por jovens (até 25 anos de idade), de classe média, sem qualquer experiência política anterior. 84% não têm preferência partidária e 71% nunca haviam participado de nenhuma manifestação de rua;
    A peculiaridade organizativa

    3. Os jovens foram convocados, em especial, pelas redes sociais. Esta peculiaridade define uma nova realidade política, nunca antes vista nesta magnitude no Brasil, que remete às manifestações da Primavera Árabe. A peculiaridade mais acentuada é que não há liderança organizativa clássica (como partidos, entidades de representação profissional, ONGs ou sindicatos). A relação se dá pela afetividade entre os que convidam e os que aceitam. Daí a fragmentação inicial de demandas e tribos jovens. Em outras palavras, as estruturas de representação clássicas do século XX foram deixadas de lado de maneira radical e, em muitos casos, revelou desconfiança e rejeição dos jovens manifestantes;
    4. O estopim inicial foi a mobilização pelo Passe Livre, liderada pelo Movimento pelo Passe Livre (MPL), cuja maioria dos militantes possui vínculos com partidos de esquerda. A violência desmedida da PM paulista na manifestação realizada em São Paulo no dia 13 de junho gerou grande indignação de pais e jovens, que já se percebia no final de semana em várias redes sociais. A grande imprensa emprestou apoio aos manifestantes, desde então, em virtude ao ataque que alguns jornalistas sofreram pelo uso de balas de borracha pela PM paulista;
    5. Todos governantes, de toda plêiade de partidos nacionais, vacilou em assumir uma resposta à demanda inicial. O mais contundente foi o prefeito petista Fernando Haddad que rechaçou qualquer redução do preço da passagem de ônibus público (a demanda inicial era de reduzir em vinte centavos, mas o objetivo era atingir o passe livre, sem custo ao usuário). A dificuldade para se comunicar com as ruas alimentou a indignação de jovens que saíram às ruas em massa a partir do dia 17. No dia 18, já apareceram os primeiros sinais de descontrole e atos de vandalismo, inicialmente no Rio de Janeiro, já indicavam que a liderança inicial (MPL) já não aparecia como tal;
    6. A partir do dia 18, mais de 20 governos municipais haviam recuado e diminuído o preço das passagens do transporte público, o que obrigou o prefeito Fernando Haddad a rever sua posição. O desgaste pessoal é incalculável. Outros prefeitos demonstraram inabilidade, como o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB, cogitado para se transferir para o PSDB), que após longo silêncio, anunciou redução de 0,05 centavos, aumentando a ira dos jovens da capital mineira;
    7. A partir do dia 20, já era visível a disputa no interior das mobilizações pelo controle das manifestações e construção de uma pauta unificada. A primeira proposta de pauta foi apresentada pelo Anonymous Brasil, composta por cinco eixos claramente centrados no tema da corrupção e adotando como alvo o governo federal e o Congresso Nacional. Em seguida, várias organizações, em especial, os comitês de atingidos pela Copa, apresentaram pautas mais extensas e voltadas para as três esferas do Poder Executivo;

    ResponderExcluir
  17. 8. Ainda no dia 20, os maiores partidos do país tentaram oportunisticamente disputar as mobilizações. Rui Falcão, presidente nacional do PT, convocou uma “onda vermelha”, que se revelou desastrosa para militantes do partido que foram expulsos da manifestação (os jovens, até então, solicitavam que as cores utilizadas seriam branco, verde e amarelo). O PPS, por seu turno, divulgou propaganda partidária gratuita na TV, incentivando as manifestações e adotando um discurso virulento contra o governo federal, justamente no momento em que 1,2 milhão de pessoas saíam às ruas, envolvendo mais de 100 municípios, em especial, concentrados na região centro-sul do país e litoral do nordeste (regiões com maiores índices de instrução formal do Brasil). Atos de grande violência por parte de alguns agrupamentos de jovens (setores vinculados ao tráfico, no caso do RJ) e PM, estampavam as telas, revelando uma decisão infeliz do PPS, que incendiava ainda mais os ânimos;
    9. No dia seguinte, já se percebia uma guinada das pautas e ações no interior das mobilizações. Os temas da corrupção e crítica à PEC 37 dominavam grande parte das manifestações de rua. O MPL decide, então, se retirar das mobilizações, acusando a mudança de rumos e a adoção de uma pauta ultraconservadora no interior das passeatas;
    10. A partir daí, a disputa entre facções ideológicas, partidos e sindicatos e manifestantes passou a se generalizar. O tema das eleições de 2014 foi emergindo paulatinamente, seja na grande imprensa, seja nos discursos de lideranças partidárias, seja nas conversas de bares entre cidadãos, obrigando a Presidente Dilma Rousseff a fazer um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV na noite do dia 21, sexta-feira, véspera do que prometia ser a maior mobilização desde o início da semana;
    11. As passeatas do dia 22, contudo, não revelaram crescimento em número de pessoas, com exceção de Belo Horizonte, capital onde ocorreram os únicos choques violentos no dia, além de Salvador. As manifestações parecem ter se espraiado pelo interior do país, mas em diversas capitais começaram a aparecer relatos de esgotamento.
    O vácuo de liderança
    12. O que parece cada vez mais evidente é que vivemos um período de corte dos canais de comunicação das ruas com organizações que fundem agendas a serem negociadas com autoridades públicas;
    13. Sintomaticamente, desde a redemocratização do país tivemos ondas de mobilizações populares de grande expressão a cada dez anos: em 1982, a Campanha pelas Diretas Já; em 1992, a pressão popular pelo impeachment de Fernando Collor. Nas manifestações de 1982, os partidos e lideranças partidárias – de oposição ao regime militar – apareciam como personagens centrais em todos os atos. Já em 1992, os protagonistas foram as organizações estudantis, em especial, UNE e Ubes. Ocorre que em 2002, Lula chega ao poder. E, a partir daí, e durante dez anos seguidos, as organizações populares, fóruns, redes, ONGs, estruturas sindicais e pastorais sociais foram capturadas, não necessariamente cooptadas, pelo Estado. Em alguns casos, suas lideranças assumiram cargos públicos. Em outros, ingressaram em arenas e fóruns criados pelo governo federal para negociarem pautas ou agendas de políticas públicas. Em um terceiro caso, entidades assumiram a terceirização, via convênios, de serviços públicos da área social ou até mesmo auditorias ou pesquisas de ações governamentais. No caso das centrais sindicais, impôs-se o que na literatura especializada se denomina de “neocorporativismo”, ou o envolvimento das organizações sindicais em negociações de políticas e estruturas estatais. A emergência do poder econômico dos fundos de pensão constituiu o início desta escalada que envolveu composição do Ministério do Trabalho, aumento dos repasses federais às centrais sindicais, participação de dirigentes nos conselhos de gestão de estatais, definição na composição de agências reguladoras;

    ResponderExcluir
  18. 14. As atuais manifestações de rua revelam que o locus da maioria dos partidos de esquerda e organizações populares (de assessoria ou representação) deixou de ser as ruas e passou a ser os gabinetes;
    15. A nova geração de gestores públicos, mesmo os de esquerda, não é mais originária de movimentos sociais ou estruturas de representação de classe. É formada por gestores da máquina estatal ou técnicos, revelando um discurso e estilo político altamente burocratizado. Tal perfil envolve toda nova geração de expoentes políticos que nivela a grande maioria dos partidos políticos: de Fernando Haddad à Aécio Neves, de Antônio Anastasia à Dilma Rousseff ou ACM Neto, chegando à Eduardo Paes e tantos outros;
    16. Os governos Lula, ao abdicarem da disputa ideológica ou seu papel pedagógico, aprofundou este abismo entre gestores, dirigentes políticos e as ruas. A lacuna só fez aumentar nos últimos anos;
    17. Na outra ponta, os beneficiários das políticas de transferência de renda, crédito popular e aumento real do salário mínimo se revelaram desmobilizados ou conservadores. Pesquisas recentes revelam que parte dos segmentos de classe que aumentou significativamente sua renda familiar nos últimos dez anos refuta qualquer ação de embate com a Ordem, assim como sindicatos e partidos. A onda conservadora já havia se revelado no final do primeiro turno das eleições de 2010 e reapareceram nas eleições municipais do ano passado, em especial, novamente no primeiro turno. O poder de mobilização dos principais partidos do país conseguiu desmontar as lideranças conservadoras que surgiam no cenário nacional (caso de Russomanno em São Paulo), mas a possibilidade da “terceira via” já se revelava consistente;
    18. Enfim, há um profundo erro de condução dos partidos e organizações populares. Mesmo os partidos mais à esquerda (como PSOL e PSTU), que iniciaram os protestos de rua dos últimos dias, perceberam seu não enraizamento no cotidiano da maioria dos brasileiros ao serem objeto de ofensas e até expulsão em várias manifestações ao longo do país. O grito de “sem partido” que se espalhou em várias capitais sugere a soma de orfandade com despolitização dos jovens indignados, não necessariamente um pendência para uma orientação fascista ou anarquista;
    19. Há, ainda, um elemento a ser refletido. Além da ausência das ruas, não seria o caso de entendermos que a estrutura das organizações modernas (partidos e sindicatos, em especial) estaria revelando anacronismo? As estruturas não seriam excessivamente verticais e burocratizadas a ponto de se afastarem efetivamente da vida cotidiana dos seus representados? Não seria o caso de refletirmos sobre a adequação das estruturas em rede (“structural holes”)? Tais estruturas inovadoras são mais flexíveis e ágeis e se legitimam pela porosidade, onde qualquer um ingressa e permanece pelo tempo que lhe convém ou que ainda se sente motivado, obrigando os pontos de referência (páginas do face, operador de um blog ou rede de amizades virtuais) a uma ginástica quase diária para renovar sua liderança e confiança entre seus pares. Postar diariamente, com novidades e polêmicas, passou a ser um imperativo. Não seduzir e não querer liderar como princípio passou a ser uma ética nestas redes virtuais.
    udá Ricci é cientista político. Mora em BH. Diretor Geral dBrasil.

    ia participativa.

    ResponderExcluir
  19. Os finalmentes

    Vivemos, portanto, um dos momentos mais significativos de nossa história política contemporânea.
    Após a luta pelo fim da ditadura desaguar na eleição de Lula, estaremos virando a página deste primeiro capítulo de nossa recente história democrática.
    Demonizar nossos jovens despolitizados será um erro grosseiro e, possivelmente, fatal para as lideranças tradicionais que se aventurarem por esta trilha. O correto é ouvir e ser humilde. As ruas não revelam o que a ampla maioria dos brasileiros (pobres e operários) está pensando. Mas é evidente que as mobilizações se tornaram o tema de conversas diárias de todos brasileiros. As opiniões estão se formando. E não será rechaçando o novo que as organizações populares conseguiram reafirmar sua legimidade.
    A disputa não está mais nos gabinetes e reuniões fechadas. A disputa está nas ruas. Teremos que retomar nossa identidade, aquela esquecida nos anos 1980.

    A festa política das ruas é sempre bonita. No caso brasileiro, ainda mais, porque sempre carrega traços de carnavalização da política. Uma festa multicolorida que dá licença aos exageros. Não compreender isto é se desconectar do Brasil.

    Rudá Ricci é cientista político. Mora em BH. Diretor Geral do Instituto Cultiva que atua em políticas públicas, tendo como diretriz a democracia participativa.

    ResponderExcluir
  20. Euler, em todos os estados estão fazendo manifestações em frente aos palácios dos governadores, prefeituras e outros, por que em BH o nosso sindicato não organizou nenhuma manifestação em frente aos mesmos, a cidade administrativa que tinha que ser mostrada mundo, onde comeram mais recursos do que os estádios?o que falta para uma organização melhor?
    linder lener - Manhuaçu

    ResponderExcluir
  21. Carta aberta à Presidenta Dilma Roussef
    Carta Aberta assinada por organizações populares

    Carta aberta à Presidenta Dilma Roussef

    Cara Presidenta,

    O Brasil presenciou nesta semana mobilizações que ocorreram em 15 capitais e centenas cidades. Concordamos com suas declarações que afirmam a importância para a democracia brasileira dessas mobilizações, cientes que as mudanças necessárias ao país passarão pela mobilização popular.

    Mais que um fenômeno conjuntural as recentes mobilizações demonstram a gradativa retomada da capacidade de luta popular. É essa resistência popular que possibilitou os resultados eleitorais de 2002, 2006 e 2010. Nosso povo insatisfeito com as medidas neoliberais votou a favor de um outro projeto. Para sua implementação esse outro projeto enfrentou grande resistência principalmente do capital rentista e setores neoliberais que seguem com muita força na sociedade.
    Mas enfrentou também os limites impostos pelos aliados de última hora, uma burguesia interna que na disputa das políticas de governo impede a realização das reformas estruturais como é o caso da reforma urbana e do transporte público.

    A crise internacional tem bloqueado o crescimento e com ele a continuidade do projeto que permitiu essa grande frente que até o momento sustentou o governo.
    As recentes mobilizações são protagonizadas por um amplo leque da juventude que participa pela primeira vez de mobilizações. Esse processo educa aos participantes permitindo-lhes perceber a necessidade de enfrentar aos que impedem que o Brasil avance no processo de democratização da riqueza, do acesso a saúde, a educação, a terra, a cultura, a participação política, aos meios de comunicação.

    Setores conservadores da sociedade buscam disputar o sentido dessas manifestações. Os meios de comunicação buscam caracterizar o movimento como anti Dilma, contra a corrupção dos políticos, contra a gastança pública e outras pautas que imponham o retorno do neoliberalismo. Acreditamos que as pautas são muitas, como também são as opiniões e visões de mundo presentes na sociedade. Trata-se de um grito de indignação de um povo historicamente excluído da vida política nacional e acostumado a enxergar a política como algo danoso à sociedade.

    Diante do exposto, nos dirigimos a V. Ex.a para manifestar nosso pleito em defesa de políticas que garantam a redução das passagens do transporte público com redução dos lucros das grandes empresas. Somos contra a política de desoneração de impostos dessas empresas.

    O momento é propício para que o governo faça avançar as pautas democráticas e populares, e estimule a participação e a politização da sociedade. Nos comprometemos em promover todo tipo de debates em torno desses temas e nos colocamos à disposição para debater também com o poder público.

    Propomos a realização com urgência de uma reunião nacional, que envolva os governos estaduais, os prefeitos das principais capitais, e os representantes de todos os movimentos sociais. De nossa parte estamos abertos ao diálogo, e achamos que essa reunião é a única forma de encontrar saídas para enfrentar a grave crise urbana que atinge nossas grandes cidades.

    O momento é favorável. São as maiores manifestações que a atual geração vivenciou e outras maiores virão. Esperamos que o atual governo escolha governar com o povo e não contra ele.

    Assinam:
    ADERE-MG
    Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG)
    AP - Assembléia Popular
    Barão de Itararé
    CIMI
    CMP-MMC/SP
    CMS
    Coletivo Intervozes
    CONEN
    Consulta Popular
    CTB
    CUT
    Fetraf
    Fórum Ecumênico ACT Brasil
    FNDC- Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação
    FUP
    KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço
    Levante Popular da Juventude
    MAB
    MAM
    MCP
    MMM
    Movimentos da Via Campesina
    MPA
    MST
    Quilombo
    Rede Ecumênica de Juventude (REJU)
    SENGE/PR
    Sindipetro – SP
    SINPAF
    UBES
    UBM
    UJS
    UNE
    UNEGRO

    Postado por Rudá Ricci às 08:52 Nenhum comentário:

    ResponderExcluir
  22. Euler,
    Acho que você se enganou, não são ..."milhões de jovens...milhões de pessoas"...são no máximo milhares; ou seja, uma minoria barulhenta da qual a mídia se aproveita.
    Parabéns pelo ótimo texto.

    ResponderExcluir
  23. Colegas, boa noite e força na luta, preciso urgente de informação sobre aquela atitude do Anastasia de entrar na justiça pra não investir a verba (prescrita na lei)para saúde.Preciso de alguma reportagem ou blog que tenha essas informações com data, quem foi o sujeito que aprovou a barbaridade... Acho que a verba da educação também não é totalmente empregada, mas não lembro qual a percentagem que ele deixa de aplicar, se alguem sabe por favor me ajude! Outra coisa: Alguém sabe onde encontrar a lista de distribuição de verba federal para saúde a cada mẽs? sabendo quanto chega e o percentual que ele gasta, podemos justificar os problemas com a saúde em Minas.Acredito que o dinheiro pra saude vem mas não chega.

    ResponderExcluir
  24. Ao anônimo das 20:18 de 23/06. Este acordo que o Anastasia fez com tribunal de contas do Estado se chama TAG. Foi um acordo para não gastar os 25% na Educação e 12% na saúde, que é a lei federal, e usou apenas metade das verbas.O sindicato entrou com uma ação contra e ganhou,não sei o que aconteceu.Em Notícias no blog do sindicato tinha estas informações.Como a notícia é mais antiga não sei como encontrá-la.No Blog do Rogério Correia também tem.Procure e você achará.No Google também você deve achar.Regina

    ResponderExcluir
  25. Esse é o momento de reivindicarmos nossos direitos! O pagamento do Piso Salarial em Minas! Deixarmos o medo lado (SREs, diretores, avaliação de desempenho,... tudo o que é usado para coagir!). PARAREM TODOS! Mostrar o quanto nosso governo (Aécio/Anastasia) é mentiroso e destruiu o nosso Plano de Carreira! Não podemos desanimar! Unidos temos muita força! No meu íntimo acredito que todos vão descobrir a força que temos juntos e o valor do nosso trabalho nas salas de aula! Não pedimos o subsídio por imposição do governo, pedimos o pagamento do PISO SALARIAL + as nossas vantagens, biênios, quinquênios, pós-graduação,etc. Quanto prejuízo esse governo nos causou! Admiro a todos que lutam e acreditam nessa luta! Parabéns a todos os trabalhadores da educação que já lutaram muito e alcançaram grandes conquistas em outros governos de Minas, em especial minha mãe, exemplo de guerreira, trabalhadora, excelente professora e grevista quando foi necessário! Hoje ela, como outros, colhem os frutos da nossa falta de coragem diante desse governo ditador! É uma pena ter que parar sozinha na escola que trabalho (Polivalente), mas acredito e não vou deixar de acreditar que há uma luz no fim do túnel: A JUSTIÇA DE DEUS E O CUMPRIMENTO DA LEI POR PARTE DO NOSSO GOVERNO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VAMOS COM CARTAZES E FAIXAS PARA AS RUAS E PEDIR A SAÍDA DESSE ANASTÁSIA DITADOR.
      GENTE A HORA É ESSA.

      Excluir
  26. Para aqueles que ainda tem dúvidas sobre a PEC37

    ATENÇÃO PARA OS ITENS Nº 5, 12 E 13:

    Entenda o porquê da gritaria do MP contra a PEC37 #DigaSIMaPEC37

    http://www.twitlonger.com/show/n_1rktb04

    ResponderExcluir

  27. Globo e Gurgel querem você contra PEC 37. É bom?

    A Globo, maior grupo de mídia do País, comandado por João Roberto Marinho, escalou todos os seus colunistas para bombardear a PEC 37, que disciplina os poderes do Ministério Público; enquanto isso, o procurador-geral Roberto Gurgel, publicou anúncio em Veja, afirmando que a eventual aprovação da PEC 37 significa tapar os olhos e a boca de cada brasileiro; por trás dessa pressão nem tão anônima, existe uma aliança espúria que pretende desmoralizar de vez a política, o que interessa, sobretudo, à Globo; sem a urna, prevalece a rua, manipulada por quem fala mais alto (Julinho da Adelaide - https://www.facebook.com/julinho.daadelaide.16?hc_location=stream)

    http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/106286/Globo-e-Gurgel-querem-voc%C3%AA-contra-PEC-37-%C3%89-bom.htm

    ResponderExcluir
  28. Anasta corre para Brasília mas não apresenta nada

    Cadê nosso PIso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VAMOS PEDIR A SAÍDA DO ANASTÁSIA, AGORA É A HORA

      Excluir
  29. Enquanto o povo enchem as ruas com várias bandeiras de luta a medíocre direção do Sindnútil paga os estudantes e famílias pra movimentar em frente a igrejinha da pampulha e mesmo assim não conseguem mil pessoas. O educadores continuam na sala de aula pois não acredita neste sindicatozinho da CUT e do deputado Rogério. Só Deus na causa, se é que existe Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carioca arrependido.24 de junho de 2013 15:24

      ...direção do Sindnútil paga os estudantes e famílias...

      ABSURDO ESSA AFIRMAÇÃO IMBECIL DA TURMA DO CHAPÉU E/OU TUCAnonymous . TÁ PENSANDO QUE AQUI É DO GIGANTE ANALFABETA POLÍTICO QUE PSEUDO ACORDOU DOMINADO PELO PIG E A ELITE NERVOSA?

      Excluir
    2. Esta turma do chapéu faz patrulha digital no horário de trabalho no comitê de campanha do Aécio( Subsecretaria Estadual da Juventude ) .

      E o seu líder foi vaiado nas manifestações de BH . Se apresentou como porta-voz do movimento e tomou sonora vaia .Mais uma vez queria fazer cortesia com chapéu alheio.

      TDC no ano que vem podem preparar . Calculo que sejam no mínimo 10 000 professores trabalhando , de graça ou usando hora do módulo 2 , para fazer campanha digital anti-Aécio . Vocês ficarão doidos tentando reverter o quadro. Até lá e .......

      "PÓ PARÁ TDC"

      Excluir
  30. Hoje é o "dia do fico" dos governantes
    Às 16h00 de hoje, a Presidente Dilma Rousseff recebe os governadores para discutir melhorias nos serviços públicos. Será uma das raras oportunidades para quem governa o país deixar de fazer marola pré-eleitoral e se safar do banho de votos nulos e brancos que se avizinha.
    É todo sistema partidário que está em jogo, levando uma surra ao menos todo santo dia de jogo da Copa das Confederações. Suas decisões podem diminuir a onda de formação de opinião que deve estar se formando a partir dos berros dos nossos meninos. Ou aumentar até um ponto ensurdecedor.
    Confesso que não tenho nenhuma sinalização para ficar confiante. Esta geração de governantes, como já citei neste blog, parece absolutamente desconectada das ruas. Não se muda a forma de pensar de um dia para o outro. A esperança está depositada nos assessores e nos políticos mais experientes que, se não estão governando, deve estar se movimentando bastante nos últimos dias.
    Termino esta notinha com uma breve ponderação.
    Não há a mínima chance, até este momento, de Joaquim Barbosa ser candidato nas eleições de 2014. Aliás, outsider, nos últimos tempos, fez bonito no primeiro turno, mas levou uma surra na reta de chegada. As estruturas de campanha (marketing e apoiadores profissionais ao longo do território nacional) trabalharam intensamente para reverter a novidade de plantão. Marina, esta sim, está no páreo. Mas a diferença para Dilma, entre os manifestantes (nas pesquisas Datafolha e Inoovare), não é significativa, mesmo neste momento de calor intenso nas ruas. O que surpreende é como Campos e Aécio aparecem como traço. Mais uma vez. O que significa que a empatia e a memória política não os incorpora até aqui. Daí a importância da reunião desta tarde. Seu "Dia do Fico" ou do "Bye, bye, Brasil".
    Postado por Rudá Ricci às 07:32 Nenhum comentário:

    ResponderExcluir
  31. Porque falta dinheiro para a saúde e educação. Acesse e leia : http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2013/06/faustao-indiretamente-cobra-da-globo-r_23.html

    ResponderExcluir
  32. AGORA É A HORA COM CARTAZES NAS RUAS PEDINDO:

    "FORA ANASTÁSIA, QUEREMOS UMA MINAS MAIS JUSTA E SEM DITADURA"

    ResponderExcluir
  33. Políticos vão aproveitar protestos para desarquivar velhas mamatas

    Financiamento de Campanha
    Aumento do endividamento
    perdão de dívidas

    Não se vê nada em prou das mudanças, como acabar reeleição deputados etc, revisão lucros de montadoras, transportes,
    tirarão aproveito da situação para roubar mais


    esse é p Brasil

    ResponderExcluir
  34. É uma vergonha o salário dos profissionais da educação de Minas Gerais! Se Sr.Governador procurar ele encontra professora aposentada aos 57 anos, e volta a trabalhar com cozinheira em restaurante em SP para complementar sua e renda e poder ajudar a pagar faculdade do filho.os colegas de trabalho fazem a maior crítica e com razão, não desfazendo de profissões pois todas são dignas de respeito menos a de professor. Acredite o salário de cozinheira é mair que o de professora com curso superior e tantos anos de serviço. É Lamentável!!!!! Senhores Governantes.

    ResponderExcluir
  35. Há muito tempo que leio seu blog e me desfruto de seus textos. Mas desta vez com esta espécie de "obra prima" fiquei perplexo com a essência dos argumentos apresentados por você, Euler, neste texto. Sua argumentação foi segura, justa, coerente e compatível com a atual situação de clamor por mudanças na nossa sociedade. Eu espero que alguma coisa mude para nós, da educação, com estas reivindicações e com este pacto federativo proposto por nossa presidenta. Os 100% do pré-sal são um começo, mas, o importante são os 10% do PIB. A federalização da educação é vital, além de mudanças no ECA. De nada vai adiantar cada um de nós, professores, ganharmos cinco mil reais de salário e ao mesmo tempo continuarmos apanhando de alunos nas escolas. Isso seria um desperdício do dinheiro público pois não desempenharíamos nosso trabalho da forma que gostamos e precisamos desempenhar. Agora cá pra nós, no nosso país de Minas, gostei muito das manifestações de sábado com cerca de sessenta e seis mil pessoas nas ruas de Belo Horizonte. Para um governo que valoriza tanto a propaganda estas manifestações de sábado foram o fim do mundo. Segundo as propagandas do governo Minas é o paraíso. Mas que paraíso é este em que sessenta e seis mil pessoas vão exigir melhorias dos serviços públicos como educação, saúde, transportes e segurança? O Anásta deve ter pensado: "Uai, faço tanta propaganda pra nada? Parece que o povo tá ficando esperto e não está acreditando nas propagandas, desse jeito vou perder o sono". Já eu, espero que ele perca as eleições no ano que vem e nós possamos, através do nosso sindicato e das circunstâncias de copa do mundo no ano que vem, eleger um candidato ao governo de Minas que faça menos choque de gestão e pratique mais saúde e educação.
    Lobo Guará

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A população de BH está de parabéns.Me sinto de alma lavada vendo tanta gente nas ruas, nas redes sociais se manifestando contra esse governo que nos quis calar. Deus obrigada.

      Excluir
    2. Aos mineiros que tanto nos orgulha de vê-los nas ruas de BH. Aqui em MOC o comércio já está fechando as portas. Venham todos comerciantes para rua e mostra que o Gigante Acordou.

      Excluir
    3. Carioca arrependido.25 de junho de 2013 23:35

      Menos choque de gestão e pratique mais saúde e educação. Lobo Guará
      Essa frase dá samba viu, meu amigo. Vou fazer um lindo cartaz pro movimento.

      Excluir
  36. O movimento passe livre de São Paulo não tem partido, tem identidade e personalidade próprias ao mesmo tempo que também não é contra nenhum partido. Isso é simplesmente fantástico. Vejamos: Como não defendem partido nenhum, independente do governo que se eleger não serão perseguidos. Nós, professores, estamos sendo perseguidos, aqui em Minas, pelo fato de nosso "querido sindute" se posicionar claramente favorável aos candidatos do PT. Esse é um erro gravíssimo pois uma entidade como o sindute não pode ter queda por nenhum político ou partido que seja. A entidade sindute precisa ter personalidade clara, transparente e voltada única e exclusivamente para as questões relacionadas à educação e pronto. A bandeira do sindute deve sempre ser a EDUCAÇÃO. Se o sindicato se comportasse assim, talvez não seríamos obrigados a tolerar este subsídio compulsório e assistirmos a perda de todas nossas vantagens de anos de trabalho honesto e dedicado. Fica esta dica para o nosso sindicato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. Nada de sindicato ligado à partidos. Nem todo filiado é petista.
      A nossa luta deveria ser por nossa pauta.
      Não acredito na diretoria do Sindute, justamente por causa desta ligação com candidatos do partido.
      Em minha opinião, nossas mazelas e o desrespeito do governo estadual com o educadores mineiros se devem justamente pelas negociações. Já paralizamos sabendo que deveremos repor os dias.

      Excluir
    2. Que romantismo.Lindo! Agora acorda.

      Tá na moda é ficar acordado.

      Sem partido você morre no mundo das ideias.

      É o partido que irá executar uma demanda.Que dá segmento.

      Só que é exatamente nas casas do povo, que descobrimos

      tão sujo é a política e os políticos.

      Excluir
    3. Concordo muitíssimo com a exposição por você feita, mas lembremos de que os sindicatos ficam reféns dos partidos para se permanecerem vivos devido ao registro sindical que deve ser viabilizado ligado a uma CENTRAL SINDICAL, portanto, é aí que se dá o atrelamento e o movimento PASSE-LIVRE percebeu muito bem isso, e outra, ele não é uma instituição sindical o que lhe permite certa liberdade de atuação, autonomia, o que é muito saudável e importante para o engajamento e a luta em prol de algo que almejam.

      Excluir
  37. Olá, Euler!

    Sobre os cinco itens em que a Dilma classificou os problemas sociais brasileiros, uma dica: fazer os governadores e prefeitos cumprirem a lei do piso salarial nacional sancionada em 2008 pelo Presidente Lula; equivale a resolver 1/5,ou seja, 20% desses problemas. De saber quais são nossas reivindicações estão carecas. De discursos vazios estamos escaldados, o que precisamos é de atitude, Presidente!

    ResponderExcluir
  38. A presidenta em conversa com os governadores e prefeitos no que diz respeito à educação, não pareceu muito enfática, não se ouviu, pelo menos o que se mostrou pela TV, que em nenhum momento ela se lembrou do Piso Salarial Nacional dos Educadores e nem mencionou a obrigatoriedade no cumprimento da Lei, ficou muito na base de se discutir o destino de pelo menos 50% dos royalties do petróleo para a Educação e parcerias com empresas/empresários para compor o investimento na Educação. Isso quer dizer, ficará bem para a longo prazo, não houve muita determinação em mudar o atual quadro no qual se encontra os educadores, ou seja, com os seus direitos surrupiados pelos governos, principalmente aqui nas Gerais.
    E, quanto ao governador Anastasia ter ido às carreiras para Brasília, é par vir mais depressa o possível para Minas, falando mentiras. Lembram-se de nossa greve, quando ele encontrou com o Ministro Haddad e veio dando a sua versão do encontro e expondo para a Imprensa a sua opinião sobre a nossa paralisação e dizendo que eram palavras do Ministro, então é assim. Mas esperamos também que ele não continue se achando o DITADOR das ALTEROSAS, porque os mineiros estão reagindo às suas truculências, aos seus desmandos. Logo, espera-se que não venha com ARES de pobreza para cima dos servidores da educação, porque não diz que Minas está maravilhosa, então não pode estar quebrada quando se trata de fazer valer os direitos do trabalhador, porque estamos vendo que só não tem dinheiro para EDUCAÇÃO, mas para fazer Estádios e desperdiçar com coisas inúteis, o governo tem. Então vamos ver se ele quer mesmo ser Senador, caso contrário não vai ser nem síndico do seu condomínio luxuoso. Ele que jogou tudo para 2015, agora nós vamos jogá-lo também, para bem longe das nossas vistas e vidas em 2015.

    ResponderExcluir
  39. Fátima - Professora de História - Ubá24 de junho de 2013 17:49

    Em 1822, a elite gritou independência ou morte, e a independência chegou para eles ao povo restou a morte.
    Agora o povo tá na rua dando seu grito, o verdadeiro grito de independência. Chega de pão e circo.
    Já raiou a liberdade no horizonte do brasil!

    ResponderExcluir

  40. Na reunião com a Dilma o cara-de-pau de Minas deve estar dizendo que no que diz respeito à educação, ELE PAGA ALÉM DO PISO NACIONAL. Só esperamos que o Sindute reaja, ruja como um LEÃO, porque não podemos deixar isso ficar assim.

    ResponderExcluir

  41. É agora ou NUNCA!! que conseguiremos reaver os nossos direitos.

    ResponderExcluir
  42. BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff abriu na tarde desta segunda-feira a reunião com governadores e prefeitos das capitais com objetivo de definir uma linha de ação conjunta para melhorar os serviços públicos no país. A presidente destacou que busca soluções para as reivindicações que vem das ruas. Ela defendeu um plebiscito para uma Constituinte exclusiva para a reforma política, além de propor lei para a corrupção ser crime hediondo.

    ...

    A presidente listou quais são os cinco pactos que ela propõe agora: o primeiro ponto é a estabilidade fiscal; uma reforma política com a proposição de um plebiscito para uma Constituinte com fim exclusivo de tratar desse assunto; recursos e ações exclusivas para o SUS; plano para o transporte público, com o anuncio de desoneração de PIS e Cofins para o diesel e para a energia que move veículos da rede de transporte; e ações para a educação, com destinação de 100% dos recursos do pré-sal para o setor.

    ...

    Por fim, no pacto pela educação pública, a presidente reforçou que nenhuma nação se desenvolve sem educação em tempo integral, creches, ensino profissionalizante, e universidades, e afirmou que condição essencial nesse pacto é a boa remuneração dos professores.

    ResponderExcluir
  43. A Dilma está tirando o dela da reta... Aécio e Dilma são farinha do mesmo saco....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PAM Passivo Ate a Morte27 de junho de 2013 13:27

      Pó parar... Dilma não mexe com "farinha" não. Isso é coisa do aócio never, só ou pó. Tanto faz... kkkkkkk Como estou bandida.

      Excluir
  44. ESTÁ NAS MÃOS DO POVO. ELES SABEM DA ARMA PODEROSA QUE ESTÁ NAS MÃOS DA POPULAÇÃO: REDES SOCIAIS. E TUDO É FEITO EM MINUTOS, CONTRA OU A FAVOR .
    BENDITA INTERNET...

    ResponderExcluir
  45. Como eu gostaria de ver um outdoor apresentando uma foto do nosso (des)governador com um enorme nariz de Pinóquio dizendo: eu já pago mais que o piso e professores ao seu redor exclamado: mentiroso!!!

    ResponderExcluir
  46. Cabe a SINDUTE gritar, fazer muito barulho sobre o confisco do nosso salário. Fomos roubados. ESTÁ NA HORA DE BOTAR A BOCA NO MUNDO. A hora é agora.
    Deus está nos dando a chance de revertermos a situação.Só não podemos ficar quietos. Quiseram nos calar a força e agora é o Brasil inteiro cobrando nossos direitos de cidadão.
    DEUS É PAI.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, nós professores vamos ficar a ver navios. Não sabemos lutar pelos nossos direitos, temos um sindicatoPT, temos vergonha e medo de nos expor...
      Então continuemos a receber a esmola que o desgoverno nos paga. Fiquemos satisfeitos com o aumento da carga horária ( principalmente nos anos iniciais), aceitemos os analistas nos cobrando descritores, capacidades e eixos, metas a serem alcançadas,etc.
      Concluindo: trabalhamos por vocação e não por um salário digno.

      Excluir
    2. No sábado foi dose! Duzentos professores recebendo uma multidão de quase dez mil pessoas que furaram o bloqueio imposto pelas tropas do governo na avenida Antonio Abraão Caran.

      Excluir
    3. Cabe ao SindUTE KKKKKKK... Você é muito mansa...

      Excluir
  47. "O povo é igual boi, não sabe a força que tem".(Montouro)
    Sim o povo é boi.
    Boi também é gado.
    Gado é tocado.
    Gado tem que ser tocado.
    O problema não é o gado, e sim, quem toca o gado. Quem tocará o gado daqui prá frente? O PT que governa pensando nos de baixo, ou o PSDB que governa para os de cima? Faça a sua escolha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PT pensa nos de baixo? Nos de baixo da própria família.

      Excluir
    2. Caro Anônimo25 de junho de 2013 08:44,

      O PT pensa nos de baixo sim, isso é fato. E como contra fatos não há argumentos algumas pessoas, como é o seu caso, usam de falácia.

      Excluir
  48. A Dilma tem que olhar nos olhos do anasta, filhote do demo e dizer: eu mando as verbas federais e tu, filhote do bode, não está pagando os professores mineiros, de acordo com Piso Salarial Nacional.
    Não adianta cobrar da Dilma se temos uma "assembréia" homologativa que respalda menos gastos em EDUCAÇÃO E SAÚDE. Não depende da Esfera Federal se o Estado e o Município não cumprem sua parte. Temos que detonar o anasta, filhote de lúcifer, e o mangolino, do prefeito de BH. Eles passam, mas nós servidores públicos, permanecemos.
    A turba sabe que TEMOS UMA GENTALHA que governa Minas. Esta GENTALHA não se importa com os menos FAVORECIDOS!!!!!!!!!!! Eles pensam assim: Quem passa em uma Federal é quem estuda em uma escola particular, portanto pode pagar!!!!!!!!!!!!! Vamos privatizar!!!!!!!!!!!!!!! Esta turma não gosta de funcionário público, pois atendemos pobres e desfavoráveis, portanto, devemos ter o pior tratamento!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Vamos dar um tratamento de choque neste governo incompetente e inconsequente!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Esta turma tem que ser suprimida da vida pública. A Dilma devolveu a responsabilidade para quem está na ponta do atendimento ao cidadão!!!!!!!!!!!!!! Prefeitura e governo do Estado QUE SÃO "INCOMPETENTES!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! O aecinho pó deve estar acovardado, pois nem é lembrado, de tanta incompetência. Vai cheirar pó em outra fregrezia!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dar choque se nem pra rua os professores estão indo? Estão perdendo uma oportunidade ÚNICA.É a falta da inteligência.O salário tá muito "BÃO".

      Excluir
  49. Em 1964, setores do exército, Igreja e a grande mídia, deram o golpe e acabaram com as esperanças de justiça social, reforma agrária, distribuição da riqueza, etc.
    E em 2013, quem será o carrasco do povo?
    OBS: Quando falo em povo, me refiro aos 99% da população que não estão protestando nas ruas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esquece o passado.

      Excluir
    2. Esqueço não! Sou inteligente demais para isso.

      Excluir
  50. A NOSSA APREENSÃO É QUE O PACTO PELA EDUCAÇÃO, SOLICITADO PELA PRESIDENTA,FIQUE SÓ NO DESEJO DO PACTO, PORQUE HÁ MUITO QUE OS GOVERNOS ESTÃO ALMEJANDO ESSE PACTO E ATÉ HOJE NÃO PACTUOU NADA, QUANDO SE FALA DE EDUCAÇÃO ATÉ AS PROPOSTAS SÃO ABSTRATAS, LENTAS, VINDOURAS, UM VIR QUE NUNCA VEM!


    País precisa de pacto por educação, diz presidente

    A presidente destacou que "precisamos de mais recursos para a educação" e observou que o País avançou nas últimas décadas para "reverter o atraso" na área.

    Agência Estado

    Publicação: 24/06/2013 19:48 Atualização:
    A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira que o Brasil precisa de um pacto da educação pública como forma de responder às reivindicações dos manifestantes que tomam conta das ruas das principais cidades do País. O comentário foi feito em reunião com ministros, governadores e prefeitos no Palácio do Planalto.

    Saiba mais...
    Dilma propõe cinco pactos e destaca plebiscito para Constituinte de reforma política OAB afirma ser contrária à convocação de Constituinte
    "Nenhuma nação se desenvolve sem alfabetização na idade certa e sem creches para a população que mais precisa, sem educação em tempo integral, sem ensino técnico profissionalizante, sem universidade de excelência, sem pesquisa, ciência e inovação", afirmou Dilma.

    A presidente destacou que "precisamos de mais recursos para a educação" e observou que o País avançou nas últimas décadas para "reverter o atraso" na área.

    Ao lembrar que encaminhou um projeto de lei que destina 100% dos royalties do petróleo para a educação, a presidente afirmou que confia que "os senhores congressistas aprovarão esse projeto que tramita no Legislativo com urgência". "Esse é um esforço que devemos fazer para que haja uma mudança significativa no curto, médio e longo prazo no nosso País", afirmou.

    Lei e ordem

    Dilma encerrou o discurso reiterando que o seu governo não vai "transigir na manutenção da lei e da ordem", coibindo a ação de "arruaceiros que tentam perturbar o caráter pacífico das manifestações".

    "Quero repetir principalmente que o meu governo está ouvindo as vozes democráticas que saem e emergem das ruas e pedem mudanças" disse Dilma. "É preciso saber escutá-las, só a voz das ruas é capaz de nos impulsionar a andar ainda mais rápido." MEDO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. UM VIR QUE NUNCA VEM...

      Como a de 100% dos royalties do petróleo para a educação. E quando se viabilizaria esses lucros do petróleo para a educação? Daqui a 50 anos?

      Excluir
    2. Não, é pra Já.

      Excluir




  51. PUBLICADO EM 24/06/13 - 03h00 O TEMPO

    Pacto meia-boca

    A reunião de governadores no Planalto para discussão do pacto pelo serviço público, proposto por Dilma, servirá para a presidente dividir os ônus da crise. Também dará boas imagens de suposta unidade nacional. E só. [Não se espere resultado prático da encenação: a melhoria do transporte, saúde e educação passa inexoravelmente pela reforma do sistema político que tornou o setor público refém de alianças espúrias e da corrupção. Mas esse é um caminho que as cúpulas evitam trilhar pois sabem que a maioria dos atuais mandatários irá perder mamatas e poder se o sistema for saneado]. O pacto para atender as ruas seria o destinado a enquadrar a política em modos éticos. Na falta de colhões para tanto, tenta-se ganhar tempo com um pacto meia-boca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí, as ruas deveriam responder na mesma medida, ou seja repudiar questões que não são pertinentes e emparedar o Congresso brasileiro.
      O pessoal deve manter-se unido, cobrar o plebiscito popular para uma reforma política dentre outras, como da educação, urbana, agrária etc.

      Excluir
  52. Estão acreditando em mudanças? Quero só ver se vai chegar dinheiro pra educação mineira.Na última curva vai se perder.E.... se vier, não será pra aumentar salário, e sim cursos, cursos, cursos e mais cursos ou reformas, reformas e etc.Não acredito em governo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A forma deles investirem em educação é fazendo curso de capacitação. E o pior que não acrescenta em nada. Mais uma forma de desvio de dinheiro. E cada monitor despreparados para dá o curso.
      Todos os professores que vão fazer o curso vão por obrigação.

      Excluir
    2. Preocupa não, agora a lei do piso sai do papel,Se não sair é só correr atrás dos Anonymousdo brasil.

      Excluir
    3. Uma parte do dinheiro a gente já sabe pra onde vai, passe livre para estudantes.Acho justo, mas sem fiscalização o que vai ter de gente andando de ônibus de graça se passando por estudante...E aí o que poderia estar sendo usado pra valorizar o professor,mais uma vez vai pro ralo.

      Excluir
  53. Você sugere outra ação da presidente?É tica também não se começa com diálogo? Tem gente que é pessimista ao extremo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preocupa não, a tia tá com medo.

      Excluir
  54. MINAS NÃO INVESTE NADA EM EDUCAÇÃO, TUDO VEM GOVERNO FEDERAL


    VEJAM

    O FUNDEB para Minas Gerais, em 2013, está estimado em R$10.395 bilhões.

    NOSSA FOLHA PGTO 8BI E O RESTO?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai até sobrar grana para um cafezinho com pão de queijo.

      Excluir
    2. Temos que ir atrás,senão gastam em "cursos" onde podem pegar a metade prá eles.Este dinheiro é nosso. Lutemos por ele.

      Excluir
  55. O que acontece com os professores que so ficam a lamentar? Que so dizem que nada adianta? Que desacreditam em tudo? O Brasil inteiro nas ruas levantando bandeiras a favor da educacao e nem isto vale?
    Que discurso melancolico!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São os famosos chatos que a Educação tem.

      Excluir
  56. URGENNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNTE!
    REFORMA JÁ, NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DO NOSSO BRASIL!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São tantas questões precisando de mudanças.
      Estão se esquecendo da reforma do código penal.Ninguém fala nada a respeito.
      De que adianta melhorar algumas coisas e a bandidagem continuar fazendo a festa?
      Vamos continuar presos em casa a mercê de bandidos...









      Excluir
  57. STJ confirma que Parcela Autônoma de Magistério deve ser reajustada pelo governo do RS
    A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ratificou em julgamento de recurso repetitivo (artigo 543-C do Código de Processo Civil) que o estado do Rio Grande do Sul deve reajustar a Parcela Autônoma de Magistério (PAM).

    Em recursos idênticos já analisados pelo STJ, as Turmas de direito público decidiram que, nas discussões sobre recebimento de vantagens pecuniárias em que não houve negativa do próprio direito solicitado, tem-se relação de trato sucessivo. Aplica-se, então, a Súmula 85 da Corte, que prevê a prescrição apenas em relação ao período anterior aos cinco anos que antecedem a data de ajuizamento da ação.

    A PAM foi criada pela Lei Estadual 9.934/93, reajustada conforme a Lei Estadual 10.395/95 e incorporada aos vencimentos dos servidores pela Lei 11.662/01. Após a incorporação definitiva, o percentual de 20% da PAM passou a compor, junto com o vencimento básico, o fator de cálculo para reajustes futuros.

    Valor menor

    Contudo, antes da incorporação, o estado não reajustou a PAM conforme determinou a Lei 10.395, de forma que o vencimento básico foi estabelecido em valor menor do que deveria. Vários professores ingressaram com ação na Justiça para receber o pagamento das diferenças. Para a Justiça gaúcha, o estado deve pagá-las, inclusive com reflexos nos reajustes posteriores sobre o vencimento básico menor.

    No recurso ao STJ, o governo do estado queria reverter esse entendimento do Tribunal de Justiça local. Como a decisão está de acordo com a orientação da Corte Superior, a Seção negou o pedido, seguindo o voto do relator, ministro Herman Benjamin.

    “Como assentado no acórdão, embora a PAM tenha sido incorporada aos vencimentos, os reajustes anteriores a esse evento, objeto da presente ação, repercutem de forma sucessiva”, explicou o ministro. “Ou seja, a incorporação de parcela remuneratória aos vencimentos, por si só, não constitui negativa inequívoca do próprio direito”, concluiu.

    ResponderExcluir
  58. Nunca vi tanta cara de pau de políticos ladrões.Aécinho do pó disse hoje no senado coisas absurdas.Pede punição para os corruptos, defende 10% do pib para educação.Na saude o que falta é um plano de carreira .Assim terá muitos medicos sem precisar trazer de outro país.Eu não vejo esperança alguma de que algo vai mudar nesse pais de aladim e os 40 ladrões.Se fala muito mas tudo se torna complicado.O que é preciso fazer é agir imediatamente.Há muitas coisas que podem ser feitas bem rápido.Eles estão complicando e nada vai sair do papel.Até que a turma saia das ruas, se cansa de protestos.Não tem jeito este país.O jeito é quem puder, se mudar para outro país.Aqui precisa de mais 5oo anos para tudo ser como os jovens e a maioria está pedindo clamando. anos e alguma coisa estará mudada.Não vejo luz no fim do túnel.Os ladrões estão de plantão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vocè é a Energia negativa em 100%.

      Excluir
    2. Você é "Inteligência Pura".Vá prá outro país. O Brasil não merece pessoas tão inteligentes quanto você. Já foi tarde.

      Excluir
    3. Então vamos juntas, sua chorona.

      Excluir
    4. Esse papo de "energias" de novo.
      Essa coisa esotérica de energia positiva, espiritual... é fogo. Nem sabem o que é energia e ficam com essa lorota toda. Viver é ponderar, escolher e agir. Só isso! Esse medo do então chamado negativismo é bobagem de humanos fracos que, no fundo sabem que viver é difícil e então fogem da realidade; agridem qualquer um que os desperte da ilusão.

      Excluir
    5. ´ Desiludida .preconceituosa e folgada.

      Excluir
  59. Parabéns aos mestres da escola LMC, a vocês: Débora, Edmilson,Edmar, Antônio Carlos,Milena e outros que engajam nessa luta em prol da educação, lutando e manifestando sem medo de retaliações. Vocês são exemplos de cidadania, pois não ficam deitados em vesto esplêndido.Alunos do ensino médio da LMCm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns professores e alunos da LMC. Vocês estão ajudando a fazer uma história melhor para o País.Regina.

      Excluir
  60. Amanhã dia 26 quarta-feira tem mais manifestações na capital... Oba e eu vou estar lá é claro, estou adorando. Quero ver o Anásta mandar cortar o ponto de todos os manifestantes, kkkk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não irá cortar ponto nenhum. Ele está morrendo de Medo.

      Excluir
  61. A verdade é que o nosso sindicato não "aprende"(ou não quer) fazer mobilização, movimento e protesto. O MPL (Movimento pelo Passe Livre) sem a estrutura que o Sind-Ute possui, consegui fazer um reboliço no país. Até agora o Sind-Ute parece parece uma barata morta!!!
    Será qual a desculpa burocrática dessa vez???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto vc fica culpando os outros, por que não corre atrás?

      Excluir
    2. Você não tem visto os movimentos do sindicato nas manifestações? Se você estivesse conosco com certeza saberia. Esperamos você para engrossar nosso movimento.Vem prá rua.

      Excluir
    3. Hoje os holofotes estão todos voltados para MG.
      Vamos fazer barulho na porta do Anasta. Não podemos perder essa oportunidade.

      Excluir
  62. Infelizmente, nós professores vamos ficar a ver navios. Não sabemos lutar pelos nossos direitos, temos um sindicatoPT, temos vergonha e medo de nos expor...
    Então continuemos a receber a esmola que o desgoverno nos paga. Fiquemos satisfeitos com o aumento da carga horária ( principalmente nos anos iniciais), aceitemos os analistas nos cobrando descritores, capacidades e eixos, metas a serem alcançadas,etc.
    Concluindo: trabalhamos por vocação e não por um salário digno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você acha ruim o apoio do PT vá prás rias com a bandeira do PSDB e com uma foto do Aécio.Quem sabe assim você consegue seu piso. Urubulina.

      Excluir
    2. Não querida ou querido anônimo do dia 26/06, 05:34. Não sou a favor de nenhum partido. Sou a favor de políticos honestos e que nos representem com dignidade, independente de partido ao qual pertença.
      Só acho que o sindicato não faz nada para não manchar mais ainda o PT.

      Excluir
    3. Trabalham por gosto.Não precisam de aumento de salário, já que não lutam por isso.
      Continuem no mesmo barco, daí a pouco vem depressão, porque o dinheiro não está dando pra pagar contas.

      Excluir

  63. Justiça manda RS pagar piso nacional do magistério aos professores

    Compartilhe:Twitter
    Em julgamento realizado nesta terça-feira (25/6), os desembargadores da 25ª Câmara Cível confirmaram a sentença proferida na ação civil pública que condenou o Estado do RS ao pagamento do piso nacional do magistério aos professores estaduais da educação básica.

    A decisão determina ainda que a data inicial para o pagamento deve ser a partir de 27 de abril de 2011, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou a constitucionalidade da lei aprovada pelo Congresso Nacional.

    Como o Instituto de Previdência do Estado não foi incluído no pólo passivo do processo, a decisão não abrange os inativos e pensionistas do magistério estadual.

    O relator do processo, Desembargador Miguel Ângelo da Silva, afirmou que a lei não retirou dos entes federados a competência para definirem o salário do magistério público de cada um, desde que o façam levando em conta a restrição legal estabelecida na lei, devendo ser observado o mínimo previsto na lei do piso nacional do magistério.

    “Por isso, cumpre rechaçar a alegação do Estado de que o valor de R$ 1.451 não foi implementado por lei, razão pela qual não estaria ele (ente federativo) obrigado a pagar este valor em folha de pagamento aos seus servidores (e aos aposentados) à vista da inexistência de parâmetro legal”, afirmou o relator.

    O magistrado destacou ainda que a lei é clara e completa com relação ao detalhamento de como o piso deve ser pago pelos Estados.

    “Caso a União, por intermédio do Congresso Nacional, não tivesse normatizado a matéria em minúcias, detalhando todos os seus aspectos relevantes através dessa lei federal, inclusive indicando o modo como se deve implementar o reajustamento anual do valor do piso, certamente os Estados – cuja renitência em cumprir o comando constitucional constitui fato público e notório – jamais cumpririam dita lei, resultando esvaziado, ao fim e ao cabo, o princípio constitucional de valorização dos profissionais do magistério público no país”, finalizou.

    As informações são do TJ-RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns ao TJ.RS.Precisamos de um TJ deste aqui em Minas.Só que estamos "com a faca e o queijo na mão" Depende de nós deixarmos que esta faca continue no nosso pescoço. Estamos muito pacatos.GREVE JÁ! É agora ou nunca.

      Excluir
  64. Aqui, um texto muito bom também:

    Stédile: o capital dominou as cidades

    http://www.rodrigovianna.com.br/outras-palavras/stedile-o-capital-dominou-as-cidades.html

    ResponderExcluir
  65. Euler, viu manifestação da polícia civil? por que o sind-ute, não articulou faixas e cartazes grandes, com muito destaque sobre o nosso piso? estamos fazendo parte da turma que vai entregar as reivindicações ao governador, ou ele esta escolhendo os manifestantes?

    ResponderExcluir
  66. professoramaluquinha26 de junho de 2013 01:27

    Caiu a PEC 37

    http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2013/06/camara-dos-deputados-arquiva-pec-37-por-votacao-de-ampla-maioria.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Maria Braga em seu programa disse o nome dos deputados que votaram a favor e dos que ficaram em cima do muro.

      Excluir
  67. Ontem fiquei sabendo que cancelara as Férias Prêmio deste ano.Me disseram que no próximo semestre ninguém vai poder tirá-las a minha está marcada para agosto e setembro.Isto procede? Ainda não fui informada oficialmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ouvi sobre isso segunda feira na SRE de São João del Rei. Eu também tenho férias prêmio para tirar

      Excluir

  68. http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/06/camara-destina-75-dos-royalties-para-educacao-e-25-para-saude.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deste dinheiro grande parte vai pagar o passe livre dos estudantes.Já viu prá onde vai este dinheiro,né.Para as empresas de transporte coletivo.Vamos ver quem mais vai tirar outra fatia. Para o salário dos professores já foi dito que este dinheiro não poderá ser usado na folha de pagamento.

      Excluir
    2. Sério? Não vai um tostão pra folha de pagamento?

      Teria como você postar a fonte pra gente?

      Excluir
  69. GOSTEI DA IDEIA DE JOAQUIM BARBOSA, RECALL NOS POLÍTICOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até que em fimmmmmmmmmm

      Excluir
  70. Hoje aprendemos uma lição com nossos jovens,já sabemos que não somos os donos do saber,já sabemos que não adianta ficar esperando por nada nem partido e muito menos sindicatos (estão todos indo por onde o vento sopra melhor).Aprendemos também,que reclamar é espalhar doenças de pessimismo,nas conversas dos jovens não existe pausa para reclamação e sim, ação.Professores,aprenderam a liçâo?

    ResponderExcluir
  71. Olá, Euler, grande cronista das Minas Gerais.Saiba que você ocupa um patamar muito superior a muitos jornalistas das grandes revistas circulantes no país, quer no léxico português , quer no estilo literário.
    Bem gostaria de saber de você ou dos frequentadores do blog a data específica de uma greve de professores deflagrada no governo Aécio Neves, cuja reposição do calendário foi cumprida, porém não houve reposição financeira.Li genericamente, certa vez no site do Sindute que eles ganharam a ação na justiça, mas já retiraram a informação e não sou filiada a esse Sindicato.Tenho boas razões para contabilizar tal assunto.
    Obrigada.
    Prof silvinha

    ResponderExcluir
  72. Minas Desgovernada.26 de junho de 2013 12:47

    Coitados de nós atingidos pela copa, agora seremos atingidos pelo mimimi do anastahitler e da globosta, o desgovernador deu uma resposta padrão que ele mesmo OBRIGA a todos os Funcionários Públicos responderem caso algo saia fora do previsto, ao sermos entrevistados. Ele envia mais ou menos 20 respostas dentre as quais podemos escolher uma, mas que, não pode fugir das mesmas. "Prometo me empenhar" para fazer um xerox das mesmas e postar aqui, mas desde já deixo o pedido se alguém tiver as RESPOSTAS PADRÃO coloque aqui para nós, por favor. Eu tive a folha na minha mão,li e não copiei. Oh, meu Deus, como fui inocente. Contudo posso garantir que: "TENTATIVA A EXAUSTÃO DE SOLUCIONAR O PROBLEMA" OU "OS PROBLEMAS" é uma das respostas padrão do GOVERNO DE MINAS GERAIS, soa bonito mas saindo dali não vai resolver nada... É só para enrolar bobo mesmo. COPAC não seja inocente, ele não cumpre nunca, nada. É advogado com imensa "esperteza" jurídica, preparado para enganar os incautos. Nem a assinatura ele honra, porque manda secretários(as) assinarem e já era mesmo.

    ResponderExcluir
  73. Estamos reformando o Brasil. A PEC 37 já caiu. Agora temos que derrubar a lei 100.Ministro Joaquim Barbosa, continue a trabalhar pela justiça, pela igualdade de direitos para todos os brasileiros.

    ResponderExcluir
  74. Minha entrevista à revista IHU/UNISINOS sobre as manifestações em BH e Brasil
    - Que motivos atribui às manifestações que estão acontecendo em todo o país e por quais razões as manifestações mais expressivas estão acontecendo em Belo Horizonte?
    R: Trata-se de uma onda juvenil, de classe média. Como toda onda, forma-se uma força irresistível que carrega de tudo junto. Algo como um carnaval político e acredito que esta é a melhor maneira de analisarmos o que ocorre. Começou com a articulação do Movimento pelo Passe Livre que surgiu em 2005, em Porto Alegre, durante o FSM. Este ano, já haviam realizado várias manifestações em capitais. O estopim de tudo foi a manifestação de São Paulo. A violência da PM indignou a todos e já no sábado era visível pelas redes sociais que a onda emocional se alastrava pelo país, principalmente nas regiões onde há maior nível de instrução: centro-sul do país e litoral nordestino. No início da semana seguinte à manifestação de São Paulo, a situação já era outra, e o MPL perdeu o controle e liderança. Na quarta, teve início à disputa de pautas. O Anonymous Brasil lançou uma pauta de 5 pontos, relativamente conservadora (ao menos os cinco pontos) e vários comitês de crítica aos gastos realizados para organização da Copa do Mundo lançaram as suas. No dia seguinte, foi a vez dos partidos. Aí veio o desastre, revelando que os maiores partidos do Brasil estão absolutamente desconectados das ruas. O Presidente Nacional do PT lançou uma "onda vermelha" (quando os líderes das mobilizações sugeriam branco, verde e amarelo) e colocou em risco a integridade dos militantes. Até hoje, Rui Falcão deve desculpas aos militantes sinceros e abnegados de seu partido. O PT tinha a obrigação de estar nas ruas, mas não disputando com os manifestantes. Depois, veio o PPS com sua propaganda gratuita, justamente quando explodia, na quinta à noite, manifestações muito violentas em Brasília e Rio de Janeiro. Uma falta de sensibilidade e timing político revelador. O PSDB oscilou e até agora tenta ajustar o tom, já que a rua nunca foi seu forte.
    A onda seguinte foi promovida pela Presidente Dilma, quando lança seus 5 pactos. O ponto mais importante foi o do plebiscito e reforma política. Saiu das cordas e foi para o centro do ringue. Todas forças políticas, partidos e sociedade civil, estão se debruçando até agora para dizer o que pensam desta pauta. Até parte da imprensa esqueceu seu papel e entrou neste jogo como militante. Agora é saber como faze a ponte entre a rua e a negociação da mudança, sem desmobilizar os manifestantes, numa ponte entre a democracia direta e a representativa. Talvez, seja o momento do que nós, sociólogos, denominamos de "representação delegada", aquele representante que não tem autonomia para mudar o que a assembléia que o elegeu definiu.

    ResponderExcluir
  75. Protesto e seleção prometem parar BH
    O prefeito Márcio Lacerda decretou feriado na cidade, o que deve incentivar a ida de milhares de pessoas para a manifestação
    Última manifestação de sábado teve 200 mil pessoas, hoje pode haver mais
    por Redação — publicado 26/06/2013 09:24, na Carta Capital
    Lidyane Ponciano
    Manifestação BH - Praça 7
    Nesta quarta, manifestantes devem seguir até o Mineirão, onde irá ocorrer o jogo entre Brasil e Uruguai, pela Copa das Confederações
    Manifestantes prometem se dirigir ao Estádio do Mineirão, palco da semifinal da Copa das Confederações entre Brasil e Uruguai nesta quarta-feira 26, durante o 5º Grande Ato/Assembleia Popular da capital mineira. A manifestação tem mais de 12 mil pessoas confirmadas em um evento do Facebook e se reúne a partir das 12 horas, na Praça Sete de Setembro, no centro da cidade. O jogo da seleção tem início às 16 horas.
    O protesto foi confirmado durante o encontro entre manifestantes realizado embaixo do viaduto Santa Tereza, no Centro de Belo Horizonte, no domingo 23. Líderes dos movimentos sociais que organizam a manifestação disseram que é difícil controlar a violência realizada por um pequeno grupo de pessoas.
    “Nós denunciamos para a polícia pessoas que portam bombas. Repudiamos qualquer tipo de violência. Infelizmente é uma minoria de direita ligada ao senador Aécio Neves que pretende criminalizar os nossos atos”, disse Alexandre Torres, presidente da Federação das Associações de Moradores do Estado de Minas Gerais.
    Segundo Torres, a pauta unificada da manifestação vai além da redução do valor da tarifa dos transportes públicos. Inclui outros nove temas, como a destinação de 100% dos royalties de petróleo do Estado para a educação - o projeto foi aprovado (com alterações) na véspera do ato pela Câmara dos Deputados. Eles pedem também a reforma política e a regulamentação da mídia.”
    De acordo com o jornal O Estado de Minas, a Comissão de Prevenção à Violência em Manifestações Populares se reuniu na segunda-feira 24 com o Ministério Público e encaminhou ao governo estadual um documento pedindo a segurança dos manifestantes para o próximo ato. As principal preocupação é que haja um efetivo de bombeiros e profissionais da saúde suficientes para atender eventuais feridos no protesto.
    Por causa do jogo, o prefeito de BH, Márcio Lacerda (PSB), decretou feriado na cidade, o que deve incentivar a ida de milhares de pessoas na manifestação. O itinerário deve ser decidido apenas durante a concentração na Praça Sete.
    Na última manifestação, no sábado, 23.06, as lideranças calcularam a participação de mais de 200 mil. Hoje, esperam muito mais.
    A intenção da maioria, entretanto, é que a manifestação se dirija para as proximidades do Mineirão, o que ampliaria a repercussão do ato. A outra opção é fechar a vias de acesso ao estádio, a Cidade Administrativa, a Assembleia Legislativa, a prefeitura e a Câmara Municipal.

    ResponderExcluir
  76. MORO NO INTERIOR MAS ESTAREI NA TORCIDA PELOS MANIFESTANTES AÍ EM BH, ESPERO TRANQUILIDADE.

    ResponderExcluir


  77. Home
    Notícias
    Artigos
    Informativos
    Notas à imprensa
    Indique
    Fale Conosco


    Na sua opinião, Minas Gerais é um estado que sofre com a censura seja política ou de imprensa?

    Sim - São omitidos fatos na imprensa nacional, visando não divulgar a realidade da Capital e do Estado.
    Não - Todas as informações são repassadas à população prestando o real esclarecimentos da realidade do Estado.

    CPI do Mineirão: a hora é agora!


















    Em sintonia com o clamor das ruas, o Bloco Minas Sem Censura, formado de deputados da oposição na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) tenta, mais uma vez, instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar possíveis irregularidades na licitação, na construção e na concessão de uso do estádio Mineirão. Até agora, apenas 24 parlamentares assinaram o requerimento, que precisa da adesão de 26 deputados para ser oficializado.

    As justificativas para a criação da CPI estão em relatórios do Tribunal de Contas do Estado. As irregularidades vão desde a contratação da empresa responsável pelo projeto do estádio até a execução da obra. Uma Parceria Público-Privada (PPP) foi firmada ente o governo do Estado e a Minas Arena com garantia de lucro para a concessionária.

    A reforma, que tinha a previsão de consumir R$ 400 milhões, custou, ao final das contas, mais de R$ 770 milhões. No contrato, constam ausência de licitação, superfaturamento, jogo de planilhas (manipulação de aditivos), pagamentos antecipados etc. Basta lembrar que um escritório de arquitetura foi contratado por R$ 18 milhões, sem licitação. À época das denúncias, o Minas Sem Censura representou no Ministério Público Estadual, mas nenhuma resposta foi apresentada.

    E ao contrário do que a mídia quer impor às ruas, não há um centavo do Orçamento da União direcionado à construção ou reforma das arenas para a Copa. Nota assinada pelo ministérios do Esporte e do Planejamento, Orçamento e Gestão, afirma que todos os investimentos públicos do Governo Federal para a preparação da Copa 2014 são em obras estruturantes que vão melhorar em muito a vida dos moradores das cidades. São obras de mobilidade urbana, portos, aeroportos, segurança pública, energia, telecomunicações e infraestrutura turística.

    Agora, no calor das manifestações que cobram explicações para os gastos com os estádios que receberão a Copa do Mundo, os deputados do Bloco Minas Sem Censura esperam o apoio que precisam para exigir do Governo de Minas uma resposta à sociedade.

    ResponderExcluir
  78. (24/06/2013)

    Nosso falante senador tucano, escrevinhador das segundas-feiras no jornal Folha de São Paulo, está com todos os cuidados ao tratar das manifestações. Nesse sentido, seu texto é totalmente “embromation”.

    Tentando despejar todas as insatisfações das ruas nas costas do governo federal, ele e a mídia tucana interpretam, a seu modo, aquilo que mais lhes interessa.

    Interpretar é diferente de compreender.

    E eles, tucanos e tucanóides, compreendem muito bem a gravidade do fenômeno, por isso estão apreensivos.

    Primeiro, manifestantes criticam e enxergam corrupção nos três poderes (legislativo, Judiciário e Executivo) e nas três unidades da Federação (municípios, estados e União). Logo, não há garantias de que ele, seus amigos “privatas”, Azeredo e seu mensalão ficarão imunes à justa exigência de moralidade que está posta nas ruas.

    Segundo, no plano estadual, a herança de seus governos, sua pífia atuação no senado e seu sucessor Anastasia revelam todas as mazelas que estão sendo questionadas nos protestos: educação, saúde e segurança sucateadas. Apadrinhamento de políticos aliados com cargos no governo (incluindo aí uma prima de Carlos Cachoeira). E o escandaloso caso da Rádio Arco-Íris, ponta do fio do novelo que leva à ocultação de patrimônio, sonegação fiscal e improbidade administrativa.

    Terceiro, temos a rejeição, total ou parcial (a depender do público) a todas as instituições da República, seus poderes, partidos, sindicatos, associações e – também – à imprensa. Nenhuma pesquisa coloca Aécio como beneficiário de nenhum dos protestos de rua. Ele perde – em todas as sondagens - para Dilma, inclusive na avenida Paulista, na capital do Estado de São Paulo.

    Isso tudo faz com Aécio Neves e Antônio Anastasia coloquem as barbas de molho. Ambos são responsáveis pela “tesourada” nos gastos com saúde no estado (4,3 bilhões, como calcula o próprio MP), pelo desfalque nos gastos com a educação e pelo recente endividamento de Minas Gerais que agrava, mais ainda, a frágil economia do estado.

    Nada disso ficará impune.

    Por isso, o ex-governador e seu sucessor em Minas Gerais não estão dormindo.

    Como duas baratas tontas entraram na justiça para impedir manifestações populares e democráticas. São derrotados no STF e depois dizem que são favoráveis às manifestações.

    O grito que vem das ruas tira o sono de todas as lideranças políticas. No caso de Aecinho e Anastasia, ambos devem orar todas as noites e todas as manhãs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso começou em SP, instigado pelo psdb e era para ser tão somente onde o Haddad é prefeito por 20 centavos do ônibus, só que os tucanalhas perderam o controle das coisas e se espalhou. ENTENDEU? OU QUER QUE EU DESENHE. Não preciso ser um cientista político para ver isso. Tem dó que povo que não pensa...

      Excluir


  79. Home
    Notícias
    Artigos
    Informativos
    Notas à imprensa
    Indique
    Fale Conosco


    Na sua opinião, Minas Gerais é um estado que sofre com a censura seja política ou de imprensa?

    Sim - São omitidos fatos na imprensa nacional, visando não divulgar a realidade da Capital e do Estado.
    Não - Todas as informações são repassadas à população prestando o real esclarecimentos da realidade do Estado.

    O médico e professor Giovano Iannotti, que participou com a esposa - também médica - das manifestações do último sábado (22/06), em Belo Horizonte, fez um relato dos momentos de angústia e tensão que passaram durante atendimentos a vítimas de violência no protesto. Eles foram preparados para isso: levaram na mochila alguns elementos básicos para pequenos ferimentos. Dentro do campus da UFMG, improvisaram um pronto-socorro.

    Giovano Iannotti conta que nos atendimentos mais graves em que era necessária a ajuda dos policiais do governo de Minas, todas as tentativas foram em vão. Em um dos casos, “a resposta foi uma arma apontada contra meu peito. Pedi para falar com algum oficial, mas a PM recomeçou a atirar”, disse.

    O médico discorre sobre vários momentos em que tentavam socorrer vítimas em estado grave e sempre os policiais apontavam suas armas e gritavam para que fossem embora. Os ataques foram tantos que, certa hora, eles tiveram que abandonar uma vítima que morria e buscar refúgio.

    “Sem leviandade, acredito que vários dos provocadores eram militares infiltrados”, disse Iannotti. Para o médico, “nada há de espontâneo no que está ocorrendo e não é à toa que os meios de comunicação têm promovido e estimulado a agressividade e a multiplicidade de slogans e bandeiras. Não é verdade que não haja líderes nessas manifestações. Os líderes estão nas sombras, colhendo os frutos das últimas tecnologias. São discretos”, afirmou Giovano Iannotti, que diz ter uma certeza: “querem jogar um cadáver no colo da presidenta Dilma”.

    Leia a íntegra do depoimento: http://migre.me/fa59j

    ResponderExcluir
  80. Hoje em dia 26/06/2013

    Postura de Anastasia sobre protestos leva curso de Direito da UFMG a retirar medalha do governador.

    ResponderExcluir
  81. Aumento para os professores?!?!?!?!?! 2016
    Kd o nosso Sindicato?!?!?!?!??
    Kd o STF ?!?!?!?!?!?!?!?

    ResponderExcluir
  82. Não sei o que está acontecendo com os professores.O povo nas ruas gritando por saúde ,educação,transporte e os professores morrendo de trabalhar receosos com corte do dia.Se passar pelo governo,não sobra nada p investir na carreira ou salário do professor.Fica no passe livre,cursos,quadras,computadores onde falsas licitações facilitam o desvio da verba.Professores,vamos aderir como os estudantes levantando nossa bandeira do piso. PATRICIA BH

    ResponderExcluir
  83. Alguém sabe dizer das bombas que vem por aí do Anastasia para os professores.

    ResponderExcluir
  84. Entrem neste link e votem no melhor cartaz apresentado nos campos de futebol. Eu votei neste, que até o momento está no 2º lugar:
    Acorda, Brasil!
    Um professor vale mais que um Neymar.

    http://copadomundo.uol.com.br/enquetes/album-enquete.htm?idEnquete=9840&voto=9

    ResponderExcluir
  85. QUERIDOS COLEGAS,SE NÃO HAVER NEGOCIAÇÃO COM O GOVERNO PARA MELHORIA NA EDUCAÇÃO E NOS DEMAIS SETORES IREMOS FAZER PIOR NOS JOGOS DA COPA! AGUARDEM POR QUE O POVO NÃO TEM MEDO,QUEREMOS UM BRASIL JUSTO SEM ROUBALHEIRAS. QUE ESSES POLÍTICOS ACORDEM PORQUE O GIGANTE JÁ ACORDOU! VAMOS PRA LUTA AQUELAS PESSOAS QUE AINDA ESTÃO DE BRAÇOS CRUZADOS, ACORDA GENTE A HORA É AGORA !!!

    ResponderExcluir
  86. ESTE GOVERNADOR DE MINAS GERAIS É MUITO CARA DE PAU, ELE ESTÁ ACHANDO QUE AS MANIFESTAÇÕES NÃO DIZEM RESPEITO AO GOVERNO DELE, QUE OS MINEIROS ESTÃO INDO À RUA SÓ POR CAUSA DA DILMA, É QUERER SE ENGANAR DEMAIS!


    PUNIÇÃO EXEMPLAR

    Anastasia elogia protesto e diz para manifestantes ficarem longe dos bandidos {Veja só elogiando protestos, ele se acha mesmo acima do bem e do mal]

    O governador disse que pessoas que cometem atos de vandalismo devem e irão ser punidas exemplarmente

    PUBLICADO EM 26/06/13 - 20h56
    JULIANA BAETA

    Após a dispersão de cerca de 60 mil manifestantes na avenida Antônio Carlos, nesta quarta-feira (26), o governador de Minas, Antonio Anastasia, falou sobre o ocorrido.

    Ele falou que os responsáveis pelo incêndio na concessionária Kia são dois adolescentes que, inclusive, filmaram a ação. Segundo o governador, os menores estão presos e a filmagem é a prova do crime. O caso está sendo apurado. "Pessoas que cometem estes atos, maculando uma manifestação pacífica, devem ser punidas exemplarmente".

    O governador também teceu elogios à manifestação, dizendo que o protesto é positivo e que é necessário mesmo "tirar a poeira destes temas", e que todos que tem responsabilidade e boa fé estão preocupados e perceberam o grito nas ruas do Brasil a favor de uma mudança mais rápida.

    Ainda segundo Anastasia, o pacto feito entre manifestantes e polícia foi cumprido. Mas que estes "bandidos" não podem continuar cometendo ações criminosas e maculando o movimento. Ele também disse que o vandalismo foi triste, mas que a manifestação foi bonita e pacífica, e que o jogo do Brasil também foi um espetáculo muito bonito, e contou com cerca de 60 mil pessoas dentro do estádio.

    O governador pediu aos manifestantes serenidade e apoio à PM coibir o vandalismo. Além disso, ele também alertou as pessoas para que, durante os protestos, fiquem longe dos bandidos.

    ResponderExcluir
  87. Elogiando protestos!! é muito cínico, primeiro entra na justiça para proibi-los, a justiça determina a liberdade de expressão, ele vem agora posando de democrático e se dizendo a favor das manifestações. Ele está se considerando o rei da cocada branca, mas não é nem da branca e nem da preta.

    ResponderExcluir
  88. Tiraram o programa do Marcelo Rezende do ar no Leste de Minas. Ele e o comandante Hamilton, faziam uma cobertura favorável às manifestações nas ruas, inclusive de BH. Colocaram no lugar um jornalista radical e reacionário. Tem dedo do governador nisso?! Já pedi informação no site da Record. Inclusive eles já perderam audiência com certeza, porque ninguém aguenta o jornalismo que estão apresentando lá, dando ênfase ao vandalismo, e exigindo que a polícia haja com máxima autoridade nas ruas, ou seja, haja com truculência. Como está a programação na região de vocês??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui em BH está normal.Marcelo rezende no arrrrrrrrrrr.

      Excluir
  89. MAS UMA IDÉA NOSSA QUE DEU BONS FRUTOS:Subcomandante Marco ‏@marcaoifcs 2 min

    Faltam 4 dias para o boicote de um dia sem Rede Globo, participe: http://www.facebook.com/events/393284677455765/ … … … … … / #AbaixoRedeGloboPovoNaoéBobo

    ResponderExcluir