domingo, 7 de novembro de 2010

Um receituário para o governo Dilma


Após a maravilhosa derrota da direitona xenófoba e babaca (é quase um pleonasmo dizer assim: direitona e xenófoba e babaca, mas, vá lá); e com a vitória acachapante de Dilma Rousseff, primeira mulher e ex-guerrilheira a ocupar a presidência da República no Brasil, vamos traçar aqui um pequeno receituário. O blog, tal como seu editor, tem essa mania, de querer estabelecer objetivos concretos a alcançar.

Como dissemos anteriormente, o governo Dilma não é um governo revolucionário, que rompe com o capitalismo, dissolve o parlamento burguês e transfere o poder para os trabalhadores auto-organizados. Quando esse momento chegar, não será por obra de concessão de um governo, mas pela conquista dos de baixo. Na luta! Tal como disse o amigo Rômulo, que é mais novo que eu, muito provavelmente não estarei mais presente em corpo quando tal revolução acontecer. Em alma, talvez. Se, por generosidade, for poupado pelas forças do além.

Mas, antes de entrar no meu receituário para o governo Dilma, não posso deixar de tecer mais algumas palavras para uma certa juventudezinha envelhecida e envilecida, mentalmente entorpecida, que destila seu ódio contra os irmãos nordestinos, valentes, intrépidos, conhecidos como os mais aguerridos filhos de um território ocupado chamado Brasil. Que vibrem de orgulho os herdeiros de Zumbi dos Palmares, dos heróis malês, das muitas revoltas baianas e pernambucanas, dos Carlos Marighellas e tantos outros e outras combatentes do Norte e do Nordeste do Brasil. Devemos render muitas homenagens a essa brava gente!

A parcela empobrecida mentalmente de jovens da classe média frustrada e mal resolvida pela concorrência do mercado se revolta contra os oprimidos, sejam eles os nordestinos aqui no Brasil ou, na Europa e EUA, para com os africanos, ou asiáticos ou latino-americanos. É a base social de candidaturas da direita, como a do Vampiro Serra. Do nazi-fascismo, da Opus Dei, das igrejas evangélicas tipo Malafaia e congêneres - sem querer generalizar. Felizmente, a maioria da população tem sonhos, tem projetos de resistência, de luta e de solidariedade, ao contrário dessa gente mesquinha e infeliz que se revolta cinicamente contra os irmãos - bravos guerreiros - do Nordeste.

Retomo agora o receituário proposto, com alguns tópicos de sugestão para o governo Dilma:

1) Investimento crescente no social: Educação pública de qualidade para todos - especialmente através de uma remuneração digna para os educadores -, saúde pública de qualidade - igualmente com a valorização dos profissionais da saúde, inclusive com a recriação da CPMF se necessário, priorizando a cobrança dos mais ricos e excluindo
desta nova CPMF quem receba até 05 salários mímimos ; sanemaneto básico e moradia popular em larga escala e de forma subsidiada para as famílias de baixa renda.

Dilma deve investir somas crescentes nestes itens, especialmente na Educação e na saúde, como forma inclusive de manter uma base social de apoio contra o golpismo da mídia e das forças que se juntaram ao Vampirão. Não tenhamos ilusão em relação aos setores atrasados e de direita: eles preparam golpes de estado a cada momento.

2) Aumentos reais do salário mínimo, sempre acima da inflação, para que haja uma política de distribuição de renda. Dilma deve estabeleer um plano de aumento do salário mínimo que assegure as condições dignas de sobrevivência dos trabalhadores e aposentados que recebam até três mínimos.

3) Reforma agrária com política de assentamento que garanta a sobrevivência dos sem-terra no campo de forma digna. Valorizar os assentamentos, os pequenos camponeses, as cooperativas de sem-terra e assalariados, a agricultura familiar, voltada para o mercado interno. Para estes setores, financiamento sem cobrança de juros, com subsídio do estado e investimentos na tecnologia, na educação, saúde, etc. As ocupações devem ser tratadas como problema social a ser resolvido com política social, e não com polícia, e menos ainda com a Justiça que favorece o agronegócio e o latifúndio.

4) Democratização dos meios de comunicação, com a concessão de TVs e rádios para as comunidades, entidades sindicais, movimentos sociais e grupos autônomos ligados às lutas sociais. Investimento publicitário das estatais prioritariamente para as TVs e rádios públicas e para as iniciativas que valorizem a produção da cultura regional. Ampliação da banda larga para toda a comunidade, a preço popular, juntamente com a comercialização de computadores subsidiados para as famílias de baixa renda.

5) Assegurar às famílias de baixa renda, além do Bolsa-Família com valor mais elevado - o ideal seria pelo menos 60 ou 70 por cento do salário mínimo -, a isenção de taxas de água, luz e telefone social. Além disso, garantir cursos de formação profissional ligados às demandas regionais.

6) Política de segurança pública, com a valorização dos profissionais dessa área e com foco numa segurança voltada para proteger os de baixo contra os permantentes golpes dos de cima. Uma política social crescente nos bairros populares, combinada com uma segurança comunitária, poderá garantir uma qualidade de vida que hoje não existe. O domínio de grupos de traficantes e pára-militares é uma expressão reduzida - e ampliada ao mesmo tempo - do domínio que grupos de rapina, de colarinho branco, exercem sobre os instrumentos de poder nas altas esferas da república.

7) Redução dos juros bancários para o crédito ao consumidor e do superávit primário, acabando com a política neoliberal herdada da era FHC. Não podemos permitir que permaneça essa transferência de renda das famílias de baixa renda para os banqueiros e para o grande capital em geral. Ao lado disso, uma reforma tributária que amplie a cobrança de impostos diretos dos mais ricos e reduza a cobrança indireta sobre os produtos básicos. Isso representaria queda no preço da cesta básica e consequente valorização dos salários.

Estes são apenas alguns pontos do receituário inicial deste blog. Sei que há muitos outros temas, como o transporte coletivo, a valorização da arte e da cultura, etc, que devem ser também considerados. Além, é claro, de políticas de valorização dos servidores públicos em todas as esferas da União. Em outra oportunidade trataremos destes e de outros temas. Num primeiro momento, contudo, estaria de bom tamanho se as metas acima fossem realizadas.

* * *

Incorporo ao texto central o comentário da nossa combativa colega professora Ivone.

"Ivone:

Olá professor Euler.

A princípio, sempre na torcida para todos eleitos fazerem bom governo ( em MG é meio difícil sonhar!!!).Mas, quanto pior o governo pior para todos. Então,torcer sempre para o MELHOR para todos. E no caso de MG, também preparar para o que virá, que não será nem surpresa...infelizmente, para nós professores.

Lendo seus posts..me lembra a música famosa do Jhon Lennon...

"You may say I'm a dreamer,
but Im not the only one,
I hope some day you'll join us,
And the world will live one..."

Que não se perca jamais essa capacidade de sonhar...vc e seus amigos e colegas!!!

Boa semana para todos!!! Abraços.
"

6 comentários:

  1. PRIMEIRO, EULER, A DILMA TERÁ QUE SE PREOCUPAR EM ONDE COLOCAR TANTO ALIADO. SERÃO NECESSÁRIOS MAIS 21 MINISTÉRIOS PRA CABER TANTO ALIADO!!! RSRSRS. MAS TOMARA QUE ELA FAÇA UMA EXCELENTE GESTÃO!!!

    ResponderExcluir
  2. Olá professor Euler.
    A princípio, sempre na torcida para todos eleitos fazerem bom governo ( em MG é meio difícil sonhar!!!).Mas, quanto pior o governo pior para todos. Então,torcer sempre para o MELHOR para todos. E no caso de MG, também preparar para o que virá, que não será nem surpresa...infelizmente, para nós professores.
    Lendo seus posts..me lembra a música famosa do Jhon Lennon..."You may say I'm a dreamer,
    but Im not the only one,
    I hope some day you'll join us,
    And the world will live one..."
    Que não se perca jamais essa capacidade de sonhar...vc e seus amigos e colegas!!!
    Boa semana para todos!!! Abraços

    ...

    ResponderExcluir
  3. Acabo de ler uma "coluna" no jornal O TEMPO, supra-sumo do preconceito....estou em dúvida se o texto diz o que eu entendi mesmo...ou eu perdi toda minha capacidade de leitura!!!
    http://www.otempo.com.br/otempo/colunas/?IdColunaEdicao=13346&busca=Walter%20Navarro%2005%2F11%2F2010&pagina=1
    Verifique por vc mesmo!!! e me diga...isso é jornalismo...isso é jornal????
    Ivone

    ResponderExcluir
  4. Euler, bom dia. Achei o seu texto muitissimo interessante.Como diria a juventude, bem bolado. O seu blog bem integrado, e de leitura fácil. Parabéns. estou lhe convidando a visitar o meu blog e se possivel seguirmos juntos por eles Estarei grato esperando por vc, lá. Abraços
    www.josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Terminada as eleições, fica a ressaca de um processo morno e vazio de qualquer sentido democrático e popular.

    Ocorreu de tudo nesse último pleito. Figuras de proa do Estado se lançaram a fazer lamúrias e pedidos aos eleitores para que não deixassem de votar, que não viajassem no feriado, etc. Já se vai longe o tempo da propaganda da "festa da democracia", quando quase não era necessário fazer os convites. Mais do que nunca uma campanha marcada pela frivolidade, "despolitização", abuso e apelos aos instintos mais baixos.

    Eis o discurso de posse de Dilma Rousseff. A verborragia demagógica de erradicar a pobreza, ela sabe muito bem ser isto impossível nos marcos do sistema a que se vendeu, não mexer nos programas sociais (caritativos), criar empregos, etc...

    No Brasil sem marqueteiros, as massas trabalhadoras elevam sua consciência e constroem suas fortalezas, cavam suas trincheiras. Se é certo que ainda há muitas pessoas que se deixam levar por apelos emocionais ao voto, há cada vez mais gente que boicota esse processo farsante.

    É hora de ligar o alerta. Lembrar que Collor jurou de pés juntos que não mexeria na poupança.

    ResponderExcluir
  6. João Paulo Ferreira de Assis11 de novembro de 2010 20:40

    Prezado amigo Professor Euler:

    Andei ausente por uns tempos. De vez em quando é bom conceder-se um tempo. Infelizmente essa juventude envelhecida e envilecida é uma realidade principalmente em Belo Horizonte. E o que é mais espantoso, é que a juventude que mostra preconceito é oriunda do povo, pois enquanto o ensino público e gratuito da UFMG fica para as elites, o ensino particular e pago da PUC-MG fica para os alunos do povão. Pois bem, em janeiro, estava eu cursando mais um PREPES na minha vida, quando, conversando com um aluno (suponho que do Direito, que é o maior ninho de reacionários de direita que existe no meio universitário)ele começou a criticar a política social do governo Lula, e falou até em bolsa pqp (ele disse a palavra toda, por extenso).
    Quanto ao Walter Navarro, já esperava isso dele, afinal ele já chamou a minha cidade, Ressaquinha, de cidade que fede. Não posso esquecer que a família dele, em Barbacena, combateu ferozmente a criação do Ginásio Estadual de Ressaquinha, em 1965 (hoje EE Galdino Ananias de Santana, nome do avô paterno do Patrús Ananias). Primeiro foram pressionar os deputados. Não conseguiram. Foram no Magalhães Pinto. E conseguiram que ele não assinasse a criação. Só que não contavam com a reação de Dom Oscar de Oliveira, Arcebispo de Mariana (tido por muitos como reacionário) que mandou um ultimatum para o Governador, que entre perder o apoio da família Navarro e o da Igreja Católica, preferiu perder o apoio da família. Não desistiram. A instalação foi marcada para o dia 10 de janeiro de 1966, e o Ginásio seria instalado pelo Dr. Bonifácio José Tamm de Andrada (pai do deputado Lafayette Andrada). O Dr. Bonifácio foi avisado que em Ressaquinha, ''nada e nem ninguém o esperavam''. E no entanto, todos os próceres estavam lá, inclusive o Cônego Nélson (celebrizado por Roberto Drummond em Hilda Furacão). Avisado, chegou em Ressaquinha e aos quatro minutos do dia 11 de janeiro de 1966 o Dr. Bonifácio Andrada declarou instalado o Ginásio Estadual de Ressaquinha. NOTEM BEM: INSTALADA DE MADRUGADA.
    Cordialmente, João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir