sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O debate e as conquistas...


20 de novembro: Dia da Consciência Negra
Clique na imagem e veja o cartaz do Sind-UTE-MG


* * *

O post abaixo, como tem acontecido com os demais posts deste blog, foi enriquecido pelo debate fraterno e demais comentários dos colegas de luta Graça Aguiar, Rômulo, Luciano História, Anônimo de Uberlândia e outra Anônima. Impressionante como a qualidade dos comentários faz toda a diferença nos espaços da blogosfera - e não apenas aqui.

As divergências de opinião, pelo menos aqui no blog, como são originadas de pessoas que gravitam numa mesma situação social - os de baixo -, quase sempre acabam encontrando pontos convergentes, mesmo guardando as diferenças ideológicas ou de enfoque.

No geral, ou melhor, no frigir dos ovos, pelas condições objetivas a que estamos envolvidos, acabamos por nos encontrar no mesmo lado da trincheira, aquela que separa os assalariados-explorados dos poucos que detêm as riquezas produzidas por todos nós.

Há uma turma cada vez mais isolada, que não frequenta este blog, felizmente, que ainda alimenta enormes preconceitos em relação aos pobres. É o caso daquele ridículo comentarista da RBS-Globo de Santa Catarina, que teve a cara de pau de culpar os pobres pelo aumento dos acidentes de trânsito no feriado. Pelo fato de que parcela da população de baixa renda esteja adquirindo automóvel. Esqueceu
de dizer o infeliz que, além de andar de carro, nós agora estamos com mania de andar de avião, também.

No calor do debate do post abaixo, uma visitante Anônima nos lembrou que temos conquistas alcançadas pela nossa maravilhosa revolta dos 47 dias a comemorar e outras a esperar e a cobrar. É fato. A participação do Sind-UTE no processo de Certificação como primeiro passo para eleição dos novos diretores de escola; a ampliação do percentual para 20% das pessoas com direito a férias-prêmio, além do novo salário de R$ 1.320,00 para janeiro de 2011, entre outros.

Certamente há muitos outros pontos a discutir e a conquistar, como: o correto posionamento dos servidores da Educação com base no tempo de serviço prestado; o retorno de percentuais de promoção e progressão do atual plano de carreira; a questão das 30 horas e sua aplicação; o terço de tempo extraclasse, o concurso público, etc. São demandas que serão cobradas do governador reeleito.

A par disso, temos também demandas a cobrar da nova presidenta da República Dilma Rousseff, que este blog ajudou a eleger para derrotar a candidatura da extrema-direita e garantir a permanência e a ampliação de políticas sociais em favor dos de baixo. Além disso, Dilma se comprometeu a tratar como prioridade a questão da Educação pública de qualidade para todos, especialmente o item salário mais digno para os educadores. Vamos cobrar, claro.


No mais, não deixem de acompanhar a extensa lista de blogs que indicamos na coluna aí ao lado. Ultimamente, as boas informações têm sido produzidas pela blogosfera e não pela mídia a serviço dos governos e das grandes empresas e negociatas outras. Felizmente, este espaço - o da Internet - ainda está preservado do controle exercido pela minoria rica que detém as riquezas que nós produzimos.


* * *

Incorporo ao texto central os comentários abaixo.

"Luciano História
:

Vai ter ou não vai ter concurso? esta é a primeira questão,cargo de 30 é a segunda questão, posicionamento na tabela do subsídio de acordo com sua letra por tempo de serviço é a terceira,respeitar 1/3 de extra-classe no cargo de 24 a quarta.É colega Euler, estamos terminando 2010 com uma serie de indefinições e problemas para 2011. "

* * *

"Wanderson Rocha:

Olá, Euler Conrado,

Escrevi um texto sobre o site Educar para Crescer. Caso ache interessante divulgue:

http://coletivofortalecer.blogspot.com/
"

* * *

"Rômulo:

Realizamos uma combativa e histórica greve no primeiro semestre de 2010 para alcançarmos uma recomposição salarial decente e digna. Nos lembramos muito bem de nossa principal reivindicação econômica: PISO SALARIAL DE R$1320,00 (orientados pelo valor apontado pela LEI DO PISO corrigida em 2010) e CARGA HORÁRIA SEMANAL DE 24HS, SENDO 1/3 EXTRA-CLASSE.

Apontamos com clareza o que é PISO.

Não lutamos para ter subisidio (teto salarial) e muito menos aumentar nossa carga horária e menos ainda mexer em nossa carreira para pior.

O Estado Podre locupletou-se da situação. Eu, juntamente com outros companheiros(as), defendi veementemente na ultima reunião do Comando Geral de Greve não aceitar o acordo (projeto de Lei do Subisidio enviada a ALMG) com o Estado em troca da suspensão da greve.

Respeitamos a decisão da maioria.

Houve um bom combate na ALMG. De acordo com a correlação de forças possível, conseguimos algumas melhoras no projeto.

Contudo, na luta contra o capital, precisamos ganhar mais, trabalhar menos para trabalhar melhor.

Não podemos nunca subestimar nossas forças.

Essa proposta de 30 horas do Estado é pura sacanagem. Ele sabe que a categoria precisa ganhar mais e praticamente a "obriga" a trabalhar mais e ainda por cima vem com a demagogia de opção. Que mané opção o quê! Se fosse opção mesmo, fariam um plebscito com a categoria para escolher a mais justa carga horário de trabalho.

Mais luta pela frente para os trabalhadores em educação de MG: Carga horária e salários justos!

Quanto ao concurso a posição é clara. Foi conquista da nossa greve (assinada e protocolada) que não foi cumprida pelo Estado. É preciso ter memória de elefante e cobrar com juros e correção monetária (desculpe os termos capitalistas).

O cenário para 2011 é de muita luta. O único dialogo que o governo do Filhote do Faraó e seus asseclas entendem é o da greve, da pressão, da categoria nas ruas junto com a sociedade.

E esse momento de fim de ano é de mobilização e esclarecimentos. Existe uma cortina de fumaça a frente da categoria. São muitas dúvidas referentes aos temas muito bem levantados pelo camarada Luciano no comentário acima.

Avante, Companheiros (as)!
"


"Anônimo:

Lendo os comentários vejo que as dúvidas são as mesmas, e quase não se fala sobre eles na escola, o site do sindute também não esclarece, será que tem uma comissão que reune com os secretários do Anastasia para cobrar os acordos? Será que só o ano que vem é que teremos assembleias? Acho que está tudo muito parado e calado.
"


"Luciano História:

Colega Rômulo,me permita discordar de só um ponto que você colocou, que é justamente o cargo de 30.Atualmente temos vários professores de matemática, português e do ensino infantil que trabalham 20 horários em sala de aula e só recebem por 24 aulas, esse cargo pelo menos iria corrigir uma grande injustiça que já ocorre.Outro ponto positivo do cargo de 30 é justamente no caso dos colegas que só possuem um cargo ou que optaram em trabalhar com apenas um cargo( o Euler por exemplo).Concordo que com dois cargos (24 e 30) a carga horária se torna abusiva e pouco produtiva, o ideal era o cargos únicos de 40 e 30 horas ou pelo menos 2 de 20 respeitando o 1/3 extra classe em todos eles.
"

7 comentários:

  1. Vai ter ou não vai ter concurso? esta é a primeira questão,cargo de 30 é a segunda questão, posicionamento na tabela do subsídio de acordo com sua letra por tempo de serviço é a terceira,respeitar 1/3 de extra-classe no cargo de 24 a quarta.É colega Euler, estamos terminando 2010 com uma serie de indefinições e problemas para 2011.

    ResponderExcluir
  2. Realizamos uma combativa e histórica greve no primeiro semestre de 2010 para alcançarmos uma recomposição salarial decente e digna. Nos lembramos muito bem de nossa principal reivindicação econômica: PISO SALARIAL DE R$1320,00 (orientados pelo valor apontado pela LEI DO PISO corrigida em 2010) e CARGA HORÁRIA SEMANAL DE 24HS, SENDO 1/3 EXTRA-CLASSE.

    Apontamos com clareza o que é PISO.

    Não lutamos para ter subisidio (teto salarial) e muito menos aumentar nossa carga horária e menos ainda mexer em nossa carreira para pior.

    O Estado Podre locupletou-se da situação. Eu, juntamente com outros companheiros(as), defendi veementemente na ultima reunião do Comando Geral de Greve não aceitar o acordo (projeto de Lei do Subisidio enviada a ALMG) com o Estado em troca da suspensão da greve.

    Respeitamos a decisão da maioria.

    Houve um bom combate na ALMG. De acordo com a correlação de forças possível, conseguimos algumas melhoras no projeto.

    Contudo, na luta contra o capital, precisamos ganhar mais, trabalhar menos para trabalhar melhor.

    Não podemos nunca subestimar nossas forças.

    Essa proposta de 30 horas do Estado é pura sacanagem. Ele sabe que a categoria precisa ganhar mais e praticamente a "obriga" a trabalhar mais e ainda por cima vem com a demagogia de opção. Que mané opção o quê! Se fosse opção mesmo, fariam um plebscito com a categoria para escolher a mais justa carga horário de trabalho.

    Mais luta pela frente para os trabalhadores em educação de MG: Carga horária e salários justos!

    Quanto ao concurso a posição é clara. Foi conquista da nossa greve (assinada e protocolada) que não foi cumprida pelo Estado. É preciso ter memória de elefante e cobrar com juros e correção monetária (desculpe os termos capitalistas).

    O cenário para 2011 é de muita luta. O único dialogo que o governo do Filhote do Faraó e seus asseclas entendem é o da greve, da pressão, da categoria nas ruas junto com a sociedade.

    E esse momento de fim de ano é de mobilização e esclarecimentos. Existe uma cortina de fumaça a frente da categoria. São muitas dúvidas referentes aos temas muito bem levantados pelo camarada Luciano no comentário acima.

    Avante, Companheiros (as)!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Euler Conrado,
    Escrevi um texto sobre o site Educar para Crescer. Caso ache interessante divulgue:
    http://coletivofortalecer.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Lendo os comentários vejo que as dúvidas são as mesmas, e quase não se fala sobre eles na escola, o site do sindute também não esclarece, será que tem uma comissão que reune com os secretários do Anastasia para cobrar os acordos? Será que só o ano que vem é que teremos assembleias? Acho que está tudo muito parado e calado.

    ResponderExcluir
  5. Colega Rômulo,me permita discordar de só um ponto que você colocou, que é justamente o cargo de 30.Atualmente temos vários professores de matemática, português e do ensino infantil que trabalham 20 horários em sala de aula e só recebem por 24 aulas, esse cargo pelo menos iria corrigir uma grande injustiça que já ocorre.Outro ponto positivo do cargo de 30 é justamente no caso dos colegas que só possuem um cargo ou que optaram em trabalhar com apenas um cargo( o Euler por exemplo).Concordo que com dois cargos (24 e 30) a carga horária se torna abusiva e pouco produtiva, o ideal era o cargos únicos de 40 e 30 horas ou pelo menos 2 de 20 respeitando o 1/3 extra classe em todos eles.

    ResponderExcluir
  6. João Paulo Ferreira de Assis22 de novembro de 2010 11:22

    Prezado amigo Professor Euler

    Queira desculpar-me a extrapolação, mas para o nosso próprio bem, é preciso que se leia a edição on-line de O Tempo, sobre a inconveniência de os pais brigarem na frente dos filhos, pois causa um grande trauma na criança, que se torna violenta e agressiva na escola. E muitas vezes nós levamos as sobras de uma briga conjugal entre os pais dos nossos alunos. Numa reunião de pais e mestres, alertei aos pais para que não brigassem perto dos seus filhos, pois além de causar sofrimento para eles intervia no comportamento deles na escola.
    Não só devemos ler, mas espalhar para ver se acabamos com essa cultura da violência.

    ResponderExcluir
  7. Caro anônimo,
    Haverá encontro de representantes de escolas, hoje, dia 24/11, às 18:00 horas na sede da cut, rua Curitiba, 786, 2an, centro, BH. Portanto, convide mais pessoas e vá a esse encontro esclarecer as suas dúvidas. É importante buscar as informações e repassá-las de forma fidedigna para o maior número de pessoas, para que juntos, possamos delinear uma nova estratégia de luta.

    ResponderExcluir