domingo, 18 de novembro de 2012

"A cobertura da mídia sobre Gaza: nós sabemos!"

   Os palestinos estão sendo massacrados pela máquina de guerra de Israel. A mídia nacional e internacional, com raras exceções, presta o serviço sujo de distorcer o que acontece naquele território. Um verdadeiro genocídio contra os palestinos. Israel, como se sabe, não é propriamente um país, mas um posto avançado de guerra a serviço da política imperialista dos EUA, cujo governo, serviçal de poderosos grupos econômicos, nada mais faz do que destruir povos em busca de riquezas - petróleo, terra, água, etc, que deveriam pertencer a toda a humanidade, e não a alguns poucos. Transcrevemos a seguir uma crítica dessa política criminosa, feita inclusive por intelectuais judeus, como Noam Chonsky, que não aceitam a manipulação praticada pela chamada mídia corporativa, que é parte fundamental no esquema de dominação dessa elite dominante cruel, desumana e sanguinária.

   Um forte abraço a todos, força na luta, e bom final de domingo!

***

A cobertura da mídia sobre Gaza: nós sabemos!


Do sítio Vermelho:

Em texto manifesto, linguistas denunciam a manipulação do notíciário pela grande imprensa para camuflar o massacre do povo palestino, apelam a jornalistas para que não sirvam de joguetes e para que as pessoas se informem pela mídia independente. Entre os signatários, Noam Chomsky. Confira a íntegra.


Enquanto países na Europa e América do Norte relembravam as baixas militares das guerras presentes e passadas, em 11 de Novembro, Israel estava alvejando civis. Em 12 de novembro, leitores que acordavam para uma nova semana tiveram já no café da manhã o coração dilacerado pelos incontáveis relatos das baixas militares passadas e presentes.

Não havia, porém, nenhuma ou quase nenhuma menção ao fato de que a maioria das baixas das guerras modernas de hoje são civis. Era também difícil alguma menção, nessa manhã de 12 de novembro, aos ataques militares à Gaza, que continuaram pelo final de semana. Um exame superficial comprova isso na CBC do Canada, Globe and mail, na Gazette de Montreal e na Toronto Star. A mesma coisa no New York Times e na BBC


De acordo com o relato do Centro Palestino para os Direitos Humanos (PCHR, pela sigla em inglês) de domingo, 11 de Novembro, cinco palestinos, entre eles três crianças, foram assassinados na Faixa de Gaza, nas 72 horas anteriores, além de dois seguranças. Quatro das mortes resultaram das granadas de artilharia disparadas pelos militares israelenses contra jovens que jogavam futebol. Além disso, 52 civis foram feridos, seis dos quais eram mulheres e 12 crianças. (Desde que este texto começou a ser escrito, o número de mortos palestinos subiu, e continua a aumentar.)


Artigos que relatam os assassinatos destacam esmagadoramente a morte de seguranças palestinos. Por exemplo, um artigo da Associated Press publicado no CBC em 13 de novembro, intitulado "Israel estuda retomada dos assassinatos de militantes de Gaza", não menciona absolutamente nada de civis mortos e feridos. Ele retrata as mortes como alvos "assassinados". O fato de que as mortes têm sido, na imensa maioria, de civis, mostra que Israel não está tão engajado em "alvos" quanto em assassinatos "coletivos". Assim, mais uma vez, comete o crime de punição coletiva.


Outra notícia de AP na CBC de 12 de novembro diz que os foguetes de Gaza aumentam a pressão sobre o governo de Israel. Traz a foto de uma mulher israelense olhando um buraco no teto de sua sala. Novamente, não há imagens, nem menção às numerosas vítimas sangrando ou cadáveres em Gaza. Na mesma linha, a manchete da BBC diz que Israel é atingido por rajadas de foguetes vindos de Gaza. A mesma tendência pode ser vista nos grandes jornais da Europa.


A maioria esmagadora das noticias enfatizam que os foguetes foram lançados de Gaza, nenhum dos quais causaram vítimas humanas. O que não está em foco são os bombardeios sobre Gaza, que resultaram em numerosas vítimas graves e fatais. Não é preciso ser um especialista em ciências da mídia para entender que estamos, na melhor das hipóteses, diante de relatos distorcidos e de má qualidade e, na pior, de manipulação propositadamente desonesta.


Além disso, os artigos que se referem à vítimas palestinas em Gaza relatam consistentemente que as operações israelenses se dão em resposta ao lançamento de foguetes a partir de Gaza e à lesão de soldados israelenses. No entanto, a cronologia dos eventos do recente surto começou em 5 de novembro, quando um inocente, aparentemente mentalmente incapaz, homem de 20 anos, Ahmad al-Nabaheen, foi baleado quando passeava perto da fronteira.



Os médicos tiveram que esperar seis horas até serem autorizados a buscá-lo. Eles suspeitam que o homem pode ter morrido por causa desse atraso. Depois, em 08 de novembro, um menino de 13 anos que jogava futebol em frente de sua casa foi morto por fogo do IOF, que chegou ao território de Gaza em tanques e helicópteros. O ferimento de quatro soldados israelenses na fronteira em 10 de novembro, portanto, já era parte de uma cadeia de eventos que começou quando os civis de Gaza foram mortos.

Nós, os signatários, voltamos recentemente de uma visita à Faixa de Gaza. Alguns de nós estamos agora conectados aos palestinos que vivem em Gaza através de mídias sociais. Por duas noites seguidas, palestinos em Gaza foram impedidos de dormir pela movimentação contínua de drones, F16, e bombardeios indiscriminados sobre vários alvos na densamente povoada Faixa de Gaza . A intenção clara é de aterrorizar a população, e com sucesso, como podemos verificar a partir de relatos dos nossos amigos. Se não fosse pelas postagens no Facebook, não estaríamos conscientes do grau de terror sentido pelos simples civis palestinos em Gaza. Isto contrasta totalmente com a consciência mundial sobre cidadãos israelenses chocados e aterrorizados.


O trecho de um relato enviado por um médico canadense que esteva em Gaza, servindo no hospital Shifa ER no final de semana, diz: "os feridos eram todos civis, com várias perfurações por estilhaços: lesões cerebrais, lesões no pescoço, hemo-Pneumo tórax, tamponamento cardíaco, ruptura do baço, perfurações intestinais, membros estraçalhados, amputações traumáticas. Tudo isso sem monitores, poucos estetoscópios, uma máquina de ultra-som. .... Muitas pessoas com ferimentos graves, mas sem a vida ameaçada foram mandadas para casa para ser reavaliadas na parte da manhã, devido ao grande volume de baixas. Os ferimentos por estilhaços penetrantes eram assustadores. Pequenas feridas com grandes ferimentos internos. Havia muito pouca Morfina para analgesia."


Aparentemente, tais cenas não são interessantes para o New York Times, a CBC, ou a BBC.


Preconceito e desonestidade com relação à opressão dos palestinos não é nada novo na mídia ocidental e tem sido amplamente documentado. No entanto, Israel continua seus crimes contra a humanidade com a anuência plena e apoio financeiro, militar e moral de nossos governos, os EUA, o Canadá e a União Europeia. Netanyahu está ganhando apoio diplomático ocidental para operações adicionais em Gaza, que nos fazem temer que outra operação Cast Lead esteja no horizonte. Na verdade, os novos acontecimentos são a confirmação de que tal escalada já começou, como a contabilização das mortes de hoje que aumenta.


A falta generalizada de indignação pública a estes crimes é uma conseqüência direta do modo sistemático em que os fatos são retidos ou da maneira distorcida que esses crimes são retratados.


Queremos expressar nossa indignação com a cobertura repreensível desses atos pela mainstream mídia (grande imprensa corporativa). Apelamos aos jornalistas de todo o mundo que trabalham nessas mídias que se recusem a servir de instrumentos dessa política sistemática de camuflagem. Apelamos aos cidadãos para que se informem através de meios de comunicação independentes, e exprimam a sua consciência por qualquer meio que lhes seja acessível.


- Hagit Borer, linguist, Queen Mary University of London (UK)

- Antoine Bustros, composer and writer, Montreal (Canada)

- Noam Chomsky, linguist, Massachussetts Institute of Technology, US

- David Heap, linguist, University of Western Ontario (Canada)

- Stephanie Kelly, linguist, University of Western Ontario (Canada)

- Máire Noonan, linguist, McGill University (Canada)

- Philippe Prévost, linguist, University of Tours (France)

- Verena Stresing, biochemist, University of Nantes (France)

- Laurie Tuller, linguist, University of Tours (France)


* Fonte: Ciranda da Informação Independente

44 comentários:

  1. José Alfredo Junqueira18 de novembro de 2012 13:46

    Parabéns,Euler,por divulgar a mais pura verdade.Vamos ver se a nossa classe se interessa por este assunto ou vão dizer"o que eu tenho a ver com isto" ou "os Palestinos são terroristas"ou "Israel só está se defendendo".Temo por isto,pois muitos dos professores são adeptos do Jornal Nacional,Big Brother,e novela das 8(qualquer uma).

    ResponderExcluir
  2. NA VERDADE EU SEI, LEIO MUITO, ENTENDO MAS MEU MUNDO COMEÇA POR AQUI E NAS MINAS GERAIS.MINAS ONDE A GUERRA DO GOVERNO CONTRA OS PROFESSORES(EDUCAÇÃO) É FERRENHA.EU TENHO QUE RESOLVER PRIMEIRO A MINHA GUERRA E AQUI .O QUE ME ADIANTA SABER TANTAS COISAS E MAIS PROBLEMAS SE EU NÃO SEI E NEM POSSO RESOLVER OS PROBLEMAS DE MINHA CASA.CLARO QUE SEI QUE ISSO AFETA O MUNDO, EU, MAS PRIMEIRO DEVEMOS COMBATER O INIMIGO E RESOLVER DA MELHOR MANEIRA OS COMBATES DAQUI.

    ResponderExcluir
  3. Segunda carta ao governo anastasia.

    Seria interessante nossos comentários e divulgação das mesmas. Devemos apoiar quando aparece alguém para falar por nós na imprensa.

    http://www.otempo.com.br/otempo/colunas/?IdColunaEdicao=20421&busca=carta%20a%20Anastasia&pagina=1

    ResponderExcluir
  4. PALESTINA É LÁ E AQUI, NÃO DÁ PARA OLHAR SÓ PARA O NOSSO UMBIGO!

    O POVO SOFRE EM TODOS OS LUGARES EM QUE TÊM GOVERNOS TIRANOS!


    Segunda carta ao governador Antonio Anastasia

    Senhor governador: Quanto vale uma vida humana? Não digo a sua, que vale muito, nem a minha, quase sem valor devido à idade. Perguntinha besta, não é mesmo? Além de besta, de tão difícil resposta que chega a lembrar a da esfinge, aquela famosa "decifra-me ou te devoro".

    No caso, a pergunta era a seguinte: "Que criatura pela manhã tem quatro pés, ao meio-dia tem dois, e à tarde três?" Resposta: "O homem, que engatinha quando bebê, anda sobre dois pés na vida adulta e usa bengala na velhice". Quem não acertava a resposta era estrangulado e só Édipo logrou decifrar o enigma. Mas nosso enigma continua indecifrável.

    Voltemos, pois, à pergunta inicial: quanto vale, digamos, a vida de uma criança?

    Vários dos grandes escritores humanistas (especialmente Dostoievski, Faulkner e Camus) consideravam o sofrimento e a morte das crianças a abominação suprema e uma das provas da indiferença (ou mesmo da inexistência) de Deus.

    Para eles, é justificável pela biologia a morte de um adulto, que viveu muito, mas não a de uma criança, a própria inocência. Indo além, responsabilizam pela morte de uma única criança o caos do Universo inteiro. Exagero, sem dúvida, divagação gratuita de humanistas desocupados. E que não conheceram Minas.
    [...]

    ResponderExcluir
  5. [...]

    TOUROS PREMIADOS
    Penso em crianças suburbanas e faveladas, ou mesmo do interior longínquo, dessas que brincam de pé no chão, às vezes por gosto, outras por não terem sandálias.

    Se o senhor já brincou de pé no chão - não vale a macia areia das praias - sabe a que me refiro. Pois inúmeras pessoas nunca pisaram terra nua, como certos touros que conheci em grandes fazendas paulistas de inseminação. São animais imensos, valiosíssimos, que vivem em instalações especiais e têm apenas uma função: fornecer sêmen. Sua ração é formulada caso a caso e só viajam de avião, sendo o transporte para os aeroportos feito em veículos adaptados à sua corpulência e, é claro, a seu espantoso valor.

    Quanto vale a vida de uma criança dessas, de pé no chão? Não tem futuro brilhante, talvez nem mesmo futuro algum. Cresce jogada pelos quintais e monturos, depois vai - se for - a uma escola insatisfatória. Mais tarde consegue - quando consegue - trabalho pesado de salário mínimo, que permite comer miseravelmente, morar miseravelmente, se reproduzir miseravelmente e, afinal, morrer miseravelmente numa enfermaria infecta, superpovoada de infelizes. Se vivem no interior, marcham a pé para o trabalho. Se na capital, gastam de três a quatro horas diárias dentro de ônibus lotados, atrasados e fedorentos.

    Essa vida, com certeza, vale pouco. Mas não custa lembrar que ela é também única e deveria ser tratada como joia inestimável, embora sua insignificância a banalize, embora a quantidade com que nascem seus iguais a tornem desprezível, apenas mais uma entre tantos milhões de condenadas ao fracasso.

    CAMINHO SEM VOLTA
    Tenho um amigo, capitão da polícia militar, atuando em áreas de risco e especialista em prevenção e combate a drogas, com quem converso frequentemente. Certo dia fiz a ele a seguinte pergunta: "Qual é a idade limite para a recuperação de uma criança em situação de risco? A partir de que idade não será mais possível recuperá-la?".

    Claro que ele não tem uma resposta pronta. Claro que as variáveis são muitas. Claro que existem exceções. Mas pensou longamente, como se condenasse alguém à morte, me olhou cuidadosamente, e afinal soltou: "11 anos".

    Essa afirmação significa o seguinte: se até 11 anos a criança for afastada da área de risco e colocada em condições de saúde, educação e convivência no mínimo razoáveis, suas chances de recuperação são grandes. Caso contrário estará perdida - definitivamente perdida - para o mundo do tráfico, da delinquência, da ignorância e da crueldade.

    ResponderExcluir
  6. [...]

    SAÚDE PÚBLICA
    É engraçado, senhor governador, mas desconheço o nome de seu secretário da saúde. Sem dúvida seria fácil ir ao portal do governo, clicar em secretarias, entrar na da saúde, e lá encontrar o nome e, talvez, a biografia. Mas não farei isso. Comporto-me aqui, como escrevi na primeira carta, como um cidadão comum, dotado de conhecimentos comuns. E deles não fazem parte saber o nome do secretário da saúde de Minas. Nem o do secretário da educação, assunto de uma próxima carta.

    Dito isto, acredito que esteja ciente de sua recusa em aplicar os 12% exigidos pela Constituição na área que administra. Concordará com a recusa? Acreditará que são suficientes os recursos restantes? Ou apenas lavará as mãos?

    Permita-me pedir ao senhor que sugira a ele o seguinte: que algum dia, anônimo, vá se postar diante de um hospital público e veja, apenas veja, o que acontece por lá. E sugiro anonimato por temer que, caso apareça em carro oficial com motorista, enfermos se enfureçam e, perdendo o pouco controle que ainda lhes resta, pratiquem algum ato de selvageria. Simples precaução, senhor governador.

    Falar nisso, dia desses presenciei dois casos exemplares. O primeiro, de um jovem de seus 25 anos, daquela cor acobreada de nossos mestiços de índio e negro, sentado desamparado na porta de um laboratório público de radiologia. Quando eu passava, alguém se aproximou dele, perguntando: "Conseguiu?" E ele, com triste resignação: "Está quebrado. Só na Cristiano Machado". Ou seja: só alguns quilômetros além. No outro caso, um adulto mais velho, entre 30 e 35 anos, descia, com as pernas enfaixadas e amparado em muletas, a rua próxima ao hospital, com aquele ar desconsolado dos pobres, para quem Deus sabe o que faz. E claro que sem dinheiro para táxi, talvez nem mesmo para o ônibus distante.

    QUE TAL CUMPRIR A LEI?
    Como afirmei acima, senhor governador, desconheço a extensão dos gastos que o senhor deveria fazer - mas não faz - com os 12% que a Constituição exige - e o senhor não cumpre - em recursos do Estado. Nem onde deveria aplicá-los. Faço-me cego de propósito, já que é impossível mergulhar nas finanças públicas e buscar entendê-las. Mas não entendo - e é apenas isto - como não se torna um estadista respeitado apenas cumprindo a lei.


    http://www.otempo.com.br/otempo/colunas/?IdColunaEdicao=20421&busca=carta%20a%20Anastasia&pagina=1

    ResponderExcluir
  7. Olá amigos. Estou ficando off. Mas não tem como não divulgar esse vídeo que recebí no meu twitter até mesmo porque cliquei em "exibir mais" embaixo do mesmo, e encontrei um abaixo-assinado no site Petição Pública para que o STF julgue o MENSALÃO MINEIRO. Então digo a todos: Assistam, assinem(precisa confirmar a assinatura no seu e-mail) e divulguem muito.
    Título do vídeo = Viana: O mensalão original pertence ao PSDB DE FHC,Azeredo,Serra ,Alckmin e Aecio
    http://www.youtube.com/watch?v=IpJ4LgU-meQ&feature=youtu.be
    Abaixo-assinado Que o STF julgue o Mensalão do PSDB, Pai de todos os Mensalões!
    http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N30265

    No mais amigos estou precisando de muitas orações. Obrigada.

    ResponderExcluir
  8. Sylo Costa
    Publicado no Jornal O TEMPO em 14/11/2012
    Não fossem a vaidade de alguns e a prepotência de outros, os TAGs - Termos de Ajustamento de Gestão -, invenção do Ministério Público com o Tribunal de Contas do Estado que coincide com as conveniências do Governo Estadual e a leniência da Assembléia Legislativa no desrespeito à Constituição, poderiam ser um instrumento da maior utilidade no manejo da administração pública, assim como são os TACs - Termos de Ajustamento de Conduta - , competência do Ministério Público Estadual, que, sem confrontar a lei e, principalmente, a Constituição, tem prestado bons serviços à sociedade.

    O Estado brasileiro adota em sua composição o princípio montesquiano da teoria tripartite, composto pelos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, que funcionam (ou deveriam funcionar) independentes e harmônicos entre si.

    Nosso regime de governo é democrático, nosso sistema é presidencialista, e a forma de governo é republicana. O Estado funciona, ainda, com dois órgãos autônomos e independentes (em tese): o Ministério Público nas esferas estadual e federal, cuja função principal é a de fiscal da lei, e os Tribunais de Contas, titulares do controle externo das contas públicas. Estes últimos, com atuação bastante desvirtuada, hoje funcionam mais como cartórios para registro de aposentadorias dos servidores públicos.

    Fui indicado para o TCE nos moldes da Constituição de 1967, quando o presidente da República encaminhava para apreciação do Legislativo todos os indicados para ministros do TCU, e os governadores dos Estados indicavam os conselheiros para comporem as Cortes de Contas. As Constituições que vigeram até a de 1988 - a chamada cidadã, mas que, na verdade, mais parece bula de remédio, porque codifica os princípios e os regulamenta ao mesmo tempo, regulamentação que deveria ser da legislação infraconstitucional - transformaram os Tribunais de Contas de órgãos de informação ao Legislativo em órgãos do Legislativo. E, não bastasse esse retrocesso para o controle externo das contas públicas, incluíram a competência do Legislativo para indicar dois terços dos membros das Cortes.

    Só muito tempo depois é que descobriram que, nos Tribunais de Contas dos Estados, compostos por sete conselheiros, essa fórmula era impraticável, pois sete não é múltiplo de três. Durante mais de 15 anos, "a coisa" funcionou assim, e ninguém se movia... O nosso egrégio STF decretou a inconstitucionalidade dessa proporção e fixou um novo critério para provimento: quatro indicados pela Assembleia Legislativa, e os outros três assim definidos: uma vaga de livre nomeação pelo governador, uma vaga para ser provida por um auditor da Casa e outra por Procurador do Ministério Público junto ao TC. A maioria, portanto é nomeada por indicação da Assembleia Legislativa, que ficou com quatro cargos dos sete. E aí o processo desandou mesmo, pois o Legislativo se transformou em fiscal de si mesmo... (continuarei na próxima semana).

    ResponderExcluir
  9. Estes trechos retirados do artigo de Sylo Costa, postado acima, nos mostra que realmente os TIRANOS DAQUI SÃO TÃO TIRANOS QUANTOS OS QUE QUEREM ACABAR COM O POVO PALESTINO, O DAQUI FAZ ABERRAÇÕES, CONFORME FORAM CITADAS NO ARTIGO DE SYLO, TAMBÉM COM ANUÊNCIA DO PODER, PODRES PODERES, COMO É DE CONHECIMENTO DE TODOS, MAS COM CONHECIMENTO DA IN(-JUSTIÇA) DESTE ESTADO E DESTE PAÍS E FICA TUDO POR ISSO MESMO, PORQUE TODOS SE CALAM, POR VÁRIAS RAZÕES, MEDO OU RABO PRESO. ALGUNS POUCOS, POUQUÍSSIMOS, TÊM CORAGEM DE POR O DEDO NA FERIDA E MOSTRAR, POR QUE SANGRA TANTO. Ainda bem que os destemidos, embora poucos, mas destemidos, podem valer-se de seu instrumento que é a PALAVRA e denunciar toda forma de atrocidade cometida por esses insanos que estão para além das ARÁBIAS! estão por aqui mesmo, nas GERAIS! Assim como "Noam Chonsky, que não aceita a manipulação praticada pela chamada mídia corporativa, que é parte fundamental no esquema de dominação dessa elite dominante cruel, desumana e sanguinária." em relação ao que estão veiculando contra o povo palestino, faz-se necessário que aqui nas Gerais, hajam jornalistas que não se curvem à força do poder para manipulá-los ou calá-los frente às injustiças cometidas pelos tiranos de terno e gravata e sem turbantes!
    O POVO PRECISA SABER DAS VERDADES QUE RONDAM OS PALÁCIOS E AS CÂMARAS LEGISLATIVAS!!

    "Não fossem a vaidade de alguns e a prepotência de outros, os TAGs - Termos de Ajustamento de Gestão -, invenção do Ministério Público com o Tribunal de Contas do Estado que coincide com as conveniências do Governo Estadual e a leniência da Assembléia Legislativa no desrespeito à Constituição, poderiam ser um instrumento da maior utilidade no manejo da administração pública, assim como são os TACs - Termos de Ajustamento de Conduta - , competência do Ministério Público Estadual[...]
    [...]

    tempo depois é que descobriram que, nos Tribunais de Contas dos Estados, compostos por sete conselheiros, essa fórmula era impraticável, pois sete não é múltiplo de três. Durante mais de 15 anos, "a coisa" funcionou assim, e ninguém se movia... O nosso egrégio STF decretou a inconstitucionalidade dessa proporção e fixou um novo critério para provimento: quatro indicados pela Assembleia Legislativa, e os outros três assim definidos: uma vaga de livre nomeação pelo governador, uma vaga para ser provida por um auditor da Casa e outra por Procurador do Ministério Público junto ao TC. A maioria, portanto é nomeada por indicação da Assembleia Legislativa, que ficou com quatro cargos dos sete. E aí o processo desandou mesmo, pois o Legislativo se transformou em fiscal de si mesmo..."

    ResponderExcluir

  10. http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

  11. ANASTASIA, O PIOR GOVERNADOR DE TODOS OS TEMPOS!!

    ResponderExcluir
  12. Governo fala que gasta 21 bi com folha de pgto e que são 360 mil servidores com 600 mil pagamentos

    vejam só se dividir os 21 bi por 13 com 13º é claro e dividir por 600 mil dá pgto médio de 2.692,00 por servidor e se dividir por 360 mil dá salário médio de 4.487,00
    se maioria que é da educação ganham metade de 2.692,00 implica que tem poucos ganhando muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os funcionários da educação nunca ganharão bem pois é exatamente sobre os trabalhadores da educação que ele economiza para pagar bem os outros servidores. Vou explicar porque o governo escolhe a área da educação para economizar. O governo sabe que o povo não está nem aí pra educação, sabe que em dias de reuniões de pais a escola fica vazia, sabe que uma grande maioria dos pais nem sabe em que série seu filho está e as vezes não sabem nem em que escola o filho estuda...O povo dá valor para o futebol e por isso se mobiliza um país inteiro para uma copa do mundo, aliás no fim de semana o estádio lota, são milhares de pessoas assistindo a uma partida de futebol. E muitos que vão lá e pagam pra ver nunca foram nas reuniões da escola de seu filho que são de graça e ainda dão um lanche no fim da reunião, porque se não desse nada de comer hummmmm, ninguém iria nas reuniões da escola. Logo o governo deve investir pesado é no futebol pois é isso que o povo dá valor e fica alegre no fim de semana, é isso que vai gerar votos na eleição e pronto. A nossa greve não deu resultados porque não tivemos o povo do nosso lado do mesmo jeito que um time de futebol tem sua torcida do seu lado. Enfim são muitos os motivos que justificam nossos baixos salários. Temos que ensinar as pessoas e a população em geral a dar valor às escolas e a educação de seus filhos. Temos que encher as escolas em dias de reuniões para falarmos as verdades sobre o governo e a sua política na área da educação que prejudica toda a sociedade. Quando as escolas lotarem e tivermos a sociedade do nosso lado conquistaremos tudo que quisermos.

      Excluir
  13. Nossa gente vamos fazer aqui no blog do Euler uma campanha para escrevermos melhor nossos comentários. Na postagem anterior a essa tinha comentários com erros primários de língua portuguesa. Sabemos que a grande maioria que posta comentários aqui são de professores e pega bem mal escrever errado, ainda mais para profissionais que educam pessoas como nós. Antes de publicar seu comentário leia-o todo novamente e corrija alguma coisa se necessário. Por isso nossa moral é baixa aqui no Brasil. Será que um blog onde engenheiros, advogados, médicos se encontram e publicam seus textos tem tantos erros de de português assim?

    ResponderExcluir
  14. NA MINHA FAMILIA JÁ ESTÁ DECIDIDO

    VOTAREMOS CONTRA ESSA CORJA

    ResponderExcluir
  15. José Alfredo Junqueira19 de novembro de 2012 22:10

    Infelizmente,minha previsão estava certa.Apenas 12 comentários neste assunto relevante e que não se enganem,nós estamos sujeitos a covardias semelhantes.As duas maiores riquezas do mundo estão aqui no Brasil,e em grande quantidade em Minas.O que é conhecido é a ÁGUA,mineral mais precioso do mundo a mécio e longo prazo,mas a curto e médio prazo o mineral mais precioso para as grandes potências é a niobita,de onde se beneficia o NIÓBIO,super metal necessário para compor aço super resistente e dezenas de outras aplicações na tecnologia de ponta.Este mineral só existe no Brasil e é roubado pelos gringos em conluio com empresas brasileiras,em Araxá e na falsa reserva "raposa serra do sol"em Roraima.Finalmente o MPE de Minas está investigando a venda subfaturada do nióbio nas minas de Araxá(jornal hoje em dia).O que quero dizer é que estamos na lista,é questão de tempo.E as propinas da entrega do nosso nióbio é que fazem estes governantes de Minas serem tão poderosos,a ponto de calar(comprar)mídia e poder legislativo e judiciário.Quem tiver dúvidas pesquise.E viva o bravo povo da Palestina!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  16. A única e demoníaca justificativa para Israel assassinar crianças, é que assim conseguirão fazer com que o Estado palestino envelheça.

    Com uma população de velhos, Israel enfraquece a Palestina na base, deixando-a sem a força da juventude, sem exército, e consequentemente, ficando uma terra totalmente indefesa.

    Conspiração do serviço de inteligência semita. Shalom.

    ResponderExcluir
  17. Segundo Fernanda Neves, a folha de pagamento do Estado que em 2003 era de R$7 bilhões anuais, hoje alcança um montante de R$21 bilhões/ano. “São 360 mil servidores espalhados por 853 municípios e um total de cerca de 600 mil pagamentos. É um processo de resgate a médio prazo”, completou.


    se em 2003 salário era 660,00, tem alguem recebendo minha diferença, pois recebo 1386,00 e teria que ser 1.980,00.

    ResponderExcluir
  18. Transparência
    Assembleia mantém sigilo sobre salários de servidores
    Outros Poderes em Minas Gerais já abriram suas folhas de pagamento

    LUCAS PAVANELLI

    Seis meses após a Lei de Acesso à Informação entrar em vigor, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) ainda não divulgou todos os dados que devem ser públicos, segundo a nova legislação. A Lei Federal 12.527, de 2011, prevê, entre outras normas, a divulgação dos salários dos servidores públicos e dos assessores parlamentares, o que ainda não ocorreu.

    As informações já foram divulgadas pelos demais Poderes em Minas, como são os casos do Executivo estadual, do Tribunal de Justiça (TJ), do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Em todos eles, foram constatados casos de irregularidades, como servidores recebendo salários acima do permitido por lei (confira quadro abaixo).

    A assessoria de imprensa da Assembleia afirmou que não poderia confirmar, até o fechamento desta edição, como estão os preparativos para a divulgação dos dados e em qual prazo ela ocorrerá.

    Há três meses, o órgão informou que um grupo de pessoas estaria "estudando a nova lei para apresentar uma proposta para sua regulamentação e de propôr ações para adequação de procedimentos". O estudo está a cargo da Mesa Diretora da Casa.

    Há informações de bastidores de que os servidores da Casa poderiam entrar na Justiça contra a determinação de vincular o nome do funcionário ao salário recebido, embora o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (Sindalemg) não confirme. "Não estamos acompanhando diretamente. Quem decide isso é a Mesa Diretora e não entramos com nenhum tipo de ação para impedir a divulgação de nomes ou salários de servidores", garantiu o coordenador geral do Sindalemg, Flávio Hannas. Em agosto deste ano, os servidores da Justiça de Minas tentaram impedir a divulgação dos dados, o que não ocorreu.

    Segundo a assessoria de imprensa, a Assembleia "reuniu diversas informações relativas à prestação de contas na página 'Transparência', que pode ser acessada a partir do sítio principal do Portal da ALMG". Na seção, é possível que qualquer cidadão tenha acesso, por exemplo, aos salários dos deputados - R$ 22.292,35 - às verbas indenizatórias, que variam por mês e por parlamentar, além da relação de pessoas físicas e jurídicas que tiveram algum tipo de contrato com a Casa. Não há nenhum detalhamento sobre os salários de servidores.

    Ranking. O portal Contas Abertas divulgou, ontem, o Índice de Transparência 2012, um ranking que avalia o conteúdo, a atualização e a facilidade de uso dos portais de transparência orçamentária dos 27 Estados.

    Pela segunda vez, o Estado de São Paulo liderou o pódio dos orçamentos mais transparentes, seguido por Espírito Santo, Pernambuco, Rio e Minas Gerais. Na última edição do levantamento, apresentada em 2010, Minas também ficou em quinto lugar. Os cinco últimos colocados em 2012 foram Roraima, Piauí, Sergipe, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

    ResponderExcluir
  19. "Tarefa é da Mesa Diretora"
    Sem informação sobre a divulgação dos dados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, sobretudo dos salários dos funcionários públicos, os deputados estaduais afirmam que não receberam da Mesa Diretora da Casa qualquer atualização sobre o andamento do estudo para cumprimento da Lei de Acesso à Informação.

    A Mesa está à frente da coordenação dos trabalhos para publicação das informações sobre salários dos servidores.

    "Sinceramente não posso te informar, porque não estou acompanhando o tema de perto. A Mesa Diretora tomou essa iniciativa e está trabalhando nesse assunto", afirmou o líder do governo na Assembleia, o deputado Bonifácio Mourão (PSDB).

    "Houve uma primeira reunião com a Mesa sobre esse assunto, onde os dirigentes disseram que estavam estudando como seria feita essa divulgação. Mas não citaram a questão do prazo", disse o líder do PMDB, deputado Sávio Souza Cruz.

    Procurado pela reportagem, o primeiro secretário da Mesa, que estaria à frente do trabalho, o
    deputado Dilzon Melo (PTB), não foi encontrado. Os salários e nomes dos servidores públicos deveriam estar disponíveis desde o dia 16 de maio, quando a Lei de Acesso à Informação
    entrou em vigor.

    Outras Assembleias no país já divulgaram os dados. São os casos do Legislativo do Rio Grande do Norte e do Espírito Santo. (LP)

    ResponderExcluir
  20. Ministérios públicos estaduais resistem
    Brasília. Doze ministérios públicos estaduais, além do Ministério Público Militar, ainda não divulgam individualmente nomes e salários de seus funcionários. Entre eles, cinco são praticamente uma caixa preta: não dão qualquer dado sobre os vencimentos nem nome nem matrícula dos servidores.

    O Ministério Público de São Paulo é um dos que não divulgam individualmente informações sobre salários de seus membros. Estão ainda nessa lista Ceará, Maranhão, Pernambuco e Sergipe.

    Outros sete ministérios públicos estaduais – e também o Ministério Público Militar – divulgam apenas matrícula dos funcionários e os salários, sem os nomes.

    Os ministérios públicos federal e do Trabalho, além dos ministérios públicos do Acre, Amazonas, Espírito Santo, Piauí, Rio Grande do Norte e de Roraima são os mais transparentes: divulgam nomes e salários de todos os servidores numa mesma lista. Já os ministérios públicos de Goiás, do Rio de Janeiro e do Distrito Federal publicam os salários e as matrículas dos funcionários.
    Para saber a quem corresponde a matrícula, é preciso abrir outra tabela.


    http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=215874,OTE

    ResponderExcluir
  21. Ola! Desculpem -me por meu comentário nao ser extamente voltado ao post, mas, será pertinente. A escola onde trabalho recebeu um documento da SEE, no qual consta que a partir de 6 de novembro os servidroes efetivados pela lei 100 terão direito a férias premium a vigora no próximo ano. Colocarei fragmento do documento abaixo:
    " A Secretária de Estado de Educação fará a publicação dos atos de concessão das férias premio dos servidores efetivados que implementarem o direito ate 30/11/12, podendo requerer junto a unidade de exercicio autorização para afastamento a partir do 1º semestre de 2013."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não sei porque o servidor tem que implementar o direito para requerer a partir do 1º semestre do ano que vem. Existe uma pasta funcional, existe um livro de ponto, a folha de pagamento, uma secretária cuja função é cuidar da vida funcional dos profissionais lotados em cada unidade de ensino, então, por simples lógica, o efetivado/o efetivo/o escambau, é que deveria ser comunicado do seu período de férias prêmio. Simples assim. Mas, eles querem burocracia, que o servidor procure a secretaria da escola, preencha um requerimento, protocole, e tudo isso para exercer um direito que já está previsto por Lei.

      Excluir
  22. alguém poderia,se possível,postar alguma informação sobre a APOSENTADORIA DOS SERVIDORES EM AJUSTAMENTO FUNCIONAL.Soube de alguns colegas de trabalho,q o governador esta querendo aposentar os ajustados,mas ñ sei se é vdd,gostaria q me ajudassem.grata

    ResponderExcluir


  23. O PAU TEM QUEBRAR EM TODOS OS FRANCISCOS


    BARBOSA DÁ PRAZO PARA O MENSALÃO DO PSDB


    MÔNICA BERGAMO
    COLUNISTA DA FOLHA

    O ministro Joaquim Barbosa, do STF (Supremo Tribunal Federal), fixou nesta semana o prazo de 40 dias para que testemunhas do mensalão mineiro, que envolve políticos do PSDB, sejam ouvidas pela Justiça.

    O valerioduto tucano foi um suposto esquema de desvio de recursos públicos e financiamento irregular da campanha eleitoral do então governador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que tentava a reeleição em 1998 e perdeu.

    Barbosa acumula presidência do STF e relatoria do mensalão hoje
    Análise: Supremo terá de enfrentar questão dos mandatos
    Fernando Bizerra Jr/Efe
    O ministro Joaquim Barbosa, no plenário do STF (Supremo Tribunal Federal)
    O ministro Joaquim Barbosa, no plenário do STF (Supremo Tribunal Federal)

    Entre os intimados estão o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra (PSDB-PE), e o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PSB-CE), que até 1997 integrou a legenda.

    É a última medida de Barbosa na ação penal que investiga o mensalão do PSDB.

    Ele assume amanhã a presidência do STF. Como o processo não está finalizado, deixará o caso, que passará a ser conduzido pelo magistrado que assumir seu gabinete.

    "COERCITIVAMENTE"

    O despacho foi assinado na segunda-feira, 19. Nele, Barbosa autoriza os juízes que devem tomar os depoimentos a "conduzirem coercitivamente as testemunhas" que faltarem às audiências.

    O ministro decidiu também incluir perguntas formuladas por ele aos depoentes.

    Barbosa questiona, por exemplo, se as testemunhas tinham conhecimento de que o empresário Marcos Valério pagava despesas de campanha de Eduardo Azeredo
    .
    Na pergunta, cita "indícios" de que houve desvio de dinheiro público no caso. A suspeita é que o dinheiro teria saído de estatais mineiras para a SMPB, empresa controlada pelo empresário, "sob a justificativa formal de patrocínio a três eventos esportivos".

    Valério é pivô de outro mensalão, o do PT, e já foi condenado pelo Supremo a mais de 40 anos de prisão.

    DÍVIDA

    No despacho, Barbosa cita outros personagens que aparecem tanto no mensalão petista quanto no do PSDB: Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, sócios de Valério, a DNA Propaganda, controlada pelos três, e o Banco Rural.

    O ministro questiona se as testemunhas "conhecem ou tiveram contato" com os publicitários "tendo em vista que esses três corréus contraíram dívidas no montante de R$ 13,9 milhões através da DNA Propaganda mediante empréstimo no Banco Rural".

    O dinheiro, segundo depoimento dos publicitários, "destinou-se ao financiamento" da campanha de Azeredo e de seu vice, Clésio Andrade ao governo mineiro.

    Mais tarde, segundo o processo, o Banco Rural "aceitou dar quitação" dos R$ 13 milhões por R$ 2 milhões "através de transação judicial".

    PRESCRIÇÃO

    O mensalão mineiro ocorreu em 1998, mas a acusação só foi apresentada pelo procurador-geral da República ao STF em 2007. Em 2009, o Supremo aceitou a denúncia.

    Diferentemente do caso petista, o processo tucano foi desmembrado e apenas Azeredo, que é deputado, e o senador Clésio Andrade (PMDB-MG), que têm foro privilegiado, permanecem no STF.

    Outros 12 réus são processados em primeira instância.

    Um dos acusados, o ex-ministro Walfrido dos Mares Guia, presidente do PSB-MG, deverá ser o primeiro envolvido a se beneficiar da lentidão da Justiça.

    Ao completar 70 anos no próximo sábado, 24, ele poderá requerer a prescrição dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, pelos quais foi denunciado.

    Mares Guia era vice-governador à época e coordenava a campanha de Azeredo.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1188624-barbosa-da-prazo-para-mensalao-do-psdb.shtml

    ResponderExcluir
  24. Dívida Pública Federal soma R$ 1,943 trilhão em outubro

    O Estado Deve, as Prefeituras devem e todos devem,

    estamos a beira de um colapso financeiro.

    a cada dia que passa a dívida só aumenta, todos os politicos só querem uma coisa, prorrogar, prorrogar..


    está na hora de um basta já.

    ResponderExcluir
  25. STJ: ERRO NA APLICAÇÃO DE LEI NÃO AUTORIZA DESCONTO DE VALORES RECEBIDOS DE BOA-FÉ PELO SERVIDOR

    (Esse julgado bem que poderia servir de alerta à SEE-MG e à SEPLAG-MG que estão ameaçando cobrar valores pagos incorretamente quando do enquadramento no sistema de remuneração unificado – subsídio.)

    Assim se manifestou o Superior Tribunal de Justiça -STJ:

    É incabível o desconto das diferenças recebidas indevidamente pelo servidor, em decorrência de errônea interpretação ou má aplicação da lei pela administração pública, quando constatada a boa-fé do beneficiado. A decisão é da Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no julgamento de um recurso sob o rito dos repetitivos.

    O recurso especial representativo de controvérsia é de autoria da Universidade Federal da Paraíba, contra um servidor da instituição. A universidade alega que, independentemente de ter ocorrido ou não boa-fé, o servidor deve repor ao erário os valores recebidos de forma indevida.

    Informou ainda que, diante da constatação do pagamento indevido de Vantagem Pecuniária Individual (VPI) no valor de R$ 59,87, apontado pela Controladoria-Geral da União, foi comunicada ao servidor a exclusão da mencionada vantagem de sua folha de pagamento, bem como que os valores pagos indevidamente deveriam ser repostos ao erário.

    Temperamentos

    Em seu voto, o relator, ministro Benedito Gonçalves, destacou que o artigo 46 da Lei 8.112/90 prevê a possibilidade de reposição ao erário de pagamento feito indevidamente, após a prévia comunicação ao servidor público ativo, aposentado ou pensionista.

    “Entretanto”, afirmou o ministro, “essa regra tem sido interpretada pela jurisprudência do STJ com alguns temperamentos, principalmente em decorrência de princípios gerais do direito, como a boa-fé, que acaba por impedir que valores pagos de forma indevida sejam devolvidos ao erário”.

    O ministro ressaltou ainda que o caso se restringe à possibilidade de devolução ao erário de valores recebidos indevidamente por errônea interpretação da lei por parte da administração pública.

    “Quanto ao ponto, tem-se que, quando a administração pública interpreta erroneamente uma lei, resultando em pagamento indevido ao servidor, cria-se uma falsa expectativa de que os valores recebidos são legais e definitivos, impedindo, assim, que ocorra desconto dos mesmos, ante a boa-fé do servidor público”, afirmou Gonçalves.

    O julgamento se deu pelo rito do artigo 543-C do Código de Processo Civil. O entendimento fixado pelo STJ vai orientar a solução de todos os demais processos sobre o mesmo tema, que tiveram o andamento suspenso nos tribunais de segunda instância desde o destaque do recurso para julgamento na Seção.

    A intenção do procedimento é reduzir o volume de demandas vindas dos tribunais de justiça dos estados e dos tribunais regionais federais, a respeito de questões jurídicas que já tenham entendimento pacificado no STJ.

    Fonte: Assessoria de Imprensa do STJ

    ResponderExcluir
  26. Prezados colegas da Educação, alguém sabe me dizer como faço para enfrentar os abusos financeiros do Bco Bonsucesso. Tenho cartão de crédito consignado e desejo negociar essa dívida, mas o Bco não aceita e quer continuar descontado o mínimo no meu pagamento e diz que não aceita negociar. Gente, desse jeito não vou conseguir pagar minha dívida nunca. Me ajudem por favor. Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Procure o Ministério Público, defesa do consumidor. A única saída.

      Excluir
    2. Vá ao Procon e faça denuncia por escrito.

      Excluir
    3. Olá colega estou com o mesmo problema não sei o que fazer todo o mês o bonsucesso desconta no meu pagamento 200,00 reais que é o mínimo e que não amortiza nada o valor devido estou num beco sem saída.

      Excluir
    4. Olá colega do cartão de crédito.
      vc pode pagar pela fatura mesmo , o tanto que vc quiser. Eu liguei para o número atrás do fatura e a atendente me orientou a pagar sempre além do estipulado pelo banco.
      Espero ter sido útil.
      Abraços.

      Excluir
    5. Ao anônimo do dia 22 novembro 2012 09:01
      Me aconselharam a entrar com advogado: Sindicato ou particular para obrigar o Bco a negociar através de uma ordem judicial.

      Excluir
    6. O banco bom sucesso é um horror. Fiz um empréstimo a um tempo atrás e quando tinha quase um ano que estava pagando, fui acertar minha dívida e para minha surpresa eu estava devendo a mesma quantidade que peguei emprestado.Quase caí.Graças a Deus já fiquei livre, continuei pagando até o fim.

      Excluir
  27. SE ESSA POLITICA SALARIAL DO GOVERNO CONTINUAR, EM 2015, NÃO RECEBEREMOS NEM 2 SALÁRIOS


    É O BICHO !!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  28. Reportagem da revista Veja aponta “excelência na educação pública” de Minas Gerais

    SERÁ QUE ESSA ONG "TODOS PELA EDUCAÇÃO NÃO É DO GOVERNO DE MINAS?

    http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/reportagem-da-revista-veja-aponta-excelencia-na-educacao-publica-de-minas-gerais/

    ResponderExcluir
  29. oficio que proibi urnas nas escolas na do dia 26 ao dia 30 . Anatasia e perseguição aos professores.

    A novela continua, nem uma eleição podemos mais escolher a data para que isto aconteça, pois então escolha o Senhor suba em sua caixinha de fósforo que se Deus quiser já está quase no fim e mande.

    ResponderExcluir
  30. Professor tem direito a hora extra pelo tempo do recreio, diz TST

    http://noticias.uol.com.br/empregos/ultimas-noticias/2012/11/22/professor-tem-direito-a-hora-extra-pelo-tempo-do-recreio-diz-tst.jhtm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está na hora de fazer um abaixo assinado e mandar para o ministro Joaquim Barbosa suplicando o nosso piso.Quem sabe agora a coisa funciona?

      Excluir
  31. Já que é para revolucionar, temos que por o bicho para pegar,

    se você tem aulas, mas tem janelas, as janelas tem que ser consideradas como horas trabalhadas, afinal você fica a disposição da escola, então a escola é que tem que acabar com as janelas, se você está dentro da escola, está cumprindo horário, portanto conta para desconto módulo 2

    horas cumpridas dentro da empresa são horas trabalhadas..


    vamos lutar gente

    ResponderExcluir
  32. HÁ ALGUNS ANOS, NA ESCOLA, TINHA 586 ALUNOS, MUITOS FIZERAM CURSOS DE LICENCIATURA E SÃO PROFESSOR, HOJE TEM 380 A 390 ALUNOS, NÃO SEI, MAS SEI QUE NENHUM FALA EM SER PROFESSOR, TODOS DEBOCHAM DA GENTE.

    HÁ UNS ANOS ATRÁS TINHAMOS SONHOS, HOJE PESADELOS..


    PERDI MUITOS COLEGAS QUE TINHA 2 CARGOS COMPLETOS PARA O BANCO BRASIL PARA GANHAR 1.600,00 HOJE COM MEMOS DE 3 ANOS, ELES JÁ GANHAM MAIS DE 3.000,00. COMO INCENTIVAR ALGUÉM A SER PROFESSOR?

    SE COMEÇAMOS PROFESSOR, FICAMOS PROFESSOR APOSENTAMOS PROFESSOR E MORREMOS PROFESSOR.

    SEM FALAR QUE QUANDO ENTRAMOS PROFESSOR, O SALÁRIO É X, QUANDO APOSENTAMOS É X/4 (X DIVIDIDO POR 4).

    PROFESSOR SÓ PERDEU NESSES 10 ANOS.

    OLHA QUE SÓ TEM 11 DE ESTADO E PROFESSOR SÓ PASSEI POR PERDAS.
    TENHO QUE REPENSSAR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. os governadores Aecio e Anastasia decretaram a exxtinção da carreira e dos profissionais em educação, ninguém mais quer ser professor.
      Agradeçam aos homens que mandam em Minas Gerais a duas décadas e como coronéis são tiranos.

      Excluir

  33. "'Muitos (Estados) não conseguem nem ao menos cumprir com o mínimo de salário aos professores (Lei do Piso), imagina investir em estrutura, em capacitação?", diz o especialista' " .



    Enem: analistas cobram 'intervenção' federal para salvar ensino médio

    23 de novembro de 2012 • 09h56 • atualizado às 09h58

    Angela Chagas

    O desempenho das escolas brasileiras na edição de 2011 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) apontou, mais uma vez, o abismo que separa o ensino privado das escolas públicas no Brasil. Enquanto a média dos colégios particulares ficou em 596,2 pontos - em uma escala até 1 mil - a rede pública alcançou 474,2 pontos. Das 100 melhores, 10 são públicas, sendo que apenas duas são ligadas à rede estadual, que representa a maioria das matrículas no ensino médio.

    Vestibular ou Enem: veja como será a seleção nas universidades do País

    Para mudar essa realidade, que já é verificada em outras avaliações - como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) -, especialistas em educação consultados pelo Terra apontam para a necessidade de uma intervenção federal no ensino médio. De acordo com o professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) Ocimar Munhoz Alavarse, 92% das matrículas da rede pública hoje são de responsabilidade dos Estados, que a cada ano apresentam mais dificuldades em ampliar os investimentos na área.

    "Muitos (Estados) não conseguem nem ao menos cumprir com o mínimo de salário aos professores (Lei do Piso), imagina investir em estrutura, em capacitação?", diz o especialista. Segundo ele, cabe ao governo federal a decisão política de ampliar os investimentos em educação e dar suporte aos Estados para melhorar o ensino.

    O professor Remi Castioni, da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB) defende a necessidade de o Ministério da Educação (MEC) ampliar seu enfoque, muito mais voltado ao ensino universitário, para a educação básica. "O governo (federal) precisa liderar o processo de mudança no ensino médio, assumindo um papel que não tem feito nos últimos anos". Ele ainda vai além ao sugerir que os institutos federais passem a dar suporte às escolas da rede estadual.

    Segundo ele, hoje o País tem cerca de 500 escolas federais, quando o ideal seria que fossem mais de 2 mil. "Os colégios federais têm desempenho muito próximo ao da rede privada. Nós já temos a fórmula, só precisamos ampliar", defende. Segundo ele, como os investimentos para aumentar a rede são elevados, seria fundamental que essas escolas já instaladas estabelecessem uma espécie de "tutoria" à rede estadual, oferecendo apoio pedagógico e capacitação.

    A diferença das escolas federais está no salário e na formação dos professores - boa parte com mestrado e doutorado - e também no perfil dos estudantes. A maioria das escolas contam com uma sistema rigoroso de seleção, para garantir o ingresso dos melhores alunos. Além disso, a estrutura é melhor.

    Para Castioni, não é necessário federalizar todas as escolas de ensino médio, mas sim apoiar essas instituições, assumindo um papel que os Estados hoje não conseguem cumprir. "Temos um grande desafio colocado, principalmente pelo fato de que em um espaço curto de tempo, 50% dos alunos das universidades serão provenientes rede pública (por causa da Lei de Cotas). Se não encararmos a melhoria da qualidade do ensino, vamos receber alunos com muitas deficiências", analisa.

    ResponderExcluir
  34. Ensino noturno
    Os especialistas também concordam com a necessidade de se acabar com o ensino noturno na educação básica. "Nesses dados do Enem, por exemplo, estamos comparando alunos da elite do ensino privado brasileiro com aqueles que trabalham o dia inteiro e à noite vão para a escola. É muita diferença", alerta o professor da USP. Para Alavarse, é preciso construir uma política federal que garanta o suporte aos estudantes para que não precisem trabalhar até a conclusão do ensino médio.

    Enem 2011
    O desempenho das escolas na edição de 2011 do Enem foi divulgado na quinta-feira e pode ser consultado no site do MEC. Segundo o levantamento, das pouco mais de 10 mil escolas analisadas, 47,62% eram privadas. A maior dos estudantes que prestaram o exame (83,86%) tem renda familiar per capita entre um e cinco salários mínimos (de R$ 622,00 a R$ 3,1 mil).

    De acordo com o MEC, a média das escolas privadas ficou em 596,2 pontos. Já as escolas da rede pública alcançaram 474,2 pontos. Entre as 100 primeiras colocadas no levantamento, apenas dez são públicas.

    ResponderExcluir