sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Blog do Euler, diretamente da Conferência dos educadores em Caxambu

Diretamente da Conferência dos educadores em Caxambu. Hoje, dia 18, chegamos por volta das 9h da madrugada na acolhedora cidade de Caxambu. Como o início do credenciamento estava previsto para as 14 horas, aproveitamos para dar um giro pela cidade.

Imediatamente um condutor de charrete se ofereceu, por um preço módico, para nos apresentar a parte central da cidade. Um passeio rápido e elegante pelas ruas de Caxambu. O próximo passo seria o Parque das Águas, onde uma dúzia de fontes de água mineral jorram sem cessar. Tínhamos que experimentá-las. Para lá nos dirigimos, eu, João Martinho, Carminha, Jussanei, Jussara, Graça, Tânia, Elaine, Ana - enfim, toda a combativa e pequena bancada de Vespasiano.

Mas, antes, me lembrei de um detalhe fundamental: havia esquecido de trazer um calção de banho e eu pretendia usufruir das delícias das águas quentes do Parque. Pelas ruas da cidade encontrei uma loja de R$ 10,00, preço mais do que adequado para um professor que vive de salário-de-professor - de Minas e do Brasil.

O Parque das águas é de grande beleza paisagística. Como escrevo em computador do hotel, não disponho dos recursos de rotina para reproduzir imagens, o que farei depois, assim que minhas assistentes diretas, as professoras Carminha, Jussara, Graça e Jussanei, me enviarem as fotos por e-mail.

No Parque, visitamos a piscina de água quente e banho de hidromassagem. Você paga R$ 25,00 e permanece por 45 minutos tomando aquele banho de ducha e de água revoltas. Momentos mágicos, que eu pretendo repetir em outra ocasião.

Percebi que Caxambu é uma cidade pequena, bonita, acolhedora, muito boa de se morar. Pena que esteja tão longe de Vespá, terra a qual não consigo me afastar por longo tempo, pelos muitos laços que mantenho com a cidade.

Em seguida, almoçamos num restaurante mais próximo e barato - R$ 4,00 o prato com um tipo de carne - e fomos até o Hotel Glória, onde ocorreu o credenciamento. Foi relativamente rápido o processo de credenciamento e nossa bancada ficou hospedada no Palace Hotel, bem próximo do local da Conferência. Soubemos depois que, dado ao grande número de delegados inscritos - cerca de 2.000 -, boa parte dos colegas delegados foram hospedados em São Lourenço, pois a rede hoteleira local já estava cheia demais.

Por volta de 20h30, após a nossa janta, ocorreu a abertura da conferência. Como todo ato de abertura, há muito formalismo e espaço institucional para personalidades alheias à categoria e pouco espaço para a base da categoria propriamente dita. Por lá passaram, só para citar alguns nomes, o presidente da CNTE, e até mesmo a secretária da Educação de Minas, a sra. Ana Lúcia Gazzola, que fez um discurso em favor do diálogo, do respeito mútuo e de quem deseja manter um permanente contato com a categoria. Se esse desejo será materializado, só a vida - e os próximos embates - determinarão. Mas, a presença da secretária da Educação não deixou de representar um diferencial em relação à prática antiga, de desconhecer as movimentações da categoria.

Além das falas iniciais, incluindo a da coordenadora-geral do Sind-UTE Beatriz Cerqueira, a grande estrela da noite seria o Frei Betto. Pelo menos deveria ser, já que coube a ele abrir o ato com uma palestra. Devo confessar que já li e já ouvi outras falas de Frei Betto bem mais interessantes do que aquela feita na nossa Conferência. Não sei porque. Talvez tenha faltado mais tempo para que ele conversasse com as pessoas da base e fizesse justamente aquilo que, num dado momento, ele recomendou aos professores: façam dos alunos os protagonistas da (sua) própria história. De certa forma, faltou - e falta - um pouco isso aos especialistas, aos doutores e tantos outros que em geral procuram nos indicar o que fazer: deixai que nós mesmos falemos!

As temáticas e as discussões propriamente ditas terão início amanhã, dia 19, e devem ocupar todo o dia, estendendo-se até o meio-dia do domingo, 20. Não sei adiantar como serão os debates. Mas, vou trazer aqui o relatório daquilo que vi, daquilo que testemunhei, daquilo que aprendi, ou desaprendi. Uma nova postagem, inclusive de comentários, será feita somente a partir de segunda-feira, pois não sei como será meu dia entre hoje, já tarde da noite, e o domingo.

Ah, não poderia deixar de registrar também a presença da colega Vanessa Portugal e da companheira Rosa, do Barreiro, que visitou recentemente Senegal, no Fórum Social Mundial ocorrido no continente africano, e me disse que faria um relato de sua viagem aqui no blog. Não percebi a presença ainda dos amigos Rômulo e Fábio Bezerra (Fabinho), duas figuras fundamentais para a luta dos educadores de Minas.

Um abraço a todos e esperemos que a categoria consiga se mobilizar, tanto para as conferências, quanto para as assembléias e discussões nas escolas, para que consigamos realmente construir um forte movimento, autônomo e capaz de arrancar conquistas salariais e por melhores condições de trabalho, e com isso rediscutirmos os destinos da Educação pública no Brasil.

Ah, mas aquela água quente, borbulhante e em fortes jatos sobre o meu corpo, fez toda a diferença no dia de hoje...


***
Continuando... Segundo dia de conferência, sábado 19/02 - Na abertura da manhã, palestras sobre os desafios da Educação. Entre os conferencistas, um representante do MEC. O fato mais importante nessa etapa da conferência foi a fala fora do previsto de um delegado, o professor Romero, da cidade de Bocaiuva.

Até então tudo parecia "normal" demais, até que o colega Romero, ao final das falações oficiais, pediu a palavra e disse duas coisas que arrancaram aplausos:

1) que da sua região - Norte de Minas - durante a nossa maravilhosa greve de 47 dias, apenas um ônibus era deslocado para as assembléias. Contudo, para a conferência em Caxambu vieram seis ônibus;

2) ele criticou o piso do magistério e pediu para o representante do MEC levar para o ministério a proposta de se criar uma bolsa Educação, a exemplo da Bolsa-Família, para complementar os salários dos educadores.

Foi uma importante crítica à realidade dos educadores e à hipocrisia que reina entre os governos.

Assim que os palestrantes desceram do palco, fiz questão de procurar pessoalmente o representante do MEC para lhe fazer uma pergunta básica: qual era, afinal, o valor do piso reconhecido pelo MEC?

Ele me disse que este ano haveria um reajuste em torno de 11% sobre o piso. Perguntei-lhe: reajuste sobre qual valor. Disse-me: sobre os R$ 1.024,00. Respondi-lhe imediatamente que esse valor era ridículo, sobretudo considerando que estaria vinculado à jornada de 40 horas.

Ele disse que apesar de baixo, o valor do piso era contestado por vários governadores e que era um valor que atendia a boa parcela de educadores das regiões pobres do Brasil. Disse-lhe: mas, e daí? Todos os professores do Brasil estarão submetidos à essa lógica do atraso? Por que não elevar o salário aos padrões mais altos do Brasil? E mais: até quando vocês farão este jogo de culpar a outra esfera de governo (o federal dizendo que a culpa é dos governos estaduais e vice-versa)?

Ele me disse que havia um processo em curso para conseguir uma parceria entre as esferas da União. Respondi-lhe: que processo é este e até quando vai durar isso? Mais quantas décadas vocês nos empurrarão esta realidade?

Então ele me disse que havia sido dirigente da CNTE e que agora estava assessorando o MEC. Eu lhe respondi: pelo visto você conseguiu resolver o seu problema pessoal, mas nós, os educadores do Brasil, continuamos ferrados!

Ele tentou dizer que não era bem assim, e etc. e tal, mas o que dizer diante de fatos? Claro que essa conversa foi entre nós dois, e não de forma aberta em plenário, como seria o desejável se houvesse real democracia nas entidades sindicais, nos parlamentos, nas escolas, na vida cotidiana, enfim. Fazem as coisas para nos dizerem o que é certo e o que errado e evitam o confronto de idéias entre as figuras do poder - das diversas esferas - e a base.

Após, houve discussão temática entre vários grupos, o que deve continuar na parte da tarde. Depois trarei mais informações sobre a conferência, que nos bastidores tem discutido coisas importantes. Quero trazer minhas impressões mais profundas em outro momento, quando estiver em casa, a partir de segunda-feira. Até lá, esporadicamente, trarei novas notas de percepções que for colhendo nas minhas passagens pelos espaços da conferência. (Euler - sábado, 19/02 - às 13h40).

***

Retomando... Hoje, sábado, na parte da tarde houve abertura dos debates com palestras realizadas pelo assessor do ex-presidente Lula, Luis Dulci, a coordenadora do Sind-UTE Beatriz Cerqueira, pela ex-senadora Fátima Cleide e pelo presidente da CNTE - cujo nome não me lembro.

Fato é que lá cheguei quase no final das palestras, e julgo que não perdi muita coisa, uma vez que as falas estão centradas no endeusamento do piso salarial, que na nossa realidade representa pouca coisa. Ou nada. Mas, cheguei a tempo de ouvir o assessor de Lula dizer que ainda tem esperança de que o pré-sal resolva os problemas do financiamento da Educação básica. (Uma hora dessas deveriam convidar o nosso bravo colega professor Wladmir Coelho, especialista no assunto, e saber dele se ele tem a mesma expectativa em relação ao pré-sal).

Como na conferência, nos momentos de palestras dos convidados não temos direito a perguntas e ao diálogo horizontal, somos obrigados a ouvir de tudo sem poder questionar. Somente nas mesas temáticas, ocorre um tempo final para a participação dos delegados da base.

Mas, claro que não sou gente de ouvir tudo calado sem tirar algum tipo de satisfação, nem que seja ao meu estilo, direto, olho no olho. E foi o que fiz no final das citadas palestras. Como a direção da Mesa já havia agradecido e dispensado os palestrantes me aproximei dos oradores e os questionei, diretamente.

Para a ex-senadora Fátima Cleide foi só elogios: disse-lhe que ela foi uma lutadora no Congresso em favor dos educadores. Isso eu acompanhei pelo jornal e pela Internet e pela parabólica. Mas, ela deu a deixa, ao dizer que contou com o apoio das entidades sindicais, apontando para o presidente da CNTE, que estava ao lado dela neste instante. Retruquei dizendo: não, Fátima, o que você fez foi apesar de certas entidades, como a CNTE que deveria ter convocado os educadores nacionalmente para uma grande mobilização.

O presidente da CNTE não gostou da minha crítica e me respondeu de uma maneira ríspida, recebendo obviamente o troco, em igual medida, sem a baixaria que pareceu peculiar ao dito cujo.

Em seguida, já tendo dito para ele o que queria dizer, fui em direção ao ex-assessor de Lula, Luis Dulci que respondeu educamente aos meus questionamentos. Disse-lhe de cara: ô Dulci, este papo de esperar que o pré-sal resolva os problemas da Educação, porque vocês não dizem a mesma coisa para pagar juros de banqueiros e empreiteiros ou para dar reajustes abusivos para deputados?

Ele me respondeu dizendo que era um problema de legislação (o pagamento de banqueiros e deputados). Então eu disse: fica fácil para vocês jogarem a culpa nos governos estaduais, como o de Minas e das prefeituras, por não pagarem um salário decente aos educadores. Ele me disse: mas o ensino básico é de responsabilidade dessas esferas desde muito tempo. Retruquei: mas isso poderia mudar se vocês tivessem Educação como prioridade.

E engatei um outro ponto - isso com uma claque de militantes do PT me enchendo o saco e tentando livrar a pele de Dulci, que é uma pessoa preparada, e nem precisava do apoio da referida claque. Continuei, em meio ao cerco do pequeno grupo: você viveria com o piso de R$ 1.024 por uma jornada de 40 horas? - Perguntei-lhe.

Olha, ele me disse, quando era professor cheguei a cumprir jornadas de mais de 50 horas semanais por salários bem baixos. Mas, isso tem muito tempo... - retruquei. Nesse instante um militante da base do governo federal entrou na conversa dizendo: mas aqui em Minas os tucanos não pagam melhor salário porque não querem. Eu disse: mas eles alegam que a culpa é da LRF. E o Dulci disse: não é não, eles podem pagar, mas não pagam. Tiveram dinheiro até para construir a Cidade Administrativa. Nisso eu concordo em parte com ele, mas não desfaz a realidade de baixos salários dos educadores em todo o Brasil, e não apenas nos governos tucanos.

Nesse momento, dada a intervenção de algumas pessoas ligadas ao governo federal, prejudicando o diálogo direto que estávamos travando, Dulci conseguiu se afastar, dizendo que não estava entendendo mais o que eu lhe dizia. Mas, ele deve ter ouvido quando eu disse: pois é, vocês vêm aqui participar da conferência mas blindam vocês, para que não haja o contraditório. Foi assim com Dulci, com o presidente da CNTE, com a secretária da Educação de Minas, com o representante do MEC, enfim, com todos aqueles que de alguma forma precisariam ouvir verdades ditas por pessoas da base.

Nas mesas temáticas, das poucas que participei, houve um momento muito grande para exposição e um momento menor para o debate ou perguntas. Os temas, variados, como: Currículo, financiamento da Educação, Saúde do Trabalhador, Egito, violência no espaço escolar, etc.

Nesse particular, houve boas intervenções e alguns lugares comuns, também. Poderiam reservar tempo maior par o debate entre os delegados, de preferência com a audiência dos convidados. Devemos acabar com essa prática tradicional e subserviente de trazer figuras para bater palmas pra elas, como se fóssemos bois de presépio. Somos educadores e a nossa cidadania deve começar inclusive com a crítica da nossa conduta entre nós.

Se queremos ser respeitados por governos e pelos alunos e pela comunidade, devemos nos fazer respeitar, não permitindo que sejamos usados para fins políticos eleitorais ou de qualquer partido. Uma coisa é a necessária politização dos temas; outra coisa é o aparelhamento burocrático de entidades, como sempre acontece, infelizmente.

Uma pessoa me disse: Euler, você não acha que estão impondo uma coisa fechada para cima da categoria, blindando por exemplo, o governo federal? Respondi-lhe: essa prática não é nova. Que se faça crítica contumaz ao governo mineiro, tudo bem; mas, que nãose tente afastar o governo federal da sua parte de culpa na realidade de miserabilidade dos educadores de Minas e do Brasil.

Amanhã, domingo, é dia de plenária para votar as decisões dos grupos. Provavelmente muita coisa interessante será votada. Mas, a menos que me surpreendam, voltarei para casa com o sentimento de que a categoria precisa amadurecer muito ainda, e não desperdiçar oportunidades raras de encontros como este, para discutir seriamente o nosso presente e o nosso destino. (Euler - à meia-noite, ou 23h do novo horário de verão - desculpem a pressa, e a falta de revisão do texto, sem falar no teclado, que é diferente do meu, o que implica em demora maior, além do sono que já me cobra a cama. E olha que tem confraternização agora a noite - na qual não vou, por razões que minha consciência crítica explica - só ela).

***

Retomando... em parte, apenas!

Noite mal dormida. Às 4h30 chega ao quarto onde durmo o colega que havia ido à tal confraternização do sindicato, claro que embriagado. E começa a ligar o celular e conversar em voz alta. Ninguém merece. Isso me tirou o sono e para não discutir em plena madrugada com quem não tinha condição de dialogar minimamente, achei por bem me retirar do quarto e fui dormir no corredor, numa poltrona qualquer do hotel. Dormir não, né, cochilar, já que o sono se esvaíra ante o despertar em plena madrugada. Em ocasião já longínqua eu dormira em plena praça pública no centro do Rio de Janeiro, com todos os riscos afeitos a tal iniciativa. Era preciso dormir na praça até o dia seguinte, quando um evento começaria, não me lembro bem se uma conferência ou encontro. Época de estudante e de militânicia social tem dessas coisas, que suportamos numa boa, sem maiores problemas.

Nesse instante, com o fim do horário de verão - maldito horário de verão, que nos rouba uma hora e torna o dia quase sem fim! -, aguardo a chegada das sete horas, quando o café é disponibilizado. Não sei qual será o meu ânimo para o restante da conferência. Mas, sei que vou repensar seriamente a vinda em eventos dessa natureza. E que minha disposição de luta é a mesma, isso não há o que repensar. Mas, quero tratar mais seriamente sobre essa relação de antigos ativistas sociais com a máquina do estado, quando se transformam em burocratas a serviço da reprodução do capital. Têm dinheiro para banqueiros, mas não têm dinheiro para pagar salários mais justos para assalariados de baixa renda. Quem está no poder, afinal? Para que chegar ao poder, afinal?

***

P.S. Quando chegar em casa, incorporo os comentários dos nossos visitantes, uma vez que, não se sabe porque cargas dágua o computador que mexo agora, aqui no hotel, não consegue realizar as funções de copiar e colar. Deve ser coisa deste maldito sistema Windows! No meu Ubuntu - Linux isso jamais acontece.

***

Retomando... Rapidamente, apenas para comentar o comentário da colega professora Marly Gribel. Sobre o Norte de Minas, apenas relatei o que ocorreu na plenária, que aliás não foi contestado por ninguém durante a conferência. De maneira alguma faltei com o respeito com os bravos colegas do Norte de Minas, ou de qualquer outra região. Não queira colocar na minha boca aquilo que eu não disse ou não fiz. Como estou de saída - de retorno - para casa, amanhã volto ao assunto, a este assunto e a outros também.

Como disse o nosso colega João Paulo, temos muita luta pela frente. A conferência pode ter representado um momento da luta, mas, na minha avaliação, poderíamos explorar melhor a reunião de dois mil educadores para um debate mais horizontal. E de preferência com prévias discussões nas escolas, para que os temas recebessem a contribuição coletiva de todos os educadores.

Mas, vamos em frente! Com os bravos colegas do Norte, do Sul, do Leste, do Oeste, de toda parte de Minas, combatendo a acomodação e o espírito de derrotismo.

***

Agora sim, chegando em casa. Nada como a casa da gente, embora tenha adorado a cidade de Caxambu. Povo acolhedor, um astral ótimo das pessoas nas ruas, no comércio, por toda parte.

Vou retomar o nosso diálogo respondendo novamente a nossa colega Marly Gribel, que na sua segunda mensagem exagera em relação à interpretação daquilo que escrevi. Os bravos guerreiros do Norte de Minas de maneira alguma foram "execrados" pela plenária. Atentai para o contexto que eu descrevi, colega.

Vamos recuperar aquele momento, para que não pairem dúvidas. Ao final da abertura da conferência no sábado, na parte da manhã, após a falação dos convidados da direção do sind-UTE, um colega chamado Romero - que não foi lá passear, mas participou seriamente das plenárias e mesas temáticas - pediu a palavra e, quebrando o protocolo, fez duas considerações. Na primeira delas, disse que na região onde ele mora, em Bocaiuva, no Norte de Minas, ao contrário do que ocorrera durante a greve (palavras dele, não minhas), quando apenas um ônibus era deslocado para a assembléia, desta vez, para a conferência, foram seis ônibus.

A segunda, o colega professor disse era que, dada à realidade de miséria salarial dos professores, por que o governo federal não cria logo uma bolsa-Educação - a exempo do Bolsa-Família - para pagar um salário mais decente aos professores?

Eu - e acredito que a maioria da plenária - entendi a fala do colega Romero muito mais como uma crítica ao discurso vazio dos governos, que dizem que pagam o piso, ou que fizeram o piso, mas que na realidade a nossa condição é de miséria. Aplaudimos sim, todos, a ousadia do colega em quebrar um protocolo que parecia feito, naquele momento, para não questionar certas figuras dos governos estadual e federal. Não há qualquer relação entre este aplauso e a suposta "execração" aludida pela colega Marly, que não estava na plenária.

Não estava em questão ali a combatividade maior ou menor de qualquer região - e é público e notório para todos nós que os colegas do Norte de Minas estão entre os mais combativos da categoria. Não queiram me jogar contra qualquer região, porque não conseguirão.

Quanto à questão da bolsa Educação, claro que eu pessoalmente não concordo, e tive a oportunidade de dizer para o colega Romero que era preciso que o governo federal entrasse sim, com recursos, seja por meio da federalização ou da complementação do nosso salário. E mais: disse que a fala dele serviu muito mais para desmoralizar o tal piso do magistério (propor algo como bolsa-família para os professores é o mesmo que dizer que o nosso piso é uma piada), do que propriamente enquanto uma proposta concreta - embora talvez tenha sido essa a proposta dele, com todo o direito que ele e qualquer outro professor tem de apresentar propostas.

Espero ter encerrado este assunto e esclarecido a minha participação no episódio, muito mais como testemunha pessoal daquilo que aconteceu num dos momentos da conferência.

Passemos, agora, a outras considerações. Mas, antes, quero transcrever abaixo, as mensagens que já recebemos, conforme prometido. Antes, ainda, porém, quero deixar bem claro que, embora não conheça pessoalmente a colega Marly Gribel, percebo que se trata de uma pessoa da maior combatividade, que atuou e atua no movimento dos educadores já de longa data. Muito mais tempo que eu, pelo que parece. E por isso, tem o meu respeito, mesmo não concordando com algumas análises que ela faça, tanto a meu respeito, quanto a respeito do movimento.

***

"Anônimo:

Afinal o clima está para mais uma greve??? Isso é o que queremos saber. O resto será o mesmo lero de todo encontro
. "

"Anônimo:

Euler:

Foi bom saber já dos acontecimentos em Caxambú.
Ai que vontade de tomar essa ducha de água quente!
Euler, quem sabe você consegue falar com a secretária de educação? Vou torcer! Não perca a oportunidade de levar as nossas propostas!

Queria também saber sobre as 30 horas.
Um abraço! E boa viagem!
"

"Ivone:

Um pouco de história,para entender como se muda a forma de olhar, quando se deixa de ser um oprimido...MENINOS....EU VI...!!!!(fOI O ANO EM QUE INICIEI MINHA CARREIRA DE PROFESSOR PÚBLICO MINEIRO, COM 17 ANOS de idade...PORÉM EU JÁ ESTAVA LÁ...

MAS É O MESMO LUIZ DULCI??CITADO NO TEXTO DO BLOG????

"...A segunda greve da categoria é deflagrada em 22 de abril de 1980, mas o quadro de paralisações é pequeno e os principais líderes são presos no Dops. Uma semana depois, LUIZ DULCI, Fernando Cabral, Luís Fernando Carceroni, Carlão (Antônio Carlos Ramos Pereira) e Ísis Magalhães são presos e, em 3 de maio, iniciam greve de fome pela abertura de negociações, fim da repressão e atendimento às reivindicações. Também é deflagrada a primeira greve dos professores P1 da rede municipal de Belo Horizonte e um culto ecumênico, pela libertação dos presos, é celebrado na Igreja de São José, com cerca de 2.500 participantes. O governo promove forte repressão ao movimento, demitindo os contratados e suspendendo os efetivos por 15 dias."


http://www.sindutemg.org.br/novosite/conteudo.php?LISTA=menu&MENU=24
"

"Rômulo:

Combatente Euler,

Agradeço pela lembrança, mas por problemas de saúde na família precisei ficar em Belo Horizonte. Minha filha Clarice voltou ao hospital e infelizmente passa pelo momento mais difícil de sua enfermidade.

Estive em Brasília no Congresso da CNTE e tive que voltar às pressas, sendo assim, fiquei receoso de ir até Caxambu e ocorrer o mesmo.

Espero que os camaradas compreendam a situação. Farei todos os esforços para estar ombro a ombro com os companheiros e companheiras na próxima Assembleia Estadual.

Após ler os informes, a angustia e a aflição por não poder estar presente na atividade diminuíram bastante em virtude da postura combativa nos questionamentos feitos pelo companheiro Euler.

Bela enquadrada no representante do MEC!

Que bom que minimamente você conseguiu retrucar o sr. Luiz Dulci. Na última ocasião que dialoguei com esse representante do Estado Burguês, durante o último Congresso do Sind-UTE em Poços de Caldas, não tive direito a réplica. O amigo mandou a real muito bem!

Se o amigo ler esse comentário em tempo e conseguir intervir ainda no encontro gostaria que o companheiro compartilhasse uma avaliação que temos feito na base da categoria.

As conferências e encontros do nosso sindicato devem ter como protagonistas os trabalhadores em educação. Devemos receber convidados, especialistas, debater com os representantes do Estado, mas devemos criar uma estrutura democrática onde os trabalhadores tenham diversos momentos para apresentarem suas ideias, inclusive pontos de contradição.
"

"Marly Gribel:

Euler, invado seu pequeno espaço para retificar um grave equívoco que comete contra os companheiros do norte de Minas: os destas bandas daqui, nuncam deixaram de participar de toda a movimentação do sindicato e dos movimentos de greve. Colocar num blog visitado como o seu, que conta com milhões de visitas um absurdo deste, é desvalorizar a luta de milhões de trabalhadores que deram o sangue, que ocuparam prédios públicos nos últimos vinte anos, (aqueles momentos históricos que vc não participou) que movimentaram passeatas gigantescas aqui em MOC na última greve,região que mobilizou o norte de Minas para a luta e que é menosprezado pela fala de um cidadão de Bocaíuva , que com certeza, foi passear em Caxambu e pedir esmola de bolsa família para o MEC. Por favor, é muito leviandade sua expor uma parte da categoria a esta vilania. Vc que tem milhões de adeptos deveria ter mais respeito por nós e por nossa história
"

"João Paulo Ferreira de Assis:

Prezado amigo Professor Euler

Se eu já não tinha muita esperança nessa conferência de Educação, agora é que ela se acabou mesmo. Acho ainda que falta muita luta para nós conseguirmos o triunfo final. E pelo que vejo, vou aposentar com essa miséria que eu ganho. Nossa classe ainda é muito desunida. Outro dia eu disse no site remédiosmg que não entendia como os sindicatos municipais de funcionários públicos ainda não têm uma entidade estadual que os represente, por exemplo, uma Associação Mineira dos Sindicatos Municipais. Se vejo os prefeitos unidos na Associação Mineira de Municípios e na Confederação Nacional de Municípios. E nossa Conferência de Educação perdendo tempo com o Egito... Vá lá, se fosse um encontro só de professores de História, até que se justificaria.
"

"Anônimo:

Olha acho essas discussões sobre regiões, que é isso ou aquilo outro, perder tempo, sou do triângulo mineiro, que é uma região que inclusive já tentou se desmenbrar de MG, pois é uma região bem distante de BH, com diferenças culturais e políticas, aqui o PSDB não ganhou as eleições como na capital, temos nossas cararterísticas próprias.

Mesmo com toda essa distância e diferenças, gosto muito do site do Euler e de suas opiniões, é a minha referência de informações sobre a classe de educadores de MG, aqui várias vezes coloquei as minhas ideias, e foram respeitadas, inclusive as que divergiam, gosto também dos comentários de nossos colegas, inclusive sei até os seus nomes, Luciano, Rômulo, João Paulo.

Euler obrigada pelo site, e continue nos fortalecendo, e acreditando na educação.
"

"Marly Gribel:


Bem, eu não coloquei palavras na sua boca, vc mesmo escreveu (o registro é seu) Leia vc mesmo seu post.
Pelo que li, vc deu bastante ênfase ao tema sim:" duas coisas arracaram aplausos"...LEIA!

Quanto a defesa ou não dos que lá se encontravam têm até explicação: 2 mil pessoas execrando uma pequena delegação de 6 ônibus, não deve ser nada fácil (Tente se colocar no lugar deles, pois eu o fiz e não gostei).

Felizmente não fui nesta aberração. Que momento irracional! Meu Deus!!!
"

***

Retomando... Ainda que a conferência não tenha ocorrido da maneira que eu desejasse - com diálogos horizontais e sem o aparelhamento ideológico de figuras ligadas ao aparelho do estado - dos diversos governos -, apesar disso, a conferência produziu discussão e formulou propostas.

Espero que nos próximos dias o sindicato promova, mesmo que de forma inversa, a distribuição da síntese das discussões nos grupos temáticos. E por que uso a expressão "de forma inversa"?

Porque o ideal teria sido se o sindicato provocasse o debate antecipado nas escolas, enviando um caderno com textos com opiniões diferentes, e até realizando seminários específicos sobre cada um dos temas debatidos separadamente na conferência. Por lá, num mesmo horário, haviam cinco ou seis grupos discutindo temas de grande importância para a categoria, como: a questão da saúde, da violência na escola, do currículo, da gestão democrática, do tempo, do financiamento da educação, e até do Egito.

Nenhum delegado presente à conferência teve a oportunidade de discutir profundamente todos os temas citados, pois ficavam presos a uma mesa temática. Gostaria de ter discutido separadamente cada um dos temas mencionados e acho que o mesmo ocorre com os demais colegas. Portanto, que numa próxima conferência, o processo ocorra da seguinte forma: 1) discussão ampla na base, em cada escola, com divulgação em larga escala das análises (via internet, por exemplo) e eleição dos delegados nesse processo de acúmulo de discussão; 2) realização de seminários sobre cada tema específico, usando o critério da intervenção inicial de um ou dois convidados e um tempo maior para o debate dos participantes; 3) a conferência seria o momento de culminância, com o amadurecimento das questões e a formulação coletiva de análises e propostas de encaminhamento.

Um outro detalhe importante: é preciso banir do nosso meio essa prática da promoção política de certas personalidades ou partidos políticos. O sindicato perde a sua autonomia quando promove essa prática. Isso não é coisa séria, precisa mudar, se quiserem construir um movimento realmente autônomo.

Mas, isso não impede o sindicato de convidar personalidades para o debate - não para a promoção - com a categoria. Ao invés de chamar, por exemplo, Luis Dulci e o representante do MEC para fazerem discurso, convide-os para um debate aberto e democrático com a base da categoria, com real tempo para intervenção e direito de réplica dos colegas da base. Se não aceitarem assim, é porque não merecem participar de nenhum fórum do nosso movimento.

A impressão que essas pessoas levam desses espaços forjados artificialmente é a de que a categoria está feliz; no máximo, insatisfeita com o governo estadual, como se também o governo federal não tivesse responsabilidade na realidade trágica da Educação básica no Brasil.

Trazer gente para fazer discurso e receber aplausos é mais ou menos o mesmo que reproduzir o que faz a mídia burguesa, quando coloca seus comentaristas para defenderem o ponto de vista das elites, sem qualquer direito do contraponto por parte dos telespectadores. Não somos telespectadores! Somos associados livremente de uma entidade que nos representa junto ao governo na luta por nossos interesses. Não dá para atacar apenas o governo tal e promover os membros do governo Y, por terem estes maiores ligações pessoais, ideológicas e políticas com a direção sindical. Isso quebra a autonomia e pode levar à morte da entidade, mesmo que formalmente ela continue existindo.

Não é isso que desejamos, e por isso fazemos aqui esse alerta e esse apelo: vamos abrir mais espaço para que a base se manifeste! E para que os de cima ouçam o ruído da nossa indignação.

Eu pergunto aos 2.000 delegados que participaram da conferência: alguém sabe me dizer qual é o valor do piso do magistério? Por lá passaram Luis Dulci - ex-secretário do presidente Lula -, o representante do MEC, Ana Lúcia Gazzola, secretária estadual da Educação em Minas, o presidente da entidade chapa branca do governo federal (uma espécie de Sindpúblicos do governo federal), que atende pelo nome de CNTE, e mesmo assim, ninguém será capaz de dizer qual o valor do piso do magistério.

Para o representante do MEC por exemplo, com quem eu discuti pessoalmente, fora das limitações burocráticas, o piso é de R$ 1.024,00 mais o reajuste provável entre 11% e 13% para uma jornada de 40 horas. E é este valor que será repassado para os governos como recomendação. Já a entidade chapa branca continuará iludindo quem quer ser iludido, dizendo que o piso é de R$ 1.597,00 sem mencionar que nenhum governo reconhece esse valor (nem o MEC do governo federal), e que este valor é para uma jornada de até 40 horas. Logo, se é até para 40 horas, os governantes poderão muito bem alegar que proporcionalmente à jornada menor, podem pagar salário menor.

Mas, essa questão do piso sequer foi discutida adequadamente, já que se convencionou dizer que o piso é um avanço para a categoria. Não é isso o que os 3 milhões de educadores do Brasil estão sentindo. Aqui em Minas, o novo teto salarial de R$ 1.320,00 foi arrancado na luta, independentemente de estar sendo aplicado ou não piso, já que a lei do piso acoberta qualquer prática - seja para o governo que deseja pagar R$ 615,00 (para uma jornada de 24 horas, por exemplo), ou para aquele que pagar R$ 1.320,00. Ou seja: o piso é uma piada.

É preciso sim lutar para um salário que se aproxime do piso do DIEESE para o salário mínimo - R$ 2.320,00 - tendo como base a menor jornada praticada no Brasil (e não a maior), um terço de tempo extraclasse e plano de carreira com reais possibilidades de progressão na carreira. Essa luta começa, para nós mineiros, aqui em Minas Gerais, mas é preciso envolver também os educadores do Brasil, e o governo federal, se não quisermos nos iludir. Estou pessoalmente convencido de que não há possibilidade matemática do governo mineiro e demais governos estaduais e municipais melhorarem substancialmente os nossos salários sem o aporte da esfera federal. Mas, esse debate nem a CNTE, nem o Sind-UTE querem travar, para não causar desgaste ao governo federal. Acredito até que a presidenta Dilma tenha interesse nesse debate. Mas, há um conluio dos governos estaduais e das entidades sindicais, ao sabor das conveniências políticas e eleitorais, para que tal problema escape da lógica derrotada em que se encontra.

Somente a mobilização e a cobrança da categoria, daquilo que ainda há de pensante na categoria, poderá mudar essa dinâmica.

Agora, meus amigos, como cheguei há pouco de viagem, espero dormir um pouco e recuperar a noite mal dormida de ontem. Para repor as energias e continuar contribuindo para construir coletivamente a possibilidade de realidades melhores para os trabalhadores da Educação e demais assalariados-explorados do Brasil e do mundo. Um abraço a todos, e força na luta!

"Marlene de Fatima
:

É interessante o comentário de nosso colega do Norte de Minas, pois o que aconteceu em nossa escola foi vergonhoso, pessoas que furaram a greve ou que fizeram a chamada greve branca, viram no congresso uma oportunidade de passeio, enquanto muitos de nós que enfrentamos as cansativas viagens até BH, fcamos de fora.

Realmente é preciso amadurecer nossa categoria e nossa consciência.
"

"Luciano História:

Eu, Luciano de Janaúba, norte de Minas, acho que nós do norte deveríamos parar de achar que todo comentário feito por alguém que não é do norte sobre o norte ou de uma pessoa de nossa região, é um comentário preconceituoso. O colega Euler expôs um comentário que ocorreu na conferência, se o rapaz cometeu algum equivoco ou não, se você gostou ou não, o culpado não foi o Euler. O colega, amigo virtual, mesmo as vezes não concordando com alguns de meus comentários (tem hora que eu escrevo só pra dar uma cutucada nele e no Rômulo) sempre me tratou virtualmente com o maior respeito. Acho que ao invés de discutir preconceito regional deveríamos estar preocupados com alguns pontos colocados pelo colega como por exemplo a ridícula lei do piso que muitos acham que é a solução. Fazendo as contas , se o aumento do piso for de 11%, o valor vai para 1.136,00 por 40 horas, para 24, o valor é de 682,00. Se o governo federal tem algum interesse de resolver o problema ele tem que estabelecer no mínimo 5 salários para 40 horas, 1/3 extra-classe, mais uma progressão de 3% a cada 2 anos, assim o cargo em Minas de 24 horas seria no valor de 3 salários.
"

Aos meus amigos e amigas de Vespasiano: A partir desta data (22/02/2011), além deste blog voltado para a defesa da Educação pública de qualidade e dos educadores em luta, estamos inaugurando um novo blog, específico para Vespasiano. É o Blog do Euler para Vespasiano, que pode ser visto aqui. Mas, que fique claro: minha prioridade é aqui, neste blog voltado para a Educação. Um abraço e um beijo a todos/todas.

"Cassio DIniz:

Olá Euler.

Gostaria de fazer uma observação em relação aos comentários sobre uma das atividades da VI COnferência Estadul de Educação em Caxambu. A subsede de CAxambu e Região organizou a mesa temática "Egito: o caráter de uma revolução", com o objetivo de avançar na formação política de nossa categoria. Apesar de aparentemente o assunto não estar relacionado com educação propriamente dito, o fato merece profunda reflexão por nossa parte. A realidade mundial deve fazer parte do nosso contexto de atuação sócio-política. O sindicato não serve apenas para as lutas econômicas imediatas, mas deve ser também a escola política da categoria. Infelizmente pude perceber que algumas pessoa não entendeream o recado.

Além disso, a mesa temática sobre o Egito foi a única que não contou com convidados ilustres, tanto do governo federal quanto estadual. Contou apenas com professores da rede estadual e militantes de base do sindicato (o companheiro Ronan, a companheira Mauricéa e eu). Se a categoria não estive interessada, não teríamos 250 pessoas no salão. E os comentários posteriores mostram que muitos gostaram. Abraços
"

Comentário do Blog: Caro Cassio, agradecemos a sua visita e o comentário acima. De fato, um dos nossos diletos amigos aqui do blog, o professor João Paulo, questionou a oportunidade da discussão sobre a realidade do Egito, tendo em vista a urgência de questões pendentes na Educação em Minas e no Brasil.

Em outro comentário ele disse que o ideal seria um seminário específico sobre o tema. É a opinião dele, que devemos respeitar, embora pessoalmente eu não considere que a inclusão do tema na conferência tenha prejudicado. Outras questões, que mencionei nos textos acima, foram, a meu ver, realmente prejudiciais para a nossa união e luta.

Passei rapidamente na sala onde discutiam o tema sobre Egito e a Revolução e, coincidentemente, foi no momento em que você, Cassio, falava sobre a questão da democracia, de modo conceitual, estendendo, portanto, a análise a todos os países, incluindo o Brasil, onde a democracia burguesa é obviamente bem limitada. Como não fiquei no seu grupo até o final, não pude acompanhar todo o desenrolar.

Mas, o tema "democracia", que você abordou muito bem, é realmente oportuno para a nossa realidade. É comum falarmos em teoria sobre as coisas para os outros, sem olharmos os nossos umbigos. É importante, por exemplo, discutirmos a democracia e a transparência no nosso próprio sindicato, se quisermos cobrar dos outros - dos governos, por exemplo - com autoridade moral para tal. Será que o nosso sindicato está em condição de fazer isso? Um abraço e parabéns pelo enfoque que deu na sua fala
.

Comentário do Blog sobre a assembléia do dia 24: No próximo dia 24 de fevereiro, portanto daqui a dois dias, ocorre a assembléia geral dos educadores convocada pela direção do sindicato. Claro que lá estarei, mas quero deixar alguns pontos bem claros: a data da assembléia não é a mais oportuna, por duas razões: 1) muito próxima da conferência estadual, o que causa um grande desgaste aos educadores que moram distantes da Capital mineira, 2) o fato de ser num dia da semana, o que provocará a perda de um dia de serviço.

Como se trata de uma assembléia que vai aprovar a pauta de reivindicações para (re) iniciar as negociações com o governo, poderia ser realizada num sábado, por exemplo, para evitar o desgaste econômico da perda do dia de serviço. A assembléia não poderá, por exemplo, aprovar uma greve, pois sequer aprovou uma pauta para iniciar as negociações com o governo. E aprovar um estado de greve sem que sequer tenha iniciado a negociação não me parece uma prática adequada - já que o governo, através da nova secretária, tem demonstrado interesse em negociar.

Ao contrário do que vem dizendo a direção do sindicato, não considero que um número pouco expressivo na assembléia represente sinal de fraqueza da categoria. E o governo já conhece muito bem a nossa força, não precisando de mais exemplos para tal, a não ser quando for para valer mesmo, como fizemos em 2010, com a nossa maravilhosa greve de 47 dias.

Quem puder, deve participar da assembléia para discutir a pauta proposta pelo sindicato (direção e conselho). Como não faço parte nem da direção, nem do conselho vou ter que aguardar a proposta durante a assembléia. Espero que haja espaço para discutir as propostas, incluindo a que eu vou levar, de que o sind-UTE solicite uma reunião diretamente com a presidenta Dilma, sem a participação da CNTE - do sind-UTE apenas, com as lideranças do estado (e não necessariamente coma a comissão exclusiva da direção).

Muito provavelmente esta proposta não passará, mas não quero que nos acusem de não ter tentado fazer nada para superarmos essa realidade vergonhosa da carreira dos educadores, especialmente dos professores. Este não é um assunto somente estadual ou municipal, como tentam fazer crer alguns, e é preciso que tentemos um diálogo direto com a presidenta Dilma - nada de MEC, nem de CNTE, ou de qualquer outro intermediário.

No âmbito mineiro, não há grandes novidades: é tentar o reposicionamento de acordo com o tempo de serviço para os servidores na nova tabela, além do retorno dos percentuais de promoção e progressão, o reajuste anual de salários, o terço de tempo extraclasse, o direito dos efetivados, etc. O sindicato tem falado muito pouco sobre estes temas. Até agora não vi uma proposta de pauta de reivindicações como a que nós divulgamos aqui no blog - que por sinal é bem simplesinha e não abrange demandas específicas de outras carreiras da Educação, além dos professores. E seria muito importante que a categoria conhecesse as propostas da direção sindical, antes mesmo de participar da Assembléia.

Assim ficaria mais fácil eleger nas escolas um ou dois representantes e até cobrar das direções das escolas o não corte do dia destes colegas que estariam representando o coletivo dos trabalhadores na escola, levando propostas e acúmulo de discussão. A outra maneira de conduzir as coisas é usar a máquina para levar educadores para aprovarem as propostas da direção ou do conselho. Nem sempre isso dá certo, como ficou demonstrado na nossa greve de 2010. E é despolitizante. Fica aí a sugestão de encaminhamento.

Quem puder participar da assembléia, faça-o. Se acharem que não têm condições de perder um dia de serviço, que representa hoje cerca de R$ 44,00, procurem pelo menos eleger um colega para representá-los na assembléia e conversem com a direção da escola para que este colega não tenha o dia cortado. Não pode estar descartada a possibilidade de que o coletivo da escola, não sendo atendido pela direção, faça um rateio para ressarcir o colega de sua perda financeira. Trabalho coletivo é assim: as conquistas são para todos; os sacrifícios não podem ser individualizados. Um abraço a todos e força na luta!

"Luciano História:

Euler, nós temos que exigir do governo o cumprimento das medidas que ele prometeu após a greve. O governo tem que estabelecer dadas para a implantação da jornada de 30 horas, pagamento do subsídio da pós-graduação, da prova de certificação e principalmente do concurso. Após exigir aquilo que já foi prometido pelo próprio governo como forma de valorizar a carreira, lutar pelo que nos foi tirado (posicionamento de todos na letra de acordo com o tempo de serviço).Ficar exigindo um monte de coisas e escutar do governo que ele vai estudar o assunto não resolve o problema, você defende que os efetivados tenham direito a jornada de 30 horas, você sabe quando os efetivos terão direito a essa jornada? Caro amigo, não podemos colocar o carroção na frente dos bois, o grande problema da nossa luta é que perdemos o foco e deixamos muitas vezes o governo nos enrolar. Alguém comentou sobre uma greve, será que em uma categoria onde boa parte teve 40% de aumento uma greve vai pegar agora?
"

"Anônimo:


Caro Euler:

Hoje participei da assembleia da minha cidade, e fiquei sabendo sobre a Lei de promoção resolução 67/2010, onde o efetivo concursado só terá direito a promoção de seu título após 5 ADE contadas a partir do estágio probatório de três anos, e o efetivado passará a ter direito a promoção em seu cargo após 5 ADE após 2007, se tiver interesse mando para o seu email.
Outra coisa que foi falada é sobre o concurso que provavelmente não sairá nesse 1º semestre, e uma possibilidade é oferecer aos Lei 100 pontos, e se passarem podem requerer a sua vaga como efetivo, evitando assim que fique com dois cargos.

Acho que terei direito a promoção primeiro no meu cargo da Lei 100, antes do efetivo que tomei posse em 2005, porque nele eu preciso contar com os três anos do estágio probatório que não é considerado no caso da Lei 100.

A minha escola no período da tarde teve votação e a maioria decidiu parar dia 24.
"

"Luciano História:

O que mais me deixa irritado na categoria é o tal do eu ouvi falar. Ouvi falar que não tem concurso, ouvi falar que não tem eleição pra direção, as 30 horas, ouvi falar que só sai ano que vem, essa tal certificação nem ouvi falar. Será que só eu sofro com essa falta de definições? Ano passado foi dito que o subsídio seria pago no quinto dia util de fevereiro, por qual motivo as demais promessas o sindicato não consegue estabelecer datas com o governo? Colegas, vocês já fizeram a conta de quanto a gente perde financeiramente com a demora da implantação do cargo de 30 e o não pagamento da pós-graduação. Não vou a Assembléia no dia 24 mas gostaria que algum colega focalizasse como meta do sindicato a tentativa de estabelecer com o governo as datas para a implantação daquilo que já foi prometido (30 horas, concurso, certificação).

Desde já agradeço
"

"Anônimo:

MEC vai referendar alta de 15,8% no piso nacional dos professores
Data: 23/02/2011
Veículo: VALOR ECONÔMICO -SP
Editoria: BRASIL

O piso salarial dos professores da rede pública de todo o país será de R$ 1.187,97 em 2011. O valor representa alta de 15,84% sobre os R$ 1.024,67 adotados no ano passado. O reajuste será referendado pelo Ministério da Educação (MEC) em documento que será publicado amanhã como forma de orientar Estados e municípios. Além disso, o ministro Fernando Haddad revelou que também divulgará instrução que flexibiliza critérios para a liberação de recursos federais a cidades sem capacidade de caixa para cumprir a lei do piso. A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) estima que cerca de 500 municípios brasileiros terão problemas para cobrir o aumento - a regra contempla docentes com nível médio em jornadas de trabalho semanais de 40 horas.
Em conformidade com a lei do piso nacional do magistério - Lei 11.738, de 2008 -, o reajuste de 15,84% segue a variação, no período anterior, do custo anual mínimo por estudante, do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Apesar desse valor já ser conhecido desde dezembro de 2010, ainda há dúvidas sobre o percentual de aumento do piso e quando deve ser concedido.

Na opinião de especialistas em políticas educacionais, falhas na formulação da lei e ações na Justiça, somadas à revisão para baixo das receitas tributárias de Estados e municípios em 2009, causaram confusão sobre a interpretação da legislação, mesmo depois de três anos de sua entrada em vigor.

"Vamos fazer como no ano passado, divulgar uma nota sobre as regras de cálculo do piso, em resposta a consultas de entidades educacionais e governos. Como a lei não estabelece que o MEC decrete o aumento, nós respondemos às demandas e isso passa a ser referência", explica o ministro da Educação. Haddad lembra que um projeto de lei do Poder Executivo, que altera a lei do piso, está em tramitação na Câmara dos Deputados e dará ao MEC a competência de decidir anualmente o valor do piso e mudar a vigência do reajuste, de janeiro para maio.

O assessor de financiamento educacional da Undime Luiz Araújo, ex-presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), acrescenta que o projeto de lei prevê que a atualização do piso não poderá ser inferior à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior à previsão do reajuste. "Se o custo mínimo por aluno do Fundeb for baixo, os trabalhadores terão pelo menos reposição da inflação."

Apesar de considerar a lei do piso um avanço, Araújo diz que as regras apresentam "vazios legislativos" importantes. "Como fazem uma lei sem indicar quem decreta o reajuste? Além disso, a lei do piso não segue uma das metas do Plano Nacional de Educação, a de garantir reajustes ao magistério de modo a equiparar o ganho dos professores à referência salarial de outras categorias do serviço público, de acordo com a escolaridade."

Junto com a divulgação do novo piso dos professores, o MEC vai anunciar a flexibilização dos repasses federais a municípios que não dão conta de cumprir a lei do piso. O secretário estadual de Educação de Sergipe, Belivaldo Chagas, disse que, dos 75 municípios do Estado, apenas 5 podem pagar o piso. "Para ter acesso aos recursos da complementação do Fundeb, o MEC exigia dos municípios gastos de 30% com educação, enquanto a Constituição exige 25%", ilustra Chagas.

Haddad disse ao Valor que esse e outros critérios foram amenizados para que os municípios mais pobres tenham acesso à verba de cerca de R$ 1 bilhão, da complementação da União para garantir o pagamento de salários do magistério.
"

"Anônimo:

Caro Luciano:

Concordo com você, é muita indefinição, e o sindute demora muito a repassar para a categoria as negociações e as resoluções, por exemplo, muitos da Lei 100 não sabiam que teriam direito a partir de 2007 e com as ADE de terem promoção, já é uma resolução, é uma coisa concreta e não ouvi dizer. Mas só ontem é que fiquei sabendo disso.

Gostei desta resolução, só não entendi porque o efetivo precisa de 8 anos (3 do estágio probatório mais 5 ADE), até parece que ser efetivo está errado para o governo, ele tem que nos penalizar a cada resolução. Quem mandou passar no concurso e ser efetivo em MG!
"

"Anônimo:


caro professor Euler ,não confio nem um pouco neste sindute ! acho que a Beatriz Cerqueira esta almejando se candidatar a um cargo politico, e esta fingindo que esta lutando por nós. sou efetivo e não vejo nada de beneficio que o sindute tenha conseguido para nós, agora mesmo com este reajuste no piso dos professores de 15% estamos defasados mais uma vez, e o governador vai dizer que mg paga acima do piso mesmo com esta correçao, e o sindute não vai fazer nada, a não ser se calar porque é o que eles fazem, é mais facil conseguir informaçoes sobre o sindicato na pagina da secretaria de educaçao do que na pagina do sindute ! isto é uma vergonha. "

Comentários do Blog: Caro colega Anônimo do post aí de cima: tenhamos cuidado com as palavras. Também eu não confio em muitas coisas - e atos e pessoas - do Sind-UTE, mas evitemos a personalização generalizada ou sem o devido fundamento. Se a colega Beatriz desejar ser candidata a alguma coisa, é um direito dela, como cidadã - e seu e meu e de qualquer outra pessoa. Mas, concordo com você que o sindicato nos informa mal, usa mal o espaço que dispõe na Internet, gasta muita tinta com CUT e CNTE - entidades atreladas ao aparato do estado, sem qualquer autonomia - e muito pouco para informar sobre as resoluções, sobre as demandas e problemas concretos da categoria. Acho frágil o departamento jurídico do sindicato (sem qualquer crítica pessoal a qualquer advogado que lá atue). Um sindicato com 83 mil filiados merecia um departamento jurídico mais operoso, inclusive com o respaldo de juristas de renome.

Aproveito para agradecer também ao Anônimo que trouxe a notícia da promoção por escolaridade dos efetivados, da Resolução 67 - a dos efetivos já constava do nosso plano de carreira. Se puder mandar a tal resolução para o meu e-mail agradeceria muito.

Agradeço também ao anônimo que nos mandou a notícia sobre o jornal O Valor, acerca do piso do magistério. A notícia corrobora o que nós temos dito aqui. Ao contrário do piso de R$ 1.597,00 divulgado pela CNTE, o piso do MEC deve ficar em torno de R$ 1.187,00 para uma jornada de 40 horas para o professor com ensino médio. Como a lei nada fala acerca de quem possua títulos acima do curso médio - os planos de carreira ficam a critério de cada estado ou município - qualquer governo que pague o valor citado proporcionalmente à jornada de trabalho praticada proderá, sim, dizer que já paga o piso.

Aqui em Minas, por exemplo, pelos critérios e valores do MEC, Anastasia já paga até mais do que o piso. Portanto, eu já nem menciono mais o piso, e já trabalho com outras referências. Por exemplo: o piso do DIEESE - R$ 2.300,00 - para o salário mínimo, ou até a proposta do amigo Luciano, de três salários mínimos para uma jornada de 24 horas com um terço de tempo extraclasse = R$ 1.635,00.

O piso, para mim, tornou-se uma enganação, algo para iludir os professores. Pode até atender em parte aos colegas que trabalham nos rincões do Brasil e mal recebiam o salário mínimo por extensas jornadas de trabalho. Mas, esse não pode ser o nosso critério. Queremos um salário decente para todos os educadores do Brasil. O sr. Haddad continua com sua ladainha de enganação, aparentando preocupação com os municípios pobres, enquanto acoberta a realidade de miserabilidade dos educadores e a omissão do governo federal em investir pesado na Educação básica. Por isso a conversa direta com a presidenta Dilma se faz necessário. Enquanto tivermos intermediários como Luis Dulci, Fernando Haddad, Fernando Pimentel, o presidente da CNTE ou da CUT, estaremos FERRADOS!!!!

"Luciano História:

Está na hora de acabarmos com o sindicalismo pelego. O CNTE, o Sindute coloca sempre a culpa no governo psdebista e acoberta os erros do governo petista. A lei do piso é tão ridícula (1.187,00 para 40 horas segundo o colega) que nosso Estado já paga o piso de acordo com a lei do governo federal. Meu partido é minha categoria, o partido dos que representam minha categoria é o PT. A educação é um problema nacional e tem que ser resolvido pelo governo que representa a nação, lei do piso da forma que ela foi estabelecida não resolve problema algum.
"

"Marcel:

Meus amigos combatentes da Educação Mineira, não façamos confusão. Os servidores Efetivados pela LC 100 só terão direito à promoção por escolaridade adicional conforme o inciso IV do art. 5º da resoluçao 067/2010, ou seja, somente os efetivados que eram estabilizados (incisos I e II do art. 5º da LC 100) e não à grande maioria de contratados que foram efetivados (incisos IV e V) da mesma Lei Complementar.
"

"Anônimo:

23/02/11 - 11:40

Governador Antonio Anastasia determina antecipação do pagamento dos servidores.

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, determinou que a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão antecipe a folha de pagamento dos servidores estaduais ativos e inativos referente ao mês de fevereiro. Previsto para o quinto dia útil do mês seguinte (7 de março), o pagamento será antecipado para o dia 4 de março, antes do Carnaval.
"

"
Anônimo:

Caro Marcel:

Você realmente tem razão, mas do jeito que está na resolução 67/2010 dá para confundir, verificando o artigo na lei 100 vi que realmente não se trata dos servidores designados em 2007 e que foram efetivados. Concordo com o Euler, o nosso jurídico do sindute não informa muito, porque na reunião nem a coordenadora soube explicar. Certamente é um dos pontos que precisamos colocar em pauta, 8 anos para o efetivo é muita coisa, e também falta explicar para nós essas leis, esclarecer.
Outra dúvida é sobre o concurso, quais serão os critérios? Será que o sindute está fazendo essas discussões com a categoria? Vi apenas sobre as áreas que não seriam comtempladas com o mesmo, como filosofia, sociologia, etc.

Outra proposta seria a grade curricular, que nesses últimos anos ficou prejudicada, tirando conteúdos importantes das séries no ensino médio, sem nenhum critério, devido aos novos conteúdos de filosofia e sociologia, nos quais faltam profissionais habilitados, e que são substituídos por professores de outra área.

Tem plano de careira no papel, mas as resoluções, as leis, impedem a promoção e progressão de TODOS.
"

"S.O.S. Educação Pública:

Caro Euler

Parabéns pela maravilhosa cobertura da Conferência dos Educadores de Caxambu. Como sempre não resisto e acabo metendo a minha colher nas discussões travadas em seu blog, apesar de não pertencer ao magistério mineiro, os problemas debatidos pelos companheiros extrapolam o âmbito regional, pois os problemas da categoria são idênticos em todo o país.

Faço minha as palavras do Rômulo quanto a enquadrada, que você deu no representante do MEC. É pena que um evento destinado aos educadores tenha grande parte do tempo tomado pela fala daqueles que vivem da Educação, mas não a executam.

Infelizmente a grande maioria daqueles que se dizem nossos representantes, acabam sendo cooptados pelas vantagens pessoais e se esquecem da bandeira que os elevou ao posto. Somos uma categoria órfã, sem representação e fragmentada. Vejo a nossa categoria como um gigante que desconhece a sua própria força e se conforma a viver com o rabo entre as pernas, chutado por todos como um cachorro sarnento. Até quando vamos deixar que isso aconteça?

Temos que assumir o nosso papel na sociedade e na condução dos rumos da educação, pois nos omitindo estamos sendo coniventes com essa bandalheira. Somente unidos poderemos mudar essa situação. Mais uma vez volto falar a na necessidade de criarmos uma instituição reunindo professores de todo o Brasil, para o debater e discutir os rumos da educação nacional. Docentes unidos para apresentar propostas concretas e reais, denunciar as arbitrariedades, fiscalizar a aplicação dos recursos, partilhar nossos problemas, desenvolver campanhas virtuais para cobrar dos nossos representantes na câmara e no congresso medidas para solução dos problemas relativos à educação. Penso em algo como uma CENTRAL DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO, instituição representativa da categoria sem vínculos partidários, comprometida apenas com a valorização dos profissionais e uma educação pública de qualidade para todos. Acredito que só assim poderemos lutar pela federalização da educação, pois enquanto ficar nas mãos de prefeitos e governadores, vamos continuar nesse sufoco.

Grande abraço a todos.
"

"Marcos:

Caro Euler

Nós que acreditamos na luta, ficamos indignados com tanto peleguismo institucional. Fiquei sabendo da conferência através do site do SIND-UTE, na minha cidade não houve divulgação por parte da subsede de Barbacena, nem se quer houve o Encontro do dia 12.

Sempre que faço alguns comentários, faço críticas à atuação do SIND-UTE. Não por ser contra a entidade, muito pelo contrário, sem uma organização sindical não teremos como nos organizar para a lutar mas, minhas críticas são em relação a falta de transparência do sindicato (é preciso abrir a caixa preta do SIND-UTE), pelo fato de todos, com algumas exceções, estarem representando PARTIDOS POLÍTICOS, pessoalmente temos o direito de defendermos o nosso partido, por exemplo, sou filiado ao PT, mas nossa entidade representa os interesses de uma classe e o faz mal. Porém, essa postura é todas as correntes que disputam espaço no SIND-UTE.

Essa atual direção predomina os petistas, e essa mesma direção foi uma divisão a anterior tão desgastada, foi uma divisão para que essa corrente continuasse no poder no SIND-UTE. A atual coordenadora é cria do Hilário. Na última década, o SIND-UTE só convocou greve em anos eleitorais e não tenho dúvida, eram greves políticas, pois, ela é sempre ruim para o governo de plantão e ele não era petista.

Há muito mais questões que poderia citar, mas para não delongar muito, estão falando muito no termo REFUNDAÇÃO, talvez seja hora de REFUNDARMOS O SIND-UTE PARA QUE REPRESENTE A CLASSE DE EDUCADORES EFETIVAMENTE.
"

"Anônimo:

Marcos:

O último trecho do seu comentário diz tudo.Talvez nem precise refundar o Sindute, basta a categoria exigir novos rumos no processo de luta deste ano. Avante, para Brasília! Convoquemos os demais estados. Manifestação nacional!!!
"

":

Prezado Euler
Venho através deste esclarecer que a Resolução Seplag-MG nº 67/2010, não concede direitos a todos efetivados a terem promoção e progressão, ao contrário do que todos pensam. O Art 5º, IV : Diz que os efetivados, dos Incisos I e II do Art7º da 100/2007 terão o direito a este benefício ou seja quem foi estabilizado em virtude da promulgação da Constituição da Republica (lembram para isso era necessários ter 5 anos ininterruptos) e os que foram efetivados antes de 1998 (se me lembro bem uma efetivação que teve em 1990, no Governo Hélio Garcia) ou seja a grande maioria dos efetivados não tem direito se analisarmos a referida legislação. Posto aqui só para tirar as dúvidas de vários professores. Um ponto que devo salientar, é que muito de nossos colegas, não conhecem a legislação e outros tem dificuldade em interpreta-la.
Visitante assiduo do Blog.
"

27 comentários:

  1. Afinal o clima está para mais uma greve??? Isso é o que queremos saber. O resto será o mesmo lero de todo encontro.

    ResponderExcluir
  2. Euler:

    Foi bom saber já dos acontecimentos em Caxambú.
    Ai que vontade de tomar essa ducha de água quente!
    Euler, quem sabe você consegue falar com a secretária de educação? Vou torcer! Não perca a oportunidade de levar as nossas propostas!
    Queria também saber sobre as 30 horas.
    Um abraço! E boa viagem!

    ResponderExcluir
  3. Um pouco de história,para entender como se muda a forma de olhar, quando se deixa de ser um oprimido...MENINOS....EU VI...!!!!(fOI O ANO EM QUE INICIEI MINHA CARREIRA DE PROFESSOR PÚBLICO MINEIRO, COM 17 ANOS de idade...PORÉM EU JÁ ESTAVA LÁ...

    MAS É O MESMO LUIZ DULCI??CITADO NO TEXTO DO BLOG????

    "...A segunda greve da categoria é deflagrada em 22 de abril de 1980, mas o quadro de paralisações é pequeno e os principais líderes são presos no Dops. Uma semana depois, LUIZ DULCI, Fernando Cabral, Luís Fernando Carceroni, Carlão (Antônio Carlos Ramos Pereira) e Ísis Magalhães são presos e, em 3 de maio, iniciam greve de fome pela abertura de negociações, fim da repressão e atendimento às reivindicações. Também é deflagrada a primeira greve dos professores P1 da rede municipal de Belo Horizonte e um culto ecumênico, pela libertação dos presos, é celebrado na Igreja de São José, com cerca de 2.500 participantes. O governo promove forte repressão ao movimento, demitindo os contratados e suspendendo os efetivos por 15 dias."
    http://www.sindutemg.org.br/novosite/conteudo.php?LISTA=menu&MENU=24

    ResponderExcluir
  4. Combatente Euler,

    Agradeço pela lembrança, mas por problemas de saúde na família precisei ficar em Belo Horizonte. Minha filha Clarice voltou ao hospital e infelizmente passa pelo momento mais difícil de sua enfermidade.

    Estive em Brasília no Congresso da CNTE e tive que voltar às pressas, sendo assim, fiquei receoso de ir até Caxambu e ocorrer o mesmo.

    Espero que os camaradas compreendam a situação. Farei todos os esforços para estar ombro a ombro com os companheiros e companheiras na próxima Assembleia Estadual.

    Após ler os informes, a angustia e a aflição por não poder estar presente na atividade diminuíram bastante em virtude da postura combativa nos questionamentos feitos pelo companheiro Euler.

    Bela enquadrada no representante do MEC!

    Que bom que minimamente você conseguiu retrucar o sr. Luiz Dulci. Na última ocasião que dialoguei com esse representante do Estado Burguês, durante o último Congresso do Sind-UTE em Poços de Caldas, não tive direito a réplica. O amigo mandou a real muito bem!

    Se o amigo ler esse comentário em tempo e conseguir intervir ainda no encontro gostaria que o companheiro compartilhasse uma avaliação que temos feito na base da categoria.

    As conferências e encontros do nosso sindicato devem ter como protagonistas os trabalhadores em educação. Devemos receber convidados, especialistas, debater com os representantes do Estado, mas devemos criar uma estrutura democrática onde os trabalhadores tenham diversos momentos para apresentarem suas ideias, inclusive pontos de contradição.

    ResponderExcluir
  5. Euler, invado seu pequeno espaço para retificar um grave equívoco que comete contra os companheiros do norte de Minas: os destas bandas daqui, nuncam deixaram de participar de toda a movimentação do sindicato e dos movimentos de greve. Colocar num blog visitado como o seu, que conta com milhões de visitas um absurdo deste, é desvalorizar a luta de milhões de trabalhadores que deram o sangue, que ocuparam prédios públicos nos últimos vinte anos, (aqueles momentos históricos que vc não participou) que movimentaram passeatas gigantescas aqui em MOC na última greve,região que mobilizou o norte de Minas para a luta e que é menosprezado pela fala de um cidadão de Bocaíuva , que com certeza, foi passear em Caxambu e pedir esmola de bolsa família para o MEC. Por favor, é muito leviandade sua expor uma parte da categoria a esta vilania. Vc que tem milhões de adeptos deveria ter mais respeito por nós e por nossa história

    ResponderExcluir
  6. João Paulo Ferreira de Assis20 de fevereiro de 2011 10:43

    Prezado amigo Professor Euler

    Se eu já não tinha muita esperança nessa conferência de Educação, agora é ela se acabou mesmo. Acho ainda que falta muita luta para nós conseguirmos o triunfo final. E pelo que vejo, vou aposentar com essa miséria que eu ganho. Nossa classe ainda é muito desunida. Outro dia eu disse no site remédiosmg que não entendia como os sindicatos municipais de funcionários públicos ainda não têm uma entidade estadual que os represente, por exemplo, uma Associação Mineira dos Sindicatos Municipais. Se vejo os prefeitos unidos na Associação Mineira de Municípios e na Confederação Nacional de Municípios. E nossa Conferência de Educação perdendo tempo com o Egito... Vá lá, se fosse um encontro só de professores de História, até que se justificaria.

    ResponderExcluir
  7. João Paulo Ferreira de Assis20 de fevereiro de 2011 10:45

    Professor Euler, corrija-me: agora é que ela se acabou.

    ResponderExcluir
  8. Olha acho essas discussões sobre regiões, que é isso ou aquilo outro, perder tempo, sou do triângulo mineiro, que é uma região que inclusive já tentou se desmenbrar de MG, pois é uma região bem distante de BH, com diferenças culturais e políticas, aqui o PSDB não ganhou as eleições como na capital, temos nossas cararterísticas próprias.
    Mesmo com toda essa distância e diferenças, gosto muito do site do Euler e de suas opiniões, é a minha referência de informações sobre a classe de educadores de MG, aqui várias vezes coloquei as minhas ideias, e foram respeitadas, inclusive as que divergiam, gosto também dos comentários de nossos colegas, inclusive sei até os seus nomes, Luciano, Rômulo, João Paulo.
    Euler obrigada pelo site, e continue nos fortalecendo, e agreditando na educação.

    ResponderExcluir
  9. Bem, eu não coloquei palavras na sua boca, vc mesmo escreveu (o registro é seu) Leia vc mesmo seu post.
    Pelo que li, vc deu bastante ênfase ao tema sim:" duas coisas arracaram aplausos"...LEIA!
    Quanto a defesa ou não dos que lá se encontravam têm até explicação: 2 mil pessoas execrando uma pequena delegação de 6 ônibus, não deve ser nada fácil( Tente se colocar no lugar deles, pois eu o fiz e não gostei).
    Felizmente não fui nesta aberração. Que momento irracional! Meu Deus!!!

    ResponderExcluir
  10. É interessante o comentário de nosso colega do Norte de Minas,pois o que aconteceu em nossa escola foi vergonhoso,pessoas que furaram a greve ou que fizeram a chamada greve branca,viram no congresso uma oportunidade de passeio,enquanto muitos de nós que enfrentamos as cansativas viagens até BH,fcamos de fora.
    Realmente é preciso amadurecer nossa categoria e nossa consciência.

    ResponderExcluir
  11. Eu, Luciano de Janaúba,norte de Minas, acho que nós do norte deveríamos parar de achar que todo comentário feito por alguém que não é do norte sobre o norte ou de uma pessoa de nossa região, é um comentário preconceituoso.O colega Euler expôs um comentário que ocorreu na conferência, se o rapaz cometeu algum equivoco ou não, se você gostou ou não, o culpado não foi o Euler.O colega, amigo virtual, mesmo as vezes não concordando com alguns de meus comentários( tem hora que eu escrevo só pra dar uma cutucada nele e no Rômulo) sempre me tratou virtualmente com o maior respeito.Acho que ao invés de discutir preconceito regional deveríamos está preocupados com alguns pontos colocados pelo colega como por exemplo a ridícula lei do piso que muitos acham que é a solução.Fazendo as contas , se o aumento do piso for de 11%, o valor vai para 1136,00 por 40 horas, para 24, o valor é de 682,00.Se o governo federal tem algum interesse de resolver o problema ele tem que estabelecer no mínimo 5 salários para 40 horas, 1/3 extra-classe, mais uma progressão de 3% a cada 2 anos, assim o cargo em Minas de 24 horas seria no valor de 3 salários.

    ResponderExcluir
  12. Olá Euler.
    Gostaria de fazer uma observação em relação aos comentários sobre uma das atividades da VI COnferência Estadul de Educação em Caxambu. A subsede de CAxambu e Região organizou a mesa temática "Egito: o caráter de uma revolução", com o objetivo de avançar na formação política de nossa categoria. Apesar de aparentemente o assunto não estar relacionado com educação propriamente dito, o fato merece profunda reflexão por nossa parte. A realidade mundial deve fazer parte do nosso contexto de atuação sócio-política. O sindicato não serve apenas para as lutas econômicas imediatas, mas deve ser também a escola política da categoria. Infelizmente pude perceber que algumas pessoa não entendeream o recado.
    Além disso, a mesa temática sobre o Egito foi a única que não contou com convidados ilustres, tanto do governo federal quanto estadual. Contou apenas com professores da rede estadual e militantes de base do sindicato (o companheiro Ronan, a companheira Mauricéa e eu). Se a categoria não estive interessada, não teríamos 250 pessoas no salão. E os comentários posteriores mostram que muitos gostaram. Abraços

    ResponderExcluir
  13. Euler, nós temos que exigir do governo o cumprimento das medidas que ele prometeu após a greve.O governo tem que estabelecer dadas para a implantação da jornada de 30 horas,pagamento do subsídio da pós-graduação, da prova de certificação e principalmente do concurso.Após exigir aquilo que já foi prometido pelo próprio governo como forma de valorizar a carreira,lutar pelo que nos foi tirado( posicionamento de todos na letra de acordo com o tempo de serviço).Ficar exigindo um monte de coisas e escutar do governo que ele vai estudar o assunto não resolve o problema, você defende que os efetivados tenham direito a jornada de 30 horas, você sabe quando os efetivos terão direito a essa jornada?Caro amigo, não podemos colocar o carroção na frente dos bois,o grande problema da nossa luta é que perdemos o foco e deixamos muitas vezes o governo nos enrolar.Alguém comentou sobre uma greve, será que em uma categoria onde boa parte teve 40% de aumento uma greve vai pegar agora?

    ResponderExcluir
  14. Caro Euler:

    Hoje participei da assembleia da minha cidade, e fiquei sabendo sobre a Lei de promoção resolução 67/2010, onde o efetivo concursado só terá direito a promoção de seu título após 5 ADE contadas a partir do estágio probatório de três anos, e o efetivado passará a ter direito a promoção em seu cargo após 5 ADE após 2007, se tiver interesse mando para o seu email.
    Outra coisa que foi falada é sobre o concurso que provavelmente não sairá nesse 1º semestre, e uma possibilidade é oferecer aos Lei 100 pontos, e se passarem podem requerer a sua vaga como efetivo, evitando assim que fique com dois cargos.
    Acho que terei direito a promoção primeiro no meu cargo da Lei 100, antes do efetivo que tomei posse em 2005, porque nele eu preciso contar com os três anos do estágio probatório que não é considerado no caso da Lei 100.
    A minha escola no período da tarde teve votação e a maioria decidiu parar dia 24.

    ResponderExcluir
  15. O que mais me deixa irritado na categoria é o tal do eu ouvi falar.Ouvi falar que não tem concurso, ouvi falar que não tem eleição pra direção, as 30 horas, ouvi falar que só sai ano que vem, essa tal certificação nem ouvi falar.Será que só eu sofro com essa falta de definições?Ano passado foi dito que o subsídio seria pago no quinto dia util de fevereiro, por qual motivo as demais promessas o sindicato não consegue estabelecer datas com o governo?Colegas, vocês já fizeram a conta de quanto a gente perde financeiramente com a demora da implantação do cargo de 30 e o não pagamento da pós-graduação.Não vou a Assembléia no dia 24 mas gostaria que algum colega focalizasse como meta do sindicato a tentativa de estabelecer com o governo as datas para a implantação daquilo que já foi prometido(30 horas,concurso, certificação).
    Desde já agradeço

    ResponderExcluir
  16. Caro Luciano:

    Concordo com você, é muita indefinição, e o sindute demora muito a repassar para a categoria as negociações e as resoluções, por exemplo, muitos da Lei 100 não sabiam que teriam direito a partir de 2007 e com as ADE de terem promoção, já é uma resolução, é uma coisa concreta e não ouvi dizer. Mas só ontem é que fiquei sabendo disso.
    Gostei desta resolução, só não entendi porque o efetivo precisa de 8 anos (3 do estágio probatório mais 5 ADE), até parece que ser efetivo está errado para o governo, ele tem que nos penalizar a cada resolução. Quem mandou passar no concurso e ser efetivo em MG!

    ResponderExcluir
  17. caro professor Euler ,não confio nem um pouco neste sindute ! acho que a Beatriz Cerqueira esta almejando se candidatar a um cargo politico, e esta fingindo que esta lutando por nós. sou efetivo e não vejo nada de beneficio que o sindute tenha conseguido para nós, agora mesmo com este reajuste no piso dos professores de 15% estamos defasados mais uma vez, e o governador vai dizer que mg paga acima do piso mesmo com esta correçao, e o sindute não vai fazer nada, a não ser se calar porque é o que eles fazem, é mais facil conseguir informaçoes sobre o sindicato na pagina da secretaria de educaçao do que na pagina do sindute ! isto é uma vergonha.

    ResponderExcluir
  18. Está na hora de acabarmos com o sindicalismo pelego. O CNTE, o Sindute coloca sempre a culpa no governo psdebista e acoberta os erros do governo petista.A lei do piso é tão ridícula( 1187,00 para 40 horas segundo o colega) que nosso Estado já paga o piso de acordo com a lei do governo federal.Meu partido é minha categoria, o partido dos que representam minha categoria é o PT.A educação é um problema nacional e tem que ser resolvido pelo governo que representa a nação, lei do piso da forma que ela foi estabelecida não resolve problema algum.

    ResponderExcluir
  19. Meus amigos combatentes da Educação Mineira, não façamos confusão. Os servidores Efetivados pela LC 100 só terão direito à promoção por escolaridade adicional conforme o inciso IV do art. 5º da resoluçao 067/2010, ou seja, somente os efetivados que eram estabilizados (incisos I e II do art. 5º da LC 100) e não à grande maioria de contratados que foram efetivados (incisos IV e V) da mesma Lei Complementar.

    ResponderExcluir
  20. 23/02/11 - 11:40

    Governador Antonio Anastasia determina antecipação do pagamento dos servidores
    O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, determinou que a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão antecipe a folha de pagamento dos servidores estaduais ativos e inativos referente ao mês de fevereiro. Previsto para o quinto dia útil do mês seguinte (7 de março), o pagamento será antecipado para o dia 4 de março, antes do Carnaval.

    ResponderExcluir
  21. Caro Euler

    Parabéns pela maravilhosa cobertura da Conferência dos Educadores de Caxambu. Como sempre não resisto e acabo metendo a minha colher nas discussões travadas em seu blog, apesar de não pertencer ao magistério mineiro, os problemas debatidos pelos companheiros extrapolam o âmbito regional, pois os problemas da categoria são idênticos em todo o país.

    Faço minha as palavras do Rômulo quanto a enquadrada, que você deu no representante do MEC. É pena que um evento destinado aos educadores tenha grande parte do tempo tomado pela fala daqueles que vivem da Educação, mas não a executam.

    Infelizmente a grande maioria daqueles que se dizem nossos representantes, acabam sendo cooptados pelas vantagens pessoais e se esquecem da bandeira que os elevou ao posto. Somos uma categoria órfã, sem representação e fragmentada. Vejo a nossa categoria como um gigante que desconhece a sua própria força e se conforma a viver com o rabo entre as pernas, chutado por todos como um cachorro sarnento. Até quando vamos deixar que isso aconteça?

    Temos que assumir o nosso papel na sociedade e na condução dos rumos da educação, pois nos omitindo estamos sendo coniventes com essa bandalheira. Somente unidos poderemos mudar essa situação. Mais uma vez volto falar a na necessidade de criarmos uma instituição reunindo professores de todo o Brasil, para o debater e discutir os rumos da educação nacional. Docentes unidos para apresentar propostas concretas e reais, denunciar as arbitrariedades, fiscalizar a aplicação dos recursos, partilhar nossos problemas, desenvolver campanhas virtuais para cobrar dos nossos representantes na câmara e no congresso medidas para solução dos problemas relativos à educação. Penso em algo como uma CENTRAL DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO, instituição representativa da categoria sem vínculos partidários, comprometida apenas com a valorização dos profissionais e uma educação pública de qualidade para todos. Acredito que só assim poderemos lutar pela federalização da educação, pois enquanto ficar nas mãos de prefeitos e governadores, vamos continuar nesse sufoco.

    Grande abraço a todos.

    ResponderExcluir
  22. Caro Marcel:

    Você realmente tem razão, mas do jeito que está na resolução 67/2010 dá para confundir, verificando o artigo na lei 100 vi que realmente não se trata dos servidores designados em 2007 e que foram efetivados. Concordo com o Euler, o nosso jurídico do sindute não informa muito, porque na reunião nem a coordenadora soube explicar. Certamente é um dos pontos que precisamos colocar em pauta, 8 anos para o efetivo é muita coisa, e também falta explicar para nós essas leis, esclarecer.
    Outra dúvida é sobre o concurso, quais serão os critérios? Será que o sindute está fazendo essas discussões com a categoria? Vi apenas sobre as áreas que não seriam comtempladas com o mesmo, como filosofia, sociologia, etc.
    Outra proposta seria a grade curricular, que nesses últimos anos ficou prejudicada, tirando conteúdos importantes das séries no ensino médio, sem nenhum critério, devido aos novos conteúdos de filosofia e sociologia, nos quais faltam profissionais habilitados, e que são substituídos por professores de outra área.
    Tem plano de careira no papel, mas as resoluções, as leis, impedem a promoção e progressão de TODOS.

    ResponderExcluir
  23. Caro Euler

    Nós que acreditamos na luta, ficamos indignados com tanto peleguismo institucional. Fiquei sabendo da conferência através do site do SIND-UTE, na minha cidade não houve divulgação por parte da subsede de Barbacena, nem se quer houve o Encontro do dia 12.

    Sempre que faço alguns comentários, faço críticas à atuação do SIND-UTE. Não por ser contra a entidade, muito pelo contrário, sem uma organização sindical não teremos como nos organizar para a lutar mas, minhas críticas são em relação a falta de transparência do sindicato (é preciso abrir a caixa preta do SIND-UTE), pelo fato de todos, com algumas exceções, estarem representando PARTIDOS POLÍTICOS, pessoalmente temos o direito de defendermos o nosso partido, por exemplo, sou filiado ao PT, mas nossa entidade representa os interesses de uma classe e o faz mal. Porém, essa postura é todas as correntes que disputam espaço no SIND-UTE.
    Essa atual direção predomina os petistas, e essa mesma direção foi uma divisão a anterior tão desgastada, foi uma divisão para que essa corrente continuasse no poder no SIND-UTE. A atual coordenadora é cria do Hilário. Na última década, o SIND-UTE só convocou greve em anos eleitorais e não tenho dúvida, eram greves políticas, pois, ela é sempre ruim para o governo de plantão e ele não era petista.
    Há muito mais questões que poderia citar, mas para não delongar muito, estão falando muito no termo REFUNDAÇÃO, talvez seja hora de REFUNDARMOS O SIND-UTE PARA QUE REPRESENTE A CLASSE DE EDUCADORES EFETIVAMENTE.

    ResponderExcluir
  24. Marcos:
    O último trecho do seu comentário diz tudo.Talvez nem precise refundar o Sindute, basta a categoria exigir novos rumos no processo de luta deste ano. Avante, para Brasília! Convoquemos os demais estados. Manifestação nacional!!!

    ResponderExcluir
  25. Euler, frequente seu Blog faz tempo. Lendo uma publicação de um blog, achei uma materia que tambem é objeto de discussão do Blog: (Qualidade da educaçã) X A fabricação de Analfabetos funcionais. Sei que é antiética postar material, não sendo da minha propria autoria, mas o autor assinou a materia que teve ampla divulgação, não sei se é do conhecimento de vocês, a seguir:
    A aprovação automática na escola pública: professor dá nota baixa à turma e tem de pedir dispensa
    Por Gato Preto

    Eu era professor de Física na escola estadual São Tomaz de Aquino, em Divinópolis, Minas Gerais. Tinha duas turmas de 1º ano Científico, uma turma do turno da manhã e outra do turno da tarde. Pela greve dos professores começada em abril, o turno da tarde ficou parado. Na turma da manhã, aconteceu o que vou relatar.

    O desrespeito aos professores e à escola pelo corpo discente é impressionante. Os alunos perguntam mais sobre as notas e a distribuição de pontos que sobre a matéria e sempre demonstram que pensam que é obrigação da escola aprová-los incondicionalmente, além de conversarem e ouvir música em sala. Em alguns dias, tive de chamar a diretoria duas vezes na mesma aula por problemas de indisciplina. Não poucos alunos são do tipo que acha que personalidade é demonstrar que não respeita nada nem ninguém.

    Comecei a distribuição de pontos do bimestre com um simples trabalho de Matemática de 5ª a 8ª série, dado em sala. Por quê? Eu precisava ver como a turma estava em termos de conhecimentos das séries anteriores e de raciocínio, além de que queria chamar a atenção de quem não estivesse bem para começar a se recuperar. Foi terrível: os alunos acertaram apenas a primeira das seis questões, conseguindo (quem fez) 0,5 ponto em 3. Uma aluna já havia me dito sem vergonha que ela e seus colegas se esquecem logo do que vêem em sala, e lhe respondi que tratasse de se recordar porque não é assim que a escola funciona. Depois, dei um outro trabalho (também em sala). Apenas um aluno fez as três questões e tirou os 2 pontos do trabalho. Os outros fizeram apenas a questão mais fácil, que era passar um número para a notação científica, e ficaram com um terço do total, 0,7 ponto. Apliquei uma prova. Seis questões de múltipla escolha, das quais quem quisesse podia responder apenas quatro. Foi outro desastre. Dos 31 alunos que fizeram a prova, os 6 que não tiraram zero acertaram apenas a primeira questão, conceitual. Por fim, veio o simulado, com 10 questões. O resultado também foi ruim. Veja em anexo as provas e os trabalhos que apliquei à turma. Veja no Trabalho 1 conteúdos como Potências e Cálculo Algébrico que foram cobrados e em que eles se saíram tão mal. Essa turma queria ser aprovada no 1º ano do Científico depois de tal desempenho.

    Continua...

    ResponderExcluir
  26. continuando ..
    Depois das merecidas péssimas notas, a situação se virou contra a melhor parte desta história, que era eu. Os alunos relapsos desapareceram para surgir um suposto professor incompetente e sem didática. Desaparece a turma que faz a sala parecer um barzinho, surge o professor que não explica a matéria. Reclamaram à direção com um abaixo-assinado pela minha saída. Cabe destacar que na aula da semana seguinte um dos abaixo-assinados estava conversando em sala, tentou me soprar pó de giz e ficou suspenso até voltar à sala da direção dois dias depois acompanhado da mãe.

    Bem, se em vez de dar dois trabalhos em sala valendo 3 e 2 pontos, eu tivesse dado a estes alunos um trabalho extraclasse de 10 ou 15 pontos para eles passarem a terceiros que sabem a matéria e se passarem por conhecedores, isso tudo não teria acontecido. Mas quem disse que ser homem é fácil?

    Pior que a postura do alunado foram as posturas dos pais, da direção e da 12ª Superintendência Regional de Ensino. Alguns pais preferiram ir à Superintendência reclamar de mim a procurar a mim ou cobrar desempenho dos filhos. A direção da escola nunca esteve contra mim, mas ficou muito preocupada com eu ter dado Trigonometria em minhas aulas e cobrado conhecimentos de Matemática, além de ter “vindo em cima” de mim porque minhas duas colegas não conseguiram terminar Cinemática em três meses e eu sim. A Superintendência, quando procurada por pais de adolescentes indisciplinados, imaturos e de mau desempenho diante de uma avaliação de conhecimentos séria, teve a postura vergonhosa de não só não ignorá-los como mandar uma inspetora para a escola à minha procura. Também uma das minhas colegas anulou a prova do simulado porque sua turma foi tão mal quanto a minha. Achei melhor pedir dispensa, porque a Secretaria de Educação poderia fazer qualquer coisa, menos algo decente.

    ResponderExcluir
  27. Caro Euler,
    Precisamos iniciar uma campanha a nível nacional, Se em toda parte do mundo a internet faz a diferença, por que ela mesmo sendo uma ferramenta para os professores, que são formadores de opinião ?), não estamos conseguindo fazer uma oganização forte e respeitada? Deveriamos lançar uma campanha com todos os sindicatos estaduais ligados a educação e realizar uma greve a nível nacional !!! Podemos sim começar por MG, SP, RJ e ES - não podemos ficar esperando milagres e força de uma só organização - temos exemplo da França - Chile - já pararam o país - a favor de transformar a educação em área federal!!!

    Linder

    ResponderExcluir