domingo, 20 de janeiro de 2013

Mas, enquanto o piso não vem, devemos exigir pelo menos 50% de reajuste no subsídio. Para 2013!


Mas, enquanto o piso não vem, devemos exigir pelo menos 50% de reajuste no subsídio. Para 2013!

No post anterior, falamos da triste realidade salarial do professor-de-Minas. Demonstramos, como de outras vezes, que o piso salarial nacional não foi aplicado corretamente em Minas. E nada aconteceu porque nada acontece, no mundo oficial (entre os poderes constituídos), quando o assunto é em benefício da Educação básica, e em Minas Gerais principalmente. Vivemos em outro país, não esqueçamos disso.

Em Minas Gerais, como sempre colocamos aqui, o ideal é que a luta pelo piso esteja diretamente associada com a luta pela devolução das gratificações que foram retiradas dos novos educadores em 2003, no início da longa gestão do faraó. Do contrário, sem as gratificações, teremos uma categoria eternamente dividida entre os antigos e os novos servidores, com diferentes direitos. Isso não é bom, nem para o bolso dos novatos, e menos ainda para a necessária unidade da categoria. Batemos nessa tecla o tempo todo durante a greve de 2011, esclarecendo a todos que, mesmo sem as gratificações como quinquênios e biênios (que depois foram cortadas de todos, indistintamente), o piso aplicado na carreira ainda era melhor, mais vantajoso, do que o subsídio imposto pelo governo.

Mas, enquanto o piso não chega a Minas, não podemos parar no tempo. O sindicato, por exemplo, tem o costume de levantar uma bandeira e pronto. Como não se consegue conquistar a bandeira levantada, para-se no tempo, do jeitinho que o governo gosta. Ao contrário disso, acho que a categoria precisa trabalhar com o que existe, até para ganhar força para mudar a realidade. E o que existe é o subsídio, com valores abaixo da crítica para todos os educadores, sem exceção. Aliás, o subsídio teve, talvez, como única característica positiva, o fato de possibilitar que haja novamente uma unidade na luta dos educadores, em torno de uma proposta comum, já que estamos todos no mesmo barco furado, sem diferença de tratamento entre novatos e antigos servidores.

Por isso, coloco essa proposta para a discussão entre os colegas da base: de um reajuste imediato no subsídio de pelo menos 50%, para todas as carreiras da Educação básica. No caso dos professores, isso elevaria o salário inicial de um professor com curso superior para R$ 2.079,00 para um cargo de 24h. Este valor ainda estaria aquém do necessário e do merecido, mas pelo menos já seria um avanço em termos reais.

E os nossos argumentos para exigir este reajuste são muitos. Primeiro, porque com a implantação do subsídio em 2010, Minas não está mais submetida a Lei do Piso e não acompanha os reajustes salariais nacionais previstos na referida norma federal. Nos três últimos anos, incluindo o pífio reajuste de 2013 anunciado pelo MEC, houve um reajuste acumulado em torno de 50% no valor do piso nacional. Por si só, já estaria justificada a reivindicação de um reajuste imediato de 50% no salário dos servidores da Educação de Minas.

Mas, outros fatores também devem ser considerados. Tomemos como exemplo o tratamento dispensado pelo governo aos policiais militares, que conquistaram 100% de reajuste até 2015. Volto a dizer que os policiais mereciam até mais do que isso, dado ao trabalho de risco que exercem, exceto quando são usados, de forma inconstitucional, para reprimir trabalhadores que lutam por seus direitos. Citamos esse exemplo apenas para mostrar como o governo fez pouco caso da área da Educação básica.

No nosso caso, da Educação básica, além de não aplicar o piso nacional na carreira, o governo implantou o subsídio em 2010, com um reajuste maior para os novatos, e de apenas 5% para os antigos, sobre um vencimento básico que estava defasado, somando-o às gratificações e eliminando-as completamente, em seguida. As gratificações deixaram de existir para os profissionais da Educação. Incluindo os antigos servidores da Educação. Além disso, o governo reduziu os percentuais de promoção e progressão apenas para os profissionais da Educação, respectivamente, de 22% para 10% ou menos, e de 3% para 2,5%. Isso representou, além do confisco, a descaracterização do plano de carreira dos educadores de Minas, que ficou diferenciado de todas as demais carreiras do estado, seja do Executivo, do Legislativo e do Judiciário. Foi mais um golpe contra os educadores de Minas.

Além disso, na nova gestão do atual governo, os educadores de Minas tiveram apenas um único reajuste geral de 5% em 2012. E não há qualquer outra previsão de reajuste geral até 2015, já que o novo plano de reajuste salarial imposto pelo governo para os servidores é de amargar, pior até mesmo do que qualquer índice existente no país. Perde feio até mesmo para a inflação oficial do governo federal, que está longe da realidade das pessoas comuns que frequentam as feiras e supermercados no dia a dia.

Logo, um reajuste imediato no subsídio, de pelo menos 50%, reduziria a enorme perda imposta aos trabalhadores da Educação básica nos últimos 15 ou 20 anos, pelo menos. Os educadores têm sofrido perdas e confiscos sucessivos, pelos diversos governos, isso é fato. Como sabemos, a Lei nacional do Piso em nada melhorou a nossa realidade, já que foi burlada em Minas e os outros poderes, das diversas esferas, fazem vista grossa. A começar pelo governo federal, outro que nada fez pela Educação básica no Brasil, tanto na gestão anterior, quanto na atual, da presidenta Dilma. Na Educação básica, na Saúde pública e na reforma agrária, os governos federais do PT, tal como os governos do PSDB, deixam a desejar, ainda que, em outras áreas sociais, tenham, reconhecidamente, realizado mais do que os tucanos e os demos. Isso também é fato.

Mas, voltando a Minas, outro país, claro, os educadores precisam começar a discutir a necessidade de se organizarem e se unirem para lutar por um reajuste imediato. O sindicato precisa sair das prolongadas férias e convocar a base da categoria não para fazer discurso ou turismo, mas para discutir seriamente uma estratégia de luta para 2013 e 2014. Talvez nem aconteça uma greve em 2013 - vai depender sempre da correlação de forças, da organização, da unidade de propostas, etc. -, mas a categoria deve estar mobilizada para tal. E se o governo não abrir negociações com os educadores, é certo que em 2014 deve acontecer a maior greve da história dos profissionais de Minas. Com esse salário de fome, uma greve dos profissionais da Educação em 2014, em plena véspera da Copa do Mundo, será a desmoralização total dos dois principais candidatos à presidência da República. Aliás, esta deveria ser a estratégia nacional dos educadores, se tivéssemos entidades sindicais nacionais menos partidárias, e mais afinadas com os reais interesses dos trabalhadores.

Em suma, é isso. Enquanto o piso não chega a Minas, devemos discutir uma solução imediata para os baixos salários originados do subsídio. Isso representa a luta pelo reajuste do subsídio, pelo menos em 50% já! Outras lutas, como o retorno aos percentuais de promoção e progressão do antigo plano de carreira, devem estar na pauta comum de reivindicações dos educadores de Minas.

Um forte abraço a todos e força na luta! Até a nossa vitória!

                      ***


Frei Gilvander: 


Chacina dos fiscais em Unaí: nove anos depois, justiça à vista?
Gilvander Luís Moreira

Era dia 28 de janeiro de 2004, 8h20 da manhã, em uma emboscada, cinco jagunços dispararam rajadas de tiros em quatro fiscais da Delegacia Regional do Ministério do Trabalho, perto da Fazendo Bocaina, município de Unaí, Noroeste de Minas Gerais. Passaram-se 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 anos. Já foi aprovada a Lei 12.064, que criou o dia 28 de janeiro como Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Mas e a Justiça? Por onde anda? No dia 28 de janeiro de 2013 completam 9 anos da chacina.

Para ler o texto completo, clique aqui.

 
Luta pela moradia, um dos desafios em 2013.
Gilvander Luís Moreira

Muitas pessoas têm me perguntado: “Como você analisa a situação da moradia no Brasil? Você acha que esta questão tem sido tratada com prioridade pelos governos?” Respondo: Os governos têm sido mais do que omissos. Têm sido cúmplices da bárbara injustiça que padece sobre milhões de famílias empobrecidas nas cidades.

Para ler o texto completo, clique aqui.

364 comentários:



  1. Prof. Euler, parabéns, mais uma vez pelo texto belíssimo, pela sensatez apresentada. Ao lê-lo, percebi que seria uma ótima atitude dos Educadores Mineiros das escolas públicas estaduais, paralisarem suas atividades, a partir de maio e seguir por todo o período da Copa do Mundo, porque com os Educadores saindo do interior e vindo para a Capital, não terá como o mundo não saber, afinal os jornalistas do mundo todo estarão em BH, assim não precisaremos da Mídia Golpista e cComprada do Brasil,é bom que denunciamos a Imprensa brasileira, que gosta de posar de livre para o mundo, aí mostraremos nossos contra-cheques, daremos depoimentos, vamos colocar a boca no trombone, vamos mostrar os contra-cheques antigos, o que foi determinado pelo STF, ou seja, vamos dar a conhecer ao mundo o que acontece num país, à parte do Brasil. O NDG está pronto, é só ir começando preparar as estratégias e não pode ser no ínicio de 2014, ela tem que ser toda costurada neste ano de 2013. o governo terá todo este ano para pensar no que vai fazer conosco, vamos publicizar isso, caso continue achando que somos bagaços de cana, pois mói, mói, tira o melhor caldo e depois joga fora, vamos então, a partir de 2014, emperrar este engenho de moer gente. Para isso, os nossos colegas que tanto pedem greve aqui, já vão se estruturando financeiramente, para que possamos passar da marca histórica de 2011, caso o governador deseje. 2014, será o nosso Ano!! Vamos difundir essa ideia, nas escolas, com os alunos, com todos e deixe o governador encher a escola de tapa buracos em 2014, aí vai ser melhor, pois chamaremos a imprensa estrangeira e mostraremos a mentalidade dos políticos mineiros, a cara desse desgovernado e toda a sua laia, melhor ainda porque o ano ainda é Político. Nós estaremos com a FACA e o QUEIJO na mão, só não cortaremos sem tremermos na base.

    ResponderExcluir
  2. Blog do Paulo Henrique - Contos & Romances

    http://phdescritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

  3. Já podemos começar 2013 na Escola viabilizando está ideia. Todos os educadores em ação. Pare de reclamar e comecem a pensar, já, como poderá sobreviver à GREVE DE 2014, COPA de 14 e Greve de 14!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vocês pensam em lutar por algo só em 2014 já estão dando a Anastasia o direito de enrolar até lá. Daí ele deixa a bomba pro próximo que entrar. O problema dos professores é o medo da luta. Deixa sempre prá amanhã o que podem fazer hoje. Este é o lema. Vocês imaginam quantos policiais treinados,verdadeiros cães de guarda vão estar nas ruas pra proteger a tal copa? Querem matança de professores em praça pública. Este governo é assassino.Já matou a inteligência dos professores,comeram seus cérebros com lavagem cerebral e hoje só resta uma turma de otários aqui lamentando a vida e planejando prá lamentar por no mínimo mais um ano e meio e acham que isto é amanhã. Vou me aposentar este ano e não vou mais nem querer ouvir falar em piso,subsídio, aumento o diabo a quatro. Vou me aposentar de tudo mesmo e seja o que Deus quiser. Quero é resgatar minha saúde e minhas forças que que este demônio do Anastahitler me roubou. Quero recuperar minha dignidade e esquecer que um dia fui professora. Meu fim de carreira foi amargo. Quero esquecer. Já fui Mestre e hoje me aposento como mendiga ou coisa pior. Prá mim já deu.Tchau

      Excluir


  4. Muito boa, essa ideia de paralisarmos em 2014. SINDICATO, pare de viajar, de gastar dinheiro dos sindicalizados e ponham essa massa amórfica pensante para pensar, inteligentemente em estratégias para enfrentar 2014. E o NDG já poderia começar a se mobilizar. Agora é hora das camisas, dos bonés, dos botons, dos outdoors saírem do pensamento e virarem coisas físicas. Comecemos a pensar nisso!

    ResponderExcluir

  5. Nossa, 2014 promete kkkkkkkkkkkk Ano de Copa do Mundo, ano de campanhas políticas no Brasil e, também, no país vizinho, Minas Gerais. Vamos botar para FREVER!! Vai ser um FREVO só!!! Vamos mostrar para o mundo que além de saber jogar, o brasileiro também sabe fazer greve. Se necessário for, bateremos o nosso próprio recorde. Será que o Governador vai mandar seus leões de chácara, pagos razoavelmente por ele, descer o cacete nos educadores,porque uma coisa é fazer isso sob as lentes dos cinegrafistas brasileiros, fica mais fácil de recolher a filmagem kkk, agora como fica a cena sob as lentes dos de fora que estão aqui para noticiar tudo, inclusive mostrar que aqui é Terra de trogloditas kkkkk Ah, 2014, promete mesmo!

    ResponderExcluir

  6. Publiquem este texto do Euler nos faces e onde mais puderem, precisamos mobilizar a categoria, já no início de 2013. Não percamos tempo!

    ResponderExcluir
  7. GRUPO DE RESGATE.
    Euler,gosto muito das sua idéias mas discordo plenamente de fazermos qualquer outra campanha que não seja em prol do piso nacional dos professores,não podemos perder o foco,não podemos fazer o jogo do governo.Nossa luta pelo o piso é mais justa que já houve na historia da educação,temos uma lei que nos ampara e fomos traídos roubados na calada da noite por um governador que se sente o dono do mundo e não tem o mínimo de respeito pelos os educadores,as vezes mi pergunto: Porque foi feito isso só com nós educadores,se subsídio é tão bom porque não fez com as outras categorias,esse é nosso trunfo isso prova a marcação com nós professores,entre no site do sindicato da polícia e veja a tabela de promoção deles até 2015,como continuarão com suas vantagens,um cabo da polícia vai chegar em 2015 com mais de 8000 mil reais ,nada contra acho mais que merecido,mas porque essa sacanagem somente com nós do magistério.Não podemos cruzar os braços temos que começar a luta pelo piso agora.Tenho duas sugestões:
    1º)Que tal se formarmos um grupo de resistência de pelo menos mil profs,disposto a perder até o cargo se preciso,acamparmos em Bh ,e fazermos uma dura campanha em prol do piso,não pararmos nosso manifesto enquanto não formos atendidos,acionarmos a justiça iremos a brasília faremos manifesto lá em frente ao judiciário e mostrarmos para o mundo o quanto estamos sendo injustiçados.Esse grupo de combate não deixar o manifesto enquanto não conseguirmos o retorno dos nossos direitos e do piso salarial,será um grupo de resgate e temos bravos soldados para isso.Vamos amadurecer essa ideia e começarmos a alistar serei um dos primeiros da lista.
    2º) Que tal fazermos uma greve de rodízio, assim o governo não terá como colocar pessoas no nosso lugar não ficaremos sem salário nem os alunos totalmente sem aulas.Metade para 15 dias outra metade mais 15 dias ,buscaremos apoio dos pais e sociedade,Faremos diversos manifesto em bh e Brásilia com paralisação total sempre que houver rodadas de negociações,Vamos pensar juntos,vamos amadurecer ideias, não podemos cruzar os braços a luta tem que começar agora.

    ResponderExcluir
  8. Apoio de pai é bobagem, pai não vai nos apoiar, infelizmente, os pais não têm essa consciência,logo não sejamos ingênuos, a maioria só está preocupada com a bolsa família, vale isso, vale aquilo, ainda não chegaram nesse estágio de lutar por uma educação de qualidade, não tapemos o
    Sol com a peneira, esse discurso de a família lutar conosco é simplesmente palavras bonitas, contar com eles, nunca. Até porque uma pai que ganha 678,00 ou uma mãe, acham mesmo que ganhar 2 salários mínimos e pouquinho já é muito. Eles fazem parâmetro com o que ganham, por considerarem que nós só trabalhamos 4h, essa é a visão que eles têm sobre nós e não vamos mudar de 1 ano para outro, o Brasil já vai fazer 513 anos, só a título de lembrança. Então sem muito romantismo e mais racionalismo! Vamos lutar e lidar com a realidade que nos cerca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É por isso que paralisação de professores em Minas Gerais tem de ter obrigatoriamente a adesão de pelo menos 60% dos profissionais da rede. Temos de demonstrar de cara para o governo que somos fortes, a partir de 60% tentar arregimentar outros para endurecer mais o movimento e não deve haver espaços nas reuniões do movimento na Assembleia Legislativa.

      Greve de professor, principalmente de Minas Gerais tem que ser pra valer com contingente de pessoas altíssimo, à altura do número de professores da rede. É isso que vai demonstrar força e fazer o chão de Minas estremecer, o número expressivo de pessoas insatisfeitas. Pois, o governador de bobo não tem nada e vai fazer o uso do aparato repressor das forças policiais, assim como manter seus cabos eleitorais de dentro das unidades de ensino (que a gente não sabe bem quem são, mas que atuam)para fazerem de tudo o que for possivel para desestabilizar o movimento. Estejamos preparados porque vai ser um cabo de guerra.

      Excluir
  9. Nada de rodízio, temos que radicalizar, fechar e fechar tudo, conforme fizemos (alguns poucos) em 2011. e olha que o governo fez questão todo o tempo de tratar com indiferença a nossa greve, dizendo que era um percentual sem visibilidade, não importa, mas foi um grupo duro de roer, daí NDG. Esses poucos conscientes, assessorados por este blog, pôs o Bloco nas ruas de Minas e deu trabalho ao governador, por mais que ele não queira admitir e a Imprensa Golpista e Comprada tenha se omitido como omitiu, também, na paralisação dos professores federais. Não importa, naquele momento demos força, inclusive para outros Estados enfrentarem seus governos nefastos. Então, nada de nhémnhémnhém, ou faz ou faz, sem arranjar jeitinhos que não nos levam a resultado algum.

    ResponderExcluir


  10. O chão de Minas vai tremer e muito em 2014!

    ResponderExcluir
  11. Que tal fazermos uma greve de braços cruzados, e paralisarmos a escola dando somente aulas? E boicotando rotinas essenciais:
    - ninguém preenche diário de classe
    - ninguém elabora caderno de plano de aula
    - ninguém preenche PGDI, bloqueando a ADI
    - ninguém participa das reuniões pedagógicas, conselhos de classes e PIP
    - ninguém participa de eventos com a comunidade
    - ninguém seja promoter, trabalhando voluntariamente em festa junina e festa da família
    - ninguém participa do PAAE (pode até aplicar a prova, mas não insere nada no sistema)
    - ninguém prepara alunos para o ENEM
    - ninguém se preocupa com os indicadores e derruba o IDEB
    [Euler, Em Nome de Deus, publica essa postagem !! E tem mais, a comunidade, a mídia local, por meio de faixas, camisetas, e outros meios de divulgação, passa para a sociedade nossa desobediência como retaliação, e mecanismo de exigência de remuneração condigna]

    ResponderExcluir
  12. Acho a ideia de uma greve em 2014 tardia. Não podemos passar mais 12 meses com este salário que não dá para nada. O ideal seria uma greve já para 2013, porque convenhamos colegas: receber este salário e receber nada está dando quase na mesma. Sabemos que o governo de Anastasia cortará os salários como fez em 2011, quando ficamos 3 meses sem salário, mas a greve é um instrumento de luta do qual não podemos abrir mão, já que ela faz estragos na imagem do governo, que através da mídia comprada a peso de ouro apresenta a educação de Minas como a educação suíça.
    Discordo do Euler quanto ao subsídio. Como em 2011, nossa greve deve focar o seu fim e o imediato retorno ao antigo sistema remuneratório. Lutar pela volta dos biênios e quinquênios, enfim, lutar por uma carreira.
    Tenho estranhado o silêncio do sindicato. Antes sempre faziam paralisações, agora é um mutismo inexplicável.
    GREVE EM 2013. FORA PSDB. ANASTASIA - O PIOR GOVERNADOR DE TODOS OS TEMPOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os interesses de sindicato, governo federal e governo mineiro se alinham em prol da copa do mundo.

      Excluir
    2. "Tenho estranhado o silêncio do sindicato. Antes sempre faziam paralisações, agora é um mutismo inexplicável."

      Explicación: P-E-L-E-G-O

      Excluir

  13. A greve vai dar resultado e visibilidade em 2014, agora vai tripudiar e nós chegaremos sem fôlego para
    a Greve de 14. Precisamos aprender a planejar as coisas, não pode ser de forma atabalhoada, já apanhamos literalmente e metaforicamente para cometermos mais erros de estratégias. Temos que aniquilar este governo no ano dele, no ano em que quer ser vitrine mostrando seus feitos na área esportiva e tirando dividendos disso para colocar em outubro nas urnas, neste mesmo ano. Temos que dar uma cacetada certeira, mostrar que tipo de governo, governa Minas, um governo podre, um governo sem miolo, fundo falso. Não tem prioridade nenhuma social, as escolas estão capengas, os professores na miséria salarial, o ano para mostrar a desqualificação da educação e da carreira de quem a ministra é 2014. O telhado de vidro dele tem que ser quebrado antes e durante a Copa do Mundo, o que deve fazer todos os educadores do país.

    ResponderExcluir
  14. GOSTEI da ideia,agora é só colocar na PRATICA. Vamos aproveitar esse momento e fazer a pauta de reivindicações.

    ResponderExcluir
  15. Acorda povo! Volta da carreira antiga como? Por meio do subsídio o governo consegue afirmar que cumpre o piso perante a justiça. Deixem de tolices. Agora temos que trabalhar sobre a carreira que existe. Parem de inventar subgrupos que não funcionam e passemos a exigir o funcionamento do sindicado que está em férias! Pasmem!

    ResponderExcluir

  16. Concordo plenamente com o Ricardo;não podemos negligenciar a nossa luta,aceitando algo que não seja o retorno à carreira antiga e o pagamento do piso salarial."A hora é agora" greve em 2013 até a conquista do piso,que é um direito nosso e que jamais devemos abrir mão, por mais difícil que seja o caminho até conquistá-lo.Ânimo,colegas,essa luta é nossa e ninguém poderá vencê-la em nosso favor,somente nós, emanados no mesmo objetivo e persistência poderemos chegar a vitória.

    ResponderExcluir

  17. Vão fazer Greve em 2013 e vamos todos nos esborrachar. Que mania temos e querer fazer as coisas sem planejamento, será porque somos professores, não pode ser!. Cansamos de ouvir em 2011, colegas dizerem que não entrariam, desculpas ou não, pois não tinham uma estrutura financeira. E vamos cometer este erro de novo, pelo menos vamos amadurecendo, trabalhando a ideia, para que possamos abranger mais colegas em 2014 e NÃO SE ESQUEÇAM é em 2014 que vamos incomodar, pois governo algum neste país quer saber de que alguém os atrapalhe nas belezuras da Copa que farão às nossas custas. Além da Copa, ainda é ano político. A imagem desses calhordas têm que ser maculada totalmente em 14 e ainda com o respaldo da IMPRENSA ESTRANGEIRA. Greve neste ano não vai nos render nada, até porque primeiro precisamos cobrar desse Sindicato que deve estar moreníssimo de praia ou cansado dos passeios por alguns países latinos kkkk, cobrar atitude, postura de sindicato mesmo, luta, chega de ficar à sombra, passou um ano sem chamuscar no Sol, agora tratem de mostrar a cara. Vejam, ainda temos que pôr essa gente que recebe o nosso dinheirinho de contribuição para AGIR, porque isso é função deles, por isso que não dá para começar greve no dia 4 de fevereiro, seria muita imaturidade e inexperiência da classe, e não é o caso, pois estamos igual à Tereza de Jorge Amado - TERESA BATISTA CANSADA DE GUERRA. Vamos combater com um bom combate! Paciência e caldo de galinha não faz mal a ninguém, já diziam as nossas avós! kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor estratégia seria a proposta pelo iNDGnado, mas nem o boicote a turma topa, a culpa deve ser do flúor na água...

      Excluir
  18. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/Rev_19/artigos/PauloSerejo_rev19.htm

    Leiam

    ResponderExcluir
  19. Sou sua fã Euler.Sábias palavras.O GOVERNO FEDERAL também não esta nem aí com a EDUCAÇÃO.A presidenta Dilma deveria isentar pelo ao menos os professores da educação básica do imposto de renda retido na fonte que aliviaria um pouco o sufoco que a classe tem passado e exigir dos governadores o cumprimento do piso.

    ResponderExcluir
  20. Vejo que a Diretora do Sindinutil não amadureceu.Ao invés de chegar ao Governo expor as nossas reivindicações e ter a competência de sair de lá com um mínimo de decência,fica gastando tempo e dinheiro colocando notas em jornais dizendo abobrinhas que já é passado duro,o qual queremos esquecer e que nunca mais volte esse tal de xoque de indigestão.Ficou 1 ano na marola e este ano vai continuar marolando?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com todos os erros e acertos, o SINDUTE-MG, ainda é a única instituição procura defender a categoria. As reuniões, as assembleias, são abertas, as pessoas podem fazer as propostas, podem (poderiam) até se candidatar à Direção Estadual. Não faço uma fala de defesa da atual direção, mas da instituição sindical, da qual tenho orgulho de pertencer. As lutas se vencem no campo de batalha real e não virtual. Fico pensando como é fácil, sentar na frente do computador, como estou agora, e escrever textos, comentários, explanações criticando de forma vil o trabalho da Instituição Sindical. A secretaria de Educação, o governo de MG, deve adorar ler estes comentários, que é a prova da nossa desunião. Aliás, acho até que seus funcionários comissionados passam o dia escrevendo contra o nosso Sindicato. Durante a Greve de 2011, viajamos quase 1000 km semanalmente para estar presente nas atividades, para expor nossas opiniões, debater as ideias.Erramos muito, mas não me sinto derrotado não, porque ainda estamos de pé, nos preparando, para as novas batalhas. Enquanto as políticas neoliberais estiverem presentes no mundo, sabemos que o nossos resultados serão pequenos. Mas nem por isso deixaremos de lutar. E fica o convite para aqueles que maldosamente apelidaram o Sindicato desta forma, para participar das reuniões, e expor suas brilhantes ideias, inclusive o prof. Euler, que sempre faz intervenções importantes, mas que ultimamente não tem participado das atividade coletivas da entidade. Porque, quem sabe achamos um luz que nos leve a CONQUISTA PLENA DE TUDO AQUILO QUE QUEREMOS.

      Excluir
    2. Parabéns pelo comentário sensato.Toda moeda tem 2 lados e nosso dever é defender a ambos.Somos uma equipe e o sindicato é quem foi escolhido para nos representar,portanto temos mais que o direito, a obrigação de fiscalizar e cobrar.Devemos ser presentes e colaboradores nas ações.Mas nós temos este péssimo hábito,votamos nos políticos e às vezes até esquecemos em quem votamos,nunca os procuramos para cobrar nada e depois derrubamos-os com a nossa língua. É cômodo colocar alguém na frente das batalhas e dormir em berço esplêndido esperando para comemorar os louros.Na hora do churrasco e da cervejada não falta um. Aposto que a maioria dos que aqui reclamam nem sindicalizados são.

      Excluir
    3. Desculpe o erro crasso. Escrevi "derrubamos-os". Fica difícil até prá falar,né? Fica o registro,é "derrubamo-los"

      Excluir
  21. Euler, gosto demais de sua colocação, vejo em você um verdadeiro guerreiro.Admiro sua coragem, pois sabe que há pessoas que levam suas informações para a chefia e mesmo assim não teme em nos defender. Escrevo dessa forma por me ver em um Estado cujo o representante é um jogador, digo, ditador ou melhor um adulto sem noção de realidade, estragado em sua vaidade.
    Bom, quando ao assunto em questão, vejo uma classe totalmente desacreditada politicamente, triste, desrespeitada, cansada, sofrida, pobre ( pois o tal de subsídio é cruel e não deixa com que esse trabalhador construa um piso firme, onde ele possa subir, crescer e se orgulhar ou mesmo onde ele possa reservar um pouco para momentos difíceis, como a de uma possível greve). É como disse em um dos comentários acima, temos que ter os pés no chão. Não será nada fácil levantar essa bandeira. Realmente, o sindicato deixa muito a desejar, não cria forma para atrair os funcionários, não oferece nada de diferente para estimular. Tudo bem que quem que corre atrás, estuda, procura uma forma de se informar, mas quando isso ocorre em conjunto, em massa o resultado e a força que se desenvolve não se compara. Nos trabalhadores também deixamos a desejar, pois nos acomodamos,não cobramos, não buscamos, e pior não nos unimos, não nos organizamos, não vestimos essa camisa da luta e ainda criticamos. Se a gente não se unir, não mudar essa postura, criar estratégias novas e levar a sério aquilo que é de importância e interesse para a classe ( os direitos que nos foram roubados) ficará difícil seguir em frente.

    ResponderExcluir
  22. Vamos nos organizar para uma greve no início de 2014. Começaremos o ano em greve, não podemos deixar pra começarmos em abril, devemos começar com uma semana ou duas de aula somente.
    Concordo com os colegas que dizem sobre o planejamento da greve. Devemos elaborar nossas reivindicações, nos organizarmos financeiramente(sei que não é fácil ganhando essa miséria). Esqueçam greve pra 2013 não dá, temos de fazer um trabalho de conscientização junto aos colegas, dar oportunidade para o desgoverno negociar e a sociedade ser informada de nossas reivindicações.
    Penso que temos de lutar com o que temos, não adianta ficar pedindo piso e o desgoverno dizendo que já paga. Temos que exigir aumento de 50 % no subsídio pelo menos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como nos organizarmos financeiramente ganhando essa miséria?
      Se agora não dá devido a atual situação de miséria da categoria,você acredita mesmo que em 2014 estaremos melhor???

      Excluir
  23. "A Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE) publicou nota pública criticando o valor de 7,97% de reajuste do piso nacional do magistério anunciado pelo Ministério da Educação (MEC). De acordo com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), isso geraria um aumento de R$ 1.451,00 para R$ 1.566,48.

    A CNTE, a União Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação (Undime) e a Campanha Nacional pelo Direito à Educação propõem a alteração do critério de atualização do piso, garantindo um reajuste de 9,05% para 2013. Segundo a nota divulgada, a proposta construída coletivamente pelas entidades "vincula o percentual de atualização do piso ao crescimento da receita consolidada do Fundeb de dois anos anteriores, superando assim as vulneráveis estimativas da STN/Fazenda".

    FONTE (SindPELEGO): http://www.sindutemg.org.br/novosite/conteudo.php?MENU=1&LISTA=detalhe&ID=4238

    ResponderExcluir
  24. COPIE E COLE EM NOVA JANELA DO NAVEGADOR:

    http://www.sindifiscomg.org.br/upload/images/fsp14012013.jpg [sobre Aebrio Never]

    ResponderExcluir
  25. José Alfredo Junqueira21 de janeiro de 2013 10:49

    Há uma greve nacional marcada pela CNTE nos dias 23,24 e 25 de abril,pela aplicação de 10% do PIB na educação.Já foi aprovado no Congresso e falta no Senado.Nos vamos aderir?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos: para ter os dias cortados, para ter que repor sem receber, para perdermos a causa, para nos expor mais uma vez a execração pública, para economizar para os cofres do governo, para servirmos de cobaia, que CNTE quer medir estatísticamente se ainda tem moral pra mobilizar a categoria, pois também está em descrédito, com estratégias obsoletas, ultrapassadas. Vamos: para voltarmos mais uma vez com as mãos vazias, o rabinho entre as pernas e as orelhas murchas. Vamos, que nós somos os peões desse jogo de xadrez, onde interesses bizarros acontecem entre entidades que se dizem 'sindicais' e governo do estado.
      Vamos que a fé não costuma parar. Kd a irmã Benigna? Ela talvez diria... "ao invés de greve, vamos rezar o terço para a desatadora de nós".

      Excluir
  26. Caro Euler,

    Independente do que se decida fazer agora em 2013 ou até em 2014, tem que se analisar bem, sem paixões ou outras emotividades, o que se reivindica e a viabilidade disso. Não adianta nada ficar levantando essa ou aquela bandeira se nada do que propor não tem viabilidade de ser concedido. Mesmo se o Governo de Minas fosse gerido pelo PT não seria concedido tudo o que fosse apresentado... Atualmente está instalado no Governo de Minas uma política neoliberal, reconhecidamente ruim de jogo e literalmente insensível a ouvir e discutir seriamente as reivindicações dos servidores públicos. Com eles não adianta ir na força (os 112 dias de greve em 2011 que o digam) e mesmo que ele se sente a mesa de negociação, só será concedido o que ele quer e do jeito que ele quer... Se for para ganhar algo, vai ter que se aprender a jogar conforme as regras dele... Faltou em 2011 ao SindUte uma boa análise da situação, como as reais possiblidades do que pedia e a forma de negociar e defender isso nas reuniões com o Governo, a sustenção além do que devia da greve, a abrangência da mesma (não foi uma adesão total ou em percentual deveras expressivo)e não se preparar para a réplica do Governo e as artimanhas que este tinha a disposição para se fazer valer... O resultado foi a instuição goela abaixo de todo mundo do Subsídio, travestido de modelo remuneratório único... Aliás, o Subsídio surgiu naquela greve de 2010, como resultado das negociações do Governo com o SindUte, mas sabemos que isso estava na manga do Governo e foi imposto (como sempre) mas foi maquiado que foi uma solução construida na mesa de negociação. Tudo para passar uma boa imagem para a opinião pública e iludir os incautos profissionais da Educação...

    Se o Magistério for a luta mesmo, que não cometa as mesmas besteiras que fez a tão pouco tempo. Por favor, nada de memória curta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Finalmente um comentário eloquente. Em suma: chega de amadorismo.

      Excluir
    2. Além de eloquente o comentário é coerente. Entretanto, devemos aguardar o julgamento da ação contra a lei 100/2007. A categoria necessita de coesão para enfrentar a máquina governamental que aposta na nossa desunião. Lembrem-se da fala da sacripanta que comanda(ou tenta comandar)a secretaria da educação no início da greve passada: " e lembrem-se os efetivados têm todos direitos iguais aos efetivos..." Portanto, devemos ter um cenário definido para, somente então, deflagrar uma nova greve.

      Excluir
  27. Muito triste a nossa situação. Mas temos o que merecemos. Somos desunidos, uns param outros não(por motivos que não me dizem respeito) se esquecem que estamos no mesmo barco, que diga de passagem já está afundando. Me sinto impotente de pés e mãos atadas. Teríamos que nos unir, todos nós em prol de uma educação melhor, senão de que adianta só reclarmarmos.

    ResponderExcluir
  28. Tenho um cargo municipal no turno da manhã.
    A escola estadual que trabalho não deixa o professor escolher as turmas em turnos diferentes isso e correto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Segundo a resolução, segue se os critérios de prioridade. Chegando sua vez vc tem o direito de escolhar as aulas no turno que quiser caso ainda tenha. Infelizmente essa realidade é muito recorrente, nós ficamos a mercê de diretores e secretarios que nem sempre querem respeitar o direito do outros. Meu conselho: vá atras de seus direitos, nao deixe ninguem decidir sua vida.

      Excluir
  29. Acredito que os dispostos a enfrentar uma greve em busca de seus direitos são os mesmos colegas guerreiros de 2011. Os demais, continuam apáticos, sem nenhuma reação. Parece até, que seus salários são diferentes. Portanto colegas, vão com calma para não sofrerem as mesmas decepções.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente em algumas escolas existem a conveniência pedagógica, que o diretor escolhe o horário para o professor.Pode?

      Excluir
    2. Eu penso o seguinte: como ela prova que você é inconveniente pedagogicamente? Peça prova, tem ata, tem algo que te desabone como servidor? Não podemos deixar esse pessoal a fazer de nós o que quer. Vamos endurecer...

      Excluir
    3. Conveniência pedagógica é uma coisa.Conveniência diretórica é outra.
      Para provar que pedagogicamente você não está apta para tal função, a diretora tem que ter registros do ano anterior que provem isto. Cá pra nós:Que escola tem isso?
      Para registrar a falha de um servidor, a escola tem que apresentar também em atas as condutas que a equipe gestora teve, para tentar conduzir adequadamente as ações deste servidor.Qual a estratégia foi utilizada com ele?O servidor apresentou novos resultados? Novas condutas? Novas estratégias? Sabemos que não fazem isto, porque não querem trabalhar, não sabem apresentar novas estratégias ou não querem desgastar-se.Querem é só cobrar dos servidores, especialmente se forem professores.
      Estou pleiteando a vaga de professor eventual em minha escola. Tenho 23 anos de serviço, efetiva e nunca ocupei esta função.Há sinais de que uma amiguinha da diretora será a escolhida., é efetivada com 5 anos na escola.
      Estou tranquila, pois se assim acontecer vão ter que se explicar. Vou entrar com recurso , alegar o que já está instituído em decreto como Assédio Moral :

      III – preterir o agente público, em quaisquer escolhas, em função de raça, sexo, nacionalidade, cor, idade, religião, posição social, preferência ou orientação política,
      sexual ou filosófica.
      VII – subestimar, em público, as aptidões e competências de agente público;
      Como negar a escolha de função a um servidor(seguindo orientações da resolução), sem ter atas registradas com atos que desabonam tal servidor em detrimento de outro?
      Deixemos de assinar em baixo das arbitrariedades das diretoras. Somos independentes.Vamos dialogar, mostrar que estão fazendo errado.Se não aceitarem,registrem, ata nelas.
      Terão que responder por suas ilegalidades.Vamos exigir nossos direitos, por isto mesmo é que existe a resolução!

      Excluir
  30. Sabiam que acabou professor de educação física para os primeiros anos do ensino básico?A escola que tiver o professor efetivo vai ter até que ele aposente.No mais é proibido contratar.Os próprios professores vão dar Ed. Física e religião também.Na minha escola,2 professores perderam os cargos e como a professora está em ajustamento os regentes de turma é que vão dar Ed. Física.Minhas colegas ainda não sabem da novidade.Quando chegarem das férias vai ser o caos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é o caos, é o retorno ao modelo antigo. No passado o professor do ensino fundamental I, chamado primário, dava aula de religião e educação física. Bom para o governo. Governo X Categoria = 10 X 0.

      Excluir
  31. Verdade colega.Concordo com você,são os mesmos.
    Uma apatia toma conta dos profissionais da educação.Pelas bandas de cá,apatia moral e intelectual.Nem as simples resoluções da SEE eles conseguem interpretar, precisam de tradutores. Andam dando umas aulinhas....
    Coitado dos alunos!Professor de verdade tem conhecimento,didática,moral, é crítico, político , transformador da realidade.
    Falta salário em MG ,mas falta também profissionais de verdade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os profissionais da educação stão aviltados, humilhados, resignados, destituídos de seu perfil profissional, abatidos durante anos por pressões, cobranças, acusações e críticas. O que falta aqui não são 'profissionais de verdade', falta um governo mais justo, menos equivocado, mais sério e menos corrupto.

      Excluir
    2. Falta,principalmente,dinheiro e tempo para o professor estudar e se atualizar. O professor não tem tempo para ler,não tem dinheiro para comprar livros nem revistas.O tempo ganho através de uma lei federal o governo de Minas já o abocanhou antes de entrar com a lei. Lei esta burlada,manipulada,roubada pelo Anastahitler. Ele já colocou compulsoriamente os próprios regentes para cobrir as 2 horas semanais que ganhamos através da Lei e agora nos rouba os professores de Ed. Fisica e de Ensino Religioso.LADRÃO DE LEIS, LADRÃO DE TEMPO,LADRÃO DE DIGNIDADE,LADRÃO DE PROFESSORES.

      Excluir
  32. Oi Euler
    Seu blog é um dos raros locais de discussão e análise de nossa situação. Continue nos dando este espaço e esta possibilidade de conversa.
    Alguém tem notícia do tal prometido prêmio de produtividade?

    Abraço
    Carolina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. prêmio de produtividade será pago em Março.

      Excluir
  33. Parabéns!Sempre leio seus textos porém discordo quando você fala da diferença entre policiais e professores...Pense!! Se um médico faz greve o que acontece? Ministério Público atua governo atua pois o estado entra em caos... Se um policial faz greve o estado entra em caos...Sem falar que 100% de aumento no salário do policial é bom, "eles realmente correm riscos". E nós não? A violência na escola é pior do que nas ruas,quando um policial está em risco e convoca seus colegas em questão de minutos chega ao local várias viaturas,sem falar que eles andam armados...
    Nós não!
    Eles tem coletes a prova de bala...
    Nós não!
    Enquanto nós contamos com a colaboração deles para sempre ficar na defesa do aluno,pois esses são menores...
    Profissão de risco e desvalorizada...
    É A DE PROFESSOR!!!
    DAIANA ARAÚJO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aleluia!! Alguém tbm pensa assim. Às vezes acho que sou eu a maluca porque acho que tbm precisaríamos de coletes e armas para realizar nosso trabalho.

      Excluir

  34. Professor Euler,

    Parabéns pelas 2.500.000 (DOIS MILHÕES E QUINHENTAS MIL) visitas a este blog.

    Blog de utilidade pública para os professores de Minas Gerais.

    Obrigado também pela liberdade de expressão neste espaço.

    ResponderExcluir
  35. PROFESSORES DIVULGUEM PARA QUE TODOS SAIBAM COMO FUNCIONA O PAIS DE MINAS GERAIS GOVERNADO POR ALIENIGENAS

    http://www.novojornal.com/politica/noticia/como-e-porque-gilmar-mendes-e-o-psdb-mantem-marcos-valerio-refem-14-01-2013.html

    ResponderExcluir
  36. DIVULGUEM! JA PENSARAM SE ESTA GENTE CHEGA A PRESIDENCIA DA REPUBLICA?

    http://www.novojornal.com/politica/noticia/ocultacao-de-patrimonio-laranja-complica-aecio-e-andrea-neves-02-01-2013.html

    ResponderExcluir
  37. http://www.novojornal.com/politica/noticia/andrea-neves-a-dama-de-2-bilhoes-de-reais-16-01-2013.html

    ResponderExcluir

  38. Boa tarde Euler e colegas,

    Olhem na página do STJ(superior tribunal de justiça).Como notícias em destaque temos a decisão da restituiçao do desconto do IPSEMG aos servidores que foram lesados de forma compulsória durante vasto período. O o judiciário mineiro havia dado ganho de causa ao Estado de Minas, mas agora perdeu a parada.

    Prof Silvinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prof. Silvinha
      Acabei de olhar no STJ. Será que assim, todos que não entraram com ação, terão o direito de ser ressarcido também?

      Excluir

  39. DECISÃO
    Servidora obrigada a contribuir mensalmente para o custeio da saúde será ressarcida
    A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reafirmou entendimento, segundo o qual, os servidores públicos estaduais que foram obrigados a contribuir mensalmente para o custeio da saúde – no percentual de 3,2% sobre a remuneração – devem ser ressarcidos, independentemente de terem usufruído dos serviços oferecidos.

    Com a entrada em vigor da Lei Complementar (LC) estadual 64/2002, os servidores públicos de Minas Gerais passaram a ter descontado, na folha de pagamento, valor correspondente à “contribuição para custeio da assistência à saúde”.

    Inconformada com a obrigatoriedade do desconto, uma servidora daquele estado recorreu em juízo para obter a devolução dos valores pagos.

    O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) entendeu que o previsto na emenda constitucional 41/2003, em relação ao artigo 149 da Constituição Federal (CF), não engloba a contribuição para custeio da saúde, mas somente aquelas destinadas ao sustento do regime de previdência dos servidores públicos.

    De acordo com a emenda referida, “os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão contribuição, cobrada de seus servidores, para o custeio, em benefício destes, do regime previdenciário de que trata o art. 40 [da CF]”.

    Devolução

    Entretanto, o TJMG não reconheceu o direito da servidora à devolução das parcelas retidas, “em razão de sua natureza contraprestacional e, ainda, porque o reconhecimento da inconstitucionalidade da referida contribuição cinge-se ao seu caráter compulsório”.

    No recurso especial direcionado ao STJ, a servidora sustentou que o reconhecimento da ilicitude da contribuição importaria em sua devolução. Sustentou também que seria irrelevante investigar se a assistência médica estava ou não à disposição do servidor.

    “É firme a jurisprudência do STJ no sentido de que, o fato de os contribuintes terem ou não usufruído do serviço de saúde prestado pelo Estado de Minas Gerais é irrelevante, pois tal circunstância não retira a natureza indevida da exação cobrada”, afirmou o ministro Arnaldo Esteves Lima, relator do recurso especial.

    O ministro, em decisão monocrática, reformou o acórdão do TJMG, para assegurar à servidora o direito de restituição integral dos valores indevidamente descontados de seus contracheques, com correção monetária e juros moratórios.

    Agravo regimental

    O Estado de Minas Gerais interpôs agravo regimental contra a decisão. Sustentou que o serviço de saúde encontrava-se inteiramente à disposição dos servidores e que, por esse motivo, seria impossível proceder à restituição.

    Arnaldo Esteves Lima mencionou que o Supremo Tribunal Federal havia declarado a inconstitucionalidade do caráter compulsório da referida contribuição, prevista na LC 64/02, de Minas Gerais. “O benefício será custeado mediante o pagamento de contribuição facultativa aos que se dispuserem a dele fruir (ADI 3.106)”.

    Além disso, lembrou que a jurisprudência de ambas as turmas da Primeira Seção é no sentido de que o recolhimento indevido de tributo enseja a sua restituição ao contribuinte, segundo o disposto no artigo 165 do Código Tributário Nacional. Diante disso, a Primeira Turma manteve a decisão monocrática.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e como ficou afinal? restituiu ou não restituiu? eis a questão. Bah!

      Excluir
  40. STJ assegurou aos servidores o direito de restituição integral dos valores indevidamente descontados de seus contracheques (para o IPSEMG), com correção monetária e juros moratórios

    O STJ mostrou ao TJMG como se julga uma ação, agora só está faltando a resposta do STF sobre a efetivação ocorrida em 2007.

    2013 promete!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "agora só está faltando a resposta do STF sobre a efetivação ocorrida em 2007."

      me poupe...

      Excluir
  41. Olá Prof.Silvinha

    Por favor,você saberia dizer se a restituição do Ipsemg é para todos os servidores ou apenas para aqueles que entraram na justiça?
    Muito obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo dito é para todos, tenha usado ou não.

      Excluir

  42. EULER
    E O NOSSO SINDICATO O QUE TEM FEITO?

    09/10/2012 - 13:25
    Servidores Públicos Estaduais têm direito à restituição de descontos do Ipsemg

    Marcelo Veiga Franco é procurador municipal, mestre em direito processual e especialista em direito tributário. Atua como diretor técnico-jurídico da Associação dos Procuradores Municipais de Belo Horizonte (Aprom-BH) e como associado efetivo do Instituto dos Advogados de Minas Gerais (IAMG).

    Servidores públicos do Estado de Minas Gerais têm direito à restituição dos valores que lhe foram cobrados pelo IPSEMG, de modo compulsório, a título de assistência médica, hospitalar, odontológica, social, farmacêutica e complementar.

    Isso porque o art. 85 e parágrafos da Lei Complementar nº. 64/2002, que previa a cobrança obrigatória de referidos valores no percentual de 3,2% (três vírgula dois por cento) sobre a remuneração/provento dos servidores, foram declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, por ocasião do julgamento da ADI nº. 3106 em 14/04/2010. Por sua vez, em maio de 2010, o Estado de Minas Gerais, por meio da Instrução Normativa SCAP n. 02/2010, facultou ao servidor público o recolhimento opcional da contribuição para o custeio da assistência à saúde do IPSEMG.

    Portanto, os servidores públicos estaduais têm direito à restituição dos valores que lhe foram descontados de modo compulsório na folha de pagamento, até maio de 2010, observada a prescrição de 05 (cinco) anos. A restituição é devida independentemente de o serviço de saúde ter sido disponibilizado ou usufruído pelo servidor, e ainda que este tenha a intenção de permanecer vinculado ao IPSEMG, conforme entendimento pacífico do Superior Tribunal de Justiça.

    * Obs.: Os servidores que desejarem atendimento jurídico nesse sentido, podem procurar o SINJUS-MG, que a partir de agora, oferece atendimento individual aos filiados com a nova assessoria jurídica (Franco e Faria), todas as terças-feiras, de 14h às 18h, na sede do Sindicato, devendo ser agendado pelo telefone (31) 3213.5247, ramal 30. Clique AQUI para obter outras informações sobre este serviço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sindicato já entrou com esta ação.É só procurar pelo mesmo e preencher os papeis.Eu já fiz isto ha mais ou menos 1 ano.O processo está em andamento.Só que cada ano que você passa sem entrar é um ano que você perde, pois isto prescreve em 5 anos e cada ano é um ano que tiram fora.Foram 60 parcelas que pagamos indevidamente. Então o valor que temos direito é 60 x o valor que descontavam mais juros e correção. Entrei na época,também requerendo o piso e uma outra ação que não me lembro.Reclamar do sindicato eu reclamo,mas estou sempre atenta aos benefícios que ele oferece.Todas as ações são demoradas,mas o importante é entrar.Um dia sai. Procure o sindute da sua cidade e entre em todas as ações que tem,porque quando sair pra uns e não sair prá outros não podem reclamar.Mesmo sendo filiada tem que ir levar documentos e preencher os papéis

      Excluir
    2. O sindiute tambem ja informou que quem tiver interesse e so procurar. Isso foi informado na greve de 2010!

      Excluir
    3. "EULER
      E O NOSSO SINDICATO O QUE TEM FEITO?"

      "nada, nada, nada, nada, você não soube me amar, você não soube me amar, você não soube me amar, você não soube me amar"

      lembra da música do Blitz? kkkkkkkkkk

      Excluir
  43. COMO ENTAR COM PEDIDO DE CPI FEDERAL EM MINAS SOBRE A MIDIA E A TAL DE NEVES, TEM TRURTA AI E SE FOR A SALA DOS CORDEIROS NÃO PASSARÁ. COM CERTEZA?

    ALGUEM AJUDE

    ResponderExcluir
  44. NÃO ENTENDO O REAJUSTE DO PISO PARA QUE SERVE....

    EM MINAS HÁ MAIS DE 20 ANOS QUE PREVIRAM ESSE PISO E JA PAGAM, SEMPRE PAGAM,. QUEDOR VER QUANDO PERDEREM AÇÃO STF QUANTO AOS BIENIO E QUINQUENIOS.

    AI SIM VÃO TEWR DÍVIDA.

    ResponderExcluir
  45. Pessoal, me ajudem quem puder. De acordo com a Resolução do quadro de escola, qual a carga horária do professor de biblioteca? Estao interpretando q serão 24 h/s na escola. Esta correto? Ele não tem direito as 4h fora da escola? Isso é muito injusto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem está como PEUB em ajustamento funcional fará 24 horas ( não terá direito a um terço extra classe).
      Quem estiver como PEUB em condições normais terá direito a 1/3 extra classe.Conforme resolução " O apoio ao funcionamento da biblioteca previsto no § 2° não se confunde com o
      ensino do uso da biblioteca" .

      Excluir
    2. Postando novamente:
      Conveniência pedagógica é uma coisa.Conveniência diretórica é outra.
      Para provar que pedagogicamente você não está apta para tal função, a diretora tem que ter registros do ano anterior que provem isto. Cá pra nós:Que escola tem isso?
      Para registrar a falha de um servidor, a escola tem que apresentar também em atas as condutas que a equipe gestora teve, para tentar conduzir adequadamente as ações deste servidor.Qual a estratégia foi utilizada com ele?O servidor apresentou novos resultados? Novas condutas? Novas estratégias? Sabemos que não fazem isto, porque não querem trabalhar, não sabem apresentar novas estratégias ou não querem desgastar-se.Querem é só cobrar dos servidores, especialmente se forem professores.
      Estou pleiteando a vaga de professor eventual em minha escola. Tenho 23 anos de serviço, efetiva e nunca ocupei esta função.Há sinais de que uma amiguinha da diretora será a escolhida., é efetivada com 5 anos na escola.
      Estou tranquila, pois se assim acontecer vão ter que se explicar. Vou entrar com recurso , alegar o que já está instituído em decreto como Assédio Moral :

      III – preterir o agente público, em quaisquer escolhas, em função de raça, sexo, nacionalidade, cor, idade, religião, posição social, preferência ou orientação política,
      sexual ou filosófica.
      VII – subestimar, em público, as aptidões e competências de agente público;
      Como negar a escolha de função a um servidor(seguindo orientações da resolução), sem ter atas registradas com atos que desabonam tal servidor em detrimento de outro?
      Deixemos de assinar em baixo das arbitrariedades das diretoras. Somos independentes.Vamos dialogar, mostrar que estão fazendo errado.Se não aceitarem,registrem, ata nelas.
      Terão que responder por suas ilegalidades.Vamos exigir nossos direitos, por isto mesmo é que existe a resolução!

      Excluir
    3. Minas Desgovernada.23 de janeiro de 2013 14:26

      É isso porque para a senhora secretária da deseducação de MG e o senhor desgovernador de MG, Professor Para Ensino do Uso da Bibliotéca não planeja ações educacionais, não auxiliam no ensino-aprendizagem, não participam de simpósios nem de cursos de aperfeiçoamentos. Em resumo: Vocês são um gasto desnecessário nas escolas, uma vez que ninguém sabe ler nada mesmo, pra que biblioteca. Viram só como eles mentem que o ensino em MG é mentiroso?

      Excluir
  46. http://www.novojornal.com/politica/noticia/aecioduto-o-novo-grande-negocio-da-midia-nacional-22-01-2013.html

    ResponderExcluir

  47. Euleer,
    Quais os documentos necessários a restituição de descontos do Ipsemg?
    Gilson.

    ResponderExcluir

  48. A INJUSTIÇA MINEIRA É COMPRADA TODOS NÓS SABEMOS.

    ResponderExcluir

  49. Minas é o país do sonho para o governo, pois sonhar não paga imposto....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resposta ao anônimo da pergunta sobre a carga horária do professor para uso de biblioteca(23/01/13 de 00:27):Segundo a Resolução 2.253 de 9 de janeiro de 2013( Quadro do pessoal)
      "Art.3º A partir de 2013, o atendimento aos alunos nas Bibliotecas Escolares e na Educação de Jovens e Adultos, na modalidade semipresencial, terá a duração de 16 (dezesseis) horas semanais, distribuídas equitativamente em todos os dias da semana, em cada turno de funcionamento da escola.
      §1º Compete ao Diretor ou Coordenador de Escola Estadual, juntamente com o Colegiado Escolar, definir o horário diário de funcionamento da Biblioteca Escolar, do CESEC e do PECON.
      §2º O horário de atendimento na Biblioteca Escolar poderá ser ampliado se a escola contar com recursos humanos disponíveis
      Art.10 Conforme dispõe a Lei nº 20.592, de 28 de dezembro de 2012, a carga horária semanal de trabalho correspondente a um cargo de Professor de Educação Básica com jornada de 24 (vinte e quatro) horas compreende:
      I – 16 (dezesseis) horas semanais destinadas à docência;
      II – 8 (oito) horas semanais destinadas a atividades extraclasse, observada a seguinte distribuição:
      a) 4 (quatro) horas semanais em local de livre escolha do professor;
      b) 4 (quatro) horas semanais na própria escola ou em local definido pela direção da escola, sendo até duas horas semanais dedicadas a reuniões.
      § 1º - As atividades extraclasse a que se refere o inciso II compreendem atividades de capacitação, planejamento, avaliação e reuniões, bem como outras atribuições específicas do cargo que não configurem o exercício da docência, sendo vedada a utilização dessa parcela da carga horária para substituição eventual de professores.
      § 2° A carga horária semanal destinada a reuniões a que se refere a alínea “b” do inciso II poderá, a critério da direção da escola, ser acumulada para utilização dentro de um mesmo mês.
      § 3° A carga horária prevista na alínea “b” do inciso II não utilizada para reuniões deverá ser destinada às outras atividades extraclasse a que se refere o § 1°.
      § 4° Caso o Professor de Educação Básica esteja inscrito em cursos de capacitação ou atividades de formação promovidos ou autorizados pela Secretaria de Estado de Educação, o saldo de horas previsto no § 3° poderá ser cumprido fora da escola.
      § 5° Na hipótese do parágrafo 4º, o professor deverá ter autorização prévia do Diretor da Escola e deverá comprovar a frequência ao curso ou atividade de formação ou o cumprimento dos cronogramas de atividades, conforme o caso.
      Art.12 O Professor de Educação Básica que não estiver no exercício da docência, que exercer suas atividades no apoio ao funcionamento da Biblioteca Escolar ou nos Núcleos de Tecnologias Educacionais - NTE -, cumprirá 24 (vinte e quatro) horas semanais no exercício dessas atividades, incluindo as horas destinadas a reuniões, em local definido pela direção do órgão de sua lotação.
      Parágrafo único. Caracterizam-se como apoio ao funcionamento de Biblioteca Escolar as atividades desenvolvidas pelo professor em situação de ajustamento funcional, cujo laudo médico recomenda seu aproveitamento sem o contato direto e permanente com alunos.
      Art.13 O Professor para Ensino do Uso da Biblioteca cumprirá a jornada de trabalho prevista nos incisos I e II do caput do art. 10ºdesta Resolução para exercício da docência, diretamente no atendimento aos alunos, realizando atividades de intervenção pedagógica, orientando a utilização da Biblioteca Escolar para a realização de consultas e pesquisas, bem como desenvolvendo estratégias de incentivo ao hábito e ao gosto pela leitura."
      Entendo que a carga horária seja realmente de 24 horas, porém, 16 horas serão cumpridas à disposição da docência em atividades de intervençõeas pedagógicas que a escola necessitar e as 8 horas restantes serão em reuniões como descreve a resolução em seu art. 10º. Espero ter ajudado. Um abraço.

      Excluir
  50. NOTÍCIAS

    Sindicato contesta obrigatoriedade do Professor dos anos iniciais assumir aulas de Educação Física e Educação Religiosa
    A Secretaria de Estado da Educação repetiu, em 2013, a sua prática de não dialogar com a categoria antes de definir as normas para organização do quadro de pessoal das escolas estaduais.

    A Secretaria, em conjunto com a Secretaria de Planejamento e Gestão, tinha assumido o compromisso de discutir as regras para 2013 e ofício da Secretária confirmou que ouviria o Sindicato. No entanto, a Resolução SEE nº 2.253 foi publicada no dia 09 de Janeiro de 2013 sem diálogo e trazendo transtornos pedagógicos e funcionais à rede estadual.

    O Sind-UTE/MG já questionou à Secretaria de Educação sobre o Art. 4º da Resolução. Este artigo determina que “Nos anos iniciais do Ensino Fundamental os componentes curriculares de Educação Física e Educação Religiosa serão ministrados pelo próprio regente da turma, exceto quando na escola já houver professor efetivo ou efetivado pela Lei Complementar nº 100, de 2007, nesses componentes curriculares.”

    Isso fere a legislação ao conferir ao professor regente de turma dos anos iniciais do Ensino Fundamental, o dever de lecionar os componentes curriculares de Educação Física, mesmo sem a habilitação específica para o cargo. Esta regra contraria a Lei Estadual nº 17.942, de 19/12/2008, que dispõe sobre o ensino de educação física nas escolas públicas e privadas do sistema estadual de educação e prevê em seu Art. 3º o seguinte: “São reservados ao detentor de diploma de Curso Superior de Graduação em Educação Física, na modalidade de licenciatura plena, o exercício da docência e a orientação prática do componente curricular de que trata esta Lei, observada a legislação federal pertinente, em especial, o disposto no Art. 62 da Lei Federal nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.”

    Para o exercício da docência e a orientação prática do componente curricular na disciplina de Educação Física, o profissional tem que ser obrigatoriamente habilitado nessa área.

    Além da ilegalidade do dispositivo questionado, tal medida implica ainda em sobrecarga de trabalho para os profissionais dos anos iniciais do Ensino Fundamental, bem como, a ausência de nomeação ou designação para os cargos em Educação Física.

    A Resolução também contraria a Lei Estadual 15.434/05 que determina regras sobre o Ensino Religioso na rede pública estadual.

    O Sindicato já cobrou reunião com as Secretarias de Estado da Educação e de Planejamento e Gestão para resolver este problema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Voltando ao passado.Como regente de turma já dei aulas de educação física para as minhas turmas a tempos atrás.
      Que regresso!

      Excluir
    2. "Sindicato contesta obrigatoriedade do Professor dos anos iniciais assumir aulas de Educação Física e Educação Religiosa?!"

      sindPELEGO perdeu o moral pra contestar quaisquer coisas, ahhhaaaaaaa

      "O Sindicato já cobrou reunião com as Secretarias de Estado da Educação e de Planejamento e Gestão para resolver este problema?!"

      COBROU???? pobre sindINUTIL, caiu mesmo no ridículo!!

      Excluir
    3. Mais uma boa do sindRIDICULO, gente:

      "Sind-UTE/MG questiona cobrança de registro para posse de Professor de Educação Física"

      [http://www.sindutemg.org.br/novosite/conteudo.php?MENU=1&LISTA=detalhe&ID=4273]

      Tá questionando com quem, hein? Judicialmente??!

      KKKKKKKKKKkKKKKKKKKKKKkkkkkkkkkk

      Excluir
  51. No jogo da forca o governo já começou a perder as partes.Já ganhamos e vamos receber a restituição dos descontos de assistência médica.KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  52. Boa tarde Euler e colegas,
    Respondendo as perguntas sobre a restituição do IPSEMG: só terão restituição aqueles que a pleitearem na justiça, mas agora de forma mais rápida já que temos em mãos uma decisão do STJ que acompanhará o processo da ação.E assim posso afirmar, que as ações individuais do piso salarial em MG poderão seguir o msm caminho, já que se fizermos os cálculos individuais dos vencimentos de cada um provaremos que nossas vantagens (quinquenios, bienios etc..)estão sendo utilizadas para calçar no subsídio o valor do piso.Entupam a justiça com ações individuais e se formos injustiçados aqui em Minas recorreremos ao STJ
    Prof Silvinha.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. filho(a), recorra ao Altíssimo que Ele não te desamparará. A bíblia diz "Deus é justo" e "vão é o socorro que vem do homem".

      Excluir
  53. Olá Gilson,

    você direcionou o seu questionamento ao professor Euler mas posso te responder porque eu já entrei com a ação do IPSEMG.

    Se você for filiado ao sind ute deverá:

    juntar seus contracheques dos últimos 05 anos a contar de maio de 2005 até maio de 2010.Porque foi a partir de maio de 2010 que o tal desconto do IPSEMSG deixou de ser compulsório porque o governo deu direito a opçaõ.

    Além dos contracheques você precisa preencher uma procuração destinada aos advogados do sindute, uma declaração e os seus documentos pessoais.

    Se você não for filiado poderá contratar um advogado particular, geralmente eles estão cobrando 20% do total a receber.

    Espero que tenha te ajudado.

    Gilvânia, História.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. depois de seguir todas as orientações acima "espere no Senhor, confia Nele e Ele tudo fará"

      Excluir
  54. Precisamos de informações sobre o REIVENTANDO O ENSINO MÉDIO,onde 122 escolas do estado de MG,irão trabalhar com empregabilidade em diversas areas. Não houve capacitação adequada,o mesmo é obrigatório nestas escolas e a partir de 2014 será implantado em todas as escolas de ensino médio.É possível trabalhar assim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "tudo é possível para quem crê, irmão"

      Excluir
  55. Não acredito que vamos passar mais um ano nesse sufoco,adiando essa luta pra 2014!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Como provar a nossa real necessidade e desejar a valorização do nosso trabalho se mostramos que ainda temos fôlego pra esperar mais um ano?????????
    É de enlouquecer!
    GREVE JÁ!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Não acredito que vamos passar mais um ano nesse sufoco"

      reze 'tudo posso naquele que me fortalece'

      Excluir
    2. Concordo com você,Rosângela.Estaremos dando,também,folego para o Anastahitler engrossar munição.Mesmo porque ele vai sair e não está nem aí pra ninguém.

      Excluir
  56. Alguém sabe me informar como ficará a situação do ATB financeiro.
    Será designado quem passou no concurso e que tenha curso de contabilidade ou será designado o que já está atuando pelo vínculo?
    Dizem que a vaga do ATB financeiro não foi informada.
    procede?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo, segundo a Resolução, segue a lista dos aprovados no concurso para designar o contador. A única exigência é o curso técnico em contabilidade ou ciências contábeis. Não tem direito ao vínculo. Caso haja alguem melhor colocado com esse certificado a vaga será dele.

      Excluir
    2. Onde você leu isto colega?

      Excluir
  57. NÃO PODEMOS ADIAR NOSSA REAÇÃO PARA O FUTURO

    Prezado Euler,

    você fala em estratégias e ações da categoria para tentar resolver nossa vexatória situação salarial, mas não sugere o que fazer para termos êxito.

    De fato, mesmo que você fale, indelevelmente, sobre a possibilidade de uma greve para 2014 (quando deveria defendê-la para agora), parece-me que você deveria ter sido mais direto, mais concreto na proposta de uma ação realmente radical.

    Quanto a isso, certamente que não existe ação mais radical e mais eficiente do que a greve, que é direito inalienável do trabalhador conforme nossa constituição federal. Entretanto, você apenas cita esta possibilidade somente para 2014. Mas o fato é que nossa causa é para ontem. Estamos sobrevivendo com um salário que está defasado, achatado há décadas em relação ao salário mínimo. Hoje, um professor graduado e pós-graduado com mais de 10 anos de estado, recebe pouco mais de dois salários mínimos. Portanto, não podemos mais postergar nosso direito inalienável de fazer greve.

    Assim, seria interessante que você se posicionasse com mais firmeza na exigência junto à categoria, que nos unamos para uma greve sem precedentes na história da educação deste estado. Sempre escrevo aqui, que uma greve que consiga arrebanhar pelo menos 50% do professorado mineiro levaria ao caos o sistema educacional do estado. Desta forma, nossos algozes e os poderes instituídos de Minas Gerais nos ouviriam.

    Dizer aqui que nosso salário é o mais defasado quando comparado a outras classes não vai fazer com que nossos algozes invistam na educação e nos professores. Eles sabem de nossas fragilidades, eles conhecem nossa incapacidade de reação, pois contam sempre com a desunião da categoria.

    É preciso ousar mais, é preciso sair do discurso e partir para a luta contra nossos algozes, contra os poderes instituídos, contra o "status quo" vigente, contra o sistema político e eleitoral brasileiro, que é perpetuado a cada nova eleição neste país.

    Como disse antes aqui, qualquer campanha em diferentes foros é válida, quer seja na rua, na fila do banco, na escola, na mídia informal, na Internet, nas redes sociais, etc, tudo isso é válido! Entretanto, só isso não basta. É preciso ousar mais, é preciso assumir riscos, partir para o enfrentamento, para os sacrifícios. E não existe outra ação senão a greve para reunir todos estes elementos de uma só vez.

    Se não tomarmos uma atitude agora, estaremos sempre adiando para o futuro uma ação mais radical que poderia mudar os rumos da educação em Minas Gerais.

    É preciso convocar os professores para a greve o quanto antes.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você,Raimundo...e hora melhor não tem.Os professores ao voltarem das férias vão deparar com mais uma surpresa desagradável. Pensam que ganharam mais 2 horas semanais para dispor da maneira que precisarem,ledo engano,vão ter que dar estas horas de aula a troco de mixaria para o governo economizar sem precisar contratar novos professores,e mais vão ter que dar aula de educação física e educação religiosa já que estes dois cargos foram extintos nos 5 primeiros anos do ensino básico.Na minha escola 2 queridos colegas que há anos estão conosco perderam os cargos.Acham que os professores vão engolir mais esta? Estarão revoltados e é o melhor momento para que a maioria adira a greve. Vamos lá , a hora é agora. "QUEM SABE FAZ A HORA,NÃO ESPERA ACONTECER." E tem mais,vão acabar com nosso direito de greve,escuta o que estou falando,2014 será tarde demais.

      Excluir
    2. Acham mesmo que em 2014 vão deixar a gente botar o pé na rua para fazer greve? Eles consomem com a gente e ninguém mais terá notícia. Quando é que vão entender que a ditadura em Minas está mais viva que nunca? Nada vai atrapalhar os planos do Anastahitler e Aócio para aparecer para o mundo nesta copa. Mesmo que passem com um trator por cima de nós. Até lá já mudaram e acabaram com nosso direito de greve.

      Excluir
    3. Acham mesmo que em 2014 vão deixar a gente botar o pé na rua para fazer greve? Eles consomem com a gente e ninguém mais terá notícia. Quando é que vão entender que a ditadura em Minas está mais viva que nunca? Nada vai atrapalhar os planos do Anastahitler e Aócio para aparecer para o mundo nesta copa. Mesmo que passem com um trator por cima de nós. Até lá já mudaram e acabaram com nosso direito de greve.

      Excluir
  58. Peraí, então quem não entrar na justiça não vai receber a devolução do dinheiro que o IPSEMG descontou indevidamente ? Já não existe uma decisão do STF obrigando o governo devolver esse dinheiro ?

    ResponderExcluir
  59. Concordo com todos que a greve deve ser ainda esse ano mas se o sindicato não for as escolas do interior não acontecera nada experiencia própria greve passada so eu da minha escola e agora observo o mesmo apesar de nessa escola só 3 são efetivos os demais mesmo estando em lei 100 acham que esta ótimo afinal a maioria nunca trabalhou no plano de carreira alguns nem sabe o que é isso mesmo tentando esclarecer por no papel os cálculos e o mundo do conformismo e dos baixos salários flata de interesse medo do desemprego e se não aparecer alguém para provar e dar apoio como o sindicato fez da outra vez não haverá greve de novo simplesmente um grupo de esclarecidos uma andorinha sozinha. Maria

    ResponderExcluir
  60. Vejo muitos discutindo greve 2013 ou 2014 e acredito que essa não sairá nem em 2013 ou 2014. Desde 2010, quando o sindicato dxeixou de negociar diretamente com o governo, delegando isso aos parlamentares e também judicializou nossa luta só estamos perdendo, pois passou-se a fazer tudo o que o governo sempre quis. Sindicato é isntrumento de luta, de embatede força de movimentação social e o Sindute já não é mais assim.
    Penso que para que uma greve d~e certo devemos organizar as ações de forma mais democratica e inteligente e menos espetaculozas. Amídia é importante para dialogar com a sociedadee não para mera promoção pessoal. A nossa categoria virou piada para muitos seguimentos de trabalhadores e o pior tudo nos bastidores e muitos coelgas ainda se julgam "lutadores". isso é lamentável não sei quando é que a ficha vai cair e perceberemos queestamos na mão do governo.

    ResponderExcluir
  61. Concordo com Raimundo.Esse problema, nosso, é para ontem.Raimundo poderia , ele mesmo tentar nos reunir para começarmos a movimentar.Euler também.Parece que queremos fazer greve mas estamos amrrados no tronco literalmente.

    ResponderExcluir
  62. O BLOG DA DIRETORA DO "SINDINÚTIL" CONTINUA INÚTIL

    Caros colegas professores,

    não costumo entrar no site do "sindinútil" e nem tampouco do blog de sua diretora, Beatriz Cerqueira. Entretanto, fiquei curioso e dei uma olhadinha no blog da diretora do "sindinútil" e tive a grata surpresa de perceber que ninguém responde às matérias divulgadas naquele blog. Será por que??? É isso mesmo! O "sindinútil" tem tanta moral com os professores que ninguém comenta os artigos postados lá...

    Também pudera, para que mesmo serve o "sindinútil"???

    Resposta à pergunta acima: para fazer conchavos politiqueiros contra os professores nos bastidores com o governo de Minas Gerais.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. professoramaluquinha24 de janeiro de 2013 21:36

      E quando comenta, Raimundo, é para reagir contra tantas falácias, aí, não interessa postar o comentário. Lá é selecionado, somente os comentários dos simpatizantes é postado, mas parece que não está havendo muitos simpatizantes também não.

      Excluir

  63. https://soundcloud.com/juarez-silva-ferreira/flor-do-campo

    ResponderExcluir


  64. Prof. Raimundo Santos entendo a sua veemência quanto à determinação de uma greve, pois realmente a condição de trabalho e salarial do educador mineiro são precariíssimas, mas não vejo que cabe ao Prof. Euler essa atitude de convocar os servidores da educação para uma greve, ele é tão professor quanto nós, com uma capacidade de agregar as pessoas em seu entorno, fantástica, com uma capacidade de dialogar, brilhante, mas ele não é Diretor do Sindute, esta função é inerente à Diretora e sua equipe. Então, não se pode exigir dele tal postura, porque não cabe a ele e nem a nós. Dar a opinião dele é uma coisa, convocar a Categoria é outra. Ele não tem legitimidade, assim como qualquer um de nós não temos para fazer isso. Pois trata-se de um ATO DE FALA que é próprio daquele que exerce a função para estabelecer certas determinações, um ato exercitivo, as discussões do professor e as nossas são atos expositivos, pois temos o poder só de expor, não de tomar esta ou aquela decisão em comunhão com a Categoria. Então, o foco da cobrança é para outro alguém. Seria a mesma coisa que quiséssemos que o Delegado determinasse a pena de um réu, ele não tem PODER EXERCITIVO para isso, ele tem o poder de prender, não de determinar quantos anos o indivíduo vai ficar preso, não é isso? A questão é basicamente esta: QUEM SOU, QUEM EU REPRESENTO E QUE ESPAÇO EU OCUPO dentro de determinado contexto, qualquer coisa fora disso são falácias!

    ResponderExcluir
  65. Eu greve,nunca mais,tenho 24 anos de trabalho,e só vejo a classe desunida,pois está lei 100 ,está errada;mas as pessoas que ocupam o cargo,é por que no momento não tinha professor concursado para o cargo e assim se passaram anos,estes profissionais é que vão pagar o pato,pois cconheço vários colegas ,que são super profissional,e vão sair com uma mão na frente e outra atrás,só nossa classe é que cada um come o olho do outro,pois vejo os militares contente quando um colga passa a cabo,e antes tinham que fazer prova,mas eles pensam no coletivo,e a nossa é dente por dente,até a comunidade fala que o classe desunida ,a assim eu nao entro mais em greve e faço campanha para nao aderir mais,chega de hipocrisia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei!!!É isso mesmo!!!!

      Excluir
    2. Quem tem tendencia pra pelego , gosta de uma desculpa pra pelegar.

      Excluir
    3. Faz mesmo não. Fica aí eternamente ganhando essa miséria de salário e esperando a esmola anual, que esse (des) governo paga como e quando quer.
      Ou mudamos nossa mentalidade e vamos à luta pelos nossos direitos ou a coisa vai piorar mais ainda. Reclamar e por a culpa nos outros é muito fácil.
      O culpado pelo que está acontecendo não é outro senão a própria categoria, onde poucos quase morrem de tanto lutar pelo coletivo e muitos outros, egoístas, não participam de nada, não se informam, e reclamam de tudo.
      Se a categoria se unir, futuramente, a situação poderá estar ainda pior.
      Não deveríamos ficar tão preocupados com esse incentivo( para mim mais parece esmola)e sim com um salário digno e todos os direitos que nos foram sonegados. E cada um assumir suas responsabilidades para reconquista de nossa dignidade. Reclamar de braços cruzados não nos leva a lugar nenhum.

      Excluir
  66. Boa tarde Euer e colegas,

    Essa irmã benigna não sei se está ironizoando o comportamento de quem reclama ou pensa em reclamar ou se realmente é mto religiosa.Vamos respeitar a nossa luta sem envolvimento irônico-religioso, o Brasil é um país laico.
    Prof Silvinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvinha, se o Brasil é um país laico, por que os professores das primeiras séries além da ed. física, terá que ministrar aulas de ensino religioso?! Contradição, né?

      Excluir

  67. Caro professor das 16h10min, não seja ingênuo essa luta existe em qualquer contexto profissional. Nós é que nos acostumamos a achar que somos piores, consideramos ter sentimentos inferiores, negativos. Nada disso, em qualquer profissão há as disputas, aliás nos lugares em que as pessoas ganham bem e há diferenças salariais entre elas, as picuinhas são maiores. No nosso caso, nem tanto, todos ganhamos a mesma merrequinha. Então, vamos parar de nos julgar como os piores seres humanos do planeta, porque não somos. Não fiquem achando que essas disputas só acontecem entre professores, porque não é bem assim que a banda toca,talvez a diferença de outros profissionais para nós é que eles se mordem, porém não ficam propagando aos quatro cantos e professor já gosta de propalar para o mundo o problema que ele tem com o outro. Nós mesmos é que construimos a nossa imagem. Que imagem? Talvez a pior possível entre as demais categorias. Pensemos nisso, antes de externar todas as características negativas contra nós mesmos, pois se nem nós nos valorizamos, Anastasia e seus capangas é que vão nos valorizar?! Reflitamos nisso!!

    ResponderExcluir
  68. Anônimo24 de janeiro de 2013 13:43

    Caro anônimo,

    entendo que o professor Euler não possa iniciar uma greve, conforme você disse. Entretanto, o blog do Euler é um instrumento que pode ser utilizado para se fazer uma campanha para que a greve aconteça, pois aqui centenas de professores escrevem e lêem os artigos publicados.

    O que cobro do professor Euler é que ele dê mais ênfase a uma campanha pró greve no seu blog. Acho que não é preciso explicar aqui que somente através "INjustiça" brasileira não conseguiremos reverter a situação vexatória do professor mineiro. E tenho certeza que tanto eu, quanto você, o Euler e qualquer outro professor sensato sabemos disso.

    Os artigos do professor Euler são muito bons e, certamente, servem para conscientizar a categoria de nossa situação vexatória. Entretanto, somente criticar o governo, alegar que é um absurdo o que fazem com o professor estadual não vai resolver nossa situação. É preciso ousar mais. É preciso convocar a classe para a unidade em torno de uma luta comum.

    Passadas décadas desde o fim da ditadura militar o que mesmo conseguimos senão repressão, achatamento salarial e retaliação por parte dos governantes?

    Portanto, quando sugeri ao Euler que foque mais na nossa necessidade urgente de deflagrarmos uma greve, não quis dizer que ele sozinho pode fazer isso. Entretanto, todos nós juntos podemos. E mesmo que somente o "sindinútil" possa iniciar oficialmente uma greve, nós professores somos mais numerosos do que o "sindinútil", e podemos pressioná-lo para que inicie uma greve já.

    Conforme sempre escrevo aqui, não existe outra forma de reverter este quadro, senão através de uma greve que consiga alavancar pelo menos 50% do professorado mineiro.

    No mais é ficar aqui chorando, lamentando, acusando o governo e filosofando.

    Não existe vitória sem luta. E não existe melhor luta para nós do que uma greve. Entretanto, sei que a maioria dos professores estaduais não estão preparados para uma greve de qualidade. Assim sendo, é duro dizer, mas o fato é que "não existe luz no fim do túnel" para o professor estadual de Minas Gerais. Somos uma classe desunida, mal paga e sem coragem de reagir. Garanto a você que muitos professores por aí estão até satisfeitos com o salário que ganham e, certamente, elegerão novamente o candidato do PSDB. Com isso não quero dizer que este partido seja pior do que os outros. De fato, todos os partidos políticos sã farinha do mesmo saco sujo e estão provando isso a todo o tempo, desde o fim da ditadura militar quase 30 anos atrás.

    Repito: os governantes e os poderes instituídos do Brasil não passarão a nos valorizar como num passe de mágica. Por que eles fariam isso se estão levando vantagem com nossa situação vexatória? Entra ano sai ano é a mesma coisa. E eles estão rindo a toa da nossa cara nos bastidores.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Meu caro colega, Raimundo, esses governantes não vão nos valorizar mesmo, porque primeira coisa que este país não têm, há mais de 5 décadas é um PROJETO POLITICO PARA EDUCAÇÃO, tudo o mais é entendido como aumentinhos aqui, aumentinhos ali, encaminhas verbinhas para uma escola aqui, outra ali, cria um GDP num governo, no mesmo governo cria outro projeto a MAGISTRA, e é assim que a educação é mostrada, des-FAZENDO o anterior e jogando dinheiro no ralo, é assim, assim, não há visão educacional, há visão política partidária. Então, não é tão fácil como pensamos. Os governos passados e os atuais não têm na pauta de governo melhorias, mudanças para a educação. Pior mesmo é ver que o governo passado e o atual se envolveram com tudo para se tornarem diferentes dos outros desastrados, mas em relação à Educação, pode se dizer que se encontram piores que os outros, pois tinham e tem só discurso, uma vez que dos outros não se esperava nada mesmo e continua não esperando. Logo, ainda tem luta pela frente, começando por esse piso que pode ficar só nas nossas lembranças, pois percebemos o Ministro Mercadante, tão falante, todavia no tocante ao piso salarial nacional do educadores, ele simplesmente emudeceu, não toca no assunto, seu discurso são os tablets, livro digital, tudo, menos um projeto político que tire a educação brasileira do pântano, na qual se encontra há décadas e décadas. Em face dessa indiferença do Ministro e da Presidenta, nem vou falar de Anastasia, porque pelo DNA político dele não resultará em ações que se preze ou que preste, mas a essas duas figuras políticas citadas, faça-me o favor!, só resta à Presidenta Dilma querer importar métodos de educação de fora, como se não houvesse no país educadores de grande capacidade dentro das universidades com projetos maravilhosos para tirar essa educação do atoleiro, mas a Presidenta deve achar que a questão educacional brasileira, se resolve num passe de mágica com algum mágico estrangeiro. Então, por essas e outras é que nos dá estresse só de pensar no contexto em que todos nós educadores no Brasil nos encontramos, porque estamos a mercê de uma gente DESGOVERNADA de Brasília a Minas.

      Excluir
  69. Greve nunca mais! Estou até hoje pagando dívidas altas por causa da greve de 2010. E outra, quando tudo parecia feliz para o nosso lado, o Sindicato vai lá e faz tudo errado. Chega de palhaçada!

    ResponderExcluir
  70. Pelo visto o sindicato está com pernas quebradas,não arreda nada.FALA SÉRIO...

    ResponderExcluir
  71. Boa Noite Euler e a todos que entram neste blog
    Na minha opinião greve esse ano não dá,iria acontecer o mesmo que aconteceu em 2011. Para se fazer uma greve ela deve ser bem planejada. Alguns que não aderiram à greve passada alegaram problemas financeiros, que tal começar a se preparar desde já economizando e entraremos em 2014 já em greve. Imagina! A Mídia Internacional estará lá e com certeza não será vendida como a nossa. É ano da COPA DO MUNDO e também de ELEIÇÕES. Não tenhamos medo,não vamos nos acovardar. Alguém comentou nesse blog que o nosso Governador não vai estar nem aí para nós, pois ele estará saindo. Ele vai sair se Deus quiser, e com certeza Deus vai querer, mas ele(ANASTAZIA) não abandona a política, pode acreditar.

    ResponderExcluir
  72. Consta é que Minas está quebrada e o governo continua gastando para satisfazer a sua vaidade e nos estamos pagando com esse salário baixo toda esse trama ,incompetencia e irresponsabilidade destes que governam Minas para o abismo.Eles não tem dinheiro pra pagar aumento e daqui a pouco nãp terá nem pra pagar o salário dos servidores e fornecedores.Veja a situação que o então Azeredo deixou Minas na miséria em 1999.As irresponsabilidades destes ultimos governos quem paga a conta? Pensem nisso,temos é que frear este governo nas gastanças e exigir dele o compromisso da governabilidade.

    ResponderExcluir
  73. Colega, para você Hipocrisia é querer a CONSTITUIÇÃO FEDERAL valendo em MG?
    Então eu sou hiper hipócrita.Agora com uma mão na frente e outra atrás TODOS sem exceção saem do Estado, até você que vai aposentar-se.
    Quanto aos super profissionais que você cita ,estes devem ter passado no concurso, afinal são eles são "super".
    Abraços!

    ResponderExcluir
  74. ALGUÉM INFORMA SOBRE O ACORDO DE RESULTADOS (PRÊMIO POR PRODUTIVIDADE)?
    ENQUANTO ISSO, NA FALÁCIA MINAS GERAIS, INTERIOR DE MINAS, IPVA ATRASADO, EMPRÉSTIMO BANCÁRIO, CHEQUE ESPECIAL ESTOURADO, MATERIAL ESCOLAR EM 10 VEZES E AINDA, SER "SOFRESSORA". AF!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  75. Eu quero a constituiçao valendo!! Doa a quem doer... por que uma vez desrespeitada, sempre desrespeitada... por pensamentos como este que Minas está assim... fora da Federaçao, faz o que quer...Nao ha respeito a lei maxima... nao podemos concordar com isto.

    ResponderExcluir
  76. Enquanto isso... eu me pergunto receberei o 14º sim ou não? Eu respondo, milagres podem e devem acontecer, afinal 12 meses se passaram!!!

    Temos que ter Fé,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Causa de demônio só expulsa com jejum e oração, diz a palavra de Deus. Assim, devemos interceder pelo demônio do obstáculo que está impedindo que chegue aos professores o 14º. Deus quer vocês prósperos, irmãos.

      E tem mais: precisamos orar pelas nossas autoridades, para que eles tenham discernimento e uma administração abençoada.

      Não adianta revoltar, de joelho é melhor. Oremos.

      Excluir
    2. Não é décimo quarto.Décimo quarto seria o mesmo valor do décimo terceiro.E o prêmio por produtividade é uma merreca que dá vergonha brigar por isto.

      Excluir
  77. Alguém acredetia na federalização do ensino básico?
    Se nem o piso os governantes são capazes de pagar !!!

    ResponderExcluir
  78. REFLEXÃO PARA OS PROFESSORES

    Caros colegas professores,

    reflitam sobre esta pergunta:

    QUANTOS SOMOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS?

    Pois é, não sei ao certo, mas acho que nosso número é superior a 200 mil professores estaduais.

    Comparados aos policiais, por exemplo, nosso número é muito superior ao deles. Portanto, se somos milhares no estado de Minas Gerais porque não reagimos???

    Bastaria um engajamento de pelo menos metade destes professores para transformar em caos o sistema educacional de Minas Gerais. Aí sim, os safados dos governantes e dos poderes instituídos de Minas Gerais passariam a prestar atenção na gente.

    Portanto, não se iludam, xingamentos aos governantes, acusações de que existe corrupção no meio político, indignação contra nosso salário vexatório, reivindicação de nossos direitos solapados junto à "INjustiça" mineira, etc, NADA disso mudará nossa situação. O que pode mudar nossa situação é o engajamento da classe num mesmo objetivo. Mas para isso, é preciso coragem e altruísmo. É preciso mostrar a nossa força e o quanto somos importantes para a sociedade mineira e brasileira. E somente um movimento reivindicatório através de uma greve sem precedentes na história da educação em Minas Gerais é que conseguiremos reverter este quadro.

    O interessante é perceber que muitos professores não vêem a greve como o maior instrumento de luta que temos e que está garantido pela constituição federal. Essa horda de safados tanto nos oprimiram que muitos de nós não temos mais força para reagir.

    Tenho acompanhado movimentos grevistas de professores em outras partes do mundo, e percebo que eles obtêm sucesso porque a maioria deles aderem e estão juntos na mesma causa. E não é preciso que fiquem 100 dias de greve. Normalmente as greves de professores nos EUA e Europa não duram mais do que duas semanas. Isso acontece porque os governantes sabem da força e da resistência daqueles professores. Mas para isso é preciso engajamento e coragem. E isto está faltado ao professor estadual de Minas Gerais.

    Uma reflexão rápida sobre nossa situação nos mostrará que a cada ano só acumulamos perdas, perseguições, achatamento salarial e retaliações por parte dos governantes. Em mais de 10 anos como professor estadual vejo o meu salário cada vez menor e cada vez mais defasado quando comparado ao valor de compra do salário mínimo.

    Portanto, conversinhas "moles", retóricas vencidas e manjadas, discursos repetitivos não mudarão nossa situação. Ao contrário, isso é tudo o que os governantes querem. Querem nos ver discutir, chorar, lamentar nossa situação, sabendo que não serão nem um pouquinho incomodados por isso, uma vez que a "INjustiça" mineira e brasileira está do lado deles.

    Portanto, deixo um recado àqueles que não vêem na greve a única possibilidade real de revertermos este quadro: se não desejarem um movimento grevista, estejam certos de a cada ano continuarem aqui no Blog do Euler e em outras mídias APENAS reclamando do governo e da condição de professor estadual.

    Não existe vitória sem luta.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raimundo, os professores estão cada vez mais pobres, então, GREVE, não espere, as pessoas têm medo de ficar sem receber, pois o que ganha é uma miséria e o Cheque Especial é o completa o salário, além dos inúmeros empréstimos. Isso é fato, não é conversinha mole. Diante deste quadro vai se esperar o quê? Até os professores federais, cujos salários são de 4.0000 para cima, roeram a corda e voltaram sem muitos ganhos, a nossa classe com 1.567,00 vai aguentar? infelizmente é a realidade. Mas enquanto isso vamos filosofando!

      Excluir
    2. Só pra ENDOSSAR as palavras do Prof. Raimundo, leiam este artigo. Colei-o logo abaixo (link: http://www.esquerda.net/artigo/eua-greve-dos-professores-entra-no-5%C2%BA-dia/24620).

      """"EUA: Greve dos professores entra no 5º dia

      Docentes do ensino público, fundamental e médio, da terceira cidade do país reivindicam aumentos de salários, um sistema de avaliação que os respeite e garantias contra os despedimentos. O presidente da câmara foi o primeiro chefe de gabinete de Obama.
      Artigo | 14 Setembro, 2012 - 14:14
      Cerca de 350 mil alunos de Chicago, do ensino público fundamental e médio, estão sem aulas desde segunda-feira devido à greve dos professores, a primeira na cidade desde há 25 anos. Chicago é a terceira maior cidade dos EUA e o presidente da câmara é Rahm Emanuel, um democrata que foi o primeiro chefe de gabinete do presidente Obama.
      Os docentes reivindicam aumento de salários, um sistema de avaliação que os respeite, e garantias contra os despedimentos, já que pairam ameaças de encerramento de entre 80 e 120 escolas. As negociações entre a Chicago Public Schools (Escolas Públicas de Chicago) e o Chicago Teachers Union (o sindicato dos professores da cidade) prosseguiam nesta sexta-feira, sem que tivesse sido concluído um acordo. A câmara já terá cedido um aumento de 16% em quatro anos, mas ainda restariam outras questões a resolver. Se a direção sindical chegar a acordo, ainda será necessário, porém, levar a decisão à ratificação dos 25 mil docentes do sindicato. Na segunda-feira, milhares de professores vestidos de vermelho manifestaram-se no centro da cidade. Esta é também a primeira greve de professores numa grande cidade dos Estados Unidos desde há seis anos.

      Grupos de trabalhadores e professores de outras cidades manifestaram apoio aos grevistas, sugerindo que o conflito em Chicago é somente um passo de uma grande luta nacional em torno das remunerações, condições de trabalho, benefícios sociais e estabilidade.

      “Os professores sentem-se total e completamente desrespeitados”, disse Randi Weingarten, presidente da Federação Americana de Professores, ao The New York Times. A Federação culpa o presidente da câmara de aplicar um agressivo plano de ampliação da jornada escolar, com adiamento do prometido aumento salarial. “Ele plantou as sementes de uma grande frustração e descrédito”, disse a professora.

      Apesar de se temer que a oposição aproveitasse a greve durante a campanha eleitoral para atacar Obama, os republicanos optaram por atacar a greve. O candidato republicano Mitt Romney divulgou uma declaração em que manifesta deceção com os professores e afirma que “os sindicatos têm demonstrado o quanto os seus interesses se chocam com os das nossas crianças”. """"
      (Monstro Adamus)

      Excluir
    3. Parabéns, Prof.Raimundo. Sou da mesma opinião que você.Vamos à luta,gente."De repente não mais que de repente..." Regina

      Excluir
  79. nquanto isso... eu me pergunto receberei o 14º sim ou não? Eu respondo, milagres podem e devem acontecer, afinal 12 meses se passaram!!!

    No blog da Renata Vilhena está claro que sairá até o mes de março e o valor dependerá do numero de dias que o servidor trabalhou em 2011 ( atenção, bravos grevistas) e do resultado da escola.

    ResponderExcluir
  80. Minas avança? Professor das séries iniciais assumir Educação Física e Ensino Religioso sem habilitação? Rezar pro Santa Naná e pro Santo Aócio. E correr das secretárias monstras...

    ResponderExcluir
  81. No blog d Renata vilhena fala que o tal prêmio sairá até março.

    ResponderExcluir
  82. Alguém aqui pode me responder sobre aposentadoria? Eu ja tenho idade e tempo de serviço para me aposentar e estou de LTS há quase 2 anos por ser portadora de fibromialgia. Fui informada que eu devo voltar ao trabalho, pq senão não me aposento. Isso é verdade? Como posso voltar ao trabalho se estou de LTS h[a tanto tempo? Não dou conta de lecionar em dois cargos para séries iniciais. Alguém me explica se isso procede? Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janice, se você já possui todos os requisitos para aposentar, não vejo o porque de não aposentar. Você tem que entrar com o requerimento solicitando a revisão de tempo; e se tudo tiver ok, eles podem agendar o seu afastamento de acordo com o término de sua licença saúde. Quanto a questão de você ter que retornar pra sala de aula, você pode optar por ficar fora de sala de aula já que você tem 25 anos de regência e mais de 45 anos; ou utilizar seus saldo de férias prêmio, caso tenha.

      Excluir
    2. Janice,isto procede.Para receber qualquer benefício você tem que estar em efetivo exercício.Se continuar de licença,na próxima perícia é possível que aposente você por invalidez.O que lhe aconselho é esperar este período de licença terminar,não prorrogá-la,voltar para a escola e pedir sua aposentadoria.Mesmo se tirar férias- prêmio tem que esperar terminar e voltar para o exercício para pedir qualquer benefício.

      Excluir

  83. Irá receber seu prêmio sim pela metade. Você vale a metade do prêmio produtividade.KKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  84. Vc ficam atras de prêmio ao invés de correr atras do prejuízo.Não querem saber de lutas ,pois lutar exige sacrifícios.Quando se faz GREVE porque somente consegue algo,alguns entram e o resto se acorvadem. Não existe LUTAS sem sacrificios, ou preferem choramingar.DESCIDAM......

    ResponderExcluir
  85. Reiterando meu endosso às palavras do Prof. Raimundo, LEIAM TAMBÉM : (link : http://www.portugues.rfi.fr/franca/20110927- professores-franceses-unem-forcas-para-denunciar-cortes-na-educacao )

    """"França/Educação -
    Artigo publicado em 27 de Setembro de 2011 - Atualizado em 27 de Setembro de 2011

    Greve de professores na França é a maior dos últimos anos

    Para protestar contra os cerca de 80 mil cortes de vagas dos últimos anos, os professores foram às ruas nesta terça-feira, em uma das maiores mobilizações dos últimos anos no país. Pela primeira vez, funcionários do setor público e privado participaram juntos do protesto. A taxa de adesão à greve foi de 50% , segundo os sindicatos.
    Cinco sindicatos privados se uniram aos professores das escolas públicas para protestar contra os cortes de 9 mil vagas no setor, que atingem principalmente a escola primária no início do ano letivo, que começa em setembro na França. Apesar do aumento do número de alunos, o projeto orçamentário de 2012 ainda prevê a extinção de mais 14 mil empregos. O governo estipulou que um em cada dois funcionários não seja substituído depois da aposentadoria. As medidas de contenção de gastos também afetam os professores de Educação Física, Línguas Estrangeiras, substitutos, auxiliares administrativos, inspetores, médicos e enfermeiros.

    Segundo os sindicatos franceses, cerca de 54% dos professores da escola primária e 50% do ensino médio aderiram ao movimento, 29% e 22,3% segundo o Ministério da Educação. O ministro francês da Educação, Luc Chatel, defende que o importante é "a formação do profissional de ensino e não a quantidade."Ao todo, o setor da educação perdeu 80 mil empregos desde a chegada do presidente francês, Nicolas Sarkozy, ao poder. Sarkozy criticou a paralisação, dizendo que, "ao contrário das outras profissões, os funcionários têm a estabilidade que os protegem."

    Segundo o pré-candidato do PS à presidência francesa, François Hollande, um dos favoritos às presidenciais de 2012, "o movimento mostra o descontentamento em relação à política que o governo impõe há cinco anos, para aqueles que trabalham." O Ministério da Edução na França conta atualmente com 850 mil professores.""""


    ResponderExcluir
  86. VIRAM A MATÉRIA DOS PROFESSORES da FRANÇA. ?ENTÃO;a França cabe dentro de Minas.,ELES foram a LUTA e nós?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só que lá o Sarkozy não teve vez e não ganhou a eleição presidencial. A insatisfação dos franceses levou ao poder François Hollande.

      E olhe que o grande ator francês Gerard Depardieu conseguiu cidadania russa fugindo da cobrança de impostos aos mais ricos proposta pelos socialistas franceses.

      http://pt-starsonline.com/index.php/noticias/750-gerard-depardieu-ja-tem-cidadania-russa

      http://www.cartacapital.com.br/internacional/russia-adota-ator-frances-gerard-depardieu/

      Excluir
    2. O socialista François Hollande é o atual presidente da França, gente!!

      Excluir

  87. http://www.novojornal.com/politica/noticia/antonio-anastasia-stf-desmonta-o-mito-da-sabedoria-juridica-25-01-2013.html

    ResponderExcluir
  88. E aí, os professores franceses foram atendidos nas reivindicações que fizeram, ou por lá, também, Sarkozy fez como Dilma e Haddad à época da nossa greve em Minas e no Brasil - ouvidos moucos! Porque a questão não é fazer o MAIOR MOVIMENTO NUNCA ANTES OCORRIDO NA HISTÓRIA MUNDIAL, a questão é saber se foram atendidos, isso é que será a diferença entre os de lá e os de cá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SENHOR,

      seria uma luz ( nem que seja de vela) no fim do túnel?


      http://www.novojornal.com/politica/noticia/antonio-anastasia-stf-desmonta-o-mito-da-sabedoria-juridica-25-01-2013.html

      Excluir

    2. Pelo jeito ficaram iguais ao de cá, do Brasil e das Gerais, a ver navios!

      Excluir
    3. François Hollande é o atual presidente da França.

      Excluir
    4. "SENHOR,

      seria uma luz ( nem que seja de vela) no fim do túnel?


      http://www.novojornal.com/politica/noticia/antonio-anastasia-stf-desmonta-o-mito-da-sabedoria-juridica-25-01-2013.html"

      Pode até ser, mas... no fim da notícia... "Alguns dos prejuízos causados a sociedade civil e a empresas, pelos erros reconhecidos pelo Poder Judiciário, se executados, chegam a colocar em risco as finanças públicas. Em Minas, o prejuízo é inimaginável e pelo visto os autores e praticantes permanecerão impunes, mesmo diante dos prejuízos causados."

      E é justamente essa impunidade, que faz perpetuar a anomalia jurídica criada e defendida por Anastasia.

      Excluir
  89. Não deixem de ler,e principalmente repassar para a maioria de pessoas que puderem.NOVO JORNAL "Antonio Anastasia desmonta o mito da sabedoria jurídica". Aquele que se diz professor,aquele que se diz advogado e que não sabe nada de nada afundou Minas,e continua fazendo suas próprias leis.

    ResponderExcluir
  90. Depois de ler o artigo indicado acima, fiquei imaginando.O que poderá acontecer , se nós fizermos uma greve forte?Se Minas está quebrada?Fiquei imaginando o que pode acontecer com nosso estado.Ele não vai dar aumento de salários mesmo.Não há dinheiro.O que fazer?Penso que devemos agir lotando as caixas de emails de todos os que podem fazer alguma coisa como Joaquim Barbosa, sei lá.Devemos escrever , usar de todos os recursos e nossa classe toda ou pelo menos como Raimundo diz 50% .Se fizermos isso, denunciar aos quatro cantos o que vivenciamos aqui alguma coisa pode começar a fazer a diferença.Viram o que aconteceu com a lei 100? Fruto de processos particulares, reclamações mil.Alguém desse país vai se mexer a nosso favor.Devemos INCOMODAR as autoridades desse país.Minas está quebrada.Os ladrões saquearam nosso estado.A família " real never " e o discípulo louco do naná " acabou de vez com nosso rico estado.OH MINAS GERAIS QUE TE CONHECE NÃO ESQUECE JAMAIS

    ResponderExcluir
  91. GREVE NUNCA MAIS!!!!!!!!!!!!!
    CHEGA DE FAZER PAPEL DE BOBO COM ESSE SINDICATO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. será que já participou de alguma, realmente?

      Excluir

  92. A REALIDADE NUA E CRUA

    Diaristas estão ganhando R$ 100,00/dia em BH, em Brasília, Rio e São Paulo, já ganham R$150,00/dia e em casos excepcionais chegam a R$200,00/dia.

    Com a aproximação da Copa, estes números devem naturalmente aumentar.

    Respeitando sempre a todos os profissionais e suas respectivas profissões ...

    ... Professores graduados e com especializações começam a pensar seriamente a mudarem de profissão.

    O que você pensa a respeito disto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na minha cidade conheço 4 professoras aposentadas que viraram diaristas.Ganham mais...
      Minha irmã que é manicure ganha bem mais que eu.Operárias de uma indústria textil faturam com os vales R$1.100,00 e só tem curso primário ou fundamental.
      Anastasia e Aécio destruiram a Educação em MG!
      Socorrooooooooo!Só a misericórdia de Deus ainda me dá forças para trabalhar e exercer bem o meu papel, mais nada!

      Excluir
  93. Olhem por que o desgoverno de "minas" é contra a redução da tarifa de energia. Muito bom para entender.

    http://www.viomundo.com.br/denuncias/carlos-cavalcanti-de-r-680-por-r-96-reais.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. parece até que as escolas não gastam energia, heheheheee

      Excluir
  94. RESPOSTA
    Anônimo26 de janeiro de 2013 08:31


    "...GREVE NUNCA MAIS!!!!!!!!!!!!!
    CHEGA DE FAZER PAPEL DE BOBO COM ESSE SINDICATO..."

    Caro anônimo, que ingenuidade é essa? Eu também não gosto do "sindinútil" nem um pouquinho, por entender que este não passa de uma farsa, que finge apoiar os professores, mas nos bastidores faz conchavos politiqueiros com o governo.

    Entretanto, quando defendo a greve, não a associo ao "sindinútil". Isso, porque quem faz greve são os professores e não o "sindinútil". A propósito, se fôssemos realmente uma categoria unida, já teríamos destituído este sindicato há muito tempo.

    Quanto à greve, este é nosso direito inalienável garantido pela constituição federal, pois todo trabalhador tem o direito de reivindicar melhores salários e melhores condições de trabalho.

    Se fôssemos uma classe unida em prol dos mesmos objetivos, não precisaríamos que o "sindinútil" nos representasse. Portanto, não abra mão do seu direito inalienável de lutar porque não concorda com as ações do "sindinútil".

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CONCORDO COM TUDO QUE VOCÊ ESCREVEU.GREVE SIM, MAS TEM QUE SER BEM PLANEJADA.TEMOS QUE COMEÇAR JÁ. PENSO QUE PODERÍAMOS ENTRAR EM 2014. POIS ESTE ANO ACHO DIFÍCIL CONSEGUIR A ADESÃO DA MAIORIA DOS PROFESSORES.COMO EU JÁ HAVIA POSTADO:EM 2014 TEMOS A COPA E ELEIÇÕES, E CONTAREMOS COM A MÍDIA INTERNACIONAL, E ESSA COM CERTEZA NÃO SE VENDE. SERÁ UMA VERGONHA PARA MG. NÃO TE CONHEÇO PESSOALMENTE, MAS O ACHO MUITO SÁBIO, PELOS TEXTOS QUE VC POSTA AQUI.
      QUERO TE PERGUNTAR UMA COISA, EU FIZ O CONCURSO PARA EEB, PASSEI, MAS NÃO DENTRO DAS VAGAS, GOSTARIA DE ENTRAR NA JUSTIÇA, VC PODERIA ME INFORMAR SE TEM ALGUÉM ENTRANDO?PODERIA ME INFORMAR UM BOM ADVOGADO QUE JÁ ESTÁ POR DENTRO DA SITUAÇÃO QUE VEM ACONTECENDO EM MG. VOCÊ ACHA QUE A LEI 100 VAI CAIR MESMO?

      Excluir
    2. Caro anônimo,

      concordo que com os eventos da Copa do Mundo de 2014 realmente teremos grandes oportunidades de mostrar ao mundo a realidade da educação e dos professores da escola pública no Brasil. Inclusive, podemos disponibilizar cartazes em inglês, discursos em inglês para que os estrangeiros de diversas partes do mundo possam entender nosso movimento e o que estamos denunciando.

      Quanto às suas dúvidas sobre concurso e outras reivindicações, não posso te ajudar, pois não tenho conhecimento sobre isso. Entretanto, adianto a você que, através da "INjustiça" mineira e brasileira, você e todos nós professores estaduais, podemos esquecer qualquer vitória por esta via, pois os poderes instituídos deste país não farão nada, nadinha que desestabilize o "status quo" do qual eles tiram proveito escuso, imoral e ilícito. Essa corja está toda conchavada e é por isso que professor não ganha nenhuma ação através da "INjustiça" brasileira.

      Só temos chances se fizermos uma greve sem precedentes neste país, uma greve que arrebanhe pelo menos 50% do professorado mineiro. Se fizermos isso, transformaremos em caos o sistema educacional do estado, e aí eles começarão a prestar atenção em nós.

      No mais, é só chorar, lamentar e filosofar.

      Não existe vitória sem luta.

      Atenciosamente,

      Raimundo Santos

      Excluir
    3. professoramaluquinha26 de janeiro de 2013 22:05

      Raimundo, esse tipo de greve, iniciada e/ou levada adiante espontaneamente pelos trabalhadores, sem a participação ou à revelia do sindicato que representa a classe, é chamada greve selvagem. Para acontecer de fato, necessita de gente de fibra, de força; quando se trata de uma classe apática, indolente e politicamente alienada não acontece.

      Excluir

  95. http://www.advivo.com.br/node/1242353

    ResponderExcluir
  96. ALGUÉM PODE ME EXPLICAR COMO VÃO SER AS DESIGNAÇÕES?
    VÃO CHAMAR OS CONCURSADOS PARA SEREM DESIGNADOS E DEPOIS.......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. professoramaluquinha26 de janeiro de 2013 21:58

      Minha diretora disse que vai designar pela lista do concurso. Vai chamar os concursados para a localidade, se não houver ninguém, chama de outra localidade. Será designado quem tiver maior pontuação.

      Excluir
  97. É isso ai,professor Raimundo!
    Não dá mais pra esperar nada desse governo e nem mesmo do "sindicato",ou nos mobilizamos já para essa luta que promete ser grande,ou desistimos de vez e paramos de reclamar!
    Com a ajuda da tecnologia que temos ao nosso alcance,não precisamos do sindicato pra nada,pois na greve de 2011 todos os contatos eram feitos através dos blogs,pois o do sindicato era o último a ser atualizado,lembram-se?
    Coragem gente!Nós somos capazes de nos articularmos e enfrentarmos essa gente que se diz "da educação"...A hora é agora"!

    ResponderExcluir
  98. ENTÃO como conseguir tirar do FARAÓ esses 50%? É só com greve,não existe outro jeito.O negócio é encarar mais uma greve,pegando gancho na greve proposta pelo CNTE.

    ResponderExcluir
  99. Hoje houvi uma entrevista na Itatiaia com uma secretária da educação, que não é a gazoza,mas não me lembro o nome, e ela disse à jornalista que não vai ter aumento para os professores e que eles estão muito satisfeitos com a política de 1/3 para trabalhos extra-classe e que agora vão trabalhar só 16h horas com os alunos. A jornalista então disse que 1500,00 é o piso para 40 horas e que aqui paga o piso de 1300,00 agora para 16 horas de trabalho. A anta da secretaria calou-se e ficou por isto mesmo.Nosso piso é de 1300,00 para uma jornada de 16 horas .Não podemos reclamar,é um salário e tanto!Procurem a matéria no Jornal da Itatiaia ,primeira edição de hoje. Me deu náuseas.

    ResponderExcluir
  100. CARTA NA ESCOLA - CARTA CAPITAL

    " Ao que tudo indica, 2013 será um ano agitado. Além da tramitação do PNE no Senado, cuja conclusão deve mesmo ficar para o próximo ano, a Câmara pretende votar ajustes na lei do piso do magistério e a Lei de Responsabilidade Educacional. Semelhante à Lei de Responsabilidade Fiscal, a proposta visa punir gestores que administrarem mal os recursos da área ou não cumprirem metas de melhorias. "



    Carta na Escola
    21.01.2013 09:04

    Educação no Congresso

    Tory Oliveira
    Os dois primeiros anos do governo Dilma foram marcados por embates importantes na área da educação: a disputa pela porcentagem das riquezas produzidas pelo País que deveria financiar as metas do novo Plano Nacional de Educação (PNE) e a garantia de aplicação dos royalties do pré-sal na área. Se na primeira batalha a educação saiu ganhando com os inéditos 10% do PIB em investimento, na segunda amargou dolorosa derrota. Ambos os projetos de lei seguem agora para o Senado Federal. Com menos destaque, outros projetos como o piso nacional para o magistério, a criação de creches noturnas, a regulamentação do ensino domiciliar e a criação do prêmio “Leonel Brizola” para as melhores instituições de ensino públicas estiverem na pauta do Congresso Nacional. Quem são, porém, os parlamentares que pensam e desenvolvem projetos para a educação brasileira hoje?

    Além de abrigar parlamentares cuja trajetória política está ligada ao tema, tanto a Câmara dos Deputados quanto o Senado Federal possuem comissões técnicas permanentes para discutir temas relacionados à educação: a Comissão de Educação e Cultura (CEC) da Câmara e a Comissão de Educação, Cultura e Desporto no Senado. A primeira possui 31 integrantes titulares e 31 suplentes, dos quais 25 titulares pertencem a partidos da base do governo Dilma (PT, PMDB, PP, PR, PSB, PDT, PTB, PSC, PCdoB, PRB e PSD), cinco à oposição (PSDB, DEM e PPS) e um se declara independente (PSOL). Sua principal função é analisar projetos de lei relacionados à educação e à cultura e seus membros são renovados todos os anos.

    No Senado, a Comissão de Educação, Cultura e Desporto reúne 27 senadores titulares e igual número de suplentes. Os parlamentares se dividem em quatro grupos: o Bloco de Apoio ao Governo (PT, PDT, PSB, PCdoB e PRB), Bloco Parlamentar da Maioria (PV, PMDB e PP), Bloco Parlamentar da Minoria (PSDB e DEM), Bloco Parlamentar União e Força (PTB, PSC, PPL e PR). O PSOL e o PSD se declaram independentes.

    Para a maioria dos políticos ouvidos pela reportagem, no dia a dia do Congresso a educação precisa dividir o espaço na lista de prioridades dos representantes e, muitas vezes, acaba perdendo terreno para as disputas internas entre oposição e governo, esbarrando na falta de articulação entre os parlamentares defensores da área e, no caso dos royalties do petróleo (leia à pág. 19), nos interesses regionais dos deputados e senadores.

    Para o ex-ministro da educação (2003-2004) e senador Cristovam Buarque (PDT-DF), não existe uma “bancada da educação”, um grupo de parlamentares engajados em melhorar a qualidade da educação, nem há, na sociedade, uma base de apoio que permita a existência de uma bancada eficiente. Na opinião de Buarque, existem parlamentares simpáticos ao tema, mas a articulação costuma acontecer apenas quando há assuntos de relevância, fenômeno mais comum na Câmara do que no Senado. “Nós somos representantes dos eleitores, e eles, incluindo quem paga e financia as eleições, não põem a educação como






    [...]

    ResponderExcluir
  101. [...]

    prioridade.

    Os produtores agrícolas fazem um trabalho que leva a uma bancada rural, os pastores fazem um que leva à bancada evangélica. Pela educação, quem faria? Não tem. Porque criança não vota, inclusive”, afirmou.

    Na Câmara dos Deputados, a CEC abriga a maioria dos representantes do setor educacional. O local foi palco das primeiras discussões das metas do PNE e, de forma geral, todos os projetos relacionados ao setor precisam passar pelo crivo dos deputados membros da comissão.

    Em 2010, Daniel Cara, da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, reuniu dados e observou que metade dos deputados titulares da CEC não conseguiu a reeleição. Ele aponta duas razões para o fato: a educação não é um critério de vantagem eleitoral tão forte quanto no passado, quando havia uma bancada forte de ex-sindicalistas do setor. Outro motivo é que a educação não faz parte do conjunto de prioridades dos eleitores.

    A não existência de uma bancada nos moldes da ruralista ou da saúde, na opinião de representantes dos movimentos sociais ligados à educação ouvidos pela reportagem, não é necessariamente ruim, uma vez que torna possível a negociação com um número maior de parlamentares. “É uma vantagem, pois conseguimos agregar mais gente e não fi ca dividindo a Câmara em segmentos”, opina Cleuza Repulho, presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

    Para o atual presidente da CEC, deputado Newton Lima, a bancada da educação não só existe como é suprapartidária, englobando todos os partidos da casa. A aprovação unânime do PNE e as leis criadoras do Piso Nacional do Magistério e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profi ssionais da Educação (Fundeb) são apontadas por Lima como exemplos do engajamento dos parlamentares no tema. “No interior dos partidos ainda não é um tema tão central quanto eu gostaria, mas estamos avançando”, analisa.

    ResponderExcluir
  102. [...]

    Em seu terceiro mandato consecutivo como deputada federal, Fátima Bezerra (PT-RN) concorda com o atual presidente. Para ela, esses parlamentares existem e estão reunidos, em sua maioria, na CEC. “Esse grupo, para além das diferenças partidárias, tem conseguido construir uma unidade política em defesa da educação”, defende. Apesar do discurso otimista, a deputada petista não escondeu a decepção com a derrota na votação do projeto que destinava os royalties do petróleo para a educação. “Infelizmente, nesse caso a bancada da educação não teve o desempenho que esperávamos. É uma matéria polêmica, mas o que nos deixa extremamente frustrados é o Parlamento Legislativo não compreender o caráter estratégico de 100% dos royalties para a educação”, afirma. “A Câmara acabou tendo uma visão conservadora e atrasada do tema.”

    Já para a deputada federal Professora Dorinha Rezende (DEM-TO), a importância dada à educação no Legislativo ainda depende do perfil pessoal do parlamentar. “A educação não é um assunto central na política e muito menos para a sociedade”, afirma. Na opinião da parlamentar, quando há maior presença de pessoas ligadas à educação, o tema tende a aparecer com mais frequência, mas de forma geral o debate não costuma contaminar o restante da Casa. “Estamos há mais de um ano e meio discutindo o PNE e a Câmara passou ao largo do tema. Quem estava envolvido todos os dias eram pessoas da área, que tinham interesse”, opina.

    O deputado Izalci Lucas (PSDB-DF) conta que, durante as discussões do PNE, chegou a ler discursos feitos por colegas no passado: “Nas últimas reuniões, eu tive oportunidade de pegar os discursos de dez anos atrás de alguns parlamentares e ler durante o processo de votação, porque as pessoas começam a esquecer o que falaram”.

    Ao que tudo indica, 2013 será um ano agitado. Além da tramitação do PNE no Senado, cuja conclusão deve mesmo ficar para o próximo ano, a Câmara pretende votar ajustes na lei do piso do magistério e a Lei de Responsabilidade Educacional. Semelhante à Lei de Responsabilidade Fiscal, a proposta visa punir gestores que administrarem mal os recursos da área ou não cumprirem metas de melhorias

    ResponderExcluir

  103. sintoniafina.blogspot.com.br/2013/01/a-luz-que-queima-os-olhos-da-imprensa.html

    ResponderExcluir
  104. UMA SUGESTÃO; Antes de partirmos para a greve que é o destino,deveríamos entrar com ações de improbidade administrativa contra este Anastasia,porque tai, o resultado do choque de gestão e o déficit zero. Para ilusão contábeis e eficiente política de marketing, gastos com publicidade do Governo de Minas durante 10 anos impediram investimentos com educação e saúde e sacaneando com as leis federativas.

    ResponderExcluir
  105. Eu acho que não teremos aumento mesmo.Pois fui olhar minha margem consignável que estava apenas com um real, e continua do mesmo jeito.A folha já virou para pagamento em fevereiro.O que isso significa?? Que não teve nada de diferente no pagamento a ser pago em fevereiro.Temos que fazer greve agora.Poderemos articular isso nos blogs.Depois se o sindinutil achar que pode, acompanha a gente.Do jeito que está não dá mesmo.Ainda mais agora que , ele deu esse 1/3 .Ele vai falar que a carga horária do professor diminuiu e então estamos ganhando até muito bem.Se não nos unirmos e fazer uma greve agora, vamos ter muitas dificuldades este ano.Tudo aumentou e nós ficamos chupando o dedo.Todos ganharam aumento.Somente os educadores que não.

    ResponderExcluir
  106. desde 1900 que minas já paga o piso

    aumento só em 2000000000014

    ResponderExcluir
  107. GREVE, GREVE, GREVE, A GREVE JÁ ESTÁ ACONTECENDO, TEM MUITOS PROFESSORES BONS, QUE LARGARAM O IDEAL, AFINAL O GOVERNO TIROU TUDO DELES, VANTAGENS, SALÁRIO, TEMPO, ETC. JÁ ESTÃO EM GREVE NAS SALAS, O RESULTADO VIRÁ DEPOIS.


    SE LIGUEM, GREVE BRANCA, A MELHOR. SEM PERDER SALÁRIO.
    OS ALUNOS ADORAM.

    ResponderExcluir
  108. RESPOSTA AO ANÔNIMO
    Anônimo26 de janeiro de 2013 16:24

    "...CONCORDO COM TUDO QUE VOCÊ ESCREVEU.GREVE SIM, MAS TEM QUE SER BEM PLANEJADA.TEMOS QUE COMEÇAR JÁ. PENSO QUE PODERÍAMOS ENTRAR EM 2014. POIS ESTE ANO ACHO DIFÍCIL CONSEGUIR A ADESÃO DA MAIORIA DOS PROFESSORES.COMO EU JÁ HAVIA POSTADO:EM 2014 TEMOS A COPA E ELEIÇÕES, E CONTAREMOS COM A MÍDIA INTERNACIONAL, E ESSA COM CERTEZA NÃO SE VENDE. SERÁ UMA VERGONHA PARA MG. NÃO TE CONHEÇO PESSOALMENTE, MAS O ACHO MUITO SÁBIO, PELOS TEXTOS QUE VC POSTA AQUI.
    QUERO TE PERGUNTAR UMA COISA, EU FIZ O CONCURSO PARA EEB, PASSEI, MAS NÃO DENTRO DAS VAGAS, GOSTARIA DE ENTRAR NA JUSTIÇA, VC PODERIA ME INFORMAR SE TEM ALGUÉM ENTRANDO?PODERIA ME INFORMAR UM BOM ADVOGADO QUE JÁ ESTÁ POR DENTRO DA SITUAÇÃO QUE VEM ACONTECENDO EM MG. VOCÊ ACHA QUE A LEI 100 VAI CAIR MESMO?..."

    Caro anônimo,

    concordo que com os eventos da Copa do Mundo de 2014 realmente teremos grandes oportunidades de mostrar ao mundo a realidade da educação e dos professores da escola pública no Brasil. Inclusive, podemos disponibilizar cartazes em inglês, discursos em inglês para que os estrangeiros de diversas partes do mundo possam entender nosso movimento e o que estamos denunciando.

    Quanto às suas dúvidas sobre concurso e outras reivindicações, não posso te ajudar, pois não tenho conhecimento sobre isso. Entretanto, adianto a você que, através da "INjustiça" mineira e brasileira, você e todos nós professores estaduais, podemos esquecer qualquer vitória por esta via, pois os poderes instituídos deste país não farão nada, nadinha que desestabilize o "status quo" do qual eles tiram proveito escuso, imoral e ilícito. Essa corja está toda conchavada e é por isso que professor não ganha nenhuma ação através da "INjustiça" brasileira.

    Só temos chances se fizermos uma greve sem precedentes neste país, uma greve que arrebanhe pelo menos 50% do professorado mineiro. Se fizermos isso, transformaremos em caos o sistema educacional do estado, e aí eles começarão a prestar atenção em nós.

    No mais, é só chorar, lamentar e filosofar.

    Não existe vitória sem luta.

    Atenciosamente,

    Raimundo Santos

    ResponderExcluir
  109. "Mas, enquanto o piso não vem, devemos exigir pelo menos 50% de reajuste no subsídio. Para 2013!"

    Viajou na maionese, Euler?! Pelo menos CINQUENTA/100 ??? ahauahauahaa

    ResponderExcluir
  110. Vamos fazer uma pesquisa para sabermos quantos professores usam remedios controlado para conseguir trabalhar? o numero [é altíssimo...isso é muito sério...sertralina, rivotril. citalopam.....




























    o núprofessores que tomam remedios controlados para conseguir trabalhar?Ri;...votril , citalopram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou dependente de Rivotril. É meu oxigênio.

      Excluir
    2. Rsrs... falta o arroz mas nao falta o alprazolam...

      Excluir
  111. Alguém pode me informar sobre a distribuição de aulas no CESEC? Fui informada de que deverei ir à escola todos os dias para cumprir as 16 horas.Isso está correto?

    ResponderExcluir
  112. Dá vontade de fazer isso mesmo, mas minha consciência não permite. Agora que tem muita gente na greve branca, isso tem!
    E com razão. Depois de sofrer tanto calote deste governadorzinho de M...
    Resta também aos excelentes professores dá uma resposta à altura:Fingir que trabalham enquanto ele finge que paga é fazer a cara dele de palhaço, igualzinho ele faz com a gente.Vou pensar nisto!

    ResponderExcluir
  113. globo.com







    25/01/2013 15h11 - Atualizado em 25/01/2013 15h26
    Governador anuncia piso de R$ R$ 1.814 para professores do Piauí
    Reajuste é retroativo, com pagamento feito através de folha suplementar.
    Wilson Martins ressaltou que o aumento concedido em 2012 foi de 22,23%

    Do G1 PI
    Comente agora

    O governador Wilson Martins anunciou o reajuste salarial dos professores da rede pública estadual de ensino nesta sexta-feira (25). Com o aumento linear de 7,97%, o piso dos professores da rede de ensino estadual do Piauí passa a ser 15,82% acima do novo piso nacional do magistério, que é R$ 1.567. O menor salário que o Governo do Piauí pagará a seus professores será de R$ 1.814. O reajuste é retroativo a janeiro, com pagamento feito através de folha suplementar.

    “Nós já pagávamos um piso superior ao novo piso nacional do magistério. Nosso piso era de 1.681 reais. Agora, com esse reajuste linear de 7,97%, vamos pagar 1.814; é um dos maiores pisos do país”, comentou o governador Wilson Martins. “Esse reajuste atinge os cerca de 32 mil professores ativos e inativos do Estado. Não apenas para quem ganha o piso. É para todos. Essa é mais uma forma de valorizarmos os nossos professores”, acrescentou.

    Em entrevista coletiva, Wilson Martins ressaltou que o aumento concedido à categoria em 2012 foi de 22,23%, com repercussão de R$ 88 milhões aos cofres estaduais. “Estamos priorizando esforços para poder darmos melhores condições de salário aos professores, a fim de que isso se reflita na melhoria da qualidade da nossa educação”, disse. O impacto acumulado do aumento para este ano é de R$ 73 milhões (somando-se gastos com pagamento de 13º salário).

    ResponderExcluir
  114. Siga o exemplo, governador Anastasia.

    sexta-feira, 11 de janeiro de 2013
    Professores da rede estadual do RN receberão aumento salarial de 7,97% em fevereiro


    Os professores do sistema estadual de ensino irão receber o aumento salarial do piso nacional da categoria. A medida foi anunciada pela governadora Rosalba Ciarlini em conjunto com a secretária de Educação, Betânia Ramalho, na tarde desta sexta-feira (11) na sede da Governadoria, e entra em vigor a partir deste mês de janeiro, com pagamento na folha de fevereiro, inclusive com a diferença retroativa.

    O percentual de aumento é de 7,97% e define os vencimentos em R$ 1.567,00. Também foram anunciadas a implantação do plano de carreira do magistério estadual, com progressões verticais e horizontais, já com uma elevação de letra prevista para o início do ano letivo 2013, e o envio à Assembleia Legislativa da reordenação dos portes das escolas estaduais, que irá impactar diretamente na gratificação dos diretores.

    Para Rosalba Ciarlini, as ações implantadas fazem parte de um conjunto do qual o piso salarial é apenas uma parte. “O piso é uma parte inegociável do nosso projeto para a educação. Foi um compromisso meu de governo que iremos cumprir até o último dia de mandato”, disse a governadora.

    Tanto a governadora quanto a secretária ressaltaram que as medidas adotadas visam a valorização dos profissionais da educação, sem perder o foco na área pedagógica. “Nós efetivamos 1500 professores com as duas primeiras convocações de concursados e estamos convocando mais 1162, o que nos dá mais de 2600 professores novos nas salas de aula das escolas”, declarou Betânia Ramalho.

    ResponderExcluir



  115. Emerson Campos

    Publicação: 10/01/2013 17:48 Atualização: 11/01/2013 19:25
    Foi anunciado na tarde desta quinta-feira pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o novo piso salarial nacional dos professores de Educação Básica. O reajuste, concedido com base no aumento do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), será de 7,97%, o que eleva o piso de R$ 1.451 para R$ 1.567.

    Saiba mais...
    MEC recorre contra suspensão do prazo de inscrições do Sisu USP cria comissão para investigar denúncias de fraude Maratona da 2ª etapa da UFMG começa no domingo
    De acordo com Mercadante, o novo piso "deverá ser aplicado em todos os municípios e Estados já em 2013". O valor é o mínimo que deve ser pago aos profissionais com jornada de trabalho semanal de 40 horas.

    Ainda segundo o ministro, de acordo com a CNM (Confederação Nacional dos Municípios), o impacto do piso de R$ 1.567 será de R$ 2,1 bilhões aos cofres dos governos estaduais e prefeituras, cifra bastante inferior se comparada com os R$ 7 bilhões gastos em 2012, quando o reajuste chegou a 22,22% e foi duramente criticado por estados e municípios.

    Cálculo
    Desde 2009, o parâmetro que o Ministério da Educação (MEC) utiliza para calcular o rejuste é o aumento no valor gasto por aluno no Fundeb nos últimos dois anos. Esse cálculo é feito conforme prevê a Lei 11.738, de 2008, que regulamentou o piso nacional do magistério.
    Anúncios Google


    ResponderExcluir
  116. Por favor, greve não temos mais condições de fazer. Deveriamos fazer uma pesquisa assim: Quantos profissionais temos na ativa que são da época do biênio e outras vantagens e quantos são os profissionais do subsidios e ai teremos o numero de pessoas que poderiam fazer greve e as que não. Por que isso, sabemos q as greves furadas de 2010 e 2011, só tirou vantagens de nós os com mais tempos de serviços e serviu para os mais novos que estão muito satisfeitos. Agora vamos deixar esse papo de piso, que foi uma grande enganação, coisas de PT, fala,fala e fazer mesmo nada. Olha Blogueiros do Euler, chega dessa palhaçada de greve viu, vamos cobrar é aumento real e sem greve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passe a fórmula para a categoria.

      Excluir
  117. Olá pessoal!

    ETENHODITO__________Parabéns pela dica e já estou compartilhando facebook.

    Meu Deus, quanto anônimo nesse blog. O Choque de Gestão do Aécio e Anastasia parece ter intimidado um monte de professores. É desse jeito que querem mudanças?

    Não sustente parasitas, vote nulo!

    ResponderExcluir


  118. Com as discussões que vemos aqui e com esses desrespeitos aos colegas, não v vamos chegar a lugar algum. Nosso comportamento + este governo = 0

    ResponderExcluir
  119. Olá, pessoal da luta!

    A tragédia que aconteceu hoje na cidade de Santa Maria, no RS, tirou minha inspiração para escrever novo post neste final de semana. Fica aqui registrada a nossa solidariedade às famílias das vítimas, deste que foi a segunda maior tragédia, com as mesmas características, ocorrida no Brasil nas últimas décadas.

    Agora, voltando ao tema da nossa luta.

    O ideal mesmo, pessoal, é que conseguíssemos organizar uma greve nacional dos educadores, com grande mobilização e adesão de peso. Uma greve geral por tempo indeterminado, e não estas paralisações de dois ou três dias da CNTE, que só resultam em corte nos nossos salários, e nada mais.

    Infelizmente, essa proposta fere aos interesses de partidos e grupos que controlam os sindicatos e a CNTE, e por isso ficamos nessa luta isolada, com educadores de cada estado ou município tentando arrancar migalhas de governos quebrados, enquanto a União assiste a tudo em silêncio cúmplice.

    Enquanto a Educação básica e a carreira dos professores e demais educadores não forem tratados como prioridade nacional, inclusive com piso nacional decente, tipo R$ 3.500,00 para o profissional com ensino médio, e linhas gerais comuns e obrigatórias para os planos de carreira (percentuais comuns de promoção, obrigatoriedade de gratificação por pós-graduação, etc), não haverá horizonte para a Educação e para os educadores.

    Se olharmos para a realidade dos professores de todos os estados e municípios do Brasil, veremos que é a mesma realidade, de miserabilidade, com pequenas diferenças e raras exceções. Isso impõe que se mude esse cenário nacionalmente.

    Imaginem uma greve nacional dos professores, por tempo indeterminado e com impacto na mídia internacional. Aí vocês dizem: ah, mas 2014 está longe!!! E eu lhes respondo: eu prefiro uma greve nacional (ou estadual, caso não seja possível a nacional) bem organizada e forte em 2014, do que uma paralisação sem força em 2013, que não dará resultado e trará mais desgaste para a categoria. Claro que se categoria demonstrar disposição para parar em 2013 terá nosso apoio e adesão, como aconteceu sempre.

    Os educadores precisam de vitórias, de conquistas, na luta, é claro, mas com conquistas, e não para marcar posição, como tem sido a estratégia da CNTE. Queremos vitória definitiva, que represente uma carreira decente, um salário decente, algo que faça valer a pena continuar como professor. Do contrário, melhor mesmo é abandonar essa carreira e declarar para o mundo que o Brasil e Minas não querem educação de qualidade para os filhos das famílias de baixa renda. E que não temos força para mudar essa triste realidade.

    É isso, pessoal da luta! Um forte abraço a todos e um bom final de domingo!

    Euler

    ResponderExcluir
  120. Olá Euler,
    O Governo de Minas é advogado e não sabe interpretar Leis. Não existe Piso Salarial proporcional. Se você trabalha 24 horas ou 40 horas, o Piso Salarial mínimo é de 1567 reais. Fazendo uma comparação, o Governo de Minas , com um subsídio de 1386 reais paga 13% a menos que o Piso Salarial, que hoje é de 1567.
    Sendo assim, gostaria que você esclarecesse melhor os nossos colegas aqui no blog, mostrando que o subsídio está 13% menor que o Psio Salarial.

    ResponderExcluir
  121. Governo de Minas repôe perdas salariais de professores(Hoje Em Dia).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haja dinheiro para este governo do hell repor nossas perdas!!!

      Excluir
  122. Meu Deus, q horror as aulas voltam dia 01/02 e sábado 02/02, reunião. Não aguento mais essa porcaria!!! Com esse salário de M......

    ResponderExcluir