domingo, 12 de dezembro de 2010

PORQUE SOMOS PROFESSORES


Um colega professor, o combativo Moacir, enviou-me esta carta e me pediu para publicá-la no blog. Eis a seguir o teor da mesma, que entre outras justas reflexões e críticas narra a indignação contra a brutal morte do professor de Educação Física Kássio.

* * *

"PORQUE SOMOS PROFESSORES

Tarcísio Mauro Vago e Rodolfo Novellino Benda
(Professores da EEFFTO/UFMG)


Para o Professor de Educação Física Kássio Vinícius Castro Gomes, em honra de sua VIDA, e aos que compartilham a imensa dor de sua perda.

“Me diz como pode acontecer, um simples canalha mata um Rei, em menos de um segundo...”

Há exatos 30 anos, Milton Nascimento cantou este verso para Lennon.

Agora, tristes, dilacerados pela dor, perplexos e indignados, cantamos o mesmo verso para Kássio Vinícius Castro Gomes, o Filho, o Esposo, o Pai de 2 Crianças, o Amigo querido e generoso, o Professor de Educação Física de tantos Alunos e Alunas.

É impossível dimensionarmos racionalmente o tamanho desta perda...

Kássio era para nós também um Rei, mas um Rei escolhido por nós, do nosso jeito. E nós o perdemos tão cedo, quando tanta VIDA havia ainda para viver. Tantos sonhos, tantas histórias...

Como pode acontecer? Por que isso pôde acontecer?

É um “desenredo”, é esta “vida que a morte anda armando”, é esta “morte que a vida anda tendo...”, como cantaram dolorosamente Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro.

Mas, Kássio era daqueles que queriam a VIDA DA VIDA. Por isso, foi um Rei à sua maneira.

O nosso carinho por ele, a nossa homenagem para ele, é CONTINUAR A VIDA: SER KÁSSIO por aí afora, por onde estivermos, diante de crianças, de jovens, de adultos, enfim, diante dos humanos, em todos os seus sentimentos, asperezas e contradições.

É o que a VIDA de Kássio nos inspira. É o que sua VIDA nos exige. Porque foi isso que ele sempre fez: Viveu e quis ver a vida nascer, e a alegria se espalhar.

Kássio “ficou encantado”, diria Guimarães Rosa, e agora é Estrela, é Luz, é Saudade, é Inspiração. Uma Estrela a indicar caminhos, nos pedindo para insistir na Esperança, no Afeto, na Solidariedade, na Amorosidade, na Justiça.

Brilhe para nós, Kássio, que precisamos tanto, para CONTINUAR A VIDA.

E para CONTINUAR A VIDA é preciso EXIGIR que seja realizado o Direito de Kássio, de sua Família e de seus Amigos à Justiça. É o mínimo que lhe devemos, em honra de sua VIDA.

E nós estamos aqui para EXIGIR JUSTIÇA.

Como pode acontecer?

Este absurdo acontecimento, que causou comoção à população de Belo Horizonte e de Betim, onde Kássio morava, e estarreceu o Brasil, não pode ficar impune.

Um Professor chega para exercer seu Ofício em seu lugar de trabalho, o Instituto Izabella Hendrix. Em seu interior, é atacado por um estudante do Curso de Educação Física, que conseguiu entrar armado com faca nesta Instituição que se diz ‘protegida’. Em instantes, este Professor está morto. Um crime traiçoeiro, covarde, premeditado.

Infelizmente, foi também uma tragédia anunciada, e que poderia ter sido evitada: este aluno já havia causado problemas na Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO), de Belo Horizonte, à qual esteve matriculado em 2008. Lá, ameaçou e perseguiu Professores e Estudantes, foi denunciado à Polícia, e sua família ‘convidada’ a retirá-lo de lá – expediente usado para não caracterizar expulsão.

Pelo Direito à Justiça, conclamamos que as autoridades desta Instituição, e também seus Professores e Estudantes, venham a público dar conhecimento dos problemas então causados por este aluno, enquanto esteve lá. Uma atitude que poderá ser decisiva.

Após ser ‘retirado’ da UNIVERSO, lamentavelmente, outra Instituição de Ensino Superior de Belo Horizonte, o Instituto Izabella Hendrix, recebeu este aluno com uma simples transferência, sem realizar procedimentos acadêmicos rigorosos para o ingresso em seu corpo discente. Atitude que caracteriza descuido e irresponsabilidade acadêmicas. Ainda mais em uma Instituição que usa como propaganda o fato de ser centenária. Este tempo, por si só, não é garantia de qualidade. Mas, exatamente por ser centenária, esta Instituição tem como obrigação zelar por uma Educação Superior de qualidade. Infelizmente, parece mais evidente que orientou-se por interesses econômicos.

O que se exige e se espera desta Instituição, se ela quer respeitar sua própria História, e não maculá-la ainda mais, é que não se preocupe tanto em preservar seu nome, mas em assumir atitude digna diante da gravidade do acontecimento: expor à Justiça os fatos, com depoimentos de suas autoridades sobre todo o histórico escolar deste aluno e entregando todas as provas indiciárias de que dispuser.

E, principalmente, que ofereça, de fato e não por mera retórica, à Família do Professor Kássio, todo o amparo jurídico para realizar seu Direito à Justiça. Contratar Advogados e assumir seus custos são suas obrigações mínimas. O silêncio desta Instituição (o mesmo silêncio que pediu a seus Professores por mensagem eletrônica), as tentativas de tomar o fato como “caso isolado” e de procurar manter seu cotidiano em normalidade (procedimento mais que artificial, desumano), poderão ser vistos como sinônimos de cumplicidade com a violência. Será outra barbaridade contra o Professor Kássio e à sua Família.

Este lamentável acontecimento também exige ser analisado tendo em vista as circunstâncias em que se realiza o ensino superior privado no Brasil. É evidente a crise que muitas dessas Instituições experimentam, depois de anos de crescimento desordenado, em que critérios acadêmicos mínimos foram e são atropelados, em uma busca desesperada por alunos (mais verdadeiro será dizer ‘clientes’). A absoluta falta de rigor acadêmico em processos seletivos para ingresso expressa mensagem de que o que importa e acaba decidindo a entrada e a permanência de alunos em tais instituições é aumentar o efetivo que paga suas mensalidades. Sim, sabemos de exceções, sabemos que existem instituições privadas idôneas, mas elas apenas confirmam a regra.

A Educação Superior é direito de todos, e somos desde sempre favoráveis às ações que o ampliem, especialmente àqueles que sempre foram excluídos dele. No entanto, a realização deste direito há que ser simultânea à garantia da qualidade acadêmica da Educação Superior, o que só se consegue com princípios e práticas acadêmicas rigorosas, que não se deixam capturar nem tampouco reduzir aos interesses de uma indústria de diplomas – que não tem escrúpulos quando se trata de obter lucros.

A conseqüência é a banalização da Educação Superior, em que o ingresso, a permanência e a aprovação se dão a qualquer preço – ou melhor (ou pior), ao preço de uma mensalidade paga em dia. Sem critérios, sem rigor, sem procedimentos acadêmicos, o que temos? Temos isso que está aí...

Uma das conseqüências perversas disso que temos aí sob o nome de “ensino superior privado” é a exposição de Professores e Estudantes à insegurança, à violência, à barbárie. O Professor Kássio foi mais uma vítima destas circunstâncias. Importa compreender que tais circunstâncias não são obras do acaso: são produto do modus operandi predominante em instituições de ensino superior privado.

Particularmente, o Professor se vê desprotegido, desamparado e desautorizado no exercício de seu Ofício. É o maior prejudicado. Todos os dias a morte o espreita: a morte de sua vontade, a morte de seu ímpeto, a morte de seu desejo de se envolver com a Educação. E a morte mesmo, crua e bárbara. Temos morrido um pouco a cada dia...

No entanto, é preciso enfrentar essas mortes. Enfrentar a barbárie. Para que ela não se repita. A barbárie não pode ser maior que nós.

Por isso, a nossa dor de agora se expressa também em nossa rebeldia. Não é hora de calar.

Nos rebelamos contra o aviltamento de nosso Ofício de Professor. Nos rebelamos contra as precárias condições em que nosso trabalho se realiza, em que o salário humilhante é apenas a parte mais visível. Nos rebelamos contra a mercantilização da Educação.

Repudiamos este intolerável atentado à nossa condição de Professores.

Há algo de muito errado em uma sociedade em que Professores são mortos dentro de escolas...

Os Professores queremos isso: respeito à nossa condição.

O que temos feito?

Contra todas as dificuldades, e ainda que também estejamos sujeitos ao erro, temos nos esforçado para oferecer com o nosso trabalho uma contribuição para a Cidadania, procurando formar profissionais de várias áreas, todas necessárias ao País. Mas, nossa Profissão tem sido constantemente desvalorizada.

Tentamos primar pelo rigor acadêmico, valorizar a aquisição de conhecimentos fundamentais à formação e a intervenção profissionais. É o que a sociedade, com toda razão, espera de nós.

Porque somos Professores, trabalhamos com a palavra, o argumento, os conhecimentos vindos das ciências e das culturas para olhar a realidade que nos envolve.

Porque somos Professores, procuramos agir para potencializar o que é bom, e para enfrentar as nossas muitas dores sociais.

Porque somos Professores, assumimos compromissos com os problemas que afligem nosso País, nossas crianças, nossos jovens, nossos adultos.

Porque somos Professores, continuaremos trabalhando para a construção do presente, e do futuro. Não importa o quanto distante esteja. Importa é que estamos aqui.

Porque somos Professores, pedimos apenas isso: RESPEITO E DIGNIDADE PARA A NOSSA PROFISSÃO.

Porque somos Professores, exigimos JUSTIÇA: para o Kássio, para toda a sociedade.

Porque somos Professores, são estas as nossas maneiras de amar este nosso País tão querido.

Professores são aqueles que “escrevem cartas para o futuro”, alguém disse – escrevem cartas no presente para que exista futuro...

O Professor Kássio vinha escrevendo suas cartas, e elas eram tão bonitas. E nós sabíamos disso. Todos os seus alunos e alunas sabem disso. Sua Família sabe disso.

Nós, seus amigos Professores de Educação Física, sentimos muito orgulho de tê-lo tido entre nós.

Porque somos Professores, PORQUE SOMOS KÁSSIO, continuaremos a escrever cartas. Não nos matem. Tratemos de cuidar da VIDA.

Pelo Kássio. Por nós. Pela própria VIDA.

A VIDA CONTINUA."


* * *

"
Anônimo:

Olá Euler:

Pelo que tenho notado a mídia está denunciando a violência generalizada nas escolas, principalmente as públicas. Muitas pessoas estão nos vendo como heróis, não sabem como ainda temos coragem e determinação para enfrentar essa realidade, e principalmente, esperança de melhorias não só salarial mas de condições de trabalho e de segurança.

Euler, uma dúvida que eu tenho, como será a distribuição do cargo de 30 horas nas escolas? Ouvi dizer que a SRE é que irá determinar quem poderá mudar para ele.

Um abraço!
"


Comentário do Blog: A questão das 30 horas e outras também serão objeto ainda de regulamentação por parte da SEE-MG. Ainda não foi divulgado nada a respeito após as eleições.

"
João Paulo Ferreira de Assis:

Prezado amigo Professor Euler

Nesse momento em que estamos fechando os resultados dos Estudos Orientados Presenciais, uma fábula (que não sei se é de La Fontaine), a lebre e a tartaruga fica muito bem. Certa feita os bichos da floresta resolveram promover uma corrida entre eles para definir o mais apto. Na primeira hora do primeiro dia a lebre se inscreveu, certa de que eram favas contadas. Na última hora do último dia, a tartaruga se inscreveu. A lebre deitou no chão para rir. Eis que chega o dia tão esperado. A lebre, logo disparou na frente. Certa da vitória, dava uma corridinha, comia alguma coisa, bebia água e dormia. Dava outra corridinha, bebia água, comia e dormia. Até que ela dormiu mais do que devia. Ao acordar, viu pelo relógio de sol que havia dormido demais, e danou a correr. Mais apavorada ficou ao se inteirar de que a tartaruga a havia ultrapassado! Correndo, correndo, correndo, quase a deitar o coração pela boca, ela finalmente avista a tartaruga... cruzando a linha de chegada, sob intensos aplausos dos outros bichos.

Vamos agora aplicar esta fábula aos personagens da Educação.
A promoção da corrida e as regras da mesma = a legislação e os atos para facilitar as coisas para os alunos.
papel da lebre = representado pelos alunos relapsos diante de tantas facilidades.
papel da tartaruga = é o resultado final que os alunos relapsos obtiveram depois de malandrar durante todo o ano letivo.
Papel dos organizadores da corrida = representado pelos professores que marcam o resultado final obtido pelos seus alunos.
sentimento da lebre = é a vergonha que o aluno deve sentir depois de ainda ter conseguido a reprovação diante de tantas facilidades hoje existentes.

Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.
"

2 comentários:

  1. Olá Euler:

    Pelo que tenho notado a mídia está denunciando a violência generalizada nas escolas, principalmente as públicas. Muitas pessoas estão nos vendo como heróis, não sabem como ainda temos coragem e determinação para enfrentar essa realidade, e principalmente, esperança de melhorias não só salarial mas de condições de trabalho e de segurança.
    Euler, uma dúvida que eu tenho, como será a distribuição do cargo de 30 horas nas escolas? Ouvi dizer que a SRE é que irá determinar quem poderá mudar para ele.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. João Paulo Ferreira de Assis17 de dezembro de 2010 17:03

    Prezado amigo Professor Euler

    Nesse momento em que estamos fechando os resultados dos Estudos Orientados Presenciais, uma fábula (que não sei se é de La Fontaine), a lebre e a tartaruga fica muito bem. Certa feita os bichos da floresta resolveram promover uma corrida entre eles para definir o mais apto. Na primeira hora do primeiro dia a lebre se inscreveu, certa de que eram favas contadas. Na última hora do último dia, a tartaruga se inscreveu. A lebre deitou no chão para rir. Eis que chega o dia tão esperado. A lebre, logo disparou na frente. Certa da vitória, dava uma corridinha, comia alguma coisa, bebia água e dormia. Dava outra corridinha, bebia água, comia e dormia. Até que ela dormiu mais do que devia. Ao acordar, viu pelo relógio de sol que havia dormido demais, e danou a correr. Mais apavorada ficou ao se inteirar de que a tartaruga a havia ultrapassado! Correndo, correndo, correndo, quase a deitar o coração pela boca, ela finalmente avista a tartaruga... cruzando a linha de chegada, sob intensos aplausos dos outros bichos.
    Vamos agora aplicar esta fábula aos personagens da Educação.
    A promoção da corrida e as regras da mesma = a legislação e os atos para facilitar as coisas para os alunos.
    papel da lebre = representado pelos alunos relapsos diante de tantas facilidades.
    papel da tartaruga = é o resultado final que os alunos relapsos obtiveram depois de malandrar durante todo o ano letivo.
    Papel dos organizadores da corrida = representado pelos professores que marcam o resultado final obtido pelos seus alunos.
    sentimento da lebre = é a vergonha que o aluno deve sentir depois de ainda ter conseguido a reprovação diante de tantas facilidades hoje existentes.

    Atenciosamente João Paulo Ferreira de Assis.

    ResponderExcluir