sexta-feira, 16 de julho de 2010

Nem só de pão vive o homem...


Começo o meu final de semana fazendo uma reflexão e um desafio para todos os educadores mineiros e demais pessoas que visitam este blog. A nossa maravilhosa "Revolta dos 47 dias" - nome mais apropriado do que uma greve de 47 dias -, entre outras questões, como a salarial, teve o mérito de balançar as estruturas de poder em Minas Gerais.

Durante os quase oito anos de reinado absoluto do faraó e seu afilhado não deve ter acontecido um momento semelhante de confronto com o poder faraônico e seus tentáculos espalhados nos demais poderes e na mídia domesticada. O faraó ficou literalmente nu, além de mudo, pois nada pode dizer diante das realidades que foram se revelando.

O silêncio imposto pelo faraó e seu grupo aos cidadãos mineiros durante quase oito anos se voltou contra ele, que permanece mudo até o momento. Nem uma palavra sequer sobre os problemas da Educação e do reposicionamento dos servidores. Enquanto isso, o afilhado é exposto às multidões para receber sozinho as pedras, quando ele teve um papel de coadjuvante com o faraó, que pretende sair imune nessa história. Mas, foi ele, o faraó, com o auxílio direto do seu afilhado, quem implantou a política de choque de gestão em Minas, que se traduz no achatamento salarial dos servidores e no total controle da mídia e dos demais poderes constituídos, que abriram mão da autonomia relativa que deveriam ter, para se ajoelhar perante o projeto neoliberal de dominação do faraó e seu grupo.

Não vou dizer que no Brasil a coisa seja muito diferente dessa realidade mineira, não. A imprensa nacional é toda ela dominada por poucas famílias (Civittas, Frias, Marinhos, e suas filiais regionais), que têm o golpismo enraizado até as entranhas. Os poderes constituídos em escala nacional, STF e Congresso Nacional, também não inspiram credibilidade, pelas atitudes na maioria das vezes ligadas aos interesses dos de cima. Em suma, o Brasil não respira uma verdadeira democracia, embora os representantes das elites encham a boca para falar em liberdade de opinião, respeito aos direitos dos cidadãos e democracia.

Na nossa maravilhosa revolta-greve dos 47 dias nós sentimos na pele o abismo existente entre o que está na lei e o que é praticado. A greve foi indecentemente considerada ilegal, quando a ilegalidade deveria ser submeter uma categoria como a dos educadores a níveis tão baixos de salários e condições de trabalho. E retiramos dessa experiência a compreensão de que se quisermos garantir nossos direitos e nossos espaços enquanto assalariados e cidadãos vamos ter que arrancá-los na luta.

Não podemos de maneira alguma continuar respirando ares de terror, de um clima de medo, de submissão dos de baixo, pois isso contraria a natureza humana, que nunca se curvou, nunca, em nenhum momento da história, aceitou passivamente a escravidão e outras variantes de exploração.

A insubmissão perante a exploração e a opressão é parte social, cultural e estrutural de todos aqueles que não perderam minimamente a capacidade de pensar e de sonhar. Os educadores de Minas tornaram-se uma fonte de inspiração para todas as demais categorias de assalariados de Minas e também do Brasil.

Não tenham dúvida de que o próximo governante, seja ele quem for, vai jogar pesado para desarticular e quebrar este movimento, como aliás tentaram fazer o faraó e seu afilhado nos quase oito anos de governo. E de certa forma haviam quase conseguido. Na proprrogação do segundo tempo, nós, os educadores, demos o troco, sacudindo Minas Gerais e mostrando que com a força organizada de mais de 200 mil trabalhadores não se brinca.

Por isso, para além das necessárias conquistas salariais e de melhores condições de trabalho, precisamos também conquistar e consolidar os espaços e os direitos de uma democracia que mereça este nome, mesmo nos marcos de um estado burguês. O direito de greve, o não corte de ponto dos grevistas (outro dia me disseram que quem inaugurou em Minas esta canalhice de cortar ponto de professores em greve foi um personagem que não vou citar aqui porque não confirmei a inacreditável informação que recebi, ainda), a democratização dos meios de comunicação - inclusive com a proibição de anúnicos governamentais em jornais, rádios e TVs que se recusarem a abrir espaços para os movimentos sociais -, a não criminalização dos movimentos sociais e a discussão pública dos orçamentos dos poderes constituídos, entre outras coisas.

As bandeiras democráticas, que eram muito comuns na época da ditadura militar, precisam ser retomadas, pois vivemos a continuação daquela ditadura sob outras formas. A absoluta privatização dos cofres públicos, por exemplo, cujos recursos estão voltados para beneficiar empreiteiras, banqueiros, latifundiários do agronegócio, etc, precisa acabar. No lugar disso, maior investimo na Educação pública - principalmente no ser humano-educador -, na Saúde pública, no saneamento e na moradia popular, pelo menos.

Um bom exemplo da má utilização do dinheiro público foi a construção das pirâmides do faraó, que custou em torno de R$ 1,5 bilhão de reais. Quantas milhares de casas populares, hospitais e clínicas médicas, obras de saneamento e salários mais justos para os servidores poderiam se fazer com estes recursos?

Não se pode mais continuar convivendo com uma situação onde um grupo de políticos, seja em que esfera for - federal, estadual ou municipal - decida sozinho, ao sabor dos interesses de uma minoria, o que fazer com os recursos públicos. Não me venham dizer que essas obras faraônicas foram aprovadas na "Casa do Povo" - o parlamento -, pois, com este parlamento prostituído e afastado do povo que temos não se pode falar em uma verdadeira representação. Um sistema em que as pessoas não têm o controle direto sobre aqueles nos quais votaram - inclusive com o direito de cassar este mandato caso não corresponda às expectativas criadas -, não é uma representação verdadeira, mas uma farsa. Um engodo.

Portanto, colegas educadores, é bom que tenhamos em mente esse grande desafio, de estar lutando ao mesmo tempo por melhores salários e condições de trabalho e pela real democratização da sociedade e do cotidiano em que vivemos - inclusive nas escolas, onde, em alguns locais, prevalecem práticas ditatoriais e autoritárias que reproduzem o que se vive na realidade política em Minas e no Brasil.

E nós, educadores de Minas, tornamo-nos fonte de inspiração e depositários desse desafio para com a população mineira e brasileira. E temos que corresponder a isso, para o nosso bem e para o bem de todos os de baixo, assalariados-explorados como a gente. Numa batalha que transcende a importante e necessária luta cotidiana pelo pão, que alimenta o nosso corpo, mas que precisa também alimentar a sede de justiça e de liberdade que acompanha a alma humana.

* * *


Links e temas relacionados:

- Blog da Cris
- Diário de Classe - Intersindical
- Blog do COREU
- Blog Em Busca do Conhecimento
- Site oficial do Sind-UTE
- S.O.S. Eudcação Pública
- Proeti no Polivalente
- Sind-RedeBH - Blog do Coletivo Fortalecer
-
Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação

Visitem também os blogs e sites recomendados pelo nosso blog.

9 comentários:

  1. Adiada - Ficou para o segundo semestre, a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 61/10, do governador, que determina que os servidores da área da educação sejam remunerados por subsídios. A proposição teve a discussão encerrada, mas ainda aguarda votação em 1º turno.
    Euler , tudo bem, tirei isto da ALMG vc sabe falar sobre isso? Podemos ter esperança?
    Abraços Dinha.

    ResponderExcluir
  2. EULER,
    BRAVO, BRAVÍSSIMO PARA O SEU TEXTO!

    ESTOU EM CASA ,DE PÉ ENGESSADO, LENDO SEU BLOG E PENSANDO: TIVE QUE PAGAR CONSULTA PARA O ORTOPEDISTA(PEDI UM DESCONTO)E PAGUEI O GESSO TAMBÉM PARA NÃO TER QUE ENFRENTAR FILA NO INSS. O NOSSO PLANO DO ESTADO, AQUI EM SÃO JOÃO DEL REI, NÃO COBRE O CONVÊNIO MÉDICO COM ALGUNS PROFISSIONAIS DA SAÚDE, INCLUINDO ORTOPEDISTA.
    E FICO PENSANDO QUE ESTUDAMOS TANTO PARA NÃO TERMOS DIREITO A UM PLANO DE SAÚDE DECENTE! E QUANDO PAGAMOS CONSULTA PARA UM MÉDICO, TEMOS QUE "CHORAR" DESCONTO PORQUE O QUE GASTAMOS EXTRA FAZ FALTA EM NOSSO ORÇAMENTO. O EXTRA É GASTO COM A NOSSA SAÚDE! E DEPOIS TEM OS REMÉDIOS...ENFIM: ENQUANTO MUITOS LAVAM E ENXUGAM SEUS MILHÕES, OU MELHOR, NOSSOS MILHÕES ( DINHEIRO PÚBLICO ), FICAMOS CONTANDO NOSSO DINHEIRO PARA PODER ATÉ MESMO PRESERVAR E CUIDAR DA NOSSA SAÚDE. E, COM CERTEZA, ESSES MEUS GASTOS EXTRAS NÃO VIERAM DO MEU SALÁRIO DO ESTADO ( ESSE ACABA EM DOIS DIAS!)!!!
    TODOS MERECEMOS RESPEITO E DIGNIDADE E É POR ISSO QUE ASSINO EMBAIXO DO QUE VC ESCREVEU: PRECISAMOS MANTER ACESA ESSA CHAMA DE UNIÃO, MESMO QUE MUITOS AINDA NÃO ACREDITEM NESSA NOSSA LUTA, NEM NOS SINDICATOS OU SIND-UTE/MG.
    ABRAÇÃO E BOAS FÉRIAS!

    ResponderExcluir
  3. Euller, sou um leitor assíduo do seu blog, e lendo sua reflexão não posso deixar de comentar que aqui, em São Joãoo del Rei, na "terra do avô" do famigerado faraó, ele começou seu estágio de dominação dos meios de comunicação. Aqui, na "terra da liberdade" como dizia o velho, ele comanda com mão de ferro uma rádio AM, 2 FMs, um jornal impresso e a rede de TV local. São 24 horas por dia de lavagem cerebral. Vou sobrevivendo sem nenhum arranhão. Euller continue com suas reflexões e comentários sensacionais. Abraços, Vander São João del Rei Ps. imagine o inferno que vivo aqui KKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  4. Olá, colegas de luta Vander, Vanda e Dinha!

    Graças a meu bom e generoso Deus, a encantadora cidade de São João Del-Rei, se de um lado produziu o faraó e seu avô, por outro equilibrou, presenteando a população com o Vander e a Vanda, que são mil vezes mais importantes do que aqueles.

    Além da nossa ida e ocupação da cidade de São João durante a nossa maravilhosa revolta-greve dos 47 dias, estive nesta cidada pelo menos duas vezes, anteriormente; uma delas, participando de um seminário sobre Patrimônio Cultural Imaterial. Cidade bonita, aconchegante. As badaladas dos sinos das igrejas formam um diálogo maravilhoso - há um ou mais documentários sobre este tema, que aliás virou patrimônio nacional.

    Vanda, espero que se recupere rapidamente.

    Vander, nem toda a lavagem cerebral que tentam fazer através das mídias vai abafar a nossa voz.

    Dinha, vamos aguardar o desfecho da novela do subsidio. De qualquer forma, nossa posição é clara: em janeiro de 2011 queremos receber as novas tabelas salariais e vamos lutar para aprimorá-las, com o posicionamento por tempo de serviço, quinquenios para todos, reajuste com indice especificado, etc. Se o novo governante vai manter o subsídio ou pagar em forma de vencimento básico é uma questão a ser discutida.

    Um abraço a todos e um ótimo final de semana!

    Euler

    ResponderExcluir
  5. OBRIGADA EULER, INCLUSIVE POR ADICIONAR O ENDEREÇO DO MEU BLOG NO SEU.
    O MEU AMIGO VANDER "TÁ NA FITA"! TRABALHAMOS JUNTOS NA MESMA ESCOLA; ELE É UMA PEÇA RARA: BOM PROFISSIONAL,BOM AMIGO,UMA PESSOA INTERESSADA EM REFLETIR, SE POSICIONAR E MELHORAR AS INJUSTIÇAS, SEJAM ELAS EDUCACIONAIS OU NÃO.
    ALÉM DE TUDO É UMA FIGURA ESTILO TÍMIDO- MINEIRO-COME-QUIETO, QUE VIRA E MEXE SE DESDOBRA EM ALTAS GARGALHADAS E FICA TODO MUNDO QUERENDO SABER O QUE É, VISTO QUE, NA MAIORIA DAS VEZES ELE TEM UM PERFIL CALADO; MUITO CONTRÁRIO AO MEU QUE SOU "À TRÊS MIL POR HORA", FALADEIRA,INQUIETA E FAÇO BARULHO ONDE CHEGO.
    ESPERO QUE TENHAMOS OPORTUNIDADE DE NOS ENCONTRAR, SEJA EM B.H. OU AQUI EM S.J.DEL REI.
    ESSA CIDADE É MARAVILHOSA, EU AMO TUDO AQUI E SOU GRATA À DEUS POR TER NASCIDO NESTA HISTÓRICA E ACOLHEDORA CIDADE.A MÍDIA LOCAL É COMPRADA SIM, HÁ POUCO INVESTIMENTO NA ÁREA DA SAÚDE, NA ÁREA AMBIENTAL ( PELO POUCO QUE SEI) E VAMOS LEVANDO.
    HÁ COISAS MARAVILHOSAS AQUI QUE DINHEIRO NÃO ALCANÇA E UMA VIDA QU MUITOS DESCONHECEM, EMBORA VENHAM À PASSEIO E MAL OLHEM PELA CIDADE.
    HÁ UM PROJETO DE UMA PROFESSORA DA UFSJ PARA O ANO QUE VEM, DE CUIDAR DO NOSSO CÓRREGO, QUE É O CÓRREGO DO LENHEIRO, QUE ESTÁ UM HORROS. O PREFEITO ATUAL AINDA FEZ O FAVOR DE FAZER UM DESASSOREAMENTO HÁ UNS MESES ATRÁS, O QUE CONTRIBUIU PARA NÃO OCORRER ENCHENTES COMO ESTAVA ACONTECENDO.MAS A QUESTÃO PASSA TAMBÉM EM EDUCAR A POPULAÇÃO E OS TURISTAS QUE ACABAM POLUINDO O CÓRREGO QUE PASSA NO CENTRO DA CIDADE.TRABALHO NA ESCOLA DO MUNICÍPIO COM EJA E ATRAVÉS DESSA ESCOLA PRETENDO FAZER PARTE DESSE PROJETO DE CUIDAR DO NOSSO CÓRREGO.
    HÁ UM PROJETO TAMBÉM, DA ESCOLA MUNICIPAL ONDE TRABALHO, QUE É "TOMBAR" COMO PATRIMÔNIO A SERRA DO LENHEIRO QUE É ENTORNO DESSA ESCOLA. FIZEMOS UMA CAMINHADA ECOLÓGICA ( ACHO QUE FOI EM MAIO) E FOI MARAVILHOSO! CASO QUEIRA VER AS FOTOS É SÓ DAR UMA OLHADA NO MEU BLOG: VEJAVANDANOEJA.BLOGSPOT.COM
    ABRAÇÃO E DESCULPE SE ME ESTENDI MUITO.
    VANDA

    ResponderExcluir
  6. Vanda,

    Visitei o blog que vc indicou. Parabéns pelo belíssimo trabalho que desenvolve. Fotos e textos que dão um belo livro. E que lugar bonito aquela Serra do Linheiro. Num lugar daquele eu nem lembraria da existência do faraó e do seu avô! Pena que Vespasiano não tenha um lugar assim (snif! snif!...). Quase tudo aqui já foi desmatado. Temos um ribeirão que eu canso de propor que se faça um parque ecológico, mas sai prefeito e entra prefeito e a idéia dos infelizes é só a de canalizar e construir duas vias às margens do ribeirão. Será por que motivo os governantes adoram tanto assim fazer obras faraônicas? País de corruptos!

    Bom, mas o que importa mesmo é que São João del Rei, como eu havia dito acertadamente, tem você, Vanda, tem também o prof. Vander, o prof. Luciano, tem seus colegas e alunos, tem a Serra do Lenheiro... enfim, tem pessoas e coisas boas demais. Quem vai se lembrar do faraó num lugar assim? (kkk)

    Um abraço,

    Euler

    ResponderExcluir
  7. João Paulo Ferreira de Assis18 de julho de 2010 14:43

    São João é uma linda cidade. No século XVIII meu 7º avô paterno, o Dr. Alexandre da Silva Barros, falecido em São João, em 17 de abril de 1784, era o Juiz das Medições, Demarcações de Sesmarias e Posses de Terra, da Vila de São João del Rei e seu termo. Morava no Largo do Rosário. Estive lá em 21 de abril com os prezados colegas professores.

    ResponderExcluir
  8. Olá, João Paulo!

    Então vc é mais um grande expoente da tradicional São João, cujos avós deixaram um descendente da melhor cepa. E com essa história de vida, sua sina tinha que ser mesmo professor. E de História! Só espero que não se repita conosco o trágico destino que vc tem nos revelado, dos açougueiros que deram calote aos mestres mineiros. Acho até melhor não divulgarmos muito estas histórias porque nossos políticos adoram os péssimos exemplos, kkk. Ou seja, conta pra gente, mas fala bem baixo para não chegar aos ouvidos dos pleiteantes ao governo de Minas.

    Um abraço,

    Euler

    ResponderExcluir
  9. Olá Euler, concordo com você nada vai abafar nossa voz,além do mais aqui em São João temos conterrâneos que me deixa orgulhoso, o nosso Tiradentes, a nossa Bárbara Heliodora e muitos outros anônimos que lutaram e lutam ainda hoje por liberdade, e é nesse ideal de liberdade que me espelho sempre e vou em frente fazendo da coragem meu escudo e da humildade minha lança.
    Ps. sábado a Rita Lee fez um show, bom de mais, aqui, no mesmo local da votação da nosa greve histórica e fiquei de novo com vergonha, pois, aquela frase do faraó ainda continua no mesmo prédio. Obrigado por nos considerar pessoas importantes, eu e minha amiga Vanda, mas como diz a Rita Lee acho que estou mais pra "ovelha negra da família" KKKKKKKk Abraços!!!

    ResponderExcluir