sexta-feira, 10 de junho de 2011

Educadores mineiros: por que todos nós devemos aderir à greve


Por que todos nós devemos aderir à greve

Vou esboçar aqui algumas razões para que os educadores que ainda estão resistentes e não aderiram à paralisação aprovada pela categoria em assembleia possam mudar de ideia e participar ativamente da greve:

1) porque a nossa greve é legal, é justa, é necessária. A Constituição Federal assegura aos trabalhadores, incluindo os servidores públicos efetivos e contratados, o direito à greve, direito este conquistado em duras lutas pela classe operária. Muito sangue foi derramado para que hoje possamos usufruir deste e de outros direitos em defesa dos nossos interesses de classe. E no caso presente, em defesa de direitos já garantidos em lei e descumpridos pelo governo;

2) porque constitui uma vergonha um professor com curso superior receber como remuneração por um cargo apenas dois salários mínimos, enquanto um policial militar e ou um bombeiro com curso médio recebe R$ 2.000,00 de piso, com reajustes previstos para R$ 4.000,00 em quatro anos. Não que os policiais ou bombeiros não mereçam. Pelo contrário, merecem até mais do que este valor, tendo em vista os riscos e os relevantes serviços que prestam à comunidade. Utilizo esta comparação apenas para mostrar o quanto a carreira dos profissionais da Educação encontra-se desvalorizada, maltratada, humilhada por este e por outros desgovernos;

3) porque temos uma lei federal aprovada, a Lei do Piso, considerada plenamente constitucional pelo STF, e que não é cumprida no estado de Minas Gerais, que não paga o piso e nem o terço de tempo extraclasse. Na pior das hipóteses, pelo piso do MEC aplicado proporcionalmente à jornada de 24 horas praticada em Minas Gerais, um professor com curso superior em início de carreira já deveria estar recebendo pelo menos R$ 1.431,00 entre vencimento básico (R$ 1.060,00) + pó de giz (20%) + três aulas de extensão como pagamento pelo terço de tempo extraclasse. O que é ainda muito pouco, diga-se de passagem;

4) porque o governo está contrariando todas as leis, tanto a federal - do piso -, quanto a lei estadual - do subsídio -, ao não implantar o piso no antigo regime remuneratório. Isto tem ocasionado perdas gigantescas para cerca de 35 a 45% dos educadores que possuem as gratificações como biênios e quinquênios, e que continuam recebendo, pela tabela do subsídio, valores muito inferiores aos que têm direito no antigo regime remuneratório para o qual já fizeram opção, segundo a lei estadual;

5) porque o governo tem obrigação legal para com os profissionais do magistério, e moral para com as demais carreiras, de reajustar todos as tabelas de vencimento básico do antigo sistema remuneratório em pelo menos 93% - índice que corresponde ao reajuste do valor dos vencimentos básicos para se chegar ao valor do piso mínimo exigido por lei. Para se ter uma idéia, um profissional com ensino médio (PEB1A) no antigo sistema, até 31 de dezembro de 2010 recebia como vencimento básico apenas R$ 369,00. Pela lei do piso, aplicado de acordo com o valor do MEC (R$ 1.187,00 para até 40 horas para o profissional do magistério com ensino médio), o vencimento básico deste profissional aqui em Minas deveria ser de pelo menos R$ 712,20; o vencimento básico do professor com licenciatura curta deveria ser de R$ 868,88; para a licenciatura plena (PEB3A), R$ 1.060,00; e para a especialização (PEB4A) R$ 1.293,24 e assim por diante - e sobre estes valores devem incidir as gratificações e vantagens adquiridas;

6) porque ao implantar a Lei do Subsídio o governo confiscou pelo menos o equivalente a duas Cidades Administrativas do bolso dos educadores. E o equivalente a mais uma Cidade Administrativa em 2003, quando cortou as gratificações dos servidores que ingressaram na carreira a partir daquela data - ou quando criou leis esdrúxulas, que confiscam tais direitos para os professores que ficaram fora de sala durante 300 dias, seja por doença, licenças outras, ou por não terem conseguido contrato com o estado;

7) porque Minas Gerais não aplica os 25% da receita na Educação, conforme revela o presidente do Sindifisco, Lindolfo Fernandes. A ser verdadeira esta revelação, pergunta-se: para onde estariam sendo transferidos os recursos da Educação? Para as empreiteiras? Para os banqueiros? Para os diretores do TCE que votam a favor da aprovação das contas do governo? Para o Papa? Para a Copa? Para os políticos amigos? Isso só o governo poderá responder. Mas, uma coisa é certa: para os educadores é que não é;

8) porque devemos denunciar também a omissão do governo Federal que não reajusta o nosso piso para pelo menos o valor defendido pela CNTE de R$ 1.597,00. Além disso, o governo federal se omite de cobrar dos governos estaduais e municipais o cumprimento imediato do pagamento do piso, tendo em vista a decisão definitiva tomada pelo STF. Vale lembrar também que o ex-presidente Lula, que sancionou a Lei do Piso, infelizmente cometeu o equívoco de vetar o artigo 7º desta lei, que dizia textualmente:

Art. 7º - Constitui ato de improbidade administrativa a inobservância dos dispositivos contidos nesta Lei, sujeito às penalidades previstas pela Lei no 8.429, de 2 de junho de 1992."

Ou seja, o governante que descumprisse essa lei seria responsabilizado perante a Justiça, podendo ter o mandato cassado, entre outras formas de punição pelo descumprimento da lei.

9) porque a nossa categoria, pelo menos uma parte dela, precisa tomar vergonha na cara e parar de fugir da responsabilidade e do compromisso com a nossa luta pela valorização das carreiras da Educação. Questões passageiras ou pessoais, como: férias prejudicadas, reposição de aula aos sábados, dívidas contraídas para compra de uma TV LCD 60 polegadas ou de um carro Zero, etc, etc, não podem servir de pretexto para impedir a conquista de direitos e vantagens que serão usufruídas por todos, durante os próximos anos da nossa vida.

Portanto, colegas educadores, é hora de focarmos o nosso objetivo na greve geral por tempo indeterminado, parando as escolas e mobilizando a comunidade para que, juntos, possamos pressionar o governo em favor das nossas justas reivindicações.

Um forte abraço e força na luta!



P.S.: uma boa matéria produzida pelo jornalista Nikolas Spagnol, intitulada "Prioridade Zero - Baixo salário na rede estadual motiva greve pelo segundo ano consecutivo" pode ser lida aqui.

***
"Anônimo:

Ufa!!! Que prazer perceber que o Euler de semanas atrás está retornando! E isso aí, colega: força na luta! Vc é força para todos nós! Abraços."

"CASSIA:

EITA EULER VELHO DE GUERRA, AGORA SIM.
SEI QUE A SUA CORAGEM E INTELIGÊNCIA ESTAVA APENAS DESCANSANDO, E COMO UM BRAVO COLEGA DE MONTES CLAROS DISSE ONTEM, EM NOSSA ASSEMBLEIA, GREVE: É CORAGEM DE LUTAR; CERTEZA DA VITÓRIA; ÁGUA NO CANTIL E FORÇA NA LUTA!
CONFIAMOS E PRECISAMOS DE SUA COERÊNCIA E OBJETIVIDADE, MAS ENTENDEMOS QUE OS BONS GUERREIROS TAMBÉM PRECISAM DE FRAQUEJAR PARA REDESCOBRIREM SUA FORÇA!
OBRIGADA!!!
"

"Anônimo:

Remexendo em papéis aqui na minha casa encontrei alguns contra cheques que acho que deveria ser mostrado em seu blog por ser confiável e lido por muitos sofredores como eu.Veja o absurdo. Em 2009 tinha 26 anos de profissão com superior e pós graduação, PEB3A e recebia 1.597,91, décimo terceiro de dez/2010 recebi 1.354,54, contra cheque de dez/2010 recebi 1.340,33. Achei interessante colocar esses valores, pois um dos meus filhos concluiu que estudei para ganhar menos. Resumindo, com esse salário de fome tenho que sustentar minha casa, meus filhos na escola porque ainda estudam, são menores, não é possível trabalhar e sou viúva. Isso é só um desabafo, porque para o governador ele nunca vai saber como é sobreviver com esse salário de fome porque ele nunca foi assalariado e nunca precisou medir a água e o fubá para sobreviver, porque nós professores sempre bancamos a vida de marajás que eles levam. Obrigada pelo espaço valioso que temos em seu blog Euler."


"Anônimo:

Prezado amigo Euler, por favor me esclareça: no dia 04-04-11 assinei meu requerimento de aposentadoria, dia 05-05-11 voltei para remuneração antiga. Terei direito ao 6º quinquênio, trintenário, férias-prêmio, mesmo antes da publicação deste retorno pela SEE-MG? Grato pela sua habitual atenção."

Educadores do Rio de Janeiro também na luta:

IMAGENS DA PASSEATA DOS PROFESSORES. RIO, 10/06/2011

"Anônimo:

ATÉ QUE ENFIM.LEIA NO BLOG DA BEATRIZ CERQUEIRA .SIND-UTE DENUNCIA GOVERNADOR POR NÃO CUMPRIR LEI FEDERAL."

Informes que chegam via e-mail:


ATENÇÃO EDUCADORES DE MONTES CLAROS, AGENDA DA GREVE:

* SABADÃO NO MERCADO(11/06) - PANFLETAGEM A PARTIR DAS 9:00;

* SEGUNDA: VISITAS AS ESCOLAS PELA MANHÃ E A TARDE (16:00) TODOS(AS) CARACTERIZADOS(AS) NO ARRAIÁ EDUCACIONÁ - CASAMENTO DO NHÔ PISO CÁ SINHAZINHA CARREIRA, SANFONEIRO, QUADRILHA, PIPOCA E MUUUUUITA ANIMAÇÃO.



"
S.O.S. Educação Pública:

Caro Euler

Andei sumida por causa da preparação da nossa GREVE, finalmente saiu.

Os funcionários da educação, os bombeiros, os médicos e os PMs do estado do Rio de Janeiro, o segundo mais rico da união, está ficando mundialmente conhecido como o funcionalismo de 0,99! O aluguel pago pela Seeduc por aparelho de ar condicionado, 800 reais, é maior do que o salário de um professor ou de um bombeiro.

Domingo, todos unidos vamos dar a nossa resposta na passeata a ser realizada em Copacabana. A mídia com certeza vai boicotar, mas a Internet, nos dá a garantia de mostrar para todo o Brasil a nossa indignação, vamos encher a rede com as imagens e os vídeos do evento.

Aproveito para parabenizar todos os colegas mineiros, pela garra e determinação.

União, Força e Perseverança! A valorização do docente é uma questão nacional, pertence a todos nós! Unidos em torno de um mesmo ideal seremos vitoriosos.

Não deixe de documentar o movimento com imagens, só assim podemos desmascarar a fala dos poderosos e furar o boicote da mídia, que tudo estão fazendo para desqualificar e enfraquecer os nossos movimentos. A Internet nos deu voz e visibilidade!

Grande abraço a todos!

Graça Aguiar"

Luciano História:

Amigo Euler, estou muito decepcionado, chateado com os meus colegas aqui de Janaúba, a adesão a greve foi mínima, inexpressiva, mesmo com a liderança sindical falando a importância do movimento muitos não aderiram por vários motivos, uns são absurdos: a escola tal não aderiu eu também não vou, não vou perder meus finais de semana repondo aulas, tenho contas para pagar (quem não tem), se nossa escola entrar de greve vai perder alunos para as escolas que não entrarem (infelizmente aqui em Janaúba existe a escola José Gorutuba onde os professores com exceção de 6 dúzia, não entram em greve e muitos pais levam seus filhos para o colégio queridinho do governo). O que mais me deixou chateado foram professores com mais de 20 anos não aderirem, olham apenas para o umbigo e acham que o protocolo de retorno a antiga carreira já está de bom tamanho para garantir o pagamento do piso, enquanto os militares exigem um piso de 4000,00 essa classe no qual estou com vergonha de pertencer não tem coragem de exigir o cumprimento de uma lei federal".

"
Comentário do Blog: entendo sua justa indignação, amigo Luciano, mas temos que resistir e tocar o barco. Em toda parte sempre tem uma turma que espera um tempo antes de aderir e até mesmo aqueles que nunca aderem. Se dependermos destes, jamais conquistaremos um centavo. Aliás, eles mereciam ganhar salário mínimo e estariam muito bem pagos. Desculpem a minha franqueza.

Procure manter contato com as pessoas que estão dispostas a lutar e formem um comando de greve na região; reúnam-se e façam um arrastão pelas escolas. Fizemos isso aqui na última greve e funcionou bem. Muitas escolas, cujos profissionais fingiam que aquele movimento nada tinha a ver com eles, caíram na real após as nossas insistentes visitas.

Procurem provocar também os alunos e os pais de alunos, explicando a nossa situação e de como essa realidade é prejudicial para a Educação e, consequentemente, para os alunos. Professor que não aderir a greve neste momento presta um desserviço à Educação, e isso precisa ser dito para os alunos e pais de aluno.

Daqui a pouco nenhum bom profissional vai querer lecionar e os cargos serão preenchidos por pessoas sem preparo para tal atividade. Onde estarão estes furadores de greve neste instante? Provavelmente choramingando em alguma esquina, reclamando dos baixos salários que eles ajudaram a manter, com a omissão nos momentos de luta.

A comunidade precisa entender que a escola que fura greve não é boa referência. Pelo contrário: é sinal de que alguma coisa está errada naquela escola. A primeira coisa errada que grita aos nossos ouvidos: a despolitização, a ignorância, a ausência de cidadania e a incompreensão dos direitos conquistados. Um profissional desprovidos dessas competências e conhecimentos e experiência prática não pode ser considerado um bom profissional. Jamais gostaria que um sobrinho, ou filho de algum amigo meu passasse pelas mãos de um professor com este grau de atraso.

Fazer greve não é sinônimo de irresponsabilidade ou coisa de maus profissionais. Pelo contrário: fazer greve é coisa para bons profissionais, principalmente quando se trata de uma luta justa e necessária como a que agora estamos organizando. Ao mesmo tempo, como disse no post acima, as razões pessoais não podem sobrepor-se aos interesses de classe. Todo mundo tem inúmeras razões para não correr riscos e ter o ponto cortado. Mas, se assim procedermos, nunca conquistaremos nada. E as nossas dívidas vão aumentar, já que com este salário de fome não dá para ter uma vida digna.

Que os colegas de Janaúba, aqueles que ainda não aderiram à greve, revejam sua posição e entrem no movimento com toda a energia para que possamos arrancar juntos os nossos direitos, através da única linguagem que este governo entende: a da luta!


Um forte abraço e força na luta!"




"Anônimo:

Bom dia Euler!URGENTE

UOL EDUCAÇÃO divulga matéria importantíssima sobre a greve que está acontecendo em oito ESTADOS BRASILEIROS (incluindo MG). Por favor, divulgue em seu blog para que os colegas mineiros ainda indecisos se aderem ou não a greve possam refletir de que esse é o melhor momento.

A EDUCAÇÃO NACIONAL PARALISADA É UM MOMENTO HISTÓRICO.

ABRAÇO A TODOS!!!


http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/06/10/professores-da-rede-publica-estao-em-greve-em-pelo-menos-oito-estados.jhtm

Comentário do Blog:
e enquanto isso a CNTE, que deveria organizar uma paralisação nacional e dar visibilidade a este movimento nacional, inclusive com propaganda paga em rádios e TVs e jornais, simplesmente dorme. Quando todas as greves terminarem aí esta entidade vai propor paralisação de um dia, não se sabe bem para quê. O nosso momento é este, é agora, temos que levantar o Brasil e mostrar que não dá mais para continuar com essa realidade dramática de descaso para com a Educação e com os educadores. Vamos divulgar as nossas lutas e as lutas dos colegas dos outros estados e fazer chegar o nosso grito aos governos federal, estaduais e municipais.

"
Alexandre Campos:

Enqunato nos organizamos em greve o governo vem só falando que em Minas a educação vai bem e muito obrigado!

Veja no link da secretaria :
https://www.educacao.mg.gov.br/imprensa/noticias/2059-plano-nacional-de-educacao-e-discutido-em-belo-horizonte

Tiveram reunião e ainda disseram que Minas aprovou o Plano Decenal da Educação em Minas. Aprovou sim através de leis delegadas sem consulta a qualquer comunidade e aos educadores. Esse bando de mentirosos, quando a casa destes vai começar a cair. É de deixar qualquer indignado o descaso do governo com nós profissinais em educação.
Força Sempre!!!
"

"Anônimo:

EULER , A SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO JÁ DISSE A APEOSP QUE VAI CUMPRIR RIGOROSAMENTE A DECISÃO DO STF, INCLUSIVE O TERÇO DE TEMPO EXTRA CLASSE, PORQUE O ANASTASIA NÃO FAZ O MESMO.

http://apeoespsub.org.br/teste/Fax/Fax_4511.pdf
"

"Anônimo:

Juiz obriga Prefeita Cleide Oliveira a pagar o piso nacional aos Professores do Município.

http://bloglivreopiniao.blogspot.com/2011/02/juiz-obriga-prefeita-cleide-oliveira.html
"

"Anônimo:

Caro Euler,
sinto-me orgulhosa em ter em nossa categoria uma pessoa como você!
No primeiro dia da greve eu estava me sentindo tão vazia, pois depois de participar de tantas
outras greves, ainda vejo na escola aqueles amigos do desgovernador, que só criticam o sindicato e nada fazem e NUNCA fizeram pela causa que deveria ser de todos mas não se constrangem em deixar alguns poucos irem à luta. É uma lástima, pois muitas vezes se gabam de ser durões com os alunos (é fácil,né?).

Felizmente,voltei ao ânimo (confesso, depoisde voltar a este blog) e também por entender que sindicato somos nós e devemos estar juntos na caminhada.

P.S. fico impressionada com uma coisa: muitos que reclamam do e às vezes tem anos da profissão sequer são sindicalizados e nunca participaram de nenhuma assembléia.
"

"
marcia:

Euler, no jornal Estado de Minas Gerais pág. 9 a secretaria da educação postou uma nota com o titulo Educação Pública. Nele ela atesta que MG já paga o Piso através do subsidio. Que a lei 11.738/2008 estabele um piso de 1187,00 que com a proporcionalidade seria 712,00. E no subsidio o valor pago em MG é de 1.122, portanto muito superior. E mais algumas pérolas, digna de resposta paga pelo SINDUTE para esclarecimento a população mineira da enganação dessa senhora.

Para ela não existe plano de carreira.
"

"
Anônimo:

EULER , ANASTASIA EM ENTREVISTA DISSE QUE MINAS PAGA O TERCEIRO MELHOR SALÁRIO DO PAIS E, NÃO TEM COMO NEGOCIAR MAIS, ESPERA APENAS O BOM SENSO DOS PROFESSORES.

http://eptv.globo.com/emc/VID,0,1,38580;4,governador+anastasia+visita+o+sul+de+minas.aspx
"

"
Anônimo:

Euler ,
Boa Tarde!
Você leu o Estado de Minas de hoje? Nele tem mais uma mentira ,desta feita , a Secretária Ana Lúcia A Gazzola ,diz que o governo já paga o piso.Piso é Piso e não subsídio que engoliu todas as vantagens adquiridas com os anos trabalhados de cada servidor.Creio que a Secretária esquece que o professor sabe tanto a diferença que já exigiu o retorno ao pagamento de dezembro de 2010. Pobre secretária!!!!!! Maris das Graças de Matos Maffra Professora Aposentada -Masp -2245355 -Timóteo"


Tema para o próximo post deste blog: Quando a cara de pau e o cinismo tentam substituir a verdade: piso não é subsídio.

"
Anônimo:

Gente, eu estou convencida de uma coisa: custe o que custar (corte de salários, ameaças, reposições em férias, seja lá o que for!) NÃO podemos desistir dessa greve e só poderemos voltar para as escolas com nosso Piso garantido. Não somos idiotas! Sei o quanto será difícil para nós (principalmente se houver corte de salário), mas de desistirmos agora, podemos esquecer de qualquer valorização da nossa categoria. É agora ou nunca! Se desistirmos, novamente serviremos de chacota para governos, secretários, pelegos e etc! Temos que arrancar esse piso. A lei está ao nosso favor. Vamos fazer o que for preciso. Se for preciso perder o ano, que se perca. Chega de sermos passados para trás. Precisamos de ações drásticas, doa a quem doer. Essa é a hora dos professores. Outros estados estão em greve pela valorização da educação. Não vamos desistir diante das pressões que certamente virão e a primeira será corte de dias, pois o governo sabe como nos "pegar" e ele vai mexer no bolso, pois sabe que assim muitos correrão para a escola com "o rabinho entre as pernas" (desculpem pela expressão, mas é o que acontece). Não vamos desistir enquanto não pagar. Vamos ver quem tem mais força: nós, uma categoria que se une dentro da lei ou esse governo fora da lei. Abraços!"

"
Maria Luiza D. Silveira:

Caro colega Euler, com salários dos professores nos níveis que este mesmo blog vem anunciando, que professor em Minas compra TV LCD ou carro Zero km? Este tipo de comentário pode trazer interpretações errôneas criando equívocos e contradições.

Maria Luiza D. Silveira"

Comentário do blog: cara colega Maria Luiza, com 360 meses de prestação é possível comprar um carro ou uma casinha de dois cômodos nos rincões de Minas. Comprar desta forma é possível. O problema é pagar. Ainda mais com este salário-de-fome-de-um-professor-de Minas (assim mesmo, tudo junto). E o pior ainda é deixar de fazer greve por conta destas supostas dívidas. Nada disso combina com a realidade que queremos, não é mesmo?

"
Cristina Costa:

Euler,

Adorei o título do novo post!!!!

Vai ser explicativo também para nossos colegas que não querem entender que deveriam voltar para o antigo regime.

Um abraço
"

"
Anônimo:

ACREDITO QUE A SECRETÁRIA, A SUBSECRETÁRIA E A ANA LÚCIA DEVEM ESTAR SENDO MUITO BEM REMUNERADAS PARA TER TAMANHO CINISMO E DIZER TANTA MENTIRA E PENSAR QUE AINDA CONSEGUE ENGANAR OS OUTROS. ESSE TEMPO JÁ FOI. INFORMAÇÕES NÓS TEMOS DURANTE 24 HORAS POR DIA."

"
cidalima.com:

É verdade que temos muitos colegas usando várias desculpas para não aderir ao movimento, e principalmente a perspectiva de reposição. Aliás, ficar na escola pra não ter o salário cortado é muita cara de pau. Vai ter que repor do mesmo jeito. Desculpe-me os colegas que estão nesta situação, mas não tem perdão para quem concorda em ganhar este mísero salário e ainda defender o direito de não participar do movimento. Qualquer profissional de curso superior ganha muito mais que o professor. Então tenho que concordar com O Euler quando diz que a escola que não para tem algum problema.Por que então o professor tem vergonha de ir pra rua exigir um direito que está garantido pelo SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. VERGONHA é para o governo do Estado de MG, o segundo estado mais rico do país, pagar vergonhosos salários para educação, saúde e segurança, alguma coisa está errada com este governo. Gente, vamos aderir ao movimento para garantirmos condições dignas para a nossa categoria agora, NÃO PODEMOS MAIS ESPERAR A BOA VONTADE DE NOSSOS GOVERNANTES. QUEM FAZ A HISTÓRIA SOMOS NÓS. CIDA"
.

"Thiago:

SOBRE OS APOSENTADOS
A imensa maioria dos aposentados da Rede Estadual de Educação aposentou-se com a percepção de todas as gratificações, contudo estas vem sendo retiradas ao longo das décadas de 1.990 e 2.000. Isto significa que a maioria aposentou-se com salários bem melhores que os R$1.320,00 atuais. Com o subsídio, O SALÁRIO DOS APOSENTADOS ESTÁ CONGELADO ENQUANTO O SUBSÍDIO NÃO ALCANÇAR SEUS VALORES, OU SEJA, ETERNAMENTE!!!
É UMA OBRIGAÇÃO MORAL E CLASSISTA, DE TODAS E TODOS, INDIVIDUAL E COLETIVAMENTE, POR MEIO DO SINDICATO, ORGANIZAR AMPLA CAMPANHA DE CONTATO E CONSCIENTIZAÇÃO DAS COMPANHEIRAS E COMPANHEIROS APOSENTADOS.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Mesmo que o Governo Estadual de Minas Gerais não pague salários dignos, é necessário ter clareza que ele cumpre o mínimo o qual é obrigado legalmente.
Mas, no oitavo país mais rico do mundo, no terceiro estado mais rico do país, cabe dizer que, OS EDUCADORES MINEIROS MERECEM MAIS QUE O PAGAMENTO MÍNIMO EXIGIDO POR LEI!
Proponho que nosso lema seja:
O ESTADO PODE, O EDUCADOR EXIGE!
PISO DO DIEESE, JÁ!
Um grande abraço a todos e todas companheiras de luta por este estado a fora,
Thiago Miranda
Contato: sapofilosofo@ig.com.br"

"
Thiago:

ACERCA DO PAGAMENTO POR SUBSÍDIO
Outro engano perpetrado pela direção sindical está na disseminação da ideia de que o pagamento dos trabalhadores de carreira não pode ocorrer por subsídio, pode sim! O SUBSIDIO PODE SER PAGO A FUNCIONÁRIOS DE CARREIRA, SIM!
A Constituição da República regulamenta o pagamento sob a forma de subsídio no parágrafo 4º de seu art. 39. Vejamos:
Art. 39 (...) § 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
Porém, o mesmo artigo, contudo no parágrafo 8º, faculta ao administrador público remunerar, por meio de subsídio, os servidores organizados em carreira, como ocorreu com os professores, cito:
"§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em carreira poderá ser fixada nos termos do § 4º. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)"
A LEI É CLARA E AS CONTESTAÇÕES SÃO DISPENSÁVEIS. OUTRA VEZ O SINDICATO É PARCIAL EM SUA AVALIAÇÃO E NÃO CONSIGO ENTENDER SUAS MOTIVAÇÕES!
Subsídio é uma forma de pagamento do funcionalismo público diversa do pagamento por salário base acrescido de gratificações.
A SAÍDA DA POLÍTICA DE SUBSÍDIO E RETORNO AO MODO ANTIGO DE REMUNERAÇÃO É ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIA.
Mas, digam-me, isso se faz com os braços cruzados na greve?
NÃO!!!
Isso se faz na luta diária dentro da escola e findo o tempo da volta ao modo antigo de pagamento, a greve forte e coesa, pelo pagamento integral do piso salarial para o cargo de 24h/s no salário base. Creio que mobilizações semanais, visando esclarecimentos diversos, horários diminuídos nas escolas para reunião de formação política dos trabalhadores em educação e mobilizações em escolas cujo retorno ao salário-base ainda é uma dúvida seriam ações muito mais pertinentes.
O total de remuneração que tínhamos ao final do ano passado que se constituía de salário base+gratificação foi usado como BASE DE CÁLCULO PARA O SUBSÍDIO. A partir de então, desaparece o salário base e desaparecem as gratificações, elas não estão inclusas no subsídio, elas desaparecem! Neste sentido, o governo estadual paga o piso. Então, qual o problema em aceitarmos o subsídio?
O SUBSÍDIO É NOCIVO AO TRABALHADORES, POIS NOS TRANSFORMA EM TRABALHADORES SEM CARREIRA E TODO O PISO TRANSFORMA-SE TAMBÉM EM TETO POIS IMPEDE O PAGAMENTO DE QUALQUER GRATIFICAÇÃO.
A resposta é simples e grave - considero que este é o grande argumento no qual a direção sindical, caso estivesse sendo sincera com a classe de professores usaria- O SUBSÍDIO NÃO POSSIBILITA QUALQUER FORMA DE GRATIFICAÇÃO. Isso significa: SUBSÍDIO É PROFISSÃO SEM CARREIRA.
A SAIDA DO SUBSÍDIO E RETORNO AO MODO ANTIGO DE REMUNERAÇÃO É ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIA!
Mas, digam-me, o convencimento dos demais companheiros de trabalho far-se-á com os braços cruzados, em greve?
NÃO!!!
Isso será feito na luta diária dentro da escola com reuniões diárias para o convencimento do maior número de companheiras e companheiros possível e na visitação de escolas cujos companheiros não estejam plenamente esclarecidos acerca da situação atual.
Findo o tempo para volta ao modo antigo de pagamento, a greve, forte e coesa, torna-se medida pertinente e necessária pelo pagamento integral do piso salarial para o cargo de 24h.
Portanto, A GREVE AGORA É UM ERRO!"

Comentário do Blog: caro Thiago, não há mais espaço para questionarmos a oportunidade da greve, pois ela já está em plena vigência, com a aprovação da categoria em duas assembleias. Além disso, a greve é uma oportunidade muito rica sim, para convencermos os colegas a abandonarem o subsídio e mostrarmos ao mesmo tempo, para a comunidade, o que representa esse sistema, que é a negação da lei do piso. Por último, se formos esperar pelo fim do prazo de opção, isso pode demorar três anos, pois o governo pode prorrogar o prazo de opção de carreira indefinidamente. A greve é agora e a nossa oportunidade de lutar para mudar, também!

"Anônimo:

NÃO DEVEMOS NUNCA ESQUECER QUE EM 24/MAIO DE 2010 A MESMA DIREÇÃO SINDICAL CANTOU O SUBSÍDIO COMO UMA VITÓRIA DA CATEGORIA...TUDO MUITO ESQUISITO..."

"Thiago:

Caro Euler e todos os demais companheir@s de lutas,
É histórico o modo como as vanguardas e direções traem as bases. Isso não é novidade para ninguém!
E, se o companheiro Euler tem se sentido combalido com este movimento, eu venho fazer parte de seu sentimento.
O sindicato, cuja direção é majoritariamente ligada ao PT, está a ocultar análises mais apuradas sobre a situação atual de nossa categoria e ele não faz isso por inocência. Aliás, amigo Euler, a inocência não é virtude, é defeito. Um adulto que confia em líderes tal qual uma criança em seus pais é digno de constrangimentos e não de elogios. Sou adulto e tenho, em eleições representativas, voto nulo, pois, não aceito colocar minhas responsabilidades nas mãos de outrem e não admito que coloquem palavras em minha boca. Quando movimentos subtraem minha individualidade sou egoísta e quando os egoísmos tendem a destruir a sociedade, defendo os interesses comuns. Não interpreto esta maleabilidade como indecisão, mas como bom-senso. Prefiro Aristóteles à Platão, pois, aquele teve, ao romper com seu mestre, mais amor à Verdade. Neste sentido, NÃO TENHO NENHUM MEDO DE ROMPER COM O MOVIMENTO, NEM DE DIVIDI-LO SE ISSO VIER A CONTRIBUIR POR UMA CONSCIENCIA MAIOR DA CLASSE DE TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO E, ASSIM, COLOCAR NOSSA LUTA EM BASES MAIS FIRMES.
Deste modo, gostaria de levantar alguns pontos que considero de suma importância neste momento.
ACERCA DO PAGAMENTO DO PISO SALARIAL DOS NACIONAL DE PROFESSORES
A greve foi mobilizada pelo sindicato com os seguintes argumentos:
1) O Estado de Minas não paga o Piso Nacional Salarial de Professores. DISCORDO!
A Lei 11.738/08, que regulamenta o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica preceitua em seu art. 2º, parágrafo 1º, que:

§ 1o O piso salarial profissional nacional é o valor abaixo do qual a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios não poderão fixar o vencimento inicial das Carreiras do magistério público da educação básica, para a jornada de, NO MÁXIMO, 40 (quarenta) horas semanais.

E no seu parágrafo 3º. :

§ 3o Os vencimentos iniciais referentes às demais jornadas de trabalho serão, no mínimo, PROPORCIONAIS ao valor mencionado no caput deste artigo.

Desta maneira, o governo de Minas Gerais cumpre os preceitos legais.
Cabe a espera para saber se, ao voltarmos a receber por salário base +gratificação, o piso, no mínimo proporcional, será respeitado. Mas, dado que ainda não voltamos a receber pela remuneração antiga, cabe-nos, por hora, esperar, ou reivindicar através das lutas, a volta imediata, por parte do governo estadual, para a anterior forma de remuneração.
Isto, em minha opinião, é uma reivindicação acertada para a greve, mas, dizer, simplesmente, que o governo não paga o piso, é uma falácia!
Entendo perfeitamente que esse salário não nos atende, mas não podemos movimentar milhares de professores a partir de informações fragmentadas e análises falaciosas.
ISSO É DESRESPEITO COM QUALQUER SER REFLEXIVO, ISSO É DESRESPEITO COM TODA A CLASSE DE PROFESSORES!!!
Imaginem, meus camaradas, um companheiro que viaja 4,5,6,12 horas, para lutar por si e pelos demais e depois de semanas de greve e/ou manifestações, sair com a mão abanando, não porque a disposição fora pouca, mas porque as direções sindicais possuem interesses partidários no universo político e usam a base de trabalhadores como massa de manobra, como uma boiada na mão do peão. TENHO TANTO HORROR DA INOCÊNCIA QUANTO DOS GOVERNANTES!"


Comentário do Blog: suas premissas políticas e filosóficas são consistentes, respeitáveis, mas sua análise não está correta. No caso do piso, não é correto dizer que Minas já o paga, como demonstrei em vários posts, e no último que escrevi, com maior força. O governo de Minas só poderia afirmar que já paga o piso se: 1) não houvesse outro sistema remuneratório (inclusive anterior ao subsídio) e se nesse outro sistema o governo já tivesse implantado o piso, o que não aconteceu; 2) se o STF tivesse considerado o piso enquanto remuneração total, e não enquanto vencimento básico, coisa que ficou clara para todos. E na medida em que a própria lei do Subsídio assegura o retorno de opção de sistema remuneratório para quem o desejar, fica evidenciado que Minas não paga o piso, pois está se recusando a aplicá-lo no antigo regime remuneratório, que é a opção da maioria da categoria. Quanto à direção sindical, devemos disputar as nossas convicções diretamente com a base, sem que isso represente a paralisia do movimento. Neste momento, por exemplo, estamos em greve e não importa mais se a direção defende o piso do DIEESE ou do MEC. O que importa agora é que o governo pague o piso, seja o do MEC ou do CNTE. No momento em que o governo apresentar uma proposta concreta a categoria saberá analisá-la em assembleia. O movimento é maior do que a direção e a luta real de milhares de pessoas pode sempre surpreender. Estejamos focados nessa luta, que agora está materializada na nossa greve. Um abraço e força na luta!

"
Anônimo:

Quando me separei do meu marido tive que entrar na justiça para pedir a pensão para minha filha, me senti tão constrangida por estar lá, mesmo sabendo que estava agindo de forma correta e dentro da lei, me senti humilhada.
Hoje, estou com o mesmo sentimento, estudei anos e me preparei para estar a frente dos meus alunos, continuo estudando procurando sempre melhorar e me aperfeiçoar, e o que tenho em troca é o cinismo do NOSSO GOVERNADOR dizendo que o q ganhamos esta otimo e dentro da lei.

Apenas o que queremos senhor Anastasia é poder criar nossos filhos com dignidade, podendo lhes oferecer uma vida melhor, com tempo para escuta-los e brincar.

Como professora sempre digo aos pais "tenham tempo para seus filhos, tempo de qualidade, escute-os, brinque com eles, dêem risadas, assistam desenhos juntos, vão jogar bola, brincar de boneca, etc." Que ótima professora sou eu que dou incentivos aos pais, que péssima mãe sou eu que para poder bancar as necessidades básicas da minha família não tenho tempo nem de ver a minha filha acordada, quem dirá brincar com ela.

Quando resolvi estudar pedagogia, não era sonho, era uma meta, eu cresci dentro da escola com a minha mãe, a ajudava a corrigir os cadernos, tomava leitura dos alunos, eu sempre amei estar naquele mundo, minha mãe tb não tinha tempo para brincar comigo, mas o tempo que eu tinha eu ficava ao lado dela ajudando-a.

CHEGA ANASTASIA, FAZ DÉCADAS QUE A EDUCAÇÃO NÃO É TRATADA COM RESPEITO E DIGNIDADE.... DEUS DISSE PARA VIVERMOS EM ABUNDÂNCIA, E O QUE TENHO VIVIDO EM ABUNDÂNCIA É PARA MEU TRABALHO.... PRECISO TAMBÉM VIVER EM ABUNDÂNCIA PARA A MINHA FAMÍLIA.

Desculpe o desabafo, mas é assim que ando me sentindo..."

"Anônimo:

Sou professora há cerca de vinte anos em uma escola estadual e estou muito angustiada com a atual situação que vivo na mesma. Antes era escola de referência, muitas escolas da região de Ouro Preto, aguardavam sua posição em relação às greves e por que sempre nós estávamos em todas.

Hoje a situação é outra, os profissionais que estão hoje nesta escola não aderem de forma alguma a greve e dizem estarem satisfeitos com o salário que recebem. Usam de vários subterfúgios e pressionam funcionários contratados, dizendo aos mesmos que poderão perder seus empregos.

Que profissional é este?

Eu como mãe não gostaria de ter professores como estes para meus filhos.. não ensinam cidadania, não ensinam lutar por direitos.

Somos professores e temos que dar bons exemplos aos nossos alunos.

Enquanto os profissionais da educação não se conscientizarem que é a união que dá força ao movimento, nunca vamos conseguir nada, olha o movimento dos bombeiros do RJ, não se intimidam, quanto mais pressão mais unidos estão, e o apoio da população é maravilhoso.

Com certeza vão ser vitoriosos."

"Marina:

Prezado Euler,

Também li ontem no Estado de Minas o texto da nossa secretária de Educação. Ela nada mais faz que reafirmar os absurdos que tem sido colocado na mídia, falsidades a respeito do subsídio, com um único objetivo: enfraquecer nosso movimento. Será que já estamos incomodando tanto assim? Tomara...
Abraços".


"Helena:

Oi, você que ainda não aderiu ao movimento de defesa dos professores, você que quer pegar carona no esforço e sacrifício de seus colegas,cruzando confortavelmente os seus bracinhos, furando uma greve que tem base legal e oportunidade de vitória, você que com certeza quer ter um salário digno também,porém, às custas da luta alheia, será que você não se envergonha de comportar-se como parasita? Você é ou não é um educador? Dê a mão aos aos seus colegas, lute também , mereça o que for conseguido na greve, junte-se a nós, não seja covarde!!!!!! Helena"


28 comentários:

  1. Ufa!!! Que prazer perceber que o Euler de semanas atrás está retornando! E isso aí, colega: força na luta! Vc é força para todos nós! Abraços.

    ResponderExcluir
  2. EITA EULER VELHO DE GUERRA, AGORA SIM.
    SEI QUE A SUA CORAGEM E INTELIGÊNCIA ESTAVA APENAS DESCANSANDO, E COMO UM BRAVO COLEGA DE MONTES CLAROS DISSE ONTEM, EM NOSSA ASSEMBLEIA, GREVE: É CORAGEM DE LUTAR; CERTEZA DA VITÓRIA; ÁGUA NO CANTIL E FORÇA NA LUTA!
    CONFIAMOS E PRECISAMOS DE SUA COERÊNCIA E OBJETIVIDADE, MAS ENTENDEMOS QUE OS BONS GUERREIROS TAMBÉM PRECISAM DE FRAQUEJAR PARA REDESCOBRIREM SUA FORÇA!
    OBRIGADA!!!

    ResponderExcluir
  3. Remexendo em papéis aqui na minha casa encontrei alguns contra cheques que acho que deveria ser mostrado em seu blog por ser confiável e lido por muitos sofredores como eu.Veja o absurdo.Em 2009 tinha 26 anos de profissão com superior e pós graduação,PEB3A e recebia 1.597,91,décimo terceiro de dez/2010 recebi 1.354,54, contra cheque de dez/2010 recebi 1.340,33.Achei interessante colocar esses valores, pois um dos meus filhos concluiu que estudei para ganhar menos.Resumindo com esse salário de fome tenho que sustentar minha casa , meus filhos na escola porque ainda estudam,são menores, não é possível trabalhar e sou viúva.Isso é só um desabafo,porque para o governador ele nunca vai saber como é sobreviver com esse salário de fome porque ele nunca foi assalariado e nunca precisou medir a água e o fubá para sobreviver,porque nós professores sempre bancamos a vida de marajás que eles levam.Obrigada pelo espaço valioso que temos em seu blog Euler.

    ResponderExcluir
  4. Prezado amigo Euler, por favor me esclareça: no dia 04-04-11 assinei meu requerimento de aposentadoria, dia 05-05-11 voltei para remuneração antiga. Terei direito ao 6º quinquênio, trintenário, férias-prêmio, mesmo antes da publicação deste retorno pela SEE-MG? Grato pela sua habital atenção.

    ResponderExcluir
  5. ATÉ QUE ENFIM.LEIA NO BLOG DA BEATRIZ CERQUEIRA .SIND-UTE DENUNCIA GOVERNADOR POR NÃO CUMPRIR LEI FEDERAL.

    ResponderExcluir
  6. Caro Euler

    Andei sumida por causa da preparação da nossa GREVE,finalmente saiu.

    Os funcionários da educação, os bombeiros, os médicos e os PMs do estado do Rio de Janeiro, o segundo mais rico da união, está ficando mundialmente conhecido como o funcionalismo de 0,99! O aluguel pago pela Seeduc por aparelho de ar condicionado, 800 reais, é maior do que o salário de um professor ou de um bombeiro.

    Domingo, todos unidos vamos dar a nossa resposta na passeata a ser realizada em Copacabana. A mídia com certeza vai bocotar, mas a Internet, nos dá a garantia de mostrar para todo o Brasil a nossa indignação, vamos encher a rede com as imagens e os vídeos do evento.

    Aproveito para parabenizar todos os colegas mineiros, pela garra e determinação.

    União, Força e Perseverança! A valorização do docente é uma questão nacional, pertence a todos nós! Unidos em torno de um mesmo ideal seremos vitoriosos.

    Não deixe de documentar o movimento com imagens, só assim podemos desmascarar a fala dos poderosos e furar o boicote da mídia, que tudo estão fazendo para desqualificar e enfraquecer os nossos movimentos. A Internet nos deu voz e visibilidade!

    Grande abraço a todos!

    Graça Aguiar

    ResponderExcluir
  7. Amigo Euler, estou muito decepcionado, chateado com os meus colegas aqui de Janaúba, a adesão a greve foi mínima, inexpressiva,,mesmo com a liderança sindical falando a importância do movimento muitos não aderiram por vários motivos, uns são absurdos: a escola tal não aderiu eu também não vou, não vou perder meus finais de semana repondo aulas, tenho contas para pagar( quem não tem), se nossa escola entrar de greve vai perder alunos para as escolas que não entrarem( infelizmente aqui em Janaúba existe a escola José Gorutuba onde os professores com excessão de 6 dúzia,não entram em greve e muitos pais levam seus filhos para o colégio queridinho do governo).O que mais me deixou chateado foram professores com mais de 20 anos não aderirem, olham apenas para o umbigo e acham que o protocolo de retorno a antiga carreira já está de bom tamanho para garantir o pagamento do piso, enquanto os militares exigem um piso de 4000,00 essa classe no qual estou com vergonha de pertencer não tem coragem de exigir o cumprimento de uma lei federal.

    ResponderExcluir
  8. Bom dia Euler!URGENTE
    UOL EDUCAÇÃO divulga matéria importantíssima sobre a greve que está acontecendo em oito ESTADOS BRASILEIROS (incluindo MG). Por favor, divulgue em seu blog para que os colegas mineiros ainda indecisos se aderem ou não a greve possam refletir de que esse é o melhor momento. A EDUCAÇÃO NACIONAL PARALISADA É UM MOMENTO HISTÓRICO. ABRAÇO A TODOS!!!
    http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/06/10/professores-da-rede-publica-estao-em-greve-em-pelo-menos-oito-estados.jhtm

    ResponderExcluir
  9. EULER ,A SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO JÁ DISSE A APEOSP QUE VAI CUMPRIR RIGOROSAMENTE A DECISÃO DO STF, INCLUSIVE O TERÇO DE TEMPO EXTRA CLASSE, PORQUEO ANASTASIA NÃO FAZ O MESMO.

    http://apeoespsub.org.br/teste/Fax/Fax_4511.pdf

    ResponderExcluir
  10. Juiz obriga Prefeita Cleide Oliveira a pagar o piso nacional aos Professores do Município.

    http://bloglivreopiniao.blogspot.com/2011/02/juiz-obriga-prefeita-cleide-oliveira.html

    ResponderExcluir
  11. Enqunato nos organizamos em greve o governo vem só falando que em Minas a educação vai bem e muito obrigado! Veja no link da secretaria :https://www.educacao.mg.gov.br/imprensa/noticias/2059-plano-nacional-de-educacao-e-discutido-em-belo-horizonte
    Tiveram reunião e ainda disseram que Minas aprovou o Plano Decenal da Educação em Minas. Aprovou sim através de leis delegadas sem consulta a qualquer comunidade e aos educadores. Esse bando de mentirosos, quando a casa destes vai começar a cair. É de deixar qualquer indignado o descaso do governo com nós profissinais em educação.
    Força Sempre!!!

    ResponderExcluir
  12. Caro Euler,
    sinto-me orgulhosa em ter em nossa categoria
    uma pessoa como você!
    No primeiro dia da greve eu estava me sentindo
    tão vazia,pois depois de participar de tantas
    outras greves,ainda vejo na escola aqueles amigosdodesgovernador,que só criticam o sindicato e nada fazem e NUNCA fizeram pela causa que deveria ser de todos mas não se constrangem em deixar alguns poucos irem à luta.É uma lástima,pois muitas vezes se gabam de ser durões com os alunos(é fácil,né?).
    Felizmente,voltei ao ânimo(confesso,depoisde voltar a este blog)e também por entender que sindicato somos nós e devemos estar juntos na
    caminhada.
    P.S.
    fico impressionada com uma coisa:muitos que
    reclamam do e às vezes tem anos da profissão
    sequer são sindicalizados e nunca participaram de nenhuma assembléia.

    ResponderExcluir
  13. Euler, no jornal Estado de Minas Gerais pág. 9 a secretaria da educação postou uma nota com o titulo Educação Pública. Nele ela atesta que MG já paga o Piso através do subsidio. Que a lei 11.738/2008 estabele um piso de 1187,00 que com a proporcionalidade seria 712,00. E no subsidio o valor pago em MG é de 1.122, portanto muito superior. E mais algumas pérolas, digna de resposta paga pelo SINDUTE para esclarecimento a população mineira da enganação dessa senhora.
    Para ela não existe plano de carreira.

    ResponderExcluir
  14. EULER , ANASTASIA EM ENTREVISTA DISSE QUE MINAS PAGA O TERCEIRO MELHOR SALARIO DO PAIS E, NÃO TEM COMO NEGOCIAR MAIS, ESPERA APENAS O BOM SENSO DOS PROFESSORES.

    http://eptv.globo.com/emc/VID,0,1,38580;4,governador+anastasia+visita+o+sul+de+minas.aspx

    ResponderExcluir
  15. Euler ,
    Boa Tarde!
    Você leu o Estado de Minas de hoje? Nele tem mais uma mentira ,desta feita , a Secretária Ana Lúcia A Gazzola ,diz que o governo já paga o piso.Piso é Piso e não subsídio que engoliu todas as vantagens adquiridas com os anos trabalhados de cada servidor.Creio que a Secretária esquece que o professor sabe tanto a diferença que já exigiu o retorno ao pagamento de dezembro de 2010.Pobre secretária!!!!!!Maris das Graças de Matos MaffraProfessora Aposentada -Masp -2245355 -Timóteo

    ResponderExcluir
  16. Maria Luiza D. Silveira12 de junho de 2011 18:17

    Caro colega Euler, com salários dos professores nos níveis que este mesmo blog vem anunciando, que professor em Minas compra TV LCD ou carro Zero km? Este tipo de comentário pode trazer interpretações errôneas criando equívocos e contradições.

    Maria Luiza D. Silveira

    ResponderExcluir
  17. Euler,

    Adorei o título do novo post!!!!

    Vai ser explicativo também para nossos colegas que não querem entender que deveriam voltar para o antigo regime.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  18. ACREDITO QUE A SECRETÁRIA ,A SUBSECRETÁRIA E A ANA LÚCIA DEVEM ESTAR SENDO MUITO BEM REMUNERADAS PARA TER TAMANHO CINISMO E DIZER TANTA MENTIRA E PENSAR QUE AINDA CONSEGUE ENGANAR OS OUTROS .ESSE TEMPO JÁ FOI.INFORMAÇÕES NÓS TEMOS DURANTE 24 HORAS POR DIA.

    ResponderExcluir
  19. Gente, eu estou convencida de uma coisa: custe o que custar (corte de salários, ameaças, reposições em férias, seja lá o que for!) NÃO podemos desistir dessa greve e só poderemos voltar para as escolas com nosso Piso garantido. Não somos idiotas! Sei o quanto será difícil para nós (principalmente se houver corte de salário), mas de desistirmos agora, podemos esquecer de qualquer valorização da nossa categoria. É agora ou nunca! Se desistirmos, novamente serviremos de chacota para governos, secretários, pelegos e etc! Temos que arrancar esse piso. A lei está ao nosso favor. Vamos fazer o que for preciso. Se for preciso perder o ano, que se perca. Chega de sermos passados para trás. Precisamos de ações drásticas, doa a quem doer. Essa é a hora dos professores. Outros estados estão em greve pela valorização da educação. Não vamos desistir diante das pressões que certamente virão e a primeira será corte de dias, pois o governo sabe como nos "pegar" e ele vai mexer no bolso, pois sabe que assim muitos correrão para a escola com "o rabinho entre as pernas" (desculpem pela expressão, mas é o que acontece). Não vamos desistir enquanto não pagar. Vamos ver quem tem mais força: nós, uma categoria que se une dentro da lei ou esse governo fora da lei. Abraços!

    ResponderExcluir
  20. É verdade que temos muitos colegas usando várias desculpas para não aderir ao movimento, e principalmente a perspectiva de reposição. Aliás, ficar na escola pra não ter o salário cortado é muita cara de pau. Vaí ter que repor do mesmo jeito. Desculpe-me os colegas que estão nesta situação, mas não tem perdão para quem concorda em ganhar este mísero salário e ainda defender o direito de não participar do movimento. Qualquer profissional de curso superior ganha muito mais que o professor. Então tenho que concordar com O Euler quando diz que a escola que não para tem algum problema.Por que então o professor tem vergonha de ir pra rua exigir um direito que está garantido pelo SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. VERGONHA é para o governo do Estado de MG, o segundo estado mais rico do país, pagar vergonhosos salários para educação, saúde e segurança, alguma coisa está errada com este governo. Gente, vamos aderir ao movimento para garantirmos condições dignas para a nosss categoria agora, NÃO PODEMOS MAIS ESPERAR A BOA VONTADE DE NOSSOS GOVERNANTES. QUEM FAZ A HISTÓRIA SOMOS NÓS. CIDA

    ResponderExcluir
  21. SOBRE OS APOSENTADOS
    A imensa maioria dos aposentados da Rede Estadual de Educação aposentou-se com a percepção de todas as gratificações, contudo estas vem sendo retiradas ao longo das décadas de 1.990 e 2.000. Isto significa que a maioria aposentou-se com salários bem melhores que os R$1.320,00 atuais. Com o subsídio, O SALÁRIO DOS APOSENTADOS ESTÁ CONGELADO ENQUANTO O SUBSÍDIO NÃO ALCANÇAR SEUS VALORES, OU SEJA, ETERNAMENTE!!!
    É UMA OBRIGAÇÃO MORAL E CLASSISTA, DE TODAS E TODOS, INDIVIDUAL E COLETIVAMENTE, POR MEIO DO SINDICATO, ORGANIZAR AMPLA CAMPANHA DE CONTATO E CONSCIENTIZAÇÃO DAS COMPANHEIRAS E COMPANHEIROS APOSENTADOS.
    CONSIDERAÇÕES FINAIS
    Mesmo que o Governo Estadual de Minas Gerais não pague salários dignos, é necessário ter clareza que ele cumpre o mínimo o qual é obrigado legalmente.
    Mas, no oitavo país mais rico do mundo, no terceiro estado mais rico do país, cabe dizer que, OS EDUCADORES MINEIROS MERECEM MAIS QUE O PAGAMENTO MÍNIMO EXIGIDO POR LEI!
    Proponho que nosso lema seja:
    O ESTADO PODE, O EDUCADOR EXIGE!
    PISO DO DIEESE, JÁ!
    Um grande abraço a todos e todas companheiras de luta por este estado a fora,
    Thiago Miranda
    Contato: sapofilosofo@ig.com.br

    ResponderExcluir
  22. ACERCA DO PAGAMENTO POR SUBSÍDIO
    Outro engano perpetrado pela direção sindical está na disseminação da ideia de que o pagamento dos trabalhadores de carreira não pode ocorrer por subsídio, pode sim! O SUBSIDIO PODE SER PAGO A FUNCIONÁRIOS DE CARREIRA, SIM!
    A Constituição da República regulamenta o pagamento sob a forma de subsídio no parágrafo 4º de seu art. 39. Vejamos:
    Art. 39 (...) § 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
    Porém, o mesmo artigo, contudo no parágrafo 8º, faculta ao administrador público remunerar, por meio de subsídio, os servidores organizados em carreira, como ocorreu com os professores, cito:
    "§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em carreira poderá ser fixada nos termos do § 4º. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)"
    A LEI É CLARA E AS CONTESTAÇÕES SÃO DISPENSÁVEIS. OUTRA VEZ O SINDICATO É PARCIAL EM SUA AVALIAÇÃO E NÃO CONSIGO ENTENDER SUAS MOTIVAÇÕES!
    Subsídio é uma forma de pagamento do funcionalismo público diversa do pagamento por salário base acrescido de gratificações.
    A SAÍDA DA POLÍTICA DE SUBSÍDIO E RETORNO AO MODO ANTIGO DE REMUNERAÇÃO É ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIA.
    Mas, digam-me, isso se faz com os braços cruzados na greve?
    NÃO!!!
    Isso se faz na luta diária dentro da escola e findo o tempo da volta ao modo antigo de pagamento, a greve forte e coesa, pelo pagamento integral do piso salarial para o cargo de 24h/s no salário base. Creio que mobilizações semanais, visando esclarecimentos diversos, horários diminuídos nas escolas para reunião de formação política dostrabalhadores em educação e mobilizações em escolas cujo retorno ao salário-base ainda é uma dúvida seriam ações muito mais pertinentes.
    O total de remuneração que tínhamos ao final do ano passado que se constituía de salário base+gratificação foi usado como BASE DE CÁLCULO PARA O SUBSÍDIO. A partir de então, desaparece o salário base e desaparecem as gratificações, elas não estão inclusas no subsídio, elas desaparecem! Neste sentido, o governo estadual paga o piso. Então, qual o problema em aceitarmos o subsídio?
    O SUBSÍDIO É NOCIVO AO TRABALHADORES, POIS NOS TRANSFORMA EM TRABALHADORES SEM CARREIRA E TODO O PISO TRANSFORMA-SE TAMBÉM EM TETO POIS IMPEDE O PAGAMENTO DE QUALQUER GRATIFICAÇÃO.
    A resposta é simples e grave - considero que este é o grande argumento no qual a direção sindical, caso estivesse sendo sincera com a classe de professores usaria- O SUBSÍDIO NÃO POSSIBILITA QUALQUER FORMA DE GRATIFICAÇÃO. Isso significa: SUBSÍDIO É PROFISSÃO SEM CARREIRA.
    A SAIDA DO SUBSÍDIO E RETORNO AO MODO ANTIGO DE REMUNERAÇÃO É ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIA!
    Mas, digam-me, o convencimento dos demais companheiros de trabalho far-se-á com os braços cruzados, em greve?
    NÃO!!!
    Isso será feito na luta diária dentro da escola com reuniões diárias para o convencimento do maior número de companheiras e companheiros possível e na visitação de escolas cujos companheiros não estejam plenamente esclarecidos acerca da situação atual.
    Findo o tempo para volta ao modo antigo de pagamento, a greve, forte e coesa, torna-se medida pertinente e necessária pelo pagamento integral do piso salarial para o cargo de 24h.
    Portanto, A GREVE AGORA É UM ERRO!

    ResponderExcluir
  23. Caro Euler e todos os demais companheir@s de lutas,
    É histórico o modo como as vanguardas e direções traem as bases. Isso não é novidade para ninguém!
    E, se o companheiro Euler tem se sentido combalido com este movimento, eu venho fazer parte de seu sentimento.
    O sindicato, cuja direção é majoritariamente ligada ao PT, está a ocultar análises mais apuradas sobre a situação atual de nossa categoria e ele não faz isso por inocência. Aliás, amigo Euler, a inocência não é virtude, é defeito. Um adulto que confia em líderes tal qual uma criança em seus pais é digno de constrangimentos e não de elogios. Sou adulto e tenho, em eleições representativas, voto nulo, pois, não aceito colocar minhas responsabilidades nas mãos de outrem e não admito que coloquem palavras em minha boca. Quando movimentos subtraem minha individualidade sou egoísta e quando os egoísmos tendem a destruir a sociedade, defendo os interesses comuns. Não interpreto esta maleabilidade como indecisão, mas como bom-senso. Prefiro Aristóteles à Platão, pois, aquele teve, ao romper com seu mestre, mais amor à Verdade. Neste sentido, NÃO TENHO NENHUM MEDO DE ROMPER COM O MOVIMENTO, NEM DE DIVIDI-LO SE ISSO VIER A CONTRIBUIR POR UMA CONSCIENCIA MAIOR DA CLASSE DE TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO E,ASSIM, COLOCAR NOSSA LUTA EM BASES MAIS FIRMES.
    Deste modo, gostaria de levantar alguns pontos que considero de suma importância neste momento.
    ACERCA DO PAGAMENTO DO PISO SALARIAL DOS NACIONAL DE PROFESSORES
    A greve foi mobilizada pelo sindicato com os seguintes argumentos:
    1) O Estado de Minas não paga o Piso Nacional Salarial de Professores. DISCORDO!
    A Lei 11.738/08, que regulamenta o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica preceitua em seu art. 2º, parágrafo 1º, que:

    § 1o O piso salarial profissional nacional é o valor abaixo do qual a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios não poderão fixar o vencimento inicial das Carreiras do magistério público da educação básica, para a jornada de, NO MÁXIMO, 40 (quarenta) horas semanais.

    E no seu parágrafo 3º. :

    § 3o Os vencimentos iniciais referentes às demais jornadas de trabalho serão, no mínimo, PROPORCIONAIS ao valor mencionado no caput deste artigo.

    Desta maneira, o governo de Minas Gerais cumpre os preceitos legais.
    Cabe a espera para saber se, ao voltarmos a receber por salário base +gratificação, o piso, no mínimo proporcional, será respeitado. Mas, dado que ainda não voltamos a receber pela remuneração antiga, cabe-nos, por hora, esperar, ou reivindicar através das lutas, a volta imediata, por parte do governo estadual, para a anterior forma de remuneração.
    Isto, em minha opinião, é uma reivindicação acertada para a greve, mas, dizer, simplesmente, que o governo não paga o piso, é uma falácia!
    Entendo perfeitamente que esse salário não nos atende, mas não podemos movimentar milhares de professores a partir de informações fragmentadas e análises falaciosas.
    ISSO É DESRESPEITO COM QUALQUER SER REFLEXIVO, ISSO É DESRESPEITO COM TODA A CLASSE DE PROFESSORES!!!
    Imaginem, meus camaradas, um companheiro que viaja 4,5,6,12 horas, para lutar por si e pelos demais e depois de semanas de greve e/ou manifestações, sair com a mão abanando, não porque a disposição fora pouca, mas porque as direções sindicais possuem interesses partidários no universo político e usam a base de trabalhadores como massa de manobra, como uma boiada na mão do peão. TENHO TANTO HORROR DA INOCÊNCIA QUANTO DOS GOVERNANTES!

    ResponderExcluir
  24. NÃO DEVEMOS NUNCA ESQUECER QUE EM 24/MAIO DE 2010 A MESMA DIREÇÃO SINDICAL CANTOU O SUBSÍDIO COMO UMA VITÓRIA DA CATEGORIA...TUDO MUITO ESQUISITO...

    ResponderExcluir
  25. Quando me separei do meu marido tive que entrar na justiça para pedir a pensão para minha filha, me senti tão constrangida por estar lá, mesmo sabendo que estava agindo de forma correta e dentro da lei, me senti humilhada.
    Hoje, estou com o mesmo sentimento, estudei anos e me preparei para estar a frente dos meus alunos, continuo estudando procurando sempre melhorar e me aperfeiçoar, e o que tenho em troca é o cinismo do NOSSO GOVERNADOR dizendo
    que o q ganhamos esta otimo e dentro da lei.
    Apenas o que queremos senhor Anastasia é poder criar nossos filhos com dignidade, podendo lhes oferecer uma vida melhor, com tempo para escuta-los e brincar.
    Como professora sempre digo aos pais "tenham tempo para seus filhos, tempo de qualidade, escute-os, brinque com eles, deem risadas, assistam desenhos juntos, vão jogar bola, brincar de boneca, etc." Que ótima professora sou eu que dou incentivos aos pais, que pessima mae sou eu que para poder bancar as necessecidades basicas da minha família nao tenho tempo nem de ver a minha filha acordada, quem dira brincar com ela.
    Quando resolvi estudar pedagogia, não era sonho, era uma meta, eu cresci dentro da escola com a minha mãe, a ajudava a corrigir os cadernos, tomava leitura dos alunos, eu sempre amei estar naquele mundo, minha mãe tb não tinha tempo para brincar comigo, mais o tempo que eu tinha eu ficava ao lado dela ajudando-a.
    CHEGA ANASTASIA, FAZ DÉCADAS QUE A EDUCAÇÃO NÃO É TRATADA COM RESPEITO E DIGNIDADE.... DEUS DISSE PARA VIVERMOS EM ABUNDANCIA, E O QUE TENHO VIVIDO EM ABUNDANCIA É O PARA MEU TRABALHO.... PRECISO TAMBEM VIVER EM ABUNDANCIA PARA A MINHA FAMILIA.
    Desculpe o desabafo, mais é assim que ando me sentindo...

    ResponderExcluir
  26. Sou professora a cerca de vinte anos em uma escola estadual e estou muito angustiada com a atual situação que vivo na mesma. Antes era escola de referência, muitas escolas da região de Ouro Preto, aguardavam sua posição em relação às greves e por que sempre nós estavamos em todas.
    Hoje a situação é outra, os profissionais que estão hoje nesta escola não aderem de forma alguma a greve e dizem estarem satisfeitos com o salário que recebem. Usam de vários subterfugios e pressionam funcionários contratados, dizendo aos mesmos que poderão perder seus empregos.
    Que profissional é este?
    Eu como mãe não gostaria de ter professores como estes para meus filhos.. não ensinam cidadania, não ensinam lutar por direitos.
    Somos professores e temos que dar bons exemplos aos nossos alunos.
    Enquanto os profissionais da educação não se conscientizarem que é a união que dá força ao movimento, nunca vamos conseguir nada, olha o movimento dos bombeiros do RJ, não se intimidam, quanto mais pressão mais unidos estão, e o apoio da população é maravilhoso.
    Com certeza vão ser vitoriosos.

    ResponderExcluir
  27. Prezado Euler,

    Também li ontem no Estado de Minas o texto da nossa secretária de Educação. Ela nada mais faz que reafirmar os absurdos que tem sido colocado na mídia, falsidades a respeito do subsídio, com um único objetivo: enfraquecer nosso movimento. Será que já estamos incomodando tanto assim? Tomara...
    Abraços

    ResponderExcluir
  28. Oi, você que ainda não aderiu ao movimento de defesa dos professores, você que quer pegar carona no esforço e sacrifício de seus colegas,cruzando confortavelmente os seus bracinhos, furando uma greve que tem base legal e oportunidade de vitória,você que com certeza quer ter um salário digno também,porém, às custas da luta alheia, será que você não se envergonha de comportar-se como parasita? Você é ou não é um educador? Dê a mão aos aos seus colegas, lute também , mereça o que for conseguido na greve, junte-se a nós, não seja covarde!!!!!! Helena

    ResponderExcluir